CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Desmoralizando uma nação católica
Sociedade

Desmoralizando uma nação católica

Desmoralizando uma nação católica

É preciso dizer não àqueles meios de comunicação que, esquecendo-se da sublime vocação do homem, entorpecem a mentalidade e fazem do pecado um projeto de vida.

Equipe Christo Nihil Praeponere13 de Novembro de 2014Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Os meios de comunicação social, embora exerçam papel fundamental para a informação, podem contribuir gravemente para a desmoralização da sociedade. Em 1952, quando os primeiros ventos de mudanças na legislação do divórcio sopravam sobre o Brasil, o então arcebispo de Cuiabá (MT), Dom Francisco Aquino Corrêa, escrevia jubiloso, no dia de ação de graças: “Não podemos esquecer aqui a vibrante reação e repulsa da opinião nacional às recentes ameaças do divórcio, o que prova que o Brasil se sente muito bem, na sua posição quase singular de povo anti-divórcio" [1]. Após várias décadas, o cenário brasileiro é exatamente o oposto. O divórcio não só virou lei como é advogado por grande parte da população. E isso se deve, principalmente, à atuação dos chamados mass media que, ao longo desses anos, ora por meio de telenovelas, ora pela divulgação de “indiscrições sensacionalistas e insinuações caluniosas", trabalharam minuciosamente para moldar a opinião pública à sua imagem e semelhança [2].

Com raras exceções, a mídia é, inegavelmente, contrária à moral cristã. Dia sim dia também, a fé católica é atacada nas bases, a fim de que a Igreja deixe de exercer seu papel de Mater et Magistra. Ainda soam frescas em nossas memórias as estultices do diretor da BBC, Mark Thompson, acerca do posicionamento da emissora em relação ao islã e ao cristianismo: “Zombaremos de Jesus, mas não de Maomé" [3]. No Brasil, onde Thompson parece ter feito escola, de maneira parecida expressou-se recentemente um comediante, que protagonizou um dos “vídeos de humor" mais estúpidos contra os cristãos: “Eu, por exemplo, não faço piada com Alá e Maomé, porque não quero morrer! Não quero que explodam a minha casa só por isso" [4]. Assim funciona a lógica da covardia. Em nome do politicamente correto, o cristianismo é massacrado publicamente. Em nome do politicamente correto, coloca-se uma redoma de vidro sobre um grupo — mas não por respeito aos seus costumes e tradições, é óbvio, e sim por puro medo das possíveis consequências — e o escárnio sobre outro. Ora, que isto fique bem claro: os meios de comunicação social devem tutelar pelo respeito à dignidade da pessoa humana, inclusive por sua sua fé [5].

Antes de tornar-se João Paulo I, o cardeal Albino Luciani fazia um juízo certeiro sobre as ambiguidades da mídia. O então patriarca de Veneza dizia [6]:

Estes instrumentos, que pela sua própria natureza devem ser transmissores da verdade, se forem manipulados por pessoas astutas, à força de bombardearem os receptores com as suas cores sonorizadas e com uma persuasão tanto mais eficaz quanto mais oculta, são capazes de fazer que os filhos acabem por odiar o que seus pais possuem de melhor, e que as pessoas vejam como branco o que é preto.

Não seria o caso das telenovelas, por exemplo? Que dizer das inúmeras vezes em que a moral foi vilipendiada, com vistas a alcançar bons números de audiência, através de pornografia, cenas de adultério, defesa do aborto e de práticas contrárias à família? É verdade que elas não começaram com o beijo gay. As primeiras novelas a figurar na televisão brasileira ainda apresentavam algum resquício de moral e fidelidade aos ensinamentos cristãos. Os ataques, porém, foram introduzidos pouco a pouco e de maneira sutil, a fim de anestesiar a consciência das pessoas, para que, quando fosse posta em prática a “solução final", por assim dizer, já não se encontrasse qualquer sombra de oposição. Na sua autobiografia, o escritor e romancista Dias Gomes (1922-1999), um dos maiores expoentes nesta luta de descristianização da sociedade, conta em detalhes como fazia para driblar a censura militar e disseminar as ideias comunistas na sociedade [7]:

“– Não passa – disse Nélson – os milicos não vão deixar.
– Mas eu mudei o título e os nomes das personagens. Também o protagonista não é mais cabo da Força Expedicionária, é um fazedor de santos. Claro, o sentido da história continua o mesmo.
– Ah, assim é capaz de passar, esses milicos são muito burros."

O escritor falava de Roque Santeiro, um grande sucesso na história da teledramaturgia. Apresentando uma caricatura da Igreja Católica, Gomes atacou o celibato dos padres e defendeu a Teologia da Libertação numa única cajadada. A história apresentava a figura de dois clérigos. Enquanto o tradicional encarnava a opressão aos pobres, aproveitando-se da devoção popular, o liberal inspirava a luta pela liberdade, inclusive pelo romance com uma de suas paroquianas. O ator Cláudio Cavalcanti — que fez o papel do padre comunista Albano — explica a ideia numa entrevista à própria emissora:

Em 2008, o economista peruano Alberto Chong publicou uma pesquisa pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, na qual comprova a relação direta entre a mudança de comportamento do povo brasileiro e as ideias ensinadas pelas novelas [8]. “A família está no centro dessas transformações", declarou Chong à revista Época. Neste sentido, mais uma vez é preciso repetir as palavras de Bento XVI ao povo brasileiro, quando da sua visita a este país, em 2007: “É preciso dizer não aos meios de comunicação social que ridicularizam a santidade do matrimônio e a virgindade antes do casamento" [9]. É preciso dizer não, sobretudo, àqueles meios de comunicação que, esquecendo-se da sublime vocação do homem, entorpecem a mentalidade e fazem do pecado um projeto de vida. Àqueles que não conduzem para a Jerusalém celeste; ao contrário, conduzem para Sodoma e Gomorra. Àqueles que rejeitam a paternidade de Deus para buscar a satisfação material. Finalmente, é preciso dizer não à pompa do diabo e às suas mentiras. Com Cristo ou contra Cristo.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Pescador de almas
Padre Paulo Ricardo

Pescador de almas

Pescador de almas

No natalício do Padre Paulo Ricardo, os testemunhos de quem voltou à Igreja graças ao seu ministério e ao seu apostolado

Equipe Christo Nihil Praeponere7 de Novembro de 2014Tempo de leitura: 29 minutos
imprimir

A ação de Deus não conhece limites e, quando os homens decidem fazer-se porta-vozes de Sua mensagem, também o seu anúncio ultrapassa fronteiras e atinge os corações mais duros e os lugares mais inócuos. Foi este, afinal, o mandato de Nosso Senhor aos Seus discípulos: “Ide, pois, fazei discípulos entre todas as nações, e (...) ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado" (Mt 28, 19-20).

Neste aniversário natalício do Padre Paulo Ricardo, muitos de seus alunos, admiradores e filhos espirituais querem testemunhar como, atravessando tempos, lugares e situações as mais diversas, a mensagem da Verdade chegou em seus corações, por meio de seu sacerdócio e de seu apostolado nos meios de comunicação. São palavras de quantos erravam longe de Cristo – às vezes, até aparentando serem católicos –, mas, agora, conhecendo quem é Jesus e o que é a Igreja, esforçam-se por amá-los e crescer nesse amor.

Padre, junto a estas linhas, escritas com gratidão filial, sobem aos céus as orações de toda a família Christo Nihil Praeponere por sua vida, apostolado e ministério. Feliz aniversário! Que Nosso Senhor e Nossa Santíssima Mãe o cumulem de graças e o faça santo!

Encontrei nas palavras do Padre Paulo muitas respostas às minhas indagações, que não só me tiraram do pecado em que vivia, como também me despertaram um grande interesse em conhecer mais a Igreja Católica. Ele me ensina a não só conhecê-la, mas também a amá-la e a defendê-la. Quanta coisa aprendi e ainda posso aprender com esse sacerdote que honra a batina que veste!? Devo muito ao Padre Paulo que me fez enxergar o que está por trás dessa realidade cultural em que vivemos, prevenindo-me das mentiras das ideias pagãs. São Padre Pio disse que a Igreja não precisava dele, mas que ele precisava da Igreja; pois eu digo: Padre Paulo não precisa de mim, mas eu preciso dele! Faço a analogia porque o Padre Paulo, sem dúvida, é uma pedra fundamental da nossa Igreja. Que o Espírito Santo continue iluminando e dando muita coragem ao nosso querido sacerdote.
Maciel Francisco

Reverendíssimo Padre Paulo,
Sou abençoada por Deus, por ter conhecido o seu trabalho e o de sua equipe do site. Deus é maravilhoso e o colocou no meu caminho assim que comecei a buscar algo que ainda não sabia direito o que era. Tinha começado a minha vida de oração, porém estava muito perdida, sem orientação. Sou católica, minha família inteira é, porém não tinha noção dos sacramentos, não tinha noção da importância da Igreja, enfim. Através de estudos por meio do seu site, que desde final do ano passado acesso diariamente, eu só tenho a agradecer tudo o que venho aprendendo. Reconheço que tenho um longo caminho a percorrer, estou só no comecinho, mas como o senhor tem me ajudado nessa busca desta única Verdade! E é por isso que estou aqui hoje, especialmente, para lhe parabenizar por mais um ano de vida e, claro, agradecer a Deus pela pessoa em que se transformou e desejar que continue evangelizando e levando a palavra de Deus a todos nós. Desejo de todo o meu coração que essa fé que está brotando em mim, seja levada, cada dia mais para mais pessoas através de seu belíssimo trabalho. Que Deus, com toda sua graça, continue te abençoando enormemente.
Erika Suzuki, Arapongas, Paraná
Pescador de almas. Esta foi a melhor definição das inúmeras que já ouvi sobre Padre Paulo Ricardo. Num mundo marcado por incertezas e falta de amor, para mim foi a mais feliz coincidência encontrar com os posts deste mensageiro de Deus na internet. Quando me senti desanimada por ver a Igreja Católica abalada pelo mundo moderno, encontro um Ungido do Senhor que retoma com muita coragem e energia os princípios de nossa fé cristã e a confronta com os descaminhos de uma sociedade em crise.
Depois de absorver o impacto de suas palavras imperou em mim o desejo urgente de conversão e de buscar a santidade (por que não?). Conhecer seu ministério fez reacender a fé que meus pais me ensinaram e a certeza que ainda podemos mudar o mundo, não mais através de ideologias enganadoras, mas vivendo a simplicidade da palavra de Deus. Feliz Aniversário, Padre Paulo Ricardo.
Marilde Chaves, Floriano
Ainda não tive a graça de conhecer pessoalmente o Padre Paulo, mas seu sim a Deus fez e faz toda a diferença na minha vida.
Em um momento muito difícil na minha vida, em uma grande dúvida vocacional, escutei pela web duas pregações do Padre Paulo. Uma falava sobre ter Prudência e a outra sobre vocação. Esses dois lindíssimos ensinamentos colocaram "meus pés no chão". Tudo fez mais sentido, as palavras edificaram meu coração de uma forma que nunca mais deixei de escutar os lindos ensinamentos do Padre. Já havia escutado muitas pregações durante a vida, mas o ensinamento do Padre Paulo edifica, traz fortaleza ao nosso coração e sua convicção verdadeira da fé me ajudou a permanecer na caminhada.
Padre Paulo, agradeço de todo o meu coração pelo seu sim, pelo seu chamado e vocação. Continue, persista nessa missão linda que Deus te deu. Oro sempre por ti e como o senhor mesmo diz: "Se for preciso, que me tirem a vida". Tudo para ser verdadeiro, um verdadeiro apóstolo de Cristo.
Jonathas Castro, São Paulo
Tudo começou com uma desilusão amorosa. Passei a frequentar igrejas protestantes. Mesmo a minha mãe sendo Católica e eu ter sido batizada na Igreja Católica, recorri ao protestantismo, pois essa denominação sabe acolher as pessoas pelo simples fato de aproveitar o emocional para disseminar contra a fé. Mesmo gostando dos cultos protestantes, algo não encaixava naquilo tudo, mesmo no meio de tanta dor eu ainda refletia, conseguia ser racional, o modo que os protestantes se referem a Maria e aos Santos me dava repulsa, por isso resolvi fazer um curso bíblico, mas optei em fazê-lo na igreja Católica. Como as Igrejas Católicas têm Carência nessa área pesquisei no Google: “curso bíblico Católico". Foi quando conheci o trabalho do Padre Paulo, assinei o site e fui descobrindo cada vez mais sobre a Igreja Santa. Através do site eu fiz a consagração a Nossa Senhora no ano passado, este ano eu vou confirmar renovando a consagração. Confesso que a minha vida mudou muito, aquela dor sofrida passou e o meu amor Por Cristo parece brotar timidamente, mas eu sei que com ajuda da Virgem Santíssima esse amor vai crescer e vai tomar conta de mim. O trabalho do Padre Paulo é importantíssimo pois ele resgata corações perdidos em fé cega e impura, faz a gente enxergar e amar a Santa Igreja, amando a cabeça dela e compreendendo que esse corpo celeste não iria expulsar os Santos mártires e sua Mãe Rainha, como as denominações protestantes fazem. Obrigada Paulo Padre Ricardo, parabéns pelo seu dia que Deus abençoe e Virgem Maria te ilumine.
Aryana Oliveira de Jesus
Por longos anos de minha vida fui um apóstata, em especial por dar ouvidos a professores e a demais ateus que deturpavam toda a obra e crença da Igreja Católica como sendo apenas uma "invenção" ou o "ópio do povo" como dizia Nietzsche. Pois bem, após passar por uma fase dificílima voltei-me a Igreja em modo automático diria, quase como se meu coração lá procurasse a paz que eu necessitava.
Contudo, ainda eu via a Igreja e a religião como algo fantasioso - os milagres, os dogmas. Através das publicações de artigos do Padre na timeline de uma amiga no facebook fui conhecer o site do Padre e todo o seu conteúdo que me abriu os olhos para toda a realidade da Igreja Católica Apóstolica Romana - seja no conteúdo de fé, seja na comprovação que toda a doutrina da Igreja foi construída na Razão. Nada é pela crença infértil, mas em tudo há uma razão.
Também é devido ao Padre que pude perceber o embuste dos comunistas (e em especial aos teólogos da libertação) que visam a destruição de nossa amada Igreja Católica Apóstolica Romana.
Johnny Rottava
Meu nome é Fábio Rodrigues, sou estudante universitário, e como tantos outros, estive perdendo a minha fé devido aos acontecimentos diários da vida universitária. Tive muitas dificuldades em me manter fiel em razão das diversas situações em que estive presente. Seja pela falta do tempo, ou por ações de indivíduos que utilizam de argumentos pesados para combater a minha fé católica. Estava me sentindo sozinho e infeliz, achando que não encontraria as respostas adequadas para a minha vida. Mas pela ação de Deus, fui apresentado aos vossos conselhos e as respostas católicas. Hoje toda a manhã quando vou à aula, escuto algum programa do senhor, pois não há nada melhor que começar o dia com oração. E hoje digo, sem medo, que minha fé não só foi restaurada, mas ampliada. Meu aniversário foi dia 5, peço que reze para mim, pois estarei rezando para você. Grande abraço padre e professor.
Fábio Rodrigues
Em nome da minha família agradecemos imensamente a você por compartilhar conosco o seu grande dom da Palavra. Através do Facebook conhecemos a sua página e nos encantamos com seu conhecimento. Frequentemente toda a minha família separa um horário na semana para assistir seus vídeos ou ler suas explicações. Em casa somos em 4: eu, minha mãe, minha irmã e meu pai. Desde que conhecemos vossa página aprendemos cada dia mais sobre a nossa fé Católica, e cada dia mais aumenta nosso conhecimento e paixão por Deus.
Tenho 22 anos e represento seu público jovem, e lhe confirmo que seu papel é fundamental nas nossas vidas. E agradeço a Deus por ter acesso a tanto conhecimento através de você. Você nos inspira. Desejamos com muita oração e amor que Deus continue lhe abençoando cada dia mais, derramando sobre você os dons do Espírito Santo. Para que assim cada vez mais você possa compartilhar com o mundo todo os seus dons e graças.
Amanda Andrade
Conhecemos o Pe. Paulo nas eleições de 2010. De lá pra cá as grande conversões iniciaram. Aos poucos fui me aproximando do site e hoje, graças à Deus, sou aluna fiel. É com os cursos do Padre ao fundo que trabalho em casa. De todos os cursos que assisti confesso que o Doenças Espirituais é o mais marcante. As explicações das origens dos pecados e suas maneiras de combatê-los é o que me mantém na fé, e me faz, dia a dia, a ter mais força para manter meu foco e aumentar a minha fé. Com o Padre Paulo tenho aprendido que, dentro de minha pequenez a única verdade que me resta é Cristo através de Maria. Padre que o Nosso Senhor o abençoe abundantemente, principalmente nesses tempos em que a verdade anda tão negligenciada.
Lidiane, Recife
Salve Maria. Há aproximadamente 4 anos, eu havia sido apresentado a uma teologia Marxista, a teologia da libertação! Comecei então a pregar essa teologia como verdadeira, pois na região em que moro, é isso que aprendemos nos cursos de teologia! Até que um dia meu querido pai me chamou atenção ao me mostrar o Padre Paulo Ricardo na TV, ele falava da veracidade dos milagres e denunciava a teologia da libertação! Aquilo me incomodou, graças a Deus, eu vi tanto domínio sobre o assunto, tanta clareza e sinceridade, que não pude ficar quieto e fui em busca da verdade. Então, depois de tanta pesquisa, pude ver que a teologia da libertação estava corroendo a minha fé e me desligando do mundo espiritual, prendendo-me ao mundo materialista, cujo razão era a fé! Comecei a estudar a verdadeira fé católica e mais adiante lá estava eu, exclusivamente tão teórico que, embora do lado certo, estava perdendo a devoção à Santíssima Virgem, por uma espécie de arrogância. Mas lá estava o Padre Paulo pra me puxar de volta aos trilhos! Sou imensamente grato pela sua intervenção em minha vida! Que a Virgem Mãe ouça nossos agradecimentos e apresente a Cristo de uma forma digna, parabéns! Paz e bem!
Ladislau Neto, Lajeado, Pernambuco
Conheci o Padre Paulo há três anos por meio um vídeo no qual ele respondia uma pergunta em relação à Virgem Maria. Logo mais, comecei a ver como a Igreja é Santa e que realmente foi fundada por Jesus Cristo, algo que eu duvidara, aliás, eu duvidava da existência de Deus. Tenho absoluta certeza que Deus, através do Padre Paulo, agiu em minha conversão e volta à Santa Igreja através de seus vídeos, me mostrando como a Igreja é bela com seus Santos, Maria e a Santíssima Trindade e me incentivando incessantemente a busca da Santidade para a glória de Deus. Minha primeira comunhão e crisma foi esse ano e creio que o Padre Paulo foi um dos responsáveis por eu buscar esses sacramentos. Vi que amar ao Pai é mais importante que tudo, e se for vontade Dele, entregarei minha vida como religiosa. Obrigada Padre Paulo por seu um servo tão fiel a Deus. Fiquem com Deus. Grata.
Ana
Caríssimo Padre, independente de meu depoimento ser escolhido ou não, gostaria que o senhor e todos que trabalham em seu site soubessem que, as mensagens, aulas, reflexões e "puxões de orelhas" que chegam até nós estão, centímetro a centímetro, pavimentando uma nova estrada espiritual para nossos pés. Digo "nós" porque falo por mim e por minha esposa e, por extensão, nossos filhos.
Aqui, em nossa humilde casa, Jesus passou a encontrar abrigo pelas mãos de Maria. Tenho certeza que ela usa cada aula sua, Padre, para que este abrigo vá se tornando maior e melhor para Eles e para as coisas que vêm Deles. Obrigado Padre e que Deus possa dar a nós, pecadores, cada vez mais o conhecimento e a fé que emanam do senhor. Parabéns!!
Francisco Danilo e família
Meu nome é Samara. Nasci católica devido a meu pai, e dou esse breve testemunho sobre Padre Paulo. Eu estou vivendo na Espanha agora com minha família e o padre me ajudou e continua me ajudando de uma forma milagrosa! Eu hoje não me sinto mais só e muito menos na ignorância espiritual. Hoje eu creio de verdade na igreja católica graças a seus ensinamentos. Veja bem, eu tinha deixado a igreja, frequentei até igrejas evangélicas, centro espírita, estava perdida mesmo, mas meu pai Antonio sempre orava por mim, pedia que eu voltasse para a igreja. Devido à idade de meu pai, comecei a ir com ele, só de companhia, mas na missa para mim era muito morno! Resumindo, acabei vindo morar aqui na Espanha, mas antes disso eu lembro que meu pai havia pedido para que não abandonasse a verdadeira Igreja. Foi aí que o senhor, Padre Paulo, trouxe de volta aquilo que o meu Pai do céu e o meu pai da terra tanto queriam e o que eu buscava: Fé, Esperança, Amor e o conhecimento cristão! Te agradeço de coração e peço a sua bênção!
Samara, Espanha
Num mundo cada vez mais obscuro, onde os valores morais estão fora de moda, onde estamos presenciando, dia após dia, o bombardeamento de mensagens negativas, muitas subliminares aos desatentos, onde a família perdeu a maioria de seus valores sagrados - digo sagrados porque o Senhor quis ter uma -, onde o mal tenta governar a todo custo, com certeza sabendo que o fim está por vir, agradeço a Deus por ser Católico, agradeço a Deus pelos nossos Sacerdotes, pela nossa Igreja, pelo Papa e nesta data, agradeço a Ele pelo seu nascimento e pelo seu Chamado. Sempre que posso, assisto pela internet seu programa Direção Espiritual, onde há explicações coerentes e documentadas sobre os diversos assuntos, tanto Bíblicos quanto temporais. Num destes programas vi o Sr. dar testemunho próprio sobre o Terço. Isso me tocou muito e me ajudou recentemente a começar a rezá-lo diariamente. Que Deus te abençoe e te guarde!!!
Fernando Miller
Caríssimo Padre Paulo Ricardo,
Conheci-o através da Canção Nova, e fui vendo a sua preocupação em disponibilizar informação sobre temas religiosos, filosóficos, catequéticos. A clareza da sua explanação é notável. No meio daquilo que diz há sempre algo por qualquer razão que nos toca mais pessoalmente. Um aspecto particularmente difícil para mim enquanto alguém que reflecte acerca das questões da nossa fé prende-se com a compreensão do mistério da redenção. A sua explicação acerca do sacrifício expiatório do Antigo Testamento em ligação com o sacrifício expiatório de Jesus foi decisiva para eu conseguir ter uma visão mais abrangente sobre o tema. Tenho seguido também a sua participação cívica que tem sido mais constante nos últimos meses. Tornou-se, é claro, numa personalidade atacada. As perseguições que acompanham o discípulo…
Neste aniversário quero assegurar-lhe as minhas orações para o seu ministério difícil e pedir-lhe que continue a mostrar-nos a sua bela visão da nossa fé.
António Veiga, Lisboa, Portugal
Através do apostolado do Pe. Paulo mudei bastante minha visão à respeito do sacerdócio, que na época reduzia-se aos estereótipos preconceituosos propagados pela grande mídia. Pouco a pouco, através das suas aulas, exortações e sobretudo do seu exemplo, fui cada vez mais me apaixonando pela Igreja Católica. No seu apostolado encontrei um ponto de referência seguro sobre diversas questões, bem como estímulo para o hábito de estudo e oração constantes, o que sem dúvida alguma contribui muito para minha vida espiritual. Se hoje tenho o interesse despertado em cursar filosofia e teologia, além de ver com mais clareza a luz e esplendor do Catolicismo em todos os tempos, devo muito disso ao Pe. Paulo Ricardo.
Rodrigo Allan, Rio de Janeiro
Esse ano eu estive em grande tristeza. Eu o procurei como diretor espiritual. Todas as vezes que sentei com ele, tanto como diretor espiritual, como em confessor, aos poucos com seus santos ensinamentos, pude encontrar caminhos certos e deixei de sofrer pois pude voltar a ver a luz da fé que havia se perdido dentro de mim. Pe. Paulo tem visão profética, eu louvo a Deus pela vida dele, por esse dom que ele tem, ungido pelo Espírito Santo, homem santo, que luta pela santificação das almas.
Uma vez em visita em minha casa, minha filha levou até ele uma foto dela e de seu namorado para ele rezar, abençoar seu namoro, pois ela estava triste, o namorado tinha sido transferido para outra cidade. Pe. Paulo pôs sua mão sobre a foto e fez uma oração. Alguns meses depois, neste mesmo ano, minha filha se casou na Igreja Católica. Mesmo com toda dificuldade financeira, tudo deu certo. Eu nem havia pensado na época se ela ia se casar. Ele não cansa de se doar para um mundo sem pecados. Louvado seja o nome Santíssimo de Jesus Cristo e de sua Mãe, Maria Santíssima, pela vida de Pe. Paulo Ricardo!
Silmara Nantes
Conheci Padre Paulo assistindo um programa de TV. Algo dentro de mim falou-me: “vai atrás dele". No mundo de hoje, precisamos apenas de alguns cliques para ir atrás de alguém. Foi o que fiz. Imediatamente fui para a internet procurar quem era aquele padre que tocou-me tão profundamente com o seu jeito de ensinar a Fé da Igreja, da qual faço parte com tanto amor e orgulho. Entrei no site e comecei a assistir aos vídeos, às aulas, quanto mais eu aprendia mais eu queria aprender, e assim ainda é. Vi que esta grande descoberta, um padre tão especial como ele, eu não poderia guardar só pra mim, eis que comecei a anunciar a todos, esta benção, o Padre Paulo Ricardo, indicava seus vídeos, espalhei na minha comunidade, divulgando a todos os que queriam conhecer verdadeiramente sua fé, e viver como um verdadeiro cristão, que o procurassem também, e assim continuo até hoje, usando os vídeos do padre para ensinar. Tornei-me um cristão melhor, o que aprendo nos vídeos trato logo de passar para outras pessoas, anunciando a verdade de Cristo, ensinada pela Santa Igreja, através da boca do Padre Paulo Ricardo. O padre faz parte da minha vida, sei que estou longe de saber tudo, mas tudo o que até hoje, muito se deve a este Santo homem pelo o qual eu tenho um amor enorme. Padre o aniversário é seu, mas o presente quem ganha somos nós, ter você em nossas vidas é um grande presente de Deus, rezo sempre por você para que você seja firme e comprometido com a Verdade até o fim. Um dia espero poder trazer este santo homem para ensinar ainda mais nossa paróquia, nossa comunidade, e conhecê-lo pessoalmente. Parabéns, Padre Paulo Ricardo!!!
Cristian Lavareda, Manaus
Com grande alegria, parabenizo o Pe. Paulo Ricardo no seu aniversário. Conheci o sr. por intermédio da minha mãe e confesso que no princípio não gostava do que o sr. pregava. Eu estava há oito anos em uma universidade federal. Hoje, admiro muito seu trabalho, que fez de mim uma cristã mais fiel. Que Deus o abençoe sempre para que o sr. prossiga na sua importantíssima missão de guiar o rebanho dEle no Brasil.
Louise Menegaz de Barros Mota, Belo Horizonte, Minas Gerais
Conheci o Padre Paulo por vídeos da internet. Ele ganhou minha admiração desde a 1ª vez que o ouvi, e venho aprendendo muito com ele. Mesmo estando longe dele, parece que somos como "amigos". Quando tive a oportunidade de conhecê-lo experimentei isso. Deve ser sua grande qualidade, a proximidade de um Pai com seus filhos.. é um espelho das virtudes de Cristo! Obrigado, Padre Paulo!! Feliz aniversário!
Bruno Jesus, São Paulo
Padre Paulo, és um grande homem de Deus! Um grande homem, um grande santo, não é aquele que não erra, perfeito... mas aquele que busca com todas as suas forças o zelo pela santidade sua e dos seus ao redor.
Sinto-me cuidado pelo senhor que, a cada vídeo, a cada áudio, vem me ensinar, exortar, auxiliar minha alma no caminho correto, no caminho da minha salvação. De que devo lhe chamar? Que palavra o intitularia melhor, pelo bem que o Senhor tem feito a mim? Só acho uma palavra: Pai.
Sim, você tem sido um pai espiritual, um diretor espiritual. Só tenho a dizer meu muito obrigado e orar sempre pelo senhor, pela sua missão. Não há palavras para agradecer o bem que o senhor tem feito a mim, me levando mais perto da santidade! Deus lhe abençoe imensamente!
Felliph Jordan Moreno Ribeiro, São Paulo
Gostaria de dizer que padre Paulo Ricardo foi um divisor de águas no meu crescimento cristão, pois sem conhecimento, como é possível crescer?
E a profundidade de seus ensinamentos e sua postura fiel à Tradição da Igreja me motivou a avançar para águas mais profundas. Acabei de sair da areia e entrar na água; apenas molhei os pés até agora, mas estou firme e decidido onde quero chegar.
Minha mensagem não necessita ser avaliada para a escolha do texto a ser postado, pois o maior presente é ter o Padre Paulo como guia espiritual. Deus abençoe e Maria Santíssima o proteja por toda a vida!
Saul Botelho, Londrina
Olá, irmãos em Cristo! Vim aqui testemunhar a importância do padre Paulo Ricardo na minha fé cristã. Perdi um sobrinho há dois anos e meio em um acidente de carro. Ficamos nos perguntando o porquê disso e infelizmente seus pais foram buscar essas respostas no espiritismo. Com os ensinamentos do padre, encontrei paz e descobri que tudo acontece por força e vontade de Deus! Paz e bem!
Sheila Cristina Venancio Gonçalves
Meu nome é Inês Gomes, sou Portuguesa, estou em Portugal há dois anos e meio. Antes de regressar a Portugal, vivi aí no Brasil durante 15 anos. Meu esposo foi preso e extraditado para Portugal, onde foi assassinado pelos próprios companheiros de cadeia. Ele era inocente.
Quase morri quando esta tragédia caiu sobre a minha família. Já tinha ouvido falar da TV Canção Nova, mas nunca liguei pois trabalhava com meu marido na venda de doces.
Já em Portugal comecei a assistir à CN e depois de ouvir imensas palestras e rezar durante todos os dias junto com a CN, que era o que eu tinha disposição para fazer, o resto nada me interessava, eu pedia a Deus que me levasse também.
Agora é que é o meu testemunho.
Naquele bendito dia, após dois anos de sofrimento, a palestra era com o Pe. Paulo Ricardo, não me lembro do título da palestra, mas o Pe. falou tanta coisa que tocou o meu coração e dizia que amar a Deus de todo o coração e em primeiro lugar e as suas palavras iam, entravam no meu coração, que eu só me lembro de começar a chorar convulsivamente, meu corpo começou a tremer, parecendo que alguém me batia e fiquei estendida no chão. Passado um tempo, levantei-me com o pensamento que eu tinha que pedir perdão a Deus. Saí de casa chorando e correndo para a igreja para me confessar e contei toda a minha história ao padre, que me atendeu prontamente. Desde aquele dia sou outra pessoa, a tristeza passou, a raiva também, perdoei e pedi perdão a muitas pessoas que tentaram me ajudar e não conseguiram. Deus usou o Pe. Paulo para me levantar, naquele dia foi a palestra certa na hora certa. Há muito tempo que queria testemunhar, que quando estava no meu limite Deus me levantou.
Hoje incomodo muita gente por falar tanto do nosso Senhor Jesus Cristo, isso é o motivo para continuar a viver. Se antes não tinha sentido de viver, agora todo esse sentido está em Deus. Agradeço desde já a oportunidade de poder dizer tudo o que lhe queria dizer e agradecer a Deus que nunca me abandonou. Deus o abençoe.
Inês Conde
Salve Maria!
Fico feliz por ter encontrado o Padre Paulo no meu caminho de volta a Roma. Em uma de minhas buscas por esclarecimento sobre o catolicismo, me deparei com o trabalho maravilhoso que esse servo de Deus tem, estava perdida numa vida mundana, sem fé e quase me converti ao protestantismo por ter uma ideia errônea sobre a Igreja, mas com suas aulas encontrei o que precisava e vi que não estou sozinha, que "sou pequena no ombro de gigantes" e principalmente a verdade sobre a Igreja e dou graças ao Pai por isso! Desejo a ele um feliz aniversário e que Deus lhe abençoe muito para que continue levando luz ao mundo! Paz de Cristo.
T.
Meu nome é Silvio Junior. Tenho 21 anos e sou de São José dos Campos - SP. Desde pequeno fui incentivado pelos meus pais a frequentar a igreja católica, cresci com raízes católica em meu coração. Mesmo pequeno, participei do Vicentino do meu bairro e de diversos grupos de oração, mas isso quando pequeno. Quando completei meus 14 anos senti que fui me afastando de Deus, por influências de amigos e pela fase em que vivia de adolescência, fui querendo conhecer o que o “mundão" poderia me oferecer. Minha mãe também com o tempo foi se afastando da igreja e íamos somente na missa e de vez em quando. Nesse tempo em que estive afastado da igreja, nunca fui influenciado por outras igrejas e religiões, aquilo que eles me falam não caía na minha concepção, creio eu pelo fato de quando pequeno ter participado de obras da igreja católica e saber que era a verdadeira igreja de Cristo. Há pouco tempo comecei a namorar e fui convidado a participar da igreja protestante deles, mas eu pensei: “Porque devo sair da igreja católica para participar da igreja deles?" Mesmo minha mãe não participando, ela era católica, minha familia inteira católica. Então nisso decidi escrever no Google: “Por que os católicos viram evangélicos?" E de primeira abri o vídeo do Padre Paulo Ricardo. Uma das frases dele que me fez cair na real foi a de que as pessoas que se convertem do catolicismo ao protestantismo não eram na verdade católicos de coração, não conheciam realmente a fé católica. Parei nessa parte do vídeo e refleti. Não estava sendo católico de verdade. Não estava seguindo a doutrina da igreja, estava sendo mais um católico que somente diz ser católico mas não segue a doutrina da igreja. A partir do dia que vi esse vídeo, eu me tornei fã do Padre Paulo Ricardo, me interessei em ver os outros vídeos dele que me ajudaram hoje a querer seguir a doutrina da igreja, me fazer conhecer mais a fé católica. Tenho certeza que Deus usou o padre Paulo Ricardo a me colocar novamente nos caminhos de Jesus Cristo. Hoje abandonei tudo o que o mundão me oferecia, me sinto que nasci de novo. E com os vídeos do padre estou conseguindo fazer minha mãe voltar aos caminhos de Deus. Parabéns Padre Paulo Ricardo, que Deus continue te usando para resgatar mais vidas para Jesus Cristo. Muito obrigado e que Deus e Nossa Senhora te abençoe e te guarde!!!
Silvio Camargo
Padre Paulo Ricardo mudou a minha vida! Não tem limites de caracteres que possam definir, testemunhar a graça de dizer como Jesus entrou na minha vida através do sacerdócio do Padre Paulo Ricardo. Tive a graça de conhecê-lo pessoalmente em Cuiabá e, a partir daí, pude e posso a cada dia beber da fonte de sua sabedoria que me ensina, me forma e me leva a ser uma jovem mais de Deus. Sim, sou há mais de um ano aluna fiel do site e com muito orgulho.
Padre, Gratidão, por ser um grande pai espiritual para mim e para muitos dos seus filhos. Gratidão, pelo seu sacerdócio santo que nos leva a cada dia mais buscar e ser fiel a Deus e obrigada por ser nosso Bom Pastor, em Cristo.
Padre Paulo, hoje, só tenho a agradecer a Deus por sua vida, sua vida é uma dádiva do Céu, presente de Deus para mim.
Josiana, Londrina, Paraná
Padre, muito tenho a agradecer ao senhor e o seu apostolado. Eu voltei ao Catolicismo este ano, depois de quase 20 anos no Espiritismo. Graças ao senhor e o seu site, eu pude entender muitos dos erros que eu cometi, e como a doutrina católica tinha resposta para estes erros há séculos! Muito obrigado e um feliz aniversário!
Alex Abate Biral
Com as manifestações do ano passado, assistimos a um dos seus vídeos que pedia para estudarmos. Passamos então a acompanhar o seu site diariamente, prestando muita atenção nos seus ensinamentos e pedindo a Inspiração Divina. Assim, descobrimos que, mesmo já tendo sido católicos, protestantes e mundanos, não conhecíamos verdadeiramente a História, a Fé e as Doutrinas da Santa Igreja, e, portanto, não sabíamos retribuir o Amor e Misericórdia de Deus e sermos fiéis a Ele. Estamos muito felizes e gratos, por reconhecermos nossa pequenez, e assim podermos caminhar para junto do Verdadeiro Amor que é Jesus Cristo. Padre, obrigado por ter nos ensinado que podemos amar e honrar de todo o coração nossa querida Mãe Maria e os Santos, e por nos mostrar o caminho do Céu. Nós te amamos. Que Deus o abençoe.
Giovani, Suelen e Luis Augusto, Londrina, Paraná
Te conheci por acaso, via internet, assistindo uma palestra sobre a Bíblia Sagrada e gostei muito da forma como foi exposto, então comecei a pesquisar mais, conheci o seu site e iniciei a escutar as suas palestras diariamente.
Te considero um grande guia espiritual, pois através de suas palestras, comecei a aprender o que realmente é ser um Católico e não só isso, em uma época tão distorcida de valores o senhor nos guia sobre fé, cidadania e politica.
Fábio
Os ensinamentos da igreja católica através do Pe. Paulo têm sido fundamentais para meu crescimento espiritual e social. Tudo começou quando o papa Francisco veio ao Brasil, pois comecei a ler a respeito e assim fiquei sabendo do site do Padre (já o conhecia um pouco), o qual também apresentou o Olavo de Carvalho. A partir disso minha maneira de enxergar a realidade melhora a cada dia.
Agradeço a Deus por esses dois Homens de verdade, Pe. Paulo e Prof. Olavo.
Silvio José
Quando vim morar no exterior senti um vazio muito grande dentro de mim e não sabia o que era, e no fundo descobri que esse vazio era uma falta e um afastamento tremendo de Deus. Aqui morando me descobri um católico self-service, diria até um não católico. No desespero por me encontrar com Cristo e com a fé católica fui apresentado ao site de Padre Paulo que mudou minha vida e me fez crescer na fé. Esse jeito meio duro de padre Paulo assusta no começo, mas quando você se reconhece pecador e reflete, vê que tudo que padre Paulo diz é de uma coerência imensa. Por isso sou muito grato a ele por dedicar seu tempo a ser também um educador ensinando as maravilhas de ser católico.
Diego Santos
Os caminhos de Deus são perfeitos. Depois de anos (muitos anos...) de catolicismo "mais ou menos", relativo, TL, autocentrado, Ele quis dar um basta. Vendo que nossas almas estavam à mingua, primeiro nos deu a Canção Nova, que nos fisgou e começou o processo de recuperação do que estava perdido. Junto a isso, o chamado veio forte com a vontade irresistível de dar aulas de Catequese, e com o apelo de uma Capela, mais ou menos perto de casa, carente de músicos - e de catequistas. Vamos? Vamos! E fomos. E fizemos barbaridades!! Glória ao Pai Criador, ao Filho Redentor e ao Espírito, dizem todos os anjos. Mas - lembram? - lá estava a Canção Nova. E, nela, o Oitavo Dia, com aquele padre cujas palavras tinham (e têm!!) sabor e essência de Verdade. Ai, ai, ai, o texto do Glória, do Santo, tem que ser o litúrgico? O que vínhamos fazendo?!?! Corre corrigir os erros! O que é melhor, com alegria, sem nenhum ressentimento. Sensação de criança que aprendeu, finalmente, a fazer certo alguma coisa. Padre Paulo, estávamos sedentos. A cada programa, sorvíamos suas palavras - que nada mais eram do que a pura expressão da doutrina da Igreja. Nada de mais. Mas era o remédio de que precisávamos. Já devidamente "medicados", houve uma reviravolta nas Capelas da nossa região, que foram entregues aos Arautos do Evangelho - ih, houve muito torcer de narizes. E uma coisa podemos afirmar: não estivéssemos previamente preparados com suas aulas, padre, talvez tivéssemos trocado de paróquia. Mas percebíamos uma consonância, feliz consonância, entre o que eles diziam e o que o senhor dizia. "É, o padre Paulo também disse isso, então está certo!". Hehehe, ainda crianças... Esbaldamo-nos. Sem grandes invenções, apenas a doutrina da Igreja, apenas os ensinamentos de Cristo, apenas Cristo no lugar que Lhe cabe: Cristo Rei, nosso Deus e Senhor nosso. Precisa mais? E tudo isso regado a cantos gregorianos e a polifonias que, no princípio, espantaram os que queriam dar show na missa, mas têm ajudado os que ficaram e os que vieram depois a elevarem-se, a cultivarem o desejo de não fazer nada que os separem de Deus. Padre Paulo, sua fidelidade a Deus e à Sua Igreja salva almas. Que Deus conserve sempre sua disposição para ser instrumento Dele nessa luta para restituir ao Pai, com a ajuda impecável de Nossa Senhora, as ovelhas ludibriadas e desgarradas de Seu rebanho.
Ana Luisa e família, Mairiporã, São Paulo

Que aumentem cada dia mais os frutos da pregação deste “pescador de almas"!

Ó Deus, que fizestes do vosso Filho único sumo e eterno sacerdote, dai ao que Ele escolheu como ministro e dispensador dos vossos mistérios fidelidade à missão que recebeu. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Quarenta Homens de Fé
Santos & Mártires

Quarenta Homens de Fé

Quarenta Homens de Fé

O martírio do Beato Inácio de Azevedo e seus companheiros mártires recorda que o Brasil nasceu sob a sombra da cruz de Cristo.

Equipe Christo Nihil Praeponere6 de Novembro de 2014Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

O Brasil nasceu sob a sombra da cruz de Cristo. Não sem razão os portugueses, tão logo fincaram bandeira em nosso território, trataram-no com o belo nome de “Terra de Santa Cruz". Com os colonizadores, de fato, veio para o Novo Mundo um incontável número de sacerdotes e religiosos católicos que, sem prata, nem ouro, deixava a Europa tão somente para semear a semente do Evangelho no coração dos povos indígenas (cf. At 3, 6). Hoje, pode-se dizer que praticamente todos os lugares de nosso país rendem homenagem a esses “homens de fé". Igrejas, cidades, ruas e monumentos são apenas alguns exemplos de como os nomes dos santos de Deus não estão escritos somente nos céus (cf. Lc 10, 20), mas também nas obras e construções humanas.

Uma bela composição musical, de autoria da cantora e compositora Kay Lyra, evoca justamente a história do corajoso Beato Inácio de Azevedo e de seus trinta e nove companheiros, que, não contentes em pregar o Evangelho com os lábios, testemunharam-no com o martírio, enquanto tentavam entrar no Brasil. Em poesia, a canção “Quarenta Homens de Fé" conta como os quarenta jesuítas, após aportarem “na Ilha da Madeira" e entrarem na nau chamada de “Santiago", foram atacados e mortos por piratas protestantes, quando passavam perto das Ilhas Canárias:

“Quarenta Homens de Fé" (Kay Lyra)

Aportaram na Ilha da Madeira
Quarenta homens de fé
Prosseguiram na nau de Santiago
Quarenta homens de fé

Missionários guiados pelo vento
Com o intento do espírito da luz
Que conduz com firmeza e com clareza
Do cruzeiro de pedra Monte da Cruz

E a nau prosseguia bem tranqüila
Sobre a água o sol refletia paz
Mas a prece de Santa Tereza D'Ávila
Foi visão do martírio de um rapaz

Dom Inácio de Azevedo vinha
Com um sorriso e na mão sua santinha
E desejava seguir o seu irmão
João sobrinho do capitão

Uma prece eu peço, pra esses homens de fé
Que não sejam esquecidos, esses homens de fé
De repente uma nuvem pressentia
O clamor da maldade de um irmão

Onde o amor é de pouca serventia
Onde a noite chegou no coração
Surpreendidos com enorme alarido
Ameaçados com armas no convés

Dom Inácio caído e atingido
Sem saber a razão desse revés
Praguejando e ferindo com a espada
Era a ira de Jacques Sourie

Mais potente é a arma que o homem guarda
Com a fé sua morte não temer
Foram todos os homens então lançados
Uns já mortos, uns vivos, condenados

E agarrado à Santinha foi Dom Inácio
Para o fundo do mar…pra você ver
Uma prece eu peço, pra esses homens de Fé
Que não sejam esquecidos, esses homens de Fé

Prosseguiram então sua viagem
Para além desse céu e desse mar
Com as armas que vestem fé e coragem
Prosseguiram pro eterno bem morar

Ave Maria Gratia Plena…

Escute a canção abaixo:

Para conhecer mais a história desses homens, recomenda-se a leitura da obra "Novas Páginas da História do Brasil" (São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965), do Padre Serafim Leite, que conta, em detalhes, como morreram pela fé esses valentes missionários portugueses. Embora não tenham conseguido concluir a sua viagem ao Brasil, Inácio e seus companheiros mártires evangelizaram, do Céu, essa Terra de Santa Cruz: “Prosseguiram então sua viagem / Para além desse céu e desse mar / Com as armas que vestem fé e coragem / Prosseguiram pro eterno bem morar".

Para esta civilização cada vez mais esquecida de sua identidade cristã, que seja atendido, como prece, o estribilho dessa bela música de Kay Lyra: “Que não sejam esquecidos, esses homens de fé".

Beato Inácio de Azevedo e companheiros mártires, rogai por nós!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Um câncer, dois caminhos
Sociedade

Um câncer, dois caminhos

Um câncer, dois caminhos

Seminarista responde a jovem que recorreu à morte assistida: “Eu sinto por ela e entendo sua difícil situação, mas nenhum diagnóstico justifica o suicídio.”

Equipe Christo Nihil Praeponere5 de Novembro de 2014Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

No último mês, a história da norte-americana Brittany Maynard ganhou as manchetes e os noticiários do mundo inteiro. Diagnosticada com um glioblastoma multiforme – a forma mais agressiva e letal de câncer de cérebro –, a jovem de 29 anos de idade publicou um vídeo na Internet, anunciando a sua decisão de morrer [1]. Para conseguir o “direito" de fazê-lo, Brittany se mudou da Califórnia para o Oregon, onde o “suicídio assistido" é permitido para pacientes terminais.

Mesmo afirmando que a sua escolha poderia ser adiada, no último dia 1º de novembro, Brittany pôs fim à própria vida. “Adeus a todos os meus queridos amigos e parentes que amo", escreveu ela no Facebook, horas antes de morrer. “Hoje é o dia que escolhi partir com dignidade diante de minha doença terminal, este terrível câncer cerebral que tirou tanto de mim... mas que poderia ter tirado muito mais". Os últimos dias da vida de Brittany foram dedicados a uma campanha pela legalização do “suicídio assistido", chamado eufemisticamente de “morte com dignidade".

Em inglês, a expressão utilizada pelos veículos de comunicação e pelos adeptos da campanha é “death-with-dignity". Deste modo, a modernidade tenta abrandar, com palavras bonitas, aquilo que é intrinsecamente mau e condenável – como se a alteração das palavras pudesse mudar a substância das coisas. O “suicídio assistido", por mais que se queira pintá-lo com novos nomes, é o que é: um suicídio, “o mal extremo e absoluto; a recusa de interessar-se pela existência; a recusa de fazer um juramento de lealdade à vida". Como bem escreve Chesterton, “o homem que mata um homem, mata um homem", mas “o homem que se mata, mata todos os homens; no que lhe diz respeito, ele elimina o mundo" [2].

Quando se condena com veemência a atitude de Brittany, não se pretende ignorar ou menosprezar o sofrimento pelo qual a jovem passou após descobrir o tumor no seu cérebro. As pessoas e famílias que lidam dia a dia com o drama do câncer – e de qualquer outra enfermidade – sabem que não é nada fácil enfrentar a doença e, principalmente, as suas consequências espirituais, que tocam as profundezas da existência humana. A opção da jovem norte-americana, no entanto, mais do que um “não" ao sofrimento, trata-se de um “não" à própria existência e à dignidade humana. E o pior é que tudo isso recebe o amparo do Estado, como se a liberdade humana fosse onipotente e intocável, até mesmo quando destrói e degrada a si mesma.

A Igreja, ao assumir o papel profético de defesa da vida, não fica à margem do mistério da dor e da morte. O Papa São João Paulo II, em 1984, por meio da carta apostólica Salvifici Doloris, procurou perscrutar o “sentido do sofrimento", que ele classificava como uma experiência “quase inseparável da existência terrena do homem". Na ocasião, o Papa afirmava que, pela Cruz, “o homem está (...) 'destinado' a superar-se a si mesmo" e que “o Amor é ainda a fonte mais plena para a resposta à pergunta acerca do sentido do sofrimento" [3]. De fato, nos anos finais de seu pontificado, após a entrada no terceiro milênio, ele mesmo enfrentaria com coragem a cruz de uma doença, a qual, vivida com amor e entrega a Deus, elevá-lo-ia à honra dos altares.

A santificação do sofrimento, no entanto, não é uma obra restrita ao Papa ou a um ou outro membro do clero, mas um chamado pessoal a todos os cristãos. Quando Brittany prenunciou ao mundo o seu suicídio, em outubro, o jovem Philip Johnson, seminarista da Diocese de Raleigh, na Carolina do Norte, respondeu à sua iniciativa com um bonito artigo, publicado na Internet [4]. A sua história, muito parecida com a de Brittany nos detalhes – também ele foi diagnosticado com um câncer terminal no cérebro, com apenas 24 anos de idade –, tem, todavia, um final bem diferente.

O seminarista Philip Gerard Johnson.

Quando descobriu o câncer, Philip servia como oficial da marinha norte-americana no Golfo Pérsico. “Recordo o momento em que vi as imagens computadorizadas dos scanners cerebrais. Fui à capela da base e caí no chão chorando. Perguntei a Deus: 'Por que eu?'". Depois de consultar os médicos, ele foi informado de que perderia gradualmente o controle de suas funções corporais – “desde paralisia até incontinência" – e que muito provavelmente também as suas faculdades mentais desapareceriam.

Ele conta, porém, que nada disso o faria procurar o chamado “suicídio assistido". “Eu acho que ninguém quer morrer dessa maneira", declara. “A minha vida significa algo para mim, para Deus e para a minha família e amigos, e, salvo uma recuperação milagrosa, continuará significando muito, mesmo depois de paralisado em uma cama de hospital".

O seminarista reconhece a tentação de Brittany de acabar com a sua vida “por seus próprios termos", mas não pode aceitar a sua decisão. “Eu concordo que o seu estado é duro, mas a sua decisão é tudo, menos corajosa", afirma. “Eu sinto por ela e entendo sua difícil situação, mas nenhum diagnóstico justifica o suicídio".

Philip também assegura que, com sua doença, pôde experimentar “incontáveis milagres". Ele aprendeu, sobretudo, que “o sofrimento e a dor de coração, que fazem parte da condição humana, não devem ser desperdiçados ou interrompidos por medo ou procurando controle em uma situação aparentemente incontrolável". “Não procuramos a dor em si mesma – explica Philip –, mas o nosso sofrimento pode ter grande significado se tentamos uni-lo à Paixão de Cristo e oferecê-lo pela conversão ou intenções dos outros".

Mesmo passando por momentos de grande dificuldade, Johnson mantém a confiança em Deus e segue em seus estudos para tornar-se padre. “Ainda fico triste, ainda choro", escreve. “Ainda peço a Deus que mostre a Sua vontade através de todo este sofrimento e me permita ser Seu sacerdote (...), mas sei que não estou sozinho no meu sofrimento".

Eis o exemplo de quem se configurou à redenção de Cristo e, com isso, deu sentido ao próprio sofrimento. Que Deus tenha misericórdia da alma de Brittany Maynard. E que todos os que sofrem ouçam, com esperança, o apelo de Nosso Senhor: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós (...), porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve." [5]

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.