CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Dez conselhos de uma monja para tempos de confinamento
Espiritualidade

Dez conselhos de uma monja
para tempos de confinamento

Dez conselhos de uma monja para tempos de confinamento

Elas sabem de confinamento e reclusão mais do que ninguém. As carmelitas descalças de Cádiz oferecem seus conselhos, baseados em sua experiência de vida, aos que, agora, se veem obrigados a ficar em casa.

Uma monja anônimaTradução: Rui Jorge Martins (adaptado)26 de Março de 2020Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

1. Atitude de liberdade. — O mais importante é a atitude com que se vive, a interpretação pessoal que se faz da situação, a consciência de que não se trata de uma derrota. Paradoxalmente, esta pode ser uma oportunidade para descobrir a maior e mais genuína liberdade: a liberdade interior que ninguém pode tirar e que procede da própria pessoa. Num contexto em que as autoridades “obrigam” a estar em casa, a liberdade consiste na adesão voluntária, sabendo que é por um bem superior. É livre aquele que tem a capacidade de assumir a situação porque quer fazer o correto. Você não está “preso” em casa. Pelo contrário, optou por nela permanecer “livremente”.

2. A paz em que alma se expande. — Olhe para dentro de si mesmo. O espaço mais amplo para a pessoa se expandir e ser feliz está no seu coração. Não são necessários espaços exteriores; basta andar com soltura no próprio mundo. Dê asas à criatividade, escute suas próprias inspirações e encontre a beleza de que é capaz. Talvez ainda não tenha descoberto que da paz da alma brota vida, e a vida é criação de mais vida, comunicação de alegria e amor. Quando se acostumar a viver em si mesmo, já não irá querer sair.

 3. Não se descuide, a paz requer trabalho. — Exercite virtudes que requerem concentração e autoconhecimento, essas de que normalmente nos descuidamos quando estamos ocupados em nossos mil e um afazeres “externos”. É de como se encaram as próprias emoções e pensamentos, é da gestão dos sentidos e paixões que depende se vivemos no céu ou no inferno. Observe-se e domine-se porque, se se deixar levar pelo medo, pela tristeza ou pela apatia, dificilmente sairá delas, já que não há muitas evasões. Exerça disciplina sobre o seu coração: quando algum pensamento não lhe fizer bem, rejeite-o. Procure inclinar-se para tudo o que você percebe que vai lhe dando paz e alegria. A harmonia tem de se trabalhada.

4. Ame. — A prova de fogo destes dias será a convivência. Perante a crise causada pela pandemia, as pessoas ficam mais suscetíveis e inclusive irritáveis. É preciso ser muito paciente e usar muito o bom senso. Somos diferentes, cada qual tem uma sensibilidade distinta por múltiplas circunstâncias. Aceite e respeite as opiniões e sentimentos dos outros. É muito normal, quando se está em casa, a tendência a querer controlar tudo. Procure não fazer isso: seria causa de muitos conflitos e frustrações. Não dê importância às diferenças, potencialize as coisas que unem. O único terreno que realmente lhe pertence é sua própria pessoa, os seus pensamentos, palavras e emoções. Não controle, controle-se. É a partir do amor que irá extrair compreensão e empatia, vontade de dar e agradecimento ao receber. Respeite, acolha a fragilidade, desdramatize, viva e deixe viver.

5. Não mate o tempo. — Nada poderá lhe criar uma sensação tão grande de vazio e aborrecimento como passar o tempo inutilmente. É um inimigo gravíssimo que lhe poderá roubar a paz, e até colocá-lo em depressão. Faça um plano para estes dias e tente vivê-lo com disciplina. Descanso e ocupação não se opõem. Aproveite para descansar realizando atividades que relaxem ou que estimulem um ânimo positivo. Dê tempo às coisas simples: que o grão-de-bico se torne tenro, que a carne no forno demore até estar bem cozida… Temos tempo! Mesmo que um almoço lhe custe duas horas, desfrute ao prepará-lo e empenhe-se em que as coisas que você faz, por simples que sejam, tenham valor e uma finalidade. Nada de perder tempo sem sentido. “Matar o tempo” é matar a vida.

6. Alargue as suas fronteiras. — Quantas vezes deixamos de fazer o que devíamos por falta de tempo. Pois bem, agora temos tempo! Esse livro que lhe deram há três anos e que não leu, aquele que ainda não devolveu porque ficou pela metade… Se gosta de música, procure novos artistas, descubra novos gêneros. Gostaria de fazer uma viagem? Pense num país exótico e aprenda sobre a sua cultura e tradições… Temos internet também para isso. Se é pessoa de fé e oração, talvez não saiba o que rezar porque já esgotou tudo o que sabia. Por que não experimenta a Liturgia das Horas? Descarregue-a no celular; procure os escritos de algum santo. Com certeza vai encontrar muitas coisas que lhe encherão a alma de novas luzes. Não se conforme com o que conhece e sabe. Agora que há oportunidade, abra-se a novidades que acrescentem sabedoria e encham de alegria.

7. Para os mais sensíveis. — Nem todos dominam as emoções da mesma maneira. Haverá pessoas para quem, pela sua psicologia, lhes custará muito mais este confinamento do que a outras. As emoções não só provêm do interior; também aquilo que se vê, escuta, toca etc. influencia. Por isso, é preciso ser seletivo com aquilo que se recebe do exterior, para evitar entrar em círculos viciosos que levem ao desespero ou façam perder o controle. Evitem-se, na medida do possível, conversas pessimistas, discussões, caras amarradas, excesso de informação, filmes de terror ou intriga, desordem dentro de casa etc. 

Como não há muitas evasões que permitam mudar de chip, tudo o que entra no cérebro permanecerá nele mais tempo do que o habitual. Por isso, é preciso ter cuidado para não ficar obcecado ou dar espaço a uma emotividade negativa. O excesso de telas de computador também é mau, porque estimula excessivamente o cérebro, provocando mais nervosismo. É necessário dormir bem, mas, além da conta, pode causar a sensação de fracasso ou derrota. Um remédio muito bom para canalizar a energia e relaxar é dançar. Ponha uma boa música e divirta-se dançando. Nada como rir e divertir-se para “reiniciar” o sistema interior.

8. Não estamos isolados. — É importante compreender que não há motivo para nos sentirmos sós, pois não estamos. O amor e o carinho continuam, mesmo que o contato físico se tenha distanciado. Esta é uma oportunidade para viver a comunicação de forma mais profunda, mais íntima. Fale com quem está em casa com tranquilidade, sem pressas. Escute até que terminem, deixe que o diálogo faça crescer a confiança e as confidências construam cumplicidade. Diga aquilo que nunca tem tempo de dizer, conte o que sempre quis contar, fale de tudo e de nada, mas com carinho, que é o que chega à alma e nela faz ninho. Responda àquela mensagem de Natal que não agradeceu, à carta que emocionou e à qual estava preparando uma resposta, àquele e-mail de uma velha amizade… Procure palavras com beleza, tente dar expressão aos seus sentimentos mais nobres. Fale com o coração e crie laços muito mais profundos com os seus. Descobrirá que a distância não é ausência.

9. Dia de reflexão. — Para não se angustiar, também é conveniente procurar momentos de silêncio e solidão. Na organização do tempo para estes dias, inclua espaços de “oxigenação” individual. Quantas pessoas já disseram alguma vez: “Como eu gostaria de estar durante alguns dias num mosteiro!” Pois bem, a ocasião está aqui: em casa

Habitualmente as pessoas se cansam por causa da aceleração de suas horas, como se a rotina diária não desse tempo para assimilar o que se vive. Esperamos mudanças substanciais na sociedade: “Isto não pode continuar assim!” Agora, temos oportunidade para nos metermos num casulo como a lagarta que se converte em borboleta. Reflita, pense, medite… Que posso mudar em mim para ser melhor depois destes dias? A separação das coisas que normalmente temos entre mãos ajudará a ver se realmente estamos dando a devida atenção às que importam e não às que podem ser postas em segundo plano, quais são as insubstituíveis, etc. Um bom discernimento para melhorar fará com que estes dias sejam de muito proveito. Homens e mulheres novos depois desta crise.

10. Reze. — Só a oração (que é o vínculo de amizade com Deus) pode sustentar a vida em todas as situações, especialmente nas adversidades. Oração que, como diria Santa Teresa, “ainda que se diga à sobremesa, é o principal”. Orar é abrir-se a esse Outro que nos pode sustentar quando precisamos de ajuda, mas também quando estamos bem. Orar é sustentar outros que precisam. É a experiência mais universal do amor

Ore, fale com Deus, as horas passarão sem que se dê conta. Fale-lhe de tudo, Ele não se cansa de escutar; desafogue-se com Ele quando necessitar e — por que não? — deixe que também Ele se desafogue com você: é seu Pai, seu Irmão, seu Amigo. Exercite sua fé e sua confiança. Se deixou a relação com Deus logo depois da sua primeira comunhão, volte a experimentá-lo. Agora há tempo e serenidade para conversar com Ele. Talvez não acredite porque nunca o experimentou. E se tentar?...

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

A morte de um bispo católico
Espiritualidade

A morte de um bispo católico

A morte de um bispo católico

Em 22 de março de 1956, morria Dom Francisco de Aquino Corrêa, arcebispo de Cuiabá. Em memória desse grande homem, eis uma crônica de seu falecimento e um poema de sua autoria, sobre a arte de bem morrer.

Equipe Christo Nihil Praeponere25 de Março de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

64 anos atrás, no dia 22 de março de 1956, morria Dom Francisco de Aquino Corrêa, segundo arcebispo de Cuiabá. Como memória deste acontecimento e, ao mesmo tempo, piedosa lição de bem morrer, publicamos a seguir a crônica escrita pelo Padre Bruno Ricco, salesiano, que assistiu o bispo em sua partida para a eternidade [1]

Depois, publicamos também o poema In extremis, de autoria do próprio Dom Aquino [2]. Nesses versos, o bispo responde a uma poesia homônima de Olavo Bilac, mostrando como é superior o amor cristão aos efêmeros amores deste mundo passageiro.


Os últimos instantes do Arcebispo

Foi no dia 22 de março. Sabedor de que muito se agravara seu estado de saúde, corri imediatamente ao Sanatório de Santa Catarina, às 6h30min. Em lá chegando, preparava-se o enfermo para receber o Sagrado Viático, o que se efetuou às 18 horas. A hora misticamente sugestiva da “Ave Maria”. 

Antes, porém, lá pelas 16 horas, Dom Aquino perguntara à delicada Irmã Walburga: “Irmã, estou mal?” E a Irmã, com rude franqueza, necessária nessas horas, lhe respondeu: “Sim, Excelência. Quer receber a Extrema Unção?” Saiu-lhe espontânea a expressão que habitualmente tinha nos lábios “Que é isso?” e logo acrescentou: “Sim, quero…; é a terceira vez…”. 

Dom Aquino Corrêa.

Completamente senhor de todas as suas faculdades, acompanhou com profunda piedade as orações do Ritual. Dirigindo-se à Irmã enfermeira que o assistia, perguntou-lhe se o Viático podia ficar para as 20 horas. Respondeu-lhe a Irmã: “Já que tem que lutar, é melhor lutar com Nosso Senhor”. “— Então, que venha logo”. 

Achavam-se presentes os Reverendíssimos Padres José Fernandes Stringari, Diretor do Liceu Coração de Jesus, Pe. Teófilo Tworz, Vigário cooperador da Paróquia, o irmão leigo Carlos Godói e algumas Irmãs do Sanatório. 

Ajoelhamo-nos todos ao redor do leito do amado Arcebispo. 

Entra no quarto o Padre Capelão do Sanatório com o Sagrado Viático. 

Acompanhamos comovidos todo o desenrolar da cerimônia. 

O Senhor Arcebispo de Cuiabá recolhe-se, junta as mãos, concentra-se naquela piedade e fé eucarísticas que o caracterizavam. 

Notei que, nesse instante, Dom Aquino chorava. Pressentia a morte. Recebeu a Sagrada Comunhão com muito recolhimento, movendo continuamente os lábios em fervorosas preces

Depois de algum tempo, retiraram-se os Padres Diretor do Liceu e Teófilo. Permaneci o tempo todo ao lado do querido doente, fazendo o que é possível fazer nesse transe doloroso. Pedi-lhe uma bênção especial para a minha querida Paróquia. Fui prontamente atendido. Perguntando-lhe, alguma vez, como se sentia, dava como resposta: “Não estou bem”. 

A certa altura, sai-se com este verso de Bocage: “Saiba morrer, o que viver não soube!” Disse-lhe, então: “Mas V. Ex.ª soube viver; sempre viveu bem”. Ao que ele logo acrescentou: “Que os Anjos digam: Amém!

Pelas 19 horas, a fala começou a tornar-se dificultosa. Chamou diversas vezes pelo Bispo Auxiliar. Em dado momento me diz: “Que Dom Antônio comunique à Nunciatura…”. Certamente queria dizer: “o meu falecimento”. 

Telefono ao Liceu, chamando o Padre Diretor, porque o desenlace se precipitava. Do Palácio do Senhor Cardeal pedem informações, respondo que o Senhor Arcebispo tem poucos instantes de vida. 

Leio, então, a bela oração Anima Christi, sanctifica me, que ele acompanha com muita atenção. Para não cansá-lo, silencio. Pede-me, entretanto, que eu leia o hino Adoro te devote, composto por Santo Tomás de Aquino. Instantes depois, entra a Irmã Superiora do Sanatório. Com um sorriso franco, Dom Aquino agradece à Irmã e esta pede uma bênção para toda a comunidade. O Arcebispo traça a cruz por sobre a Superiora. 

Recordo-me que nos achávamos às vésperas da solenidade das Dores de Nossa Senhora (sexta-feira da Semana da Paixão) e juntos rezamos a Salve Rainha. Dom Aquino rezava continuamente. 

Leio as orações dos agonizantes por ele seguidas com plena lucidez de mente, e, às invocações, respondia Amém.

Chega Dom Paulo Rolim Loureiro, Bispo Auxiliar do Cardeal Mota, que o representa no momento. Dom Aquino já não fala. Faz gesto de beijar o Crucifixo que ele beija com unção.

Leio a oração: Proficiscere, anima christiana, de hoc mundo (Parte, alma cristã, deste mundo). Nisso, com suas próprias mãos, firmes, apesar do corpo quase frio, Dom Aquino arrumou melhor o travesseiro, e inclinando a cabeça para o lado do coração, suspirou profundamente, pela última vez

Pusemos-lhe a vela acesa na mão. 

Nenhum gemido. Morreu como viveu: placidamente, na Santa Paz do Senhor.


In extremis
1944

(Resposta a Bilac)

Quero morrer, meu Deus, quanto tu bem quiseres:
Esplenda a primavera em rosas, malmequeres,
Ninhos cantando no ar, aos perfumes do vento,
E “asas tontas de luz, cortando o firmamento”;
Ou ruja em temporal, a mais rija invernada,
Sem uma flor sequer, na terra desolada.
Refulja o sol no céu, no campo, na floresta,
E entre orgias de luz, vibre o universo em festa;
Ou paire a noite, noite imensa, muda e seva,
E raio algum de luz, rasgue a profunda treva.
Que me importa este mundo e toda esta vaidade,
Quando a morte me abrir o lar da eternidade?
Que me importa esse amor, que geme e desespera,
A tremer ante a morte implacável e fera,
Entre gélidas mãos e bocas retorcidas
E olhos a marejar em lágrimas doridas?
Triste, bem triste amor, que a morte assim tão cedo,
Converte nesse horror, que é frio, espanto e medo!
O meu amor é outro, eterno e onipotente.
Amor dum Deus, amor, que não morre, nem mente,
Amor, que não tem noite, ocaso, nem inverno,
Mas vive no esplendor do dia sempiterno.
E embora, ó meu Jesus, eu seja um miserável,
Que hei, tanta vez, traído o teu beijo adorável,
Espero o teu perdão, espero o teu sorriso,
Espero o teu amor, no azul do paraíso.
Espero que Maria, a Mãe, que tu me deste,
Imagem virginal da bondade celeste,
Seja comigo, e junto ao leito da agonia,
Mãe de misericórdia, ore, ajude e sorria.
Então a morte, a morte atroz para os mundanos,
Ela, que é o fim fatal dos amores profanos,
Longe de me roubar o teu amor sagrado,
Dar-me-á, por esse amor, no céu, meu Bem-Amado,
Pura, santa, imortal, verdadeira e querida,
“A delícia da vida! A delícia da vida!”

Referências

  1. Pe. Bruno Ricco. Os últimos instantes do Arcebispo. São Paulo, 11 de abril de 1956. In: Pe. Pedro Cometti. Dom Aquino Corrêa: vida e obra, pp. 410-411.
  2. Dom Aquino Corrêa. “In extremis”. In: Nova et Vetera, Poética, v. 1, t. III, Edição do Centenário, pp. 141-142.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Indulgências por ocasião da pandemia de coronavírus
Igreja Católica

Indulgências
por ocasião da pandemia de coronavírus

Indulgências por ocasião da pandemia de coronavírus

Penitenciária Apostólica emite decreto concedendo “indulgências especiais aos fiéis afetados pela Covid-19”, “bem como aos profissionais de saúde, familiares e todos que, a qualquer título, mesmo que com a oração, prestam-lhes assistência”.

Santa SéTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Março de 2020Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

PENITENCIÁRIA APOSTÓLICA

DECRETO

Concede-se o dom de indulgências especiais aos fiéis afetados pela Covid-19, comumente conhecida como coronavírus, bem como aos profissionais de saúde, familiares e todos aqueles que, a qualquer título, mesmo que com a oração, prestam-lhes assistência.

“Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração” (Rm 12, 12). As palavras escritas por São Paulo à Igreja de Roma ressoam por toda a história da Igreja e orientam o juízo dos fiéis diante de todo sofrimento, doença e calamidade.

O presente momento em que se encontra toda a humanidade, ameaçada por uma doença invisível e insidiosa, que já há algum tempo começou forçosamente a fazer parte da vida de todos, é marcado dia após dia por medos angustiados, novas incertezas e, acima de tudo, um sofrimento físico e moral generalizado.

A Igreja, seguindo o exemplo de seu Divino Mestre, sempre tomou a peito a assistência aos enfermos. Como indicado por São João Paulo II, o valor do sofrimento humano é duplo: “é sobrenatural, porque se radica no mistério divino da Redenção do mundo; e é também profundamente humano, porque nele o homem se aceita a si mesmo, com a sua própria humanidade, com a própria dignidade e a própria missão” (Carta Apostólica Salvifici Doloris, 31).

Também o Papa Francisco, nesses últimos dias, expressou sua proximidade paterna e renovou o convite a que se rezasse incessantemente pelos contagiados com o coronavírus.

A fim de que todos os que sofrem por causa da Covid-19 possam redescobrir, precisamente no mistério deste sofrimento, “o próprio sofrimento redentor de Cristo” (ibid., 30), esta Penitenciária Apostólica, ex auctoritate Summi Pontificis, confiando na palavra de Cristo Senhor  e considerando com espírito de fé a epidemia atualmente em curso, a ser vivida como forma de conversão pessoal, concede o dom das indulgências nos seguintes termos.

Concede-se indulgência plenária aos fiéis afetados pelo coronavírus, submetidos ao regime de quarentena por ordem da autoridade sanitária em hospitais ou em suas próprias casas se, com ânimo desapegado de qualquer pecado, se unirem espiritualmente através dos meios de comunicação à celebração da Santa Missa, à récita do Santo Rosário, à piedosa prática da Via Crucis ou a outras formas de devoção; ou se ao menos recitarem o Credo, o Pai Nosso e uma invocação piedosa à bem-aventurada Virgem Maria, oferecendo essa provação com espírito de fé em Deus e de caridade para com os irmãos, com a vontade de cumprir as condições habituais (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração pelas intenções do Santo Padre) assim que lhes seja possível.

Os profissionais de saúde, familiares e tantos outros que, a exemplo do bom samaritano, expondo-se ao risco de contágio, assistem os infectados pelo coronavírus de acordo com as palavras do divino Redentor: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a sua vida por seus amigos” (Jo 15, 13), lucram o mesmo dom da indulgência plenária, sob as mesmas condições.

Ainda por ocasião da atual epidemia mundial, esta Penitenciária Apostólica concede de bom grado indulgência plenária, nas mesmas condições, também àqueles fiéis que oferecerem uma visita ao Santíssimo Sacramento, ou a adoração eucarística, ou a leitura das Sagradas Escrituras por ao menos meia hora, ou a récita do Santo Rosário, ou o piedoso exercício da Via Crucis, ou a récita do Terço da Divina Misericórdia, para implorar a Deus todo-poderoso a cessação da epidemia, o alívio dos que estão aflitos e a salvação eterna de quantos o Senhor chamou à sua presença.

A Igreja reza pelos que se encontram na impossibilidade de receber o sacramento da Unção dos Enfermos e do Viático, confiando à Divina Misericórdia todos e cada um deles, em virtude da comunhão dos santos; e concede aos fiéis a indulgência plenária no momento da morte, desde que se esteja devidamente disposto e se tenha recitado habitualmente durante a vida alguma oração (neste caso, a Igreja supre as três condições habituais necessárias). Para alcançar essa indulgência, recomenda-se o uso do crucifixo ou da cruz (cf. Enchiridion indulgentiarum, n. 12).

A bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus e da Igreja, saúde dos enfermos e auxílio dos cristãos, advogada nossa, deseja socorrer a humanidade sofredora, afastando de nós o mal desta pandemia e alcançando-nos todos os bens necessários à nossa salvação e santificação.

O presente decreto é válido não obstante qualquer disposição em contrário.

Dado em Roma, na sede da Penitenciária Apostólica, em 19 de março de 2020.

Cardeal Mauro Piacenza
Penitenciário-Mor

Krzysztof Nykiel
Regente


“Estou convosco todos os dias”
(Mt 28, 20)

NOTA

DA PENITENCIÁRIA APOSTÓLICA
SOBRE O SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO
NA ATUAL SITUAÇÃO DE PANDEMIA

A gravidade das circunstâncias atuais exige uma reflexão sobre a urgência e centralidade do sacramento da Reconciliação, juntamente com alguns esclarecimentos necessários, tanto para os fiéis leigos quanto para os ministros chamados a celebrar o sacramento.

Mesmo no tempo da Covid-19, o sacramento da Reconciliação é administrado de acordo com a lei canônica universal e de acordo com as disposições do Ordo Paenitentiae.

A confissão individual representa o modo ordinário para a celebração deste sacramento (cf. cân. 960 CIC), enquanto a absolvição coletiva, sem prévia confissão individual, não pode ser comunicada, a menos que ocorra o perigo iminente de morte, não havendo tempo suficiente para ouvir as confissões individuais dos penitentes (cf. cân. 961, § 1 CIC), ou uma necessidade grave (cf. cân. 961, § 1, 2 ° CIC), cuja consideração pertence ao bispo diocesano, levando em consideração os critérios acordados com os demais membros da Conferência Episcopal (cf. cân. 455, § 2 CIC) e sem prejuízo da necessidade, para que haja absolvição válida, do votum sacramenti por parte do penitente, ou seja, do propósito de confessar no devido tempo os pecados graves individuais, que no momento não era possível confessar (cf. cân. 962, § 1 CIC).

Esta Penitenciária Apostólica considera apropriado que, sobretudo nos locais mais afetados pelo contágio da pandemia e até que o fenômeno termine, se recorra aos casos de grave necessidade mencionados no cânon 961, § 2 CIC.

Qualquer outra especificação é delegada pelo direito aos bispos diocesanos, sempre levando em consideração o bem supremo da salvação das almas (cf. cân. 1752, CIC).

No caso de apresentar-se súbita necessidade de conceder a absolvição sacramental a vários fiéis juntos, o padre é obrigado a avisar o bispo diocesano, na medida do possível, ou, se não puder, informá-lo o mais rápido possível (cf. Ordo Paenitentiae, n 32).

Na atual emergência pandêmica, portanto, cabe ao bispo diocesano indicar aos padres e penitentes as atenções prudentes a serem adotadas na celebração individual da reconciliação sacramental, como a celebração em um local ventilado fora do confessionário, a adoção de uma distância conveniente, o uso de máscaras protetoras, sem prejuízo da atenção absoluta prestada à salvaguarda do sigilo sacramental e à discrição necessária.

Além disso, cabe sempre ao bispo diocesano determinar, no território de sua circunscrição eclesiástica e em relação ao nível de contágio pandêmico, os casos de séria necessidade em que é permitido dar absolvição coletiva: por exemplo, na entrada das enfermarias hospitalares, onde se encontram hospitalizados os fiéis infectados em perigo de morte, utilizando os meios de amplificação da voz o máximo possível e com as devidas precauções, para que a absolvição possa ser ouvida.

Considerem-se a necessidade e a oportunidade de estabelecer, quando necessário, de acordo com as autoridades de saúde, grupos de “capelães extraordinários de hospital”, também de forma voluntária e em conformidade com as regras de proteção contra o contágio, para garantir a assistência espiritual necessária para os doentes e moribundos.

Onde os fiéis se encontrarem na dolorosa impossibilidade de receber a absolvição sacramental, recorda-se que a contrição perfeita, provinda do amor a Deus sobre todas as coisas, expressa por um sincero pedido de perdão (aquele que, no momento, o penitente está em condições de exprimir) e acompanhada pelo votum confessionis, ou seja, pela firme resolução de recorrer à confissão sacramental o mais rápido possível, obtém o perdão dos pecados, até os mortais (cf. CCC, n. 1452).

Neste tempo, muito mais do que em outros, a Igreja experimenta o poder da comunhão dos santos, eleva votos e orações a seu Senhor Crucificado e Ressuscitado, em particular o Sacrifício da Santa Missa, celebrado diariamente, ainda que sem o povo, pelos sacerdotes.

Como boa mãe, a Igreja implora ao Senhor que a humanidade se liberte desse flagelo, invocando a intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, mãe de misericórdia e saúde dos enfermos, e de seu esposo São José, sob cuja proteção a Igreja sempre caminha pelo mundo.

Que Maria Santíssima e São José nos obtenham abundantes graças de reconciliação e salvação, em atenta escuta da Palavra do Senhor, que repete hoje à humanidade: “Sabei que eu sou Deus” (Sl 46, 11); “Estou convosco todos os dias” (Mt 28, 20).

Dado em Roma, na sede da Penitenciária Apostólica, em 19 de março de 2020,
Solenidade de São José, Esposo da B. V. Maria, Patrono da Igreja Universal.

Cardeal Mauro Piacenza
Penitenciário-Mor

Krzysztof Nykiel
Regente

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O olhar de São Miguel sobre nós
Espiritualidade

O olhar de São Miguel sobre nós

O olhar de São Miguel sobre nós

Acredito do fundo do coração que São Miguel olhava para o grande Leão XIII, enquanto ele lhe redigia aquela oração, e que este mesmo olhar está ao alcance de qualquer paróquia ou fiel que trouxer de volta à vida essa devoção.

Jeffrey JohnsonTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Março de 2020Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Numa fria manhã de domingo, em outubro de 2018, assisti à Missa com minha esposa na igreja de Santa Edwiges, em Holdingford. Jamais esquecerei o final da celebração, quando o padre Gregory Mastey, sem alarde nem aviso prévio, de repente começou a recitar a oração a São Miguel Arcanjo. O padre Gregory tem terminado dessa forma a Missa desde então, como era costume fazer em todas as Missas do mundo de 1884 a 1965. A sutil interrupção da prece ao final da Missa foi um dos muitos frutos questionáveis do Concílio Vaticano II. Sempre que o acompanhamos nesta oração ao Arcanjo que nos protege de um mundo pós-cristão quase em ruínas, sinto de verdade o olhar de São Miguel voltado para as nossas paróquias.

Não é difícil imaginar a reação de Lúcifer ao contemplar o olhar de São Miguel naquela triste manhã, quando proclamou o seu Non serviam, sendo expulso do céu junto com outros incontáveis anjos rebeldes. Mais de um demônio já admitiu em sessões de exorcismo que parte de sua surpresa ao ser castigado tinha um motivo bastante simples: antes da queda, Miguel era, de todos os anjos, o menor e mais discreto. Mas como é fina a ironia do nosso Pai!

É bem provável que Abraão tenha visto esse olhar manso no Antigo Testamento, quando São Miguel o levou em viagem pelo mundo antes de sua morte; mas Satanás, provavelmente, viu um semblante muito mais sério quando discutiu com ele sobre o que fariam com o corpo de Moisés. Essa é a única passagem da Bíblia em que ouvimos a voz de São Miguel: “Que o próprio Senhor te repreenda!” (Jd 9).

Voltemo-nos agora entristecidos para o horto do Getsêmani, segundo a narração do Evangelho de Lucas. Começa a Paixão de Nosso Senhor; enquanto Jesus pensa em seus amigos adormecidos, nas estrelas e no cheiro de sua oficina de carpinteiro, aparece um anjo num raio de luz para consolá-lo. Não sabemos o nome dele, mas creio que naquele instante viu Jesus a face de seu querido amigo São Miguel, que — imagino — o terá encorajado, enquanto ouviam aproximar-se Judas, à frente da turba naquela escaramuça noturna.

Podemos imaginar que, alguns anos mais tarde, o olhar de São Miguel foi uma das muitas coisas que viu São João quando esteve na ilha de Patmos escrevendo o livro do Apocalipse, nos terríveis dias do imperador Nero. O livro nos conta que uma grande guerra foi travada no céu: Satanás e seus sequazes contra-atacaram, mas foram completamente derrotados. Em seguida, Satanás “foi fazer guerra […] aos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap 12, 17). Essa é a última referência bíblica ao protetor da Igreja Católica; seu trabalho, porém, estava apenas começando.

São muitos os santuários dedicados a São Miguel. Em 493, ele apareceu a um bispo italiano, que lhe consagrou uma caverna, conhecida até hoje como Santuário do Monte Sant’Angelo. Mil anos depois, ele apareceu no mesmo local e disse a outro bispo: “Sou o Arcanjo São Miguel. Qualquer um que use as pedras desta caverna será libertado”. Essas pedras estão disponíveis a todos, e é reconfortante olhar para as minhas, que estão bem guardadas na minha estante de livros. 

Nossa Senhora de Fátima acenou para São Miguel em 1917, dando-lhe sinal verde para participar do evento sobrenatural mais extraordinário já visto desde a Ressurreição. No dia 13 de outubro, enquanto cem mil pessoas contemplavam fascinadas o milagre do Sol, São Miguel se encontrava entre as dramáticas imagens finais representadas aos pequenos Francisco, Jacinta e Lúcia. Embora não o mencionem, é possível que os pastorinhos tenham encontrado São Miguel no ano anterior, quando, numa pequena pradeira, receberam de um anjo com um cálice flutuante sua primeira comunhão e o Sangue de Cristo [1].

Exatamente trinta e três anos antes daquele dia fabuloso, o Papa Leão XIII experimentou uma locução em que ouviu a Satanás gabar-se perante Deus de que poderia destruir a Igreja, se tivesse tempo e poder suficientes. Essa é, obviamente, a história de Jó em grandes traços. Sabendo que sua misericórdia superaria o pior que pudesse fazer Satanás, Deus aceitou o desafio, dando-lhe um prazo de cem anos. Como muitos já sabem, antes de fazer qualquer coisa, o Papa Leão XIII foi às pressas ao escritório e, inspirado, pôs no papel a conhecida oração a São Miguel Arcanjo.

Acredito do fundo do coração que São Miguel olhava para aquele grande Papa, enquanto redigia a oração, e que este mesmo olhar está ao alcance de qualquer paróquia ou fiel que, a exemplo do meu pastor, trouxer de volta à vida essa devoção.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.