CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Mensagem de Natal: A alegria do Céu que vem nos visitar
Padre Paulo RicardoIgreja Católica

Mensagem de Natal: A alegria
a do Céu que vem nos visitar

Mensagem de Natal: A alegria do Céu que vem nos visitar

Deus, em Sua felicidade infinita, vem chorar o choro do homem, para que ele, em seus gemidos, possa viver a alegria celeste.Deus, em Sua felicidade infinita, vem chorar o choro do homem, para que ele, em seus gemidos, possa viver a alegria celeste.

Padre Paulo Ricardo19 de Dezembro de 2014Tempo de leitura: 1 minutos
imprimir

No Natal, é comum que as pessoas se saúdem, desejando às outras um "Feliz Natal". Mas, qual o sentido dessa expressão?

Na verdade, tais votos fazem referência à felicidade do Céu que vem visitar a humanidade. São João da Cruz, em um poema sobre o mistério do Natal, escreve:

"Deus, porém, no presépio
Ali chorava e gemia;
(...)
E a Mãe se assombrava
Da troca que ali se via:
O pranto do homem em Deus,
E no homem a alegria"

Eis, nas palavras do Doutor Místico, o "admirabile commercium" de que falam os latinos: Deus, em Sua felicidade infinita, vem chorar o choro do homem, para que ele, em seus gemidos, possa viver a alegria celeste. Por isso, os anjos, desde o primeiro Natal, não cessam de anunciar aos homens "gaudium magnum – uma grande alegria": "Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós o Salvador, que é Cristo Senhor!" (Lc 2, 11). Nesta grande festa da Igreja, Deus Se inclina dos céus, como uma mãe que se inclina sobre um berço para resgatar o seu filho que, abandonado a si mesmo, estaria perdido. Inclina-Se para, como uma mãe, colocar o ser humano sob o seu regaço e dar-lhe a salvação.

Ao contemplar o presépio nesta noite, ao ver a Santíssima Virgem diante do indefeso e inerme menino Jesus, possamos enxergar aquilo que Deus fez por todos nós, quando, em Sua infinita misericórdia, veio arrancar-nos da condenação à morte e trazer-nos a alegria do Céu.

Neste tempo do Natal, não temos o direito de falar de solidão. Emanuel, Deus está conosco, Aquele que nos amou de forma perfeita está conosco. "Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, nenhum mal eu temerei; estais comigo com bastão e com cajado; eles me dão a segurança!" (Sl 22, 4). Por isso, somente por isso, o Natal pode ser feliz. Se esquecermos de Jesus, esta festa não será nada mais que um evento social. Mas, se estivermos com Ele, podemos dizer, de coração e de verdade: Um Feliz e Santo Natal!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Oração pelo Sumo Pontífice
Papa Francisco

Oração pelo Sumo Pontífice

Oração pelo Sumo Pontífice

Oremos por Sua Santidade, o Papa Francisco, no seu 78º aniversário natalício.

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Dezembro de 2014Tempo de leitura: 1 minutos
imprimir

Neste dia 17 de dezembro, em que o beatíssimo Papa Francisco celebra o seu aniversário natalício, queremos agradecer a Deus pelo amor ao Santo Padre que colocou em nosso coração [1]. Na Igreja – diferentemente das confissões protestantes, nas quais cada fiel tem o seu próprio magistério –, existe uma autoridade, um fundamento visível colocado pelo próprio Cristo e ao qual todos os cristãos devem amor e obediência. Este fundamento é a confissão que o Apóstolo Pedro fez há dois mil anos: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" ( Mt 16, 16), e que os seus sucessores são chamados a imitar.

De fato, em meio às tempestades que agitam o barco da Igreja, " aquilo que a salva não são as qualidades nem a coragem dos seus homens, mas a fé, que permite caminhar até no meio da escuridão, entre as dificuldades. A fé confere-nos a segurança da presença de Jesus sempre ao nosso lado, da sua mão que nos segura para nos proteger do perigo. Todos nós estamos neste barco, e aqui sentimo-nos seguros, não obstante os nossos limites e as nossas debilidades. Estamos seguros sobretudo quando sabemos ajoelhar-nos e adorar Jesus, o único Senhor da nossa vida" [2].

V. Oremos pelo nosso Beatíssimo Papa Francisco.
R. O Senhor o conserve, lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos.

Ó Deus, que na vossa Providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos Apóstolos, fazei que o nosso Papa Francisco, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

A farsa do sexo livre
Sociedade

A farsa do sexo livre

A farsa do sexo livre

O "sexo livre", ao contrário do que a expressão sugere, não faz nada senão aprisionar o ser humano.

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Dezembro de 2014Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

O homem não foi feito para o sexo livre. Muito antes de o movimento de contracultura fazer sucesso nos anos 1960 – com a invenção da pílula anticoncepcional, a legalização do divórcio e a aceitação do chamado "amor livre" –, Santo Tomás de Aquino, ainda no século XIII, demonstrou, de modo bem simples, porque toda a conversa dos hippies e revolucionários não passava de uma grande e verdadeira bobagem:

"A simples fornicação importa uma desordem, que redunda em dano da vida do que nascerá dessa união sexual. Vemos, pois, que todos os animais que precisam dos cuidados do macho e da fêmea para criarem os filhos, não praticam o sexo livre, mas o de um macho com uma determinada fêmea, uma ou várias, como se vê em todas as aves. Ao contrário, os animais em que as fêmeas por si só são capazes de criar os filhos, praticam o sexo livre, como se vê nos cães e em outros animais. Ora, é manifesto que, para a criação dos filhos na espécie humana, não bastam apenas os cuidados da mãe, que os amamenta, mas muito mais os cuidados do pai, que deve educá-los, defendê-los e dotá-los de bens tanto internos como externos. Por isso, é contra a natureza do ser humano praticar o sexo livre, sendo necessária a união de um homem a uma determinada mulher, com a qual ele permaneça não por pouco tempo, mas diuturnamente e mesmo por toda a vida. E daí vem para a natureza humana a solicitude natural do homem pela certeza de sua prole, porque cabe a ele educá-la. Ora, essa certeza desapareceria com o sexo livre." [1]

Se você acaba de ler estas linhas e está revoltado com o que encontrou, feche os olhos e respire. Se não é católico, deixe de lado por um momento os termos religiosos empregados por Santo Tomás – ou simplesmente Tomás, se preferir – e tente raciocinar um pouco.

Embora o trecho acima tenha sido retirado de sua Suma de Teologia e use expressões consagradas pela religião católica, o argumento tomista não tem nada de religioso. É puramente racional. Não é preciso ser católico para admitir que "a fornicação simples redunda em dano da vida do que nascerá dessa união sexual". A multidão de filhos abandonados por homens irresponsáveis (e criados tão somente por suas mães), além de outra incontável multidão de bebês mortos ainda no ventre materno, testemunham que, de fato, a vida deve acontecer dentro da comunidade familiar, da aliança firmada por um homem e uma mulher, "não por pouco tempo, mas diuturnamente e mesmo por toda a vida". Além da questão espiritual, é com vista ao bem dos filhos que o sexo fora do casamento é condenado pela Igreja – e era, até há algumas décadas, evitado pela sociedade.

Diante de tudo isso, alguém pode objetar que o argumento de Tomás já é obsoleto, pois já foram inventadas a pílula, a camisinha e toda sorte de métodos anticoncepcionais. "Se o problema são os filhos – diz-se –, não é preciso mais evitar a fornicação. Compre camisinhas e seja feliz". Not so fast. Esse lema de propagandas de Carnaval, longe de ser uma solução para os dramas afetivos e sexuais das pessoas, só torna ainda mais fundo o abismo em que elas se acham.

É o que lembrou o Papa São João Paulo II – ou simplesmente João Paulo, se preferir –, quando falou, em suas catequeses, sobre a "linguagem do corpo". Ao se relacionarem sexualmente, homem e mulher entregam-se totalmente um ao outro. Os seus corpos "falam" que eles se tornaram "uma só carne" ( Gn 2, 24). Ora, como é possível que, logo depois que se doa deste modo, o casal se levante de seu leito, cada um pegue as suas coisas e volte para sua própria casa – como se aquele ato sexual não fosse ou não significasse nada? Não é evidente a farsa de um relacionamento – ou vários – que deseja o sexo, mas rejeita um compromisso sério? Que quer prazer, mas não se compromete com o outro?

Para os promotores e simpatizantes da Revolução Sexual, no entanto, tudo isso a que o homem assiste estupefato e boquiaberto – desde a destruição da família até ao desprezo da própria vida humana – foi perfeitamente querido e planejado. Não foi o próprio Herbert Marcuse quem pediu a "erotização da personalidade total", a fim de desintegrar "as instituições em que foram organizadas as relações privadas interpessoais, particularmente a família monogâmica e patriarcal"? Não foi justamente o autor da Escola de Frankfurt quem incentivou sair "da sexualidade a serviço da reprodução para a sexualidade na função de 'obter prazer através de zonas do corpo'" [2]? Eis que hoje os seus augúrios estão em pleno funcionamento – e a todo vapor!

Mas, o que a modernidade ganhou depois de todos esses "avanços"? Não muita coisa. Filhos sem pais. Pais sem esposas. Esposas que não são mães. E, como se não bastasse, mães que matam os próprios filhos. Este é o "admirável mundo novo" construído pelos arautos da Revolução Sexual – e, acredite se quiser, é apenas o início, o começo de um despenhadeiro, sem fundo, cujo nome é "inferno".

É claro que ainda há remédio para a humanidade. Se Marcuse, em 1955, sugeria que, para tornar o homem livre, "o 'pecado original' deveria ser cometido de novo" [3], a Igreja recorda ao ser humano a sua vocação à eternidade e à união com Deus, a única que pode verdadeiramente libertá-lo. Que ninguém se engane: o sexo dito "livre" não faz outra coisa senão aprisionar o homem. É na entrega fiel e amorosa no Matrimônio – e da própria vida, a Deus – que se encontra a verdadeira libertação. "Conhecereis a verdade, e a verdade vos tornará livres" (Jo 8, 32), diz Nosso Senhor.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O vigário de Jesus Cristo
Igreja Católica

O vigário de Jesus Cristo

O vigário de Jesus Cristo

Jesus governa a Sua Igreja de modo visível e ordinário por meio do Papa, o seu vigário na Terra.

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Dezembro de 2014Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Quando Cristo instituiu a Sua Igreja, Ele edificou-a sobre um fundamento visível. É claro que, ao falar desta realidade que toca o Céu e a Terra, a doutrina católica se refere à Igreja como uma comunidade muito maior que o simples conjunto de fiéis presentes neste mundo. Esta paisagem que se contempla aqui é apenas uma pequena porção da comunhão dos santos. A Igreja está presente, sobretudo, no Céu, onde já estão glorificados nosso Senhor e Sua Mãe Santíssima, juntamente com uma multidão incontável de santos e anjos.

No entanto, Jesus, conhecendo a fraqueza e a instabilidade humanas, viu a necessidade de deixar à Igreja um pastor que "fizesse as suas vezes" na Terra. Ele construiu uma estrutura sólida, a fim de que os fiéis cristãos mantivessem a unidade da fé e não se perdessem. Nas palavras de Pio XII, "o divino Redentor governa o seu corpo místico de modo visível e ordinário por meio de seu vigário na terra" [1]. Este vigário é sucessor do apóstolo Pedro, a quem foram confiadas as chaves do Reino dos céus (cf. Mt 16, 19).

Neste ponto, surge uma indagação: como explicar que, de acordo com São Paulo, Cristo seja a cabeça do Corpo, que é a Igreja (Cl 1, 18), e, ao mesmo tempo, haja nela um chefe reconhecidamente venerado e respeitado, a ponto de ser chamado de Papa?

Esta parece ser uma questão espinhosa. Os protestantes vêm à baila com novas acusações infundadas de "idolatria", como se ao sucessor de São Pedro fosse prestada uma honra devida somente a Jesus. Ora, basta conhecer um pouco de Catecismo para saber que o culto aos santos difere essencialmente do culto prestado a Deus. Note-se que a diferença está radicada na "essência" dos cultos, e não em uma mera gradação. Ou seja, o culto que se presta a Deus não é simplesmente maior que o culto aos santos, mas substancialmente diverso, já que a adoração (latria) se dirige somente a Deus, e a mais ninguém (cf. Dt 6, 13).

Mas, para fazer cessar o falatório antipapista, basta mostrar aos protestantes uma passagem dos Atos dos Apóstolos que relatava que "o povo lhes tributava grandes louvores" (At 5, 13). Será que também aos cristãos daquela época cairá a acusação de "idolatria"? Muitos deles – continuam os Atos – "traziam os doentes para as ruas e punham-nos em leitos e macas, a fim de que, quando Pedro passasse, ao menos a sua sombra cobrisse alguns deles" (At 5, 15).

A pergunta, no entanto, persiste: se Cristo é a cabeça do povo de Deus e Pedro é seu chefe visível, haveria na Igreja "duas cabeças"? O venerável Papa Pio XII responde, com propriedade:

"Nem se objete que com o primado de jurisdição instituído na Igreja ficava o corpo místico com duas cabeças. Porque Pedro, em força do primado, não é senão vigário de Cristo, e por isso a cabeça principal deste corpo é uma só: Cristo; o qual, sem deixar de governar a Igreja misteriosamente por si mesmo, rege-a também de modo visível por meio daquele que faz as suas vezes na terra; e assim a Igreja, depois da gloriosa ascensão de Cristo ao céu não está educada só sobre ele, senão também sobre Pedro, como fundamento visível." [2]

Ainda de acordo com o imortal ensinamento do Papa Bonifácio VIII, Cristo e Pedro formam uma só cabeça: "A una e única Igreja, portanto, tem um só corpo, uma só cabeça – não duas, como um monstro –, a saber: Cristo e o vigário de Cristo, que é Pedro e o sucessor de Pedro" [3]. E explica o Catecismo de São Pio X que o Romano Pontífice "dirige visivelmente [a Igreja] com a mesma autoridade de Jesus Cristo, que é a cabeça invisível da Igreja" (n. 194).

Não há dúvida de que a fé no primado de Pedro, tal como posta por Jesus e reafirmada pelo Magistério da Igreja, é uma verdadeira pedra de escândalo. Ela mostra a este século orgulhoso que Deus, santo e incorruptível, age no mundo através de homens de carne e osso, com pecados e defeitos; que, nesta vida, desfrutamos o tesouro da graça "em vasos de barro, para que transpareça claramente que este poder extraordinário provém de Deus e não de nós" (2 Cor 4, 7).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.