CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
A presença do cristão no meio do mundo
Espiritualidade

A presença do cristão no meio do mundo

A presença do cristão no meio do mundo

"Transformar em poesia heroica a prosa de cada dia", eis a grandeza da vocação cristã. Nas realidades mais ordinárias, nos trabalhos mais humildes, nas tarefas mais simples, aí está Jesus.

Equipe Christo Nihil Praeponere22 de Outubro de 2013
imprimir

Há 35 anos subia ao trono de Pedro o Papa João Paulo II. A Igreja assistia em êxtase ao nascimento de um novo pontificado, marcado, sobretudo, pela coragem do jovem pontífice. Wojtyla foi o paladino de um cristianismo planetário, encarnado na história e consciente de sua tarefa: "Fazer discípulos entre todas as nações" (Mc 16, 15). O comovente apelo do Santo Padre - feito na abertura de seu pontificado - iria ecoar nos quatro cantos da terra, despertando os fiéis para uma nova caminhada missionária: "Não tenhais medo, abram, ou melhor, escancarem as portas para Cristo" [1].

Nas suas viagens, chamava a atenção o beijo que sempre dava no chão do país a que acabara de chegar. Era um gesto instintivo, mas cheio de simbolismo. Com o ósculo, João Paulo II confessava seu amor por aquele povo, indicando que as realidades materiais também fazem parte do ser cristão. A existência cristã não é algo exclusivamente espiritual, fechado num pequeno grupo de privilegiados. Na fé católica, as esferas seculares são, para todos os fiéis, oportunidade de encontro com Deus.

Outro Papa recorda o mesmo. Francisco, durante a Jornada Mundial da Juventude, encorajou os jovens a "levar Cristo para todos os ambientes, até as periferias existenciais, incluindo quem parece mais distante, mais indiferente." [2]. O ensinamento do Santo Padre lembrava que o "Evangelho é para todos, e não apenas para alguns", pois Cristo deseja que "todos sintam o calor da sua misericórdia e do seu amor".

O cristão deve estar no mundo e amá-lo apaixonadamente, a fim de "iluminar e ordenar de tal modo as realidades temporais, a que estão estreitamente ligados, que elas sejam sempre feitas segundo Cristo e progridam e glorifiquem o Criador e Redentor." [3]. Porventura pode ser o cristianismo uma religião de eleitos, sectarista, "de pessoas puras, extraordinárias, que não se misturam com as coisas desprezíveis deste mundo ou que, quando muito, as toleram como algo necessariamente justaposto ao espírito, enquanto aqui vivemos" [4]? Era o que perguntava São Josemaria Escrivá aos seus filhos espirituais.

Sem menosprezar a vida religiosa, louvando os bens espirituais dos que se entregam à clausura, o Santo de Villa Tevere insistia na unidade de vida para os leigos, aqueles que são chamados à santidade no mundo. "Não, meus filhos! Não pode haver uma vida dupla, não podemos ser como esquizofrênicos, se queremos ser cristãos", exortava Escrivá. E dito isso, seguia adiante: "Aí onde estão nossos irmãos os homens, aí onde estão as nossas aspirações, nosso trabalho, nossos amores - aí está o lugar do nosso encontro cotidiano com Cristo. Em meio das coisas mais materiais da terra é que nós devemos santificar-nos, servindo a Deus e a todos os homens."

De fato, o mundo não é uma caixa de maldade, na qual se encontra somente dor e desespero. Se impregnado pelo fermento da vida cristã, pode se converter num imenso templo do Senhor, na própria casa de Deus. "E viu que era bom" (Gn 1, 31), assim narram as Escrituras. Por isso, insistia São Josemaria, "a vocação cristã consiste em transformar em poesia heroica a prosa de cada dia". Nas realidades mais ordinárias, nos trabalhos mais humildes, nas tarefas mais simples, aí está Jesus, como sempre esteve ao lado do pai, José, trabalhando na carpintaria.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Padrinhos, pais segundo Deus
Igreja CatólicaEducação

Padrinhos, pais segundo Deus

Padrinhos, pais segundo Deus

Os padrinhos são muito mais que uma posição social; são pais segundo Deus, pois no batismo morre o "homem velho" e nasce o "homem novo".

Equipe Christo Nihil Praeponere22 de Outubro de 2013
imprimir

O papel dos padrinhos na formação dos cristãos é mais antigo do que se imagina. A tradição remonta ao século quarto, quando a Igreja tinha de enfrentar as perseguições romanas e as heresias pagãs. A eles cabia o dever de instruir os catecúmenos na fé católica, preservando-os dos erros que pululavam na comunidade. E, no caso das crianças, além de professarem a fé em nome delas, os padrinhos recebiam ainda a responsabilidade de educá-las conforme a doutrina perene dos santos apóstolos.

O decreto Ad Gentes, do Concílio Vaticano II, procurou enfatizar esse significado do apadrinhamento, recordando que a iniciação cristã no catecumenato não é obra apenas dos sacerdotes ou dos catequistas; é "de toda a comunidade dos fiéis, especialmente dos padrinhos, de forma que desde o começo os catecúmenos sintam que pertencem ao Povo de Deus" [1]. Assim se expressava também o Pastor Angelicus na Encíclica Mystici Corporis. Segundo Pio XII, os padrinhos e madrinhas "ocupam um posto honorífico, embora muitas vezes humilde, na sociedade cristã, e podem muito bem sob a inspiração e com o favor de Deus subir aos vértices da santidade" [2].

As palavras do venerável Papa são um verdadeiro alento, além de um sutil, porém necessário, puxão de orelhas. Os padrinhos são chamados à santidade de vida. Não é da alçada deles a compra de presentes, mas a instrução na fé católica, porquanto "uma criança não é capaz de um ato livre de fé: ainda não a pode confessar sozinha e, por isso mesmo, é confessada pelos seus pais e pelos padrinhos em nome dela" [3]. Numa época dominada pelas falsas filosofias de vida e pelos erros ideológicos, exaustivamente pregados nas escolas e na imprensa, reavivar o sentido do apadrinhamento na fé católica é uma tarefa imprescindível.

O Código do Direito Canônico dispõe algumas normas para que se escolha o padrinho do batizando. Em primeiro lugar, obviamente, exige-se que "seja católico, confirmado e já tenha recebido a Santíssima Eucaristia, e leve uma vida consentânea com a fé e o múnus que vai desempenhar" [4]. Depois, que "não esteja abrangido por nenhuma pena canônica legitimamente aplicada ou declarada". 

Ao contrário do que possa parecer, não são regras absurdas. Como dito anteriormente, aos padrinhos cabe a missão de "assistir na iniciação cristã" e "esforçar-se por que o batizado viva uma vida cristã consentânea com o batismo e cumpra fielmente as obrigações que lhe são inerentes".

Os padrinhos são muito mais que uma posição social; são pais segundo Deus, pois no batismo morre o "homem velho" e nasce o "homem novo". E, como verdadeiros pais, eles têm o grave dever de transformar seus filhos em soldados de Cristo, educando-os na escola de santidade dos grandes santos da Igreja.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Católicos, voltem ao confessionário!
Espiritualidade

Católicos, voltem ao confessionário!

Católicos, voltem ao confessionário!

É notável vermos personalidades estranhas à fé católica reconhecendo a utilidade do sacramento da Confissão. Mas e nós, católicos? Que valor temos dado a esta dádiva?

Equipe Christo Nihil Praeponere15 de Outubro de 2013
imprimir

O primaz da Igreja Anglicana, Justin Welby, afirmou recentemente que recorrer à confissão auricular pode ser uma experiência "bastante eficaz", mesmo que não signifique, na maioria das vezes, um "monte de risos". A declaração foi feita aos seus fiéis, enquanto se dirigia aos líderes de outras comunidades – incluindo o arcebispo católico de Westminster, Vincent Nichols –, falando sobre as divisões entre os cristãos.

Embora conservem uma boa quantidade de elementos religiosos da Igreja Católica, os anglicanos não têm a Confissão como um sacramento. Para eles, trata-se apenas de uma prática devocional ou espiritual, bastante em desuso. Mesmo assim, o arcebispo Welby, vindo de uma corrente evangélica do anglicanismo, possui um padre católico como diretor espiritual, além de ser um forte defensor das formas de adoração pregadas pelo catolicismo.

Falando da pertença a uma ampla "tradição católica", Welby comentou: "Eu tenho aprendido ao longo dos últimos 10 anos sobre o grande sacramento da reconciliação: a confissão. (...) Ele é bastante eficaz e terrivelmente doloroso quando feito corretamente... Eu duvido que você acorde de manhã e pense que isto venha a ser um monte de risos. (...) É realmente incômodo. Mas, por meio dele, Deus oferece o perdão, a absolvição e um senso de purificação".

O prelado anglicano não é o primeiro e nem será o último não católico a reconhecer a grandeza do sacramento da Penitência. Ainda no século XIX, o famoso escritor brasileiro Machado de Assis, que muitos estudiosos consideram como ateu, não escondia sua admiração por este tesouro católico. Em algumas de suas memórias, ele confidenciava: "A Igreja estabeleceu no confessionário um cartório seguro, e na confissão o mais autêntico dos instrumentos para o ajuste de contas morais entre o homem e Deus". E ainda: "A Igreja recomenda a confissão, ao menos, uma vez cada ano. Esta prática, além das suas virtudes espirituais, é útil ao homem, porque o obriga a um exame de consciência" [1].

É notável ver personalidades estranhas à fé católica reconhecendo a utilidade da Penitência. Mas, e os católicos? Qual é o valor que têm dado a esta dádiva?

Urge que se desmascare, antes de qualquer coisa, uma mentira repetida com frequência. O sacramento da Confissão não foi, como querem alguns detratores da Igreja, uma "estratégia" dos padres para manter os seculares subordinados aos interesses eclesiásticos. Trata-se, na verdade, de um desejo do próprio Jesus. Após a Ressurreição, ele apareceu aos Doze e disse: "Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" ( Jo 20, 22-23).

Muitos católicos deixam de recorrer à Confissão porque já introjetaram uma mentalidade protestante individualista e orgulhosa. Dizem: "Se Deus já conhece todos os nossos pecados, por que se confessar?" Ora, Deus, em sua onipotência, poderia muito bem ter feito de outra forma. Poderia ter dito à multidão que se confessasse a si mesma, ou que apenas invocasse o Seu nome e seus pecados seriam perdoados. No entanto, não foi desta forma que Ele quis que os homens buscassem a reconciliação Consigo. Ele deu aos apóstolos as chaves do Reino dos céus (cf. Mt 18, 18) e este encargo sagrado. Cabe a nós acolher com humildade as disposições divinas, ao invés de submeter as palavras sagradas ao nosso arbítrio.

É verdade, nem sempre é agradável ter que acusar os pecados a um sacerdote, os católicos não dirigem-se ao confessionário com um "monte de risos". No entanto, diz a Escritura, "há uma vergonha que conduz ao pecado e uma vergonha que atrai glória e graça" (Eclo 4, 25). Ainda que muitas vezes pareça penoso, é preciso que o cristão vença a sua vergonha e se confesse, pois de outro modo não pode alcançar o perdão dos pecados e a tranquilidade da alma.

Conta-se que um discípulo de Sócrates tinha entrado na casa de uma mulher de má vida. Prestes a sair, mas avistando o mestre, que ali passava, ele tornou a entrar na casa, a fim de não ser notado. Sócrates, porém, tinha-o visto e, aproximando-se da casa, disse: "Meu filho, é uma vergonha entrar nesta casa, não, porém, sair dela".

Santo Afonso de Ligório repete a advertência de Sócrates e alerta: "Meu filho, é uma vergonha cometer o pecado; não, porém, libertar-se dele pela confissão".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O Santíssimo Sacramento nas palavras de Jesus
EspiritualidadeIgreja Católica

O Santíssimo Sacramento
nas palavras de Jesus

O Santíssimo Sacramento nas palavras de Jesus

Apesar do escândalo da transubstanciação, que atravessa os séculos, não é possível interpretar de outra maneira as palavras de Jesus: "A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida".

Equipe Christo Nihil Praeponere15 de Outubro de 2013
imprimir

Dos sete Sacramentos da Igreja, o mais importante é a Eucaristia, diz Santo Tomás de Aquino, "porque contém realmente o Cristo em pessoa, enquanto os outros contêm uma virtude instrumental participada de Cristo" [1]. Quando se fala deste sacramento, as pessoas facilmente se escandalizam. Ficam intrigadas que os católicos possam acreditar que em um pedaço de pão e em um pouco de vinho esteja escondida a própria divindade. Apesar do escândalo desta doutrina, porém, escândalo que atravessa os séculos, não é possível interpretar de outra maneira as palavras de Jesus: "A minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida" (Jo 6, 55).

Com efeito, diante destas palavras do Senhor, narra o Evangelho de São João, "muitos dos seus discípulos se retiraram e já não andavam com ele" ( Jo 6, 66). O sacramento sequer tinha sido instituído, mas apenas os seus fundamentos já eram pedra de escândalo para os primeiros seguidores de Cristo.

Só a leitura desta passagem evangélica é suficiente para eliminar a hipótese de que Jesus estivesse "falando em parábolas", como insinuam os protestantes, para sustentarem sua heresia. Se Ele tivesse querido usar estas palavras somente em um sentido metafórico, falando do "pão da vida" apenas como um símbolo ou uma representação, Jesus, que conhece os corações humanos, teria se explicado. Vendo que muitos saíam e O abandonavam, Ele com certeza teria dado outro sentido à Sua pregação, explicando que as coisas não eram da forma como eles tinham entendido.

E, no entanto, o que faz Jesus? Não volta atrás. Não retira nada do que disse. Limita-se a perguntar aos Doze: "Quereis também retirar-vos?" ( Jo 6, 67). "Parece pesada também a vós esta doutrina? Ainda que não queirais dar o passo da fé, tampouco eu mudarei esta doutrina. Não desejais porventura também abandonar o barco?" — Assim procedia o Filho de Deus diante da inquietude dos Seus discípulos. Eis a chave para compreender aquilo que o Papa Paulo VI já prelecionava para a Igreja: "Não minimizar em nada a doutrina salutar de Cristo é forma de caridade eminente para com as almas" [2].

Está lançada a base do milagre que o Concílio de Trento chamou de "transubstanciação": "Pela consagração do pão e do vinho se efetua a conversão de toda a substância do pão na substância do corpo de Cristo Nosso Senhor, e de toda a substância do vinho na substância do seu sangue" [3]. Assim, em todos os altares do mundo nos quais se celebra a Santa Missa, está presente, debaixo das espécies do pão e do vinho, o próprio Senhor do céu e da terra, Jesus Cristo.

Como isto é possível? "Por efeito da onipotência de Deus, a quem nada é impossível", responde o Catecismo de São Pio X [4]. A fé em Jesus eucarístico provém da adesão íntima à Sua pessoa, da certeza de que, "para nós, Deus não é uma hipótese remota, não é um desconhecido que se retirou depois do big bang" [5], mas uma realidade concreta e viva também nestes dias. O Papa Leão XIII era levado a afirmar, a partir do testemunho dos santos Padres, que "a eucaristia (...) deve-se considerar como continuação e ampliação da encarnação" do Verbo [6].

Às mentes mais céticas Jesus não somente deixou Sua palavra, mas, operando milagres eucarísticos, chamou de maneira ainda mais incisiva à comunhão Consigo. Lanciano, Orvieto, Turim, Sena, Faverney são os nomes de apenas algumas localidades agraciadas com milagres portentosos, nos quais o mistério da Eucaristia brilhou com toda sua força e majestade.

Não se pode, porém, descuidar, com os belos relatos destes milagres, da fiabilidade das palavras de Jesus. Deve-se crer que Ele está presente na hóstia e no cálice sagrados não simplesmente por causa de uma ou outra relíquia na Itália ou na França – que merecem, claro, o respeito e a veneração dos fiéis. É preciso crer na Eucaristia com aquela fé de um filho que dá todo o crédito às palavras de seu pai e de sua mãe. "Eu acredito que no Sacramento da Eucaristia está verdadeiramente presente Jesus Cristo, porque Ele mesmo o disse, e assim no-lo ensina a Santa Igreja" [7].

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.