CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Uma paráfrase do Pai-nosso e da Ave-Maria
Oração

Uma paráfrase
do Pai-nosso e da Ave-Maria

Uma paráfrase do Pai-nosso e da Ave-Maria

“Visto que a Oração Dominical é o mais perfeito exemplo de todas as orações, por conter tudo quanto Deus quer que lhe peçamos, e também por sua dignidade, pois Cristo mesmo no-la ensinou… vale a pena apresentá-la aqui ao modo de paráfrase.”

Wilhelm NakatenusTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Agosto de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

As paráfrases abaixo, do Pai-nosso e da Ave-Maria, assim como as orações, são para ser rezadas. Foram extraídas de uma antiga coletânea de preces devocionais, chamada Coeleste palmetum, e traduzidas diretamente do latim por nossa equipe. A introdução da obra original a esses pequenos comentários diz o seguinte: “Visto que a Oração Dominical é o mais perfeito exemplo de todas as orações, por conter tudo quanto Deus quer que lhe peçamos, e também por sua dignidade, pois Cristo mesmo no-la ensinou… vale a pena apresentá-la aqui ao modo de paráfrase.”

No mais, os complementos feitos a seguir às petições dominicais e à Saudação Angélica ajudam-nos a entendê-las e rezá-las melhor. Daí a oportunidade de publicá-los.


Paráfrase do Pai-nosso
(Coeleste palmetum, pp. 374–376)

Prefácio

Pai nosso amantíssimo, que por vossa bondade nos criastes do nada à vossa imagem e semelhança e, uma vez caídos, salvastes da condenação eterna por vosso Unigênito, e vos dignastes adotar-nos como filhos, protegendo-nos até este dia com afeto mais do que paternal. Oxalá, Pai, vos amemos e adoremos de tal modo, que mereçamos ser chamados verdadeiros filhos vossos.

Que estais nos céus em glória e grandeza, onde milhares e milhares de anjos vos servem, e dezenas de milhares vos assistem. Mas nós, degradados filhos vossos, vagamos errantes neste vale de lágrimas, e a vós clamamos gemendo e chorando. Eia pois, Pai nosso, que estais nos céus, ouvi clemente os votos e desejos dos vossos filhos, e elevai a vós os nossos corações, para que sejamos, ao vosso lado, cidadãos dos céus.

Petições

1. Santificado (que é o que mais desejamos) seja o vosso nome em nós, que em si mesmo é santo e glorioso, e dai-nos a graça de, em todo lugar e a todo o momento, o reconhecermos, venerarmos e celebrarmos, pois desde o nascente até o poente é digno de louvor o nome do Senhor.

2. Venha aos nossos corações e almas o vosso reino, lançados para longe deles a carne, o mundo e o diabo. Este vosso reino é o reino da graça, pelo qual anelamos chegar ao reino da vossa glória.

3. Seja feita a vossa vontade, pois nada mais santo, nada mais desejável se pode pedir, assim na terra entre os homens, com perfeitíssima resignação na adversidade e na prosperidade, na tristeza e na alegria, como no céu entre os anjos, com a suma felicidade e bem-aventurança.

4. O pão nosso de cada dia, não só aquele com que se alimenta o corpo, mas também aquele com que se dá refeição à alma, isto é, a vossa Palavra vivificante e o Pão dos anjos, nos dai hoje. Olhai, Pai, para a pobreza dos vossos filhos, e que não passemos um só dia com fome deste pão.

5. Perdoai-nos, benigníssimo Pai, as nossas imensas dívidas, contraídas com nossos muitos e gravíssimos pecados e negligências, que criatura nenhuma pode satisfazer. Por isso, imploramos suplicantes a vossa infinita misericórdia pela remissão deles, a fim de que no-los perdoeis assim como nós, por vosso amor, perdoamos aos nossos devedores, pelos quais alguma vez já fomos agravados. Abrandai, ó clementíssimo Pai, a relutante dureza e aspereza do nosso coração, para que todos estejamos intimamente unidos no Santo Espírito do vosso amor.

6. E não nos deixeis a nós, vasos frágeis, cair em tentação, à qual facilmente sucumbiríamos. A carne seduz, o mundo provoca, o diabo assalta: de vós, ó Pai, nos tentam arrebatar. Só vós sois o nosso refúgio e fortaleza; não permitais, vo-lo suplico, que sejamos tentados acima de nossas forças.

7. Mas livrai-nos do mal, dos de alma e de corpo, quase inumeráveis. Livrai-nos sobretudo do mal de culpa, que vos ofende a vós, nosso Deus e sumo Bem. Livrai-nos também (se assim o exigir a vossa glória e a nossa salvação) do mal de pena: da tristeza, da desonra, da guerra, da fome, da doença, da penúria e de tudo o que merecemos por nossos pecados; e associai-nos enfim àqueles que, no Céu, gozam eternamente de vós, sumo Bem. Afora vós, Deus do meu coração, que há para mim no Céu? Se vos possuo, meu Deus, nada mais me atrai na terra. Vós sois minha herança para sempre!

Amém, isto é, faça-se, ó Pai, o que pedimos, por vossas entranhas de misericórdia, pelos méritos do vosso Filho e pelo amor do Espírito Santo.

Paráfrase da Ave-Maria
(Coeleste palmetum, pp. 376–377)

1. Ave, alegrai-vos e rejubilai, ó Rainha do Céu e Senhora da terra, Maria. Ó gozoso e tão esperado Ave, pelo qual se inverteu o nome de Eva: ela introduziu no mundo maldição e morte; o vosso Ave, ó Maria, bênção e vida eterna.

2. Cheia de graça, sobre a qual se derramou todo um imenso mar de graças. Ó afluência de graça, que aos céus destes glória; à terra, Deus, aos homens, a salvação. Fazei, ó Mãe da graça, que a abundância da vossa graça redunde em meu coração.

3. O Senhor é convosco, como nunca esteve com homem ou anjo algum. O Pai dos céus é convosco, que fez ser vosso o próprio Filho. O Filho é convosco, que uniu a si com vínculo eterno a vossa carne virginal. O Espírito Santo é convosco, que com o Pai e o Filho santificou o vosso ventre. Por vossa intercessão, ó Maria, rogai ao mesmo Senhor que esteja comigo.

4. Bendita sois vós entre as mulheres, que fostes eximida da maldição das mulheres: sendo Virgem concebestes, e sem dor destes à luz. Ó Mãe do gênero humano, destes a salvação ao mundo: se Eva foi autora do pecado, vós, ó Maria, sois autora do mérito. Eva, matando, foi causa de ruína; vós, dando vida, fostes causa de saúde; ela feriu, vós curastes. Rogo-vos suplicante, ó bendita entre as mulheres, que me façais partícipe da vossa bênção.

5. E bendito é o fruto do vosso ventre, que é a fonte de toda bênção. Ó Virgem bendita! quem poderá louvar e agradecer-vos dignamente os vossos méritos, vós, que fizestes nascer ao mundo aquele em que são abençoados todos os povos? Que a abundância da vossa bondade escuse e supra os defeitos da nossa devoção. Fazei antes de tudo, ó Mãe da graça, ó Genitora da vida, ó Mãe da salvação, que aquele que por vós quis participar da nossa carne e miséria, também por vós nos faça participar agora de sua bênção e, no futuro, de sua glória, Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor Nosso, que com o Pai e o Espírito Santo vive e reina.

6. Santa Maria, etc [1].

Notas

  1. O original latino propõe uma paráfrase à “Saudação Angélica”, isto é, apenas à primeira parte da oração da Ave-Maria. Quanto à sua segunda parte (“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores…”), vale lembrar que seu acréscimo é, historicamente, bem posterior: tratava-se de uma súplica mariana rezada na oração litúrgica das Completas. Mais sobre a origem e o significado dessa antiquíssima prece: cf. Ao vivo com Pe. Paulo, n. 99: A Oração da Ave-Maria.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Excomungando a rainha
História da Igreja

Excomungando a rainha

Excomungando a rainha

Por muitos anos a Igreja acompanhou, consternada, a perseguição aos católicos na Inglaterra, até que um Papa achou que era hora de dar uma resposta radical… Saiba como, 450 anos atrás, a rainha Elizabeth I foi excomungada por São Pio V.

Steve WeidenkopfTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Agosto de 2020Tempo de leitura: 6 minutos
imprimir

Chegara o dia há muito temido pelos católicos. O reinado da amada Maria havia terminado com a morte da rainha, enquanto ouvia Missa, no dia 17 de novembro de 1558.

A filha do rei Henrique VIII e de Catarina de Aragão demonstrou ser uma governante corajosa, que julgava ser vontade de Deus que a fé católica voltasse a ser praticada abertamente no reino. Embora o pai, a fim de se livrar da esposa, tivesse dado o primeiro passo no controle da Igreja na Inglaterra, a Coroa só aderiu à heresia no reinado de seu meio-irmão Eduardo VI, filho de Henrique e Joana Seymour.

O governo de Eduardo foi marcado pelo expurgo da fé e o uso da força, física e jurídica, para impor a heresia protestante aos católicos da Inglaterra. Mas Eduardo era de saúde frágil, e o seu reinado duraria apenas seis anos. Os homens da corte responsáveis pela implementação da doutrina e do culto protestantes para a população, sendo Thomas Cranmer o principal deles, foram levados a julgamento no reinado de Maria.  

A Igreja Católica prosperou durante o reinado da amada rainha (o apelido bloody, que em inglês tem duplo sentido, sanguinário e infame, e foi associado ao nome dela por historiadores protestantes, é uma caricatura da caridade), mas o medo sempre esteve à espreita nos bastidores. A rainha não era casada quando assumiu o trono aos trinta e sete anos, mas isso logo se resolveu, quando ela se casou com o príncipe Filipe da Espanha. Infelizmente, da união não vieram herdeiros, o que alimentou o temor de que a meia-irmã de Maria, a protestante Elizabeth Tudor, filha do rei Henrique e de Ana Bolena, assumiria o trono após a morte dela.

Os católicos ingleses acreditavam que a legítima herdeira da coroa inglesa era Maria Stuart, rainha dos escoceses (1542–1567), por causa de sua fé católica e do relacionamento com a linhagem dos Tudor (ela era neta de Margarida Tudor, irmã de Henrique VIII). No entanto, intrigas políticas — a principal das quais foi a revolução religiosa na Escócia, desencadeada pelo revolucionário protestante John Knox — impediram Maria Stuart de assumir o trono inglês. 

Retrato da rainha Elizabeth I, por Marcus Gheeraerts, o Jovem.

Educada no protestantismo, Elizabeth dedicou boa parte de seu reinado de quarenta e cinco anos à supressão violenta da fé católica na Inglaterra. Elizabeth, que teve um dos reinados mais longos da história inglesa, é muito conhecida como “Boa Rainha Bess” — uma “Rainha Virgem”, forte, independente e inteligente que levou seu povo a uma era de prosperidade sem precedentes e representou o sólido protestantismo dele.

Essa narrativa foi descrita adequadamente pelo historiador católico Hilaire Belloc como a monstrous scaffolding of poisonous nonsense, “uma armação monstruosa de uma malignidade absurda”. Na realidade, Elizabeth foi uma monarca testa de ferro, controlada nos bastidores por homens poderosos que enriqueceram às custas da dissolução de mosteiros católicos no reinado de Henrique e receberam incentivo econômico para evitar a restauração permanente da fé católica na Inglaterra.

Durante o reinado de Elizabeth, os católicos ingleses sofreram muito com a primeira perseguição à Igreja patrocinada pelo Estado desde a época do Império Romano. As primeiras desculpas, apresentadas numa longa campanha legislativa para erradicar a fé católica na Inglaterra, começaram em 1559, quando Elizabeth foi declarada Governante Chefe de Todos os Assuntos Espirituais e Eclesiásticos na Inglaterra, por meio do Ato de Supremacia, que exigiu de todo o clero e de todos os professores universitários a profissão de um juramento de lealdade à rainha como chefe da Igreja. A recusa em fazer o juramento implicava confisco de bens, prisão e a possibilidade de pena de morte

Outra lei, conhecida como Ato de Uniformidade, restaurou o culto protestante na Inglaterra e exigiu que todos os cidadãos frequentassem as cerimônias da Igreja da Inglaterra. A recusa em participar delas era penalizada com multas severas. A legislação também tornou crime acreditar que o Papa era o chefe da Igreja na Inglaterra. Outra legislação anticatólica aprovada durante o reinado de Elizabeth incluía uma lei que tornava a conversão à fé católica um ato de traição punível com a morte. Quando os missionários jesuítas chegaram ao país sitiado para servir à Igreja clandestina, foram aprovadas leis que tornavam crime (de auxílio e incentivo à rebelião) abrigar ou ajudar um sacerdote jesuíta.

O ataque à Igreja na Inglaterra elizabetana exigia uma resposta, principalmente se a fé quisesse sobreviver, ainda que na clandestinidade. O cardeal William Allen prontamente reconheceu a necessidade de preparar homens ingleses para o sacerdócio fora do país, os quais seriam depois reenviados à Inglaterra. Então, em 1568 ele fundou um seminário do outro lado do Canal em Douai (hoje, parte do território francês) conhecido como Colégio Inglês. Uma vez ordenados, os graduados no seminário retornavam para casa clandestinamente, a fim de cuidar dos fiéis perseguidos.

Um desses sacerdotes, Cuthbert Mayne (1544–1577), chegou em segredo à Inglaterra no dia 24 de abril de 1576. Ele serviu à Igreja clandestina por pouco mais de um ano até ser preso em 8 de junho de 1577 e condenado à morte. Deram-lhe oportunidade de salvar a sua vida, caso renunciasse à fé católica jurando sobre a Bíblia que Elizabeth era chefe da Igreja. O Pe. Mayne tomou a Bíblia, fez o sinal da cruz e disse: “A rainha nunca foi, não é nem jamais será chefe da Igreja.” Sofreu uma execução terrível: foi enforcado, afogado e esquartejado, tendo sido o primeiro de muitos sacerdotes martirizados na Inglaterra elizabetana.

Retrato do Papa Pio V, por Bartolomeo Passarotti.

Os Papas acompanharam muito consternados a perseguição à Igreja e apoiaram os esforços realizados para servir aos católicos clandestinos na Inglaterra. Finalmente, um Papa achou que era hora de dar uma resposta radical.

Após a sua eleição ao papado, o cardeal Michele Ghislieri tomou o nome de Pio V. Atormentada pela revolução protestante em toda a Europa, a Igreja precisava dar uma resposta vigorosa. Embora a Contrarreforma tivesse começado com os seus predecessores, foi o Papa São Pio V (1566–1572) quem implementou a grande Reforma e pôs a Igreja nos trilhos da restauração e da regeneração. Um santo dominicano, ex-chefe do Tribunal do Santo Ofício em Roma, Pio V foi resoluto em oferecer ajuda aos católicos sitiados na Inglaterra. Elizabeth reinava há doze anos, e os esforços dos pontífices anteriores para trabalhar com governantes seculares a fim de aliviar os sofrimentos dos católicos ingleses mostraram-se insuficientes. Por isso, Pio V decidiu que era hora de excomungar a rainha e exigir a destituição dela.

Em 27 de abril de 1570 (i.e., 450 anos atrás), Pio V promulgou a bula Regnans in Excelsis, na qual a “falsa rainha da Inglaterra e serva do crime” foi excomungada por abraçar os “erros dos hereges”. A bula apresentou um resumo da perseguição aos católicos sob o reinado de Elizabeth e declarou sua destituição.

Não foi a primeira vez que um pontífice excomungou um governante secular e convocou uma revolução. No entanto, como em muitos casos anteriores, tal intento não atingiu seu objetivo e o tiro ainda saiu pela culatra. Elizabeth e seus conselheiros, principalmente William Cecil (1520–1598), se aproveitaram do ato como “prova” de que era impossível ser católico e inglês leal ao mesmo tempo. Durante os trinta anos seguintes do reinado de Elizabeth, a Igreja passou por outros seis pontificados. A rainha continuou a perseguição sangrenta aos católicos na Inglaterra… 

Mas o sangue dos mártires não seria em vão, e a fé católica jamais desapareceria de solo inglês.

Notas

  • Na imagem acima está a intérprete da rainha Elizabeth I no filme “Duas Coroas” (Mary Queen of Scots), de 2018. A referência, porém, não significa uma aprovação ou recomendação desse filme (que, segundo o site IMDb, contém cenas bastante inapropriadas de sexo e nudez); é uma pena, aliás, que até produções históricas desse tipo apelem à vulgaridade para fazer sucesso (Nota da Equipe CNP).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O que acontecerá com a Europa?
Sociedade

O que acontecerá com a Europa?

O que acontecerá com a Europa?

A Europa vem tentando realizar uma experiência audaz: preservar a sua unidade política, à parte o fundamento histórico de sua unidade cultural e moral. É um projeto notável, mas que tem tudo para dar errado. E o Papa Ratzinger sabe por quê.

Carson HollowayTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Agosto de 2020Tempo de leitura: 10 minutos
imprimir

O que acontecerá com a Europa? Todas as pessoas atentas e informadas que acompanham os problemas mundiais certamente fazem a mesma pergunta. Uma das mais proeminentes nações europeias, o Reino Unido, abandonou a União Europeia [n.d.t.: a saída foi oficializada no dia 31 de janeiro de 2020]. Um Brexit bem-sucedido abre a possibilidade para que outras nações também deixem de fazer parte do bloco. De repente, é posta em xeque a viabilidade da Europa como um conjunto politicamente integrado, sonho e trabalho de vida de duas ou três gerações de estadistas europeus.

O tema do destino da Europa aponta para a questão mais profunda de sua identidade. Quando nos perguntamos “o que acontecerá com a Europa?” não podemos deixar de nos perguntar “o que é a Europa”. Em outras palavras, o que significa a Europa? O que ela aspira ser? Como observa Joseph Ratzinger, essas perguntas surgem porque a Europa é propriamente entendida não apenas como conceito geográfico, mas também como conceito cultural e histórico. A Europa, diz ele, sempre julgou ter alguma missão universal e algo precioso a oferecer ao mundo. Talvez, por isso, ela não possa permanecer unida politicamente, já que os vários povos que a compõem não estão mais de acordo sobre o que significa ser europeu.  

Tais questões — o que é a Europa e o que ela deveria ser — são analisadas por Ratzinger (hoje, Papa emérito Bento XVI) em Western Culture: Today and Tomorrow [“Cultura Ocidental: Hoje e Amanhã”, sem tradução para o português]. Dificilmente poderíamos desejar um guia mais criterioso para uma investigação como essa. O tratamento que Ratzinger dá a essas questões não é e não pretende ser sistemático. O livro se compõe de várias conferências dadas por ele ao longo dos anos como cardeal da Igreja Católica. Sem embargo, não podemos ler as suas meditações sem a consciência de estarmos na presença de uma mente sábia, incisiva, sóbria e séria. As avaliações ali apresentadas não são surpreendentes sob certos aspectos, mas o são sob outros, e todas são cuidadosas, provocativas (no melhor sentido da palavra) e dignas de um exame sério.

O Papa emérito, no aeroporto de Munique, no último dia 22 de junho. Ele regressava a Roma depois de visitar o irmão Georg, que faleceria em 1.º de julho. (Sven Hoppe/Pool, Reuters.)

Uma Europa à deriva. — Sem dúvida, não é nenhuma surpresa que, para Ratzinger, a Europa perdeu o rumo. Ela deseja obter respeito pelos direitos humanos, pela dignidade humana, pelo primado do direito a serviço do bem comum. De acordo com Ratzinger, esses compromissos morais dependem de uma crença na inteligibilidade do universo, que, por sua vez, depende da crença em Deus como causa inteligível e amorosa do universo — o Criador de uma ordem racional que seja ordenada ao bem do ser humano. A Europa, no entanto, perdeu a sua compreensão do cosmos, a qual sustentava outrora as suas aspirações éticas. Como observa Ratzinger com perspicácia, as elites europeias reconheceram o fracasso econômico do marxismo sem perceber os seus fracassos morais e filosóficos. Ninguém quer o retorno de uma economia planejada pelo Estado. Mas os atuais proponentes do (assim chamado) iluminismo europeu compartilham “com o marxismo a ideia evolucionista de um universo criado por um evento irracional” e, por essa razão, incapaz de fornecer qualquer “direção ética” para os seres humanos. Para muitos intelectuais europeus, o mundo do sentido e da justiça deve ser criado pelos seres humanos. Ratzinger, em contrapartida, argumenta que a ordem pública justa depende de uma moralidade que precede a política. Se a ordem é meramente criada por seres humanos, a maioria (ou quem for mais poderoso na sociedade) fica livre para impor aos fracos quaisquer políticas que desejarem. 

Esse diagnóstico é semelhante ao apresentado pelo grande predecessor de Ratzinger no papado, João Paulo II. Não é de se surpreender que seja sustentado também por seu mais confiável colaborador. No entanto, Ratzinger provavelmente surpreenderá ao menos alguns de seus leitores com o remédio que ele recomenda.

Influenciado por um jornalismo e uma análise cultural superficiais, o atual panorama intelectual do Ocidente é perseguido pela caricatura de um Ratzinger que encarna, de forma quase ideal, a figura do “prelado católico reacionário”. Seus argumentos sobre a cultura ocidental desmentem por completo essa paródia do homem e do pensador. Ratzinger não propõe um regresso à Idade Média. Não busca uma restauração do domínio da Igreja medieval sobre a vida política e social. Em vez disso, enfatiza o caráter secular e limitado do Estado, tal como é compreendido inclusive pelo cristianismo. Para Ratzinger, é possível dizer que o Estado tem um fundamento divino, no sentido de que Deus espera que os cristãos (e todas as pessoas) obedeçam às ordens justas das autoridades estabelecidas. Mas o Estado não tem uma missão sagrada. Seu objetivo não é a salvação das almas ou a imposição da fé cristã à sociedade, mas o estabelecimento da paz e de uma ordem moral justa. Ratzinger sustenta essa perspectiva por meio da referência às fontes cristãs mais antigas e confiáveis, como os Apóstolos e o próprio Cristo, que aconselhou os seus discípulos a obedecerem às autoridades políticas, ainda que o Estado existente naquele tempo, o Império Romano, certamente não fosse cristão.

Ratzinger pensa que a Europa moderna perdeu o rumo, mas ele não propõe um retorno à cristandade medieval. Portanto, para onde a Europa deveria retornar? Ratzinger retoma um estágio anterior (mas não muito distante) da história da Europa, uma época na qual o liberalismo europeu entendia a política principalmente em termos seculares, mas ainda assim entendia a si mesmo — entendia a Europa — como uma manifestação da cultura cristã. Segundo Ratzinger, os principais estadistas responsáveis pela reconstrução de uma justa paz depois da II Guerra Mundial — homens como Winston Churchill, Konrad Adenauer, Robert Schuman e Alcide De Gasperi — eram guiados pelas exigências morais que haviam aprendido da “fé cristã”. Procurando ir além da insanidade ideológica que havia devastado a Europa, eles buscaram estabelecer não um “Estado confessional” cristão, mas antes um “Estado permeado pelo pensamento ético” que a fé cristã sustenta — uma razão moral que vai além do mero cálculo de consequências e reconhece a dignidade e os direitos dos seres humanos como tais. Ratzinger recorda bem o que muitos leitores contemporâneos esqueceram ou jamais souberam: os principais estadistas ocidentais daquela época entendiam a II Guerra como uma luta para preservar a “civilização cristã”, e assim a chamavam publicamente. 

Quando analisamos o assunto desse ponto de vista, talvez não surpreenda o fato de Ratzinger — um homem de sensibilidades modernas, mas conservadoras — propor um retorno à organização política que prevaleceu em sua juventude. No entanto, não é razoável passar por cima do argumento dele como se fosse simples nostalgia. Afinal de contas, como Ratzinger mesmo afirma, e como qualquer um pode perceber, há sinais de que a Europa contemporânea está em apuros, sinais de que é insustentável a forma como o europeu de hoje compreende a si mesmo.

Preservando a cultura europeia. — Deixando de lado a questão de se a Europa pode manter-se ou não como unidade legal e política, também nos podemos perguntar se ela ao menos é capaz de preservar e transmitir-se como cultura. Ratzinger observa que a Europa “parece ter-se esvaziado”, inclusive em seu “momento de maior êxito”. Os europeus já não querem ter filhos o suficiente para preservar a vida de suas nações ao longo do tempo. Essa relutância talvez seja resultado do declínio na crença em Deus e, portanto, na bondade da Criação. Em condições normais, é mais provável que um casal considere os filhos um dom de um Deus benevolente do que meros produtos do acaso e da necessidade. É mais provável que os pais tenham mais confiança em gerar novas vidas quando acreditam que elas entrarão no reino do ser e da bondade governado por um Deus benevolente, e não quando creem que o universo não é mais do que o produto de forças indiferentes à vida humana. Seja como for, não há dúvida de que uma cultura que reluta em gerar filhos não conseguirá sobreviver.

Sem dúvida, os defensores da Europa contemporânea responderão que a transmissão cultural não depende, necessariamente, da reprodução biológica. A Europa pode transmitir os seus valores a recém-chegados, a imigrantes que darão continuidade ao projeto europeu depois que os europeus de origem desaparecerem. Isso de fato é possível, mas é algo que parece exigir uma autoconfiança moral e cultural que os europeus de hoje não possuem. Ratzinger observa que os europeus rejeitaram a crença em Deus, porque passaram a enxergá-lo como um limite para a liberdade individual. A crença em Deus, no entanto, dominou boa parte da história da Europa. Portanto, os europeus de hoje devem considerar o seu próprio passado como um período de opressão. Daí vem o “o ódio a si mesmo no mundo ocidental, que é estranho e pode ser considerado patológico”. Trata-se de uma cultura que “já não ama a si mesma”, e sobre a qual poderíamos nos perguntar até mesmo se “deseja sobreviver”. Como uma tal cultura poderia transmitir a novas gentes uma herança que ela mesma despreza? 

Mais uma vez, o defensor da Europa contemporânea pode responder que tudo isso é irrelevante, pois ela não deseja preservar e transmitir a sua antiga herança moral e cultural. Quer apenas transmitir os seus valores modernos — isto é, uma concepção universal secular e racionalista dos direitos humanos, dissociada de qualquer herança religiosa específica. Ratzinger sugere que, neste ponto, os europeus contemporâneos estão se enganando a si mesmos. Ele observa que a racionalidade exclusivamente secular parece óbvia para os ocidentais porque foi desenvolvida no Ocidente. Ela está “ligada a contextos culturais específicos” e, “enquanto tal, não pode ser reproduzida na humanidade inteira”. Um racionalismo puramente secular — a razão não permeada por crenças religiosas — é estranho à maioria dos povos, e há poucos motivos para achar que eles o aceitarão apenas por começarem a viver na Europa. 

Os europeus de hoje parecem acreditar que esses problemas serão superados pelo progresso. A crença no progresso é, para o europeu contemporâneo, o substituto da crença em Deus. As meditações de Ratzinger, no entanto, revelam alguns motivos por que essa confiança no progresso está desconectada da realidade e é, inclusive, incoerente. Ratzinger recorda que ela está desconectada da realidade porque a natureza humana “começa de novo em cada ser humano”. A geração seguinte não adquire, necessariamente, crenças e hábitos mais justos e humanos do que a anterior. O tipo de progresso moral que os europeus presumem exige que as raízes históricas e cristãs da crença na dignidade humana no Ocidente sejam reconhecidas e transmitidas, um empreendimento ao qual o europeu de hoje é indiferente ou hostil. A crença do europeu no progresso é incoerente porque não há razão para pensar que um progresso confiável surgiria num universo que, fundamentalmente, não se encontra governado por nenhum princípio inteligente ou benevolente.  

Atualmente, a Europa vem tentando realizar uma experiência notável. Ela tenta preservar e até ampliar a sua unidade política, ao mesmo tempo que abandona e despreza o fundamento histórico de sua unidade cultural e moral. O Brexit pode ser apenas o primeiro exemplo dos problemas que essa experiência poderá gerar. Em tais circunstâncias duvidosas, seria razoável procurar o conselho de vozes que a Europa está acostumada a ignorar e até desprezar. Uma Europa conturbada faria bem em começar o seu exame de consciência ao escutar a voz de Joseph Ratzinger. Ele recorda aos leitores que isso não implicaria uma submissão à autoridade espiritual da Igreja Católica, mas somente um compromisso respeitoso e compreensivo com a história moral e religiosa que deu origem à Europa.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Diálogo de uma freira com um livre pensador
Espiritualidade

Diálogo de uma freira
com um livre pensador

Diálogo de uma freira com um livre pensador

“Dizei lá fora que, com amor fraterno, nós vos amamos a todos… Dizei-lhes que a nossa prece é uma catedral que não se acaba, e que nas ogivas destas mãos continuamente alçadas há o labor de uma construção que não percebeis, porque não olhais para o céu!”

Carlos de Laet14 de Agosto de 2020Tempo de leitura: 9 minutos
imprimir

Entrevista… que com uma freira de certo convento, prestes a ser profanado, teve um jornalista que se julga livre-prosador.

O que se vai ler é o diálogo ultimamente travado entre uma freira, abadessa ou priora de certa comunidade, nesta capital, e um jornalista que entendeu oportuno entrevistá-la.

Freira — Diz o senhor que tem qualquer cousa a tratar comigo. Pode falar. 

Jornalista — Reverenda madre, eu quisera obter informações que me habilitassem a escrever com acerto sobre o seu convento, e dele dar ao público uma notícia que não se apartasse da verdade. 

F. — Notícia ao público! E que temos nós com o vosso público, isto é, com o mundo de que voluntariamente nos afastamos, cortando até mesmo os laços de família que a ele nos prendiam?

J. — Não ignoro que menosprezais o mundo, mas não é menos certo que ele vos não menospreza e que se ocupa convosco. Vossa existência murada é um incentivo para a curiosidade. Por trás das chapas e das grades farejamos uns mistérios que ardemos por descobrir. Neste século de publicidade tendes o atrativo do que se recata e esconde. Natural é, pois, a trêfega indagação que ao redor desta casa vagueia, e da qual nós, os homens de imprensa, somos os órgãos naturais. Não seria, pois, preferível dizer-lhes logo o que é, por não deixarmos lugar a conjecturas talvez errôneas e nocivas?

“Visita de família a uma jovem religiosa carmelita”, de Jan Swerts.

F. — Se assim é como dizeis, o que de melhor poderíeis fazer seria explicar-lhe, ao vosso público, que por trás destes muros e nesta associação religiosa não há outros mistérios senão os da nossa religião, exarados no catecismo. Como vivemos e o que fazemos consta, outrossim, da nossa regra monástica, que muitas vezes se tem publicado.

J. — O público, ou, se preferir, o mundo não pode compreender por que, quando em torno de vós tudo se move e se agita, assim persistis na imobilidade do claustro.

F. — Não me pareceis lógico afirmando a nossa imobilidade, quando há pouco parecíeis de todo ignorar qual o nosso gênero de vida; e singularmente vos enganais acreditando que vivemos ociosas. Ainda mesmo supondo que não trabalhemos materialmente, o que não é bem verdade, ainda assim grande e importante seria a nossa tarefa. As mãos que se erguem para o céu fazem um imenso trabalho: não foi um santo, mas um dos vossos, Victor Hugo, quem o escreveu nos Miseráveis.

J. — Muito folgo, reverenda madre, que me citeis, não padres da Igreja, que não leio, mas pensadores profanos, o que mostra que os tendes lido, ao menos alguns, e isto nos abre um terreno, conhecido por nós ambos e em que sem constrangimento nos poderemos encontrar.

F. — Antes de professar li o que intitulais pensadores profanos, e estimo que isso vos traga qualquer vantagem para nos entendermos. Permiti, porém, que assinale uma das vossas fraquezas habituais. De ordinário, em vossa profissão de jornalista, quando, por exemplo, tendes de atacar a administração militar, procurais livros e autores que especialmente se ocupem da matéria. Tratados de ciência naval não faltariam na vossa biblioteca se tivésseis de escrever sobre marinha… Mas como é que todos discutis assuntos religiosos, sem conhecer ao menos os rudimentos da fé e da disciplina católica? Não falaríeis, certamente, sobre a literatura francesa do século décimo oitavo sem leitura de Voltaire; e vós mesmos, que vos propondes escrever sobre a vida monástica, jamais tendes lido um dos bons tratadistas que vos diriam o que ela seja!

J. — De boa mente confesso que aí não vos falta alguma razão, desde que a censura se dirija a mim, ou a qualquer outro publicista de penúltima classe; mas não acredito que seja fundada em relação aos verdadeiros cientistas.

F. — Haeckel, verbi gratia, o emérito propugnador do monismo, não o tendes por cientista às direitas? Pois bem, ainda outro dia ele assombrava o mundo religioso, revelando, em uma polêmica, a mais estupenda ignorância dos dogmas católicos, por isso que confundia a Encarnação do Verbo com a Imaculada Conceição de Maria. Os vossos governos, aliás, fomentam essa ignorância, proibindo que em país de católicos se ensine a doutrina católica.

J. — Isto se faz para assegurar a liberdade de consciência.

F. — Perdão: então não apanhastes o meu argumento, ou antes fui eu quem não se fez compreender. O que digo é que, independentemente de qualquer intimativa, coação ou sedução religiosa, a doutrina cristã deveria ser ensinada em vossas escolas como elemento essencial e indispensável para a compreensão da atual ordem de cousas, da civilização ambiente. Que fazeis para entender a vida grega e romana? Ler e reler a Cité Antique, de Fustel de Coulanges, ou qualquer outro autorizado especialista. Em Constantinopla, nada entenderíeis da cidade otomana e de seus usos, se de todo estranho vos fosse o Alcorão. Pois bem! viveis em uma sociedade católica — eis o fato — e sonegais aos vossos alunos o único livro que lho poderia explicar.

J. — Percebo agora, reverenda madre, a força de vosso raciocínio, e não vos negarei que, conquanto especioso, não acho de pronto com que o refutar. E igualmente vos dou o parabéns pela agudeza dialética que exibis e que, com franqueza, não pensava encontrar neste retiro, onde fora de supor que no misticismo se embotasse o gume da razão. 

F. — A devoção mais fervorosa não é incompatível com o cultivo das letras; e, se acaso vos não tivera esquecido a história literária, bem presente vos seria a nossa matriarca Santa Teresa de Jesus, cujas obras ao mesmo tempo exornam a literatura sacra e enaltecem a prosa e a poesia espanholas do século décimo sétimo.

J. — Teresa de Cepeda e Ahumada foi, reverenda madre, um poderoso engenho sobreexcitado pela histeria, e que, excepcional em tudo, não pode ser trazido como regra.

F. — Nem eu vos digo que Santa Teresa deva ser tomada por espécime comum da intelectualidade monástica; da mesma sorte que para espécime da vossa inteligência há fora, no mundo, erradamente se apontariam extraordinários intelectos. Na canonização de Santa Teresa, em 1622, Cervantes compôs uma ode, que foi lida por Lope de Vega. Ora, entre vossos romancistas e dramaturgos não vejo quem com esses dois vultos possa suportar o confronto.

J. — Está bem, reverenda madre, e peço que a mal não tomeis aquilo que me escapou no tocante à histeria: falo como homem do meu século, ao qual repugna o sobrenatural.

F. — Duplo engano, meu filho. Em primeiro lugar não há confundir histeria com o que chamais a exaltação da nossa santa. Vossos hospitais estão cheios de histéricas, e é singular que lá esse estado nervoso só conduza a disparates e loucuras, ao passo que na monja incomparável tão acima se elevou das melhores capacidade contemporâneas. Sei que há uma escola, ou antes um grupo, para o qual todo gênio é uma enfermidade mental. Napoleão foi um epiléptico… Quero crer que o perfeito equilíbrio mental seja para esses tais a mais pacata mediocridade; e neste sentido lhes concedo que hoje tantos se exibam perfeitamente equilibrados.

J. — Este seria o meu primeiro erro; e o segundo…

F. — O segundo é supordes que ao vosso século repugna o sobrenatural. Pura ilusão! Sobrenatural e preternatural (que não são o mesmo) coexistem convosco, e neles estais e viveis imersos. O milagre permanente de Lourdes desafia todos os dias os vossos cientistas, que, não podendo negar os fatos, só têm para explicá-los uma palavra: — sugestão. O preternatural? Mas acaso ignorais que nesta cidade, quotidianamente, se evocam mortos, e milhares de pessoas, aos torvos de espíritos que por eles se apresentam, pedem o segredo da saúde e o da felicidade terrena, com sacrifício da futura? Nunca, eu vo-lo asseguro, nunca tão impregnado de sobrenatural e de preternatural esteve quanto agora o gênero humano. Nesta crise de fé, Deus amiúda os milagres, e para derribar a inconsistente fábrica do materialismo estavam reservadas aos nossos tempos as experiências dos ocultistas.

J. — Consenti, reverenda madre, que vos observe estarmos já muito longe do objeto que me induziu a importunar-vos. Não me dais licença para visitar agora o convento?

Uma monja carmelita francesa em sua cela, 1904.

F. — Não. Vê-lo-eis depois, quando o tivermos deixado aos profanadores que dele vão fazer um hotel, segundo ouço dizer [1]. Onde se rezava, há de haver festins e dissoluções… Tanto pior para vós! Nós continuaremos ociosas, como dizeis, ou trabalhando, como dizia Victor Hugo, com mãos e olhos alçados para o céu, que é donde baixa a complacência para os que oram e a misericórdia para os que pecam.

J. — Não receais que, mal guiada por vossos inimigos, a opinião se transvie a vosso respeito?

F. — A opinião? Não a conhecemos nem a tememos. Costumais lamentar, e quero crer que sinceramente, a privação de liberdade que nos impusemos… Mas acabais de proferir o nome de um tirano a cujo domínio estamos subtraídas: — a opinião. Dela tremeis todos, desde o primeiro magistrado da República até o último cidadão: e nós impassíveis a afrontamos, melhormente eu diria — nem sequer a avistamos. Morrem às nossas portas essas ondas lodosas que chamais escândalo. Nossos caluniadores, não podemos pessoalmente amá-los, pois não sabemos quem sejam, mas todos os dias rezamos por eles, de ordem expressa de Jesus: Orai pelos que vos perseguem e caluniam.

J. — Mas, se indiferente vos pode ser o aleive em circunstâncias normais, haveis de convir que em quadras agitadas ele pode motivar o esbulho, o desacato, a violência…

F. — Escutai, meu filho. Quando o sacrifício se faz martírio, tanto maior a graça de Nosso Senhor. Lede a história da revolução francesa, e lá encontrareis, em um dos capítulos do terror, a execução das carmelitanas de Compiègne. Morreram contentes, entoando o Te Deum. A priora, uma nobre velha, reservara-se para o fim, não por prolongar de minutos a existência, mas para confortar com sua presença as mais novas, entre as quais algumas na flor da juventude. Morreram todas como os mais bravos dentre os homens! Se em uma de vossas revoluções, que tão amiúde se sucedem, alguma se lembrar de nos bater à porta, achar-nos-á junto do altar; e deste para o céu o caminho é curto, ainda que seja através do apupo e do martírio.

J. — Ninguém, felizmente, em nossa terra, reverenda madre, pensa em prejudicar-vos e menos ainda em perseguir-vos. A tolerância é um dogma da verdadeira democracia…

F. — Sei disso… Vós, por ora, nos tolerais como quem tolera o vício ou o desvairo das ruins paixões. Seja como for, será o que Deus quiser! Se nos tolerardes, como nos Estados Unidos, havemos de conquistar mansa e irresistivelmente as consciências; se nos perseguirdes, como na França e em Portugal, por nós clamarão, diante de Deus, a ignomínia e os sofrimentos a que nos submeterdes.

J. — Mais ou menos o que havemos dito formaria um artigo interessante, pela pintura de dois estados d’alma tão diversos quanto o vosso e o meu. Não haveria, talvez, mal em publicá-lo… E, neste caso, não me fixareis algum ponto, que particularmente desejareis que se soubesse?

F. — Sim. Dizei lá fora que, com amor fraterno, nós vos amamos a todos — aos que nos defendem e protegem, bem aos que nos injuriam e detraem… Dizei-lhes que a nossa prece é uma catedral que não se acaba, e que nas ogivas destas mãos continuamente alçadas há o labor de uma construção que não percebeis, porque não olhais para o céu!

Notas

  1. Segundo indica este trecho, o convento onde se teria dado este suposto diálogo seria o da Ajuda, em cujo terreno foi construída a atual Cinelândia, no Rio de Janeiro (Nota do autor).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.