CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
A fé segundo Santa Catarina de Sena
Santos & Mártires

A fé segundo Santa Catarina de Sena

A fé segundo Santa Catarina de Sena

Na doutrina de Santa Catarina de Sena, a fé aparece não só como uma adesão obrigatória a uma fórmula revelada e proposta pela Igreja, mas também como uma vida intensa e radiante.

Pe. Reginald Garrigou-LagrangeTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere29 de Abril de 2021Tempo de leitura: 17 minutos
imprimir

Uma das melhores maneiras de penetrar a espiritualidade dos santos é ver o que eles disseram sobre as três maiores virtudes que existem — isto é, as três virtudes teologais — e como viveram cada uma delas; estas virtudes unem a alma cada vez mais intimamente a Deus e inspiram todas as outras virtudes a se elevarem.

Por isso, trataremos agora da segundo S. Catarina de Sena, particularmente no que se encontra em seu Diálogo, ditado por ela mesma em seus repetidos êxtases, cerca de dois anos antes de sua morte [1]. Primeiro, veremos o que é a fé em si mesma; em seguida, por que ela é frequentemente obscurecida, coberta de nuvens, no pecador; depois, como deve ser o seu desenvolvimento e como devemos viver com base nela, considerando todas as coisas sob a sua luz sobrenatural.

Muitos psicólogos ensinam [2] que a vida dos místicos é dominada por uma grande e nobre emoção, que depois se traduz em sua inteligência pelas ideias que nos expressam. O seu pensamento seguiria, portanto, a emoção ou o movimento da sensibilidade. Assim, parece que ela não teria senão um fundamento frágil e incerto, que seria, talvez, o nosso subconsciente. Dessa maneira, a inteligência dos místicos cristãos não se nutriria, em primeiro lugar, da verdade imutável e incontestável; seus julgamentos seriam apenas o reflexo de vivas emoções vindas do coração.

Outra, porém, é a doutrina de S. Catarina de Sena, que nos ajuda a ver a profunda verdade do tratado teológico da fé e nos manifesta a vida dessa virtude teologal. A fé aparece aqui não só como uma adesão obrigatória a uma fórmula revelada e proposta pela Igreja, mas também como uma vida intensa e radiante.

Que é a fé infusa

A fé, disse a santa [3], é uma luz que recebemos no Batismo, que nos mostra o caminho que conduz à vida eterna. E neste caminho devemos marchar corajosamente, sem a menor hesitação, porque a luz que no-lo apresenta vem de Deus, que não nos pode enganar. Por meio dela, com efeito, conhecemos de modo sobrenatural e infalível o fim da nossa peregrinação e Aquele que é “o caminho, a verdade e a vida” [4]. 

“Santa Catarina de Sena”, por Franceschini Baldassare.

Definida, assim, como um instinto intelectual que nos leva em direção ao fim último, a fé pode ser comparada, por exemplo, com o instinto que guia a andorinha a um país tão distante na primavera. Na andorinha, esse instinto a conduz de modo certo, ainda que ela esteja sozinha, seja jovem e se encontre, acidentalmente, muito longe do destino da viagem, em um lugar em que jamais estivera antes. Existe, portanto, na ordem natural algo maravilhoso que é símbolo de um instinto espiritual imensamente superior.

“A fé”, disse ainda a santa [5], “é a pupila do olho da inteligência; sua luz faz discernir, conhecer e seguir o caminho e a doutrina da verdade, o Verbo encarnado [6]. Sem essa pupila da fé, a alma não conseguiria ver (no plano da salvação), pois se assemelharia a um homem que tem os olhos sãos, mas cuja pupila, pela qual o olho vê, estaria recoberta por um véu. A inteligência é o olho da alma e a pupila deste olho é a fé”.

Este modo simbólico de falar da fé como uma “pupila inserida no olho da inteligência por meio do Batismo” [7], mostra de forma clara que a fé infusa é essencialmente sobrenatural, muito superior à atividade natural da nossa inteligência e até mesmo da inteligência angélica. Trata-se de uma participação no conhecimento que Deus tem de sua vida íntima e do que Ele prepara aos que O amam. Este objeto sublime, como disse S. Paulo, “o olho do homem não viu” (1Cor 2, 9) nem sua inteligência ou a inteligência angélica podem conhecer naturalmente. Mas Deus no-lo revelou pelo seu Espírito, de sorte que, pelo dom sobrenatural da fé, aderimos à Verdade primeira revelante e aos mistérios revelados propostos pela Igreja.

Comparada com a pupila ou o centro do olho, a fé infusa amplia consideravelmente as fronteiras da nossa inteligência e eleva-a para o conhecimento certo, ainda que obscuro, da vida íntima de Deus. Dessa forma, a fé, como disse a santa [8], oferece “um antegosto da vida eterna”; ela é o princípio, o gérmen, “a substância das coisas que esperamos” (Hb 11, 1) [9], às quais nos faz aderir firmemente, ainda que não as vejamos. Não conhecemos, portanto, somente as emoções do nosso coração, mas também o que S. Paulo chama “as profundezas de Deus” (1Cor 2, 10).

A fé, por essa razão, possui um valor inestimável. Se, ao falar de quem mais amamos, dizemos comumente que o guardamos “como a pupila dos olhos”, que não deveríamos dizer da fé infusa, que é a pupila do olho espiritual e deve subsistir em nós até que seja sucedida pela luz da glória, a qual nos fará ver claramente a essência divina sem o intermédio de criatura alguma nem mesmo ideia criada nenhuma?

A fé obscurecida

Essa luz tão preciosa da fé, porém, está frequentemente coberta de nuvens na alma em pecado mortal, porque o cristão, depois de ter recebido a fé infusa no Batismo, só a perde por meio de um pecado mortal que seja diretamente contrário à própria fé, negando ou colocando em dúvida, de modo formal, uma verdade revelada que lhe foi suficientemente proposta.

Graças a Deus, os pecados mortais diretamente contrários à fé são relativamente raros, razão por que a fé infusa, junto com a esperança, permanece ainda em muitos dos batizados que se encontram em estado de pecado mortal, como permanece a raiz de uma árvore que foi cortada e, por isso, poderá reviver.

A fé infusa, contudo, está presente nos pecadores sem a caridade e as virtudes morais infusas, ou seja, ela permanece, mas obnubilada, como que coberta de nuvens. S. Catarina de Sena insiste repetidamente sobre este ponto de maneira impressionante [10]: 

Em vez de usufruírem ao máximo das luzes da fé para que, na graça, nasçam as obras de vida, eles [os que se encontram em estado de pecado mortal] produzem apenas obras de morte. Sim, suas obras são mortas, porque todas se realizam no pecado mortal […]. Eles têm ainda a forma do santo Batismo [o caráter batismal], mas não possuem mais a luz [a graça santificante]; e são privados desta luz por conta da escuridão que é a falta cometida por amor próprio, treva que recobriu a pupila que lhes permitia ver. O mesmo há de dizer-se dos que têm a fé sem as obras: a fé é morta [já que ela não produz mais atos meritórios].

A santa não disse que a fé desapareceu ou que a alma a perdeu. Não, a fé ainda está lá, mas semelhante a uma pupila encoberta por uma nuvem de maior ou menor espessura [11].

Quando a fé é obscurecida numa alma, como foi dito, é como se o homem, mesmo muito inteligente por natureza, não tivesse o olhar voltado para o céu; ele vê diante de si as coisas que estão à sua altura ou que lhe são inferiores, e demonstra, muito frequentemente, perspicácia em suas atividades, mas está como que cerrado às realidades superiores:

O pecador — escreve Santa Catarina — não reconhece mais em si mesmo a minha Bondade, a qual lhe concedeu o ser, e também todas as graças de que o cumulei. Não me conhece, nem se conhece a si mesmo, e não detesta em si a sensualidade egoísta; além disso, ama-a e dela se utiliza para satisfazer-lhe os desejos. […] A mim não me ama, diz o Senhor; não me amando, não ama aqueles que amo, ou seja, seu próximo; e não coloca seu prazer em fazer o que me apraz [12].

Dessa maneira, o amor egoísta cobre com uma venda espessa a pupila da fé [13].

Sem dúvida, o pecado venial deliberado não pode tornar a fé morta, mas produz em certas almas que estão em estado de graça um efeito análogo à obscuridade da qual falávamos agora mesmo: essas almas ficam muito apegadas ao seu próprio julgamento e deixam-se mais ou menos iludir pelo inimigo de todo bem. Gostaríamos de poder dar aos seus olhos a simplicidade, elevação e doçura que só podem vir de Deus.

A obscuridade inferior, que vem da matéria, do erro e do pecado, impede a alma de penetrar a obscuridade superior, que nasce de uma fortíssima luz para os fracos olhos do nosso espírito.

A fé iluminada pelos dons do Espírito Santo

Se a fé do cristão em estado de pecado mortal está cercada de nuvens ou névoas, a fé do justo, por outro lado, sobretudo quando ele é generoso, é cada vez mais iluminada pelos dons do Espírito Santo, particularmente pelos dons de inteligência e de sabedoria, os quais tornam a fé penetrante e saborosa.

S. Catarina chama a estes dons uma luz especial concedida aos justos pela qual veem que Deus, doce e suprema Verdade, dá a cada um o estado, o tempo e o lugar, as consolações e as tribulações, em vista do que é necessário à nossa salvação e à perfeição a que Ele chama as almas [14]. S. Tomás ensina que a fé nos faz aderir à verdade divina e dirige a nossa vida, e é especialmente neste sentido prático da fé que se fala aqui. Vemos assim como esta virtude é o fundamento positivo de toda a espiritualidade. 

Se a alma fosse verdadeiramente humilde — disse o Senhor — e sem presunção alguma, enxergaria sob essa luz tudo o que vem de mim; é por amor que eu lhe ofereço e, portanto, é com amor e reverência que deve receber tudo quanto lhe envio [15]. 

Os justos muito mais esclarecidos “estimam-se dignos de todas as aflições, como também de serem privados de todas as consolações pessoais e de todo bem, seja ele qual for […]. Sob essa luz, conheceram e saborearam minha vontade eterna, que não quer outra coisa senão o vosso bem, e que não vos envia nem permite o sofrimento senão para que sejais santificados em mim” [16].

Certos sábios, no entanto, por causa do orgulho, são privados dessa luz que concede uma fé penetrante e saborosa:

Os que se envaidecem de sua ciência ficam cegos a essa luz, pois o orgulho e a nuvem do amor-próprio recobrem e ocultam essa claridade. É por isso que eles entendem a S. Escritura mais literal do que espiritualmente; só apreciam a letra, devido ao manuseio de muitos livros, e não saboreiam o cerne da Escritura, uma vez que estão privados da luz que a compôs e que também revela o seu sentido.

Estes belos eruditos se admiram, e caem na maledicência quando veem as pessoas pobres, rudes e sem instrução saborearem a S. Escritura e desfrutarem da minha Verdade […]. Digo-te, por isso, que para pedir conselho sobre a salvação da alma é muito melhor ir a um destes humildes, que possuem uma consciência reta e santa, do que àquele erudito orgulhoso que fez por seus estudos o percurso da ciência. Este só pode dar o que possui. Por isso, muitas vezes, em razão de sua vida nas trevas, é apenas em trevas que ele distribuirá a luz da S. Escritura, ao passo que os meus servos espalham a luz que possuem em si mesmos, desejosos e como que inflamados da salvação das almas.

Com efeito, a fé viva pressupõe e gera o amor:

Com esta luz, amam-me, porque o amor segue a inteligência. Quanto mais se conhece, mais se ama, e quanto mais se ama, mais se conhece. Assim, amor e conhecimento se alimentam reciprocamente [17].

Esta doutrina está de acordo com a de S. Tomás de Aquino sob todos os aspectos: a mais elevada das nossas faculdades é a inteligência, a qual dirige a vontade; e a caridade é a mais elevada das virtudes, a qual é princípio de todo mérito.

O espírito de fé e a contemplação dos mistérios de Cristo

No justo que é cada vez mais dócil ao Espírito Santo a fé torna-se progressivamente penetrante; ele compreende cada vez melhor a realidade divina sob as figuras e revela-nos sempre mais a grandeza do mistério do Cristo redentor, cujo sacrifício se perpetua até o fim dos tempos pela consagração eucarística. 

“Estigmatização de Santa Catarina”, por Eduardo Rosales Gallinas.

Ademais, o justo vê segundo o espírito de fé. O espírito ou a mentalidade de alguém é a sua maneira de ver, julgar, simpatizar, querer e agir. Há um espírito “de natureza”, que não se eleva acima do egoísmo mais ou menos consciente de si mesmo. O espírito de fé, ao contrário, leva-nos a considerar todas as coisas à luz da Revelação divina: Deus, antes de tudo; todos os mistérios da salvação; a nossa alma; o próximo; e os acontecimentos agradáveis ou dolorosos que acontecem.

Em S. Catarina de Sena, a fé é de tal modo viva que, assim como vemos as cores de uma paisagem à luz do Sol, ela parece ver o Cristo na hóstia consagrada e ativo nas almas. A santa julga a saúde espiritual das almas regeneradas pelo Sangue de Cristo como nós julgamos a saúde do corpo. Ela vê nas almas as feridas espirituais, o orgulho, a concupiscência da carne e dos olhos, da mesma maneira que vemos as feridas purulentas de um corpo devorado pela doença.

A Jesus Cristo, o Salvador, cuja obra redentora perdura até o fim dos séculos, a santa não O perde de vista nem por um instante. Ela tem do Salvador uma ideia não somente visível, mas também profundamente vivida. Trata-se da vida íntima da fé, e não somente da adesão obrigatória a uma fórmula revelada. Disse-lhe o Pai celeste:

Por causa da união entre a natureza divina e a natureza humana em meu Filho unigênito, aceitei o sacrifício de seu Sangue […]; o fogo da divina caridade foi o vínculo que O atou e pregou na cruz [18].

Jesus — disse ela — é o grande Médico, que curou o enfermo bebendo o remédio amargo que o homem não poderia beber, já que estava muito enfraquecido [19].

Ele é o Médico da humanidade, que acompanha todas as gerações humanas, a fim de conduzi-las à salvação. Além disso, nutre-as de si mesmo para dar-lhes a vida. 

Realmente presente na Eucaristia, Ele continua a oferecer-se e não cessa de interceder por nós. Ele é como a ponte [20], disse-nos a santa, ou o imenso arco que une a terra ao céu, a via pela qual todos os homens devem passar para alcançar a vida eterna.

À luz de sua fé vivíssima e dos dons do Espírito Santo, S. Catarina penetra admiravelmente os sentimentos mais íntimos de Nosso Senhor, e mostra-nos como Ele, do alto da cruz, entregou-se inteiramente à dor, sem perder contudo a suprema bem-aventurança na parte mais elevada da sua santa alma:

Sobre a cruz, Ele estava ao mesmo tempo feliz e sofredor: sofria por carregar a cruz material e a cruz do desejo da salvação das almas […], mas estava também feliz, porque a natureza divina unida à natureza humana estava impassível e fazia sempre feliz sua alma, revelando-se-lhe ela sem véu [21].

Do mesmo modo, disse a santa, os amigos íntimos do Senhor Jesus sofrem à vista do pecado, que ofende a Deus e devasta as almas, mas ao mesmo tempo estão felizes, pois o júbilo da caridade que possuem não lhes pode ser tirado, e é ela que faz sua alegria e felicidade.

“Santa Catarina de Sena”, por Alessandro Franchi.

A fé de S. Catarina de Sena penetra também, cada vez mais, a vida íntima da Igreja, Corpo místico do Salvador. Ela vê como Ele comunica a vida às almas que, por assim dizer, incorpora a si mesmo, fazendo-as participar primeiro de sua infância, depois de sua vida escondida e, por fim, de sua vida dolorosa, antes de fazê-los participar de sua vida gloriosa no céu.

A virgem de Sena vê como a Igreja, vivendo assim dos pensamentos, do amor, da vontade do Cristo, é sua verdadeira esposa. É na Igreja que, em certo sentido, continuam a grande oração e o sofrimento redentor do Salvador, até o fim do mundo. Como um rio espiritual, a vida sobrenatural da graça, por meio da humanidade de Jesus, desce de Deus sobre todas as almas, para subir novamente a Ele sob a forma de adoração, de reparação, de súplica e de ação de graças. “O Precioso Sangue, deste modo, opera sempre para a salvação” [22].

A Igreja aparece a S. Catarina de Sena sob a figura de uma virgem de traços nobres, de olhos muito puros, mas cuja face está corroída pela lepra, devido às faltas de muitos pobres cristãos [23]. “Vê, minha filha — disse-lhe o Senhor —, como as faltas desfiguram a face da minha esposa” [24]. Apesar da lepra, a Santa Igreja continua muito unida a Cristo e sempre vivificada por Ele, compreende-o Catarina [25]. As faltas, simbolizadas desse modo, “não podem debilitar ou dividir o mistério do sacramento da Eucaristia” [26]. O tesouro do Precioso Sangue está intacto, mas as faltas precisam ser reparadas.

E S. Catarina ouve também as seguintes palavras:

Pega teu suor, tuas lágrimas, coloca-os na fonte da minha divina caridade e, com eles, em união com meus outros servos, lava a face da minha esposa. Eu te prometo que este remédio lhe restituirá a beleza. Não é a espada nem a guerra que a podem restituir, mas, sim, a oração humilde e assídua, os suores e as lágrimas derramados com um desejo ardente, que vêm dos meus servos. Sem cessar, faz subir até mim o incenso de orações perfumadas para a salvação das almas, porque Eu vou fazer misericórdia para o mundo.

Não tenhais medo: se o mundo vos perseguir, eu estarei ao vosso lado e em nenhum momento vos faltará minha Providência [27].

De fato, essa é a grande fé viva iluminada pelos dons do Espírito Santo, a qual desabrochou nessa contemplação dos mistérios do Cristo e da Igreja [28].

Por fim, a fé de S. Catarina de Sena desabrochou na contemplação do Mistério supremo:

Ó Trindade eterna! Ó divindade, ó natureza divina que concedeu um tal preço ao Sangue de vosso Filho! Vós, Trindade eterna, sois um mar profundíssimo no qual eu mergulho; e quanto mais vos encontro, mais ainda vos procuro. De vós não se pode dizer jamais: é o suficiente! A alma que se sacia em vossa profundeza vos deseja sem cessar, pois está sempre mais faminta de vós [29].

E a definição de felicidade dada por S. Agostinho diz o seguinte: o estado de alma ao mesmo tempo satisfeita e sempre faminta.

Essa elevação à Santíssima Trindade é concluída com um cântico sobre a grandeza da fé:

Pela luz da fé, possuo a sabedoria, na sabedoria do Verbo, vosso Filho. Pela luz da fé, sou forte, constante e perseverante. Pela luz da fé, eu espero e não me desfaleço no caminho […]. Revesti-me, Verdade eterna, revesti-me de vós mesmo, para que eu viva esta vida mortal na verdadeira obediência e na luz da santíssima fé, da qual inebriais novamente minha alma [30].

Com estas palavras, Santa Catarina termina o livro, no ano do Senhor de 1378.

Conclusão

Fica claro, portanto, como seria errado afirmar que as ideias e julgamentos dos místicos cristãos são apenas um reflexo de emoções ou dos movimentos da sensibilidade. Pois sua inteligência se nutre, em primeiro lugar, da verdade divina revelada: trata-se da fé divina, e não de uma emoção que domina sua vida. E é porque sua inteligência se fixa na verdade de Deus que sua vontade é profundamente retificada e fortificada e sua ação é fecunda, não somente por um tempo ou pelas gerações seguintes, mas pela eternidade. Esta fecundidade é uma das grandes diferenças que separam a mística cristã da mística oriental que se encontra, por exemplo, no budismo. O pensamento e o amor dos místicos cristãos vêm de Deus, razão por que eles podem elevar-se até Ele.

Peçamos, também nós, por intercessão de S. Catarina, o grande espírito de fé que nos fará considerar, à luz da revelação divina, a Deus; a sua vida íntima; a humanidade do Salvador; a Igreja; a nossa alma, que deve ser salva; o nosso próximo, que deve ser socorrido; e os acontecimentos agradáveis ou dolorosos que ocorrem durante nossa viagem rumo à eternidade. Dessa fé viva resultará em nós um duplo conhecimento: o da nossa indigência e miséria e o da infinita grandeza e bondade de Deus. Ambos, disse a santa, são como o ponto mais baixo e o ponto mais alto de um círculo que crescerá sempre: “Eu sou Aquele que é; tu és aquela que não é” [31].

Referências

  • Pe. Reginald Garrigou-Lagrange. La foi selon Sainte Catherine de Sienne, in Vie Spirituelle 45 (1935), pp. 236-249. (Tradução e grifos de nossa equipe.)

Notas

  1. S. Catarina de Sena tinha então trinta e dois anos. Lembre-se que ela havia recebido a graça do matrimônio espiritual ou união transformante aos vinte anos. Cf. sua Vida, escrita pelo Beato Raimundo de Cápua, 1.ª Parte, cc. IX e XII. 
  2. Este era ainda o modo de ver de M. Henri Bergson em Las deux sources de la morale et de la religion; mas parece que ele progrediu depois disso.
  3. Diálogo, c. 29.
  4. Essa definição se articula por referência à ação, à inclinação para o fim último, mas está fundamentada sobre a verdade revelada. Trata-se de um “pragmatismo” superior que, no fundo, ironiza o pragmatismo.
  5. Diálogo, c. 45.
  6. S. Tomás fala exatamente o mesmo em In III Sent., d. 24, a. 2 e 3.
  7. Diálogo, c. 46.
  8. Id., c. 45.
  9. Fides est sperandarum substantia rerum, argumentum non apparentium”.
  10. Id., c. 46.
  11. Diálogo, c. 110. A fé sem a caridade compara-se com o pavio de um círio molhado, que não acende mais.
  12. Diálogo, c. 46.
  13. Um dos mais tristes efeitos desse obscurecimento é não entender a preciosidade da fé. Neste estado de morte espiritual, a fé não se apropria mais de si mesma. É, portanto, uma grandíssima misericórdia que Deus concede à alma deixar que, não obstante seu pecado, permaneça nela a fé infusa, mas informe. Esta fé obnubilada, cercada como que por uma densa névoa, não é a cegueira absoluta em que se pode cair por um pecado mortal contra a luz. A esse respeito, é verdade que o Senhor pode restituir a fé infusa que havia antes da morte àquele que a perdeu; trata-se, porém, de uma graça de imensa misericórdia, e não se pode ter por certo obtê-la. Ao pensar nesta graça, o pecador que ainda não a perdeu deve refletir sobre o valor sobrenatural do dom que ainda conserva em si, como a raiz de uma árvore cortada, e tudo fazer para reencontrar a fé viva, a única que nos conduz efetivamente à união divina.
  14. Diálogo, c. 99.
  15. Id., ibid. 
  16. Id., c. 100.
  17. Id., c. 85.
  18. Id., c. 85.
  19. Id., ibid.
  20. Id., c. 127.
  21. Id., c. 78.
  22. Id., c. 14.
  23. Id., c. 86.
  24. Id., c. 14.
  25. Id., c. 12.
  26. Id., c. 118.
  27. Id., c. 86.
  28. Sem dúvida, toda essa realidade era incomparavelmente mais viva na alma de S. Catarina do que no livro do Diálogo; este livro, contudo, revive à medida que nossa fé se eleva e se torna mais penetrante. Quando S. Ângela de Foligno, depois de ter ditado o que ela via na contemplação, relia o que estava escrito, não mais o reconhecia, por assim dizer; as palavras lhe pareciam sem vida, em comparação com o que ela tinha vivido interiormente. S. Catarina de Sena devia ter a mesma impressão ao reler o diálogo que ditara em êxtase.
  29. Diálogo, c. 167.
  30. Id., ibid.
  31. Id., cc. 4 e 72.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O santo que morreu por não violar o segredo da Confissão
Santos & Mártires

O santo que morreu
por não violar o segredo da Confissão

O santo que morreu por não violar o segredo da Confissão

“O que é dito dentro das santas paredes do confessionário é o mais estrito dos segredos” e, a fim de preservá-lo, os sacerdotes devem estar dispostos a enfrentar, se preciso for, a própria morte. É o que nos ensina a história de São João de Nepomuk.

Pe. Mário Beccar Varela28 de Abril de 2021Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

Ocorrida há mais de trinta anos, a queda da assim chamada “cortina de ferro” não somente permitiu que naqueles países novamente crescessem a esperança e a liberdade, mas também tornou mais acessíveis a milhões de pessoas, em todo o mundo, algumas das mais esplêndidas maravilhas culturais e arquitetônicas da bela Europa.

Dentre estas, é dever de justiça citar a encantadora cidade de Praga, capital da República Tcheca, tão famosa pelos seus antigos edifícios de extraordinária beleza. Os tchecos também são conhecidos por terem oferecido ao mundo a música clássica de Dvorak, além de uma saborosa cerveja que leva o nome de uma de suas importantes cidades: Pilsen. Mais ainda, uma das regiões desse país, a Boêmia, produz há séculos cristais reconhecidos como padrão de requinte e beleza no mundo inteiro.

Pode-se, porém, dizer com segurança que, mesmo somando-se o refulgir de todos os cristais que a Boêmia possa ter produzido, não se alcança o brilho sobrenatural de uma alma empenhada em buscar e alcançar a santidade. Tal foi o exemplo a nós deixado por um dos mais ilustres filhos dessas terras, João Nepomuceno, sacerdote e mártir em defesa dos direitos da Santa Igreja.

São João Nepomuceno ouvindo uma confissão da Rainha, por Josef Mathaus.

Um denodado sacerdote. — João Nepomuceno nasceu na cidade de Nepomuk, em um dos vales da Boêmia, por volta do ano de 1345. Já no ano de 1370 tinha o cargo de notário na Cúria Metropolitana. Nove anos depois, foi ordenado sacerdote e nomeado pároco de São Gall. Não obstante os encargos dessa grave função, continuou seus estudos de direito eclesiástico na Universidade de Praga, na qual obteve o bacharelato. Em 1382, o arcebispo o enviou a Pádua, onde se doutorou em direito canônico, em 1387. Voltando logo em seguida a Praga, foi nomeado cônego da igreja de São Gil, mas ali permaneceu só dois anos. Em agosto de 1390, tornou-se cônego honorário da Catedral de São Vito e vigário geral dessa já então ampla e importante arquidiocese. A partir desse momento, a Providência o transformou em homem público.

Os sermões pregados por São João Nepomuceno produziram notável mudança nos costumes e assim ele foi chamado a desempenhar o cargo de confessor da Rainha. Para isso concorreram sua já conhecida virtude e a segurança doutrinária por ele tantas vezes demonstrada no púlpito.

Se, no entanto, a piedosa rainha colocava-se docilmente sob a direção espiritual de tão virtuoso sacerdote, o mesmo não se passava com o rei. Além de ser dado a violentos acessos de fúria, foi ele tomado por uma infundada desconfiança em relação à fidelidade de sua esposa. Como nada encontrasse para comprovar essa dúvida, mas seu coração mesquinho continuasse apegado a essa fantasiosa idéia, mandou trazer o confessor à sua presença e exigiu-lhe contar em detalhes o que no confessionário lhe confidenciava a rainha. Espantado pela infundada desconfiança, e muito mais pelo inaudito pedido, João Nepomuceno com firmeza o recusou, afirmando categoricamente o princípio da inviolabilidade do segredo da confissão, o mesmo até hoje mantido pela Santa Igreja:

O que é dito dentro das santas paredes do confessionário é o mais estrito dos segredos. As palavras pelo penitente declinadas ante o sacerdote, sendo a matéria para a absolvição da alma pecadora, ali mesmo morrem. Disso tudo, somente Deus é testemunha, e o sacerdote que algo disso revelasse a um terceiro cometeria um dos mais abomináveis sacrilégios, contra o qual se levantaria imediatamente terrível excomunhão [1].

A nada disso, porém, deu ouvidos o ímpio rei. Cego de furor, mandou brutalmente torturar o fiel confessor. Suportando sofrimentos terríveis, João Nepomuceno manteve-se irredutível e isso só aumentou a fúria do cruel soberano. Por fim, vendo que nada conseguiria tirar de um homem tão firme e compenetrado de sua fé, mandou os esbirros amarrarem-no e atirarem-no de uma das pontes de Praga. Assim, o intrépido sacerdote entregou sua alma a Deus, perecendo afogado nas águas do rio Moldava. Era a noite de 20 de março de 1393.

Uma controvérsia histórica. — A trágica morte dum personagem tão conhecido e estimado chocou muitos habitantes da cidade, e o rei, não querendo admitir abertamente a razão pela qual mandara assassinar o Pe. João Nepomuceno, fez constar ser outra a razão de sua atitude.

Havia na Boêmia uma grande e prestigiosa abadia, a de Klandrau. Aproveitando o lapso entre a morte do antigo abade e a eleição de um novo, o monarca tencionava suprimi-la, transformando-a em uma nova sede episcopal, a qual seria entregue a um membro de sua corte. O rei tentou pressionar o vigário geral para apoiá-lo nessa ação. E como ele a isso se teria oposto violentamente, o rei declarou ser essa oposição suficiente para condená-lo à morte.

Embora algumas crônicas oficiais do reino tenham transmitido essa versão, muitas outras referem o verdadeiro motivo [2].

Após ser encontrado, o corpo de João Nepomuceno foi sepultado na própria catedral, onde logo passou a receber do povo as honras devidas a um mártir. Assim, tinha início um forte e saudável movimento de veneração ao sacerdote que morrera em defesa do segredo da Confissão. Estes fatos inclusive foram narrados na carta de acusação ao rei, que o arcebispo João Jenzenstein apresentou ao Papa Bento IX [3].

Uma imagem de São João Nepomuceno orna o local do seu martírio, em Praga.

Beatificação e canonização. — O Papa Inocêncio XIII o declarou beato em 1721. Posteriormente, cartas de imperadores, de bispos e de ordens religiosas, às quais se juntavam as das universidades de Viena, Praga e Blatislava, em coro pediam ao Soberano Pontífice a abertura do processo de canonização, e de fato, este foi iniciado em julho de 1722.

Anos depois, em 27 de janeiro de 1725, uma comissão presidida pelo Arcebispo de Praga, formada por algumas dignidades eclesiásticas, além de um professor de medicina e dois cirurgiões, realizou a exumação dos restos mortais do mártir. Na presença dessas autoridades, deu-se um extraordinário acontecimento.

O corpo se encontrava naturalmente desfeito pelo tempo, exceto a língua, a qual estava maravilhosamente conservada, ainda que ressequida. Então, diante de todos, começou a refazer-se, apresentando uma cor rósea como se tratasse de alguém vivo. Admirados, os presentes se puseram de joelhos, e este milagre, realizado em circunstâncias tão solenes e com testemunhas tão categorizadas, foi o quarto dos constantes no processo de canonização.

E assim, em 19 de março de 1729, na Basílica de São João de Latrão, pelas mãos do Papa Bento XIII, era solenemente elevado à honra dos altares São João Nepomuceno, mártir do segredo da Confissão, cuja festa a Igreja comemora no dia 16 de maio.

Referências

  1. Este trecho é uma adaptação de excertos das aulas de Catecismo radiofônicas ministradas pelo Cardeal Eugênio Sales após a publicação do Novo Catecismo da Igreja Católica, em 1993.
  2. Instructions for the King, de Paul Zidek, 1471, in: “Zeitschrift für kathol. Theologie”, 1883, 90 sqq.; “Chronica regum Romanorum”, 1459, de Thomas Ebendorfer; “Scriptores rerum Prussicarum”, III, Leipzig, 1860, 87.
  3. Pubitschka, Gesch, IV, app.; ed. Pelzel.

Notas

  • Este texto do Pe. Mário Beccar Varela, publicado tanto na revista Arautos do Evangelho (Maio/2007, n. 65, p. 38-39) quanto no site da mesma instituição, foi adaptado aqui apenas em seu início, a fim de situar corretamente no tempo o evento da queda do muro de Berlim.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Novena do Trabalho
Oração

Novena do Trabalho

Novena do Trabalho

Nestes tempos de desemprego e grave crise econômica, esta novena a São Josemaria Escrivá pode ser uma oração muito útil e proveitosa, tanto para quem está à procura de trabalho, quanto para quem deseja fazer bem o próprio ofício.

Pe. Francisco Faus21 de Abril de 2021Tempo de leitura: 13 minutos
imprimir

Nestes tempos de desemprego, grave crise econômica e diversas ameaças aos direitos dos trabalhadores, é muito recomendável que os homens e as famílias se dirijam a Deus em oração.

Composta pelo Pe. Francisco Faus, esta “Novena do Trabalho”, em honra a São Josemaria Escrivá, fundador do Opus Dei, consta de três partes: uma leitura meditada de excertos (entre dois e três) de obras de S. Josemaria; uma intenção, segundo as necessidades particulares de cada qual (na primeira, pede-se a graça de achar trabalho; na segunda, a de fazer bem o próprio trabalho); e uma oração final a S. Josemaria.

O fiel é livre, naturalmente, para adaptar a novena às próprias necessidades, acrescentando-lhe outras leituras e as orações a que tiver maior devoção (por exemplo, a São José Operário, cuja festa a Igreja celebra no próximo dia 1.º de maio). Os que, por questão de comodidade, preferirem o texto abaixo em outro formato, podem baixar a novena diretamente do site da Obra clicando aqui.


1.º dia — Trabalho, caminho de santidade

Reflexão: 1) “Viemos chamar de novo a atenção para o exemplo de Jesus que, durante trinta anos, permaneceu em Nazaré trabalhando, desempenhando um ofício. Nas mãos de Jesus, o trabalho, e um trabalho profissional semelhante àquele que desenvolvem milhões de homens no mundo, converte-se em tarefa divina, em trabalho redentor, em caminho de salvação” (Questões atuais do Cristianismo, n. 55). — 2) “Aí onde estão os nossos irmãos, os homens, aí onde estão as nossas aspirações, o nosso trabalho, os nossos amores, aí está o lugar do nosso encontro cotidiano com Cristo. Deus nos espera cada dia: no laboratório, na sala de operações de um hospital, no quartel, na cátedra universitária, na fábrica, na oficina, no campo, no seio do lar e em todo o imenso panorama do trabalho” (Homilia: Amar o mundo apaixonadamente).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus Nosso Senhor me oriente no esforço de procurar trabalho, e me abençoe fazendo-me conseguir um emprego honesto, digno e estável; e que me ajude, depois, a olhar para a minha tarefa profissional como um caminho de santificação e de serviço aos outros, onde o meu Pai Deus me espera a toda a hora e me pede que imite Jesus quando trabalhava como carpinteiro em Nazaré.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus Nosso Senhor me ajude a olhar para a minha tarefa profissional como um caminho de santificação e de serviço aos outros, onde Ele me espera a toda a hora e me pede, em todas as circunstâncias, que imite Jesus quando trabalhava como carpinteiro em Nazaré.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

2.º dia — Trabalhar por amor a Deus

Reflexão: 1) “A dignidade do trabalho se baseia no Amor. O grande privilégio do homem é poder amar, transcendendo assim o efêmero e transitório” (É Cristo que passa, n. 48). — 2) “Fazei tudo por Amor. – Assim não há coisas pequenas: tudo é grande. – A perseverança nas pequenas coisas, por Amor, é heroísmo” (Caminho, n. 813). — 3) “Na simplicidade do teu trabalho habitual, nos detalhes monótonos de cada dia, tens que descobrir o segredo – para tantos escondido – da grandeza e da novidade: o Amor” (Sulco, n. 489).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus me conceda a graça de conseguir logo um trabalho, que proporcione segurança à minha família. E para que, ao mesmo tempo, Ele me ajude a compreender que o que dá valor a qualquer trabalho honesto é o amor com que o fazemos: em primeiro lugar, amor a Deus, a quem oferecemos o trabalho; e amor ao próximo, a quem queremos servir e ser úteis.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus me ajude a compreender que o que dá valor a qualquer trabalho honesto é o amor com que o fazemos: em primeiro lugar, amor a Deus, a quem oferecemos o trabalho; e amor ao próximo, a quem queremos servir e ser úteis.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

3.º dia — Trabalhar com ordem e constância

Reflexão: 1) “Como é breve a duração da nossa passagem pela terra!… Verdadeiramente é curto o nosso tempo para amar, para dar, para desagravar. Não é justo, portanto, que o malbaratemos… Não podemos desperdiçar esta etapa do mundo que Deus confia a cada um de nós” (Amigos de Deus, n. 39). — 2) “Quando tiveres ordem, multiplicar-se-á o teu tempo e, portanto, poderás dar mais glória a Deus, trabalhando mais a seu serviço” (Caminho, n. 80).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que com o auxílio de Maria Santíssima, consiga um trabalho estável e apropriado. E que quando – por bondade de Deus – já estiver trabalhando, saiba aproveitar o tempo como um tesouro que é; e me esmere em aprimorar a virtude da ordem, de modo que consiga fazer tudo com pontualidade, intensidade e constância, sem confusões nem atrasos, seguindo um plano bem estruturado, que me permita dedicar de modo equilibrado, os horários convenientes a cada um dos meus deveres: vida espiritual, família, profissão e relações sociais.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que com o auxílio de Maria Santíssima, saiba aproveitar o tempo como um tesouro que é; e que me esmere em aprimorar a virtude da ordem de modo que consiga fazer tudo com pontualidade, intensidade e constância, sem confusões nem atrasos, seguindo um plano bem estruturado, que me permita dedicar, de modo equilibrado, os horários convenientes a cada um dos meus deveres: vida espiritual, família, profissão e relações sociais.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

4.º dia — Trabalho bem acabado

Reflexão: 1) “Não podemos oferecer ao Senhor uma coisa que, dentro das pobres limitações humanas, não seja perfeita, sem mancha, realizada com atenção até nos mínimos detalhes: Deus não aceita trabalhos ‘marretados’. Por isso o trabalho de cada qual – essa atividade que ocupa as nossas jornadas e energias – há de ser uma oferenda digna aos olhos do Criador; numa palavra, uma tarefa acabada, impecável” (Amigos de Deus, n. 55). — 2) “Antes de mais, devemos amar a Santa Missa, que tem que ser o centro do nosso dia. Se a vivermos bem, como não havemos de continuar depois com o pensamento no Senhor, para trabalhar como Ele trabalhava e amar como Ele amava?” (É Cristo que passa, n. 154).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que, com o auxílio de Nossa Senhora, não demore a resolver-se o problema do meu desemprego. E para que, ao iniciar o novo trabalho, Deus me ajude a colocar todo o empenho em realizá-lo com categoria, com a maior perfeição possível, sem fazer as tarefas de qualquer maneira – convencido de que um trabalho mal feito não pode ser santificado, porque lhe falta amor, que é a condição imprescindível para que qualquer atividade humana possa ser agradável a Deus.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus me ajude a colocar todo o empenho em realizar o meu trabalho com categoria, com a maior perfeição possível, sem fazer as tarefas de qualquer maneira – convencido de que um trabalho mal feito não pode ser santificado, porque lhe falta amor, que é a condição imprescindível para que qualquer atividade humana possa ser agradável a Deus.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

5.º dia — Todos os trabalhos honestos são dignos

Reflexão: 1) “É hora de que todos nós, cristãos, anunciemos bem alto que o trabalho é um dom de Deus, e que não faz nenhum sentido dividir os homens em diferentes categorias, conforme os tipos de trabalho, considerando umas ocupações mais nobres do que as outras. O trabalho, todo trabalho, é testemunho da dignidade do homem” (É Cristo que passa, n. 47). — 2) “Diante de Deus, nenhuma ocupação é em si grande ou pequena. Tudo adquire o valor do Amor com que se realiza” (Sulco, n. 487).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus me conceda a alegria de conseguir trabalho, uma tarefa em que eu possa ser útil e desenvolver as minhas capacidades. E que se, no momento, esse trabalho estiver por baixo do meu preparo e das minhas legítimas aspirações, eu não o despreze, mas – enquanto não achar um trabalho mais apropriado – o realize com toda a responsabilidade, fazendo com que tenha a categoria do trabalho que Jesus realizou na oficina de Nazaré.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que se, atualmente, o meu trabalho está por baixo do meu preparo e das minhas legítimas aspirações, Deus me ajude a não desprezá-lo, mas – enquanto não achar um trabalho mais apropriado – a realizá-lo com toda a responsabilidade, fazendo com que tenha a categoria do trabalho que Jesus realizou na oficina de Nazaré.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

6.º dia — Trabalhar em companhia de Deus e com reta intenção 

Reflexão: 1) “Deves manter – ao longo do dia – uma constante conversa com o Senhor, que se alimente também das próprias incidências da tua tarefa profissional” (Forja, n. 745). — 2) “Como cristão, deverias trazer sempre contigo o teu Crucifixo, E colocá-lo sobre a tua mesa de trabalho. E beijá-lo antes de te entregares ao descanso e ao acordar” (Caminho, n. 302). — 3) “Coloca na tua mesa de trabalho, no teu quarto, na tua carteira…, uma imagem de Nossa Senhora, e dirige-lhe o olhar ao começares a tua tarefa, enquanto a realizas e ao terminá-la. Ela te alcançará – garanto! – a força necessária para fazeres, da tua ocupação, um diálogo amoroso com Deus” (Sulco, n. 531).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus me conceda um emprego honesto e digno, e me abra os olhos da alma para compreender que Ele está sempre ao meu lado. Que, para não perder de vista esta maravilhosa realidade, eu me esforce em ter presença de Deus durante o trabalho, servindo-me discretamente – como de um “lembrete” – de um pequeno crucifixo, de uma estampa de Nossa Senhora, da efígie de outro santo da minha devoção…; “lembretes” colocados onde eu os possa ver com frequência, sem exibicionismo nem alarde.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus me faça compreender que Ele está sempre ao meu lado, enquanto estou trabalhando. E que, para não perder de vista esta maravilhosa realidade, eu me esforce em ter presença de Deus durante o trabalho, servindo-me discretamente – como de um “lembrete” – de um pequeno crucifixo, de uma estampa de Nossa Senhora, da efígie de outro santo da minha devoção…; “lembretes” colocados onde eu os possa ver com frequência, sem exibicionismo nem alarde.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

7.º dia — Amadurecer nas virtudes através do trabalho 

Reflexão: 1) “Tudo aquilo em que intervimos os pobrezinhos dos homens – mesmo a santidade – é um tecido de pequenas insignificâncias que, conforme a intenção com que se fazem, podem formar uma tapeçaria esplêndida de heroísmo ou de baixeza, de virtudes ou de pecados” (Caminho, n. 826). — 2) “É toda uma trama de virtudes que se põe em jogo quando exercemos o nosso ofício com o propósito de santificá-lo: a fortaleza, para perseverarmos no trabalho, apesar das naturais dificuldades; a temperança, para superarmos o comodismo e o egoísmo; a justiça, para cumprirmos os nossos deveres para com Deus, para com a sociedade, para com a família, para com os colegas; a prudência, para sabermos em cada caso o que convém fazer e nos lançarmos à obra sem dilações… E tudo por Amor…” (Amigos de Deus, n. 72).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que, com a ajuda de Nossa Senhora, ache o trabalho que venho procurando. E que, ao meter-me em cheio nesse novo trabalho, Deus me ajude a desenvolver por meio dele as virtudes cristãs e a amadurecer espiritualmente. Que eu procure ser paciente e compreensivo, tanto com os chefes como com os colegas e subordinados, que seja simples e humilde, fugindo da vaidade e do exibicionismo, que faça tudo, em suma, com pureza de coração.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus me ajude a desenvolver por meio do trabalho as virtudes cristãs e a amadurecer espiritualmente. Que eu procure ser paciente e compreensivo, tanto com os chefes como com os colegas e subordinados, que seja simples e humilde, fugindo da vaidade e do exibicionismo, que faça tudo, em suma, com pureza de coração.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

8.º dia — Trabalhar é servir, ajudar os outros

Reflexão: 1) “Pensai que através dos vossos afazeres profissionais, realizados com responsabilidade, além de vos sustentardes economicamente, prestais um serviço diretíssimo ao desenvolvimento da sociedade, aliviais também as cargas dos outros e mantendes muitas obras assistenciais – em nível local e universal – em prol dos indivíduos e dos povos menos favorecidos” (Amigos de Deus, n. 120). — 2) “Quando tiveres terminado o teu trabalho, faz o do teu irmão, ajudando-o, por Cristo, com tal delicadeza e naturalidade, que nem mesmo o favorecido repare que estás fazendo mais do que em justiça deves. – Isto, sim, é fina virtude de filho de Deus!” (Caminho, n. 440).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus Nosso Senhor me conceda o trabalho que lhe peço com tanta fé. E para que infunda na minha alma o desejo de fazer do meu trabalho, não uma atividade egoísta, fechada nos meus interesses, mas um serviço aberto ao bem e à utilidade de muitos, realizado com a certeza de que esse ideal de serviço aos outros dará um novo sentido, mais elevado e alegre, à minha vida.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus infunda na minha alma o desejo de fazer do meu trabalho, não uma atividade egoísta, fechada nos meus interesses, mas um serviço aberto ao bem e à utilidade de muitos, realizado com a certeza de que esse ideal de serviço aos outros dará um novo sentido, mais elevado e alegre, à minha vida.

Rezar a oração a São Josemaria (final).

9.º dia — Fazer apostolado com o nosso trabalho 

São Josemaria Escrivá.

Reflexão: 1) “O trabalho profissional é também apostolado, ocasião de entrega aos outros homens; o momento de lhes revelar Cristo e levá-los a Deus Pai” (É Cristo que passa, n. 49). — 2) “Faze a tua vida normal; trabalha onde estás, procurando cumprir os deveres do teu estado, acabar bem as tarefas da tua profissão ou do teu ofício, superando-te, melhorando dia a dia. Sê leal, compreensivo com os outros e exigente contigo mesmo. Sê mortificado e alegre. Esse será o teu apostolado. E, sem saberes por quê, dada a tua pobre miséria, os que te rodeiam virão ter contigo e, numa conversa natural, simples – à saída do trabalho, numa reunião familiar, no ônibus, ao dar um passeio em qualquer parte –, falareis de inquietações que existem na alma de todos, embora às vezes alguns não as queiram reconhecer: irão entendendo-as melhor quando começarem a procurar Deus a sério” (Amigos de Deus, n. 273).

Intenções: A) Para encontrar trabalho. — Para que Deus, por mediação de Nossa Senhora, me faça encontrar um bom trabalho, no qual possa crescer profissionalmente e dar o melhor de mim mesmo. E que me ajude a ver, no meu ambiente profissional, um campo aberto para a realização da missão apostólica que Deus confia a todos os batizados, aproveitando as oportunidades que Ele me dá para ajudar colegas, amigos, colaboradores, clientes…, a descobrirem as maravilhas da fé cristã.

B) Para fazer um bom trabalho. — Para que Deus me ajude a ver, no meu ambiente de trabalho, um campo aberto para a realização da missão apostólica que Deus confia a todos os batizados, aproveitando as oportunidades que Ele me dá para ajudar colegas, amigos, colaboradores, clientes…, a descobrirem as maravilhas da fé cristã.

Rezar a oração a São Josemaria (abaixo).


Oração a São Josemaria (no fim de cada dia). — Ó Deus, que por mediação da Santíssima Virgem Maria, concedestes inumeráveis graças a São Josemaria, sacerdote, escolhendo-o como instrumento fidelíssimo para fundar o Opus Dei, caminho de santificação no trabalho profissional e no cumprimento dos deveres cotidianos do cristão, fazei que eu saiba também converter todos os momentos e circunstâncias da minha vida em ocasião de vos amar, e de servir com alegria e com simplicidade a Igreja, o Romano Pontífice e as almas, iluminando os caminhos da terra com o resplendor da fé e do amor. Concedei-me por intercessão de São Josemaria o favor que vos peço… (peça-se) Amém. — Pai-nosso, Ave-Maria, Glória.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

A Páscoa falsificada
Espiritualidade

A Páscoa falsificada

A Páscoa falsificada

A Páscoa é o maior triunfo de Deus porque é a vitória da Cruz. Aí reside a alegria crescente do Terceiro Dia, e ela ressoará pelos corredores da eternidade. Não há separação possível: o Crucificado é o Ressuscitado. O resto são falsificações.

Fr. John A. PerriconeTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Abril de 2021Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

Para celebrar devidamente a Páscoa, talvez tenhamos de recordar A pregação e as ações do Anticristo, obra-prima de Luca Signorelli, de 1499. Hoje ela se encontra na capela de São Brício, na cidade italiana de Orvieto. À primeira vista, Cristo parece estar em primeiro plano. Até que o observador percebe que aquele não é Cristo de jeito nenhum, mas um impostor. Mais do que isso: trata-se do Anticristo; Satanás, na verdade. Mas como se pode constatar isso? Só um olhar católico instruído poderia sabê-lo. 

O diabo aponta para o seu coração. Mas não seria esse um gesto comum do Salvador desde as admiráveis revelações do Sagrado Coração a Santa Margarida Maria Alacoque? Sim, mas algo está visivelmente faltando: não há chagas no corpo de Cristo. Nos muitos simulacros de Cristo ao longo dos séculos, a pele lisa desprovida das feridas do Gólgota entrega que se trata de um falso Salvador. Só aquelas chagas distinguem a presença do verdadeiro Redentor; os outros são falsificados.

O cristianismo falsificado sempre se compraz em mostrar o coração de Cristo, mas não o seu coração trespassado. Deste simbolismo aparentemente inofensivo provém o credo invertido do cristianismo falsificado. Ele está centrado não no amor sacrificial, mas no “amô” sentimental, uma tentação perene para todos os filhos decaídos de Adão e Eva. Mesmo Albert Camus, um existencialista por completo, ecoou essa verdade quando escreveu: “As gerações futuras serão capazes de sintetizar a nossa cultura em duas proposições: eles fornicavam e liam os jornais”. Esse falso cristianismo vira a verdade do Evangelho do avesso, ditando a bonomia como seu imperativo de ferro.

Essa inversão cômica da grandeza da cruz deixava desgostoso o jornalista Graham Greene e fazia-o dizer, com impaciência e delicioso desprezo: “Quando ouço o apelo ao amor fraternal, penso em Caim e Abel”. Ao invés de Cristo crucificado, eles pregam sentenciosamente os jargões de sua cultura decadente misturados com clichês que sufocam ao invés de corrigir. O vazio deles é captado por T. S. Eliot em A canção de amor de J. Alfred Prufrock, com escárnio perfeito: “Medi minha vida em colheres de café”. O destino final dos que se casam com esse cristianismo falsificado é afundar com cada vez mais segurança no pântano da autossatisfação.

Detalhe de “A pregação e as ações do Anticristo”, de Luca Signorelli.

Estamos diante de uma traição grosseira da Páscoa. Esta é o maior triunfo de Deus porque é a vitória da Cruz. Aí reside a alegria crescente do Terceiro Dia, e ela ressoará pelos corredores da eternidade. Não há separação possível: o Crucificado é o Ressuscitado.

Durante a época do Grande Terror, aquele resultado imediato do encerramento do Concílio Vaticano II, armou-se um grande esforço para apagar boa parte do cristianismo histórico. Frases de efeito estéreis tomaram o lugar da doutrina imemorial. Uma das mais insípidas foi uma recém-cunhada atribuição dada aos católicos: um povo pascal. Tão vaga quanto juvenil, ela apreendia o todo do cristianismo falsificado: uma identidade “religiosa” sem o Calvário. A frase estéril felizmente desapareceu, mas seu espírito não. Ele paira sobre muitas igrejas e liturgias como alcatrão gotejante. Infelizmente, ele entra na alma de forma lenta mas efetiva, corrompendo-a.

Página após página, os santos Evangelhos desmentem essa fraude. Quando Cristo se senta sobre o túmulo vazio, Ele o faz ostentando as chagas de sua crucificação como troféus. Pois seu corpo ressuscitado é seu corpo crucificado; a vitória da Ressurreição é a proclamação do triunfo do Gólgota. No cenáculo, Nosso Senhor encontra o hesitante Tomé como um general vitorioso que retorna da batalha. Recorde o que faz o Salvador: Ele coloca as mãos do apóstolo nos buracos onde a lança perfurou e os pregos trespassaram. Note que, assim que o Salvador oferece “paz” aos Apóstolos, Ele lhes mostra suas chagas. Tal gesto é um golpe retumbante naqueles que desejam efeminar Cristo e neutralizar seu apelo revigorante a que tomemos a nossa cruz e o sigamos.

Sorrisos melosos, linguagem inclusiva e canções alegres simplesmente não são o bastante. Eles desaparecem como ciscos de poeira em um incêndio. Mesmo agora, Cristo está sentado à direita de seu Pai, no Céu, com corpo glorificado, ainda mais belo graças às insígnias do Calvário — as santas chagas que, no ensinamento de Santo Tomás, “iluminam os recintos do céu como rubis e safiras”.

O Venerável Fulton Sheen escreveu certa vez que a Via Pacis é a Via Crucis, “o caminho da paz é o da cruz”. Esta é a sua versão da antiga jaculatória: Ave crux, spes unica, “Salve cruz, única esperança”. Sem a cruz, a vida carece de alegria, esperança e paz. Aqui o paradoxo do cristianismo atinge o homem moderno como um cometa veloz, deixando-o atordoado. O grande bispo continua com palavras que facilmente desmascaram o cristianismo falsificado: “Deus odeia a paz naqueles que foram destinados para a guerra”. Os católicos secularizados veem nisso um grande exagero. Eles guincham: “Somos uma religião de paz”. Mas, para manter esse tipo de inanidade, eles precisam confrontar o próprio Deus: “Pensais que vim trazer a paz ao mundo? Vim para trazer não a paz, mas a espada” (Mt 10, 34). Que guerra? Que espada? A única verdadeira: a guerra contra o pecado; contra o erro e as mentiras do mundo; contra nossa fraquezas e transigências; nossas complacências e indulgências. Essas são as únicas guerras dignas de ser travadas. É a vitória nessas guerras que traz a paz.

Que os bons católicos se deleitem nas alegrias de Cristo ressuscitado. Não nos cansemos de repetir a antífona antiga: Christus resurrexit! Vere resurrexit! — “Cristo ressuscitou! Ressuscitou realmente!” Deleitemo-nos no mistério do sepulcro vazio. Mas não nos esqueçamos de onde vem essa perfeita vitória divina — apenas da derrota retumbante de Satanás e de seu reino infernal. E isto pela arma da Cruz invencível de Cristo. Cuidado com o Cristo falsificado. Ele irá cortejar os desavisados com mensagens que repousam confortavelmente sobre a natureza decaída do homem. Ele irá usar uma linguagem de reaproximação com o espírito do mundo. E ela soará, oh! tão razoável, oh! tão doce

Fiquem apenas com o verdadeiro Cristo ressuscitado, aquele que nos convida a descansar sobre as suas chagas. Insistam apenas em Deus.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.