CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Precisamos mesmo confessar ao padre pecado por pecado?
Doutrina

Precisamos mesmo
confessar ao padre pecado por pecado?

Precisamos mesmo confessar ao padre pecado por pecado?

É a lógica da Encarnação que exige a confissão detalhada dos pecados. Nosso Senhor expressou o seu amor por meio de palavras e atos concretos e específicos, confrontando o pecado não “em geral” ou “em teoria”, mas em pessoas particulares, na carne e na Cruz.

Pe. Paul ScaliaTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Maio de 2020Tempo de leitura: 6 minutos
imprimir

O Salmo 50 dá o tom. É o salmo penitencial por excelência, que concentra o nosso olhar no elemento mais importante do ato penitencial, a contrição: “Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido” (Sl 50, 19). 

Santo Tomás observa que a contrição “inclui virtualmente toda a penitência” (STh III 90, 3). Ela contém em germe as outras dimensões do sacramento da Penitência: confissão, reconciliação e satisfação. Essa verdade salienta a necessidade de aprofundarmos a nossa contrição, sobretudo quando nos preparamos para a Confissão.

Analisemos primeiro o caráter pessoal da autêntica contrição. Para nós, é tentador esconder-nos na multidão, participando das orações, liturgias e devoções penitenciais da Igreja sem realmente nos empenharmos. Mas isso não é o bastante. Não importa o quanto a Santa Madre Igreja possa nos exortar, conduzir na oração e interceder por nós. Em última análise, cada um de nós deve se arrepender pessoalmente. Há também outra razão por que a contrição cristã é pessoal. Ao contrário do arrependimento natural ou do remorso mundano, ela tem origem na consciência da ofensa à pessoa de Jesus Cristo, não a uma simples lei ou padrão ético.

A contrição fecunda surge do exame de consciência. Este, por sua vez, deveria ser um “intenso e corajoso inventário moral de nós mesmos”, para tomar emprestado um trecho dos Doze Passos dos Alcoólicos Anônimos: intenso, porque exige refletir e recordar quando e como erramos; corajoso, porque exige superar o orgulho, a vergonha e a autojustificação. Devemos dar nomes aos bois, reconhecendo de maneira clara e sincera o que fizemos de errado.  

Há muitas ferramentas que nos ajudam no exame de consciência: os Dez Mandamentos, o duplo mandamento do amor (cf. Mc 12, 28-34), os sete pecados capitais etc. Independentemente do instrumento utilizado, o objetivo é discernir com precisão quais são os nossos pecados e quantas vezes os cometemos, isto é, em que medida falhamos em corresponder à bondade do Senhor.

A Igreja define a contrição de modo simples. É “uma dor da alma e uma detestação do pecado cometido, com o propósito de não mais pecar no futuro” (Catecismo da Igreja Católica, § 1451). Ora, isso difere do emocionalismo que as pessoas podem associar à contrição. Sim, os Evangelhos nos falam das lágrimas de Maria Madalena e do choro amargo de Pedro. Mas, ainda que tenham sua utilidade, tais emoções não são necessárias para a contrição. Necessários são o simples reconhecimento do pecado e a decisão de não mais cometê-lo.

A sobriedade da definição da Igreja revela a solicitude do Senhor com a nossa fraqueza. Ele sabe que os nossos sentimentos rebeldes e inconstantes podem nem sempre cooperar com a nossa contrição. Nem sempre nos sentimos arrependidos. Ele não exige, portanto, mais sentimentos do que aqueles que podemos oferecer. Isso também significa que não podemos esperar que tais emoções apareçam antes de identificarmos e decidirmos odiar os nossos pecados.

Por si mesma, a contrição tende naturalmente à confissão dos pecados. É uma necessidade que procede mais do coração humano do que da lei da Igreja. “Enquanto eu silenciei meu pecado, dentro de mim definhavam meus ossos e eu gemia por dias inteiros” (Sl 31, 3). Como mostram essas palavras do salmista, a tristeza humana sempre procura se manifestar. Do contrário, estamos fazendo violência contra nós mesmos.

Ora, a Igreja exige que confessemos os pecados mortais por sua espécie e número, algo que pode ter a aparência de legalismo e de ser contrário a esse desejo do coração humano: Qual a necessidade de coisas particulares? Por que especificar? Deus realmente se importa com tais detalhes? Ele é tão legalista assim? Não estaria mais interessado no relacionamento do que em coisas específicas?  

Tais perguntas revelam a tendência nociva do homem a evitar o específico e o concreto no arrependimento. Preferimos permanecer na superfície e nas generalidades (“Não fui bom… ofendi a Deus…”), quando podemos evitar exatamente o horror do que fizemos. No entanto, relacionamentos não são construídos com base em abstrações.

O amor procura ser definido e específico em sua manifestação. Nós amamos nos particulares ou não amamos de forma alguma. Infelizmente, também pecamos nos particulares. A nossa relação com Deus e com o próximo não é prejudicada por nós de forma abstrata ou teórica, mas por meio de pensamentos, palavras e atos específicos. Por isso, o coração, se está mesmo contrito, procura ser específico na confissão.

É a lógica da Encarnação, acima de tudo, que exige isso. O Verbo se fez carne. Nosso Senhor expressou o seu amor por meio de palavras e atos concretos e específicos. Ele não confrontou o pecado “em geral” ou “em teoria”, mas em pessoas particulares, na carne e na Cruz. A disciplina da Igreja, longe de impor um fardo externo, simplesmente faz eco às exigências do coração humano e do Sagrado Coração. A confissão não requer particulares apesar do relacionamento, mas por causa dele. 

A confissão sacramental também é um ato pessoal de fé, porque implica confiar na presença contínua de Cristo em sua Igreja e ministros. Não confessamos ao sacerdote por causa de seu mérito ou santidade, mas porque temos fé em que Cristo lhe confiou um poder sagrado.

Nós realmente cremos que o próprio Cristo age por meio do sacerdote, que lhe serve de instrumento. Assim, nesse sacramento fazemos uma dupla confissão: de culpa e de fé (culpa pelos nossos pecados e na ação de Cristo).

A contrição autêntica busca a reconciliação. Produz em nós o desejo de nos libertarmos dos nossos pecados e, principalmente, de nos reconciliarmos com Cristo. Assim, a contrição nos impele logicamente ao sacramento da reconciliação, que restaura nossa união com Ele. Qual será a medida real de nossa contrição, se não desejamos reconciliar-nos com Ele pelo meio que Ele mesmo estabeleceu?

Finalmente, a contrição nos leva não só à confissão e à reconciliação, mas também à satisfação e à expiação dos nossos pecados — em suma, a fazer penitência —, algo que pode parecer impossível. Afinal, ninguém pode reparar ou satisfazer por seus próprios pecados. Só o sacrifício perfeito de Jesus Cristo expia o pecado.

Não obstante, o penitente de fato oferece satisfação — não por seu próprio poder, mas por sua união com o Cristo sofredor; ou, antes, ele se torna partícipe do próprio ato de reparação de Cristo. É um fruto da reconciliação sacramental. O sacramento produz uma reconciliação tão real, uma tal ligação com Cristo, que o penitente se torna participante do único sacrifício perfeito de Cristo pelos nossos pecados. Fazer penitência em união com Cristo é, de fato, o auge da contrição do penitente. Essa participação na expiação e na tristeza de Cristo é o que a contrição procura expressar e oferecer desde o início.

“Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido” (Sl 50, 19). Continuemos essa oração para alcançar uma contrição mais profunda e perfeita, a fim de que a nossa recepção do sacramento da Penitência nos beneficie de forma mais frutuosa até a vida eterna.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

As iscas da indústria pornô para pescar o seu filho na internet
Sociedade

As iscas da indústria pornô
para pescar o seu filho na internet

As iscas da indústria pornô para pescar o seu filho na internet

À medida que mais e mais crianças começam a usar a internet, a indústria pornográfica utiliza o tempo delas online para atraí-las até sites pornográficos. Depois do primeiro clique, a sua inocência pode ser destruída. De uma vez para sempre.

Jonathon van MarenTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Maio de 2020Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Várias e várias vezes, ouvi pais me dizerem que seus filhos jamais buscariam pornografia na internet. Adolescentes? Talvez. Crianças? Nunca. Elas são muito inocentes. Ainda não pensam em sexo nem foram expostas ao que poderia estimular seu interesse pelo assunto. Portanto, as crianças podem continuar sendo crianças, e não há necessidade alguma de lhes manchar a inocência abordando tópicos como este.

Eu até acredito nesses pais. Muitos deles se esforçam para proporcionar aos filhos uma infância inocente, para que desfrutem das coisas simples da vida sem que suas pequenas mentes sejam manchadas por este conteúdo digital onipresente, mais maligno do que “adulto”.

No entanto, é essencial que os pais se dêem conta de uma coisa: seus filhos podem não estar procurando pornografia, mas a indústria pornográfica com certeza está à procura deles.

Muitos pais creem, equivocados, que tudo ficará bem desde que os filhos não busquem pornografia e a internet de casa esteja protegida. Eles talvez se surpreendam ao descobrir que a maioria das crianças tem seu primeiro contato com pornografia por acidente. Já ouvi essa história centenas de vezes em minhas palestras para jovens sobre pornografia, e um estudo recente confirmou não apenas que muitas crianças veem pornografia pela primeira vez por acidente, mas que a maior parte delas gostaria que isso nunca tivesse acontecido. Não se trata de saber se os seus filhos desejam ver pornografia, mas de saber se eles, querendo ou não, acabarão se deparando com ela.

De fato, como observei antes, empresas predatórias como PornHub já usaram títulos de desenhos animados (por exemplo, Dora, a aventureira e Patrulha canina) para dar nome a vídeos de pornografia explícita, a fim de que as crianças que buscam na internet temas inocentes acabem acessando páginas repletas de cenas degradantes. Quanto mais precoce for o vício, mais pornografia elas verão — e quanto mais elas virem, melhor será para empresas como PornHub. Suas contas bancárias crescem às custas da inocência roubada.  

Eles até fazem piada sobre isso. Na conta de PornHub no Instagram, por exemplo, foi compartilhada uma imagem do Bebê Yoda com o logotipo da empresa refletido em suas pupilas junto com a frase: “Dez segundos depois de meus pais saírem de casa”. Além de não verificar a idade ou o consentimento e de não fazer nada para manter as crianças longe do seu material vil, PornHub ri abertamente de ter as crianças como um público alvo

O portal Exodus Cry, que tem feito uma brilhante campanha para denunciar a cumplicidade de PornHub com o estupro e a exploração sexual, explicou como a empresa caça as crianças:

PornHub não possui sequer um botão de alerta para perguntar ao visitante se tem menos de dezoito anos. Por quê? Para eles, a idade é apenas um número.

A organização vai à caça em redes sociais populares como Tik Tok, Twitch, Snapchat, Periscope e muitas outras, usando modelos e vídeos como isca para seduzir crianças inocentes e tê-las em suas garras sádicas. Alguns desses sites e aplicativos possuem proteções inadequadas para crianças ou sequer têm restrições a práticas predatórias.

Há também as categorias. Em 2019, “adolescente” (teen) foi um dos principais termos procurados no site, junto com “cartoon”, “vinganças” e muitos outros. Não se enganem: PornHub está definindo e tirando proveito dos apetites sexuais de jovens e menores de idade.

Mas espere, a situação fica ainda pior. Os portais Collective Shout e Exodus Cry revelaram que, além de hospedar vídeos de estupro, abuso infantil e tráfico sexual (e não esqueçamos nunca que as pessoas acessam a plataforma em busca de satisfação sexual), PornHub tem uma coleção de “desenhos pornográficos virtuais ou animados, feitos com os personagens mais populares da Disney em cenas de sexo explícito”. Personagens como a Rapunzel, da animação Enrolados, aparecem amarrados e amordaçados, sem falar de muitos outros personagens favoritos que aparecem em cenas de abuso e violência. Repita-se: são personagens de desenhos infantis.

Sites de conteúdo pornográfico também inserem anúncios pop up em páginas de jogos eletrônicos frequentadas por crianças e adolescentes. Em minhas palestras, já perguntei diversas vezes a crianças quantas delas jogam na internet — e quantas foram expostas a alguma janela pop up com conteúdo explícito durante o jogo. Quase todas as mãos se levantam em resposta às duas perguntas. À medida que mais e mais crianças começam a usar a internet, a indústria da pornografia utiliza o tempo delas online para atraí-las até sites pornográficos. Depois do primeiro clique, a sua inocência pode ser destruída e elas podem ficar viciadas. Eis a história de quase toda uma geração. 

Escrevo tudo isso como um apelo aos pais. Por favor, monitorem seus filhos sempre que estiverem online. Por favor, falem com eles sobre pornografia de forma adequada à idade deles. Milhões de crianças foram expostas à pornografia sem o desejo ou o consentimento dos pais, muitos dos quais simplesmente ignoram que seus filhos já foram expostos a esse tipo de material.

É um aspecto repugnante e terrível da nossa cultura que discussões que há poucas décadas eram desnecessárias sejam, hoje, absolutamente imprescindíveis. Sim, elas são.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O que a Ressurreição nos ensina
Doutrina

O que a Ressurreição nos ensina

O que a Ressurreição nos ensina

A importância de nossa vida corpórea e seus sofrimentos não deveria ser exagerada nem subestimada. Temos um corpo por natureza, não por acidente. Sem o corpo, a alma não está completa. Os sofrimentos desta vida não serão esquecidos, mas redimidos.

Edward FeserTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Maio de 2020Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

A Ressurreição nos ensina que a importância de nossa vida corpórea e seus sofrimentos não deveria ser exagerada nem subestimada. Isso significa enxergar o meio-termo entre materialismo e platonismo. Em nossa época decadente e sensualista, a mensagem antimaterialista talvez seja a mais óbvia. O secularista não concebe destino pior do que ambições mundanas insatisfeitas, casamentos infelizes, contas não pagas, saúde precária e o próprio leito de morte. E não há para ele bem maior do que fugir dessas coisas. Woody Allen expressa bem essa mentalidade: “A vida é feita de penúria, solidão e sofrimento — e tudo acaba muito rápido”. 

Isso é patético. Quer seu herói seja Sócrates, São Policarpo ou aquela gloriosa síntese dos dois, São Justino Mártir, você sabe que ninguém é tão cego quanto aquele que não consegue enxergar a eternidade que está além de algumas décadas de vida. A morte só interrompe o tempo que passamos na sala de espera. Algumas são terrivelmente aborrecidas e desconfortáveis. Outras têm tantas formas de divertimento, que nos deixam desapontados quando chega a hora de ir. Em ambos os casos, são apenas salas de espera, e assim é esta vida.

Mas isso ocorre não porque tenhamos uma alma imortal, nem porque as coisas terrenas sejam irrelevantes. Nós de fato temos uma alma imortal, e as coisas terrenas realmente não têm valor em si. Mas uma alma imortal não é uma pessoa. Ponto final. É o resquício de uma pessoa, e a perda de seu corpo é um terrível sofrimento, não uma libertação. A perpétua condição póstuma da alma é determinada pelo que fizemos e sofremos nesta vida.

Aqui entra a mensagem antiplatônica. Temos um corpo por natureza, não por acidente. Sem o corpo, a alma não está completa. Ela também não está destinada a ser purificada de todos os traços do indivíduo que viveu, respirou, sofreu e morreu, como o atma impessoal do hinduísmo. A Ressurreição não ensina que a morte não é o fim de sua alma, mas que a morte não é o seu fim como indivíduo dotado de corpo. Ela nos diz não que os sofrimentos desta vida serão esquecidos, mas que serão redimidos. Um bem eterno será tirado de um mal finito, como o vinho que foi tirado da água. 

Santo Tomás nos diz que o Cristo ressuscitado carrega suas chagas perpetuamente como se fossem troféus. São como a cicatriz que um atleta não ousaria corrigir por meio de uma plástica, para não perder uma lembrança do que conquistou. Do mesmo modo, a Ressurreição nos ensina que o seu coração partido, a destruição de suas esperanças terrenas, a dor pela morte de um ente querido ou por seu corpo débil — a lembrança de todas essas coisas será como uma das chagas de Cristo após a morte. Ela assumirá uma característica totalmente diferente, e de fato será vista como aquilo que sempre foi: parte da purificação e do aperfeiçoamento de um atleta espiritual.

Para aqueles que amam a Deus, afinal. Pois existe um terrível lado negativo da Ressurreição, na medida em que os corpos dos perversos — assim como os dos justos — também lhes serão restituídos, e sua condição também será definida eternamente pelo que alimentaram em seus corações nesta vida. A memória de seus prazeres ilícitos, de sua fixação por Mamon, de seu desejo irrefreado por fama e poder, doerá como uma ressaca perpétua, uma lembrança sem fim de sua estupidez e miopia. “Com certeza terão sua recompensa”. 

Essa recompensa deve ser mais temida do que a morte. Mas esta é, de fato, assustadora. Como todo filósofo deveria fazer, eu amo e venero Sócrates. Mas sua morte, por nobre que tenha sido, não foi a morte de um homem que sabia realmente o que era a morte. Não há dúvida de que sua verdade parcial está muito mais próxima da verdade integral que a verdade parcial do materialista. É muito melhor ser um pagão de tipo platonista do que aquela coisa triste e desprezível que Nietzsche chamou o Último Homem, o individualista da modernidade secular liberal que só pensa em buscar o próprio conforto.

Mesmo assim, a julgar pelo Fédon [um dos principais diálogos de Platão], você poderia pensar que em sua essência a morte significa adormecer durante uma conversa filosófica com amigos. Mas a realidade dela é refletida de modo mais adequado em outras imagens — a de Santo Inácio de Antioquia nos dentes de leões, ou a de São Policarpo no meio das chamas. 

Contudo, surpreendentemente, eles enfrentaram esses fins sinistros com o mesmo otimismo de Sócrates. O Último Homem nos diz: “A morte é horrível, então tenha medo dela!” Sócrates nos diz: “A morte não é horrível, então não tenha medo dela!” O cristianismo nos diz: “A morte é horrível, mas não tenha medo dela!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Conselhos de Madre Angélica a uma Igreja moribunda
Igreja Católica

Conselhos
de Madre Angélica
a uma Igreja moribunda

Conselhos de Madre Angélica a uma Igreja moribunda

“Não há nada a temer”: Cristo está do nosso lado e nos capacita com sua graça para a missão. Devemos lutar por nossa Mãe, a Igreja, que pode estar ferida, sim, mas cujas chagas podemos curar “com nosso amor, nossa compaixão e com nosso zelo”.

Equipe Christo Nihil Praeponere15 de Maio de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

Ninguém gosta de receber más notícias, muito menos quando dizem respeito à morte. Segundo a psicóloga Elizabeth Kubler-Ross, as pessoas comuns tendem a apresentar ao menos cinco tipos de atitude na vivência do luto: a negação do problema, a raiva de si mesmo, a barganha com Deus, a depressão e, somente depois de tudo isso, a aceitação. É claro que esses estágios podem variar de um para outro e alguns até são capazes de experimentar tudo ao mesmo tempo.

Seja como for, não é preciso ser nenhum psicólogo renomado para perceber que essa é exatamente a condição da sociedade agora com relação ao novo coronavírus. Há de tudo um pouco: negacionistas, beligerantes, supersticiosos, depressivos, conformados… Quase todos doentes da “pandemia do medo” que se instalou nos corações, causando pânico até em bons cristãos. Para nós, católicos, especialmente, a vivência da quarentena tem sido ainda mais mórbida, dada a ausência dos sacramentos e da celebração comunitária do Corpo místico de Cristo. Se há alguns anos a Igreja já lembrava “uma barca que está para afundar”, hoje a impressão é que o navio afundou de vez, sem previsão de resgate.

Essa impressão é ainda mais realçada quando se sabe que, além da Covid-19, outro vírus muito mais agressivo flagela a fé católica: o relativismo. Os cristãos já não conhecem a própria doutrina de Cristo e têm medo de falar do Evangelho, sob o pretexto de não ofender a liberdade dos outros, ao passo que o mundo não hesita em proclamar seus “dogmas” infernais de cima dos telhados. Como dizia Bento XVI recentemente, “a sociedade moderna está em meio à formulação de um credo anticristão e, se alguém se opõe a isso, é castigado pela sociedade com a excomunhão”.

Mas que podemos fazer, afinal?

Entre a nostalgia das glórias da cristandade e o conformismo com uma Igreja moribunda, é possível lembrar um momento dramático da história de O Senhor dos Anéis, em que Frodo se lamentava e dizia: “Gostaria que isso não tivesse acontecido na minha época”. Nós também, certamente, não desejávamos ter de enfrentar uma pandemia, tendo uma Igreja em frangalhos, por conta de tantos problemas internos e externos. Mas, como responde Gandalf ao pequeno hobbit, “essa decisão não é nossa”, “tudo o que temos de decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado”.

É certo que estes que vivemos não são os piores tempos da história cristã. Já houve, de fato, situações muito mais dramáticas, que exigiram sacrifícios heroicos. Quando, por exemplo, o cristianismo ainda era, para muitos pagãos e judeus, apenas uma seita de um homem que supostamente teria ressuscitado, os cristãos tiveram a valentia de provar com o próprio sangue que aquela era uma fé fundada não em fábulas, mas, sim, numa rocha contra a qual as portas do inferno jamais prevaleceriam. E com esse espírito eles derrotaram um império, venceram várias heresias, fundaram uma nova civilização e espalharam a semente da boa-nova por todo o mundo.

Ainda assim, cai sobre as nossas costas a responsabilidade dos santos de outrora — de um São Francisco, só para citar, cuja humildade e fortaleza o levaram a reconstruir a Igreja de Nosso Senhor. “O preceito da hora presente”, portanto, “não é lamento, mas ação”, dizia Pio XII. Os cristãos devem estar “penetrados por um entusiasmo de cruzados” para combater pela libertação da terra santa espiritual, “destinada a ser a base e o fundamento das normas e leis imutáveis para as construções sociais de interna e sólida consistência”. Embora a Igreja não seja mesmo um Titanic, o seu casco pode, sim, sofrer grandes avarias, por causa de nossa própria negligência. É, pois, nosso dever consertá-lo.

Foi com esse espírito que Madre Angélica fundou a emissora católica EWTN, conclamando seus compatriotas a restaurar a fé num período crítico para a Igreja nos Estados Unidos. A fim de vencer os inimigos de Deus, ela insistia que os católicos precisavam ser corajosos e valentes. E de onde deveriam eles tirar essa coragem e valentia? Das próprias palavras de Cristo no Evangelho: “No mundo, tereis aflições, mas tende coragem! Eu venci o mundo” (Jo 16, 33).

Na hora mais terrível da humanidade, Nosso Senhor não poupou os discípulos das “más notícias”, da provação pela qual eles mesmos, em seus corpos, haveriam de passar. Todos os discípulos foram torturados pela fidelidade ao Evangelho. Mas foi justamente a consciência daqueles fatos, iluminados pela luz da graça, que os fez seguir até o Calvário, onde venceriam o mundo, a exemplo de Jesus.

É o que precisamos fazer hoje também. “Não há nada a temer”, explicava Madre Angélica, porque Cristo está do nosso lado e nos capacita com sua graça para cumprirmos a missão. Devemos, sim, lutar por nossa Mãe, a Igreja, que pode estar ferida, seja pelos ataques do mundo, seja pela traição de seus próprios filhos. Madre Angélica enfrentou muitos desgostos em seu apostolado por conta da má compreensão de alguns que, mesmo dentro da Igreja, trabalhavam por sua destruição. Mas nem isso a fez desistir do trabalho. Ao contrário, ela se dedicou ainda mais à evangelização, à caridade, à oração porque, explicava ela, “nós podemos curar a Igreja com nosso amor, nossa compaixão e com nosso zelo”.

A Igreja necessita de filhos zelosos, com o mesmo zelo que devorou Jesus no Templo e o fez lutar pela fé. Não se trata de distribuir pancadas, mas de “não dar aos outros a autoridade que eles não têm”, ensinava Madre Angélica à sua audiência. O Templo, na época de Jesus, estava dominado por uma autoridade profana, que se servia da religião em benefício próprio. Do mesmo modo, há quem queira isso hoje também, colocando a Igreja de joelhos diante de autoridades profanas, como se a lei dos homens estivesse acima da lei de Deus. É contra isso que devemos lutar, contra “os principados, as potestades, os dominadores deste mundo tenebroso, os espíritos malignos espalhados pelo espaço” (Ef 6, 12).

Décadas atrás, o jovem padre Joseph Ratzinger profetizava que a Igreja, um dia, diminuiria de tamanho, reduzindo-se a um pequeno resto. “Mas dessa provação sairá uma Igreja que terá extraído uma grande força”, complementava ele, e os habitantes deste mundo “descobrirão, então, a pequena comunidade de fiéis como algo completamente novo... Como uma esperança que lhes cabe, como uma resposta que sempre procuraram secretamente”.

Não podemos dizer se estes são ou não os tempos do cumprimento dessa “profecia”, mas, ouvindo o que disse anos atrás a destemida Madre Angélica, desde já podemos forjar o nosso coração.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.