CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
A verdadeira alegria Pascal
Espiritualidade

A verdadeira alegria Pascal

A verdadeira alegria Pascal

A certeza de ser amado por um Amor que não passa

Padre Paulo Ricardo6 de Abril de 2015Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Os extremos da Quaresma são marcados por duas alegrias: a do Carnaval e a da Páscoa. A primeira é uma alegria carnal que, nos dias atuais, chega a ser pecaminosa. E, mesmo nas décadas passadas, quando se festejava apenas a "joie de vivre" (a alegria da vida), como dizem os franceses, a festa do Carnaval era marcada por uma alegria mundana.

Todavia, festejar a vida biológica, criada por Deus, de certa forma, é salutar. Comemorar a alegria do dia a dia, as coisas simples e boa que confortam a vida é sinal de saúde. A ausência desse júbilo, por conseguinte, pode significar uma doença, um desequilíbrio.

A alegria da vida cotidiana, porém, é ligada antes de tudo à parte animal do homem que sente prazer ao encontrar um bem, muitas vezes material. Santo Tomás de Aquino ensina que este tipo de prazer está ligado a um bem, enquanto a tristeza a um mal. A alegria do homem é sempre correspondente ao bem que se está festejando. Assim, se o bem é passageiro, a alegria também o será.

Apesar de efêmeras, as alegrias deste mundo não são necessariamente más. E quando existe o saudável ordenamento no homem, elas serão indicações das alegrias eternas. Existem coisas que libertam o homem da tristeza, como um banho quente e um copo de vinho, diz Santo Tomás de Aquino. Todavia, por causa do pecado original, as alegrias mundanas tendem a substituir a alegria de Deus.

Do outro lado da Quaresma existe a alegria pascal. Ela não é baseada na bios, mas sim, na zoe, que é a vida eterna, a "outra" vida. E a verdadeira alegria espiritual reside nela.

Quando Jesus, a cabeça, ressuscita, introduz a humanidade na vida divina. Seu corpo ressuscitado não tem mais somente a vida biológica, embora muitos confundam ressurreição com reviver, Ele não voltou à vida antiga, mas sim, a Sua vida divina (Ele é Deus) transbordou para Sua humanidade e Ele começou a participar da vida de Deus. Esta é a alegria pascal: encontrar a nova vida, a zoé, que está em cada um.

No dia em que se celebrou o Sábado Santo, a Igreja recordou também os 500 anos do batizado de Santa Teresa de Jesus, uma grande mulher que alcançou o ápice da santidade e deu a conhecer ao mundo tantas nuances da vida espiritual que a tornam deveras especial.

Santa Teresa de Jesus, após 20 de vivência de oração intensa, de profunda amizade com Deus, ao adentrar na sétima morada, descobriu um mundo completamente novo. Antes, ela cria que os fenômenos místicos que experimentava eram oriundos do céu, porém, quando mergulhou na última morada, entendeu que tudo estava dentro dela. Entendeu que é no homem interior que habita a Trindade, e passou a viver da Trindade dentro dela.

Embora o seu corpo estivesse sofrendo muito, ela tinha paz e a alegria espiritual durante todo o tempo. Ela não era capaz de pecar, pois já estava enraizada no Amor, já gozava da plena liberdade daqueles que amam.

São Paulo, em sua Carta aos Gálatas (cap. 5), ao listar os frutos do Espírito Santo, aponta também a alegria. É justamente a alegria que vivia Santa Teresa, a alegria espiritual. Santo Tomás de Aquino afirma que a alegria é a consequência mais óbvia do amor.

O amor-caridade produz naquele que ama duas situações: a primeira é a constatação de que Deus é a fonte de todo bem. Portanto, alegrar-se com tal bem-aventurança é motivo de grande alegria. A segunda, provém do fato de que a alegria é a reação diante de um bem presente e possuído, que não suporta a ausência. A alegria é estar na presença do Sumo Bem.

A alegria pascal é muito diferente da alegria do carnaval. De nada adiantam as alegrias efêmeras, com prazo de validade. Melhor são aquelas que não passam. E não passam porque Aquele que as inspira também não passa.

Esta alegria está ao alcance de todos, e claro, estando nas últimas moradas a vivência é plena, completa, como Santa Teresa. Mas, aos outros, basta estar em estado de graça, em amizade com Deus, para experimentar a alegria de se saber amado e amar Aquele que não passará. Amar e servir. Esta é a verdadeira alegria espiritual.

As duas alegrias, portanto, são muito distintas. A primeira é passageira, mas a segunda, é a alegria dos santos e que a todos é permitido gozar. É por isso que, na Páscoa, a Igreja canta à Virgem Maria, a alegria do seu coração:

Regina coeli, laetare, Alleluia!
(Rainha dos céus, alegrai-vos, aleluia!)


Quia quem meruisti portare, Alleluia!

(Porque aquele que merecestes carregar em vossos braços. Aleluia!)


Resurrexit, sicut dixit, Alleluia!

(Ressuscitou como disse, aleluia!)

A alegria de Nossa Senhora por saber que Aquele que ela amava não estava ausente e que a pedra fechando o sepulcro não havia sido o ponto final. Jesus morreu em sua natureza humana, é verdade, mas continuava vivo como Deus. A grande alegria de ver que no meio da maior tragédia, embora tudo diga o contrário, permanece a certeza de ser amado.

Ao receber o cadáver de Seu Filho em seus braços, não teria o demônio tentado Maria? Sim, mas ela não vacilou, pois tinha certeza da presença do Deus-amor diante da catástrofe iminente.

Assim, que os próximos cinquenta dias sejam, para cada um de nós, dias de grande alegria espiritual. A certeza de que se é amado por um amor que não passa.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Um grande silêncio reina sobre a terra
Espiritualidade

Um grande silêncio reina sobre a terra

Um grande silêncio reina sobre a terra

Não podendo o homem, por si mesmo, ascender à companhia de Deus, Ele mesmo desce à companhia dos mortos, para, com Sua graça, torná-los santos

Equipe Christo Nihil Praeponere4 de Abril de 2015Tempo de leitura: 1 minutos
imprimir

Hódie siléntium magnum in terra est. Assim começa uma antiga homilia de Sábado Santo. "Que está acontecendo hoje? Um grande silêncio reina sobre a terra. Um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei está dormindo; a terra estremeceu e ficou silenciosa, porque o Deus feito homem adormeceu e acordou os que dormiam há séculos. Deus morreu na carne e despertou a mansão dos mortos."

Jesus, ao mesmo tempo em que tem o Seu corpo no sepulcro, desce com Sua alma aos abismos – como confessamos no Credo, Ele "desceu à mansão dos mortos". Não podendo o homem, por si mesmo, ascender à companhia de Deus, Ele próprio descende à companhia dos mortos, para, com Sua graça, fazê-los santos.

Cumpre-se, hoje, mais uma profecia: "Quanto a ti, meu povo, por causa da aliança que contigo fiz, selada com sangue, vou libertar teus cativos desta cisterna sem água" ( Zc 9, 11). O seu povo são os justos do Antigo Testamento que, pela dívida do pecado original, jazem "cativos" e sedentos na "cisterna sem água" das profundezas; a aliança "selada com sangue" é o sacrifício que Ele consuma na Cruz e, também, a causa de sua descensão. Se os méritos da paixão de Nosso Senhor se aplicam aos vivos pela graça dos Sacramentos, aplicam-se aos mortos pela descida de Cristo aos infernos. Sim, Ele desce aos infernos. Não ao inferno dos condenados, de onde nem mesmo Deus, o autor da liberdade, os pode tirar; mas ao "seio de Abraão", o lugar onde os santos Patriarcas esperam, aflitos, o dia de sua libertação. Desce aos infernos, para aspergir com Seu sangue os filhos de Adão e instaurar a nova Páscoa. Desce aos infernos para dar aos homens aquilo que, desde o príncipio, Ele lhes havia preparado.

"Vosso pai Abraão – disse Jesus, certa vez, aos judeus – exultou por ver o meu dia. Ele viu e se alegrou" (Jo 8, 56). Ei-lo, é hoje o Seu dia. Exultemos e alegremo-nos com os santos Patriarcas, porque também nós fomos conduzidos, pela assombrosa descida do Verbo ao mundo, da morte à vida, das trevas à luz, do pecado à graça, dos infernos ao Céu.

"Deus morreu na carne e despertou a mansão dos mortos". Enquanto Ele não ressuscita dentre os mortos, porém, silentium magnum in terra manet. "Um grande silêncio reina sobre a terra".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Aquela Via-Sacra no Coliseu
Bento XVIEspiritualidade

Aquela Via-Sacra no Coliseu

Aquela Via-Sacra no Coliseu

Há 10 anos, no Coliseu, Joseph Ratzinger convidava todos os fiéis católicos a um sério exame de consciência diante da Paixão de Cristo, na Via Sacra

Equipe Christo Nihil Praeponere3 de Abril de 2015Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

O Coliseu é um dos cartões postais mais famosos da Cidade de Roma. Construído por volta do ano 70 d.C., a mando do imperador romano Vespasiano, o local é frequentemente associado aos mártires cristãos. Em 1741, o papa Bento XIV declarou-o sagrado e consagrou-o à Paixão de Cristo. E desde 1964, graças a um costume iniciado por Paulo VI, o Coliseu é o lugar onde os papas se reúnem com os fiéis de Roma para meditar as 14 estações da Via Crucis.

Embora não exista nenhuma evidência histórica que confirme os relatos de martírios dentro do Coliseu, o simbolismo é inequívoco. O cristianismo nasceu debaixo da bota do Império Romano e foi regado a sangue durante um longo período. Portanto, não se pode considerar inadequada a relação entre o maior ícone dos romanos e os mártires do cristianismo. Deveras, o Coliseu é o palco adequado para reviver os momentos finais da paixão do Senhor, sobretudo as suas três quedas, que nada mais são do que as quedas do seu Corpo Místico: a Igreja.

A Tradição ensina que assim como Cristo viveu a sua páscoa, também a Igreja deverá entrar na glória do Reino por meio de uma paixão, morte e ressurreição [1]. Diz o Catecismo: "O Reino não se consumará, pois, por um triunfo histórico da Igreja segundo um progresso ascendente, mas por uma vitória de Deus sobre o último desencadear do mal". Como será isso? Mais uma vez o Catecismo responde: "A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra, porá a descoberto o 'mistério da iniquidade', sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade."

O Catecismo fala abertamente em apostasia. Ao longo da história da Igreja, grandes foram as perseguições seculares, ora de governos iníquos, ora de ideologias anticristãs. Mas o real inimigo da fé está, e sempre esteve, dentro da própria Igreja: "A maior perseguição da Igreja não vem de inimigos externos, mas nasce do pecado na Igreja" [2]. As heresias, os cismas, a rebeldia contra o Magistério e contra o papa foram, na sua maior parte, iniciadas por padres e bispos. Ário, Nestório, Pelágio, Lutero et caterva. Todos sacerdotes e heresiarcas. Todos semeadores de joio no meio do trigal.

É dentro deste contexto que se compreendem aquelas severas advertências do Cardeal Joseph Ratzinger, durante a Via Sacra de 2005. No Coliseu, diante dos holofotes do mundo todo, falou-se de uma "uma barca que está para afundar, uma barca que mete água por todos os lados." Falou-se da Igreja e do horror que nos causava a sujeira do seu vestido e do seu rosto. "Somos nós mesmos que os sujamos! Somos nós mesmos que Vos traímos sempre, depois de todas as nossas grandes palavras, os nossos grandes gestos", lamentava-se.

Em sua meditação, escrita a pedido do então pontífice São João Paulo II, Ratzinger apontou três pontos graves na crise da Igreja. O primeiro diz respeito à Eucaristia: "Quantas vezes se abusa do Santíssimo Sacramento, da sua presença, frequentemente como está vazio e ruim o coração onde Ele entra". Desde a Reforma Litúrgica de 1969, é perceptível uma abusiva e errônea aplicação dos decretos conciliares que, sob os augúrios de uma criatividade sem freios, tende a minimizar o quanto pode os gestos de reverência e adoração. O jargão mais ouvido é este: "A Eucaristia deve ser comida, não adorada". A Hóstia Santa revela todo o despojamento de Jesus, entregando-se ao homem não mais como homem, mas como alimento salvífico. Trata-se do próprio Jesus na aparência do pão e do vinho. Dominus est (Jo 21, 7). Como, destarte, não adorá-la? Como não se ajoelhar, não honrá-la com incensos e perfumes? Ora, responde Santo Agostinho, "não só não pecamos adorando-a, mas pecaríamos se não a adorássemos" [3]. É justamente porque não nos preparamos devidamente, adorando-a "em espírito e verdade" (Jo 4, 23), que a recebemos como se se tratasse de mero pedaço de pão.

Segundo ponto: "Quantas vezes se contorce e abusa da sua Palavra! Quão pouca fé existe em tantas teorias, quantas palavras vazias! Quanta sujeira há na Igreja, e precisamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele!" Virou moda entre os teólogos modernos "repensar" a teologia. Repensar a ressurreição. Repensar o pecado. Repensar a encarnação. E nem é preciso dizer que esse "repensar" significa esvaziar todo o conteúdo espiritual de Cristo, tornando-o um personagem do passado, que nada mais tem a dizer-nos, senão "exemplos" morais e ideológicos. Um Cristo assim não só não faz sentido, como se torna desprezível.

Por fim: "Quanta soberba, quanta autossuficiência! Respeitamos tão pouco o sacramento da reconciliação, onde Ele está à nossa espera para nos levantar das nossas quedas!" Em quantos lugares os confessionários foram substituídos por salinhas e escritórios para atendimento psicológico. O sacramento com que Cristo nos perdoa e nos insere de novo em sua amizade é reduzido a conselhos mundanos, não raras vezes, pautados em filosofias liberais e pecaminosas. "Tudo isto está presente na sua paixão", ponderou na época o futuro Bento XVI, "a traição dos discípulos, a recepção indigna do seu Corpo e do seu Sangue é certamente o maior sofrimento do Redentor, o que Lhe trespassa o coração."

Não obstante, esses pecados dentro da Igreja, longe de tolher a esperança cristã, desvendam a face do Cristo que sofre continuamente por nós. Ele, como no caminho do Calvário, não fica eternamente no chão. Levanta-se mais uma vez para nos levantar definitivamente. É sempre d'Ele a última palavra. "Vós erguer-Vos-eis. Vós levantastes-Vos, ressuscitastes e podeis levantar-nos também a nós. Salvai e santificai a vossa Igreja. Salvai e santificai a todos nós", rezava Ratzinger na nona estação. Vale recordar que o símbolo maior do Império Romano é hoje a tradicional casa dos cristãos, na celebração da Paixão de Cristo. Deus venceu o imperador!

Que esta Sexta-Feira Santa leve-nos a meditar todos esses pontos elencados pelo Papa Emérito — a nossa recepção da Sagrada Eucaristia, os pecados do clero e os abusos contra a confissão —, para que recebamos de Cristo a necessária purificação do nosso coração.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

"Lúcifer no Vaticano" e a exploração da ignorância
Liturgia

"Lúcifer no Vaticano" e
a exploração da ignorância

"Lúcifer no Vaticano" e a exploração da ignorância

Na Vigília Pascal, toda a Igreja saúda Jesus como “astro da manhã”. Mas, para um grupo de protestantes, a cerimônia é um “canto gregoriano” que “exalta Lúcifer”.

Equipe Christo Nihil Praeponere31 de Março de 2015Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Chega às raias da irracionalidade o ódio que muitas seitas protestantes nutrem pela Igreja Católica – ódio preenchido com acusações injustas e acessos de fúria injustificados. Quem nunca foi chamado de "idólatra" simplesmente por amar a Virgem Maria e os santos? Ou nunca ouviu apelidos, um mais absurdo que o outro, referindo-se à Igreja e ao Papa? Portais de notícias sempre trazem alguma reportagem recente de algum evangélico que invadiu uma igreja e profanou imagens de santos – ainda que essa não represente a atitude da maioria dos protestantes.

A verdade é que tanta balbúrdia e dedos em riste não passam, em grande parte, de ignorância. Um vídeo que circula desde 2013 no YouTube, intitulado "Canto Gregoriano Exalta Lúcifer no VATICANO", exemplifica muito bem isso. No hangout, alguns protestantes se reúnem para comentar o vídeo de um diácono católico que menciona a palavra latina "lucifer" na Basílica de São Pedro, em Roma. O editor do vídeo, que alega trazer a "verdade final revelada", é antecedido por um senhor chamado Sebastião. "Eles invocam Satanás dentro do Vaticano e não tem como nenhum católico negar aquilo", diz ele. "Se eles quiserem continuar adorando, quando eles terminam o cântico, toda a congregação, ela diz 'Amém'."

O que dizer deste vídeo, senão que se trata de um curioso retrato da ignorância protestante? A cerimônia exibida no Vaticano é um extrato do Precônio Pascal, cantado em toda Vigília de Sábado Santo, no mundo inteiro. O cântico Exsultet – que não é um "canto gregoriano" – é concluído com os seguintes versos, em latim: "Flammas eius lucifer matutinus inveniat / Ille, inquam, lucifer, qui nescit occasum / Christus Filius tuus, / qui, regressus ab inferis, / humano generi serenus illuxit, / et vivit et regnat in saecula saeculorum. / Amen.", cuja tradução litúrgica – sem distorções fantasiosas – é: "Que ele [o círio pascal] brilhe ainda quando se levantar o astro da manhã, / aquele astro que não tem ocaso, / Jesus Cristo, vosso Filho, / que, ressuscitando dentre os mortos, / iluminou o gênero humano com a sua luz e a sua paz / e vive glorioso pelos séculos dos séculos. / Amém."

Ora, que um grupo de protestantes desconheça o significado de algumas frases em latim, é bastante compreensível. Que retoquem o que leem ou escutam para difamar a Igreja, porém, é uma atitude de muita desonestidade intelectual.

No texto em questão, a palavra " lucifer" não se refere a Satanás, o príncipe dos demônios. Trata-se de um nome comum, que significa "portador da luz" ou "estrela da manhã". É "lucifer" com "l" minúsculo, diferentemente do nome próprio, "Lúcifer". A propósito, essa não é a única ocasião em que o termo "lucifer" é usado com tal sentido. A Vulgata de São Jerônimo traz, no livro de Jó, a palavra "lucifer" (cf. 11, 17), que é traduzida por "alva" na própria edição João Ferreira de Almeida. Nas mesmas Sagradas Escrituras, São Pedro, ao fazer referência à voz de Deus Pai confirmando a missão de Jesus, pede que se mantenham firmes as palavras da profecia, "donec dies illucescat, et lucifer oriatur in cordibus vestris – até clarear o dia e levantar-se a estrela da manhã em vossos corações" (2 Pd 1, 19). No canto litúrgico exibido no vídeo, também, é Nosso Senhor quem é denominado como "astro da manhã", "aquele astro que não tem ocaso" – não o Seu inimigo.

Na verdade, o nome próprio "Lúcifer" não foi usado desde o começo para se referir ao demônio. Antes, a palavra era usada tão somente em seu significado comum, tanto que um bispo com esse nome, Lúcifer de Cagliari, do século IV, é santo católico celebrado pela liturgia. Uma referência do Autor Sagrado ao rei da Babilônia, no entanto, passou a ser usada para o anjo decaído – "Como despencaste das alturas do céu, tu, estrela da manhã (a Vulgata traz, novamente, ' lucifer'), clarão da madrugada?" (Is 14, 12) – e o que era simplesmente um astro luminoso se transformou em sinônimo de Satanás.

Portanto, não, a Igreja Católica não adora, não exalta e nem invoca o príncipe das trevas em sua liturgia. É voltada a Cristo e em Seu nome que ela termina todas as suas orações, como mostra a bela composição do Exsultet, cantada todos os anos em nossas igrejas.

A propósito, tomem cuidado. No Sábado Santo que se aproxima, Nosso Senhor Jesus Cristo será novamente chamado de "astro da manhã" no Vaticano. Estejam prontos para separar a luz da verdade das trevas do erro e da ignorância. Nestes tempos difíceis, poucas coisas são tão urgentes e tão necessárias.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.