| Categoria: Espiritualidade

O Natal de Cristo e o nosso natal

Embora cada cristão tenha sido chamado num momento diferente para fazer parte da Igreja, a totalidade dos fiéis, saída da fonte batismal, também nasce com Cristo neste Natal.

"A geração de Cristo é a origem do povo cristão", diz São Leão Magno, no Ofício das Leituras deste dia 31 de dezembro, "o Natal da Cabeça é também o natal do Corpo". O Verbo eterno de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, nasceu uma segunda vez, na humanidade, para nos fazer nascer uma vez mais, na fonte batismal, para a vida divina. "Embora cada um tenha sido chamado num momento determinado para fazer parte do povo do Senhor, e todos os filhos da Igreja sejam diversos na sucessão dos tempos, a totalidade dos fiéis, saída da fonte batismal", explica ainda o Papa Leão, "também nasceu com ele neste Natal".

Nasce nesta Oitava, portanto, não só o Cristo, mas cada cristão em particular. Celebrar essa solenidade não significa simplesmente recordar um acontecimento do passado, mas algo que toca concretamente a nossa própria história. Puer natus est nobis, "um menino nasceu" verdadeiramente, não para servir de enfeite nos presépios, não para trazer um feriado de fim de ano, não para entrar nas páginas frias dos livros de história; nasceu sim, mas "para nós", para nos salvar, para mudar e transformar por completo a nossa vida.

Ao passarmos em família ou em amigos as festividades deste fim de ano, não nos esqueçamos dessas verdades que dão sentido não só ao Natal e ao Ano-Novo, mas a toda a nossa existência.

Dos Sermões de São Leão Magno, papa
(Sermo 6 in Nativitate Domini, 2-3, 5: PL 54, 213-216)

O Natal do Senhor é o Natal da paz

O estado de infância, que o Filho de Deus assumiu sem considerá-la indigna de sua grandeza, foi-se desenvolvendo com a idade até chegar ao estado de homem perfeito e, tendo-se consumado o triunfo de sua paixão e ressurreição, todas as ações próprias do seu estado de aniquilamento que aceitou por nós tiveram o seu fim e pertencem ao passado. Contudo, a festa de hoje renova para nós os primeiros instantes da vida sagrada de Jesus, nascido da Virgem Maria. E enquanto adoramos o nascimento de nosso Salvador, celebramos também o nosso nascimento.

Efetivamente, a geração de Cristo é a origem do povo cristão; o Natal da Cabeça é também o natal do Corpo.

Embora cada um tenha sido chamado num momento determinado para fazer parte do povo do Senhor, e todos os filhos da Igreja sejam diversos na sucessão dos tempos, a totalidade dos fiéis, saída da fonte batismal, crucificada com Cristo na sua Paixão, ressuscitada na sua Ressurreição e colocada à direita do Pai na sua Ascensão, também nasceu com ele neste Natal.

Todo homem que, em qualquer parte do mundo, acredita e é regenerado em Cristo, liberta-se do vínculo do pecado original e, renascendo, torna-se um homem novo. Já não pertence à descendência de seu pai segundo a carne, mas à linhagem do Salvador, que se fez Filho do homem para que nós pudéssemos ser filhos de Deus.

Se ele não tivesse descido até nós na humildade da natureza humana, ninguém poderia, por seus próprios méritos, chegar até ele.

Por isso, a grandeza desse dom exige de nós uma reverência digna de seu valor. Pois, como nos ensina o santo Apóstolo, "nós não recebemos o espírito do mundo, mas recebemos o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos os dons da graça que Deus nos concedeu" ( 1Cor 2, 12). O único modo de honrar dignamente o Senhor é oferecer-lhe o que ele mesmo nos deu.

Ora, no tesouro das liberalidades de Deus, que podemos encontrar de mais próprio para celebrar esta festa do que a paz, que o canto dos anjos anunciou em primeiro lugar no nascimento do Senhor?

É a paz que gera os filhos de Deus e alimenta o amor; ela é a mãe da unidade, o repouso dos bem-aventurados e a morada da eternidade; sua função própria e seu benefício especial é unir a Deus os que ela separa do mundo.

Assim, aqueles que "não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus mesmo" ( Jo 1, 13), ofereçam ao Pai a concórdia dos filhos que amam a paz, e todos os membros da família adotiva de Deus se encontrem naquele que é o Primogênito da nova criação, que não veio para fazer a sua vontade, mas a vontade daquele que o enviou. Pois a graça do Pai não adotou como herdeiros pessoas que vivem separadas pela discórdia ou oposição, mas unidas nos mesmos sentimentos e no mesmo amor. É preciso que tenham um coração unânime os que foram recriados segundo a mesma imagem.

O Natal do Senhor é o natal da paz. Como diz o Apóstolo, Cristo é a nossa paz, ele que de dois povos fez um só (cf. Ef 2, 14); judeus ou gentios, "em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai" (Ef 2, 18).

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categoria: Notícias

Água benta salva atriz de Harry Potter da morte

A sua morte era dada como certa. Mas, milagrosamente, Lucy Hussey-Bergonzi voltou à vida, depois que um padre aspergiu água benta sobre a sua cabeça.

A sua morte era dada como certa. Mas, milagrosamente, Lucy Hussey-Bergonzi voltou à vida, depois que um padre aspergiu água benta sobre a sua cabeça, durante o rito batismal.

Em 2009, a atriz infantil Lucy Hussey-Bergonzi, então com 13 anos, foi vítima de uma hemorragia cerebral muito forte, dias depois de uma participação relâmpago no filme Harry Potter e o Enigma do Príncipe.

Oriunda de Hackney, região leste de Londres, a jovem garota foi levada às pressas ao hospital e mantida viva à base de aparelhos. Cinco dias depois, os seus pais descobriram que ela não iria sobreviver.

"Nada teria me preparado para o dia em que ela foi levada ao hospital. Estávamos tão assustados, que eu queria simplesmente fugir com ela dali", conta a mãe, Denise, ao Dailymail. "Eu achava que estávamos em um pesadelo e que, a qualquer minuto, eu iria acordar e Lucy estaria bem. Quando chegamos ao hospital, uma enfermeira veio e me disse que eu tinha que deixar a sala. Quando eu falei: 'Não vou sair', disseram-me que Lucy estava em coma e sobrevivendo por aparelhos. Eu não fazia ideia de que aquilo era tão sério. O mundo todo parecia cair à minha volta."

A jovem Lucy foi vítima de hemorragia cerebral, decorrente de uma rara malformação arteriovenosa (MAV) no cérebro. Trata-se de um conjunto de vasos sanguíneos anormais que permanecem despercebidos até o momento em que estouram. O diagnóstico para essas situações é geralmente fatal.

Depois de duas cirurgias de emergência no Hospital Great Ormond St., Denise foi avisada pelos médicos que era hora de dizer "adeus" à sua filha.

"No dia seguinte à segunda operação, eu me virei ao meu marido, Robert, e disse-lhe: 'Nós temos que batizá-la'. Naquela altura, eu realmente achava que ela ia morrer e queria dar-lhe o melhor para a vida futura", diz a mãe.

Toda a família se reuniu para rezar por Lucy, no que parecia ser um de seus instantes finais. Assim que o padre aspergiu a água benta na menina, todavia, algo diferente aconteceu. "Estávamos ao lado de sua cama rezando e assistindo ela prestes a ser batizada. Então, no momento em que o padre colocou a água benta na cabeça de Lucy, o braço dela subitamente se moveu", conta Denise. "No começo, achei que ela estivesse tendo um ataque, mas, dentro de um dia, ela não precisava mais de nenhum tubo ou aparelho. Pode ser que ela estivesse se recuperando mesmo, mas, da forma como aconteceu, até as enfermeiras disseram que foi um milagre. Quando perguntei aos médicos por que ela tinha voltado, eles disseram que não podiam explicar e, até hoje, eles não sabem como ou por que ela se recuperou".

Dentro de um dia, Lucy estava curada e livre das máquinas, deixando toda a equipe médica atônita, à procura de explicações. O sacramento do Batismo não tinha operado apenas a cura da sua alma, mas também a sua cura física, restaurando, junto com a vida sobrenatural, a vida terrena que ela estava prestes a perder.

Não obstante a sua incrível reascensão à beira da morte, Lucy ainda teve que aprender de novo como falar, andar e até comer e beber. Por quase quatro meses, ela batalhou para voltar à saúde, sendo transferida para a unidade infantil do Hospital Real de Londres.

Hoje, com 17, Lucy está pouco a pouco reconstruindo a sua vida, apesar do sofrimento com várias dores de cabeça e uma dormência do lado de sua mão direita.

"Eu tenho dores de cabeça e há efeitos colaterais da minha medicação que me têm feito perder muito peso. Apesar disso, eu me sinto bem", ela revela. "Aprender a andar e falar de novo deve ter sido difícil, mas eu não me lembro muito bem disso. Lembro apenas de meus amigos e familiares sendo amáveis e prestativos comigo. Não sei como explicar o modo como saí do coma. Nunca ouvi falar de nada parecido antes. Os médicos ficavam falando que era um milagre, que pessoas com hemorragia cerebral geralmente não sobrevivem. Eu penso que foi mesmo um milagre, não consigo pensar em outra explicação."

Fonte: Dailymail | Tradução e adaptação: Equipe CNP

| Categoria: Igreja Católica

Padrinhos, pais segundo Deus

Os padrinhos têm grave dever de educar seus afilhados segundo a verdade de Cristo

O papel dos padrinhos na formação dos cristãos é mais antigo do que se imagina. A tradição remonta ao século quarto, quando a Igreja tinha de enfrentar as perseguições romanas e as heresias pagãs. A eles cabia o dever de instruir os catecúmenos na fé católica, preservando-os dos erros que pululavam na comunidade. E no caso das crianças, além de professarem a fé em nome delas, recebiam a responsabilidade de educá-las conforme a doutrina perene dos santos apóstolos.

O decreto Ad Gentes, do Concílio Vaticano II, procurou enfatizar esse significado do apadrinhamento, recordando que a iniciação cristã no catecumenato não é obra apenas dos sacerdotes ou dos catequistas; é "de toda a comunidade dos fiéis, especialmente dos padrinhos, de forma que desde o começo os catecúmenos sintam que pertencem ao Povo de Deus"01. Assim se expressava também o Pastor Angelicus na Encíclica Mystici Corporis. Segundo Pio XII, os padrinhos e madrinhas "ocupam um posto honorífico, embora muitas vezes humilde, na sociedade cristã, e podem muito bem sob a inspiração e com o favor de Deus subir aos vértices da santidade"02.

As palavras do venerável Papa são um verdadeiro alento, além de um sutil, porém necessário, puxão de orelha. Os padrinhos são chamados à santidade de vida. Não é da alçada deles a compra de presentes, mas a instrução na fé católica, porquanto "uma criança não é capaz de um ato livre de fé: ainda não a pode confessar sozinha e, por isso mesmo, é confessada pelos seus pais e pelos padrinhos em nome dela."03 Numa época dominada pelas falsas filosofias de vida e pelos erros ideológicos, exaustivamente pregados nas escolas e na imprensa, reavivar o sentido do apadrinhamento na fé católica parece tarefa imprescindível.

O Código do Direito Canônico dispõe algumas normas para que se escolha o padrinho do batizando. Em primeiro lugar, obviamente, exige-se que "seja católico, confirmado e já tenha recebido a Santíssima Eucaristia, e leve uma vida consentânea com a fé e o múnus que vai desempenhar".04 Depois, que "não esteja abrangido por nenhuma pena canônica legitimamente aplicada ou declarada". Ora, ao contrário do que possa parecer, não são regras absurdas. Como dito anteriormente, aos padrinhos cabe a missão de "assistir na iniciação cristã" e "esforçar-se por que o batizado viva uma vida cristã consentânea com o batismo e cumpra fielmente as obrigações que lhe são inerentes".

Os padrinhos são muito mais que uma posição social; são pais segundo Deus, pois no batismo morre o "homem velho" e nasce o "homem novo". E como verdadeiros pais, têm o grave dever de transformar seus filhos em soldados de Cristo, educando-os na escola de santidade dos grandes santos da Igreja.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Decreto Ad Gentes sobre a atividade missionária da Igreja
  2. Carta encíclica Mystici Corporis do Sumo Pontífice Papa Pio XII
  3. Carta encíclica Lumen Fidei do Sumo Pontífice Francisco
  4. Código de Direito Canônico>

| Categoria: Testemunhos

Ex-protestante testemunha a alegria de ser católico

Testemunho de um ex-protestante que se converteu assistindo aos nossos vídeos: "Só existe plenitude da vida cristã dentro da Santa Igreja Católica e praticando seus sacramentos."

Desde o início deste apostolado, o site Padre Paulo Ricardo colocou-se na esteira dos ensinamentos dos grandes santos para propagar no Brasil a mensagem de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ao longo desses anos, pudemos quase que sentir o toque de cada oração e expressão de amizade que se desenvolveu com cada um de nossos leitores, assinantes e amigos. Por isso, sentimo-nos muito gratos quando percebemos que as sementes do Evangelho que espalhamos por tantos corações começaram a germinar e a dar frutos.

Como já foi dito por aqui, a Palavra de Deus não é algo a ser defendido. A Palavra de Deus é um leão que só precisa ser solto. Ele faz o trabalho. Assim, esta é a nossa única missão: espalhar a Palavra de Deus para que a tenhamos como leão que ruge neste país. E neste sentido, não se pode temer, não se pode negociar a fé, não se pode recear proclamar e professar Jesus Cristo.

É por isso que gostaríamos de compartilhar com todos os nossos amigos do site este belíssimo testemunho. É a história de um rapaz que, após anos de busca e estudo, finalmente chegou à certeza de que "só existe plenitude da vida cristã dentro da Igreja Santa Católica e praticando seus sacramentos". Leiam:

Salve Rainha!
A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo a todos!

Olá, pessoal do suporte do blog,

Chamo-me Dênis, tenho 26 anos e sou da cidade de São José de Rio Preto/SP. Estou enviando este e-mail para contar sobre a minha conversão. Ainda não sei bem ao certo os motivos que me levaram a querer escrever o testemunho, mas, em parte, sinto muita vontade de agradecer ao Padre Paulo e a toda a equipe por esse belíssimo trabalho de evangelização e esclarecimento dos cristãos.

Nasci sob uma educação cristã, meus pais eram da Congregação Cristã no Brasil, mas, com o passar dos anos, a rotina aos cultos da igreja foram diminuindo e, mais precisamente quando tinha 12 anos, quando meu pai foi assassinado, sofremos a maior queda de nossas vidas. Desse momento em diante, eu, minha mãe e meu irmão só fomos nos afastando, cada vez mais, da graça e da convivência perto de Deus. Com o passar dos anos, o coração só foi sendo contaminado cada vez mais, com raiva e ódio por ter perdido meu pai de tal maneira. As brigas aumentavam em casa, a desunião tomou conta da família por muitos anos, até que o mínimo de respeito e compreensão começassem a ser restabelecidos novamente.

Então, com 18 para 19 anos, fui para São Paulo estudar. Profissionalizei-me, comecei a trabalhar e eis que tudo parecia começar a tomar rumo na minha vida. Bom, ao menos era o rumo que eu queria.

Minha vida começou a ser o trabalho, horas exaustivas de trabalho, pois achava que seria isso o que traria um bom fundamento em todas as outras áreas, se fosse alguém bem sucedido e com uma vida financeira estabilizada conseguiria ajeitar todo o resto facilmente. Tinha uma namorada que pensava da mesma forma, e caminhávamos juntos sobre esses preceitos. Mas, por todos esses anos, o meu coração sempre estava inquieto, nunca batia na mesma direção que meu raciocínio e minhas condutas estavam me levando.

Por mais que minha vida material avançasse e fosse agregando bens a ela, nunca me sentia completo, ainda assim me permanecia um aspecto de morte interior. Quando completei 24 anos, foi aí que caí do cavalo bonito. Descobri que tinha um tumor no intestino e precisei me afastar do trabalho. Morava em São Paulo, mas só tinha condições de me tratar em Rio Preto e nessas condições minhas economias foram se acabando, meu antigo relacionamento foi se dificultando ao ponto de tudo na minha vida zerar. Meu dinheiro tinha se acabado em virtude dos tratamentos e tantas outras despesas, minha vida profissional ficou paralisada, meu antigo relacionamento se acabou.

Bom, em vista de todas essas dificuldades, não me vinha outra coisa na cabeça senão buscar a Deus para encontrar forças para suportar essa fase. Então comecei a frequentar novamente a Congregação Cristã no Brasil, pois era a única igreja com a qual eu era familiarizado, nunca tinha frequentado nenhuma outra. E foi então que comecei a viver esta experiência através da oração e sentir a consolação Divina, foi então que meu coração já não mais batia em outra direção, mas adorava repousar nas mãos do Pai, foram momentos maravilhosos e breves esses que duraram por alguns dias, aconteceram outros episódios também, mas de maneira tão pessoal que nem sei como poderia explicá-los. Mas, enfim, a história não acaba aí: comecei então a querer me batizar, pois, como vocês sabem, os evangélicos não batizam crianças e, quando eu tinha idade para o fazer, já me encontrava bem afastado.

Comecei então a rezar pedindo a Deus que me desse a graça de me levar às águas do batismo quando fosse do agrado d'Ele, pois interiormente me sentia confuso com certos preceitos da Congregação Cristã no Brasil e, sinceramente, nunca consegui ver sentido nas pessoas que saem pulando de uma religião para outra, de um batismo para outro, como se o Deus que ela tivesse encontrado fosse falso, mesmo a maioria das igrejas protestantes sendo o batismo pela Santíssima Trindade, isso nunca entrou na minha cabeça!

E sempre pedi a Deus que queria conhecê-lo verdadeiramente, para que não me deixasse ser enganado por falsas doutrinas ou doutrinas incompletas. Então grandes dúvidas começaram a assaltar meu coração, dúvidas de toda alma, do pecado original. Porque eu ouvia testemunhos de evangélicos que se tornavam católicos em vista de milagres e vice-versa, então eu pensava: "oras, isso tudo é uma maçaroca só, Deus age em todos, basta buscar sinceramente!"

Foram dúvidas que me traziam a dificuldade para crer em Deus, porque pensava: "ora, se Deus é perfeição e não erra em seus julgamentos, nunca teria deixado mais de uma igreja verdadeira e se os milagres são de certa forma, Deus falando mais grosso para dar uma direção pra gente aqui na terra, bom, então, haveria de se dar créditos visto que se tem testemunhos de milagres extraordinários em igrejas protestantes. Ao menos eu os escutava na Congregação Cristã no Brasil".

Bom, em vista disso ao menos eu não deixava de perseverar nas orações e na busca do entendimento das Sagradas Escrituras. E no meu coração eu começa a me sentir sugestionado a estudar...e foi o que fiz.
Comecei a estudar primeiramente a história da Congregação Cristã no Brasil, pois eu frequentava a igreja e nem ao menos sabia da história dela. Tamanha ignorância! Logo em seguida comecei a estudar a Santa Igreja Católica e a Reforma Protestante e comecei a entender a desfragmentação da coisa e a distorção que foram acarretando o surgimento de tantas denominações.

Nessa época já acompanhava seu blog, e obtinha muitas respostas através de seus programas, mesmo frequentando igreja evangélica na época, não ia atrás nem tinha o desejo de ofender outros credos, acusando-os de idólatras e outras coisas, mas simplesmente queria respostas e entender a fundo o porquê das coisas!

E devo dizer, Padre Paulo, que todo programa quando ouvia o senhor dizendo: "Pois bem, meu amiguinho protestante"... Eu, então, fazia de tudo para que os protestantes entendessem o pensamento da Santa Igreja, devo dizer que sempre caía na risada, porque eu era um amiguinho protestante na época.

Em certo tempo recebi um convite de um amigo que era católico e que hoje é meu padrinho. Um convite para irmos a um retiro espiritual num Carmelo em Minas Gerais, no qual Deus veio me dar a graça de conhecer os frades, e lá poder esclarecer minhas dúvidas, poder entender as riquezas da Santa Igreja também. Foi quando comecei a ter um contato mais próximo com o Santíssimo Sacramento enquanto fazíamos a Liturgia das Horas. Quando voltei já estava bem saturado de tudo, tinha estudado a história, tinha lido vários livros de Santos, alguns me marcaram bastante como Santa Edith Stein, "Ciência da Cruz", Santa Faustina, Padre Pio, Santa Teresa de Jesus, Madre Teresa de Calcutá etc.

E já se havia passado um ano dessa busca lendo refletindo e principalmente pedindo a Deus em oração a graça do Batismo, então eu cessei, tinha me cansado de buscar e ler tantas coisas e não chegar num parecer sobre qual religião eu seguiria e me batizaria.

Parei totalmente, já não lia nem via mais nada ligado à religião, pois já se tinha passado um ano pedindo o Batismo a Deus e nada acontecia, ao invés disso, as minhocas só pareciam crescer na minha cabeça.

Então, dias depois, quando estava em oração, quando eu insistia em pedir o Batismo a Deus, comecei a sentir uma alegria no coração, eu simplesmente sabia que era em relação ao Batismo, mas não sabia a maneira que se daria. Então eu dizia a Deus: "Mas Senhor, eu não vejo luz, estou confuso mais do que nunca e não vejo como poderia se dar o Batismo em certa altura!"

E em sua doçura e amor, Deus me dava esse sentimento de alegria acerca do Batismo que estava chegando, era tudo que sentia, nem sei explicar, eu sabia que se daria, mas não sabia quando, nem como, nem onde!

Dias depois de estar mergulhado nessa sensação, era por volta de 15h, senti um desejo incontrolável de ir à Capela do Santíssimo, um desejo tão forte de me ajoelhar em frente ao Santíssimo e apenas ficar ali, adorando o Senhor! Bem, o desejo foi tanto, que larguei o trabalho e corri para a paróquia, isso era uma tarde de quinta-feira.

Depois de uma breve adoração, me dirigi à secretaria e disse que gostaria de fazer as aulas de Catecismo para me Batizar, e então, pela Divina Providência, talvez para não me restarem dúvidas a secretária me disse: "Olha, você buscou na hora certa, porque vamos começar uma turma na segunda-feira, essa será a última turma do ano".

Então, irmãos, no dia 10/11/2012 recebi com grande alegria o sacramento do batismo e logo no dia seguinte Crisma e 1a. Comunhão! Bom, Padre Paulo e todos os que lerem isto, não consigo nem descrever a alegria que tenho em meu coração de ser Católico, a certeza que tive no coração com tudo isso é de que só existe plenitude da vida cristã dentro da Igreja Santa Católica e praticando seus sacramentos.

Eu acredito que não seja o único que já tenha lhe escrito pra te contar isso e muito menos que serei o último. Mas escrevo para agradecer, pois me lembro bem que disse certa vez que orava todas as noites pela conversão dos evangélicos, bem estou te agradecendo pois uma dessas orações me atingiu rsss.... e também para dar testemunho na esperança que lhe sirva como combustível para continuar na luta!

Um grande abraço, que Deus o abençoe e guarde todos vocês! E, Padre, se algum dia for vir pra Rio Preto, espero que Deus me dê a graça de conhecê-lo.

Paz e Bem!