| Categoria: Igreja Católica

Anticatolicismo na Inglaterra: a história de terror que empequenece a Inquisição

A repressão religiosa contra cristãos provocou na Inglaterra mais mortes do que na Espanha, onde “morreram acusadas de heresia menos pessoas do que em qualquer país da Europa”.

“Prisão e morte dos dez membros da cartuxa de Londres", de Vicente Carducho.

A Inquisição Espanhola permanece até os dias de hoje como a representação máxima de intolerância religiosa no imaginário popular. A "lenda negra", sob cujos alicerces se construiu a propaganda holandesa e inglesa, em muito contribuiu para confirmar esta idéia, escondendo debaixo do tapete os dados que demonstram que a perseguição religiosa durante os séculos XVI e XVII no resto da Europa alcançou cifras assustadoras. Dizer que a Inquisição era um dos tribunais europeus que mais garantias processuais oferecia, muito mais do que a justiça civil, significa literalmente que em alguns países a intolerância religiosa foi praticada sem freios nem obstáculos legais.

A queima de católicos orquestrada por Calvino (somente em Genebra mandou executar, num espaço de vinte anos, a 5% da população), a caça às bruxas na Alemanha, a guerra civil vivida na França… Todos os reinos do período protagonizaram exemplos de barbárie de todo tipo. Mas o que tornou especialmente chamativo o caso inglês, nos reinados de Henrique VIII e Isabel Tudor, é que do êxito em liquidar o Catolicismo dependia, de forma direta, a sobrevivência da monarquia. Isabel I era fruto de um matrimônio — o de Henrique VIII e Ana Bolena — que dera início a um cisma na Igreja, o que a convertia numa bastarda, caso fracassasse a causa anglicana.

A Rainha Virgem não poupou violência para manter-se no poder e reduzir a cinzas o ressurgimento do Catolicismo que Filipe II e sua esposa inglesa, Maria Tudor, sonharam em meados do século XVI.


Mesmo com a total discrepância entre o reinado de Maria Tudor e o terror da época de sua irmã Elizabeth, que perseguiu sistematicamente os católicos na Inglaterra, quem foi que recebeu da história o epíteto de "sanguinária"?

Ninguém menos que Maria I, evidentemente. E isso pelo simples fato de ela ser… católica [1]. É o que Padre Paulo Ricardo explica neste trecho de uma aula exclusiva sobre a Inquisição:


Um banho de sangue por intolerância religiosa

Henrique VIII deu início à perseguição aos católicos em 1534 com o Ato de Supremacia, que o elevava a chefe absoluto da Igreja da Inglaterra e declarava traidores a quantos simpatizassem com o Papa de Roma. Uma longa lista de altos cargos da Igreja rejeitaram a medida e foram devidamente executados, entre eles Thomas More e o bispo John Fisher. Todas as propriedades da Igreja passaram a mãos reais.

Em 1535, em plena onda de repressão, foram esquartejados os monges da Cartuxa de Londres com o seu prior, John Houghton, à frente. Foram enforcados e mutilados na tristemente célebre praça de Tyburn, como exemplos contra uma ordem caracterizada por sua austeridade e simplicidade. O balanço final foi de 18 homens, todos reconhecidos oficialmente pela Igreja Católica como verdadeiros mártires. Do mesmo modo, o fracasso de uma rebelião católica contra o Rei terminou, em 1537, com a condenação à morte de outras 216 pessoas, 6 abades, 38 monges e 16 sacerdotes.

O sofrimento mudou de bando por um tempo com a subida ao trono de Maria Tudor, após o falecimento de seu único irmão homem, Eduardo VI. A "rainha sanguinária" nunca se esqueceria de que, com o divórcio de seus pais, em 1533, teve de renunciar ao título de princesa e de que, um ano depois, uma lei do Parlamento inglês a excluiu da sucessão em favor da princesa Isabel. Sob o reinado de Maria e seu marido, Filipe II de Espanha, foram executados por heresia quase 300 homens e mulheres entre fevereiro de 1555 e novembro de 1558. Muitos daqueles perseguidores fizeram parte da traumática infância de Maria, a começar por Thomas Cranmer, que, sendo arcebispo de Cantuária, autorizou o divórcio de Henrique VIII e Catarina de Aragão.

A morte prematura de Maria trouxe ao poder sua irmã Isabel, em 1558. A esposa de Filipe II a nomeou herdeira em seu testamento com a esperança de que ela abandonasse o protestantismo, sem suspeitar de que aquilo implicaria a ruína do Catolicismo nas Ilhas Britânicas. Em pouco tempo, Isabel virou às avessas os esforços do anterior reinado e se entregou a uma caça a católicos por todo o país. Como explica María Elvira Roca Barea, em seu livro "Imperiofobia e Leyenda Negra" (sem tradução para o português), as perseguições aos católicos ingleses provocaram mil mortos, entre religiosos e leigos, em contraste com o que se passou na Espanha, onde "morreram acusadas de heresia menos pessoas do que em qualquer país da Europa" [2].

O sistema inglês de denúncias vicinais

O reinado de Isabel I começou com o restabelecimento do Ato de Supremacia, que tornava obrigatória a assistência aos serviços religiosos do novo culto. Em caso de falta, as sanções iam da flagelação à morte. Não por acaso, o Estado promovia um sistema de delações de modo que os que não denunciavam seus vizinhos poderiam parar eles mesmo na prisão. O alvo eram não apenas os católicos, mas também os calvinistas, quakers, batistas, congregacionalistas, luteranos, menonitas e outros grupos religiosos que, na maioria dos casos, se viram forçados a fugir para a América. Só em tempos de Carlos II de Estuardo mais de 13.000 quakers foram encarcerados e seus bens, expropriados pela Coroa.

Em 1585, o Parlamento estabeleceu um prazo de quarenta dias para que os sacerdotes católicos, sob ameaça de morte, deixassem o país e se proibiu a celebração da Missa inclusive de forma privada. Não obstante, a repressão aumentou com o fracasso da Grande Armada de Filipe II em 1588 e o sistema de delação chegou a níveis "nunca sonhados pela Inquisição". Como assinala Roca Barea, o sistema de espionagem vicinal permitiu um estrito controle individual e dos movimentos e viagens de conhecidos, parentes e viajantes. Em questão de dez anos, a repressão conseguiu apagar definitivamente o Catolicismo da Inglaterra.

Toda uma série de supostos complôs católicos, sempre confusos e baseados em rumores, justificaram que a Coroa recrudescesse a repressão de forma periódica. O grande incêndio de Londres em 1666 foi imputado aos católicos e desencadeou uma nova perseguição. Entre 1678 e 1681, uma suposta conjuração atribuída a Titus Oates deu lugar a ferozes caças.

Paralelamente a estes acontecimentos, a Irlanda serviu-se do Catolicismo como forma de resistência ao domínio inglês. A religião era tão-só um fator a mais na guerra por manter a Inglaterra a uma distância prudencial, mas intensificou a violência e o ódio ao ponto de converter o conflito em um banho de sangue. Estima-se que um terço da população irlandesa sofreu as consequências mortais do envolvimento da Irlanda na guerra civil de 1636 entre monarquistas e republicanos ingleses. Oliver Cromwell não teve nunca piedade dos rebeldes irlandeses vinculados ao Catolicismo, confissão pela qual sentia certa antipatia pessoal.

Por César Cervera — ABC História | Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere

Notas do Tradutor

  1. Na mesma linha da crítica feita pelo Padre Paulo Ricardo ao tratamento que a historiografia protestante dispensou a Maria I da Inglaterra, a filha católica de Henrique VIII, leia-se um excelente artigo publicado já há um tempo em The Telegraph, pelo escritor Gerald Warner. Dele destacamos o seguinte: "Maria I queimou, de acordo com o Livro dos Mártires, de John Fox, 284 hereges protestantes, cifra que, dada a fonte, certamente não foi subestimada. Enquanto isso, estimativas do número de execuções realizadas por Henrique VIII variam de 57 aos 72 mil alegados nas Crônicas de Raphael Holinshed (...). Então, por que é Maria chamada de 'sangrenta', e não o seu pai, quando as execuções ordenadas por ele excederam as de suas filha em mais de 56 mil, para dizer o mínimo? Por que não 'Henrique, o Sangrento'? Obviamente, porque ele foi o fundador da Igreja da Inglaterra."
  2. Para um exame detalhado do que foi a Inquisição Espanhola, reportamos os nossos visitantes e alunos à aula de que dispomos, em nosso site, especificamente sobre esse tema. Segundo o historiador Edward Peters, estima-se que o número de penas capitais cominadas pelo Santo Ofício na Espanha, ao longo de 250 anos, não tenha ultrapassado a casa dos 3 mil. Se as mil execuções de que fala María Elvira Roca Barea forem verdadeiras, portanto, trata-se de uma cifra evidentemente menor que os números da Inquisição Espanhola; proporcionalmente falando, porém, o reino de Elizabeth foi quase duas vezes mais sangrento, numa razão de 22 para 12 execuções anuais.

| Categorias: Padre Paulo Ricardo, Notícias, Cursos

Curso interativo sobre a Inquisição

​Quem quer que assuma o desafio de defender a fé católica, mais dia ou menos dia, terá que se confrontar com o tema da Inquisição

Quem quer que assuma o desafio de defender a fé católica, mais dia ou menos dia, terá que se confrontar com o tema da Inquisição. Não importa quem seja o interlocutor no debate: marxistas ou liberais, protestantes ou ateus, estão todos prontos para acusar a Igreja com essa página aparentemente "obscura" da sua existência. Como responder a essas pessoas? O que realmente foi a Inquisição e qual a sua história? O que dizer sobre esse assunto, sem disfarçar a verdade e varrê-la para debaixo do tapete?

Encontre a resposta para essas e muitas outras perguntas no curso interativo sobre a Inquisição, a realizar-se dos dias 27 de abril a 1º de maio, no site padrepauloricardo.org. As aulas serão transmitidas ao vivo, todos os dias, a partir das 21h. O curso é interativo, os alunos poderão participar das aulas, enviando as suas perguntas. Se você não vai conseguir assistir às transmissões ao vivo, fique despreocupado. As gravações, em HD, ficarão disponíveis na mesma semana para todos os inscritos.

Para participar do curso, basta ser nosso aluno e estar com a assinatura em dia.

Se você ainda não é nosso aluno, não perca mais tempo! Inscreva-se hoje mesmo em nosso site. Fazendo isso, além do curso sobre a Inquisição, você terá acesso irrestrito a todos os conteúdos disponíveis no site.
Clique aqui para fazer sua inscrição

Você já tem uma assinatura, mas ela ainda não está ativa? Não tem problema! Acesse agora mesmo sua conta e realize o processo de ativação.
Clique aqui para entrar e ativar sua assinatura

Você não se lembra de sua senha?
Clique aqui para renová-la

Espalhe essa notícia!

Obrigado por fazer parte de nossa família!