CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
“O maior e pior cativeiro é o da alma”
Espiritualidade

“O maior e pior cativeiro é o da alma”

“O maior e pior cativeiro é o da alma”

“O maior, e pior cativeiro é o da Alma”. Jesus Cristo “não trouxe nem a paz para o mundo, nem o bem-estar para todos nem um mundo melhor”; o que Ele veio nos trazer foi Deus. Não nos esqueçamos disso.

Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Junho de 2020Tempo de leitura: 8 minutos
imprimir

Cogitatiónes Cordis eius in generatióne et generatiónem: ut éruat a morte ánimas eórum et alat eos in fame, “Os pensamentos do seu Coração foram, através das gerações, arrancar as almas da morte e saciá-las da fome” (Sl 32, 11.19): eis a antífona que a liturgia da Missa de hoje, solenidade do Sagrado Coração de Jesus, propõe-nos à meditação. 

Os pensamentos do coração humano do Verbo eterno de Deus são apresentados, aqui, abarcando a humanidade inteira, pois foi para salvar, afinal, todos os homens, de todas as épocas, que Ele se encarnou. Nas palavras de Pio XII, “pela visão beatífica de que gozou apenas concebido no seio da Mãe Santíssima, tem continuamente presente todos os membros do seu corpo místico e a todos abraça com amor salvífico” (Mystici Corporis, n. 75). 

Isso significa que os pensamentos do Coração de Jesus, durante sua vida terrenal, dirigiram-se não só à Virgem Maria e aos Apóstolos, aos homens de seu tempo e aos primeiros discípulos: no retirar-se para rezar, nos milagres que realizava, nos trabalhos que fazia, Jesus pensava em mim, pensava em você. E a finalidade de suas palavras e obras era nada menos que arrancar-nos da morte e saciar-nos da fome

Se todos continuam a morrer, no entanto, e muitas pessoas continuam não tendo o que comer, teriam ficado os pensamentos de Deus “só no pensamento”? Teria sido em vão a obra de Jesus Cristo? O Pe. Antônio Vieira, pregando aos escravos em um de seus sermões sobre o Rosário (XXVII, 4) esclarece que o cativeiro de que veio libertar-nos Jesus não é o do corpo, senão o da alma:

Assim como o homem se compõe de duas partes, ou de duas metades, que são corpo, e Alma, assim o cativeiro se divide em dois cativeiros: um cativeiro do corpo, em que os corpos involuntariamente são cativos, e escravos dos homens; outro cativeiro da Alma, em que as Almas por própria vontade se vendem, e se fazem cativas, e escravas do Demónio. E porque Eu vos prometi que a Virgem, Senhora nossa do Rosário, vos há de libertar, ou forrar, como dizeis, do maior cativeiro; para que conheçais bem quanto deveis estimar esta alforria, importa que saibais, e entendais primeiro qual destes dois cativeiros é o maior. A Alma é melhor que o corpo, o Demónio é pior Senhor que o homem, por mais tirano que seja; o cativeiro dos homens é temporal, o do Demónio eterno; logo nenhum entendimento pode haver, tão rude, e tão cego, que não conheça que o maior, e pior cativeiro é o da Alma [...].

E se buscarmos o princípio fundamental, por que Cristo sendo Redentor do género humano só veio remir, e libertar os homens do cativeiro das Almas, e não da servidão dos corpos, o fundamento claro, e manifesto é: porque para libertar do cativeiro dos homens, bastavam homens; para libertar do cativeiro do Demónio, e do pecado, é necessário todo o poder de Deus [...].

Os Discípulos de Emaús, e os outros mais rudes da Escola de Cristo, cuidavam que a Sua vinda ao mundo fora para “libertar os filhos de Israel da sujeição, e cativeiro dos Romanos”: Nos autem sperabamus, quia ipse esset redempturus Israel (Lc 24, 21); mas por isso mereceram o nome de “homens néscios, e de tardo, e baixo coração”: O stulti, et tardi corde (Ibid., 25). Porventura para libertar os filhos de Israel do jugo dos Romanos, faltava-Lhe a Deus uma vara de Moisés, uma queixada de Sansão, uma funda de Davi, uma espada do Macabeu? Mas estas armas, e estes braços, só bastam para libertar do cativeiro dos corpos; porém para o cativeiro das Almas, e para as libertar do jugo do Demónio, e do pecado, só tem forças, e poder o mesmo Deus, e esse com ambos os braços estendidos em uma Cruz. Vede, vede bem, quanto vai de cativeiro a cativeiro, de resgate a resgate, e de preço a preço. Com admirável energia o ponderou São Pedro, como se falara convosco, vendidos, e comprados por dinheiro. 

Scientes, quod non corruptibilibus, auro, vel argento redempti estis: sed pretioso Sanguine quasi agni immaculati Christi (1Pd 1, 18–19). Exorta o Apóstolos a todos que tratem da salvação de suas Almas, e de as conservar em graça: e para isso diz que consideremos que “não fomos resgatados com ouro, nem com prata, senão com o preço infinito do Sangue do Filho de Deus”. Nas quais palavras é muito digno de ponderar que não só nos manda São Pedro considerar o preço, por que fomos resgatados, senão também o preço, por que não fomos resgatados. O preço por que não fomos resgatados, que é o ouro e a prata: Non corruptibilibus, auro, vel argento; e o preço por que fomos resgatados, que é o Sangue do Filho de Deus: Sed pretioso Sanguine quasi agni immaculati Christi. Pois se para tratarmos com todo o cuidado, e vigilância, da Salvação de nossas Almas, o único, e maior motivo é a consideração de que Deus as resgatou com o Sangue de Seu próprio Filho; porque ajunta o Apóstolo na mesma consideração o preço, com que não foram resgatadas, que é o ouro, e a prata? Porque o seu principal intento nestes dois preços, que nos manda considerar, foi: para que da diferença dos resgates conhecêssemos a diferença dos cativeiros. Para resgatar do cativeiro do corpo, basta dar outro tanto ouro, ou prata, quanto custou o Escravo vendido. Mas para resgatar o cativeiro da Alma, quanto ouro, ou prata será bastante? Bastará um Milhão? Bastarão dois Milhões? Bastará todo o ouro de Sofala, e toda a prata do Potosi? Oh vileza, e ignorância das apreensões humanas! Se todo o mar se convertera em prata, e toda a terra em ouro; se Deus criara outro mundo, e mil mundos, de mais preciosa matéria que o ouro, e mais subidos quilates que os diamantes; todo este preço não seria bastante para libertar do cativeiro do Demónio, e do pecado, uma só Alma por um só momento. Por isso foi necessário que o Filho de Deus Se fizesse Homem, e morresse em uma Cruz, para que com o preço infinito de Seu Sangue pudesse resgatar, e resgatasse as Almas do cativeiro do Demónio, e do pecado. 

Na mesma linha, ensina o Papa Bento XVI em seu comentário teológico aos Evangelhos: 

Mas então o que é que Jesus realmente trouxe, se não trouxe nem a paz para o mundo, nem o bem-estar para todos nem um mundo melhor? O que é que Ele trouxe?

E a resposta é dada de um modo muito simples: Deus. Ele nos trouxe Deus. Ele trouxe aos povos da terra o Deus cujo rosto lentamente tinha antes se desvelado desde Abraão passando por Moisés e pelos profetas até a literatura sapiencial; o Deus que apenas em Israel havia mostrado o seu rosto e que, no entanto, tinha sido venerado sob múltiplas sombras entre os povos do mundo; este Deus, o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó, o verdadeiro Deus.

Ele nos trouxe Deus: agora conhecemos o seu rosto, agora podemos chamar por Ele. Agora conhecemos o caminho que como homens devemos percorrer neste mundo. Jesus trouxe Deus e assim a verdade sobre o nosso fim e a nossa origem; a fé, a esperança e o amor. Somente por causa da dureza do nosso coração é que pensamos que isso seja pouco. Sim, o poder de Deus é suave neste mundo, mas é o verdadeiro, o poder que permanece. Parece que as coisas de Deus se encontram sempre “em agonia”. Mas se mostram como o que realmente subsiste e redime. As riquezas do mundo que Satanás podia mostrar ao Senhor desmoronaram-se entretanto. A sua glória, a sua doxa revelou-se apenas aparência. Mas a glória de Cristo, a glória do seu amor, humilde e sempre disposta para o sofrimento, nunca se desmoronou e nunca perecerá [1].

Por fim, um complemento de outro teólogo recente:

Henri de Lubac notou certa vez que, na era moderna, o ódio por hereges religiosos arrefeceu. Mas isso se deu, ele explicava, não porque desenvolvemos corações mais caridosos. Ao contrário, o que fizemos foi simplesmente transferir nossos interesses e nossas inimizades para a política. Nossa verdadeira paixão hoje é o poder, e eliminar qualquer coisa que seja um obstáculo para o alcançarmos e o exercermos.

Essas são verdades que homens de todos os tempos precisam ouvir, porque a tentação de reduzir o Evangelho a um plano de transformação social, a um projeto de libertação meramente política, está sempre à espreita. É muito fácil que também nós incorramos no erro dos discípulos de Emaús, que se entristeceram por causa do “fracasso humano” de Jesus. Observando tudo o que acontece ao nosso redor apenas com os olhos da carne, o desânimo parece apossar-se de nós. Só com um olhar verdadeiramente de fé para vencermos essa inclinação que nos deprime e desorienta

Neste dia em que a Igreja presta um culto todo especial ao Sagrado Coração, recordando como os pensamentos de Nosso Senhor se voltaram a nós, elevemos também as nossas mentes a Ele, em oração, e meditemos no amor com que Ele amou a nós, que estamos no século XXI; a nós, que moramos no Brasil; a nós, vítimas da pandemia do coronavírus; a nós, vítimas de tantas mentiras e desinformações que circulam, tentando confundir-nos.

Nosso Senhor pensou em nós! “Os pensamentos do seu Coração” atravessam as gerações e chegam à nossa: também agora Ele quer “arrancar as almas da morte e saciá-las da fome”. Mas essa morte e essa fome são espirituais, e nosso inimigo verdadeiro é o demônio. Se ele conseguir tirar-nos da graça, afastar-nos de Deus, condenar-nos ao inferno, então ele terá cumprido com êxito seu papel, e o resto são apêndices. 

Não nos esqueçamos disso. E que os pensamentos do nosso coração estejam continuamente voltados ao Coração que nunca deixou de pensar em nós.

Referências

  1. Joseph Ratzinger. Jesus de Nazaré: do batismo no Jordão à transfiguração. São Paulo: Editora Planeta, 2007, p. 54.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Uma ladainha a São Luís Gonzaga
Oração

Uma ladainha a São Luís Gonzaga

Uma ladainha a São Luís Gonzaga

Esta é uma ladainha com invocações dirigidas a São Luís Gonzaga, “para obter todas as virtudes que convêm ao jovem cristão, principalmente o dom da castidade”.

Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Junho de 2020Tempo de leitura: 2 minutos
imprimir

Esta ladainha, com invocações dirigidas a São Luís Gonzaga (cuja memória a Igreja celebra no dia 21 de junho), é “para obter todas as virtudes que convêm ao jovem cristão, principalmente o dom da castidade”. Encontra-se no célebre livro de orações latinas Coeleste palmetum e foi traduzida por nossa equipe para essa publicação.

Uma objeção muito comum às ladainhas de santos é que elas são repetitivas e enfadonhas. A própria palavra “ladainha” é frequentemente usada em sentido pejorativo. A isso poderíamos responder simplesmente, parafraseando São Josemaría Escrivá (cf. Sulco 475): bendita monotonia de invocações, que purifica a monotonia de nossos pecados

Mas há mais: a ideia dessas orações tradicionais da Igreja é que, ao repetir dia após dia os títulos dos santos, sejamos estimulados a imitar as suas grandes virtudes. As ladainhas de São José, de Nossa Senhora, do Sagrado Coração de Jesus, e também esta de São Luís, constituem, portanto, uma verdadeira escola de santidade, à parte o valor que possuem de impetrar em nosso favor o auxílio desses grandes amigos de Deus.

Além desta prece que agora tornamos disponível, temos em nosso site uma outra prática tradicional de oração ao santo padroeiro da juventude: são as Seis súplicas a São Luís Gonzaga, que todos podem rezar, igualmente com grande fruto.


Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Pai celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós

Santa Maria, padroeira de São Luís, rogai por nós.
São Luís Gonzaga, rogai por nós.
São Luís, dotado das bênçãos de Deus, rogai por nós.
São Luís, repleto do Espírito Santo, rogai por nós.
São Luís, confessor digníssimo do Cristo, rogai por nós.
São Luís, adorador devotíssimo da Eucaristia, rogai por nós.
São Luís, escravo fidelíssimo da Virgem Maria, rogai por nós.
São Luís, depreciador generoso dos prazeres deste mundo, rogai por nós.
São Luís, exemplo de humildade, rogai por nós.
São Luís, amante da pobreza, rogai por nós.
São Luís, perfeito na obediência, rogai por nós.
São Luís, paciência admirável, rogai por nós.
São Luís, poderosíssimo no Céu, rogai por nós.
São Luís, terror dos demônios, rogai por nós.
São Luís, honra e glória da juventude, rogai por nós.
São Luís, modelo e padroeiro dos estudantes, rogai por nós.
São Luís, imitador da vida evangélica, rogai por nós.
São Luís, espelho das virgens, rogai por nós.
São Luís, consolador dulcíssimo dos aflitos, rogai por nós.
São Luís, saúde certíssima dos enfermos, rogai por nós.
São Luís, honra e ornamento da Companhia de Jesus, rogai por nós.
São Luís, esplendor da Igreja, rogai por nós.
São Luís, insigne por seus inúmeros milagres, rogai por nós.

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.

V. Rogai por nós, São Luís Gonzaga,
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. 

Oremos:
Ó Deus, fonte dos dons celestes, que reunistes no angélico jovem Luís Gonzaga a prática da penitência e a admirável pureza de vida, concedei-nos, por seus méritos e preces, imitá-lo na penitência, se não o seguimos na inocência. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Não volte a comungar sem ler esta carta antes!
Testemunhos

Não volte a comungar
sem ler esta carta antes!

Não volte a comungar sem ler esta carta antes!

Você pode até dizer a si mesmo que está tudo bem porque “Deus é amor” e o que realmente importa é o “sentido” por trás da Eucaristia... Mas a verdade é que quem comunga em pecado mortal “come e bebe a sua própria condenação”.

Freeland OliverioTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere18 de Junho de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir
Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do Corpo e do Sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo e, assim, coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o Corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação. Essa é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos. Se nos examinássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, sendo julgados pelo Senhor, ele nos castiga para não sermos condenados com o mundo (1Cor 11, 27–32).

Decidi escrever esta carta com o objetivo de me dirigir aos meus companheiros católicos sobre um assunto que me pareceu difícil de abordar. Estou assustado, porque todos estamos prestes a ir à Missa novamente. Mas meus temores não vêm das possíveis repercussões físicas do retorno à Missa. Eles são, antes, puramente espirituais.

Em agosto de 2019, o Pew Research Center publicou um artigo afirmando que apenas um terço dos católicos [norte-americanos] creem que o Santíssimo Sacramento é o verdadeiro Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo. Na verdade, de acordo com o artigo, quase 70% dos católicos creem que a Eucaristia é algum símbolo da Paixão de Cristo, e não o seu verdadeiro Corpo e Sangue. Isso é angustiante por várias razões, e uma das principais é o fato de tais crenças terem resultado em sacrilégios contra o Santíssimo Sacramento no mundo inteiro. 

Não sou teólogo. Não mergulharei no vasto e histórico significado da transubstanciação e na incompreensível beleza de cada Missa. Em vez disso, como leigo, recorro ao Catecismo da Igreja Católica:

Aquele que quiser receber Cristo na Comunhão eucarística deve encontrar-se em estado de graça. Se alguém tiver consciência de ter pecado mortalmente, não deve aproximar-se da Eucaristia sem primeiro ter recebido a absolvição no sacramento da Penitência (n. 1415).

De fato, comungar em estado de pecado mortal é, em si, um pecado mortal. No entanto, para aqueles que fazem parte dos 70% que não acreditam na Presença Real, é lógico que podem não se importar muito com essa ideia. Afinal de contas, se a Eucaristia não é realmente o Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Cristo, então é lógico que receber a Eucaristia em estado de pecado mortal não é realmente pecado mortal. Por que seria? É apenas pão, afinal de contas.

Devo dizer que sinto náuseas ao escrever isso, mesmo com sarcasmo.

Você pode perguntar como tomei conhecimento da existência de tal sacrilégio. Trata-se de um tema do qual posso falar com alguma autoridade, porque lamento dizer que fui exatamente esse tipo de “católico”. Nasci, fui criado num lar católico e estudei numa escola católica por doze anos — algo que, no que diz respeito à minha catequese, não significa muita coisa. Durante boa parte da minha vida, fui um jovem católico devoto, mas no Ensino Médio e na faculdade comecei a tomar o caminho mais fácil em muitos aspectos

Para um adolescente confuso, é fácil dizer que pecados contra a castidade são “normais”. Para o engraçadinho do grupo de amigos, é fácil dizer que o uso constante de linguagem imoral e do nome sagrado de Deus em vão não são um grande problema. Para um jovem universitário que vive de ressaca, é fácil presumir que “Deus não consideraria pecado mortal” faltar à Missa. O mais perturbador talvez seja fazer tudo isso e, ao ir à Missa pela primeira vez no ano, dizer com facilidade que não é necessário se confessar antes de receber a Eucaristia.  

Você diz a si mesmo que está tudo bem porque “Deus é amor”. Diz que está tudo bem porque o que realmente importa é o sentido por trás da Eucaristia. Você se tranquiliza, se justifica, mente para si mesmo.

Pela graça de Deus, eu consegui ir além de tais justificativas simplistas e pecaminosas. Agradeço a Deus todos os dias da minha vida por isso ter acontecido, pois sei que cada pecado contra o Santíssimo Sacramento era uma afronta ao próprio Cristo. Gostaria de poder anular aqueles pecados, e sem dúvida gostaria de poder anular os seus efeitos duradouros. Mas não posso fazer isso, e embora eu procure chegar ao Céu, tenho certeza de que os efeitos nocivos daqueles pecados terão de ser purgados antes que eu consiga fazê-lo. No entanto, sinto-me confiante por saber que, se eu manifestar verdadeira contrição, se eu suplicar e crer no perdão de Cristo por meio do sacramento da Confissão, Ele mo concederá. Se eu fizer isso, então talvez eu me torne [minimamente] digno de recebê-lo.

Conheço muitos católicos que não compreendem isso — ou, talvez sendo mais preciso, eles de fato entendem, mas preferem discordar. Em outras palavras, conheço muitos católicos cujos doze anos de escola católica foram tão “úteis” quanto os meus. Há pessoas que não se confessam desde a primeira vez que receberam o sacramento, mas ainda comungam todos os domingos. Há pessoas que, apesar de conhecer a doutrina da Igreja, professam a opinião herética de que basta ter pesar pelos pecados pessoais para receber o perdão. Até vi pessoas chegarem para a Missa cinco minutos antes da Comunhão, receberem o Santíssimo Sacramento e irem embora imediatamente, antes do final da Missa. Todo católico deveria ficar incomodado com isso, não apenas porque a alma dessas pessoas está em perigo, mas porque trata-se de uma enorme ofensa a Deus e ela acontece todos os dias.

Quando fazemos um ato de contrição, nós nos declaramos arrependidos de nossos pecados, que detestamos, “sobretudo porque eles ofenderam a vós, meu Deus, que sois todo bom e digno de ser amado”. De fato, não devemos odiar os nossos pecados apenas porque fazem mal a nós, mas porque ofendem diretamente o Deus amoroso que deu seu Filho único para que pudéssemos ser salvos. Não sei se há um exemplo mais claro e óbvio de tamanha ofensa do que o ato de receber o próprio Cristo em nosso corpo quando Ele nos diz que não somos dignos de fazê-lo.

Houve quem dissesse que o coronavírus seria um castigo pelas contínuas ofensas do mundo contra Deus. Também houve quem dissesse que isso tudo não passaria de um episódio grotesco iniciado com o consumo de um morcego contaminado. Não sei o que pensar em relação a esse assunto, e não tenho autoridade para determinar qual o significado dessa loucura que atormenta o mundo. O que realmente sei é que há muito tempo as pessoas têm desprezado a Eucaristia, e agora o acesso ao Santíssimo Sacramento tem sido negado aos fiéis por um período muito mais longo do que o esperado.

Hoje, depois de vários meses, muitos católicos felizmente voltarão a tomar parte, de modo presencial, no santo sacrifício da Missa. Do meio de toda essa confusão, que ao menos uma coisa boa sejamos capazes de tirar: queira Deus que ao menos deixemos de o desprezar.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Você picha Vieira, mas seu herói é o Che Guevara
Sociedade

Você picha Vieira,
mas seu herói é o Che Guevara

Você picha Vieira, mas seu herói é o Che Guevara

Se sobra spray para pichar o termo “descoloniza” na base da estátua do Padre Antônio Vieira, em Portugal, à colonização ideológica anticristã, à doutrinação comunista, nossas hordas pós-iluministas se rendem sem maiores problemas.

Equipe Christo Nihil Praeponere18 de Junho de 2020Tempo de leitura: 10 minutos
imprimir

Até parece que o confinamento acabou. As ruas em muitos lugares do mundo ficaram cheias, e os veículos de comunicação, que antes não paravam de alardear a importância do distanciamento social (e de “ficar em casa”), de repente passaram a incentivar aglomerações sem pudor algum. 

Não que o coronavírus tenha deixado de circular e fazer vítimas. O que a mídia e as manifestações dos últimos dias dão a entender é que há ameaças maiores: são os fantasmas dos mortos, ou melhor, as estátuas deles

Nos Estados Unidos, os alvos foram monumentos dedicados a personalidades supostamente escravocratas, como Cristóvão Colombo; mas em Portugal foi uma estátua do Padre Antônio Vieira e, na Espanha, nada menos que uma escultura do Sagrado Coração de Jesus.

Estátua do Pe. Vieira, vandalizada em Lisboa.

Pegando emprestada essa triste imagem de demolição — sem dúvida, a mais lamentável de todas as noticiadas —, ousamos dizer o que está em xeque aqui é o próprio coração da civilização cristã, do que se costumava chamar “cristandade” — ou o que quer que dela tenha restado.

Como chegamos a esse triste estado de coisas, é uma pergunta para a qual várias respostas já foram elaboradas, passadas ao papel e até transformadas em livros. Está muito longe de nossa pretensão, evidentemente, esgotar essa discussão. Mas, se pudéssemos encurtar uma história que já leva séculos, poderíamos dizer, com muita simplicidade, que só estamos colhendo os frutos de nossa educação secular anticristã.

Sim, muitos dos manifestantes que saíram às ruas nos últimos dias denominam-se “antifascistas”. Mas, na falta de um Mussolini, alguém imagina que é a esmo que eles derrubam um colonizador europeu, picham um evangelizador católico e chegam a decapitar o próprio Jesus Cristo? 

Ninguém se engane, nada disso é aleatório. Anos de doutrinação ideológica geraram o que estamos vendo agora: um ódio visceral à fé cristã e a tudo o que ela construiu ao longo de dois milênios. Quem já não ouviu, por exemplo, que “o evolucionismo desbancou Deus”, que “a Igreja matou milhares na Inquisição e nas Cruzadas” e que “os europeus só vieram à América para saquear e escravizar”? Essas são, grosso modo, as mentiras maiores que nossas crianças e adolescentes aprendem nas escolas, mas no meio delas há muitas outras, menores, desde “pedacinhos no céu” que a Igreja vendia com as indulgências, passando por uma tal de Joana que teria sido eleita “papisa”, até gatos esfolados e mortos, com selo pontifício e tudo.

Os agentes de desinformação que passam essas histórias adiante são, eles mesmos, as primeiras vítimas da ignorância, mas nem por isso deixam de ter sua parcela de responsabilidade. A diferença é que esse tipo de fake news e “discurso de ódio” (para usar duas expressões correntes) o establishment não tem interesse algum em coibir. Muito pelo contrário.

A ideia de que a Igreja Católica aprovou e incentivou a escravidão dos negros, v.g., voltou a ser repetida nesses dias, como explicação para o vandalismo contra a estátua de Vieira em Portugal. Fomos atrás dos sermões a que seus detratores costumam se referir para o acusar de “racismo escravagista”, e deparamos, ao contrário, com o seguinte.

Primeiro, Nosso Senhor morreu para salvar a todos, inclusive os negros; eles são, portanto, filhos da Cruz e de Nossa Senhora:

Vós os Pretos, que tão humilde figura fazeis no mundo, e na estimação dos homens; por vosso próprio nome, e por vossa própria nação, estais escritos, e matriculados nos livros de Deus, e nas Sagradas Escrituras; e não com menos título, nem com menos foro, que de filhos da Mãe do mesmo Deus [...]. “Aos etíopes não enjeita a formosa Virgem, mas abraça-os como a pequeninos amando-os como filhos. Saibam pois que não desdenha ser chamada mãe pelos etíopes aquela que é Mãe do Altíssimo” (Sermões de Nossa Senhora do Rosário, XIV, 5).

Segundo, a escravidão é um fato deplorável: 

Os Israelitas atravessaram o Mar Vermelho, e passaram da África à Ásia, fugindo do cativeiro: estes atravessaram o Mar Oceano na sua maior largura, e passam da mesma África à América para viver, e morrer cativos. Infelix genus hominum (disse bem deles Mafeu) et ad servitutem natum, “Infeliz raça de homens, nascida para a servidão”. Os outros nascem para viver, estes para servir. Nas outras terras, do que aram os homens, e do que fiam, e tecem as mulheres, se fazem os comércios; naquela o que geram os pais, e o que criam a seus peitos as mães, é o que se vende, e se compra. Oh trato desumano, em que a mercancia são os homens! Oh mercancia diabólica, em que os interesses se tiram das Almas alheias, e os riscos são das próprias (Sermões de Nossa Senhora do Rosário, XXVII, 1)!

Terceiro, os escravos devem desobedecer a seus senhores, se eles lhes mandarem que façam coisas injustas:

Se o Senhor mandasse ao Escravo, ou quisesse da Escrava, coisa que ofenda gravemente a Alma, e a consciência; assim como ele o não pode querer, nem mandar, assim o Escravo é obrigado a não obedecer (Sermões de Nossa Senhora do Rosário, XXVII, 3).

Quarto, os senhores e feitores que forem cruéis com seus escravos estão sujeitos à ira divina:

Qui in captivitatem duxerit, in captivitatem vadet (Ap 13, 10), “Todo aquele que cativar será Cativo”. Olhai para os dois polos do Brasil, o do Norte, e o do Sul, e vede se houve jamais Babilónia, nem Egito no mundo, em que tantos milhares de Cativeiros se fizessem, cativando-se os que fez livres a Natureza, sem mais Direito, que a violência, nem mais causa, que a cobiça, e vendendo-se por Escravos. Um só homem livre cativaram os Irmãos de José, quando o venderam aos Ismaelitas para o Egito; e em pena deste só cativeiro, cativou Deus no mesmo Egito a toda a geração, e descendentes dos que o cativaram, em número de Seiscentos mil, e por espaço de quatrocentos anos [...].

Estão açoutando cruelmente o miserável Escravo, e ele gritando a cada açoite, “Jesu, Maria, Jesu, Maria”, sem bastar a reverência destes dois nomes, para moverem à piedade um homem, que se chama Cristão. E como queres que te ouçam na hora da morte estes dois nomes, quando chamares por eles? Mas estes clamores, que vós não ouvis, sabei que Deus os ouve; e já que não têm valia para com o vosso coração, a terão sem dúvida sem remédio para vosso castigo (Sermões de Nossa Senhora do Rosário, XXVII, 8).

Obviamente, o Pe. Antônio Vieira não era ativista social; como sacerdote católico, suas preocupações não eram meramente políticas, mas morais e espirituais. Além disso, quase 400 anos nos separam, e seria grande anacronismo julgar uma personagem tão distante no passado com as lentes do presente.

Mas o problema aqui é muito maior do que uma simples descontextualização da história. No fundo, não importa se a Igreja (e Vieira com ela) tivesse ou não favorecido a escravidão. (Para remediar essa ignorância, bastaria ler um artigo esclarecedor na internet ou a carta In Supremo, do Papa Gregório XVI — que não só reitera a condenação da Igreja ao escravagismo, como mostra, ao longo da história, que esse instituto desapareceu entre nós com o florescer da cristandade, e só tornou a ganhar força com o renascer do paganismo.)

Estátua do S. Coração vandalizada em La Roda de Andalucía, província espanhola de Sevilha.

A questão de fato é cultural: nossos ideólogos não podem aceitar que os pregadores católicos, ao invés de deixar os indígenas americanos e os negros africanos em suas religiões, procurassem batizá-los e ensinar-lhes a fé cristã. O chilique não é com a escravidão; é com a colonização católica. Muito antes de Vieira e Anchieta, o problema são os Apóstolos. Vendo a estátua do Sagrado Coração sem cabeça, em Sevilha, podemos dizer ainda mais: o problema começa quando o próprio Deus cruza os abismos para fazer-se homem em Jesus Cristo. A modernidade até se dispõe a aceitar um Jesus “paz e amor”, um Jesus “iluminado”, um Jesus light; mas um Jesus que ensina, e que manda os seus discípulos saírem pelo mundo inteiro convertendo e batizando as pessoas (cf. Mt 28, 19–20), mudando-lhes a cabeça e transformando-lhes os costumes, esse Jesus é tudo o que a nossa sociedade relativista não pode tolerar.

Com a Igreja hoje acontece a mesmíssima coisa. O mundo está disposto a aceitar padres, missionários e leigos que façam uma obra filantrópica e social por onde passem… Mas ai de quem ensinar que a homossexualidade é pecado, ou ousar batizar um índio (ainda que com o consentimento dele): poderá ser denunciado pelo Ministério Público!

A regra é que os cristãos de verdade se sintam acuados e intimidados. O vandalismo a monumentos de figuras importantes da cristandade não é sem causa: eles atingem a “democracia dos mortos” para ameaçar os representantes vivos dela. Por isso, se um cristão estiver alinhado às ideias da moda, se empunhar a bandeira dos movimentos do momento — em outras palavras, se ele for um “cristão vendido” —, não há o que temer. Mas se ele ousar ler e aceitar os escritos dos santos antigos, os Sermões de Vieira ou os Evangelhos de Cristo (sem aquelas notas de rodapé que distorcem tudo), ele está em risco.

Pois o alvo, como já dito, é a colonização católica, a Igreja docente tradicional, os cristãos que ensinam. É inclusive com certa carga pejorativa que se usa, a esse respeito, os termos doutrinar e doutrinação. Contra ela, as hordas pós-iluministas se insurgem autodenominando-se “críticas” e “questionadoras”. Mas enquanto sobra spray para pichar o termo “descoloniza” na base da estátua de um célebre padre católico, à colonização ideológica anticristã, à doutrinação comunista, elas se rendem sem maiores problemas. São os jovens que picham Vieira sem nunca o haver lido, ao mesmo tempo que ostentam, orgulhosos, faixas socialistas e camisetas do Che Guevara.

É como dizia Chesterton: quem deixa de acreditar no Deus verdadeiro passa a acreditar em qualquer coisa. A consequência de termos substituído a velha instrução no seio da família e da Igreja pela educação secularista do Anticristo foi que, agora, temos um punhado de ateus que acreditam piamente nas mais estapafúrdias mentiras que lhes contam. Assim: 

  • numa sociedade que deixou de acreditar em Deus, Pai comum de todos os homens, não surpreende que ressurja com força o culto ridículo à própria “raça”: daí os supremacistas brancos e os movimentos negros radicais; 
  • numa sociedade que deixou de cultuar o Cristo, Deus feito homem, e a Virgem Maria, mulher e mãe de Deus, não surpreende que as dificuldades entre os sexos sejam potencializadas e transformadas em uma verdadeira guerra, com feminismos e feminicídios; 
  • numa sociedade que abandonou a fé na vida eterna, não surpreende que a meta tenha se tornado construir um paraíso aqui na terra: o comunismo, ou simplesmente um “mundo melhor”, uma “sociedade sem classes”, uma “terra sem males” etc;
  • numa sociedade que abandonou a sadia antropologia cristã, não surpreende que surjam aberrações como a ideologia de gênero, segundo a qual não passamos de pessoas aprisionadas num invólucro sexuado aleatório.

Em suma, ao lado do trabalho de desconstrução da verdade católica, caminha sempre a adesão às mentiras desse mundo. É uma filiação que tem preço, e nós infelizmente já o estamos pagando.

Do Sagrado Coração de Jesus, dois mil anos atrás, jorrou um rio de sangue e água, que por muito tempo saciou a humanidade e transformou a terra num lugar muito melhor de se viver. Homens e mulheres de todas as tribos, línguas e nações, unidos num só batismo, no ato de trabalhar por sua salvação eterna construíram uma civilização de que os antigos povos pagãos jamais foram capazes

Hoje, por obra de inúmeros anticristos que se levantam aqui e acolá, esse edifício está abalado e ameaça ruir. Mas, se as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja, como disse o Senhor; se Ele é fiel às suas promessas, como sabemos que é; e se “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus”, a única coisa que os católicos devemos temer é a nossa própria covardia

Andemos, pois, sempre desconfiados de nós mesmos, voltemos a empunhar as armas espirituais que a Igreja desde sempre nos inculcou e mantenhamo-nos unidos a Cristo. Assim como Pedro foi instado a guardar sua espada na bainha, não caiamos na tentação de usar, na guerra em que estamos, as mesmas armas sujas de que se servem os inimigos: se eles trapaceiam, sejamos honestos; se eles mentem e difamam, sejamos verdadeiros; se eles odeiam, amemos. “O nosso dever não é vencer o mundo, ainda que seja por Cristo: o nosso dever é salvar a própria alma”, disse Henri de Lubac. “A nossa missão não é fazer a verdade triunfar, mas dar testemunho dela”.

Foi o que fizeram os santos, foi o que fizeram os mortos cuja memória temos a honra de venerar. E isso nos basta.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.