CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Último dia!

Seguimos com 40% off na assinatura anual.

  • Aproveite o último dia da nossa promoção;
  • Mais de 40 cursos à sua disposição;
  • Acesso a transmissões exclusivas para alunos;
  • Condição especial na pré-venda da HQ "Padre Pio: a História do Santo de Pietrelcina";
Assine agora
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43

Igreja, o novo Israel

Evangelho de hoje nos coloca diante da eleição dos doze apóstolos. Por ocasião desta leitura, Padre Paulo Ricardo medita sobre o mistério da Igreja, família à qual todos somos chamado para, em Cristo Jesus, nos unirmos a Deus, Pai do gênero humano.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc
3, 13-19)

Naquele tempo, Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele. Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar, com autoridade para expulsar os demônios. Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro; Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer "Filhos do trovão"; André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o cananeu, e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.

Como novo Moisés que ascende ao topo do Sinai, Jesus hoje sobe ao monte para eleger, segundo o seu beneplácito, aqueles que desde antes da constituição do mundo estavam predestinados a ser o fundamento da sua Igreja. Este "edifício" de Deus, como lhe chama São Paulo (cf. 1Cor 3, 9), é o novo Israel, o próprio povo eleito que, reconfigurado e vivificado desde dentro pelo Senhor, é agora chamado a expandir a todas as gentes os seus vínculos e a formar, pela comunhão na mesma fé e no mesmo Corpo, uma só família: "[...] já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamentos dos apóstolos", representantes das antigas doze tribos (cf. Mt 19, 28; Lc 22, 30), "[...] tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus" (Ef 2, 19s).

Nascido no coração do Pai, o mistério da Igreja foi prefigurado ao longo das várias etapas da história desde a criação do mundo. Preparada na Antiga Aliança com o povo de Israel, fundada nestes últimos tempos (cf. Hb 1, 2) e manifestada pela efusão do Espírito Santo (Lumen Gentium, n. 2), a Igreja é o fim em vista do qual Deus criou o universo, isto é, "a comunhão com a sua vida divina, comunhão esta que se realiza pela 'convocação' dos homens em Cristo, e esta 'convocação' é a Igreja" (CIC, n. 760). Inaugurando, pois, o Reino dos Céus já nesta terra, Jesus, Filho unigênito de Deus, fez nascer a sua Igreja do dom total de si mesmo ao Pai, pela remissão dos pecados: com efeito, é do seu lado trespassado na Cruz que jorrou "o admirável sacramento de toda a Igreja" (Sacrosanctum Concilium, n. 5).

Ultrapassando, assim, quaisquer vínculos de sangue e tendo o Batismo — pelo qual renascemos para a vida nova em Cristo — como novo sinal de eleição, a Igreja é a morada em que Deus quer estar em amável união com todos os homens: "Já não há judeu nem grego", escreve São Paulo, "nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um em Jesus Cristo" (Gl 3, 28). É na Igreja (e, portanto, em Cristo) que o Pai nos quer manter em comunhão consigo e uns com os outros, a fim de que se realize a unidade do gênero humano; é nela que, já nos nossos dias, vemos reunidos homens "de toda nação, raça, povo e língua" (Ap 7, 9). Que admirável e feliz projeto, no qual Deus manifesta de modo visível todo o seu amor pela humanidade e pelo qual deseja que "o gênero humano inteiro constitua o único povo de Deus, se congregue no único Corpo de Cristo, seja construído no único templo do Espírito Santo" (Ad Gentes, n. 7; cf. Lumen Gentium, n. 17)!

Amemos a Santa Igreja de Cristo, nossa verdadeira casa. Renovemos a nossa fé em sua divina origem, pois fomos chamados a fazer parte da família de Deus! Não foram mãos humanas que a construíram, mas o próprio Senhor Jesus, que por ela permanece conosco todos os dias, até a consumação dos séculos (cf. Mt 28, 20). Cristo em nós, na e pela Igreja, esperança da glória (cf. Cl 1, 27)!

Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.