CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Ele sofreu o que nós sofremos

“Convinha que Ele se tornasse em tudo semelhante aos seus irmãos, para ser um Pontífice compassivo e fiel no serviço de Deus, capaz de expiar os pecados do povo.”

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 1, 29-39)

Naquele tempo, Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los.

À tarde, depois do pôr-do-sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. A cidade inteira se reuniu em frente da casa. Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.

De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”. E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.

O Verbo fez-se em tudo, exceto no pecado, semelhante a nós. — V. 14. “Visto que os filhos”, do quais falou o autor sagrado no v. 13, entregues a Cristo por Deus, “têm em comum a carne e o sangue”, isto é, uma verdadeira natureza humana, “também Jesus participou da mesma condição” de um modo semelhante (gr. παραπλησίως), ou seja, assumiu a mesma natureza humana, designada aqui pelos dois elementos que a constituem, segundo o modo de dizer dos judeus. Portanto, em Cristo Deus se fez homem para fazer-se semelhante aos homens, tornando-os irmãos seus (cf. v. 11-13), e para, além disso, “destruir (gr. καταργήσῃ = tornar ineficaz, submeter), com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte” pelo pecado, em virtude do qual a morte entrara no mundo (cf. Sb 2, 24; Rm 5, 12; Ap 12, 9). — V. 15. Mas, além da destruição objetiva do império de Satanás, o autor sagrado atribui um segundo fim à Encarnação e à Paixão do Verbo, a saber: “Libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão”, isto é, os que estavam submetidos ao temor da morte como a uma escravidão durante toda a vida, porque a morte, para o homem justificado em Cristo, já não é mais causa de temor (pela condenação que se lhe segue), mas motivo de esperança (pela glória a que doravante dá acesso, graças aos méritos de Cristo).

V. 16. “Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos [...]” (gr. ὐ γὰρ δήπου ἀγγέλων ἐπιλαμβάνεται): a) o verbo grego ἐπιλαμβάνεται significa favorecer ou socorrer alguém, e nesse sentido muitos assim interpretam a frase: a obra da Redenção foi realizada não pela salvação dos anjos, mas dos homens; b) outros, porém, como S. João Crisóstomo, Teofrasto e Ecumênio, interpretam-na no sentido de que o Verbo assumiu uma natureza humana, e não angélica, interpretação essa que parece menos provável do que a primeira. — “[...] mas com a descendência de Abraão”, não porque a Encarnação se destinasse única e exclusivamente ao povo de Israel, com exclusão dos gentios, mas porque os destinatários principais da Epístola são os hebreus.

V. 17. Ora, uma vez que o Verbo de Deus veio ocupar-se da descendência de Abraão, a) redimida por sua morte ou b) assumida na unidade de sua Pessoa, de acordo com as duas possíveis interpretações expostas acima, “devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos”, em conformidade com a natureza e as consequências da condição humana, com exceção das que fossem contrárias à obra da Redenção como, v.gr., o pecado, a ignorância, a concupiscência etc., “para se tornar um sumo sacerdote misericordioso” (cf. Hb 4, 15) e “digno de confiança nas coisas referentes a Deus” (gr. τὰ πρὸς τὸν θεὸν), ou seja, “a fim de expiar os pecados do povo”. — V. 18. “Pois, tendo Ele próprio sofrido ao ser tentado” (gr. ἐν ᾧ γὰρ πέπονθεν αὐτὸς πειρασθείς), quer dizer, tendo o próprio Verbo encarnado, segundo a sua condição mortal, experimentado na carne as dores e dificuldades da vida humana, Ele é, por isso mesmo, “capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” (cf., v.gr., Virgílio, En. I, 634: Non ignara mali, miseris succurrere disco).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.