CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

99. Uma pessoa aidética pode contrair matrimônio?

Assista também ao vídeo n.º 112 deste programa, quando Padre Paulo Ricardo faz uma importante correção desse episódio.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Dentro da moralidade cristã só é possível exercer a sexualidade dentro do matrimônio. Ele visa a união dos esposos e também a prole. Na ordem da criação, sexo e procriação estão intimamente ligados.

Diante disso, uma pessoa que é portadora do vírus HIV é alguém que recebeu uma cruz, não somente a cruz do seu estado de saúde, mas a realidade palpável de que ela pode contaminar outras pessoas. Assim, faz parte da cruz do soropositivo abster-se das relações sexuais, é o modo correto de carregá-la.

O matrimônio tem duas partes: a ratificação e a consumação. A ratificação é o que se vê na Igreja, quando os noivos manifestam a vontade de se unirem. A consumação é quando ocorre o ato sexual. O Código de Direito Canônico ensina que:

"Cân. 1061 § 1. O matrimônio válido entre os batizados chama-se só ratificado, se não foi consumado; ratificado e consumado, se os cônjuges realizaram entre si, de modo humano, o ato conjugal apto por si para a geração de prole, ao qual por sua própria natureza se ordena o matrimônio, e pelo qual os cônjuges se tornam uma só carne."

Por ato conjugal, entende-se ereção do pênis, penetração na vagina e ejaculação dentro da vagina. Assim, um casal que desde o início propõe-se a realizar o ato conjugal com a utilização do preservativo, como ocorre quando somente um dos cônjuges é portador do vírus, fecha a porta para a efetiva consumação do matrimônio. Não é lícito, portanto.

Caso ambos sejam portadores do vírus e tenham a possibilidade de não usar o preservativo, ainda resta o perigo de contaminação de uma criança que possa vir a ser concebida. Desta forma, a única saída possível é que um dos cônjuges seja estéril. Assim, somente no caso de ambos serem portadores do HIV e um deles (ou ambos) ser estéril, é que se abre a possibilidade moral de se contrair o matrimônio e de se exercer uma vida sexual regular, moralmente aceita e abençoada por Deus dentro da Igreja.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.