CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Apascentar é, antes de tudo, ensinar a doutrina
EducaçãoDoutrina

Apascentar é, antes de
tudo, ensinar a doutrina

Apascentar é, antes de tudo, ensinar a doutrina

É urgente redescobrir a catequese, enquanto ainda existe a chama da fé nos corações, pois, quando ela se apagar, já não sobrará nenhum remédio

Equipe Christo Nihil Praeponere26 de Março de 2015
imprimir

No Evangelho de São Mateus, lemos as palavras de Cristo que sintetizam a missão da Igreja: "Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" ( Mt 28, 19). Evangelizar é o primeiro dever. A catequese, neste sentido, reveste-se de uma importância fundamental. Dela depende o florescimento de uma nova geração de cristãos, precisamente porque é no estudo do catecismo que se sobressai o esforço do fiel para compreender a doutrina, celebrar os sacramentos, obedecer a Deus e ter vida de oração. Esses quatro elementos, chamados tradicionalmente de lex credendi, lex celebrandi, lex vivendi e lex orandi, estão intimamente ligados. Um conduz ao outro: a fé leva-me a celebrar, a celebração leva-me a viver e a vivência leva-me a rezar. Ao contrário, quando uma só dessas colunas é danificada, todo o edifício ameaça ruir.

A Igreja, ao longo dos séculos, esforçou-se amiúde para apresentar os conteúdos da fé de maneira eficaz e frutífera. Seguindo o adágio de Santo Agostinho, "creio para compreender e compreendo para crer melhor", não faltaram iniciativas louváveis por parte dos pregadores, a fim de que o cristianismo encontrasse eco em meio a sociedade. Foram mormente nos tempos de grande crise que a Igreja se destacou na evangelização. Durante o período da Reforma, quando as teses de Lutero pareciam irresistíveis e bastante convincentes, a resposta inequívoca do Concílio de Trento, com o chamado Catecismo Romano, deu novo vigor a uma doutrina aparentemente fora de moda. A fé católica, escreve Daniel-Rops, foi ensinada "com uma nitidez, uma força e uma amplitude que nunca tinha conhecido até então" [1]. Dada a quantidade de falsas interpretações que pululavam à época, também os anos pós Concílio Vaticano II exigiram a formulação de um novo catecismo, no qual os fiéis pudessem encontrar um "instrumento fundamental para aquele ato com que a Igreja comunica o conteúdo inteiro da fé, 'tudo aquilo que ela é e tudo quanto acredita'" [2].

Eis a importância do Catecismo da Igreja Católica. Não foi por menos que Bento XVI insistiu tanto nesta questão em seu pontificado. "Sacrificai o vosso tempo por ele! Estudai-o no silêncio do vosso quarto, lede-o em dois, se sois amigos, formai grupos e redes de estudo, trocai ideias na internet. Permanecei de qualquer modo em diálogo sobre a vossa fé!", exortava o então Papa [3]. No Catecismo, os fiéis têm a segurança do Magistério da Igreja e a clareza dos ensinamentos dos Santos Padres e dos Concílios. Trata-se de um remédio salutar contra as dúvidas e as heresias. A rigor, o Catecismo é o escudo dos cristãos.

Não é para admirar, portanto, que uma das grandes lutas do diabo seja contra a catequese. Ele sabe que o povo de Deus se perde por falta de instrução. Diz o profeta: "Não há conhecimento de Deus nesta terra. A maldição, e a mentira, e o homicídio, e o furto, e o adultério inundaram tudo, e têm derramado sangue sobre sangue" ( Os 4, 1). Nas palavras de São Pio X, "quando não está inteiramente apagada a chama da fé, ainda resta a esperança de que se elimine a corrupção dos costumes" [4]. Uma sociedade secundada pela cultura cristã dificilmente cairá em desgraça, mesmo que essa cultura subsista em uma pequena chama. O empenho de bons cristãos pode transformar a tímida fagulha em um forte incêndio. O mesmo não se pode dizer, todavia, de uma sociedade sem qualquer resquício de fé, porque onde "à depravação se junta a ignorância da fé, já não resta lugar a remédio, e permanece aberto o caminho da perdição" [5]. Palavras proféticas de um Papa que soube interpretar os sinais dos tempos. Acaso não é a situação em que nos encontramos hoje? Um mundo cada vez mais pervertido, porque deixou Deus de lado para entregar-se às suas paixões. Um mundo onde a chama do cristianismo tende a diminuir a cada dia.

Alguns apóstolos do bom mocismo, é verdade, preferem contemporizar. "Nada de catecismo! A Igreja precisa ser mais pastoral e menos doutrinária", ponderam. Ora, mas apascentar, responderia São Pio X, é, antes de mais nada, ensinar a doutrina: "Eu vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com a ciência e com a doutrina" ( Jr 3, 15). É um absurdo contrapor pastoral e doutrina. Ambas só podem caminhar juntas. Foi ensinando o catecismo que São Pedro Canísio preservou a Igreja na Alemanha, em uma época cercada de contendas e incompreensões. Dele, aliás, recolhe-se um eloquente testemunho de verdadeiro método pastoral, pois soube apresentar os princípios cristãos de modo adequado a cada público. Não escondeu a verdade, mas ensinou-a com caridade:

"Eis uma característica de São Pedro Canísio: saber compor harmoniosamente a fidelidade aos princípios dogmáticos com o devido respeito por cada pessoa. São Canísio distinguiu entre a apostasia consciente, culpável, da fé, da perda da fé inculpável, nessas circunstâncias. E declarou, em relação a Roma, que a maior parte dos alemães que tinham passado para o Protestantismo não tinha culpa. Num momento histórico de fortes contrastes confessionais, evitava — é algo extraordinário — a aspereza e a retórica da ira — algo raro, como disse nessa época, nos debates entre os cristãos — e visava somente à apresentação das raízes espirituais e à revitalização da fé na Igreja. Para isto serviu o conhecimento vasto e incisivo que ele tinha da Sagrada Escritura e dos Padres da Igreja." [6]

O Catecismo nunca perderá a sua importância. E contra aqueles que dizem o contrário, fica-nos a resposta do Cardeal Joseph Ratzinger: "A atualidade do Catecismo é a atualidade da verdade novamente dita e pensada de novo. Esta atualidade permanecerá assim, muito para além das murmurações dos seus críticos" [7].

A urgência da redescoberta do Catecismo é a urgência de um mundo doente, que dá seus últimos suspiros. Entreguemo-nos, portanto, de todo coração, à evangelização, ao ensino, à catequese, enquanto ainda nos resta tempo, enquanto a última chama do cristianismo permanece acesa. Sejamos Catequistas do Novo Milênio.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Pecado mortal, inferno antecipado
Espiritualidade

Pecado mortal, inferno antecipado

Pecado mortal, inferno antecipado

“Como seria triste a morte, se então te encontrasses em pecado mortal. Por um triste prazer, perderíamos um grande bem, que é a presença de Deus pela graça e, por fim, a vida eterna, que jamais acabará.”

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Outubro de 2018
imprimir
Em nome de Jesus Cristo crucificado e da amável Maria, amados e muitos queridos irmãos em Cristo Jesus, eu, Catarina, serva e escrava dos servos de Deus, vos escrevo e conforto no precioso sangue do seu Filho, desejosa de vos ver como verdadeiros filhos, sempre vivendo no autêntico e santo temor de Deus, de maneira que jamais desprezeis o sangue de Cristo.

Muito ao contrário, vós deveis desprezar e abominar o pecado mortal, que ocasionou a morte do Filho de Deus. De fato, bem merece repreensão quem entrega o próprio corpo à maldade e à impureza. Pensando na perfeita união de Deus com a humanidade, meus queridos irmãos, quero que isso não aconteça convosco. Especialmente tu, Vanni! Põe tua alma diante dos olhos, bem como a brevidade. Lembra-te de que deves morrer e não sabes quando. Como seria triste a morte, se então te encontrasses em pecado mortal. Por um triste prazer, perderíamos um grande bem, que é a presença de Deus pela graça e, por fim, a vida eterna, que jamais acabará. Mas convido os três a sacrificar os próprios corpos e a aceitar morrer por Cristo crucificado (na Cruzada), se for preciso. Antes disso, até que chegue a hora, quero que sejais santamente virtuosos confessando-vos e alegrando-vos sempre em ouvir a Palavra de Deus. Porque, como o corpo não pode ficar sem o alimento, também a alma não pode ficar sem ouvir a Palavra de Deus. Cuidado com os maus companheiros, pois seriam um obstáculo ao bom propósito.

Nada mais acrescento. Queridos e bondosos irmãos em Cristo Jesus, permanecei no santo e doce amor de Deus [1].

Como muitos outros grandes santos e místicos da Igreja, Santa Catarina de Sena escolheu passar a vida no meio do mundo. Ela estava imersa em Deus, sim, mas justamente por amor a Ele, vivia “com as mãos na massa”, entregando-se ao apostolado, levantando as pessoas à sua volta e levando-as à comunhão com o Deus que ela mesma havia encontrado. A carta acima, aqui transcrita na íntegra, é apenas um exemplo das muitas correspondências que ela escreveu alertando seus filhos espirituais do perigo do pecado mortal.

Nesta carta em especial, a santa fala da importância de “desprezar e abominar o pecado mortal, que ocasionou a morte do Filho de Deus”.

Quando pecamos mortalmente — isto é, quando nos afastamos gravemente da lei de Deus querendo e sabendo o que estamos fazendo —, é como se serrássemos o próprio galho em que estamos sentados: o pecado grave corta nosso relacionamento com o autor da vida, com o sustentador do nosso ser, com Aquele que nos concede todas as graças de que precisamos. De modo que — é o que sempre ensinou a Igreja e é o que repete Santa Catarina nesta carta — se morrêssemos nessa condição, nosso destino eterno seria o inferno: “Como seria triste a morte, se então te encontrasses em pecado mortal. Por um triste prazer, perderíamos um grande bem, que é a presença de Deus pela graça e, por fim, a vida eterna, que jamais acabará.”

Ao que tudo indica, Santa Catarina escrevia a uma pessoa que já tinha fé católica. Hoje, porém, antes de recomendar às pessoas que se arrependam de seus pecados e procurem um padre para se confessarem, é necessário que primeiro elas creiam! Precisamos nos convencer de que, como diz Nosso Senhor no Evangelho, “se alguém não permanecer em mim, será lançado fora”, “secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo e será queimado” (Jo 15, 6). As mil justificativas que nossa cabeça tenta arrumar para pecarmos — ou pior, para vivermos afundados na lama do pecado — não passam de tentações e precisam ser afastadas sem demora. O que está em jogo é nossa salvação eterna.

Mas o inferno de quem vive em pecado mortal se antecipa, de certo modo, já nesta vida. O martelo do “Rei de tremenda majestade” nem sentenciou ainda a alma ao inferno, e ela já sofre nesta vida as terríveis consequências de seu alijamento de Deus. A começar pelo fato de que, quando cai no pecado, a primeira coisa que costuma fazer o pecador é deixar a vida de oração.

Se estivesse realmente disposto a sair do buraco em que se enfiou — ou seja, se visse no pecado que cometeu o que ele deveria ser de fato: uma queda, após a qual é preciso levantar-se rápido, sem demora —, o pecador não tardaria a se pôr de joelhos, suscitar em seu coração um arrependimento vivo de sua culpa e suplicar o perdão divino pelo que fez. Mas não… ele prefere voltar as costas a Deus e levar a vida como se nada tivesse acontecido, adiando sua Confissão e conversão verdadeira para “amanhã, semana que vem ou mês que vem, quem sabe”…

Nessa toada, os dias de quem vive no pecado mortal se transformam ou em remorso ou em falta de fé. Ou a pessoa sente constantemente os “remordimentos” de sua consciência, chamando-a de volta para o caminho que abandonou, ou faz calar essa incômoda voz e deixa de acreditar em Deus, no pecado e no inferno, abraçando de uma vez a falsa paz do mundo. Assim é o inferno antecipado dos que perderam a graça de Deus: estão condenados ou à amargura ou à infidelidade, ou à desobediência ou ao ateísmo, ou a viver fugindo ou a viver negando a Verdade.

Para não cairmos nessa tragédia, é preciso que fortaleçamos a nossa fé: em Deus, em Cristo e na Igreja, sim, mas também no pecado, porque há muitos hoje na Igreja que dizem crer em Deus, mas que, ao mesmo tempo, perderam completamente a noção do pecado.

Não aconteça isso conosco! Coloquemos de uma vez por todas em nossa cabeça que o pecado mortal não é um simples acidente de percurso… Não, ele é o desviamento total da rota, é o veículo que deu perda total e do qual precisamos sair o quanto antes, antes que exploda, ainda que tenhamos fazer o caminho a pé, vivendo em constante penitência por nossos erros.

Quem caiu, portanto, levante-se logo e passe a viver o quanto antes “no autêntico e santo temor de Deus”. Não venhamos a desprezar, com nosso proceder, o preciosíssimo sangue de Cristo, derramado no madeiro para nossa salvação. Trabalhemos em nossa conversão com a urgência que essa obra reclama.

Referências

  1. Santa Catarina de Sena, Carta 157, “Conselho aos jovens”. In: Cartas Completas (trad. de João Alves Basílio). São Paulo: Paulus: 2016, pp. 524-25.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Se Cristo andava com os pecadores, por que nem todos podem comungar?
Doutrina

Se Cristo andava com os pecadores,
por que nem todos podem comungar?

Se Cristo andava com os pecadores, por que nem todos podem comungar?

Se Jesus Cristo comia e bebia com os pecadores durante sua vida pública, por que nem todos podem comungar do Corpo e Sangue de Nosso Senhor na Eucaristia?

Equipe Christo Nihil Praeponere16 de Outubro de 2018
imprimir

Quem nunca ouviu versículos bíblicos sendo usados para a defesa de opiniões as mais disparatadas? Há alguns anos, em um vídeo que viralizou na internet, o Fantástico exibia o caso de um pastor protestante que, a partir de um versículo mal lido de Oséias, tinha chegado à conclusão (!) de que deveria “adulterar” uma fiel de sua igreja.

É claro que esse exemplo chega às raias do ridículo, mas serve para nos recordar como o ser humano pode distorcer e abusar do que Deus colocou à sua disposição. Antes de pensarmos, por exemplo, que uma citação da Escritura seja suficiente para legitimar uma posição qualquer, lembremo-nos que o próprio Satanás serviu-se de passagens sagradas fora de seu contexto para tentar Jesus no deserto (cf. Mt 4, 1-11; Mc 1, 12-13; Lc 4, 1-13).

Pois bem, assim como o inimigo de Deus conhece as Escrituras, também os inimigos da Igreja as conhecem, e até nosso orgulho ou vaidade pode se servir mal desse instrumento divino, fazendo com que nos iludamos ou, até pior, que façamos a cabeça de outras pessoas.

Um argumento muito comum, por exemplo, usado para justificar na Igreja o acesso indiscriminado à Sagrada Comunhão, ou até mesmo para defender uma vida de pecado, é o de que “Jesus comia e bebia com os pecadores”. — Se Ele se sentava à mesa com publicanos e pecadores públicos, se andava com eles e até se deixava tocar por eles, como aquela hemorroíssa que ficou curada apenas por encostar na orla de seu manto… quem seríamos nós, ou até: quem é a Igreja (quem são os padres!?) — diz-se com ares de orgulho — para dizer a este ou aquele pecador que não deve se aproximar da Comunhão, ou que não deve fazer tal e tal coisa?

À parte o fato de que Nosso Senhor, falando aos Apóstolos, disse: “Quem vos ouve, a mim ouve” (Lc 10, 16), e ainda: “Tudo o que ligardes na terra será ligado nos céus” (Mt 18, 18) — e por isso a Igreja tem toda autoridade para regular as coisas espirituais —, o argumento de que Jesus andava com pecadores (e, portanto, todos podem comungar) parece poderoso aos que o escutam pela primeira vez, mas é falho. E é Santo Tomás de Aquino que identifica o erro e resolve o problema, em sua Suma Teológica (cf. III, q. 80, a. 4, ad 1):

Quando Cristo aparecia no seu aspecto próprio, não se deixava tocar pelas pessoas como sinal de uma união espiritual com ele, como é o caso na Eucaristia. Por isso, os pecadores, que o tocavam na sua própria figura, não cometiam nenhum crime de falsidade a respeito das realidades divinas, como o fazem os pecadores que comungam.

Cristo então estava ainda na “condição da nossa carne de pecado”. Era natural, pois, que ele se deixasse tocar pelos pecadores. Ora, tendo sido afastada a “condição da nossa carne de pecado” pela glória da ressurreição, ele proíbe de tocá-lo à mulher que mostrava falta de fé a respeito dele: “Não me retenhas, pois eu ainda não subi para o meu Pai” (Jo 20, 17), a saber, “no teu coração”, como Agostinho explica. Assim, os pecadores, que carecem da fé formada a respeito de Cristo, devem ser afastados da comunhão.

O argumento colocado pelo Aquinate é muito simples: tocar em Cristo é diferente de unir-se a Ele, assim como uma mulher casada pode ter contato com muitas pessoas, mas só com o seu marido ela mantém um relacionamento íntimo. É claro que Deus não nega a ninguém as suas graças; o que acontece na Comunhão sacramental, porém, envolve uma comunhão anterior, interna, de alma; sem isso, o ato de receber o Corpo e Sangue de Nosso Senhor não passará de uma “simulação”, de uma falsidade. É como quem dá um beijo, sinal de amor, mas por dentro não ama realmente aquele a quem beija. Como fez Judas.

A Comunhão não pode ser recebida por todo o mundo, portanto, não por um defeito da misericórdia divina, mas por uma falta de preparação adequada por parte do homem. Digno de receber este Santíssimo Sacramento ninguém o será plenamente, é verdade, mas desde sempre a Igreja exigiu dos fiéis um mínimo, sem o qual o ato de comungar não só deixa de produzir frutos, como se torna “causa de juízo e condenação”: “Todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente”, diz o Apóstolo, “será culpável do corpo e do sangue do Senhor” (1Cor 11, 27).

O chamado estado de graça faz parte desse “mínimo” necessário para receber a Sagrada Comunhão. Por isso, todos os que têm consciência de haver cometido um pecado mortal — isto é, de terem transgredido os Mandamentos em uma matéria grave, com plena consciência e deliberação (sabendo e querendo) — “devem ser afastados da comunhão”. Com essa expressão, Santo Tomás está falando, evidentemente, de um juízo que cada fiel em particular deve fazer antes de entrar na procissão da Comunhão: “Que cada um se examine a si mesmo e, assim, coma desse pão e beba desse cálice” (1Cor 11, 28).

Isso não exclui, porém, a possibilidade de os ministros da Igreja negarem a Santa Eucaristia a fiéis que estejam em pecado público, como políticos que sejam manifestamente favoráveis ao aborto ou pessoas que estejam em uma situação de vida que contradiga de modo notório a doutrina da Igreja sobre o Matrimônio. O próprio Aquinate comenta essa questão em sua Suma (cf. III, q. 80, a. 6) e o Código de Direito Canônico prevê claramente que “não sejam admitidos à sagrada comunhão os excomungados e os interditos, depois da aplicação ou declaração da pena, e outros que obstinadamente perseverem em pecado grave manifesto” (cân. 915).

Talvez surpreenda a muitos esse modo de agir, e alguns até acusem a Igreja de querer “excluir” as pessoas. A esses, é sempre oportuno lembrar as duras palavras que Cristo dirigia aos fariseus, chamando-lhes “hipócritas”, “raça de víboras” e “filhos de Satanás”. Quando a Igreja manda que seus filhos comunguem com responsabilidade, prestando atenção à grandeza dAquele que recebem na Eucaristia, ela procura prevenir-nos justamente desse “fermento dos fariseus”, que fazem consistir sua religião mais em ritos externos do que em um impulso do coração; que querem mais aparecer diante dos homens do que fazer a vontade de Deus.

Porque, afinal de contas, o que importa não é se estamos comungando ou não nas Missas de domingo; se estamos fazendo novenas ou rezando muitos terços; se estamos pagando o dízimo à risca ou se somos católicos “de carteirinha”... Tudo isso é muito importante, sim, mas deve ser precedido de uma relação verdadeiramente íntima com Deus, na oração e no cumprimento dos Mandamentos — em uma conversão radical, que brote do interior.

Sem isso, “ainda que toquemos mil vezes o Corpo do Senhor”, como diz S. João Crisóstomo, jamais entraremos realmente comunhão com Ele.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Egoísmo, esterilidade e sacrilégio: a antirreligião de Satanás
Doutrina

Egoísmo, esterilidade e sacrilégio:
a antirreligião de Satanás

Egoísmo, esterilidade e sacrilégio: a antirreligião de Satanás

Assim como a Igreja existe para a salvação eterna de todos, Lúcifer construiu aos poucos uma antirreligião, um catolicismo falsificado, que tem como propósito a condenação de todos os homens ao inferno.

Peter Kwasniewski,  LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere9 de Outubro de 2018
imprimir

Nós já vimos como Lúcifer, recusando-se a servir ao Deus da fertilidade e do amor sacrificial, mereceu sua própria isolação e esterilidade eternas, e como ele sempre procura conduzir as almas dos homens ao seu reino de egoísmo. Em particular, a recusa de subordinar o natural ao sobrenatural é o traço que o define. Isso explica o porquê de ele odiar o celibato e a virgindade mais do que qualquer coisa neste mundo.

Satanás odeia o Matrimônio pela mesma razão: também ele consiste em uma vida de autossacrifício — possível apenas graças à bênção divina —, um estado destinado a multiplicar os filhos de Deus, que terão o potencial de receber a elevação sobrenatural da graça e gozar da glória celeste, da qual se privou o demônio. Quão misterioso é o poder, dado ao ser humano, de gerar vida! Ser convidado a associar-se ao Criador! Tomar parte na origem da própria criação ex nihilo: eis um poder que nenhum espírito angélico possui. Trata-se de uma participação direta no ato criador de Deus.

Como explica o grande teólogo tomista Scheeben, se Adão e Eva não tivessem pecado, eles teriam transmitido não apenas a vida natural a sua descendência, mas também a vida sobrenatural: seus filhos seriam concebidos e nasceriam em estado de graça. É por isso que o demônio odiava tanto nossos primeiros pais, resplendentes de graça como eram: ele sabia que, a partir de seus corpos, floresceria toda uma raça destinada à glória imortal juntamente com os anjos. Ainda que nós agora estejamos em uma condição decaída, e não mais demos à luz “filhos de Deus” [1], permanecem conosco o privilégio da procriação e a liberdade de cooperar com Cristo na santificação de nossos filhos.

Como o Papa Pio XI atesta com eloquência no maior documento pontifício já escrito sobre o Matrimônio e a família:

Para apreciar a grandeza deste benefício de Deus e a excelência do Matrimônio, basta considerar a dignidade do homem e a sublimidade do seu fim. Na verdade, o homem ultrapassa todas as outras criaturas visíveis, já pela excelência de sua natureza racional. Mas acresce que, se Deus quis as gerações dos homens, não foi somente para que eles existissem e enchessem a terra, mas para que honrassem a Deus, o conhecessem, o amassem e o gozassem eternamente no Céu; em consequência da admirável elevação do homem, feito por Deus à ordem sobrenatural, este fim ultrapassa tudo o que “os olhos vêem, os ouvidos ouvem e o coração do homem pode conceber” (cf. 1Cor 2, 9). Por isso se vê facilmente quão grande dom da bondade divina e que precioso fruto do Matrimônio é a prole, nascida pela virtude onipotente de Deus e com a cooperação dos esposos […].

Embora os cônjuges cristãos, conquanto sejam santificados eles próprios, não possam transmitir a sua santificação aos filhos, porque a geração natural da vida se tornou, ao contrário, caminho de morte, pelo qual passa à prole o pecado original, eles participam, todavia, de algum modo, da condição da primeira união no paraíso terrestre, cabendo-lhes oferecer a sua prole à Igreja, a fim de que esta mãe fecundíssima de filhos de Deus a regenere pela água purificadora do Batismo para a justiça sobrenatural e a torne prole de membros de Cristo, participantes da glória, à qual todos aspiramos do íntimo do coração (Casti Connubii, 13-14).

Satanás fez o que estava a seu alcance para frustrar esse plano — e assim ele faz com cada um de nós, se o deixarmos agir. O diabo se opõe tanto à geração natural quanto à sobrenatural: ele procura impedir que homens e mulheres usem o dom de sua sexualidade para trazer mais vida ao mundo; ele procura convencê-los a matar o fruto que carregam; ele procura afastá-los da fonte de imortalidade que são os sacramentos da Igreja.

Odiando a procriação, ele reuniu todas as suas forças a fim ou de impedi-la por meio da contracepção ou de destruir os seus frutos por meio do aborto. A contracepção é uma abominação da desolação no meio do templo, que é o corpo humano santificado pelo Espírito Santo: através dela, o Deus que dá vida é expulso como se fosse um espírito mau, e em seu lugar é entronizado o espírito da luxúria e da avareza, que faz do ventre estéril sua casa, como uma igreja sem sacrário e sem Presença Real.

Contra o espírito demoníaco de egoísmo, os cônjuges cedem o direito que têm de autodeterminação sobre seus próprios corpos justamente quando prometem amor fiel um ao outro até a morte, venha o que vier. Cristo, também, é fiel à sua Igreja, aconteça o que acontecer, e nunca desiste de seus membros pecadores até que todas as pessoas destinadas à glória alcancem a Pátria.

À luz da fidelidade de Deus ao povo pecador de Israel, bem como da fidelidade de Cristo à sua Igreja ainda imperfeita, o divórcio não passa de uma ficção irredimível; o adultério, de uma abominação; e a Comunhão eucarística para “recasados”, de um ato de sacrilégio por meio do qual o Salvador é cuspido, flagelado, coroado de espinhos e crucificado no seu Santíssimo Sacramento.

Não nos iludamos a esse respeito: Lúcifer, com sua pseudopaciência de espírito imortal, construiu aos poucos uma antirreligião, um catolicismo falsificado, que tem como propósito a condenação eterna dos seres humanos, assim como a religião católica tem como propósito a salvação eterna de todos:

  • o divórcio, e com ele o adultério, é o antissacramento do Matrimônio;
  • a contracepção, e a partir dela o aborto, é o antissacramento do Batismo;
  • a autoindulgência da masturbação e da homossexualidade é o antissacramento da Confirmação, que produz autocontrole e fortaleza;
  • a eutanásia é o antissacramento da Extrema Unção;
  • no lugar do sacramento da Ordem, há a paternidade negligente e o feminismo que odeia os homens;
  • no lugar do sacramento da Penitência, há a satisfação hedonista de todo apetite corporal;
  • no lugar da Eucaristia, há a idolatria do mundo, da carne e do demônio.

Agora podemos enxergar melhor a ligação entre a frase da Irmã Lúcia, de que “a batalha final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre o Matrimônio e a família”, e a condenação de Joviniano por negar a superioridade do celibato e da vida virginal consagrada a Deus. Falsas doutrinas sobre o Matrimônio e o “relaxamento” na disciplina do celibato clerical são dois flancos de um mesmo exército que sitia a Cidade de Deus nesta terra.

Qualquer palavra e ação contra a santidade do Matrimônio, o bem da família ou as elevadas vocações à vida religiosa e sacerdotal, tem sua origem no General do exército, no Inimigo da humanidade. Ao enfrentarmos a pior confusão doutrinal e laxismo moral que a Igreja jamais suportou, imploremos ao Senhor, poderoso na batalha (cf. Sl 23, 8), que salve o seu povo e abençoe sua herança (cf. Sl 27, 9).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Pornografia, prostituição e “mulheres de mentira”
Sociedade

Pornografia, prostituição
e “mulheres de mentira”

Pornografia, prostituição e “mulheres de mentira”

A pornografia não satisfaz mais. Estão chegando à América os bordéis com “bonecas sexuais”, feitas de silicone e aperfeiçoadas para parecerem o máximo possível com mulheres de verdade.

Jonathon van Maren,  LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere9 de Outubro de 2018
imprimir

No ano passado, eu participei do programa de rádio de um amigo para discutir um dos assuntos mais estranhos sobre os quais já fui convidado a falar: a ascensão dos chamados “robôs sexuais”.

Em alguns países — sendo o Japão o mais notável deles —, esses robôs foram aperfeiçoados ao ponto de ficarem com a aparência muito próxima à forma humana e, apesar de serem o passo tecnológico seguinte em uma cultura tomada pela pornografia, eles têm sido anunciados por alguns como uma “válvula de escape” para as pessoas com desejos sexuais depravados. De fato, um dos outros convidados do programa, uma mulher, afirmou não ver problema em pedófilos que tivessem “bonecos sexuais de crianças” (algo já experimentado): melhor isso, ela disse, do que tê-los satisfazendo seus desejos machucando pessoas de verdade.

Na ocasião, eu discordei fortemente dessa perspectiva, destacando que muitas pessoas inicialmente pensaram que a pornografia violenta, também, poderia ser uma forma de impedir indivíduos com tendências violentas de satisfazer seus desejos com seres humanos reais; pensava-se que a pornografia poderia servir, ao contrário, como uma “válvula de escape” para esses desejos.

O que nós infelizmente descobrimos ao longo dos últimos anos é o exato oposto disso: a pornografia cria esses desejos perversos nas pessoas que inicialmente não os tinham, fortalece-os naqueles que já tinham tendências violentas, e inflama-os de forma a encorajar a sua prática. Em outras palavras, a pornografia não serve como um “escape”; serve, isso sim, para fortalecer ou até mesmo desencadear tendências sexuais violentas.

Com bonecas, é claro, isso pode se tornar ainda mais perigoso. Pessoas com fantasias sexuais depravadas poderão, possivelmente pela primeira vez, ver esses desejos satisfeitos de um modo físico e sensorial, se bem que com um “escape” não-humano. O resultado disso, eu apontei, é que nós estaremos encorajando e fortalecendo ainda mais esses desejos.

Com mais pesquisa depois, descobri que eu não era o único com esse argumento: um professor chegou a pedir ao governo britânico que barrasse a importação dessas bonecas, sublinhando o fato de que uma delas havia sido inclusive programada para “resistir a investidas” — autorizando o consumidor a tomar parte no que, em essência, é um estupro simulado. Esse tipo de coisa, ele notou, poderia encorajar comportamentos sexuais violentos.

Revisito aqui essa entrevista de rádio só porque o jornal canadense Toronto Star noticiou que a cidade de Toronto em breve terá o primeiro “bordel de bonecas sexuais” da América do Norte, oferecendo ao público uma variedade de bonecas sexuais feitas de silicone para aluguel. Eles planejam abrir o negócio em um shopping da cidade, e estão prometendo bonecas de várias etnias e de vários padrões de beleza, com preços que vão de 80 dólares canadenses por meia hora a 160 por duas bonecas.

O bordel promete que as bonecas terão aparência e sensibilidade de pessoas reais, e que haverá um processo triplo de higienização depois do uso por cada consumidor. Haverá uma equipe no “prostíbulo”, mas aparentemente eles não dirão palavra alguma aos consumidores para assegurar que sua experiência sexual não seja descarregada em um ser humano de verdade depois.

Na reportagem em questão, uma linha em particular chamou-me a atenção: “De acordo com o site Aura Dolls, a companhia por trás do bordel, a ideia é trazer uma nova forma de satisfazer as próprias necessidades sexuais ‘sem as muitas restrições e limitações com que pode vir uma companheira de verdade’.”

Entendeu? O que eles estão dizendo é que as “restrições e limitações” de uma parceira real — isto é, humana — não existem com uma boneca, e que todas as fantasias obscuras, esquisitas e violentas que não podem ser realizadas com uma pessoa real não precisam ser restringidas — elas podem ser realizadas com uma boneca de aparência humana. A mensagem é que esses desejos não precisam ser suprimidos — por 80 dólares, eles podem ser experimentados. Além do mais, quem pode dizer que qualquer desejo sexual é realmente errado em nossa cultura relativista e sexualmente liberal?

Nós já vimos isso antes. Por exemplo, uma das razões por que prostitutas recebem tanta violência de seus clientes é que — como um anônimo disse bem sucintamente em um relatório submetido à Câmara dos Comuns do Canadá durante um debate sobre prostituição — “com uma prostituta você pode fazer coisas que não faria com uma mulher de verdade”. Esse homem sequer parou para pensar no que ele disse, porque a pornografia objetifica e desumaniza as mulheres ao mesmo tempo em que inflama desejos exóticos que antes estavam “dormentes” ou sequer existiam.

O fenômeno dos “robôs sexuais” é simplesmente mais um passo nessa mesmo direção — e um passo ainda mais perigoso.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.