| Categoria: Cursos

As raízes do método histórico-crítico

Desde quando a teologia deixou de servir a Deus para se render a interesses políticos?

"Politizando a Bíblia" ( Politicizing the Bible) é o sugestivo título de um livro do teólogo americano Scott Hahn, famoso por sua conversão do protestantismo à Igreja Católica. Neste estudo, o autor faz revelações surpreendentes sobre os bastidores do "método histórico-crítico" de ler e interpretar as Sagradas Escrituras.

Essa obra também foi selecionada pelo Padre Paulo Ricardo para dar sequência aos estudos de nosso curso "Aprenda a ler a Bíblia". Quão isento e objetivo é, afinal, esse método largamente adotado nas universidades e praticamente inconteste entre os teólogos modernos? Desde quando a teologia deixou de servir a Deus para se render a interesses políticos?

Venha conhecer conosco "as raízes do método histórico-crítico" e a secularização por que passaram nos últimos tempos as Escrituras Sagradas!

Para assistir às aulas 10 e 11 de nosso curso bíblico, no decorrer das quais Padre Paulo introduz o tema em questão e apresenta o pensamento de Marsílio de Pádua, acesse a página de nosso curso e comece já os seus estudos!

Ainda não é nosso aluno? Inscreva-se já em nosso site e tenha acesso irrestrito e imediato a todo o nosso conteúdo! Veja o que o aguarda:

| Categoria: Sociedade

Jesus Cristo é entronizado como Rei da Polônia

Ato solene foi celebrado pelos bispos no Santuário da Divina Misericórdia, em Cracóvia, e contou com a presença do presidente da Polônia, Andrzej Duda.

Em cerimônia realizada no Santuário da Divina Misericórdia, em Cracóvia, os bispos católicos da Polônia fizeram, na presença do presidente do país e de inúmeros peregrinos, a entronização de Jesus Cristo como Rei da Polônia. O ato público aconteceu durante a Missa do último sábado, dia 19 de novembro, e reuniu do lado de fora do templo cerca de 6 mil fiéis. O mesmo rito foi repetido no dia seguinte, domingo, em catedrais e paróquias de toda a Polônia.

Não é a primeira vez que os bispos poloneses proclamam oficialmente o reinado de Nosso Senhor em seu país. As últimas cerimônias aconteceram em Jasna Góra, em 1997, e em Sagiewnikim, no ano 2000. Que um rito solene como esse conte com a participação de um chefe de Estado, no entanto, é um fato inédito para a Polônia. O presidente Andrzej Duda, católico convicto, participou de toda a Missa acompanhado por sua mãe e por alguns ministros de seu governo.

Foto: Eliza Bartkiewicz/episkopat.pl

"A razão providencial e mais próxima para esse ato deve ser encontrada nas revelações supostamente recebidas pela serva de Deus Rosalia Zelkova", explica o padre Paul McDonald. "De acordo com ela, o Senhor pediu para ser devidamente entronizado como Rei da nação polonesa, de um modo especial e não apenas nos corações dos polacos. Isso salvaria a Polônia da próxima guerra que viria".

À parte essa revelação privada, no entanto, também o Magistério da Igreja tem um ensinamento bem claro a respeito da soberania de Cristo sobre os povos. Uma das manifestações mais importantes nesse sentido é a Carta Encíclica Quas Primas, escrita pelo Papa Pio XI e publicada em 11 de dezembro de 1925. Nela é possível ler frases como as seguintes:

" Não recusem os chefes das nações prestar testemunho público de reverência e de obediência ao império de Cristo junto com seus povos, se quiserem, com a incolumidade do seu poder, o incremento e o progresso da pátria."

" Se os homens, pública e privadamente, reconhecem o poder soberano de Cristo, necessariamente virão benefícios incríveis à inteira sociedade humana, como liberdade justa, tranquilidade e disciplina, paz e concórdia. A dignidade régia de nosso Senhor, como de alguma maneira torna sagrada a autoridade humana dos príncipes e dos chefes de Estado, assim enobrece os deveres dos cidadãos e a sua obediência."

"O dever de venerar publicamente Cristo e de lhe obedecer diz respeito não somente aos particulares, mas também aos magistrados e governantes."

Isso significa dizer que Nosso Senhor deve reinar sobre os corações, mas também sobre toda a sociedade. Se somos realmente diferentes dos animais; se possuímos de fato uma alma, para além de nosso organismo físico, rejeitar publicamente a religião significaria deformar a própria natureza humana, chamada que é a amar a Deus com todo o seu ser, tanto individualmente quanto em conjunto. A mídia e a classe intelectual vêem com maus olhos ações desse tipo porque já foram contaminadas pelo vírus do "laicismo". Esquecidas do verdadeiro significado da expressão "Estado laico" — que consiste na justa e sadia separação entre a esfera civil e a espiritual —, o que elas querem, na verdade, é um "Estado ateu", que não faça menção alguma do nome de Deus, desprezando com isso a própria razão, e ignore completamente a religião de seus súditos, transformando-se assim numa verdadeira tirania.

De fato, as tragédias do século XX — que Papas como Pio XI fizeram questão de denunciar — mostram que o silêncio a respeito do Criador conduz fatalmente à divinização das criaturas, àquilo que os antigos chamavam de "idolatria". Não é que as pessoas deixem de acreditar em Deus; o que elas fazem é substituir o verdadeiro por deuses falsos: o Estado, o dinheiro, o sexo, a fama etc.

Considerando tudo isso, reconhecer Cristo como Rei significa, ao mesmo tempo, um grande "não", especialmente por parte das autoridades civis. Com isso, elas estão declarando: "Não, não vamos tomar o lugar de Deus"; "Não vamos aprovar leis que contrariem a realidade das coisas, tal como foram criadas por Deus"; " Não vamos construir outra Torre de Babel com os nossos atos de governo"; "Não vamos incentivar a destruição da natureza humana leis iníquas". Para o bem de todos os homens, portanto, que se repita em muitos outros lugares, em todo o mundo!, essa consagração realizada na Polônia. E que viva Cristo Rey!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categorias: Sociedade, Fé e Razão

A Torre de Babel e o desejo de tomar o lugar de Deus

Ao brincar de Deus tomando decisões de dar e tirar a vida, de recriar a identidade de alguém pela teoria de gênero e de redefinir o matrimônio, o mundo moderno tem pecado gravemente contra Deus Criador.

Por Maria Cintorino — A história tem o hábito de repetir a si mesma. Não importa o quão avançado se torne o homem moderno, o mundo ainda parece cometer os mesmos erros do passado e deixar-se enganar pelas mesmas mentiras. Uma delas é a noção de que o homem pode tomar o lugar de Deus [1], esforço que não é estranho ao ser humano. Foi com sucesso, afinal, que a serpente convenceu Adão e Eva de que, comendo do fruto da árvore proibida, eles seriam "como Deus, conhecedores do bem e do mal" (Gn 3, 5). Desde o momento da queda, a serpente repete a sua mentira geração após geração.

Ela plantou esse desejo de tomar o lugar de Deus, por exemplo, nos corações dos povos sumérios, a mais antiga civilização de que se tem notícia. Para satisfazer esse desejo, eles pretenderam edificar uma torre tão alta que atingiria os céus. Embora também a quisessem construir como símbolo de sua unidade, os sumérios revelaram o verdadeiro propósito de começarem a construção da Torre de Babel, proclamando: "Façamos para nós uma cidade e uma torre que chegue até o céu. Assim nos faremos um nome. Do contrário, seremos dispersados por toda a superfície da terra" (Gn 11, 4). Suas palavras imitam aquelas com as quais Deus criou o homem: "Façamo-lo à nossa imagem e segundo nossa semelhança" (Gn 1, 26). Assim, ao construírem a Torre de Babel, os sumérios tentavam parodiar o ato criador de Deus.

Sua ambição e orgulho, porém, deram em nada. Deus, conhecendo as intenções de seus corações, percebeu que a construção da torre refletia o desejo dos homens de tomarem o lugar dEle. Se desse certo, Deus sabia que sua ambição só aumentaria, já que nada os impediria de fazer o que se propusessem (cf. Gn 11, 7). Por isso, a fim de castigá-los por seu pecado, Ele desce dos céus e confunde as línguas do povo. Ao invés de conseguir a unidade e a honra a que aspiravam, o povo da Suméria não consegue mais entender a si mesmo. A construção da torre chega a um fim abrupto devido à desordem e à confusão, e os seres humanos terminam se espalhando por toda a terra (cf. Gn 11, 9). A torre com que se pretendia representar a unidade e o poder dos sumérios acabou se tornando símbolo de desunião e fracasso.

A mentalidade dos sumérios reflete a da sociedade de hoje. O homem moderno, como aqueles que construíram a Torre de Babel, procura tomar o lugar de Deus, por exemplo, quando O elimina da vida pública e abandona a "fé no Criador" e a "escuta da linguagem da criação", como ensinava o Papa emérito Bento XVI. "O homem pretende fazer-se sozinho e dispor sempre e exclusivamente sozinho o que lhe diz respeito". As eventuais consequências dessas ações levam-no à autodestruição.

Quando o ser humano se coloca como "criador", ele faz com que qualquer coisa, moral ou imoral, se torne permissível. Deixando de guiar-se pela lei natural, ele cria leis que contradizem o seu próprio bem e que tratam o seu próximo como um objeto descartável. A vida de uma criança por nascer, vista não mais como uma bênção, torna-se uma inconveniência para muitos. A sua própria existência depende de uma decisão se ele deve ou não viver ou morrer. Os enfermos e os mais velhos se tornaram descartáveis, já que a sociedade tem o "direito" de legalmente mascarar o homicídio praticando a eutanásia de seus entes queridos a fim de poupar-lhes mais dor e sofrimento. Não fosse o suficiente, em alguns lugares, o suicídio assistido por médicos agora também proporciona o falso conforto de ter os membros de sua família "morrendo com dignidade".

Mas o homem moderno não se contenta em ditar a Deus quando e como a vida deve entrar e sair do mundo. Ele também "instrui o Criador" sobre a própria natureza do homem. Não mais denominada simplesmente como "masculina" e "feminina", a humanidade agora pode escolher entre 63 gêneros para se identificar a si mesma. A natureza básica fundamental do homem e da mulher que Deus criou e planejou para cada pessoa agora se torna resultado de uma escolha pessoal. Disfarçada de "autodescoberta", a crise de gênero tenta recriar o homem, lançando fora a identidade fundamental de toda e cada pessoa, que é "ser criatura e, pela graça, filho de Deus, herdeiro da vida eterna". Quando o homem compromete sua própria natureza, ele põe em perigo sua identidade e a própria imagem que Deus criou para que ele fosse.

Com isso, é minada a sacralidade da família, que é o núcleo da sociedade. A promulgação e a aceitação geral das uniões homossexuais destroem tudo o que é verdadeiro, bom e belo na pessoa humana e na família. O matrimônio de acordo com a ordem natural tem como fins próprios tanto o bem do casal quanto o bem da existência, porque o amor e a vida estão intrinsecamente unidos. Ao reconhecer as uniões homossexuais, o ser humano rejeita Deus como autor do matrimônio e repudia o casamento tanto natural quanto sobrenaturalmente.

O resultado só gera cada vez mais confusão e desordem. Esquecido de sua identidade, o ser humano acredita piamente que nada é impossível para ele atingir ou recriar. Em seu encontro com os bispos poloneses na última Jornada Mundial da Juventude, o Papa Francisco mencionou uma conversa privada que teve com o Papa emérito Bento XVI, na qual ele disse: "Santidade, esta é a época do pecado contra Deus Criador". Francisco continua: "É inteligente! Deus criou o homem e a mulher; Deus criou o mundo assim, assim e assim; e nós estamos a fazer o contrário". Ainda que essa referência tenha sido feita especificamente em relação à crise de gênero, ela soa verdadeira para todas as formas pelas quais os membros da sociedade perdem sua identidade como criaturas feitas à imagem e semelhança de Deus e, consequentemente, tentam agir como Deus. Os resultados dessas ações levam, como adverte o Papa Bento, à "autodestruição do homem e portanto [a] uma destruição da própria obra de Deus".

Ao brincar de Deus tomando decisões de dar e tirar a vida, de recriar a identidade de alguém pela teoria de gênero e de redefinir o matrimônio, o mundo moderno tem pecado gravemente contra Deus Criador. O ser humano tem distorcido a própria natureza com que foi criado. O Papa Francisco diz com propriedade que "estamos a viver um momento de aniquilação do homem como imagem de Deus". Ao tentar ser como Deus, o homem esqueceu quem é e perdeu a própria dignidade que recebeu em virtude da imagem e semelhança com que foi criado. Em vez de enxergar o mundo e a si mesmo como um belo mistério com o qual se maravilhar — mistério que aponta para a grandeza e a sabedoria de Deus —, o ser humano põe a paciência de Deus à prova, ultrapassando os limites de sua soberania sobre a terra, a qual lhe foi dada no Jardim do Éden. Sua busca por emancipar-se de Deus Criador só termina em sua própria destruição.

É verdade, a humanidade não aprendeu com os seus erros ao longo dos anos. O homem moderno continua tentando recriar a si mesmo e o mundo à sua volta, continua a dar ouvidos às mentiras da serpente. Com isso, ele não se torna nem um pouco diferente dos sumérios que pensavam, também eles, serem capazes de tomar o lugar de Deus, construindo uma torre para atingir os céus.

Fonte: Crisis Magazine | Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere

Notas e referências

  1. O original inglês usa a expressão "be like God". Embora no Gênesis a frase com que são tentados nossos primeiros pais seja exatamente esta: "Sereis como deuses" (3, 5), no texto demos preferência várias vezes à expressão "tomar o lugar de Deus". A intenção é deixar claro aos leitores que nem todo desejo de "ser como Deus" é pecaminoso, conforme explicação cristalina de Santo Tomás de Aquino.

| Categoria: Santos & Mártires

O primeiro corpo incorrupto da história da Igreja

Foi no século II que viveu a primeira santa a experimentar o fenômeno da incorruptibilidade. Conheça a história de Santa Cecília e saiba como seu corpo foi encontrado preservado ainda no século XVI.

Por Joan Carroll Cruz — A história indica que a primeira santa a experimentar o fenômeno da incorruptibilidade foi Santa Cecília, a padroeira dos músicos. O ano de seu nascimento é desconhecido, mas acredita-se que ela tenha morrido por volta do ano 177 depois de Cristo.

Cecília pertencia a uma rica e distinta família romana, que, apesar do desejo da menina de permanecer virgem, ofereceu a sua mão em casamento a um jovem nobre chamado Valeriano. Na noite de núpcias, Cecília conseguiu convencer o seu esposo a respeitar o seu voto de virgindade e, depois, converteu-o à fé, quando ele foi favorecido com uma visão do seu anjo da guarda. Valeriano e o seu irmão, Tibúrcio, também convertido por ela, foram perseguidos e instados a renunciarem à religião cristã. Como ambos heroicamente se recusassem a fazê-lo, foram decapitados e enterrados ao longo da Via Ápia. Cecília foi presa por ter sepultado os seus corpos e, por esse "crime", teve que escolher entre sacrificar aos deuses pagãos e enfrentar a morte. Ela prontamente afirmou a sua fé e preferiu o caminho do martírio.

Por causa de sua nobreza e juventude, os seus algozes decidiram executá-la em segredo, para evitarem as previsíveis críticas do povo. Cecília foi presa no banheiro de sua casa para morrer por asfixia pelos vapores d'água. Ela permaneceu um dia e uma noite inteiros nesse ambiente sufocante, sem que lhe acontecesse qualquer mal.

Um executor experiente, então, foi enviado para decepar-lhe a cabeça, mas, devido à falta de coragem em matar uma mulher tão jovem e bela, ele não conseguiu cortar a sua cabeça com os três golpes prescritos pela lei. O carrasco acabou fugindo, deixando a santa no pavimento de seu banheiro, viva e totalmente consciente, com a cabeça cortada pela metade. Deitada para o lado direito, com as mãos cruzadas em oração, ela voltou a sua cabeça para o chão e continuou rezando na mesma postura por três dias e três noites. A posição dos seus dedos, três estendidos na mão direita e um na esquerda, foram a sua última e silenciosa profissão de fé na Santíssima Trindade.

Os primeiros cristãos vestiram o corpo da mártir com uma rica túnica de seda e de ouro e colocaram-no em um caixão de cipreste na mesma posição em que ela expirou. Aos seus pés foram colocados os mantos e panos de linho usados para coletar o seu sangue. Ela foi sepultada nas Catacumbas de São Calisto por um bispo de nome Urbano, que também tinha batizado o seu marido e o seu cunhado.

No ano 822, durante o período de restauração da igreja dedicada à sua memória, o Papa Pascoal I quis transferir os restos da santa a um lugar de honra em sua catedral, mas não conseguia localizar o seu túmulo. A santa apareceu-lhe em uma visão extraordinária enquanto ele rezava e contou-lhe o lugar em que estava o seu corpo. A relíquia foi encontrada exatamente no lugar indicado. O Papa, então, colocou o corpo, junto com os ossos do seu marido, do seu cunhado e do mártir Máximo, logo abaixo do altar do templo.

Setecentos e setenta e sete anos depois, em 1599, ocorreu uma das mais documentadas exumações do corpo de um santo, quando o Cardeal Paolo Emilio Sfondrati, amigo de São Filipe Néri, ordenou a restauração de algumas partes da basílica. No dia 20 de outubro daquele ano, enquanto se trabalhava embaixo e perto do altar-mor, dois sarcófagos de mármore branco foram descobertos: eles correspondiam à descrição deixada por Pascoal I das urnas que continham as relíquias dos santos mártires. O Cardeal mandou que se abrisse o sarcófago na presença de testemunhas de inquestionável integridade. Depois que a cobertura de mármore foi removida, o caixão original de cipreste foi encontrado em ótimo estado de conservação. O prelado, com compreensível emoção, levantou a tampa, deixando à vista o tesouro que havia sido guardado pelos papas Urbano e Pascal. Os restos mortais foram encontrados na mesma posição em que a santa tinha morrido, quase 1500 anos antes. Através de um manto de seda que modestamente cobria o seu corpo, era possível ver o vestido dourado da santa, a ferida mortal no seu pescoço e as roupas manchadas de sangue. O Papa Clemente VIII foi imediatamente informado da descoberta e enviou o Cardeal Barônio para examinar o caso, juntamente com Antonio Bosio, explorador das catacumbas de Roma, que nos deixaram inestimáveis documentos descrevendo essa exumação.

Olhando através do velho manto que cobria o seu corpo, eles notaram que Cecília era de baixa estatura, e que a sua cabeça estava voltada para baixo, mas, devido a uma "santa reverência", não fizeram mais nenhuma examinação. Bosio registrou a sua opinião de que a santa foi encontrada na mesma posição em que havia expirado [1].

O Cardeal Sfondrato quis guardar como memorial desse tocante evento um pedaço do tecido coberto de sangue, e distribuiu pequenas relíquias a vários cardeais em Roma. Mas após inspecionar o último pedaço, que ele tinha reservado para si, o prelado descobriu grudado ao tecido um pequeno fragmento do osso da santa, que tinha sido deslocado pela espada e que um cristão primitivo tinha colhido sem perceber enquanto estancava a ferida da santa mártir. Sfondrato preservou essa relíquia como um querido e inestimável tesouro e colocou-a junto dos crânios de São Valeriano, São Tibúrcio e São Máximo, em relicários separados para exposição [2].

O Cardeal também quis reter um pequeno pedaço do vestido da santa e, enquanto o segurava, sentiu debaixo das roupas da virgem as cordas e nós de uma camisa que ela provavelmente usava como cilício [3].

A urna da santa foi colocada em uma sala situada na parte de cima da nave da basílica, onde podia ser vista através de uma janela com grades. A plataforma e a urna foram cobertas com cortinas de seda douradas, e a sala foi esplendidamente decorada com candelabros, belas lamparinas e flores de prata e ouro. Depois, o santuário foi inundado de um misterioso e agradável odor de rosas que procedia do caixão [4].

Por ordem do Papa Clemente VIII, a relíquia foi deixada exposta ali até a festa de Santa Cecília, no dia 22 de novembro, e tão grande era a multidão de fiéis romanos que acorreram à basílica que a Guarda Suíça foi chamada ao local para manter a ordem [5].

Após o período de um mês de exposição, a relíquia, ainda repousando no antigo caixão de cipreste, foi colocada em um novo caixão de prata, comissionado pelo próprio Papa como símbolo de sua veneração pela santa mártir. Na presença de 42 cardeais e representantes diplomáticos de vários países, o Papa celebrou uma Missa Solene durante a qual o corpo da santa foi novamente depositado sob o altar principal.

Um escultor de talento incomum, Stefano Maderno (1576-1636), que parecia empenhado em desempenhar o seu ofício durante a restauração da basílica, esculpiu uma imagem da santa, que é reputada como uma das mais celebradas e conhecidas obras de arte da Itália. Acredita-se que Maderno tenha representado a santa na exata posição em que permaneceu o seu corpo incorrupto. Essa estátua é encontrada imediatamente em frente ao altar-mor em um nicho de mármore preto, que foi designado pelo artista para dar a impressão de um sarcófago aberto. Fazendo isso, Maderno introduziu um novo design de altar, que foi frequentemente imitado depois [6].

Acredita-se que a Basílica de Santa Cecília tenha sido construída no local em que estava a mansão de sua família. A segunda capela, na nave lateral à direita, é chamada de caldário (caldarium, em latim) e é o quarto onde a santa foi condenada à morte. Aí são encontrados os restos de uma antiga banheira romana; os dutos, que continham a água aquecida, estão preservados. A peça de mármore sobre o altar é aquela em que se acredita que Cecília tenha sobrevivido ao primeiro martírio por asfixia, e pode muito bem ser a laje que marcou o lugar de sua morte.

Por Joan Carroll Cruz | Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere
CRUZ, Joan Carroll. The Incorruptibles. Charlotte: TAN Books, 2012, pp. 1-4.

Referências

  1. Ludwig von Pastor, The History of the Popes — Drawn from the Secret Archives of the Vatican and other Original Sources, v. XXIV. Londres: Kegan, Paul, Trench, Trubner & Co., 1933, p. 521.
  2. Ibid., p. 522.
  3. Prosper Guéranger, Life of Saint Cecilia, Virgin and Martyr. Filadélfia: Peter F. Cunningham, 1866, p. 283.
  4. Ibid., p. 284.
  5. Pastor, op. cit., p. 523.
  6. Ibid., p. 525.

| Categorias: Testemunhos, Notícias

Cidade retomada por cristãos no Iraque ficou dois anos sem Missa

“Depois de dois anos e três meses de exílio, celebramos a Eucaristia na Catedral que os jihadistas quiseram destruir”, disse com satisfação o arcebispo sírio-católico de Mossul.

A notícia está perto de completar um mês, mas, mesmo assim, vale a pena deixar registrado que os sinos de uma igreja católica voltaram a repicar na cidade iraquiana de Qaraqosh, retomada das mãos do Estado Islâmico na segunda metade de outubro. Para se ter uma ideia da importância dessa conquista, é preciso considerar a proximidade entre Qaraqosh e Mossul, separadas por pouco mais de 30 quilômetros de distância — Mossul que, como se sabe, é considerada até o momento a "capital" dos jihadistas no Iraque.

Nesta que é a segunda maior cidade do país, não restou praticamente nenhuma família cristã. Em 2014, os muros de suas casas foram pichados com uma letra do alfabeto árabe, equivalente ao nosso "n", em referência a Jesus, o Nazareno. Aos seus proprietários três opções eram oferecidas: converter-se ao islamismo, pagar um imposto religioso ou morrer pelo fio da espada. A maioria arriscou o exílio.

No dia 30 de outubro, no entanto, os cristãos que ainda restam na região celebraram uma verdadeira vitória em Qaraqosh: a de rezar, em meio a paredes queimadas e um altar em ruínas, o santo sacrifício da Missa. A catedral em que os fiéis se reuniram é dedicada à Imaculada Conceição e a liturgia dominical foi presidida pelo arcebispo sírio-católico de Mossul, Yohanna Petros Mouche. "Depois de dois anos e três meses de exílio, celebramos a Eucaristia na Catedral que os jihadistas quiseram destruir", afirmou o prelado, em verdadeira ação de graças.

As fotos tiradas na ocasião já circularam por toda a Internet e dispensam comentários. De qualquer modo, uma breve reflexão se faz necessária. Ao vermos com que alegria esses homens celebram a santa liturgia, arriscando para isso as suas próprias vidas, é inevitável pensarmos na falta de consideração, no desleixo e na preguiça com que tantas vezes tratamos o mistério eucarístico em nossas vidas. Enquanto a fé cristã se tornou, no Oriente Médio, questão de vida ou morte, o Ocidente está paralisado pela incredulidade, pelo afastamento de Deus, pela inércia. Temos tempo para tudo, menos para participarmos da Santa Missa; tempo para todo tipo de lazeres, menos para rezar. E ainda queremos arranjar desculpas para a nossa falta de compromisso!

É duro dizer isto, mas felizes são os cristãos do Iraque e da Síria! Sim, verdadeiramente bem-aventurados são eles (cf. Mt 5, 4. 10), porque, embora muitas de suas igrejas estejam em ruínas, suas almas estão em Deus, Aquele que constitui o único tesouro que devemos preocupar-nos em acumular. Enquanto isso, nossos templos, que parecem intactos, conservam de pé apenas a sua fachada, tal como a Basílica de São Bento em Núrsia, na Itália, recentemente atingida por um forte terremoto. Grande sinal é a ruína dessa igreja, devastada não por artifícios humanos, mas pelas mãos do próprio Deus — Ele que fala pelos acontecimentos da história e que realmente castiga, porque nos ama e deseja a nossa conversão. Oxalá ouvíssemos hoje a sua voz (cf. Sl 94, 8) e transformássemos os nossos corações em verdadeiros templos onde habitam a Santíssima Trindade!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categoria: Sociedade

O que falta aos movimentos ecológicos

De nada adianta combater a poluição do ambiente, quando se esquece da “poluição espiritual”, que degrada o ser humano e obscurece a sua dignidade de filho de Deus.

Respondendo se salvar um pecador é a maior obra de Deus, Santo Tomás de Aquino ensina que "o bem da graça de uma só pessoa é maior que o bem da natureza de todo o universo" [1]. A frase do Doutor Angélico pode parecer dura (inaceitável para alguns), mas não é mais escandalosa que o próprio Evangelho. Afinal, é o próprio Cristo quem — com uma clareza que dispensa notas de rodapé — interroga aos de seu tempo: "Que servirá ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua própria alma?" (Mt 16, 26).

De fato, quando olhamos para as coisas deste mundo, mesmo aquelas reconhecidamente boas e saudáveis, à luz da eternidade, tudo não passa de um pequeno e insignificante grão de areia. Como diz o Apóstolo, "a figura deste mundo passa" (1Cor 7, 31), e, na mesma linha, Santo Agostinho, após ensinar que "maior obra é fazer do ímpio um justo, que criar o céu e a terra", acrescenta: "O céu e a terra passarão; a salvação e a justificação dos predestinados, ao contrário, permanecerão" [2]. Ora, ninguém duvida que a obra da criação seja boa. O Gênesis relata que Deus, após ver concluída a obra de suas mãos, "viu tudo quanto havia feito, e era muito bom" (Gn 1, 31). A vida sobrenatural da graça, porém, é um bem muito mais valioso que "todo o universo", que toda vida meramente natural.

Verdades como essas têm as suas consequências práticas. Se o bem espiritual de uma única pessoa sobrepuja "o mundo inteiro", cada um deveria zelar pela sua própria alma com muito mais cuidado do que zela, por exemplo, pelo jardim da própria casa, pelo seu cachorro de estimação ou pela sobrevivência dos mico-leões dourados. O mesmo raciocínio vale para o pecado, que destrói a vida da alma: uma só ofensa a Deus é muito pior do que qualquer atentado ao mundo natural. Não deveria sequer haver comparação entre realidades tão distantes e, se o homem moderno não suporta sequer ler este simples parágrafo, é porque, realmente, perdeu a sua fé.

O então Cardeal Joseph Ratzinger, em seu livro-entrevista O Sal da Terra, de 1997, identifica com exatidão o problema de quem, querendo "lutar pelo meio ambiente", ignora a sacralidade do ser humano:

"Parece-me claro que, de fato, é o Homem que ameaça retirar o sopro vital à natureza. E que a poluição do ambiente exterior que observamos é o espelho e o resultado da poluição do ambiente interior, à qual não prestamos suficiente atenção. Julgo que é também o que falta aos movimentos ecológicos. Combatem com uma paixão compreensível e justificada a poluição do ambiente; a poluição espiritual que o Homem faz a si mesmo continua, pelo contrário, a ser tratada como um dos seus direitos de liberdade. Há aqui uma desigualdade. Queremos afastar a poluição mensurável, mas não tomamos em consideração a poluição espiritual do Homem e a figura da criação que nele se encontra, para que se possa respirar humanamente. Defendemos, pelo contrário, tudo o que a arbitrariedade humana produz, com base num conceito completamente falso de liberdade.

Enquanto mantivermos essa caricatura de liberdade, quer dizer, a liberdade de uma destruição espiritual interior, continuarão imperturbavelmente os seus efeitos exteriores. [...] Não é apenas a natureza que tem as suas regras e as suas formas de vida, que temos de respeitar, se quisermos viver dela e nela, mas também o Homem é interiormente uma criatura e está sujeito à ordem da criação. Não pode fazer de si mesmo tudo o que quer, como lhe apetece. Para que o Homem possa viver a partir do interior, tem de aprender a reconhecer-se como criatura e tem de se dar conta de que nela deve existir, por assim dizer, a pureza interior devida ao fato de ele ser criatura, a ecologia espiritual. Se esse elemento fundamental da ecologia não for compreendido, tudo mais se desenvolverá num sentido negativo." [3]

Como Ratzinger mesmo reconhece, é "compreensível e justificada" a preocupação do homem com o meio ambiente. O Papa Francisco também gosta de recordar que "somos guardas da criação" e que, quando a devastamos, "destruímos o sinal do amor de Deus". Não se pode, porém, esquecer que "também o Homem é interiormente uma criatura e está sujeito à ordem da criação", não podendo "fazer de si mesmo tudo o que quer". Ainda que seja o "ápice" de tudo o que Deus criou [4], ele não é o artífice do universo. Há uma lei inscrita na natureza e no seu coração, à qual ele deve obediência; há um Criador que o rege e o governa acima de sua cabeça e ao qual ele, com sua alma imortal (que o distingue de todos os animais), deve respeito.

"Toda a criação espera ansiosamente a revelação dos filhos de Deus" (Rm 8, 19), diz o Apóstolo. Eis, pois, a chave para equilibrar o relacionamento humano com a Criação: reconciliar-se interiormente com o Criador, assumindo e vivendo a sério a filiação divina. Um fato da vida de São Francisco de Assis talvez ajude a ilustrar as palavras de São Paulo:

"Ao atravessar o lago de Rieti, a fim de alcançar o eremitério de Greccio, certo pescador, por devoção, lhe ofereceu [a Francisco] uma ave aquática. Tomou-a ele nas mãos abertas e convidou-a a voar embora. Mas vendo o santo que ela não queria ir embora, levantando os olhos para o céu, ficou imerso em longa oração. Depois de muito tempo, voltando a si, como se fosse de um outro mundo, voltou a convidar o pássaro a voar embora e louvar o Senhor. E tendo recebido a permissão e a bênção, expressando sua alegria com os movimentos do corpo, partiu." [5]

Francisco, ostentando uma ave nas mãos e "levantando os olhos para o céu, ficou imerso em longa oração". Oxalá o mundo natural seja instrumento para que amemos a Deus, para que dirijamos a nossa alma aos bens imperecíveis da eternidade. Que São Francisco de Assis, constantemente louvado por seu amor às criaturas e por seu cuidado com a natureza, seja igualmente imitado em sua piedade e busca de perfeição.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Suma Teológica, I-II, q. 113, a. 9, ad 2.
  2. In Evangelium Ioannis, 72, 3 (PL 35, 1823).
  3. Joseph Ratzinger, O Sal da Terra. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 2005, pp. 183-184.
  4. Papa Francisco, Audiência Geral (21 de maio de 2014).
  5. São Boaventura, Legenda Maior (Vida de São Francisco de Assis), VIII, 8.

| Categoria: Testemunhos

Um noivado preparado por Deus

Este casal de noivos vive um momento de grande graça em suas vidas: a oportunidade de viverem um relacionamento casto, de acordo com os planos de Deus.

O testemunho a seguir foi enviado no dia 14 de outubro de 2016 ao nosso suporte. Conta a história de um casal de noivos que atribui bondosamente ao nosso trabalho de evangelização o momento de profunda graça que vêm experimentando em suas vidas: a oportunidade de viverem um relacionamento casto, de acordo com os planos de Deus.


Assista às aulas de nosso curso "Como Namorar Bem?" e aprenda você também a viver um namoro santo e de acordo com a doutrina perene da Igreja!


Os nomes Marcela e Mateus são fictícios, mas os corações que se unem para narrar esse belo relato de conversão são reais e pulsam de verdadeira caridade. A todos os que passarem por aqui, rezem uma Ave-Maria por esse casal, a fim de que descubram sempre mais, no afeto que manifestam um pelo outro, a resposta de amor que todos devemos a Cristo, Noivo das almas.

Querido Padre Paulo Ricardo,

Meu nome é Marcela, tenho 31 anos, e tenho muito a agradecer a Deus por sua vida e seu ministério, padre. Vou lhe contar uma grande graça que estou vivendo, e o senhor entenderá melhor essa gratidão.

Um dos grandes desafios das mulheres que sonham com um santo namoro é acreditar que podem encontrar homens que aceitem viver a castidade e aguardar em Deus, principalmente na minha idade. Existe uma cultura que supervaloriza o sexo e faz dos namoros verdadeiros "casamentozinhos" disfarçados. Existe um mito de que as pessoas, principalmente os homens, são incapazes de passar muito tempo sem sexo e, também, de que no pacote de todo namoro estão as relações sexuais.

Parece-me que a maioria dos homens solteiros, ainda que católicos e até frequentadores da missa, ignoram a castidade; as mulheres, em geral, seguem na mesma linha. Eu também fiz parte desse rol por alguns anos, mas, há quase 10 anos, eu tive um encontro profundo com Cristo que mudou a minha vida e um dos frutos do Espírito Santo na minha alma foi eu ter passado a viver uma vida casta desde essa época.

Há pouco mais de quatro meses, eu conheci o grande amor da minha vida, chamado Mateus. Desde quando nos conhecemos, nos identificamos bastante, pois ele é católico como eu, além de ser um rapaz sério, inteligente, sensível; gostamos das mesmas coisas, temos os mesmos propósitos de vida, nos alegramos com coisas simples. Mateus tem 33 anos.

Um dos momentos mais belos que vivemos aconteceu no quarto dia em que nos encontramos. Corremos em um parque e depois nos sentamos em um banco para tomar água de côco e conversar. Foi quando ele comentou sobre as viagens que poderíamos fazer juntos. Ele já tinha falado algo parecido antes, mas, naquele momento, senti que eu deveria abrir o jogo sobre aquilo que sempre havia sido o problema mais sério dos meus namoros anteriores e que sempre me dava ansiedade ao iniciar relacionamentos: a castidade.

Embora no fundo eu já soubesse que ele era um rapaz diferente e algo me dissesse que isto não seria problema desta vez, pela primeira vez, ao lado dele, me entristeci. Comecei a pensar nas palavras, escolher a forma de falar, disse que eu tinha uma coisa para contar a ele. Sempre que queremos dizer algo que nos é difícil manifestar ou sabemos que será complicado para o outro ouvir e entender, soltamos o velho clichê introdutório: "Preciso te contar uma coisa…".

Chamei-o para nos sentarmos em outro banco, pois ali onde estávamos fazia muito barulho. Enquanto caminhávamos, estava ansiosa, sentia medo de estragar, tão cedo, aqueles momentos agradáveis de descobertas e identificação que estávamos vivendo. Quando nos sentamos novamente, não tive mais como voltar atrás e adiar a conversa.

Comecei expondo que, no meu tempo de faculdade, eu conheci um Grupo de Oração Universitário, da Renovação Carismática Católica. Minha vida interior passou por uma absoluta guinada naquela época. Desde minha infância e adolescência, eu tinha uma busca espiritual que me impulsionava e me angustiava. Apesar de eu ser de família católica, frequentar a missa aos domingos, com meus pais, durante toda minha infância e parte da minha adolescência (obrigada por eles nesta última fase), somente quando me tornei adulta, depois de conhecer e viver muitas coisas, que minha fé em Jesus Cristo se estabeleceu de forma inequívoca dentro de mim. Uma profunda alegria e confiança na religião católica me trouxeram a paz espiritual que eu sempre buscara.

Expliquei ao Mateus que, desde esse tempo, eu optara por não ter relações sexuais com os homens com os quais eu me envolvesse. Decidi que teria sexo apenas com uma pessoa: aquele que viesse a se tornar o meu marido. Achei importante ressaltar que não se trata de uma forma de pressão para o casamento ou qualquer outra coisa, mas de uma decisão que está completamente relacionada à minha fé. Disse, ainda, que essa opção de vida me custa, que não é fácil, e inclusive está se tornando cada vez mais difícil de manter.

Quando terminei de contar todas essas coisas, perguntei se ele aceitava a situação e ainda queria continuar comigo aquele processo de conhecimento um do outro em que estávamos. Ele então me abraçou e disse que aquilo que eu acabara de dizer era a coisa mais linda que ele já tinha ouvido… Ele estava emocionado, parecia diante de algo que não esperava, não conhecia, ficando comovido. Além disso, fez questão de me dizer que ele nunca havia vivido a castidade e me perguntou se estava tudo bem. Eu disse que não tinha problema algum, desde que ele concordasse em viver de forma diferente, a partir daquele momento…

Alguns dias depois, Mateus descreveu que eu estava extremamente constrangida ao contá-lo sobre a minha castidade; estava nervosa, envergonhada, tinha a voz embargada. Disse que sentiu vergonha dele mesmo e de todos homens, pois não é certo que uma mulher se sinta amargurada por se preservar e ter princípios... Comentou que está tudo invertido, que os homens é que deveriam se envergonhar.

No próximo encontro, depois deste dia, fomos à missa, numa paróquia onde é possível confessar-se em qualquer dia da semana, especialmente antes e durante as missas, e as pessoas formam filas para se reconciliar com Deus. Fomos os dois para a fila da confissão. Desde as primeiras conversas que tivemos, eu havia convidado o Mateus para ir à missa e ele dito que precisava confessar-se para ir comigo e poder comungar. Naquele mesmo dia, na porta da igreja, ele me pediu em namoro.

Nunca me esquecerei daqueles dias… Deus me mostrou de forma maravilhosa sua presença e ação na minha vida. Pedi perdão por todas as vezes que questionei e até duvidei se seria possível, para mim, viver o que Ele me pedia e a Igreja me orientava, pelos diversos motivos mundanos que eu elencava. O Senhor não só me deu a graça de ter a oportunidade de viver um namoro santo, como me deu ainda mais motivos para que eu me esforce nessa meta. Todas as conversas e aquele dia mágico que vivi com meu namorado tornaram-se novos estímulos para que eu resista e o ajude na intenção de vivermos a castidade.

Claro que não é fácil. Amamo-nos muito, confiamos um no outro, falamos desde o início em nos casar (ficamos noivos há duas semanas!). Não somos naturais da cidade onde habitamos; ele mora sozinho e eu também; gostamos muito de estar juntos… Tudo isso torna a luta mais intensa, mas a vitória de cada dia, também, tem sido ainda mais gratificante.

Embora meu noivo já fosse batizado, tivesse feito a primeira comunhão e tivesse grande apreço e vivência dos princípios cristãos antes de me conhecer, ele não frequentava a missa ou participava de qualquer movimento da Igreja. O principal contato que ele tinha com a religião católica, antes de me conhecer, era por meio de sua obra, querido Padre Paulo Ricardo. Ele é seu aluno virtual há um bom tempo. Faz cursos, assiste a vídeos, gosta muito das suas homilias.

Tenho pleno entendimento de que o Senhor preparou meu noivo por meio de você, padre. Tudo o que eu propus e que ele aceitou com tanta abertura; toda a sede de Deus dele, que se juntou à minha, para passarmos a viver juntos uma vida tão voltada para a Igreja; a real mudança de vida dele; tudo isso é fruto do Espírito Santo e iniciou-se com o acesso que ele teve à sua obra, padre.

Tenho profunda gratidão a Deus pela sua vida, Padre Paulo Ricardo. Ir à missa e assistir a seus vídeos e cursos é parte da nossa rotina de casal desde o início do nosso namoro. Entre outros, estamos sempre assistindo os relacionados à pureza, temática que ele me confessou sempre evitar em seus cursos anteriormente... Queremos nos manter firmes no propósito que não é só meu, é dele também, de vivermos a castidade.

Meu noivo e eu admiramos profundamente sua inteligência, seu caráter, sua sinceridade, sua dedicação e seus conhecimentos da doutrina da Igreja e dos santos, de filosofia, da Bíblia... Jesus continua falando a nós por meio das suas palavras. Rezamos por você, pedimos que o Senhor o proteja e lhe dê a graça de seguir cada dia para mais perto dEle, ajudando a nós e a tantos outros a trilhar o mesmo caminho.

Deixo aqui um grande abraço ao senhor! Que Nossa Senhora e Santa Teresinha o protejam e lhe deem muitas graças, todas as que o senhor ora pedindo ou seu coração pede secretamente.

Com admiração e carinho,
Marcela.

| Categoria: Igreja Católica

Os católicos e a intolerância religiosa

Uma reflexão genuinamente católica sobre “intolerância religiosa”, escrita por um bispo e membro da Academia Brasileira de Letras.

Neste ano de 2016, o Exame Nacional do Ensino Médio formulou como proposta de redação o tema "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil". Embora ciente do viés notavelmente tendencioso com que o assunto foi apresentado, a pretensão de nossa equipe é contribuir sinceramente com esse debate, oferecendo uma reflexão genuinamente católica a esse respeito.

Para tanto, publicamos a seguir trecho de um precioso discurso de Dom Francisco de Aquino Corrêa. Para quem não o conhece, trata-se de um bispo brasileiro que governou a Arquidiocese de Cuiabá de 1921 a 1956 e que ocupou, no mesmo período, um honroso lugar de prestígio na Academia Brasileira de Letras.

Não obstante elevada a linguagem com que se pronuncia o purpurado, a mensagem que ele transmite não só é inteligível, como de grande utilidade para orientar a moderna discussão sobre "intolerância religiosa". Não deixem de apreciar:

Senhores!

Aprendi com os velhos mestres escolásticos que um dos recursos mais frequentes nas justas cavalheirescas do espírito há de ser a distinção lógica dos termos: assim aconselhavam eles no final dum conhecido hexâmetro didático: distingue frequenter. Onde quer que se insinue a confusão, aí se impõe ela. E, não raro, nos dá, deveras, a sensação dum raio de sol em plena treva. Ora, um dos vocábulos mais confusos da linguagem polêmica é precisamente a intolerância. Tanto assim que podemos distingui-la, não em duas, mas em três espécies, que, para maior clareza ou efeito gráfico e mnemônico, designarei por três pês: intolerância de pessoas, de palavras e de pensamentos.

Nada mais anticristão do que a intolerância de pessoas. Basta abrir os evangelhos: Jesus levou nesse terreno a tolerância a tal auge que escandalizou os fariseus, pois, afrontando-lhes embora a indignação e o desprezo, achegou-se aos publicanos e pecadores. E máxime em pritaneus acadêmicos, como o nosso, é que se ela impõe, como já fazia notar, com a costumada lepidez, o saudoso confrade Carlos de Laet: "Neste habitáculo das letras, escreveu ele, a tolerância de pessoas não é somente uma virtude, mas uma exigência impreterível, para a serenidade em nossos debates, mesmo naqueles que mais nos escandescem, isto é, os da questão ortográfica".

Não é, portanto, essa, a intolerância, de que se possa acusar o catolicismo, porque ninguém menos católico, nem mais intolerável, do que um católico intolerante para com as pessoas.

Em segundo lugar, vem a intolerância de palavras, compreendendo-se nesta expressão toda a intolerância no modo de expor ou defender a doutrina. E esta igualmente, longe de praticar, há de condená-la quem quer que se preze de verdadeiro católico. Mestre das controvérsias católicas, investido oficialmente nesse título pelo Papa reinante, é S. Francisco de Sales. E é ele próprio quem nos diz que o polemista, que se enfada, torna suspeita a sua causa. A luz da verdade, ensina ainda ele, não se dardeja aos olhos do adversário, com perigos de cegá-lo: faz-se-lhe alvorecer de mansinho. E tamanho era o seu cavalheirismo, que desejara tratar os contendores, não somente com luvas, mas luvas perfumadas. E aqui vem a propósito aquelas duas palavras com que os livros santos definem a ação da Providência no governo do mundo: fortiter e suaviter, as quais bem se podem aplicar ao floreio elegante da dialética, na mão dos paladinos da causa católica: firmeza na verdade, gentileza no defendê-la. Fortiter in re, suaviter in modo.

Esta firmeza na verdade nos leva naturalmente a considerar a terceira classe de intolerância, que é a do pensamento. E esta, sim, meus Senhores, devo confessar-vos que o catolicismo não somente a professa, mas dela faz timbre nas armas heráldicas do seu apostolado, outra coisa não sendo ela, senão a intolerância do erro. E não há condescendências nem amizades que valham a justificar a adoção do erro, um só que seja. Já dizia Aristóteles que, com ser amigo e admirador de Platão, não deixava de o ser, e muito mais, da verdade: Amicus Plato, sed magis amica veritas.

Muitos, todavia, nem com essa intolerância se conformam, e a razão se me antolha óbvia: é que não admitem a verdade integral dos dogmas do cristianismo. Diante destes, a situação dos católicos continua a ser aquela mesma de Jesus em presença de Pilatos: ante a convicção com que o Cristo falava da verdade, que viera revelar ao mundo, pergunta-lhe o procurador da Judéia, com um sorriso de humorismo, que bem se lhe adivinha nos lábios: "E que vem a ser a verdade?" Quid est veritas? (Jo XVIII, 38).

E, efetivamente, para os que vêem na doutrina católica, a par de algumas verdades, não poucas superstições e crendices, nada mais insuportável que a presunção com que a proclamamos e defendemos contra tudo que lhe repugne. Mas, por outro lado, se o católico, convencido como deve estar dessas verdades, a ponto de, no dizer de Pascal, deixar-se degolar por elas, não praticasse essa intolerância daria bem triste prova da sua convicção, ou, melhor, documentaria a sua incoerência. Tolerar ideias contraditórias é próprio só de espíritos que ainda não se firmaram na verdade. Há de se, pois, fazer justiça aos católicos, reconhecendo, ao menos, a coerência da sua atitude: verdade e erro não se toleram entre si, repelem-se: hurlent de se trouver ensemble.

O que vos eu acabo de expor, não é meu, nem novo: acha-se já admiravelmente cristalizado, há 16 séculos, naquela fórmula clássica de Santo Agostinho, que assim reza: "Amai aos homens, destruí os erros, certos, mas não soberbos de possuir a verdade, e lutando, mas sem paixões, por ela!" Diligite homines, interficite errores: sine superbia de veritate praesumentes, sine saevitia pro veritate certantes.

Não se pense, entretanto, que tudo no cristianismo sejam dogmas: ao lado destes, existem aí também não poucas teses incertas e duvidosas. A intolerância, de que falamos, circunscreve-se aos domínios do dogma; fora daí, há liberdade de pensamento. É o que lapidarmente, como costumava, fixou o mesmo Santo Agostinho neste brocardo, que tão de molde vem ao nosso assunto: "No dogma, unidade; na dúvida, liberdade; em tudo, caridade". In certis unitas, in dubiis libertas, in omnibus caritas.

Nem será por demais frisar melhor aqui esta liberdade de pensamento, para que se não cuide que, em se tratando de dogmas, desapareça ela, de todo em todo, o que seria falso. Basta, para isso, distinguir na fé o seu ato e o seu objeto. O ato de fé é sempre livre, essencialmente livre, tão livre que sem liberdade não pode existir a fé: ou se crê livremente, ou não se crê. Daqui a estultícia da fábula do "crê ou morre!" O objeto da fé, este sim, é que exclui a livre escolha, não podendo ser outro que a verdade.



Dom Francisco de Aquino Corrêa, Mensagem aos Homens de Letras (Proferida na Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 1937). Em: Discursos, vol. II, tomo II, Brasília, 1985, pp. 176-178.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere