CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
A noite em que eu enfrentei meus demônios
EspiritualidadeTestemunhos

A noite em que eu
enfrentei meus demônios

A noite em que eu enfrentei meus demônios

"Deus resgatou minha alma doente e entorpecida de um destino literalmente pior que a morte. Sem a sombria epifania que eu experimentei naquele bar, e aquilo a que ela me levou, só Deus sabe onde eu estaria agora."

Dr. John MorrisseyTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere22 de Outubro de 2015Tempo de leitura: 10 minutos
imprimir

Olhando retrospectivamente para os meus 29 anos de médico, acho que o ano em que passei no hospital do câncer foi o mais difícil de todos. Toda quarta-feira e fim de semana, sem falta, eu cobria a unidade de terapia intensiva por 24 horas, como médico residente intermediário. Durante todo o tempo em que passei ali, não vi um único paciente sobreviver, embora não fosse por falta de tentativa. Nenhum sequer.

Todos tinham em comum o fato de a sua médula óssea ter sido suprimida pelas sessões de quimioterapia, o que tinha como consequência infecções generalizadas inevitavelmente fatais. UTI, ressuscitação completa com tubos, ventilação, terapia intravenosa, estimulantes cardíacos: era tudo em vão. Eles morrem porque, sem a médula óssea funcionando, perdem a resposta imune do seu organismo. Nenhuma quantidade de antibióticos consegue impedir que seus corpos sejam infestados por microorganismos.

Obviamente, eu atendia apenas os mais doentes de todos. A maior parte dos pacientes de quimioterapia não sofre complicações tão severas. Com a médula recuperada, o seu câncer regride ou é até mesmo curado.

Eu tinha me tornado médico para curar quando desse, dar alívio na maioria das vezes e confortar sempre, mas aquela contínua experiência de fracasso foi começando pouco a pouco a me deixar para baixo.

Comecei a ficar apavorado com o trabalho no hospital do câncer, com medo de aquele bipe tocar. Mesmo tendo me afastado da prática da fé depois da universidade, comecei a rezar, pedindo que os meus pacientes se recuperassem ou que, pelo menos, eu não estivesse de plantão quando eles fossem admitidos. Minhas orações não foram atendidas. As mortes continuaram acontecendo, implacáveis, e um grande sentimento de vazio e de desespero encheu o meu coração.

O fato de eu estar solteiro, sem amigos, morando sozinho e afogando minhas mágoas, toda noite livre, em um bar ao lado do hospital, só piorava a situação. Nunca me faltavam companheiros – da equipe do hospital, principalmente – com quem beber, rir e me divertir na hora do rush, antes de voltar para jantar, TV e cama. Meu coração batia, mas eu não estava vivo.

Espiritualmente, eu era um alegre pagão, um Baco vestido com um imundo jaleco branco e uma falsa auréola na cabeça. Mesmo tendo vivido uma profunda experiência religiosa dois anos antes, minha vida moral continuava pintada com vários tons de preto e minha cabeça estava cheia de ideias sem sentido de sincretismo e "nova era".

Um dia, escrevendo o relatório de um jovem paciente que tinha acabado de falecer, fiquei paralisado ante a espreita do "cachorro negro" da depressão, pronto para me devorar. Eu estava encarando o vazio e meu rosto deve ter feito soar o alarme, porque um dos parentes da vítima veio me perguntar, preocupado: "Está tudo bem, doutor?" Emocionado com a sua gentileza, eu me desculpei: "Perdão, estou lutando para ver algo de bom aqui. Tem morte demais nesse lugar."

Constrangido com minha própria franqueza e morbidez, corri para a sala de plantão, desorientado à procura de uma introspecção e de alguma conversa com Deus. Nada disso me ajudou, na verdade. As enfermeiras devem ter pensado que eu era um desses senhores velhos e desajeitados.

Outra coisa me incomodava em relação à ética do hospital. Havia uma forte ênfase de pesquisa nos efeitos das terapias: tratamento A versus tratamento B. Tudo medido pelo número total de dias de sobrevivência, incluindo os pacientes da seção de terapia intensiva. Meu único papel parecia ser o de prover, a qualquer preço, aquelas últimas desesperadoras horas de vida, estendidas apenas por intervenções médicas extremas e inúteis. Eu não passava de um mero acessório para a confecção isolada de estatísticas. Parecia haver algo de errado naquilo tudo.

Tive um sonho estranho certa noite. Encapuzado, como um ativista pelos direitos dos animais, eu corria dentro do hospital, rasgando prontuários e dizendo a todos os pacientes que eles pelo menos estavam livres. No mínimo, bizarro.

Outra noite, fiquei até mais tarde no bar, bebendo sozinho depois que meus amigos haviam saído. Eu estava meio bêbado e não havia por que ir para casa, quando, de repente, me sobreveio de não sei que lugar um forte sentimento de paranoia, literalmente assustador. Por um momento, aquele aconchegante bar no qual eu tomava alguns driques se tinha transformado em um antro de horrores. Era como se eu estivesse vendo pela primeira vez aquele lugar como ele realmente era: uma caverna suja repleta de alcoólatras caloteiros e derrotados, e ali estava eu, um membro completo do clube. Os que ali bebiam com frequência eram desconhecidos para mim, mas eu comecei a suspeitar más intenções de cada olhadela deles em minha direção. Senti-me tão sozinho. Comecei a ficar gelado e a suar, à procura de uma rota de fuga.

Um terrível sentimento de morte iminente invadiu a minha cabeça. Eu tinha certeza de que estava para conhecer o meu fim, ou por violência, ou por alguma doença repentina. Minha mente saltava de um lugar para outro considerando todas as possibilidades e, então, com grande claridade e certeza, eu sabia que tinha que confessar os meus pecados a um padre sem demora, ou estaria condenado eternamente. Como um jovem "na ativa" em uma grande cidade, o pecado não me era estranho, como se pode ver, mas, até aquele momento, eu nunca havia percebido os seus efeitos de morte sobre a minha alma.

Saí do bar como que perseguido por uma horda de demônios e fiz o caminho até a entrada do hospital, onde havia uma cabine telefônica. Eram cerca de 9 da noite e ainda estava claro. Eu não pertencia a nenhuma paróquia, para quem ligar? As páginas amarelas listavam as igrejas da cidade e um nome saltou diante dos meus olhos. Era uma igreja jesuíta. Lembrei-me de ouvir sobre o seu carisma missionário enquanto estudante de colégio católico. Com certeza eles poderiam me ajudar.

Disquei rapidamente e, em pânico, expliquei minha situação à atenciosa voz do outro lado da linha. Eu sabia que devia estar parecendo um completo desvairado. A voz me disse calmamente para eu ir ao seu encontro.

Pulei para dentro de um táxi e cheguei lá em dois tempos. Da rua principal, avistei a porta da frente e toquei a campainha. A tranquilidade e as sombras do lugar não ajudavam a minha ansiedade. Sentia-me naquela famosa cena de "O Exorcista".

A porta se abriu e a claridade do lado de dentro instantaneamente dissipou a estranha penumbra que me cobria enquanto eu esperava. Fui recebido por um dos irmãos, o mesmo que tinha me atendido ao telefone. Eu devia estar parecendo um monstro alcoolizado, com os meus olhos arregalados, o rosto pálido e um terrível bafo de cerveja.

Enquanto eu esperava na entrada, a porta da frente se abriu de novo e dela saiu um velho sacerdote baixinho, com óculos redondos, uma boina e um longo casaco preto. Ele juntou-se a nós e, "Boa noite, irmão!", disseram alegremente um ao outro, como fazem os irmãos.

Fui apresentado a um quarto de hóspedes fora do hall de entrada. Alguns minutos depois, apareceu um padre de meia idade, com os olhos pesados, vestido em uma roupa clerical já meio desgastada. Obviamente, eu tinha tirado o pobre homem da cama. Ríspido, ele deixou claro que tudo aquilo era muito fora do comum, mas eu implorei tanto que ele escutasse a minha confissão que, vendo o quão perturbado eu me encontrava, ele misericordiosamente assentiu.

Eu estava bem fora de prática. Eram, afinal, dez anos sem me confessar. O padre me ajudou e, com lágrimas, consegui acusar os meus pecados. Recordei o Ato de Contrição da minha infância e, com as palavras finais da absolvição e de olhos fechados, todo meu pavor foi embora, completamente. Nunca tinha ficado tão agradecido como naquele momento. Pedi desculpas pela invasão e deixei aquela casa em paz.

Um coração consideravelmente mais iluminado observava a velha cidade escura, enquanto eu pulava as poças de água para pegar o ônibus para casa. Nada à minha volta tinha mudado, mas eu sim, eu estava reconciliado. Percebi que apenas os meus próprios pecados podiam realmente me fazer mal. Se eu pudesse cortar todas as amarras que me prendiam a eles, perderia também o meu medo da morte, para sempre e de uma vez por todas. Eu estava finalmente de volta ao aprisco e, agora, deveria dar o meu melhor para ficar aqui. Esse empenho continua até o dia de hoje, nesse tortuoso caminho familiar a todos os pecadores arrependidos. Minha paranoia levou-me a uma metanoia, a uma completa mudança de mentalidade e de vida.

Tive ainda que encontrar uma paróquia para ser minha casa espiritual e reestabelecer o hábito de ir à Missa regularmente. Levaria alguns anos até que eu novamente me sentisse parte de uma comunidade paroquial, como a que eu tinha em minha juventude. O casamento e os filhos ajudaram a acelerar esse processo.

Voltei à rotina do hospital. Aqueles pobres pacientes continuavam a morrer, mas, agora, eu rezava por suas almas, pedindo que recebessem o presente que eu tinha recebido, que a luz perpétua os iluminasse.

O moderno tratamento médico pode alterar apenas a hora, o lugar e o modo da morte corporal, mas não a sua ocorrência inevitável. Infelizmente, muitos pacientes e familiares não conseguem ver essa limitação ou sequer chegam a considerar a sua vida espiritual. Ninguém deveria "entrar gentilmente naquela boa noite" ("go gentle in that good night") sem alguma preparação para o caminho e uma "luz generosa" ("Kindly Light") para o guiar [2].

Pacientes de câncer estão bem conscientes de que foram invadidos por uma força hostil que intenta a sua aniquilação. Católicos veem os pecados mortais sob essa mesma luz: eles são um tumor letal, uma sentença de morte para a alma, separando-a para sempre de Deus, que é seu único verdadeiro repouso e morada. Todo o Evangelho não trata senão da morte dessa "sentença de morte", alcançada pelo único sacrifício de Cristo por todos na Cruz.

O pior câncer imaginável pode em teoria ser curado por uma dose totalmente ablativa de radiação, enviada a todo o corpo. Isso mata não apenas as células cancerígenas – para onde quer que elas se tenham espalhado –, mas também a médula óssea, fonte vital de imunidade. Sem um transplante de medula, o paciente irá morrer rapidamente mesmo com a mais inofensiva infecção, como uma gripe comum. A médula doada deve ser totalmente compatível, ou há um risco de que ela comece a atacar os próprios tecidos do paciente.

O transplante que Jesus nos dá na Eucaristia é perfeitamente compatível e revivificador para a alma humana, já que Cristo é o doador universal. Mas esse transplante só "funciona" com segurança na alma que foi perdoada do pecado grave pelas terapias ablativas e purificadoras do Batismo e da Reconciliação, que iluminam a alma com a graça santificante.

A dor, a doença, a tristeza a e morte geralmente não nos são tiradas por Jesus. Ao contrário, Ele nos mostra como usá-las santamente, em ordem a unirmos os nossos sofrimentos aos d'Ele. Mesmo sendo um ótimo remédio, a medicina não substitui uma união cada vez mais íntima com Jesus, e a Sua imitação nas coisas mais pequenas, até o sacríficio final – para tanto, serão suficientes, pelo menos a princípio, os sofrimentos ordinários que todos nós temos no dia a dia.

As flechas do nosso desejo de união com Deus, que nós lançamos contra a nuvem do desconhecido (que esconde Deus de nós), retornam para nós, no bom tempo de Deus, como dardos apontados para os nossos corações e envolvidos com o óleo da caritas transformadora. O misterioso é que nossas flechas estão geralmente sendo lançadas para cima sem a nossa plena consciência, enquanto as nossas almas trabalham, balindo no subconsciente por ajuda.

Quanto mais distante as ovelhas, mais aguçados os ouvidos do Bom Pastor. Se algumas vezes parece que as nossas orações não estão sendo atendidas, deve ser porque nosso Senhor está ocupado lidando com aquelas em maior perigo. A paciência é sempre vital para nós, que somos Seus pacientes.

É quando somos levados por nossas escolhas ou pelas circunstâncias ao nosso ponto mais baixo e nos encontramos desamparados, que a graça de Deus pode intervir ao máximo. Quando somos fracos, Ele é o mais forte. Deus é gentil e educado e nunca faz violência contra nós – até mesmo o divino médico exige o nosso consentimento. Mas Ele nunca fracassa em salvar-nos de nossa aflição, se permitirmos que Ele aja.

Mais de 20 anos depois, agora eu posso ver como Deus resgatou minha alma doente e entorpecida de um destino literalmente pior que a morte. Sem a sombria epifania que eu experimentei naquele bar, e aquilo a que ela me levou, só Deus sabe onde eu estaria agora.

Notas

  1. O autor do texto é especialista no cuidado com pessoas em estado terminal. John Morrissey é apenas o seu pseudônimo.
  2. Os dois trechos entre aspas fazem referência a dois poemas de língua inglesa. O primeiro é Do not go gentle into that good night, do escritor Dylan Thomas (1914-1953). O segundo é a canção The Pillar of the Cloud, de autoria do bem-aventurado John Henry Newman (1801-1890).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Carlos e Zita da Áustria: um casal segundo o ideal cristão
Santos & Mártires

Carlos e Zita da Áustria:
um casal segundo o ideal cristão

Carlos e Zita da Áustria: um casal segundo o ideal cristão

Numa época em que a família é relativizada e a santidade no matrimônio é apresentada como algo impossível, é oportuno recordarmos alguns detalhes da vida matrimonial do Beato Carlos da Áustria e da Serva de Deus Zita.

Irmã Joana da Cruz, OCD1 de Abril de 2020Tempo de leitura: 13 minutos
imprimir

Numa época em que a família é relativizada e a santidade no matrimônio é apresentada como algo impossível, é oportuno recordarmos alguns detalhes da vida matrimonial de Carlos e Zita da Áustria. 

O título deste artigo é tirado da expressão que Madre Maria Antônia — irmã de Zita que se fez monja beneditina em Santa Cecília/ Solesmes — usou em seu testemunho para as Atas do Processo de Carlos: “Um casal segundo o ideal cristão”. Se esta era a impressão que Carlos e Zita deixavam junto àqueles que conviviam com eles, isto, sem dúvida, é sinal de como este santo casal estava empenhado em viver sua vocação matrimonial segundo os desígnios de Deus para as famílias e de acordo com os valores do Evangelho [1].


Em virtude de um laço de parentesco indireto, Carlos e Zita se conheceram quando ainda eram crianças. Mas, então, as brincadeiras próprias dos meninos e os entretenimentos das meninas proporcionavam poucos pontos de interesse comum. Em 1909, as coisas mudaram.

Zita de Bourbon-Parma, Serva de Deus.

Zita tem dezoito anos. Após uma breve estadia na Inglaterra para complementar sua educação, ressentindo o clima por demais úmido da ilha, foi obrigada a retornar para a família. Aconselharam-lhe um tratamento junto a uma estação de águas e, assim, ela vai para Franzensbad, acompanhada de uma tia de Carlos, a Arquiduquesa Maria Anunciata, que também precisava se tratar. De sua parte, Carlos, seguindo a tradição dos Habsburgos, entrara para a vida militar. Na época, tinha vinte e três anos e estava aquartelado em Brandeis, não muito longe de Franzensbad. Nos dias de folga, costumava ir visitar sua tia predileta, a Tia Anunciata, que estava com Zita. Foi a partir destes encontros que o mútuo interesse entre os dois jovens nasceu.

As visitas à Tia Anunciata eram sempre mais desejadas, sempre mais agradáveis, sempre mais prolongadas... Certa vez, a avó de Carlos quis ir em peregrinação ao santuário mariano de Mariazell. Pediu que seu neto a acompanhasse. Zita e sua irmã Francisca também aproveitaram a oportunidade para irem rezar aos pés da Virgem. E foi aí, na casa de Maria, diante do Santíssimo Sacramento que Carlos fez sua proposta à Zita.

O noivado foi celebrado aos 13 de junho de 1911, na Villa delle Pianore, residência italiana dos Duques de Parma, família de Zita. Na fotografia que ofereceu a Carlos nesta ocasião, a jovem noiva escreveu: “Mais para você do que para mim”, indicando, desta forma, que sua felicidade consistia em sair de si, em esquecer sua própria pessoa para fazer Carlos feliz. Em preparação para o sacramento do matrimônio, os noivos decidem fazer os exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola. Zita, de acordo com os costumes dos Habsburgos e dos Bourbons-Parma, também vai a Roma para pedir, numa audiência privada com o Papa Pio X, a bênção para ela e seu esposo. Ambos querem constituir uma verdadeira família cristã.

O casamento foi marcado para o dia 21 de outubro de 1911, na propriedade que a família de Zita mantinha na Áustria: o Castelo de Schwarzau. Na véspera da cerimônia, antecipando em cinquenta anos a verdade tão enfatizada pelo Concílio Vaticano II de que todos, independentemente de nosso estado de vida, somos chamados à santidade, Carlos diz à Zita: “Agora, devemos nos ajudar um ao outro a chegar ao céu”. Nas alianças, como sinal da devoção que os dois nutrem por Nossa Senhora, ele mandou gravar, junto dos nomes, o início da antífona mariana: Sub tuum praesidium, “À vossa proteção, recorremos, ó Santa Mãe de Deus”. E a viagem de núpcias inicia-se, justamente, em Mariazell, onde o casal consagra à Virgem a nova vida que iniciam.

Eis como Madre Maria Antônia, irmã de Zita que se fez monja beneditina, descreve o relacionamento de Carlos com sua esposa: 

A vida de família de Carlos foi, de fato, segundo o ideal cristão; foi uma harmonia perfeita de pensamentos e princípios, não havia segredos entre os dois, era a abertura completa, leal, recíproca, a confiança absoluta. (...) Carlos sempre foi para sua esposa o melhor dos maridos, e para seus filhos, um modelo de pai. Quando estava ausente, telefonava todos os dias para sua esposa, mesmo do front, para ter notícias da família e tranquilizá-la em suas obrigações (...). Minha irmã dava um resumo dos acontecimentos da casa e ele seguia tudo com interesse, de maneira cordialíssima e dava conselhos e diretrizes [2].

O Conde Pedro Revertera diz que “o relacionamento entre os dois cônjuges foi sempre particularmente íntimo, terno e afetuoso”.  Sobre Zita, ele conta: 

Esta afetuosidade, eu mesmo a pude notar várias vezes, quando, por exemplo, [Carlos] devia falar em ocasiões públicas — coisa para a qual não era inclinado. Pude, então, observar como [Zita], antes, dava-lhe ânimo da maneira mais afetuosa, a fim de encorajá-lo neste dever tão desagradável, e como, da mesma maneira afetuosa, encontrava, depois, palavras de alegria e aprovação [3].

Os filhos, no total de oito, não tardaram a vir: Otto, Adelaide, Roberto, Felix, Carlos Luís, Rodolfo, Carlota e Elisabete — que nasceu dois meses após a morte do pai. Ambos enxergavam a paternidade e a maternidade como a exponenciação máxima de sua vocação matrimonial. Consideravam os filhos como dons que Deus lhes havia confiado e, portanto, não só os acompanhavam no seu desenvolvimento humano, mas se empenhavam em dar-lhes uma sólida formação religiosa e em infundir-lhes sincera piedade.

Desde a mais tenra idade, Carlos costumava levá-los à capela, para apresentá-los e entregá-los ao Senhor. Todas as noites, passava junto de suas caminhas, abençoava-os e rezava com eles. Gostava, sobretudo, de contar-lhes a História Sagrada e, sentando-os junto a si, narrava-lhes passagens bíblicas. Zita, por sua vez, ensinava-lhes as orações do cristão, incentivava-os aos pequenos sacrifícios diários e à prática da caridade. Quando chegavam à idade da Primeira Comunhão, era ela mesma quem lhes ensinava o catecismo e os preparava para receber Jesus Eucarístico.

Em 28 de junho de 1914, o assassinato do Arquiduque Francisco Ferdinando mudou a história do mundo: veio a Primeira Guerra. E mudou também a vida de Carlos: ele tornou-se o primeiro na linha de sucessão ao Império Austro-húngaro.

E, de fato, com a morte do Imperador Francisco José em 1916, Carlos sobe ao trono. Ele e Zita condividem as responsabilidades de Governo neste difícil período da guerra: visitam soldados combatentes e feridos, buscam medidas para amparar os órfãos e as viúvas, procuram amenizar a pobreza do povo, empenham-se na obtenção diplomática da paz. Mas, nem por isso, a vida de família é negligenciada. Sempre há tempo para se dedicarem aos filhos e, sobretudo, a primeira sexta-feira de cada mês é vivida em família de maneira muito intensa. Todos estão presentes na missa de manhã e os meninos mais velhos servem como coroinhas. No final da tarde, mesmo os mais pequeninos participam da adoração eucarística, seguida da bênção do Santíssimo Sacramento e da renovação da consagração ao Sagrado Coração. De noite, toda a família reza junto a Ladainha do Coração de Jesus e outras preces em sua honra.

Com o final da guerra e a queda da monarquia austro-húngara, a Família Imperial é constrangida ao exílio na Suíça. É um período de muitas preocupações e de grande sofrimento moral. Carlos e Zita apoiam-se mutuamente. A força para enfrentarem todas essas adversidades lhes vem da vida sacramental e da prática da oração. O grande conforto do casal são os filhos.

A pedido de um grupo de legitimistas e com o apoio do Papa Bento XV, que temia a expansão do bolchevismo no leste europeu, Carlos empreendeu duas Tentativas de Restauração da monarquia na Hungria. Após o fracasso da primeira, Zita decidiu acompanhá-lo na segunda. Para ela, “o dever da esposa é estar ao lado de seu esposo”.

Mas, a Segunda Tentativa de Restauração também malogrou em virtude da traição do Regente. O casal imperial é levado para um novo e drástico exílio: a Ilha da Madeira, na costa oeste da África, afastada do continente europeu e, naquele tempo, bem isolada do mundo. Estão sozinhos, longe dos filhos... longe de todos os parentes... longe da pátria e daqueles que lhes eram fiéis... com todos os bens confiscados…

Sim, com todos os bens confiscados, sem ter como se sustentarem. As forças aliadas que impuseram tal exílio não sentiam qualquer responsabilidade sobre Carlos e Zita, considerando-os um problema dos antigos povos do Império desfeito. Estes, transformados em novas e fracas repúblicas, diziam não ter nenhum vínculo que lhes obrigasse a sustentar o antigo monarca.

A dor e o sofrimento interior são inauditos neste período da vida do casal, mas eles se sustentam um ao outro e, juntos, recorrem a Deus. Duas são as grandes preocupações de Carlos e Zita: trazer os filhos para perto de si e conseguir um meio de subsistência para o futuro. Problemas importantíssimos para eles, mas diante dos quais sentem sua absoluta impotência: não podem fazer nada, não podem tomar nenhuma atitude. Sem esmorecer na esperança, confiam tudo às mãos de Deus e aguardam a solução e o momento marcados por ele para o alívio de suas angústias.

Um acontecimento triste, mas, sem dúvida, providencial, vem resolver a primeira questão. Um dos filhos, o Arquiduque Roberto, passa por sérias crises de apendicite e deve submeter-se a uma cirurgia. Após inúmeros e difíceis trâmites burocráticos, Zita obtém a permissão de deixar brevemente a Ilha da Madeira para acompanhar seu filho na operação. Ao voltar da Suíça, traria consigo as crianças. De fato, retorna acompanhada de todos os filhos, exceto Roberto que, em convalescência, chegaria um mês mais tarde, acompanhado da Arquiduquesa Maria Teresa, avó de Carlos. Foi assim que, no dia 2 de fevereiro de 1922, num momento de indizível emoção no porto de Funchal, a família pôde estar novamente reunida.

O Bem-aventurado Carlos da Áustria.

Com a possibilidade de Zita viajar, Carlos vislumbrou também a solução para o segundo problema que assolava seu coração. Orientou a esposa para que procurasse contato com o senhor a quem ele confiara a custódia das joias de família; que as vendesse e trouxesse o dinheiro consigo. Mas qual não foi a surpresa de Zita ao ver este senhor esquivar-se dela e, em seguida, sumir de cena, pois há tempo já havia vendido as joias e usado o provento em benefício próprio?!!

Ao saber disso e vendo que a política internacional não resolvia nada com relação à sua pessoa, Carlos percebe que está, realmente, sem saída. As parcas economias que trouxera quando da Tentativa de Restauração na Hungria iam se esgotando; a chegada das crianças aumentava inevitavelmente os gastos; Zita deveria dar à luz no final de maio — algo que o inquieta sobremaneira, pois quer pagar um médico para assisti-la. É tempo de economizar ao máximo e, por isso, não lhe restando outra opção, aceita a oferta de um abastado senhor da Ilha para que ele e sua família fossem morar, graciosamente, na casa de verão que mantém no bairro do Monte, na parte alta de Funchal.

A casa é de uma boa construção, mas, na verdade, pequena e sem os recursos necessários para a numerosa família. Sobretudo, é imprópria para ser habitada nesta época do ano, pois, em fevereiro, ainda fazia frio, o ar continuava úmido e havia muitos nevoeiros no Monte. Para Carlos e Zita, no entanto, nada disso pesa. Não se queixam; antes, agradecem a Providência Divina. Os dois se privam de tudo: do supérfluo, como o café, tão apreciado por Carlos, mas por demais caro, e daquilo que seria necessário, como a carne para Zita, que espera um bebê. Sabendo das necessidades do “bom Rei Carlos e da Rainha Zita” — como os madeirenses costumavam chamar  a Família Imperial —, o povo simples leva-lhes leite e ovos para ajudar na alimentação das crianças. É de novo a Providência Divina, na qual confiam plenamente, que age em suas vidas.

Os únicos gastos que ambos se permitem são os referentes aos filhos e, assim mesmo, são reduzidos ao mínimo. No dia 9 de março, Carlos desce ao centro de Funchal, pois, no dia seguinte, Carlos Luís completará quatro anos. Quer dar-lhe um presente de aniversário. Não pôde comprar mais que dois carrinhos feitos de artesanato de vime. Enfim, não importa o valor; importa que o pequeno se sinta amado.

Na cidade, ao nível do mar, o dia está ensolarado e faz calor, mas no Monte está frio, sopra um vento gelado que carrega consigo a névoa. Voltando para casa, Carlos ressente a diferença de temperatura e contrai uma forte gripe que o deixa de cama. Está obstinado em não solicitar auxílio médico para poupar os gastos.

Acredita que tudo passará de per si e logo. Mas, na verdade, com tanto sofrimento e restrições, seu corpo está debilitado e a gripe não cede. Foi apenas ante os suplicantes e repetidos pedidos de Zita que ele assentiu em chamar um médico.

O diagnóstico não foi dos melhores. A gripe já se transformara numa pneumonia que parecia avançar rapidamente. Zita, embora adiantada na gravidez, não deixa a cabeceira de seu esposo. Dia e noite, atende a todas as suas necessidades: é dar-lhe um copo de água, é mudar-lhe a posição ou enxugar-lhe o suor, é o administrar-lhe algum alívio... Faz-lhe leituras, reza com ele e por ele. Quando Carlos está muito ofegante, recita em voz alta, em seu nome, suas devoções particulares e, ainda, apresenta a Deus todas as suas intenções. Ela também sempre lhe fala sobre os filhos, pois, para evitar o contágio, eles estão proibidos de ver o pai.

Carlos, por outro lado, parece pressentir o futuro e não cessa de manifestar seu carinho por Zita:

“Quero descansar junto de você. Venha e sente-se aqui, ao meu lado. Segure-me... sustente-me... Agora, já rezei o suficiente; não posso mais”.
“Nos braços do Redentor... você e eu e os nossos amados filhos...”.
Encontramo-nos nas mãos da Divina Providência. Tudo o que nos acontece está bem. Apenas confiemos”.

E também vai, aos poucos, orientando-a sobre as atitudes a tomar no futuro, sobre a educação das crianças…

A pneumonia investe os pulmões. Estamos num tempo em que não existem antibióticos... No dia 1.º de abril, após receber o viático e tendo os olhos fixos em Jesus Sacramentado que se erguia diante dele, Carlos pronuncia, num fiasco de voz, suas últimas palavras à Zita: “No Coração de Jesus, nós nos reencontraremos”. “Amo-lhe infinitamente”.

Os corações de Carlos e Zita estão conservados atrás das grades do altar da Capela de Loreto, na Abadia de Muri (Suíça).

Pouco tempo depois, com suas derradeiras respirações, sussurra baixinho: “Seja feita a vossa vontade... Jesus... Jesus, vinde! Sim — Sim. Meu Jesus... seja feita a vossa vontade — Jesus”. E entrega sua alma a Deus, reclinando a cabeça sobre os ombros da amada esposa que está a seu lado.

Naquela manhã, Zita trajava um vestido rosa. Foi a última vez que usou uma roupa de cor. Desde então, sempre vestiu o preto, não como lúgubre expressão de uma dor insuperável, mas para significar que seu coração pertencia tão somente a Carlos.

Zita teve uma longa viuvez. Faleceu aos 14 de março de 1989, sessenta e sete anos depois de seu marido. Certa vez, já sendo bem adiantada em idade, um de seus netos perguntou-lhe o que ela pensava da morte. Sua resposta foi: “Se o Bom Deus vier me procurar, estarei, enfim, com Carlos de novo” [4].

Embora Carlos esteja sepultado na Ilha da Madeira e Zita em Viena, estes corações que tanto se amaram e que se doaram um ao outro sem restrição, encontram-se inumados na Abadia de Muri (Suíça), onde a dinastia dos Habsburgos teve origem. Se nesta terra, eles louvaram e serviram a Deus unidos, agora, no céu, eles o contemplam e o adoram unidos.

Que, tendo vivido juntos a alegria e a tristeza, a riqueza e a pobreza, a saúde e a doença, Carlos e Zita da Áustria intercedam pelas famílias de hoje, ajudando-as no perfeito cumprimento das promessas matrimoniais, em qualquer circunstância da vida.

Notas

  1. Este artigo, de autoria da Irmã Joana da Cruz, OCD, foi publicado primeiro no Boletim “Beato Carlos da Áustria”, n. 6, 1-2015, pp. 1-5.
  2. Testemunho de Maria Antônia. Positio, pp. 854-855.
  3. Conde Pedro Revertera. Positio, pp. 418-419.
  4. O fato foi narrado várias vezes pelo próprio Vincente, filho da Arquiduquesa Elisabete.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Os sacerdotes exilados do seu povo
Igreja Católica

Os sacerdotes exilados do seu povo

Os sacerdotes exilados do seu povo

Os fiéis em todo o mundo sofrem por estarem privados da Missa, e os padres, por estarem privados do seu povo. Ordenado propter homines, a vida do sacerdote católico não faz sentido sem um povo ao qual servir ou um rebanho do qual cuidar.

Pe. Paul ScaliaTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere31 de Março de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir
O sacerdote chegou, tirou a pedra do altar e a guardou em sua mala; em seguida, queimou os maços de algodão que tinham óleo sagrado e jogou fora as cinzas; esvaziou a pia de água benta, apagou a lâmpada do sacrário e o deixou aberto e vazio, como se a partir daquele momento a Sexta-Feira da Paixão tivesse se tornado permanente.

Na terça-feira passada [i.e., 17 de março] — primeiro dia sem Missas públicas em nossa diocese [devido ao surto da Covid-19] —, lembrei-me dessa cena do romance Retorno a Brideshead, de Evelyn Waugh, no qual o sacerdote fecha a capela da família Marchmain. E veio-me particularmente à memória a última linha: “como se a partir daquele momento a Sexta-Feira da Paixão tivesse se tornado permanente”.

Eu reconheço que a analogia não é perfeita, porque nossa situação não é exatamente idêntica à da Sexta-Feira Santa. A Missa ainda está sendo celebrada (embora privadamente), Nosso Senhor Eucarístico ainda está presente e nossas igrejas ainda estão abertas para que as pessoas possam rezar dentro delas. No entanto, apesar de necessária, a suspensão da celebração pública da Missa, de fato, provoca uma tristeza não muito diferente daquela causada pela Sexta-Feira Santa. É como se estivéssemos exilados de alguém que amamos: sabemos onde Ele está, mas não podemos estar com Ele.

Outro exílio doloroso é o dos sacerdotes, afastados de seu povo. Os fiéis em todo o mundo sofrem por estarem privados da Missa. Os sacerdotes sofrem por estarem privados do seu povo. Esses homens deram suas vidas pelo rebanho de Cristo, e agora se esforçam para compreender como serão suas vidas longe do rebanho. “Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado”, diz a exortação de São Pedro aos pastores da Igreja (1Pd 5, 2). Mas o que fazer quando o rebanho não está mais conosco… e não pode estar? 

Toda essa situação põe em evidência esta verdade sobre nós, párocos: fomos ordenados propter homines — para servir o povo de Deus. Nossas vidas não fazem sentido sem um povo ao qual servir ou um rebanho do qual cuidar. Quando lhe perguntaram o que achava dos leigos, São John Henry Newman fez esta conhecida observação: “A Igreja seria ridícula sem eles”. De fato, os sacerdotes parecem ridículos numa situação como essa.

Infelizmente, temos consciência do que acontece quando um sacerdote perde a perspectiva sobrenatural e o senso do sagrado. Ele não apenas se torna inútil, mas perigoso. Um sacerdote deve, acima de tudo, concentrar-se no que é sagrado. Mas agora enxergamos a outra parte da equação com mais clareza. O sacerdote concentra-se no sagrado não por causa de si, mas pelos outros. Pois todo sumo sacerdote escolhido dentre os homens, diz a Carta aos Hebreus, “é designado para agir em nome dos homens perante Deus para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados” (5, 1). Sem a presença daqueles por quem age, portanto, um sacerdote pode perder de vista seu objetivo.

Nesse sentido, a suspensão da Missa pública pode e deveria se tornar uma ocasião para o crescimento espiritual, como todas as cruzes que suportamos. Temos de tirar todo o bem possível desse sofrimento.

Então, o que isso pode significar para um sacerdote?

Bem, para começar, a ausência dos fiéis pode lembrar aos sacerdotes que, na Missa, nos colocamos diante do Senhor em nome de nosso rebanho. É claro que os fiéis não estão presentes, mas nós estamos, e para representá-los. Isso realça a diferença entre alguém que conduz uma oração e um sacerdote. Aquele simplesmente coordena e guia uma ação em grupo, precisando apenas da autorização para fazê-lo, não da aprovação divina.

Porém, um sacerdote é designado para agir em nome dos homens perante Deus. Ele se coloca diante do Todo-Poderoso como personificação das orações e sacrifícios de seu rebanho — quer estejam ou não presentes. A ausência dos fiéis deveria, pois, aumentar nossa estima por essa verdade.

“Jesus sobe sozinho a uma montanha para rezar”, J. J. Tissot, c. 1890.

Outra luz que resplandece é da generosidade evangélica e da criatividade de tantos sacerdotes sem rebanho. Durante o bombardeio da Inglaterra na Segunda Guerra Mundial, o monsenhor Ronald Knox se refugiou em Mells para trabalhar na tradução de partes da Sagrada Escritura. Subitamente, ele se tornou capelão de uma escola feminina que havia sido evacuada de Londres para aquela cidade pacata. Não era o melhor cenário para o estudioso Knox, nem se tratava de uma situação desejada por ele. Mas sua resposta foi generosa, criativa e duradoura. Daquela capelania surgiram duas de suas melhores obras: O Credo em Câmera Lenta e A Missa em Câmera Lenta.

Assim também muitos sacerdotes separados de seus fiéis estão tirando o máximo proveito da situação. Apesar do contexto triste e diferente daquilo que teriam escolhido, eles não desistiram. Estão tentando encontrar formas inusitadas de evangelizar. E a internet possibilita o uso de soluções criativas, tendo muitos visto nela oportunidades para chegar ao rebanho que já não está presente.

Além disso, toda essa situação revela a verdadeira natureza do ministério sacerdotal: é realmente uma questão de paternidade espiritual, diz respeito à presença de um pai perante seus filhos. A impossibilidade de estar presente realça de forma dolorosa a necessidade dessa presença.

Isso também mostra que toda a tecnologia que possuímos, que tendemos a enxergar como a solução para a evangelização, é insuficiente, apenas um paliativo. É um paradoxo fascinante o fato de que, nesta situação, dependemos ainda mais da tecnologia e ao mesmo tempo percebemos com maior clareza suas limitações. Por mais úteis que sejam, e-mails, transmissões ao vivo, vídeos etc. não podem nos colocar verdadeiramente em contato uns com os outros. Eles apenas nos sustentarão até que a verdadeira comunicação humana — sem mediação, face a face, pessoa a pessoa —  possa ser recuperada.

Não há nada que possa substituir a presença do pastor junto aos seus fiéis. E o coração de um sacerdote não pode contentar-se com uma conexão virtual. Ele anseia pelo real.

Finalmente, podemos tirar uma última rosa desses espinhos: uma valorização cada vez maior da devoção de nosso povo. A ausência de uma Missa pública dominical impactará consideravelmente as vidas de todos os católicos, quer eles percebam, quer não. Mas muitos se dão conta disso. Eles anseiam pela Missa, ainda vão à igreja para rezar e desejam receber tudo o que um sacerdote deseja oferecer. A dor e o anseio que sentem deveriam nos encorajar a nos fazermos dignos deles.

Passamos por um advento inesperado em plena Quaresma. Estamos esperando — e portanto nos preparando para — o momento em que o sacerdote de Cristo poderá estar com seu rebanho novamente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Coronavírus: uma ocasião para redescobrir o poder do silêncio
Espiritualidade

Coronavírus: uma ocasião
para redescobrir o poder do silêncio

Coronavírus: uma ocasião para redescobrir o poder do silêncio

Será um grande passo sairmos desse momento difícil tomando consciência do quão tolas são as inúmeras trivialidades com que fica obcecada a nossa cultura materialista. No entanto, muitos provavelmente não vão se dar conta disso.

Stephen KokxTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere27 de Março de 2020Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Por mais estranho que possa parecer, uma das primeiras coisas que fiz depois de abraçar o catolicismo tradicional seis anos atrás, aos 27 anos, foi desligar o rádio do meu carro.

Até então, sempre que eu entrava no meu carro, eu ouvia os últimos lançamentos musicais do pop, do rock clássico ou do rap. A verdadeira questão não era se o rádio ou o CD player seriam ligados. A questão era simplesmente em que volume eu os colocaria.

Quando cheguei a uma compreensão mais profunda da fé católica  — graças, em parte, aos escritos de Santo Afonso —, fiquei menos atraído pelo mundo e por aquilo que ele considera como música.

As canções às quais eu recorria a fim de passar pelos altos e baixos da vida não tinham mais o mesmo significado. Passei a vê-las como nada mais do que formas cativantes de poluição sonora que, ao serem ouvidas, mesmo que por acaso, infelizmente acabavam permanecendo em minha mente pelas próximas 48 horas.

Então, eu abracei o silêncio. Quando dirigia, desligava o rádio e rezava, muitas vezes o Rosário. Nos momentos em que ouvia algo, era música clássica ou canto gregoriano.

Essa atitude exerceu um enorme impacto sobre a minha vida espiritual. Minha mente libertou-se da obsessão de conhecer os mais recentes artistas da indústria da música e suas canções entorpecentes. Passei lentamente de uma perspectiva naturalista da vida para uma mais sobrenatural que, acredito, permitiu que a graça fosse mais facilmente derramada em minha alma.

Suspeito que o surto de coronavírus esteja dando a milhões de pessoas a chance de experimentar algo semelhante ao que passei seis longos anos atrás.

Em todo o mundo, eventos esportivos foram cancelados. As salas de cinema estão fechadas. Bares, restaurantes e cassinos foram fechados. Os “entretenimentos” que prendiam as pessoas ao longo do dia de repente lhes foram tomados. Suas distrações, em outras palavras, foram reduzidas ao mínimo, e as coisas que, por muitos anos, lhes trouxeram uma falsa sensação de conforto não são mais capazes de consolá-las.

Que grande dádiva! Deus concedeu à humanidade a chance de apreciar o mundo como ele é, aproveitando a beleza do silêncio, em oposição ao que o Cardeal Robert Sarah chamou de “a ditadura do barulho”.

É também uma ocasião para milhões de almas perceberem que as muitas coisas às quais elas estão apegadas são, na realidade, armadilhas sem sentido que, muitas vezes, desviam sua atenção das coisas que realmente importam — sua fé, sua família e seus amigos.

Esse tipo de circunstância não ocorre com muita frequência. Na prática, para levar as pessoas a pensar na mudança das próprias vidas como o coronavírus as está forçando a fazer, seriam necessários milhões de missionários cristãos viajando para todos os cantos do mundo.

Infelizmente, eu aposto que, quando o surto terminar, nem todas as pessoas perceberão que muitas coisas que elas “amam” não passam, na verdade, de vícios sem sentido. Muitas simplesmente permanecerão relutantes, ou serão incapazes de libertar-se da vida cheia de distrações que estavam vivendo. “Um cão que volta ao seu vômito: tal é o louco que reitera suas loucuras” (Pr 26, 11).

Seria um grande passo se saíssemos disso tomando consciência do quão tolas são as inúmeras trivialidades com que fica obcecada a nossa cultura materialista. No entanto, muitos provavelmente não vão se dar conta disso. O mais provável é que apenas olhem para trás e vejam este momento como um incômodo que toleraram contra a própria vontade, e não como uma ocasião que tiveram de abraçar com alegria a penitência que foram forçados a suportar, e de oferecê-la pela salvação das almas.

Seja como for, minha esperança é de que as pessoas em geral desliguem os rádios dos seus carros (e seus aparelhos de televisão), e se envolvam com atividades de lazer e hobbies que lhes preparem melhor a alma para receber a graça que o Deus todo-poderoso tanto deseja derramar em seus corações. Ler, cozinhar, pintar, caminhar, andar de bicicleta, escrever e cuidar do próprio jardim são, na minha opinião, os melhores lugares por onde começar.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mesmo sem fiéis, os padres não só podem como devem rezar a Missa
Liturgia

Mesmo sem fiéis, os padres
não só podem como devem rezar a Missa

Mesmo sem fiéis, os padres não só podem como devem rezar a Missa

Rejeitar a Missa sem o povo é rejeitar a compreensão católica da Missa definida de forma dogmática. Obviamente, é bom que os fiéis estejam presentes e participem dessa oferta, mas ela continua sendo real e eficaz, seja qual for o número dos presentes: mil, vinte ou nenhum.

Peter KwasniewskiTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere (adaptado)27 de Março de 2020Tempo de leitura: 6 minutos
imprimir

Num artigo intitulado Private Mass does not fit with a contemporary understanding of Eucharist [lit., “Missa privada não combina com o entendimento contemporâneo sobre a Eucaristia”] (publicado primeiro em alemão no portal katholisch.de), três velhos e cansados “liturgistas” de Bonn, Erfurt e Münster bradam de suas “cátedras” acadêmicas contra a celebração da Missa sem a presença dos fiéis.

Esses acadêmicos não têm nada melhor a fazer senão tentar conservar o que consideram como “vitórias” do período pós-conciliar, quando a Missa, em vez de ser tratada como a renovação do sacrifício do Calvário e fonte de graça, foi reinterpretada como um evento social horizontal não muito diferente de uma assembleia protestante. O valor inerente do oferecimento diário, pelo padre, da Vítima perfeitamente agradável, para proveito espiritual dele e de toda a Igreja, foi minimizado em favor das concelebrações; e, em muitas ocasiões, os sacerdotes adquiriram o hábito de dizer a Missa apenas em caso de celebração pública.

Essa noção reducionista da Missa jamais foi pensada pela Santa Igreja Católica, e tampouco é pensada por ela hoje.

Quando tais erros começaram a aparecer depois do Concílio, o Papa Paulo VI os condenou com firmeza na encíclica Mysterium Fidei, de 1965. Ele afirmou: “Não é lícito, só para aduzirmos um exemplo, exaltar a Missa chamada ‘comunitária’, a ponto de se tirar a sua importância à Missa privada” (n. 11). Mais adiante no documento, ele fala sobre a “natureza pública e social de toda e qualquer Missa”:

Toda a Missa, ainda que celebrada privadamente por um sacerdote, não é ação privada, mas ação de Cristo e da Igreja. Esta, no sacrifício que oferece, aprende a oferecer-se a si mesma como sacrifício universal, e aplica, pela salvação do mundo inteiro, a única e infinita eficácia redentora do Sacrifício da Cruz. Na realidade qualquer Missa celebrada oferece-se não apenas pela salvação de alguns mas pela salvação do mundo inteiro. Donde se conclui: se muito convém que à celebração da Missa, quase por sua natureza, participe ativamente grande número de fiéis, não se deve condenar, mas sim aprovar, a Missa que um sacerdote, por justa causa e segundo as prescrições e tradições legítimas da Santa Igreja, reza privadamente, embora haja apenas um acólito para ajudar e responder; de tal Missa deriva grande abundância de graças particulares, para bem tanto do sacerdote, como do povo fiel e de toda a Igreja, e mesmo do mundo inteiro; graças estas, que não se obtêm em igual medida só por meio da Sagrada Comunhão (n. 32).

Rejeitar a Missa sem a presença dos fiéis não é nada mais nada menos que rejeitar a compreensão católica da Missa definida de forma dogmática. Não se trata de ter presente este ou aquele grupo de pessoas, mas de levar o mundo e todos os fiéis de volta ao Pai por meio de Jesus Cristo. Obviamente, é bom que os fiéis estejam presentes e participem dessa oferta —  é bom para eles —, mas ela continua sendo objetivamente real e eficaz independentemente do número de fiéis presentes (mil, vinte ou nenhum).

Também estamos nos esquecendo, porventura, de que a Missa é oferecida na presença dos santos anjos e em comunhão com os santos da Igreja triunfante, honrados com tanta frequência na liturgia e particularmente na Oração Eucarística? Um sacerdote “sozinho” em sua capela nunca está realmente sozinho; ele está sempre na companhia dos eleitos de Deus, “lutando não contra homens de carne e sangue, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal” (Ef 6, 12). Naturalmente, essa perspectiva cósmica — a mesma presente na Sacrosanctum Concilium e na tradição católica como um todo — depende da fé viva naquilo que o olho humano não é capaz de enxergar. Os progressistas alemães parecem reduzir tudo ao que pode ser visto e assim demonstram não ter fé no mundo invisível, que é muito mais real do que o mundo físico que nos circunda.

Além da referida encíclica de Paulo VI, encontramos incentivo à celebração da Missa de forma privada no atual Código de Direito Canônico (cf. cân. 902, 904 e 906), bem como em outros documentos do Magistério pós-conciliar. Na encíclica Ecclesia de Eucharistia, por exemplo, João Paulo II ensina o seguinte:

Se a Eucaristia é centro e vértice da vida da Igreja, é-o igualmente do ministério sacerdotal. Por isso, com espírito repleto de gratidão a Jesus Cristo nosso Senhor, volto a afirmar que a Eucaristia é a principal e central razão de ser do sacramento do Sacerdócio, que nasceu efetivamente no momento da instituição da Eucaristia e juntamente com ela... Compreende-se, assim, quão importante seja para a sua vida espiritual, e depois para o bem da Igreja e do mundo, que o sacerdote ponha em prática a recomendação conciliar de celebrar diariamente a Eucaristia, porque, “mesmo que não possa ter a presença dos fiéis, é ato de Cristo e da Igreja” (Concílio Vaticano II, Presbyterorum Ordinis, 13). Deste modo, ele será capaz de vencer toda a dispersão ao longo do dia, encontrando no sacrifício eucarístico, verdadeiro centro da sua vida e do seu ministério, a energia espiritual necessária para enfrentar as diversas tarefas pastorais. Assim, os seus dias tornar-se-ão verdadeiramente eucarísticos (n. 31).

Bento XVI diz o mesmo em sua exortação apostólica pós-sinodal Sacramentum Caritatis (2007):

A forma eucarística da existência cristã manifesta-se, sem dúvida, de modo particular no estado de vida sacerdotal. A espiritualidade sacerdotal é intrinsecamente eucarística... Uma vida espiritual intensa permitir-lhe-á entrar mais profundamente em comunhão com o Senhor e ajudá-lo-á a deixar-se possuir pelo amor de Deus, tornando-se sua testemunha em todas as circunstâncias mesmo difíceis e obscuras. Para isso, juntamente com os padres do Sínodo, recomendo aos sacerdotes a celebração diária da Santa Missa, mesmo quando não houver participação de fiéis. Tal recomendação é ditada, antes de mais, pelo valor objetivamente infinito de cada celebração eucarística; e é motivada ainda pela sua singular eficácia espiritual, porque, se vivida com atenção e fé, a Santa Missa é formadora no sentido mais profundo do termo, enquanto promove a configuração a Cristo e reforça o sacerdote na sua vocação (n. 80).

A Instrução Geral do Missal Romano, que rege as celebrações na Forma Ordinária, apresenta rubricas para a celebração da Santa Missa quando apenas um ministro está presente (n. 252-272) e para a celebração da Santa Missa sem a participação de um ministro (n. 254). O mesmo ocorre com as rubricas que regem a celebração da Forma Extraordinária. Disposições tão consistentes, feitas ao longo de séculos (antes e depois do Concílio Vaticano II, até o presente), não fariam sentido se esse cenário não fosse antevisto como uma prática necessária e louvável em determinadas situações. Evidentemente, não se trata de um abuso nem de uma ideia “fora de moda”, se nossos professores me permitem dizê-lo.

A oração de nosso Sumo e eterno Sacerdote é a mais santa e poderosa de todas, e a Missa é a sua oração salvífica e a sua oblação com aroma suave, oferecida pelas mãos de um ministro ordenado para o bem dos vivos e dos mortos e para a sua própria santificação. Se o sacerdote não for santo — se não buscar assiduamente a conformidade com Cristo Sumo Sacerdote —, o seu ministério será cada vez mais vazio, superficial e infrutífero. Isso não traz nenhum benefício para o povo de Deus.

Em épocas de perigo e dificuldade, os fiéis e seus ministros necessitam ainda mais da graça de Deus para que os apoie e os fortaleça. Privar a Igreja de um bem tão imenso quanto uma única Santa Missa, ou encorajar os sacerdotes a se privarem dela em qualquer dia, é sinal não de uma atitude sábia, mas de uma fé fraca, da renúncia ao sobrenatural, de uma caridade morna; é o mesmo que depositar a esperança neste mundo e em suas “soluções”. Independentemente de quais sejam os seus méritos, as soluções do mundo não são definitivas e não nos podem trazer a ajuda divina de que necessitamos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.