| Categoria: Igreja Católica

Os católicos e a intolerância religiosa

Uma reflexão genuinamente católica sobre “intolerância religiosa”, escrita por um bispo e membro da Academia Brasileira de Letras.

Neste ano de 2016, o Exame Nacional do Ensino Médio formulou como proposta de redação o tema "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil". Embora ciente do viés notavelmente tendencioso com que o assunto foi apresentado, a pretensão de nossa equipe é contribuir sinceramente com esse debate, oferecendo uma reflexão genuinamente católica a esse respeito.

Para tanto, publicamos a seguir trecho de um precioso discurso de Dom Francisco de Aquino Corrêa. Para quem não o conhece, trata-se de um bispo brasileiro que governou a Arquidiocese de Cuiabá de 1921 a 1956 e que ocupou, no mesmo período, um honroso lugar de prestígio na Academia Brasileira de Letras.

Não obstante elevada a linguagem com que se pronuncia o purpurado, a mensagem que ele transmite não só é inteligível, como de grande utilidade para orientar a moderna discussão sobre "intolerância religiosa". Não deixem de apreciar:

Senhores!

Aprendi com os velhos mestres escolásticos que um dos recursos mais frequentes nas justas cavalheirescas do espírito há de ser a distinção lógica dos termos: assim aconselhavam eles no final dum conhecido hexâmetro didático: distingue frequenter. Onde quer que se insinue a confusão, aí se impõe ela. E, não raro, nos dá, deveras, a sensação dum raio de sol em plena treva. Ora, um dos vocábulos mais confusos da linguagem polêmica é precisamente a intolerância. Tanto assim que podemos distingui-la, não em duas, mas em três espécies, que, para maior clareza ou efeito gráfico e mnemônico, designarei por três pês: intolerância de pessoas, de palavras e de pensamentos.

Nada mais anticristão do que a intolerância de pessoas. Basta abrir os evangelhos: Jesus levou nesse terreno a tolerância a tal auge que escandalizou os fariseus, pois, afrontando-lhes embora a indignação e o desprezo, achegou-se aos publicanos e pecadores. E máxime em pritaneus acadêmicos, como o nosso, é que se ela impõe, como já fazia notar, com a costumada lepidez, o saudoso confrade Carlos de Laet: "Neste habitáculo das letras, escreveu ele, a tolerância de pessoas não é somente uma virtude, mas uma exigência impreterível, para a serenidade em nossos debates, mesmo naqueles que mais nos escandescem, isto é, os da questão ortográfica".

Não é, portanto, essa, a intolerância, de que se possa acusar o catolicismo, porque ninguém menos católico, nem mais intolerável, do que um católico intolerante para com as pessoas.

Em segundo lugar, vem a intolerância de palavras, compreendendo-se nesta expressão toda a intolerância no modo de expor ou defender a doutrina. E esta igualmente, longe de praticar, há de condená-la quem quer que se preze de verdadeiro católico. Mestre das controvérsias católicas, investido oficialmente nesse título pelo Papa reinante, é S. Francisco de Sales. E é ele próprio quem nos diz que o polemista, que se enfada, torna suspeita a sua causa. A luz da verdade, ensina ainda ele, não se dardeja aos olhos do adversário, com perigos de cegá-lo: faz-se-lhe alvorecer de mansinho. E tamanho era o seu cavalheirismo, que desejara tratar os contendores, não somente com luvas, mas luvas perfumadas. E aqui vem a propósito aquelas duas palavras com que os livros santos definem a ação da Providência no governo do mundo: fortiter e suaviter, as quais bem se podem aplicar ao floreio elegante da dialética, na mão dos paladinos da causa católica: firmeza na verdade, gentileza no defendê-la. Fortiter in re, suaviter in modo.

Esta firmeza na verdade nos leva naturalmente a considerar a terceira classe de intolerância, que é a do pensamento. E esta, sim, meus Senhores, devo confessar-vos que o catolicismo não somente a professa, mas dela faz timbre nas armas heráldicas do seu apostolado, outra coisa não sendo ela, senão a intolerância do erro. E não há condescendências nem amizades que valham a justificar a adoção do erro, um só que seja. Já dizia Aristóteles que, com ser amigo e admirador de Platão, não deixava de o ser, e muito mais, da verdade: Amicus Plato, sed magis amica veritas.

Muitos, todavia, nem com essa intolerância se conformam, e a razão se me antolha óbvia: é que não admitem a verdade integral dos dogmas do cristianismo. Diante destes, a situação dos católicos continua a ser aquela mesma de Jesus em presença de Pilatos: ante a convicção com que o Cristo falava da verdade, que viera revelar ao mundo, pergunta-lhe o procurador da Judéia, com um sorriso de humorismo, que bem se lhe adivinha nos lábios: "E que vem a ser a verdade?" Quid est veritas? (Jo XVIII, 38).

E, efetivamente, para os que vêem na doutrina católica, a par de algumas verdades, não poucas superstições e crendices, nada mais insuportável que a presunção com que a proclamamos e defendemos contra tudo que lhe repugne. Mas, por outro lado, se o católico, convencido como deve estar dessas verdades, a ponto de, no dizer de Pascal, deixar-se degolar por elas, não praticasse essa intolerância daria bem triste prova da sua convicção, ou, melhor, documentaria a sua incoerência. Tolerar ideias contraditórias é próprio só de espíritos que ainda não se firmaram na verdade. Há de se, pois, fazer justiça aos católicos, reconhecendo, ao menos, a coerência da sua atitude: verdade e erro não se toleram entre si, repelem-se: hurlent de se trouver ensemble.

O que vos eu acabo de expor, não é meu, nem novo: acha-se já admiravelmente cristalizado, há 16 séculos, naquela fórmula clássica de Santo Agostinho, que assim reza: "Amai aos homens, destruí os erros, certos, mas não soberbos de possuir a verdade, e lutando, mas sem paixões, por ela!" Diligite homines, interficite errores: sine superbia de veritate praesumentes, sine saevitia pro veritate certantes.

Não se pense, entretanto, que tudo no cristianismo sejam dogmas: ao lado destes, existem aí também não poucas teses incertas e duvidosas. A intolerância, de que falamos, circunscreve-se aos domínios do dogma; fora daí, há liberdade de pensamento. É o que lapidarmente, como costumava, fixou o mesmo Santo Agostinho neste brocardo, que tão de molde vem ao nosso assunto: "No dogma, unidade; na dúvida, liberdade; em tudo, caridade". In certis unitas, in dubiis libertas, in omnibus caritas.

Nem será por demais frisar melhor aqui esta liberdade de pensamento, para que se não cuide que, em se tratando de dogmas, desapareça ela, de todo em todo, o que seria falso. Basta, para isso, distinguir na fé o seu ato e o seu objeto. O ato de fé é sempre livre, essencialmente livre, tão livre que sem liberdade não pode existir a fé: ou se crê livremente, ou não se crê. Daqui a estultícia da fábula do "crê ou morre!" O objeto da fé, este sim, é que exclui a livre escolha, não podendo ser outro que a verdade.



Dom Francisco de Aquino Corrêa, Mensagem aos Homens de Letras (Proferida na Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 1937). Em: Discursos, vol. II, tomo II, Brasília, 1985, pp. 176-178.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categoria: Igreja Católica

Absurdo querer amar Jesus sem a Igreja

Cristo fundou e remiu uma só Igreja, e é a ela que devem permanecer unidos todos os que se querem aproximar d’Ele.

Em uma das primeiras homilias de seu pontificado, o Papa Francisco recordou a todo o povo de Deus que "é uma dicotomia absurda querer amar Jesus sem a Igreja". A afirmação – que, na verdade, foi retirada do documento Evangelii Nuntiandi, do bem-aventurado Papa Paulo VI [1] – vai na contramão do senso mundano comum, para o qual seria preciso "mais Deus e menos religião", "mais Jesus e menos Igreja".

Protestos desse tipo são frutos de um particular ódio às instituições, que passam a ser vistas como agentes promotores de conflitos e divisões. Quando se fala de religião, o imaginário de muitas pessoas não consegue ir muito além dos noticiários de TV: a visão que se tem é a de vários grupos antagônicos e barulhentos, constantemente brigando por "dízimo" e "fiéis", mais preocupados com prestígio pessoal e crescimento financeiro que com uma verdadeira busca do Bem e da Verdade.

Entendida desse modo, religião realmente "não salva ninguém". Dizer, entretanto, que Jesus veio ao mundo para deixar que a Sua Palavra simplesmente corresse nas mãos de um sem número de pessoas, dizendo coisas vagas, absurdas e ao mesmo tempo dissonantes entre si, é algo que põe em xeque a própria credibilidade da Revelação.

Ora, não é verdade que "Deus não pode enganar-Se nem enganar-nos" (nec falli nec fallere potest) [2]? Contemplando, porém, a multidão de seitas que se multiplicam indefinidamente, todas dizendo pregar o Cristo, a que conclusão chegar senão que a Sua mensagem se desvirtuou?

A resposta está justamente na Igreja – que não é uma "pessoa jurídica" registrada em cartório, nem uma casinha de tijolos facilmente passível de ser derrubada pelo vento, mas a "Igreja una, santa, católica e apostólica", a única fundada por Jesus (cf. Mt 16, 18) e fora da qual não se pode achar a salvação:

"Todo o nervo da controvérsia entre católicos e protestantes reside numa questão fundamental, cuja solução definitiva decide o êxito da pendência multissecular. Onde se acha o verdadeiro cristianismo? Onde a Igreja genuína fundada pelo Salvador? Cristo instituiu um magistério vivo, infalível, autêntico, uma Igreja visível, hierárquica, indefectível, depositária incorruptível dos seus ensinamentos, encarregada de os transmitir, na sua pureza primitiva, às gerações de todos os tempos? Ou, pelo contrário, quis o divino Salvador que a sua doutrina, embalsamada nas letras mortas de um livro, flutuasse à mercê do arbítrio e das incertezas da interpretação individual; que, sem vínculo orgânico, sem harmonia de fé, sem unidade de moral, sem coesão de governo, se pulverizasse a sua Igreja, no decurso dos tempos, em mil seitas contraditórias – vasto acervo de pedras que mais assemelhassem a montão ruinoso de sistemas humanos que à majestade harmônica de um templo divino?

Se assim é, o protestantismo tem razão. Mas se, ao invés, é verdadeira a primeira hipótese, só a Igreja Católica, Apostólica, Romana reúne os verdadeiros caracteres da instituição divina de Cristo. Essa é a Igreja da qual está escrito que é coluna e firmamento da verdade; essa a Igreja, cujos ensinamentos e decisões deverão ser ouvidas pelos fiéis sob pena de serem considerados como pagãos e pecadores; essa a Igreja, que nas promessas divinas tem o penhor de imortalidade: contra ela não hão de prevalecer as portas do inferno, com ela estará o Salvador todos os dias até à consumação dos séculos." [3]

Unida a seu Salvador, a Igreja existe neste mundo para viver e atualizar a vida de Cristo, desde o Seu nascimento até a Sua morte na Cruz. No fim, para elevar à perfeição a semelhança entre Cristo e a Igreja, também esta ressuscitará, vivendo para sempre junto de Seu Esposo, no Céu.

Nela, de fato, tudo aponta para Cristo: o Batismo salva as pessoas e as coloca no caminho da salvação; a Eucaristia atualiza a presença do Redentor, que é oferecido diariamente para a adoração e o alimento dos fiéis; o Papa é o "vigário de Cristo" que, nos passos de São Pedro, foi constituído para ser pescador de homens (cf. Mt 4, 19); os Santos, no Céu, intercedem pelos santos da terra, que vivem neste mundo visível com os olhos fixos nas realidades invisíveis (cf. 2 Cor 4, 18) – lá onde a sua vida está escondida com Cristo, em Deus (cf. Cl 3, 3).

Quando se nega, portanto, todas essas coisas – os Sacramentos, o primado do Papa e a comunhão dos santos –, não impressiona que se parta para o abandono de Cristo.

Primeiro, porque foi Ele próprio quem disse aos Apóstolos: "Quem vos ouve, a Mim ouve; quem vos rejeita, a Mim rejeita" (Lc 10, 16), isto é, "tudo o que é dito pelos santos apóstolos deve ser aceito, porque quem os escuta, escuta a Cristo. Inevitável é, pois, a pena dos hereges, que rejeitam as palavras dos apóstolos" [4].

Segundo, porque a Igreja é o corpo místico de Cristo (cf. Cl 1, 24). Ora, como é possível amar a cabeça e desprezar o corpo? A caminho de Damasco, o temente Saulo de Tarso descobriu que a experiência com Deus está intimamente ligada à pessoa de Jesus Cristo, e esta, por sua vez, é indissociável da Igreja (cf. At 9, 4-5). Cristo está realmente presente naqueles que O amam e comungam de Seu Corpo e Sangue, na Eucaristia, como Ele mesmo prometeu: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra; meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada" (Jo 14, 23); "Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós" (Jo 6, 53).

Além disso, sem a Igreja, Jesus figuraria apenas como um homem do passado, uma personagem distante da história, com a qual a modernidade sequer precisaria ter contato. Suas histórias não passariam de algumas lendas contidas em páginas amareladas, que as pessoas às vezes escutam para se entreter umas com as outras. A missão de Nosso Senhor, porém, não admite esse tipo de tratamento. Ele realmente veio para salvar todos os homens e comprá-los, todos, com o Seu sangue derramado na Cruz. Não se limitou a ensinar algumas lições bonitas e instruir os homens de Seu tempo, mas agiu efetivamente para dar vida divina a toda a humanidade (cf. 2 Pd 1, 4) e conduzi-la ao Céu.

Para tanto, Ele mesmo instituiu os Sacramentos, através dos quais o Seu sangue redentor é aspergido sobre os seres humanos: no Batismo, eles nascem; na Confirmação, crescem; na Eucaristia, se alimentam; na Penitência, se renovam e purificam; na Unção, se fortalecem; e, na Ordem e no Matrimônio, se santificam. Por meio dessas sete "portas de salvação", pessoas de todos os tempos e lugares podem dizer que estão verdadeiramente em comunhão com Cristo, atestando o cumprimento da Sua promessa de que permaneceria com os Seus discípulos todos os dias, até o fim dos tempos (cf. Mt 28, 19-20).

A esta única Igreja Cristo se uniu; por esta única Igreja ofereceu o Seu sacrifício de amor (cf. Ef 5, 25). É, pois, também a ela que deve permanecer unido quem quer que se queira aproximar de Nosso Senhor.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Papa Paulo VI, Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi (8 de dezembro de 1975), n. 16.
  2. Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática Dei Filius (24 de abril de 1870), III: DS 3008.
  3. FRANCA, Leonel. A Igreja, a Reforma e a Civilização. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1948.
  4. São Cirilo apud Santo Tomás de Aquino, Catena Aurea in Lucam, X, 4.

| Categoria: Igreja Católica

A rebeldia de um monge

Se a rebelião de Lutero conseguiu dividir a cristandade, a providência de Deus foi muito mais eficaz em Seus santos.

Joseph Fiennes interpretando Martinho Lutero na produção "Luther" (2003), de clara tendência protestante.

Tratado o doloroso tema da separação entre Cristo e a Igreja, que não poucas pessoas realizam em nossos tempos, é hora de voltarmos o olhar ao século XVI, quando um monge agostiniano se tornou pioneiro em talhar um “cristianismo" à sua própria medida, desvinculado da autoridade do Papa e da mediação sacerdotal, querida pelo próprio Senhor.

Martinho Lutero, nascido em 1483, na Saxônia, era um rapaz de inteligência aguçada, característica que seus pais e professores identificaram muito cedo, quando ele recebeu o trivium, em Mansfeld. Foi com 21 anos, mal acabara de começar os seus estudos de direito, que o rapaz decidiu fazer-se religioso. Em viagem a Erfurt, onde frequentava a universidade, Lutero foi surpreendido por uma tempestade bastante violenta. Em meio aos raios e trovões que o assustavam, ele invocou o auxílio de Santa Ana e fez uma promessa irrefletida: “Se me ajudares, far-me-ei monge".

De fato, apenas duas semanas depois do incidente, ele batia à porta do convento dos eremitas de Santo Agostinho. Levava uma vida de disciplina e oração, mas, aflito pelos escrúpulos e por uma ideia muito severa de Deus, não conseguia obter a paz da alma. Daniel-Rops escreve que “Lutero era um ser intensamente dominado pelo sentimento trágico do pecado" [1]. A sua luta, mais que contra a sensualidade da carne, era contra a soberba da vida. “Os pensamentos hediondos, o ódio a Deus, a blasfêmia, o desespero, eis as grandes tentações", escrevia [2].

Um versículo bíblico em particular inquietava o monge da Saxônia: “Nele [no evangelho] se revela a justiça de Deus, que vem pela fé e conduz à fé, como está escrito: 'O justo viverá pela fé'" (Rm 1, 17). Por muito tempo, Lutero não conseguia ver na “justiça de Deus" senão a justitia puniens, a ira divina pelas faltas do homem. Até que ele descobre que Deus não apenas julga o homem, como também o justifica. Essa visão – que, até aqui, nada tem de errada – levou-o a formular, no entanto, uma nova doutrina. Para responder ao que o atormentava dia e noite, Lutero firma a salvação somente pela fé, eliminando a necessidade da penitência e do combate contra o pecado e deturpando toda a doutrina da graça: se o são ensinamento católico lembrava que a amizade de Deus não pode conviver com o pecado, a sua heresia concebia uma graça pela qual “todas as manchas da alma são como que cobertas por um manto de luz" [3]. O cristianismo deixava de ser a religião da santidade para se transformar num disfarce sutil, uma máscara para cobrir as faltas do homem.

Com o passar do tempo – e o advento da famosa e difícil questão das indulgências –, Lutero uniu à sua sola fide a rejeição do poder pontifício e, em 1520, no auge de sua rebeldia, o livre exame, o pedido de extinção do celibato eclesiástico e a crítica aos próprios Sacramentos, dos quais ele só reconhecia a validade de três. Em 1521, estava assinada a sua excomunhão, mas a cristandade já estava dividida.

Antes de qualquer coisa, é preciso lembrar a gravidade do ato de Lutero, um ato de desobediência que não pode ser desculpado por nenhuma contingência histórica. Ainda que muitas vezes os erros dos membros da Igreja gritem – como gritavam no século XVI e gritam também hoje –, a sua santidade, forjada com o sangue do Cordeiro, fala muito mais alto. Por isso, não se pode olhar para a rebelião dos chamados “reformadores" senão com desconfiança e desaprovação.

Só que, ao mesmo tempo, “como Deus é o criador soberanamente bom das naturezas boas, também é o ordenador soberanamente justo das vontades más, de tal forma que, quando usam mal das naturezas boas, Ele faz bom uso até mesmo das vontades más" [4]. Da vontade má de Lutero, que cedeu às “grandes tentações", caindo no pecado da soberba, o Senhor suscitou a Companhia de Jesus, na qual floresceram homens da estirpe de Santo Inácio de Loyola, São Francisco Xavier e São José de Anchieta, apóstolo do Brasil; suscitou almas como Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz, que levaram a cabo a reforma do Carmelo; suscitou São João de Ávila, São Filipe Néri, São Carlos Borromeu e outros numerosos homens de fibra, que podem com razão ser chamados de “reformadores".

É nas grandes provações que agitam a barca da Igreja que se revelam os fiéis. Se a rebelião de Lutero conseguiu dividir a cristandade, a providência de Deus foi muito mais eficaz em Seus santos.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

P.S.: Essa matéria foi postada originalmente no dia 31 de outubro de 2014.

Referências

  1. Henri Daniel-Rops. A Igreja da Renascença e da Reforma (I). Quadrante, São Paulo, p. 273.
  2. Ibidem, p. 274.
  3. Ibidem, p. 277.
  4. Santo Agostinho, De Civitate Dei, XI, 17.

| Categoria: Igreja Católica

Homens, confessem-se agora mesmo!

Diocese nos Estados Unidos reage a “crise da masculinidade” e lança campanha para chamar os homens de volta aos lares e à vida da Igreja.

"Homens, confessem-se agora mesmo!" É o apelo de um bispo dos Estados Unidos, que iniciou em setembro de 2015 um movimento para trazer os homens de volta à vida da Igreja e encorajá-los a responderem ao seu chamado de pais, esposos, filhos e irmãos.

A iniciativa de Thomas Olmsted, bispo da cidade de Phoenix, no Arizona, deu origem a uma exortação apostólica intitulada Into the Breach ("Na Brecha", lit.), que convoca os homens à batalha espiritual que acontece todos os dias à sua volta, desde as suas casas e paróquias até os seus ambientes de trabalho e de estudo.

"Para mim, trata-se simplesmente de um chamado para a ação", comenta Steven Pettit, de uma organização de homens leigos de Phoenix. "Os homens raramente escutam essa mensagem nas homilias e, muitas vezes, eles não acreditam que a Missa seja para eles. Esse é, portanto, um chamado para eles acordarem. O bispo de Phoenix está falando com cada homem: 'Você tem que se envolver, e aqui estão as razões, aqui estão as coisas que você é chamado a fazer como homem'."

O alcance do documento ultrapassa as fronteiras do Arizona. Várias dioceses nos Estados Unidos já estão criando grupos de oração masculinos para se ajudarem na vivência da fé cristã, a partir das linhas da exortação. Além disso, a mensagem já foi traduzida para várias línguas, como o alemão, o francês, o espanhol e também o português.

Também foi realizado um pequeno vídeo de promoção do documento, intitulado A Call to Battle ("Um Chamado para o Combate", lit.), que pode ser assistido abaixo, com legendas em português:

Uma das "brechas" que essa verdadeira campanha de evangelização tenta conter é a perda da fé católica entre as famílias e a falta de participação dos homens nos sacramentos. "O mundo está sob o ataque de Satanás", adverte Thomas Olmsted. "Muitos homens católicos não estão dispostos a 'permanecer firmes na brecha'. Um terço deixou a fé e muitos dos que ainda são 'católicos' praticam a fé com timidez e sem o mínimo compromisso de transmitir a fé aos seus filhos".

Para reverter esse quadro, a diocese de Phoenix aposta na doutrina católica de sempre, em contraposição às seduções do mundo moderno, bem como no valor da paternidade, considerado essencial para todo homem. "Para viver plenamente, todo homem deve ser um pai!", diz a exortação.

O documento propõe ainda alguns hábitos para o homem católico, como o de rezar todos os dias, fazer um exame de consciência diário, ler as Sagradas Escrituras, participar mais frequentemente da Santa Missa e confessar-se regularmente. Constatando que "grandes quantidades de homens católicos estão em grave perigo mortal como consequência dos níveis epidêmicos de consumo de pornografia e do pecado da masturbação", o bispo Olmsted faz um apelo: " Meus irmãos, confessem-se agora mesmo! Nosso Senhor Jesus Cristo é um Rei misericordioso que perdoará aqueles que humildemente confessam os seus pecados, mas não perdoará aqueles que se recusam. Abram suas almas ao dom de sua misericórdia!"

Para ler a exortação Into the Breach na íntegra em inglês, é só clicar neste link.

Com informações de National Catholic Register | Por Equipe CNP

Sugestão

| Categorias: Sociedade, Igreja Católica

Para além de Spotlight

Com o Oscar de melhor filme para Spotlight, o tema da pedofilia voltou a assombrar os fiéis católicos do mundo todo

Foi durante a nona estação da Via Crucis que o então Cardeal Joseph Ratzinger proferiu aquele desabafo constrangedor. Ainda soam frescas em nossas memórias as suas lamentações: "Quanta sujeira há na Igreja, e precisamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele". Era a Semana Santa do ano de 2005, e o Papa João Paulo II havia pedido justamente ao prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé — o homem que, por vários anos, teve de lidar diretamente com os sacerdotes transgressores — a preparação dos textos meditativos da Paixão de Cristo. Na época, não havia como não relacionar as palavras do cardeal aos escândalos de pedofilia outrora descobertos.

Recentemente, a pedofilia voltou a aterrorizar os fiéis católicos do mundo todo, após a Academia de Cinema ter condecorado Spotlight com o Oscar de melhor filme do ano. Para quem não sabe, o filme trata da cobertura que o jornal americano Boston Globe fez acerca dos crimes sexuais do padre John Geoghan, e de como, ao longo de 36 anos, esse mesmo sacerdote pôde circular tranquilamente por suas paróquias, graças à proteção do bispo. Quando o caso veio à tona, em 2002, uma série de outras denúncias surgiram, pelo que se descobriu a grande máfia que havia por de trás daqueles monstruosos abusos. Tratava-se, evidentemente, de um esquema diabólico de acordos e ameaças, que envolvia clérigos, advogados e familiares — um show de horrores.

É claro que escândalos como esses, que trazem a marca de um sacerdote, de um "homem de Deus", por assim dizer, chocam e minam a credibilidade da Igreja. Como continuar a professar o Creio depois de tantas demonstrações de fraqueza e malícia por parte do clero? Essa pergunta se impõe e exige uma tomada de posição. Embora se possa criticar um ponto ou outro de Spotlight, a verdade é que o filme não é nada anticatólico — no sentido de um panfleto contra a Igreja —, mas uma imagem assustadora de crimes reais praticados por padres e acobertados por quem estava mais preocupado com a estética do que com a dignidade das vítimas. Não se pode negar, fatos são fatos.

Outro fato, porém, é que a Igreja Católica, enquanto instituição divinamente fundada por Jesus, não pode ser confundida com os pecados de seus membros — ainda que estes façam parte da hierarquia e ocupem os cargos mais altos do clero — "nem é sua culpa se alguns de seus membros sofrem de chagas ou doenças", como recorda o Papa Pio XII [1]. Uma coisa é o Corpo Místico de Cristo, ao qual se deve toda veneração, outra bem diferente são as estruturas humanas que, por sua própria natureza, estão sujeitas ao erro. São Pedro apascentou as ovelhas de Cristo durante longos anos, mas isso não o impediu de negar Jesus por três vezes. Judas era um dos doze apóstolos — era uma das colunas —, e mesmo assim a sua traição levou o Filho de Deus para o sacrifício na cruz. Vemos, portanto, que os escândalos clericais existem desde o início do cristianismo, desde o momento em que Jesus decretou que Simão seria a rocha da Igreja, para depois repreendê-lo e chamá-lo de "pedra de tropeço" por deixar-se levar por insinuações diabólicas.

Aliás, longe de manifestarem qualquer deficiência da Igreja, esses escândalos reforçam o caráter infalível e perpétuo dela, como continuação da Encarnação de Cristo na história, necessária à salvação, uma vez que nenhuma outra instituição no mundo sobreviveria por tantos anos, tendo à sua testa homens tão débeis, a não ser que fosse pela graça divina. É por isso que, na contramão daqueles bispos e sacerdotes que, temendo prejudicarem a própria imagem, optaram por acobertar esses crimes ao invés de denunciá-los, os grandes santos e pastores da Igreja nunca silenciaram acerca da má conduta de padres e religiosos; antes, fizeram ecoar aos quatro cantos da terra o horror que era para Deus e para o mundo a podridão dentro do ministério sagrado, quando exercido por homens vaidosos e dissimulados.

No século XI, período em que a Igreja sofria terrivelmente com a má disciplina dos sacerdotes, São Pedro Damião fez-se ouvir pelo papa Leão IX com o que poderíamos considerar o Spotlight da época. No Liber Gomorrhianus (Livro de Gomorra), o doutor da Igreja escreveu abertamente sobre as imoralidades dos clérigos da época, inclusive sobre abusos contra menores, exortando o Santo Padre a tomar providências urgentes contra aqueles crimes. Como projeto de reforma, o santo não propunha apenas mudanças estruturais e burocráticas — apesar de serem necessárias, é verdade —, mas, principalmente, a busca pela santidade através da fidelidade às virtudes cristãs, como castidade, oração, penitência etc. Em suma, o caminho de reforma proposto por São Pedro Damião era nada mais que o velho mas sempre eficaz caminho da mística e da ascese, infelizmente abandonado nos dias de hoje, pelo que podemos compreender os motivos da nova crise.

Talvez seja possível dizer que o erro de Spotlight, bem como de toda a crítica secular, é que ela não abraça a totalidade da situação e acaba por omitir o mais importante remédio para o problema. É fora de dúvida que a Igreja deve oferecer uma resposta concreta a cada caso de abuso sexual, punindo exemplarmente tanto pedófilos quanto acobertadores, e procurando reparar, na medida do possível, as chagas que foram abertas por seus crimes. Toda essa sujeira, no entanto, encarada com olhar sobrenatural, indica uma "crise de santos" [2]. Quando se perde a dimensão da busca pela santidade, seja entre progressistas, seja entre conservadores, o resultado só pode ser o escândalo e a corrupção a níveis desastrosos, sobretudo no meio clerical. Bem disse Bento XVI que, entre os fatores que contribuíram para a crise, estava "a tendência, até da parte de sacerdotes e religiosos, para adotar modos de pensamento e de juízo das realidades seculares sem referência suficiente ao Evangelho" [3]. Sem o desejo sincero de conformar-se a Jesus, nada pode assegurar uma vocação.

A Igreja, por sua vez, brilha e segue sua caminhada por esta terra, sabendo que "não são as maiorias ocasionais que se formam (...) que decidem o seu e o nosso caminho". Pelo contrário, os santos "são a verdadeira maioria determinante segundo a qual nos orientamos", pois "eles são os nossos mestres de humanidade, que não nos abandonam nem na dor e na solidão e na hora da morte caminham ao nosso lado" [4]. Por isso, ainda podemos crer com a Igreja e sentirmo-nos seguros dentro desta barca, que apesar de agitada pela tempestade, navega firmemente até o seu destino final.

Como rezou o Cardeal Ratzinger durante a Via Crucis de 2005, rezemos também nós: "Tende piedade da vossa Igreja: também dentro dela, Adão continua a cair. Mas Vós Vos erguereis. Vós Vos levantastes, ressuscitastes e podeis levantar-nos também a nós. Salvai e santificai a vossa Igreja. Salvai e santificai a todos nós."

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Carta Encíclica Mystici Corporis (29 de junho de 1943), n. 65.
  2. São Josemaría Escrivá, Caminho, n. 301.
  3. Carta aos católicos irlandeses, n. 4.
  4. RATZINGER, Joseph. Ser cristão na era neopagã, vol. 1: Discursos e Homilias. 1. ed. Campinas: Ecclesiae, 2014, p. 68.

| Categorias: Igreja Católica, Espiritualidade

Qual a sua desculpa para não ir à Missa?

Quando uma pessoa falta à Missa para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extras ou para participar de um evento social, não é preciso muito para perceber o lugar que Deus ocupa na sua vida.

P.: Visitei os meus parentes na última Páscoa e, infelizmente, eles não foram à Missa. Quando saí para participar, lembrei a eles que faltar à Missa era pecado mortal, ao que eles responderam:

"Isso foi muito tempo atrás... Faltar à Missa não é mais pecado mortal."

O que devo dizer para eles? Preciso de munição.

R.: Mais do que abordar essa questão sob o ângulo do pecado, é preciso trazer à mente qual a importância da Missa. A cada domingo, nós nos reunimos como Igreja, com os corações repletos de alegria, para prestar a Deus o nosso culto de adoração. Mais uma vez, recordamos e professamos a nossa fé no mistério da salvação: Jesus Cristo, o Filho de Deus, sofreu, morreu e ressuscitou para a nossa redenção. As ações salvíficas da Quinta-feira, Sexta-feira e Sábado Santos estão todas reunidas no Santo Sacrifício da Missa. A Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium afirma que "a Liturgia, pela qual, especialmente no sacrifício eucarístico, se opera o fruto da nossa Redenção, contribui em sumo grau para que os fiéis exprimam na vida e manifestem aos outros o mistério de Cristo e a autêntica natureza da verdadeira Igreja" (n. 2).

Mais do que isso, na Missa, cada fiel católico é alimentado com abundantes graças: primeiro, somos nutridos com a Palavra de Deus – a verdade eterna de Deus que nos foi revelada e escrita sob a inspiração do Espírito Santo. Depois, damos a nossa resposta a Ele, professando a nossa santa fé católica, tal como apresentada no Credo, dizendo não simplesmente "Eu acredito", como uma pessoa só, mas "Nós acreditamos", como parte da Igreja.

Então, se estamos em estado de graça, temos a oportunidade de receber Nosso Senhor na Eucaristia. Nós firmemente acreditamos que Ele está verdadeiramente presente nesse sacramento, e que nós recebemos Seu corpo, sangue, alma e divindade na Sagrada Comunhão. A Eucaristia não só nos une intimamente ao Senhor, mas nos une em comunhão aos nossos irmãos e irmãs de toda a Igreja universal. A Santa Eucaristia é um dom muito precioso! Em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, o Papa São João Paulo II sublinha que "esta eficácia peculiar que tem a Eucaristia para promover a comunhão é um dos motivos da importância da Missa dominical". Ali "é o lugar privilegiado, onde a comunhão é constantemente anunciada e fomentada. Precisamente através da participação eucarística, o dia do Senhor torna-se também o dia da Igreja, a qual poderá assim desempenhar de modo eficaz a sua missão de sacramento de unidade" (n. 41).

Com isso em mente, ninguém deveria simplesmente pensar em assistir à Santa Missa para satisfazer uma obrigação. Participar na celebração eucarística é um privilégio e todo fiel católico deveria desejar ardentemente fazê-lo. Nossa atitude não deve ser, "Eu tenho que ir à Missa", mas sim, "Eu quero fazer isso".

Justamente porque nos oferece dons tão preciosos, nos alimenta com tão grandes graças e nos une como Igreja, nós também temos o dever sagrado de participar na Santa Missa. O terceiro mandamento do Decálogo manda "santificar o dia do sábado" (Ex 20, 8). Para o povo judeu, no Antigo Testamento, o sábado marcava o "dia de descanso" após a Criação. Nós, cristãos, sempre guardamos o domingo, dia da Ressurreição do Senhor. Assim como a Criação se inicia no primeiro dia da semana, com Deus dizendo, "Faça-se a luz" (Gn 1, 3), Nosso Senhor, a Luz que veio para destruir a escuridão do pecado e da morte, ressuscitou dos mortos naquele primeiro dia inaugurando a Nova Criação.

Considerando a grandeza da Missa, bem como o Antigo Testamento, que foi devidamente aperfeiçoado pela Igreja, o Código de Direito Canônico prescreve: "O domingo, em que se celebra o mistério pascal, por tradição apostólica, deve guardar-se como dia festivo de preceito em toda a Igreja" (n. 1246). Mais do que isso, "no domingo e nos outros dias festivos de preceito os fiéis têm obrigação de participar na Missa" (n. 1247). Também o Catecismo ensina que "os que deliberadamente faltam a esta obrigação cometem um pecado grave" (n. 2181) — e pecado grave é, de fato, pecado mortal. O Papa João Paulo II repetiu esse preceito em sua carta apostólica Dies Domini, n. 47, e de novo em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, n. 41: "Participar na Missa é uma obrigação dos fiéis, a não ser que tenham um impedimento grave".

Podem surgir certas circunstâncias, é claro, que escusem de assistir à Missa, como quando uma pessoa está doente, tem que lidar com uma emergência, ou não consegue encontrar uma Missa sem grande sobrecarga. Um pastor também pode dispensar uma pessoa da obrigação de assistir à Missa por uma razão grave. Ninguém, por exemplo, muito menos Nosso Senhor, espera que uma pessoa vá à Missa estando tão enferma a ponto de não poder participar fisicamente nela ou de pôr em risco a saúde dos outros; não há virtude alguma em arriscar a própria saúde e ainda por cima infectar a todos na igreja. Ou, no caso de uma tempestade muito forte, uma pessoa deve julgar com prudência se consegue viajar em segurança para assistir à Missa sem que arrisque seriamente a própria vida e a das outras pessoas. Quando surgem circunstâncias graves que impedem uma pessoa de assistir à Missa, ela deve reservar um tempo para rezar, fazer as orações, leituras da liturgia e, pelo menos, participar em espírito — mantendo em mente que, quando circunstâncias graves surgem, uma pessoa não comete pecado mortal por faltar à Missa.

Ao examinar essa questão, contudo, uma pessoa deve refletir realmente no valor e na grandeza da Missa e do sacramento da Eucaristia. Todos os dias, fiéis católicos na República Popular da China arriscam não só oportunidades educacionais e econômicas, mas também as suas próprias vidas, só para assistir à Santa Missa. Em territórios de missão, pessoas viajam vários quilômetros só para participar da Eucaristia. Um missionário africano contou-me que alguns dos seus fiéis caminham 16 quilômetros para vir à Missa aos domingos, e então têm que andar mais 10 milhas de volta. Eles se arriscam e se sacrificam porque realmente acreditam na Missa e na presença do Senhor na Eucaristia.

Quando uma pessoa negligentemente "falta à Missa" só para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extra, para participar de um evento social, ou para não interromper as suas férias, ela está permitindo que alguma coisa tome o lugar de Deus, que algo se torne mais importante que a Santa Eucaristia. Infelizmente, conheci famílias que poderiam ir tranquilamente à igreja, mas que escolhiam deliberadamente não participar da Missa. Ironicamente, eles mandavam os seus filhos para uma escola católica. Sim, um comportamento desse tipo indica que uma pessoa voltou as costas ao Senhor e que está cometendo um pecado grave.

Deus deve vir em primeiro lugar nas nossas vidas. No domingo, nosso primeiro dever como católicos é adorar a Deus na Missa e ser alimentado com a Sua graça. A Didascalia Apostolorum, um escrito do terceiro século, exorta: "Deixai tudo no Dia do Senhor e correi diligentemente à assembleia, porque é o vosso louvor a Deus. Caso contrário, que desculpa darão ao Senhor esses que não se reúnem no Seu dia para ouvir a palavra da vida e receber o divino alimento que dura para sempre?" De verdade, que desculpa eles darão?

Por Pe. William Sanders | Tradução: Equipe Christo Nihil Præponere

| Categorias: Liturgia, Espiritualidade, Igreja Católica, Padre Paulo Ricardo

Mensagem de Natal: Quanto Te custou haver-me amado!

Meditando a letra do belo cântico “Tu scendi dalle stelle”, determinemo-nos a pagar o preço do amor. Se tanto custou a Deus amar-nos, como queremos que isso não nos custe nada?

O mistério do Natal só pode ser entendido se se compreende o mistério da misericórdia divina. A Segunda Pessoa divina da Santíssima Trindade, o próprio Verbo de Deus tomou uma carne. Para elevar a humanidade miserável e pecadora à participação na Sua própria vida, na Sua bem-aventurança eterna, Ele Se fez homem.

Diante de um amor tão grande, que faz o Criador de tudo o que existe transpor o abismo infinito e tomar as vestes de Sua criatura, a única resposta adequada do homem é a gratidão. A quem foi alvo de tão grande misericórdia, só lhe resta transformar a sua vida e corresponder generosamente ao amor com que foi amado.

"Ó Deus bem-aventurado, quanto Te custou haver-me amado!" É o que canta a Igreja neste Natal do Senhor, pegando emprestadas as palavras de Santo Afonso de Ligório, em seu famoso poema Tu scendi dalle stelle ("Tu desces das estrelas"). Meditando a letra desta bela cantiga natalina, determinemo-nos também nós a pagar o preço do amor. Se tanto custou a Deus amar-nos, como queremos que isso não nos custe nada?

Tu scendi dalle stelle
(Tu desces das estrelas"),
de Santo Afonso Maria de Ligório

Tu scendi dalle stelle, o Re del cielo,
e vieni in una grotta al freddo e al gelo.
O Bambino mio divino, io ti vedo qui a tremar;
o Dio beato! Ah, quanto ti costò l'avermi amato!

A te, che sei del mondo il Creatore,
mancano panni e fuoco, o mio Signore.
Caro eletto pargoletto, quanto questa povertà
più m'innamora, giacché ti fece amor povero ancora.

Tu lasci il bel gioir del divin seno,
per giunger a penar su questo fieno.
Dolce amore del mio core, dove amore ti trasportò?
O Gesù mio, perché tanto patir? Per amor mio!

Ma se fu tuo voler il tuo patire,
perché vuoi pianger poi, perché vagire?
Mio Gesù, t'intendo sì! Ah, mio Signore!
Tu piangi non per duol, ma per amore.

Tu piangi per vederti da me ingrato
dopo sì grande amor, sì poco amato!
O diletto - del mio petto,
se già un tempo fu così, or te sol bramo
Caro non pianger più, ch'io t'amo e t'amo

Tu dormi, Ninno mio, ma intanto il core
non dorme, no ma veglia a tutte l'ore
Deh, mio bello e puro Agnello
a che pensi? dimmi tu. O amore immenso,
un dì morir per te, rispondi, io penso.

Dunque a morire per me, tu pensi, o Dio
ed altro, fuor di te, amar poss'io?
O Maria, speranza mia,
se poc'amo il tuo Gesù, non ti sdegnare
amalo tu per me, s'io non so amare!

Tu desces das estrelas, ó Rei do céu
E vens a uma gruta no frio e no gelo.
Ó Menino meu divino, eu Te vejo aqui a tremer;
Ó Deus beato, quanto Te custou haver-me amado!

A Ti, que és do mundo o Criador,
Faltam agasalhos e fogo, ó meu Senhor.
Querida e eleita criança, esta Tua pobreza me apaixona
Pois foi o amor que Te fez pobre novamente.

Tu deixas as delícias da intimidade divina
Para vir a sofrer sobre essa palha.
Doce amor do meu coração, aonde Te levou o amor?
Ó meu Jesus, por que tanto sofrer? Por meu amor!

Mas se sofres por Tua própria vontade,
por que então este choro, por que estes gemidos?
Meu Jesus, eu Te entendo sim! Ah, meu Senhor!
Tu choras não de dor, mas de amor!

Tu choras ao ver a minha ingratidão,
Um amor tão grande e tão pouco amado!
Ó amado do meu coração,
se fui assim outrora, hoje somente por Ti eu anseio
Querido, não chores mais, pois eu Te amo, Te amo.

Enquanto dormes, meu Menino, o coração
não dorme, não, mas vigia a todo momento
Vai, meu querido e puro Cordeiro,
Em que pensas? Dize-me Tu. Ó amor imenso,
um dia em morrer por ti, respondes, é o que eu penso.

Então, pensas em morrer por mim, ó Deus
Que mais posso eu amar fora de Ti?
Ó Maria, esperança minha,
se pouco eu amo o teu Jesus, não te indignes
de amá-Lo tu por mim, se eu não O sei amar!

Um feliz e santo Natal!

Por Padre Paulo Ricardo de Azevedo Júnior

| Categorias: Notícias, Igreja Católica

“Castidade para todos”, pedem homossexuais ao Sínodo dos Bispos

Encontro promovido em Roma reuniu cardeais, palestrantes e pessoas com atração pelo mesmo sexo, todos com um único pedido: que a doutrina da Igreja sobre a castidade seja confirmada no Sínodo para as Famílias.

Na última sexta-feira (2), às vésperas do Sínodo para as Famílias, um grupo de católicos que abandonaram o estilo de vida homossexual pediu aos bispos da Igreja que defendam a doutrina da Igreja sobre a castidade para todos os seus membros.

O apelo aconteceu durante um encontro na Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino (também conhecida como Angelicum), em Roma. Intitulado Living the Truth in Love ("Vivendo a verdade no amor"), o evento foi organizado pelo grupo Courage, um importante apostolado católico que oferece ajuda a homens e mulheres que sofrem com a atração por pessoas do mesmo sexo (AMS).

"Temo que a castidade poderia não ter uma voz suficientemente forte no Sínodo", afirmou Rilene Simpson, uma das palestrantes do encontro. Em declaração à ACI, ela pediu o apoio da Igreja para o combate que eles travam contra o pecado.

"Estamos falando de castidade para todos. Estamos falando de castidade para as pessoas com atração pelo mesmo sexo. Estamos falando da castidade dentro do matrimônio e da castidade para quem se divorciou e voltou a casar-se", disse. "Essa é uma bonita virtude, uma graça de Deus e uma forma de nos aproximarmos d'Ele."

Rilene se converteu à Igreja em 2009, depois de viver um longo período de sua vida adulta em um relacionamento homossexual. Seu testemunho – bem como o de outros dois membros do apostolado Courage – está documentado no ótimo filme Desire of the Everlasting Hills ("Desejo das Colinas Eternas"), que foi exibido durante o evento em Roma.

Outro interlocutor do evento foi o terapeuta católico David Prosen, da Universidade Franciscana de Steubenville. Tendo vivido no estilo de vida homossexual antes de aceitar os ensinamentos da Igreja sobre a castidade, ele contou à ACI que, certa vez, um sacerdote lhe disse que "estava tudo bem ter relações sexuais como um homem, desde que ele o amasse".

"Isso é muito prejudicial. Então, o que espero do Sínodo é que os padres sinodais realmente vejam a verdade do que somos, todos nós, homens e mulheres, com dons que Deus nos deu, porque somos criados à sua imagem e semelhança e porque somos seus filhos e filhas, e não por causa daqueles por quem nos sentímos atraídos".

A apresentação de Prosen, com o título "Não sou gay, sou David", mostrou as diversas lutas por que ele passou, até conhecer o Courage e entrar em um círculo virtuoso de amizades na Igreja. "Há profunda paz e alegria em uma vida casta", ele assegurou.

David é um dos vários protagonistas de outro documentário católico sobre o mesmo tema. The Third Way: Homosexuality and the Catholic Church ("A Terceira Via: Homossexualidade e a Igreja Católica") é uma produção da Blackstone Films e também pode ser assistido na íntegra pela Internet:

Pelo menos dois padres sinodais participaram do evento: o africano Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, e o australiano George Pell, Prefeito da Secretaria de Economia. Falando aos jornalistas ao fim do encontro, o Cardeal Pell disse que a Igreja ajuda as pessoas com atração do mesmo sexo há muito tempo. "Nenhuma ONG oferece mais ajuda e acompanhamento para, por exemplo, pessoas com HIV, que as paróquias, as comunidades, como o Courage, e as famílias cristãs. Estamos obrigados a isso, porque somos cristãos", ele ressaltou.

A conferência também surgiu em resposta ao Sínodo da Família de 2014, no qual as pessoas que sofrem de atração pelo mesmo sexo não tiveram uma participação adequada, conforme indicaram os organizadores. "O que espero dos padres sinodais é que possam ver a verdade e não se deixem enganar por mentiras", concluiu David Prosen.

Os testemunhos e declarações dos membros do apostolado Courage estão em plena comunhão com a doutrina e a prática pastoral da Igreja sobre a homossexualidade, expostas tanto no Catecismo (§ 2357-2359), quanto nos vários documentos católicos que já foram emitidos sobre o assunto.

Em um desses textos, assinado pelo então Cardeal Joseph Ratzinger e endereçado aos bispos, afirma-se que "a pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, não pode definir-se cabalmente por uma simples e redutiva referência à sua orientação sexual". De fato, a verdade que a Igreja ensina aos seus filhos – tenham eles ou não atração pelo mesmo sexo – é, sobretudo, uma doutrina de amor:

"Toda e qualquer pessoa que vive sobre a face da terra conhece problemas e dificuldades pessoais, mas possui também oportunidades de crescimento, recursos, talentos e dons próprios. A Igreja oferece ao atendimento da pessoa humana aquele contexto de que hoje se sente a exigência extrema, e o faz exatamente quando se recusa a considerar a pessoa meramente como um 'heterossexual' ou um 'homossexual', sublinhando que todos têm uma mesma identidade fundamental: ser criatura e, pela graça, filho de Deus, herdeiro da vida eterna."

Eis a verdade que todos – independentemente de onde estejam e do que tenham enfrentado em suas vidas – são chamados a encontrar. Eis a luz de Cristo, que ilumina as trevas mais profundas da angústia e solidão humanas. Se você está lendo este texto e sofre com o drama da atração por pessoas do mesmo sexo, deixe-se tocar pela graça divina e descubra, no coração da Igreja, a sua vocação ao amor e verdadeira identidade de filho de Deus! Entre já na desafiadora aventura de amar e descubra a "profunda paz e alegria" que existem em levar uma vida casta e conforme a vontade do Pai!

Com informações de ACI Prensa | Por Equipe CNP