| Categorias: Santos & Mártires, Espiritualidade

A conversão de São Bernardo de Claraval

Para fugir do pecado da impureza, São Bernardo de Claraval se lançou sem hesitar em um lago gelado. A atitude do santo deixa evidente a natureza da batalha que trava todo aquele que se faz eunuco “por causa do Reino dos céus”.

Tendo recebido desde cedo uma sólida formação religiosa, Bernardo foi aluno notável em sua mocidade. Quando recebia alguma lição que contrariasse os mistérios da fé e a doutrina cristã, "recorria à oração e à meditação das Sagradas Escrituras para neutralizar o veneno inalado nas aulas" [1]. (Nenhum conselho pode ser tão útil para os nossos dias.) Mais tarde, o mesmo Bernardo será visto debatendo e debelando os erros dos professores de sua antiga escola.

Depois da morte de sua piedosa mãe, no entanto, o jovem rapaz foi atingido por uma tristeza acabrunhante. O luto se tinha apoderado totalmente de sua alma e ele não achava consolação em nada do que fazia, nem mesmo na oração, à qual já estava tão habituado, apesar da breve idade. Era final de agosto de 1110 e Bernardo contava cerca de 20 anos.

Instado por sua irmã Umbelina a distrair-se e passar tempo com os jovens que frequentavam o castelo, Bernardo começou a acercar-se de más companhias e brincar à beira do precipício dos maus costumes (cf. 1 Cor 15, 33). Como mais tarde escreveu ele ao Papa Eugênio III:

"No princípio, algumas coisas podem parecer insuportáveis, mas com o passar do tempo, se te acostumas a elas, não as julgarás tão pesadas; pouco depois, já te serão suportáveis; em seguida, não as notarás e, no fim, terminarão deleitáveis. Assim, paulatinamente, se chega à dureza do coração e, dela, à aversão." [2]

Para acordar Bernardo e impedir que a sua alma se perdesse, Deus permitiu que lhe sobreviessem fortes tentações, das quais a última, relativa ao pecado da impureza, fê-lo mudar totalmente de vida:

"Esquecido de sua vigilância habitual, permitiu que os seus olhos pousassem por um momento em um objetivo perigoso. Pela primeira vez, experimentou a rebelião da carne. Alarmado, então, perante o espectro do mal e pleno de remorsos pela sua falta, implorou imediatamente o auxílio do céu e, afastando-se do local, foi mergulhar em um pequeno lago e ali se manteve, meio morto de frio, até que a perturbação interna desapareceu totalmente. Das palavras de seus primeiros biógrafos conclui-se que decidiu naquele momento permanecer perpetuamente casto." [3]

Esse episódio da vida de São Bernardo deve servir de inspiração a todos os cristãos na luta pela castidade, principalmente no mundo de hoje, tão avesso a essa virtude.

O fato de que o santo se tenha lançado em um lago gelado para não pecar contra a castidade mostra a natureza da batalha que aqui se trava. Como diz Nosso Senhor no Evangelho (Mt 19, 12), "existem eunucos que nasceram assim do ventre materno" e "outros foram feitos eunucos por mão humana", isto é, alguns foram privados do sexo por natureza e outros por necessidade. Há, porém – e só assim se pode falar propriamente de "virtude" –, aqueles que se tornaram "eunucos por causa do Reino dos céus". Embora aqui Cristo esteja se referindo especificamente ao celibato, a sua consideração é válida para todos os cristãos, chamados que são a viver a santa pureza: porque o "ser eunuco" só é louvável e recompensado por Deus na medida em que é escolhido livremente pelo homem [4].

Os santos não eram "eunucos físicos", sem sensibilidade e sem paixões humanas, mas "homens de carne e osso", como quaisquer outros. A sua diferença é que, auxiliados pela graça divina, eles se fizeram "eunucos espirituais". Mas, isso (atenção!) por causa do Reino dos céus – e só por causa desse Reino (presente em suas almas pela graça santificante), eles estavam dispostos a tudo: a revolver-se na neve, como fez São Francisco de Assis; a jogar-se em um arbusto de espinhos, como fez São Bento; a mergulhar em um lago gelado, como São Bernardo [5]; ou mesmo a morrer, como fizeram tantos mártires ao longo da história da Igreja.

Pela vida dos santos, é possível concluir que a castidade não é um mero jogo de cálculos humanos: fosse assim, todas essas mortificações – recomendadas pelo próprio Evangelho (cf. Mt 5, 29-30) – não teriam sentido algum. Por que privar-se de algo prazeroso e, ao mesmo tempo, fazer arder o corpo no frio ou mesmo perder a própria vida? Por que tanto "radicalismo" com essa história de "castidade"? Porque, ontem, assim como hoje, os seguidores de Cristo não se fizeram eunucos "por mãos humanas": eles viveram (e vivem) a pureza por causa do Céu – e só a vida eterna pode explicar a sua abnegação e os seus sacrifícios, em que pese todo o desprezo do mundo.

Depois do episódio acima referido, como se sabe, Bernardo consagrou-se por inteiro a Deus e entrou na vida religiosa como monge cisterciense. Em 20 de agosto de 1153, partiu deste mundo, deixando na terra a sua notável fama de santidade, além de obras de incalculável valor espiritual.

No dia em que a Igreja celebra a memória deste grande doutor da Igreja, peçamos a sua intercessão. Que ele nos ajude a viver inteiramente para Deus, independentemente do estado de vida em que o Senhor nos colocou: na vida leiga ou consagrada, na vida sacerdotal ou matrimonial, todos são convocados à castidade, à entrega total do próprio ser e à santidade – porque, afinal, todos são chamados para amar.

São Bernardo de Claraval,
rogai por nós!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Recomendações

Referências

  1. A conversão de São Bernardo, II, 9.
  2. Da Consideração (trad. Ricardo da Costa), I, 2 (PL 182, 730).
  3. A conversão de São Bernardo, III, 6.
  4. Cf. Santo Hilário apud Santo Tomás de Aquino, Catena Aurea in Matthaeum, XIX, 3.
  5. Cf. São Josemaría Escrivá, Caminho, n. 143.

| Categoria: Espiritualidade

O demônio está no espelho

Poucas coisas representam tão bem o perigo do amor próprio desordenado quanto um espelho.

Poucas coisas representam tão bem o perigo do amor próprio desordenado quanto um espelho. Os cômodos de nossas casas sempre têm algum e as nossas ruas estão todas repletas deles – e não há quem passe em frente a uma vitrine sem admirar um pouco a si mesmo. Nas academias – não as de ciências, mas as de ginástica –, onde reina a exaltação do próprio ego, os espelhos são indispensáveis: praticamente nenhum canto foge ao alcance de suas vistas. Em uma sociedade em que praticamente todos se olham tanto e com tanta frequência, no entanto, nunca o conhecimento de si mesmo foi tão desprezado e negligenciado. É que as pessoas estão excessivamente preocupadas com a "imagem" que os outros têm de si, mais que com aquilo que realmente são.

Sêneca e outros filósofos antigos diziam que os espelhos – facilmente encontrados na superfície de uma pedra ou de um rio límpido – foram estabelecidos pela própria natureza como "mãe e mestra dos bons costumes". Uma fábula de Esopo conta que dois irmãos – um menino, de bela aparência, e uma menina, extraordinariamente feia – encontraram, um dia, enquanto brincavam, um espelho. Vendo sua imagem refletida, o rapaz começou a gabar-se, pois era muito bonito; sua irmã, por outro lado, ficou aborrecida e foi reclamar da atitude do irmão para o pai. Este, abraçando os dois, disse-lhes: "Eu quero que vocês dois olhem para o espelho todos os dias: você, meu filho, para não estragar a sua beleza com uma má conduta; e você, minha filha, para compensar a sua falta de beleza com uma vida de virtudes" [1]. Na lição dos antigos, o espelho seria uma esplêndida oportunidade para colocar em prática o imperativo socrático: "Conhece-te a ti mesmo".

O que pode servir para a própria edificação também se pode tornar, todavia, um grande instrumento de vaidade. Por isso, o padre António Vieira, em seu Sermão sobre o Demônio Mudo, compara o espelho ao próprio diabo: "Desde sua mesma origem não há duas coisas que Deus criasse mais parecidas e semelhantes que o demônio e o espelho. O demônio primeiro foi anjo, e depois demônio; o espelho primeiro foi instrumento do conhecimento próprio, e depois do amor-próprio, que é a raiz de todos os vícios" [2].

O orador sacro conta que o Papa Inocêncio X escolheu um religioso de grande virtude e prudência para visitar os conventos femininos, a fim de examinar e tirar de suas celas – não pelo uso da força, mas por meio de conselhos e exortações – coisas que fossem indignas ou inapropriadas a uma religiosa. Tendo inspecionado tudo com muito zelo, o visitador voltou, depois de alguns meses, dizendo ao Santo Padre que "vinha muito edificado do que achara, mas não de todo contente". De fato, em sua averiguação, o religioso tinha encontrado muitas penitências, disciplinas, orações e devoções. Algumas alfaias ou peças de maior valor – cuja posse não era permitida pelo voto de pobreza que tinham feito – ele conseguira fazer que elas abandonassem ou usassem para outros fins. Uma coisa, no entanto, ele não conseguira tirar dessas religiosas: o seu espelho. Diante da surpresa do Papa com a sua resposta, o piedoso homem explicou: "Tenho alcançado por larga experiência, que enquanto uma religiosa se quer ver ao espelho, não tem acabado de entregar todo o coração ao Esposo do céu, e ainda lhe ficam nele alguns ressábios do amor e vaidade do mundo" [3].

Embora as palavras do religioso se refiram mais claramente às pessoas de vida consagrada, o seu sentido profundo pode – e deve – ser aproveitado por todos os cristãos, seja qual for o seu estado de vida. Para seguir a Cristo, não é preciso que ninguém destrua os espelhos que possui – assim como não é preciso, literalmente, que se mutile o próprio olho ou a própria mão (cf. Mt 5, 29-30). Todos, no entanto, estão incluídos na exortação de Nosso Senhor: "Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo (...) e siga-me" (Lc 9, 23).

Renuncie a si mesmo, ensina Nosso Senhor. O que prefere a vaidade humana, ao contrário? Como renuncia a si mesmo o que não suporta estar nem duas horas sem se ver no espelho? Ou outros tantos, que "gastam as horas e perdem os dias inteiros em se estar vendo, revendo e contemplando no espelho", como se não tivessem nem esperassem outra glória? Ou quem se preocupa mais em se enfeitar e embelezar aos olhos do mundo – mas esquece de ornar a alma para Deus, a quem não importa a aparência, mas o coração (cf. 1 Sm 16, 7)?

Por isso, São Bernardo contrapõe aos espelhos humanos o que ele intitulou de Speculum Monachorum – o Espelho dos Monges [4]: que as pessoas que querem servir a Deus conheçam a si mesmas, mas que o façam examinando, sobretudo, os seus pensamentos, as suas palavras e as suas obras, para conformá-las em tudo à semelhança de Deus. Esse é o verdadeiro amor a si mesmo e o autêntico cultivo da beleza, pois cuida não da formosura frágil do corpo, mas do brilho perene da alma, que não pode ser apagado nem com as enfermidades físicas nem com as vicissitudes do tempo.

O padre António Vieira conclui o seu sermão com estas duras palavras: " Que coisa é a formosura, senão uma caveira bem vestida, a que a menor enfermidade tira a cor, e antes de a morte a despir de todo, os anos lhe vão mortificando a graça daquela exterior e aparente superfície, de tal sorte que, se os olhos pudessem penetrar o interior dela, o não poderiam ver sem horror?" [5].

"Que coisa é a formosura, senão uma caveira bem vestida"? Que, ao olhar para o espelho, sejamos capazes de enxergar a "caveira bem vestida" que é cada um de nós, lembrando que somos pó, e ao pó, um dia, tornaremos (cf. Gn 3, 19). Assim poderemos dar valor ao que é realmente necessário: amar a Deus, até o desprezo de nós mesmos [6].

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Recomendações

Referências

  1. Aesop, The Brother and the Sister. In: Aesop's Fables, Section 3.
  2. Padre António Vieira, Sermão do Demônio Mudo (1651), § IV. In: Literatura Brasileira, UFSC.
  3. Ibidem, § III.
  4. Cf. PL 184, 1175-1178.
  5. Padre António Vieira, Sermão do Demônio Mudo (1651), § XI. In: Literatura Brasileira, UFSC.
  6. Cf. Santo Agostinho, De Civitate Dei, XIV, 28 (PL 41, 436).

| Categoria: Espiritualidade

21 séculos de eucatástrofes

As contrariedades do dia a dia não podem ser motivo de desânimo nem de presunção. É preciso manter-se firme, com as armas dos santos: fé e perseverança

Os primeiros cristãos tiveram de enfrentar as mais terríveis tribulações para defender a fé em Jesus Cristo. Foram provados até o limite das próprias forças, ora pela truculência do Estado — o qual via naquela nova religião uma eminente ameaça —, ora pelas condições de vida — fome, doenças etc. É possível enxergar essa realidade nas cartas de São Paulo, nas quais o apóstolo das gentes exorta a comunidade a manter-se sempre alegre, mesmo nos momentos de crise e instabilidade (cf. Fp 4, 4). Ele aconselhava: "Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças" (Fp 4, 6) E assim faziam os fiéis, seguindo as recomendações apostólicas. Mantinham-se firmes na Palavra de Deus, no anúncio da Boa-Nova e na caridade fraterna. Essas foram as armas dos cristãos que derrubaram o Império Romano e tornaram o nome de Cristo conhecido em toda a Terra.

É verdade, porém, que muitos desanimaram frente aos desafios. Nem todos puderam suportar a opressão das perseguições e o peso da cruz. Acabaram por capitular. Essa fraqueza, naturalmente, deveu-se a dois motivos bem óbvios: uma fé imatura e a falta de confiança na graça de Deus. Ninguém, a não ser o próprio Cristo, pode suportar sozinho o peso dos pecados do mundo. E mesmo Jesus teve de passar por uma noite escura no jardim, apoiado pelos anjos, antes que derramasse seu sangue no madeiro (cf. Lc 22, 43). O pelagianismo — que, infelizmente, ainda cerra fileiras em muitas de nossas igrejas — é um erro grosseiro [1]. Em que pese sua qualidade musical, Renato Russo não é um bom conselheiro. Confiar em si mesmo é coisa de loucos. Os manicômios — para lembrar uma anedota de G.K. Chesterton — estão cheios de pessoas que acreditam em si mesmas.

Um cristão, portanto, necessita de amadurecer sua fé se quiser sobreviver às ondas agitadas que constantemente chacoalham a Barca de Pedro. Esse processo de amadurecimento, por outro lado, deve estar enraizado na grande herança apostólica da Igreja. Em nossos dias, costuma-se considerar madura a fé que se adapta ao sabor das novas ideias, das circunstâncias impostas pelo mundo moderno. Isso não pode ser considerado um amadurecimento. Isso se chama apostasia. Como explicou certa vez o Cardeal Joseph Ratzinger, "'adulta' não é uma fé que segue as ondas da moda e a última novidade; adulta e madura é uma fé profundamente radicada na amizade com Cristo" [2]. Jesus deixou-nos os sacramentos justamente para que fôssemos santificados. A Eucaristia e a confissão, sobretudo, foram os dois pilares da vida dos grandes santos da história. Não podemos relativizar essa herança, como se se tratasse de algo opcional. Os sacramentos são imprescindíveis. Acaso não está escrito: "Se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos" (Jo 6, 53)? Fé adulta é a do homem que constrói sua casa sobre a rocha firme (cf. Mt 7, 24-25). Nenhuma ventania pode derrubá-la. Essa rocha nada mais é que a economia sacramental.

Quem se entrega à graça de Deus, por conseguinte, sabe lidar com os tempos de provação. Não luta com suas próprias forças. Torna-se um instrumento da providência divina. Infelizmente, muitos ainda vivem a ilusão de um cristianismo sem cruz. Não se enganem. Jesus alertou-nos claramente sobre a perseguição que haveríamos de sofrer: "Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós" ( Jo 15, 18). E é a certeza desse repúdio do mundo à Palavra de Deus que não nos deixa sucumbir, pois bem-aventurados são aqueles que sofrem perseguição pelo nome de Jesus (cf. Mt 5, 10).

Existe uma cena belíssima na versão cinematográfica de O Senhor dos anéis, que nos auxilia a compreender por que não podemos desistir, mesmo quando tudo parece fadado ao desastre. Trata-se de um diálogo entre Frodo e Sam, os dois hobbits protagonistas da história. Frodo, fatigado pelo peso do anel e angustiado com o cenário de destruição à sua volta, murmura ao amigo, Sam, dizendo que não é capaz de continuar a missão. Sam, compadecido, responde a Frodo que compreende suas limitações, pois, na verdade, eles nem deveriam estar naquele lugar. Tudo era uma grande injustiça. "Mas estamos", prossegue o parceiro de Frodo. E ele continua assim:

— É como nas grandes histórias, senhor Frodo. As que tinham mesmo importância. Eram repletas de escuridão e perigo. E, às vezes, você não queria saber o fim, porque como podiam ter um final feliz? Como podia o mundo voltar a ser o que era depois de tanto mal? Mas, no fim, é só uma coisa passageira. Essa sombra. Até a escuridão tem de passar. Um novo dia virá. E, quando o Sol brilhar, brilhará ainda mais forte. Eram essas as histórias que ficavam na lembrança, que significavam algo. Mesmo que você fosse pequeno o bastante para entender por quê. Mas acho, senhor Frodo, que eu entendo, sim. Agora eu sei. As pessoas dessas histórias tinham várias oportunidades de voltar atrás, mas não voltavam. Elas seguiam em frente, porque tinham no que se agarrar.

— Em que nós nos agarramos, Sam?, pergunta Frodo.

— No bem que existe neste mundo, senhor Frodo, pelo qual vale a pena lutar —, explica Sam, levantando o pequeno hobbit abatido.

Em sua literatura, J.R.R Tolkien trabalha com o conceito de eucatástrofe, uma espécie de catástrofe às vessas, isto é, aquilo de bom e redentor que ocorre quando tudo parece destruído. Os amantes da obra de Tolkien sabem que seus livros estão permeados pela profunda espiritualidade católica do autor. Como disse Sam a Frodo, existe uma bondade neste mundo pela qual vale a pena lutar. Essa bondade consiste na origem divina do cosmos. Toda a criação, em especial o ser humano, reflete a beleza e a graça de Deus. E ainda que o pecado a tenha maculado, no final, como ensina o Catecismo, haverá "uma vitória de Deus sobre o último desencadear do mal, que fará descer do céu a sua Esposa" [3]. Isso é eucatástrofe. No final, como aconteceu há dois mil anos, Deus sempre vence. Evidentemente, a grande eucatástrofe da história da humanidade aconteceu com a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

De fato, vivemos, em nossa sociedade, um clima de confusão desnorteadora, o qual pode, de certo modo, nos induzir a um pessimismo. Tantas notícias ruins sobre a moral social, sobre a família e a própria Igreja contribuem para isso em grande escala. O cristão, porém, não pode deixar-se prender por esses desafios, já que sua esperança abre uma visão para além das nuvens negras que cobrem o céu. A esperança cristã nunca decepciona porque não se fundamenta em um futuro utópico, mas na providência divina que cerca seus filhos de carinho e proteção, como diz o salmista (cf. Sl 124, 2). A eucatástrofe diz respeito ao cristianismo justamente por isso. Embora o homem contribua de alguma maneira para a ação de Deus, Ele age livremente e tem a posse da última palavra. Neste sentido, é oportuno meditarmos o testemunho do mártir vietnamita Paulo Le-Bao-Thin, no qual, diz Bento XVI, é "clara esta transformação do sofrimento mediante a força da esperança que provém da fé" [4]:

Eu, Paulo, prisioneiro pelo nome de Cristo, quero falar-vos das tribulações que suporto cada dia, para que, inflamados no amor de Deus, comigo louveis o Senhor, porque é eterna a sua misericórdia (Sal136/135). Este cárcere é realmente a imagem do inferno eterno: além de suplícios de todo o gênero, tais como algemas, grilhões, cadeias de ferro, tenho de suportar o ódio, as agressões, calúnias, palavras indecorosas, repreensões, maldades, juramentos falsos, e, além disso, as angústias e a tristeza. Mas Deus, que outrora libertou os três jovens da fornalha ardente, está sempre comigo e libertou-me destas tribulações, convertendo-as em suave doçura, porque é eterna a sua misericórdia. Imerso nestes tormentos, que costumam aterrorizar os outros, pela graça de Deus sinto-me alegre e contente, porque não estou só, mas estou com Cristo.

[...] Como posso eu suportar este espetáculo, ao ver todos os dias os imperadores, mandarins e seus guardas blasfemar o vosso santo nome, Senhor, que estais sentado sobre os Querubins (cf. Sal 80/79, 2) e os Serafins? Vede como a vossa cruz é calcada aos pés dos pagãos! Onde está a vossa glória? Ao ver tudo isto, sinto inflamar-se o meu coração no vosso amor e prefiro ser dilacerado e morrer em testemunho da vossa infinita bondade. Mostrai, Senhor, o vosso poder, salvai-me e amparai-me, para que na minha fraqueza se manifeste a vossa força e seja glorificada diante dos gentios [...] Ouvindo tudo isto, caríssimos irmãos, tende coragem e alegrai-vos, dai graças eternamente a Deus, de quem procedem todos os bens, bendizei comigo ao Senhor, porque é eterna a sua misericórdia [...] Escrevo todas estas coisas, para que estejam unidas a vossa e a minha fé. No meio da tempestade, lanço a âncora que me permitirá subir até ao trono de Deus: a esperança viva que está no meu coração.

A pergunta agora é: Quando soar a última trombeta, de que lado estaremos, dos vitoriosos ou dos derrotados? A fé católica exige uma tomada de posição, pois "o Reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam" ( Mt 11, 12). Temos de fugir, a todo custo, da blasfema presunção de achar que não é preciso lutar, porque, afinal de contas, Deus sempre vence. Aos presunçosos recai a mesma censura do profeta Mardoqueu à rainha Ester: "Se te calares agora, o socorro e a libertação virão aos judeus de outra parte; mas tu e a casa de teu pai perecereis" (Et 4, 14). A indolência, como ensina Padre Paulo Ricardo neste vídeo, é um pecado gravíssimo.

Peçamos à Virgem Santíssima, Ela que foi o auxílio fiel de tantos cristãos ao longo destes 21 séculos de eucatástrofes, a fortaleza para suportarmos os desafios e a graça para caminharmos, sem descanso, rumo à Jerusalém Celeste.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. RC. 189. O que é o pelagianismo?
  2. Homilia do Cardeal Joseph Ratzinger na missa Pro Eligendo Romano Pontifice.
  3. Catecismo da Igreja Católica, n. 677.
  4. Bento XVI, Carta Encíclica Spe Salvi (30 de novembro de 2007), n. 37.
  5. Breviário Romano, Ofício das Leituras, 24 de Novembro.

| Categorias: Notícias, Espiritualidade, Padre Paulo Ricardo

Lançamento do curso "Caminho de Perfeição"

Venha aprender com Santa Teresa de Ávila os passos para alcançar o céu

Um famoso santo da Igreja dizia que "quem reza se salva e quem não reza se condena".

Ora, se a oração é algo tão importante, como pode existir tantas pessoas no mundo que não saibam o que seja rezar, nem sequer façam ideia de como começar uma oração? Como pode ser que descuidemos de um assunto do qual depende a nossa própria salvação eterna?

Se você quer aprender a rezar e amar a Deus como os grandes santos, não pode perder o próximo curso do site padrepauloricardo.org, sobre a obra "Caminho de Perfeição", de Santa Teresa de Ávila.

As aulas serão de 10 a 14 de agosto, com transmissões ao vivo e participação interativa dos alunos.

Mas, atenção! O curso será exclusivo para os nossos assinantes.

Por isso, se você ainda não é nosso aluno, não perca mais tempo e inscreva-se agora.

Comece também hoje a se preparar para o nosso curso, lendo o livro "Caminho de Perfeição". Para adquirir a obra, clique aqui.

| Categoria: Espiritualidade

Quem não morrer não viverá

Deve morrer aquele que quiser viver. A morte na cruz é a única coisa capaz de nos dar a vida eterna.

As provações fazem parte da vida de qualquer pessoa. Mesmo aqueles que não professam o credo cristão são visitados pela cruz. A diferença é que, para o cristianismo, o sofrimento possui uma dimensão sobrenatural, ainda que não se possa compreendê-lo. Na Carta Apostólica Salvifici Doloris, São João Paulo II diz que "o sofrimento parece pertencer à transcendência do homem", uma vez que exige dele uma superação de seus próprios limites e forças [1]. E, de fato, é assim. As contrariedades da vida, qualquer pessoa pode intuir isso, são, de certo modo, necessárias para o crescimento humano.

Vários autores espirituais já escreveram sobre esse tema. Em nossos dias, porém, o sofrimento tem sido objeto de discussão das mais variadas filosofias e psicologias. É claro que o assunto não é exclusividade da teologia ascética. Ocorre que, no intuito de dar uma resposta satisfatória às dificuldades enfrentadas pelo homem, muitos estudiosos têm caído na tentação do bem-estar. O mantra moderno é este: "Foge da dor, busca o prazer". Mantra, aliás, presente também em muitas pregações religiosas por aí, infelizmente [2].

O Catecismo, por outro lado, não tem uma explicação fácil para a existência do mal. Ao contrário. "É o conjunto da fé cristã que constitui a resposta a esta questão", insiste a Igreja [3]. Que isso quer dizer? Quer dizer que, para compreender os motivos de cada provação, é necessário um olhar global sobre o mistério de Deus, sua bondade e providência. Esse mistério se manifesta de forma eloquente na cruz, pela qual nos veio a máxima redenção. Portanto, é na contemplação da paixão, morte e ressurreição de Cristo que podemos intuir uma primeira resposta aos nossos dramas existenciais, bem como o modo de enfrentá-los e superá-los.

Durante a Semana Santa de 2011, o então Papa Bento XVI participou de uma entrevista na TV italiana Rai Uno, em que respondia a perguntas feitas por pessoas comuns do mundo todo. Uma das questões mais tocantes foi a de uma pequena menina japonesa, que havia sofrido com os terrores do terremoto, o qual atingira seu país. Ela indagou o Santo Padre: "Sinto tanto medo porque a casa na qual me sentia segura tremeu tanto… Por que devo sentir tanto medo? Por que as crianças devem sentir tanta tristeza?" Leiam a resposta:

Querida Helena, eu a saúdo de coração. Também surgem a mim as mesmas perguntas: por que é assim? Por que vocês devem sofrer tanto, enquanto outros vivem no conforto? E não temos as respostas, mas sabemos que Jesus sofreu como vocês, inocente, que o Deus verdadeiro que se mostra em Jesus, está com vocês. Isto me parece muito importante, mesmo se não temos respostas, se permanece a tristeza: Deus está com vocês, e tenham a certeza que isto os ajudará. E um dia poderemos até compreender por que era assim.

Neste momento parece-me importante que saibam: "Deus me ama", mesmo se parece que não me conhece. Não, Ele me ama, está comigo, e vocês devem ter a certeza de que no mundo, no universo, muitos estão com vocês, pensam em vocês, fazem na medida que lhes é possível algo por vocês, para ajudá-los. E estar conscientes de que, um dia, eu compreenderei que este sofrimento não era vazio, não era em vão, mas que por detrás há um projeto bom, um projeto de amor. Não é por acaso. Tenha a certeza disto, nós estamos com você, com todas as crianças japonesas que sofrem, queremos ajudá-las com a oração, com a nossa oração, com as nossas ações e tenham a certeza de que Deus os ajuda. E neste sentido rezamos juntos para que a vocês chegue quanto antes a luz.

O Papa fala claramente em um projeto de amor. Esse projeto nada mais é que a manifestação da providência divina na vida do ser humano. Uma das consequências naturais do sofrimento alheio é a compaixão. Eis aí um motivo claro para a existência das provações. Elas existem para retirar a humanidade da indiferença. Cada indivíduo é chamado a prestar auxílio ao seu irmão necessitado, mormente aos mais pobres. Uma tragédia como o terremoto no Japão — ou, mais próximo ainda de nossa realidade, as enchentes e desmoronamentos que costumam ocorrer em algumas regiões do Brasil — força-nos a pensar nas dificuldades de nossos irmãos e, de alguma forma, a ajudá-los com a oração e, quando possível, com o apoio material. Uma das regras de São Bento consiste precisamente nesta caridade fraterna: "Tolerem pacientissimamente as suas fraquezas, físicas ou morais; rivalizem em prestar mútua obediência; ninguém procure o que julga útil para si, mas sobretudo o que é para o outro" [4].

As provações, além disso, constituem uma escada espiritual para o céu. No início da caminhada, somos constantemente acalentados pelas consolações divinas ou humanas, que Deus nos concede, a fim de nos impulsionar a abandonar os pecados mais grosseiros. Assim diz o Salmista: "Deus cerca seu povo de carinho e proteção" (Sl 124, 2). Todavia, chega um momento em que essas consolações cessam — o período da aridez —, para que o homem aprenda a ser generoso em sua entrega, isto é, aprenda a amar sem interesse. Para quem está avançado na via purgativa, esse período bem pode ser aquele descrito por São João da Cruz: a noite escura dos sentidos. De qualquer modo, tudo se resume a um chamado de Deus ao verdadeiro amor. A esse respeito, a história de Jó é um ótimo texto para a meditação. Ali, Deus mostra como seu amor é fiel e presente na vida daqueles que se mantêm firmes mesmo nos momentos de tribulação, como explica o livro de Judite (8, 25-27):

Demos graças ao Senhor nosso Deus, que nos submete a provações, como fez com nossos pais. Lembrai-vos de tudo o que Deus fez a Abraão, de como provou Isaac, de tudo o que aconteceu a Jacó. Assim como os provou pelo fogo, para lhes experimentar o coração, assim também Ele não se está vingando de nós. É antes para advertência que o Senhor açoita os que dEle se aproximam.

Não podemos nos esquecer, todavia, que os sofrimentos também podem ser uma consequência trágica de nossos pecados. O resultado da queda de Eva foi justamente as dores do parto, conta-nos o livro de Genêsis (3, 16). Embora muitos gostem de negar, existe, sim, um castigo de Deus para nossas más ações. Se Deus é Pai, Ele deve educar seus filhos para o reto caminho. Essa educação passa muitas vezes pela via da punição, não porque Deus seja mau, mas porque o homem tende a desobedecê-lO, causando a própria ruína.

A cultura atual procura negar o sofrimento de todas as maneiras, principalmente pela busca dos prazeres carnais. A lista de países mais felizes do mundo, por exemplo, baseia-se em uma suposta qualidade de vida material. O que chama a atenção, por assim dizer, é o alto índice de suicídio que existe nestas mesmas nações. Que isso pode nos indicar? O óbvio: nenhuma força material é capaz de dar respostas suficientes às grandes questões do homem. O ser humano precisa de um sentido para a sua existência, de algo que lhe dê fundamento para continuar sua jornada, ainda que seja penosa e dolorida. E esse fundamento de maneira alguma pode ser um bem material, porque de que adianta o poder temporal em casos de morte, na solidão da velhice, nas tragédias irremediáveis?

O amor não se compra. Viktor Frankl descobriu essa necessidade de sentido para o sofrimento nos campos de concentração nazistas. Naqueles lugares de ódio e opressão, nenhuma pessoa poderia ver no dinheiro uma tábua de salvação, já que até isso lhes foi arrancado. É claro que o dinheiro é um bem necessário. Seríamos tolos se negássemos. Contestamos, contudo, a atitude gananciosa que procura fugir das contrariedades da vida, por meio de barganhas. É bastante pertinente a advertência do Salmista: "Não permanecerá o homem que vive na opulência: ele é semelhante ao gado que se abate" (Sl 48, 13).

Jesus deu-nos um ensinamento muito preciso. Deve morrer aquele que quiser viver. Esse é o paradoxo santo do cristianismo. A morte na cruz é a única coisa capaz de nos dar a vida eterna.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Papa João Paulo II, Carta Apostólica Salvifici Doloris (11 de fevereiro de 1984), n. 2.
  2. RC. 49. Teologia da prosperidade.
  3. Catecismo da Igreja Católica, n. 309.
  4. Regra de São Bento, 72 (PL 66, 927-928).

| Categoria: Espiritualidade

Sete conselhos para enfrentar a morte e o luto de forma cristã

Não adianta fugir ou mudar de assunto. Um dia, a morte chega para todos. Mas, qual o sentido desse acontecimento? Como reagir diante de uma realidade tão dura e perturbadora?

A morte assusta a todos nós. Diante dela, tomamos consciência de nossa fragilidade e, sem fé, podemos facilmente ser acometidos por incertezas, dúvidas e mal estar.

Muitas vezes, para fugir desse tema, dizemos que ainda nos falta muito tempo para esse dia, que não nos devemos preocupar com isso e, quando alguém nos lembra de nosso destino comum e inevitável, sempre tentamos dar um jeito de mudar de assunto.

Na verdade, o que precisamos fazer é entender o verdadeiro sentido da morte. Para isso, seguem alguns conselhos, que nos darão uma visão cristã desse acontecimento e uma ajuda para viver o luto em paz e com sabedoria.

1. Recorrer aos Sacramentos da Igreja

Ao se aproximar o momento de nossa partida deste mundo, devemos nos preparar, procurando livrar a nossa alma do pecado e de outros fardos que impedem a nossa união com Deus. Por isso, é muito importante receber a Unção dos Enfermos e, se possível, os sacramentos da Confissão e da Comunhão. Assim, quando a morte chegar, mais do que uma despedida, será ela um encontro com Cristo, que, como Bom Pastor, acompanha as Suas ovelhas na passagem para a vida eterna.

Se um ente querido ou um vizinho se encontra em perigo de morte – ou por velhice ou por alguma doença –, será de grande ajuda procurar ou avisar um sacerdote próximo para que visite o enfermo e este possa partir na graça de Deus. Não se pode deixar de chamar o padre por receio de que a sua visita passe uma "impressão errada" ou "apresse", por assim dizer, a morte da pessoa. A assistência espiritual do sacerdote é de grande conforto para todas as almas, seja qual for o seu destino. Na verdade, seria um grande mal que deixássemos de recorrer à Igreja nessas horas, pois estaríamos nos descuidando do bem mais valioso que possuimos: a nossa própria alma.

Por isso, lembremo-nos também de buscar viver sempre em comunhão com o Senhor. Cumpramos os Seus mandamentos e recebamos com frequência os sacramentos da Penitência e da Eucaristia, fazendo isso por amor a nosso Deus e considerando que a morte pode chegar quando menos esperamos.

2. Compreender que a morte nos liberta e nos faz entrar na vida eterna

"Intérprete autêntico das afirmações da Sagrada Escritura e da Tradição, o Magistério da Igreja ensina que a morte entrou no mundo por causa do pecado do homem. Embora o homem tivesse uma natureza mortal, Deus o destinava a não morrer. A morte foi, portanto, contrária aos desígnios de Deus Criador" [1]. Porém, quando Se fez homem para a nossa salvação, o Verbo de Deus experimentou em Sua própria carne a realidade dolorosa da morte, a fim de mudar em bênção o que era condenação..

A partir da Cruz e Ressurreição de Nosso Senhor, portanto, tudo muda de figura. A morte não é mais a triste descida do ser humano à mansão dos mortos, mas a entrada na vida eterna. Muitos protestantes, ao interpretar as Escrituras individualmente, terminam acreditando que as almas depois da morte ficam inconscientes e caem numa espécie de "sono" inconsciente. Esquecem-se que Jesus prometeu o Céu ao bom ladrão no mesmo dia em que este morreu (cf. Lc 23, 43), e que "está determinado que os homens morram uma só vez e depois vem o julgamento" (Hb 9, 27).

A Igreja, em conformidade com o testemunho das Escrituras e com o ensinamento dos primeiros cristãos [2], lembra que, na verdade, a nossa alma parte para o encontro com Deus imediatamente após a nossa morte corporal. Por isso, nós devemos vivê-la compreendendo que um ciclo terreno termina e se inicia o tempo da glória, ao lado de Deus e de Sua corte celestial. "Eu sou a ressurreição e a vida", disse Jesus. "Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá" (Jo 11, 25-26).

3. Conservar com amor e alegria a lembrança daqueles que partiram

Ainda que não estejam mais fisicamente conosco, todas as lições e momentos compartilhados com os nossos entes queridos vivem em nossos corações. Honremos sempre sua memória como um inestimável tesouro que nos acompanhará em nossa vida.

Mesmo que nos doa que alguém amado tenha partido e sintamos um vazio por sua perda, deve-se evitar cair em tristezas prolongadas. Primeiro, porque somos confortados pela esperança cristã de que quem creu e viveu no Senhor tem a vida eterna com Ele. Segundo, porque sabemos que quem se foi não gostaria de ver-nos assim. Se nos é difícil levantar-nos do luto, busquemos a ajuda de um sacerdote ou diretor espiritual para superar a dor. Será muito útil.

Também pode ser uma boa obra de caridade doar algumas (se não todas) roupas ou objetos que a pessoa usou a um abrigo ou casa de beneficência. Além de ser um sadio exercício de desapego, que nos pode ajudar a superar o luto causado pela perda, colocamos em prática a terceira obra de misericórdia temporal, que é "vestir os nus".

4. Auxiliar as famílias que perderam seus entes queridos

Quando perdem alguém, as pessoas geralmente se refugiam na solidão, no silêncio e no pranto, podendo experimentar falta de apetite e estresse ou mesmo entrar em depressão.

Como cristãos, o nosso dever é acompanhar, aconselhar e ajudar aqueles que perderam os seus entes queridos, fazendo com que se recordem deles com alegria e incentivando-os a ver na morte não um fim, mas uma permanência no amor de Deus, que tem preparado um lugar para cada um de nós.

"Consolar os aflitos" também é uma obra de misericórdia, recomendada pelas próprias Escrituras: "Alegrai-vos com os que se alegram, chorai com os que choram" ( Rm 12, 15). Além disso, a solidariedade com quem sofre é um grande remédio para aliviar também as nossas dores. Quando nos voltamos às necessidades dos outros, somos capazes de ver a mão de Deus que levanta o próximo por meio de nós. Quem, como o bom samaritano (cf. Lc 10, 30-37), cuida das misérias alheias, tem suas próprias misérias pensadas por Nosso Senhor, que é o Bom Samaritano por excelência.

5. Evitar brigas por causa de dinheiro ou herança

É possível que a pessoa falecida tenha deixado alguns bens que tocam aos filhos e parentes mais próximos. Tudo tem seu tempo apropriado e é lamentável ver famílias que, antes mesmo da morte da pessoa, brigam por causa de bens materiais; irmãos que, ao invés de se unirem, nem sequer conversam mais um com o outro, por conta de interesses.

Ante a tentação de acirrar os ânimos por causa de heranças terrenas, vale ter diante dos olhos a única herança imperecível, a qual – como ensina São Gregório Magno – "não diminui com o crescimento do número de herdeiros" [3]. "Se ressuscitastes com Cristo – exorta São Paulo –, buscai as coisas do alto, onde Cristo está entronizado à direita de Deus; cuidai das coisas do alto, não do que é da terra" (Cl 3, 1-2).

6. Evitar cair em práticas espíritas ou supersticiosas para mitigar a dor

Algumas empresas, no afã de lucrar com a dor alheia, oferecem rituais funerários absolutamente incompatíveis com a fé cristã. São práticas como semear uma árvore com os restos mortais da pessoa, jogar as suas cinzas em um lago para perpetuar a sua memória, ou mesmo domesticar um animalzinho com o nome do parente falecido, relacionando-o com a crença na reencarnação.

O Catecismo da Igreja Católica é bem claro ao ensinar que não existe reencarnação:

"A morte é o fim da peregrinação terrena do homem, do tempo de graça e misericórdia que Deus lhe oferece para realizar a sua vida terrena segundo o plano divino e para decidir o seu destino último. Quando acabar a nossa vida sobre a terra, que é só uma, não voltaremos a outras vidas terrenas. 'Os homens morrem uma só vez' (Hb 9, 27). Não existe 'reencarnação' depois da morte." [4]

Por isso, não é nada aconselhável, a quem perdeu os seus entes queridos, que saia à procura de "comunicações do além" em casas espíritas ou ambientes parecidos. A dor não nos pode fazer desviar de nossa fé! Nossa confiança deve estar sempre colocada em Deus e em Suas promessas. É a Sua graça que nos ajudará a continuar, não as falsas mensagens de doutrinas abertamente contrárias à doutrina de Cristo.

7. Rezar pelo descanso eterno daqueles que partiram

A maior obra de amor que podemos realizar por nossos entes queridos é oferecer orações por eles. Como diz Santa Teresinha do Menino Jesus, "pensar em uma pessoa que se ama é rezar por ela" [5].

No Brasil, há o piedoso costume de se honrar as almas dos falecidos com a conhecida "Missa de sétimo dia". O Catecismo ensina que, "desde os primeiros tempos, a Igreja honrou a memória dos defuntos, oferecendo sufrágios em seu favor, particularmente o Sacrifício eucarístico para que, purificados, possam chegar à visão beatífica de Deus" [6]. Por isso, não importa o quanto tempo tenha passado, é sempre recomendado oferecer muitas Missas pelas almas dos fiéis falecidos, além de Terços, jejuns e toda espécie de orações.

Também não se pode esquecer o motivo de todas essas práticas. Os católicos rezam por seus mortos porque acreditam na verdade do purgatório. A Igreja não é composta apenas pelos cristãos que vivem neste mundo (Igreja militante), mas está unida aos santos, no Céu (Igreja triunfante), e às almas que se purificam de seus pecados, no purgatório (Igreja padecente). Por essa união mística – que a Igreja chama de "comunhão dos santos" –, as nossas preces e súplicas pelos falecidos têm valor diante de Deus e fazem entrar no Céu aqueles que amamos e que partiram desta vida.

Um dia, será a nossa vez de nos juntarmos à corte celeste e às almas de nossos entes queridos. Por isso, estejamos sempre preparados para a nossa morte e para nosso encontro definitivo com Deus. É verdade que ninguém pode ter certeza absoluta da própria salvação [7]. Se, porém, vivermos uma vida de virtudes e de oração, ao fim de nossas existências poderemos dizer, com São Paulo: "Chegou o tempo da minha partida. Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Desde agora, está reservada para mim a coroa da justiça que o Senhor, o juiz justo, me dará naquele dia, não somente a mim, mas a todos os que tiverem esperado com amor a sua manifestação" (2 Tm 4, 6-8).

Com informações de Píldoras de Fé | Por Equipe CNP

Referências

  1. Catecismo da Igreja Católica, 1008.
  2. Cf. Papa São Clemente, Primeira Carta aos Coríntios, 56 (PG 1, 321-324); Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Tralianos, 13 (PG 5, 799); São Policarpo de Esmirna, Carta aos Filipenses, 9 (PG 5, 1019).
  3. Moralia in Iob, V, 86 (PL 75, 729).
  4. Catecismo da Igreja Católica, 1013.
  5. Cartas, 225 (2 de maio de 1897).
  6. Catecismo da Igreja Católica, 1032.
  7. Cf. Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica, I-II, q. 112, a. 5.

| Categorias: Doutrina, Espiritualidade

As pulsações do Sagrado Coração de Jesus

Descubra o tesouro escondido no amor ao Sagrado Coração de Jesus e saiba como obter frutos espirituais dessa santa devoção.

Anunciado por todos os profetas e ansiado por todas as nações, é no Sagrado Coração de Jesus que se resume a história dos homens e onde se encontra a "fonte de toda consolação". Dele, coração humano e divino, brotam mananciais de água viva para a humanidade inteira, conforme prometeu Isaías: "Com alegria tirareis água nas fontes do Salvador" (Is 12, 3), e conforme Ele mesmo revelou à samaritana: "Se conhecesses o dom de Deus e quem é aquele que te diz: 'Dá-me de beber', tu lhe pedirias, e ele te daria água viva" (Jo 4, 10).

O culto ao coração de Nosso Senhor, no entanto, nem sempre foi compreendido da forma correta dentro da Igreja. Há quem se incomode com a ideia de adorar um "órgão humano" – mesmo que seja o de Jesus –, como se tal ato fosse um exagero ou ferisse a honra devida somente a Deus. Outros chegam a vislumbrar a beleza dessa devoção, mas, por não saberem o que ela significa, acabam não lhe dando muita importância e, muitas vezes, chegam a agir com certo desprezo para com ele, considerando o culto ao Sagrado Coração quase como uma "superstição".

Contra essa visão completamente distorcida das coisas, o Papa Pio XII escreveu, em 1956, a riquíssima encíclica Haurietis Aquas, exatamente "sobre o culto ao Sacratíssimo Coração de Jesus". Neste documento, Sua Santidade adverte que "este culto não deve a sua origem a revelações privadas, nem apareceu de improviso na Igreja", mas simplesmente confirma as verdades sobre a vida de Cristo e o seu imenso amor para com os homens. "Evidente é, portanto, que as revelações com que foi favorecida Santa Margarida Maria não acrescentaram nada de novo à doutrina católica" [1].

Mas, qual é, afinal, a doutrina católica a respeito do culto ao Sagrado Coração de Jesus?

Em primeiro lugar, a Igreja ensina que esse culto consiste em uma verdadeira adoração. A razão disso está na doutrina da "união hipostática" de Cristo: "Uma vez que Deus Verbo se encarnou, a carne de Cristo é adorada não por si mesma, mas porque o Verbo de Deus está unido a ela segundo a hipóstase" [2]. Assim, pois, comenta Santo Tomás de Aquino, "adorar a carne de Cristo nada mais é do que adorar o Verbo de Deus encarnado, assim como adorar a roupa do rei nada mais é do que adorar o rei que a veste" [3]. É por isso que quem reza a Ladainha do Sagrado Coração recorda que esse órgão de Cristo está "unido substancialmente ao Verbo de Deus" e que nele "habita toda a plenitude da divindade". Os católicos, portanto, não só podem, como devem, adorar o Sagrado Coração de Jesus, sem nenhum temor ou escrúpulo.

Agora, por que tanta ênfase no coração de Cristo? Por que não adorar outro órgão qualquer de Nosso Senhor, como o cérebro, ou os Seus outros membros feridos pelos agudos cravos da Cruz? A resposta está em que, "mais do que qualquer outro membro do seu corpo – diz o Papa Pio XII –, o seu coração é o índice natural ou o símbolo da sua imensa caridade para com o gênero humano" [4].

Os católicos adoram o Coração de Jesus porque a fé cristã é, acima de tudo, a "religião do amor". Na verdade, não existe nenhuma virtude maior do que a caridade (cf. 1 Cor 13, 13); nenhum mandamento maior do que o amor (cf. Mt 22, 34-40); nada tão importante quando o fato de que "Deus amou de tal modo o mundo, que lhe deu o Seu Filho único, para que todo o que n'Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3, 16).

Além disso, cremos que Deus, assumindo um coração verdadeiramente humano, sujeitou-se livremente a experimentar os sentimentos mais comuns da vida de qualquer pessoa, tais como o amor e a alegria, a tristeza e o temor etc [5]. O Papa Pio XII confirma que "o coração de Cristo (...) sem dúvida deve ter palpitado de amor e de outros afetos sensíveis" [6].

Por isso, convém "meditar as pulsações do seu coração" [7], a fim de que também os nossos corações possam, com suas batidas, tributar um hino de louvor a Deus.

O Coração de Jesus "pulsa de amor ao mesmo tempo humano e divino desde que a virgem Maria pronunciou aquela palavra magnânima 'Fiat'" [8].

O Coração de Jesus pulsou de amor quando se perdeu de seus pais e, tomado por um zelo que O consumia, aninhou-se no templo e tratou de cuidar das coisas de Seu Pai (cf. Lc 2, 49).

O Coração de Jesus pulsou de amor quando trabalhou na carpintaria de Nazaré, rodeado por São José, Seu pai adotivo, e por Sua santíssima mãe, a qual O nutria e O via crescer "em estatura, graça e sabedoria, diante de Deus e dos homens" (Lc 2, 52).

O Coração de Jesus pulsou de amor quando sentiu compaixão das multidões que O cercavam (cf. Mc 8, 2), quando deu vista aos cegos, quando curou os enfermos e quando ressuscitou os mortos.

O Coração de Jesus pulsou de amor e admiração, quando viu a grande fé daquele soldado romano, cujas palavras são repetidas todos os dias na Santa Missa: Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e minha alma será salva (cf. Mt 8, 8).

O Coração de Jesus pulsou de amor e de santa ira, quando expulsou os cambistas e vendilhões do templo, ordenando que não fizessem da casa de Seu Pai uma casa de comércio (cf. Mt 21, 13).

O Coração de Jesus pulsou de amor e de alegria, quando instituiu o Santíssimo Sacramento da Eucaristia, deixando a Si mesmo como alimento para todos os que O haviam de seguir, até o fim dos tempos.

O Coração de Jesus pulsou de amor, de tristeza e de temor, quando rezou no Horto das Oliveiras, implorando misericórdia e suando gotas de sangue pela humanidade pecadora (cf. Mt 26, 38; Mc 14, 33).

O Coração de Jesus pulsou disparadamente quando Se entregou na Cruz, palpitando "mais pela força do amor do que pela violência dos algozes" [9].

O Coração de Jesus pulsou de amor e misericórdia, quando acolheu no Céu o bom ladrão (cf. Lc 23, 43) e perdoou os Seus carrascos do crime que cometeram (cf. Lc 23, 34).

O Coração de Jesus pulsou de amor quando entregou Maria Santíssima aos cuidados de Seu discípulo amado, designando-a mãe de toda a Igreja (cf. Jo 19, 25-27).

Finalmente, no Céu, "o seu coração sacratíssimo nunca deixou nem deixará de palpitar com imperturbável e plácida pulsação" [10], já que a aliança que firmou com a Sua Igreja é irrevogável e o Seu amor para com ela é eterno, como Ele mesmo tinha prometido: "Esta é a aliança que farei com a casa de Israel a partir daquele dia – oráculo do Senhor, colocarei a minha lei no seu coração, vou gravá-la em seu coração; serei o Deus deles, e eles, o meu povo" (Jr 31, 33).

Por todas essas pulsações do Sagrado Coração de Jesus, que também nós vivamos a nossa vida como um completo e constante ato de amor a Ele. Peçamos-Lhe a graça de imitar o Seu manso e humilde coração (cf. Mt 11, 29) e que, assim como o Seu, também os nossos se convertam em uma "fornalha ardente de caridade".

Sacratíssimo Coração de Jesus,
tende piedade de nós!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Carta Encíclica Haurietis Aquas (15 de maio de 1956), IV, n. 52.
  2. São João Damasceno, De Fide Orthodoxa, IV, 3 (PG 94, 1105).
  3. Suma Teológica, III, q. 25, a. 2.
  4. Carta Encíclica Haurietis Aquas (15 de maio de 1956), I, n. 12.
  5. Cf. Suma Teológica, III, q. 15.
  6. Carta Encíclica Haurietis Aquas (15 de maio de 1956), II, 22.
  7. Ibid., II, 28.
  8. Ibid., III, 30.
  9. Ibid., III, 38.
  10. Ibid., II, 28.

| Categoria: Espiritualidade

A fé sem oração é morta

Para que não naufrague no mar do ateísmo, a fé em Cristo e na Igreja precisa da oração. “O espírito está pronto, mas a carne é fraca”, diz o Senhor.

Tão importante é o tema da tentação, que mereceu ser incluído por Nosso Senhor na oração do Pai-Nosso: "Não nos deixeis cair em tentação" (Mt 6, 13). Tão negligenciado, porém, é esse mesmo assunto, que bem se pode dizer que a única tentação da qual muitos ouviram falar foi aquela que seduziu Adão e Eva, no Jardim do Éden (cf. Gn 3, 1-7). As pessoas – e, deve-se dizer, os cristãos – vivem como se tentações não existissem – e, com elas, tampouco o pecado, o demônio ou o inferno.

Isso acontece porque o mundo está impregnado de materialismo e não consegue mais elevar os seus olhos para nada que esteja além da experiência dos sentidos. Verdadeiro, então, é o que se pode ver, ouvir, tocar, cheirar ou sentir... Todo o resto parece situar-se no campo da mera subjetividade. O próprio Deus é muitas vezes reduzido a um "sentimento", a alguns arrepios que se sentem durante um culto religioso ou uma palestra motivacional. As realidades espirituais, porque invisíveis, deixaram de ser reais para o homem moderno, deixaram de ser úteis e, lamentavelmente, são muitos os que as abandonam.

Em seu pontificado, o Papa Bento XVI falou inúmeras vezes da existência de uma "crise de fé" [1]. Mas, o que Sua Santidade queria dizer com isso? Não existem, de fato, tantas pessoas no mundo que creem em Deus, que continuam a ir à igreja aos domingos e que acreditam na vida após a morte?

É verdade, o fenômeno religioso não foi completamente deixado de lado pela modernidade. A fé do homem moderno, porém, está construída sobre a areia (cf. Mt 7, 26-27). A religião tornou-se um como que "acessório", algo que se compra no supermercado da vida e se pode descartar quando já se tiverem esgotado todos os seus benefícios práticos. Assim, quando um padre faz uma homilia sobre a cura de algum mal ou sobre "o amor" – esse termo que "se tornou hoje uma das palavras mais usadas e mesmo abusadas" pelas pessoas [2] –, como esses temas soam agradáveis aos ouvidos, os bancos se enchem e oferecem palmas. Quando, porém, essa mesma multidão ouve alguma notícia no jornal, dizendo que a Igreja Católica não aceita isto ou aquilo, os mesmos que há pouco aplaudiam se enfurecem e destilam o seu ódio contra a religião.

É triste perceber que a grande massa de fiéis que frequenta as nossas igrejas não é muito diferente daquela multidão que pediu a crucificação de Jesus: depois de uma entrada triunfal em Jerusalém (cf. Mt 21, 1-11), Cristo terminou suspenso num madeiro, posposto a um criminoso e condenado pelo mesmo povo que O tinha recebido com festa às portas da cidade: "Este não, mas Barrabás!" (Jo 18, 40). Do mesmo modo, quando ouvem as coisas boas, os frequentadores de igreja se alegram; quando o que escutam lhes fere, eles se entristecem e voltam para casa.

Há, sim, na Igreja, uma crise de fé, mas é uma crise de fé "vivida", por assim dizer. São Tiago dizia com acerto que "a fé sem obras é morta" (Tg 2, 17). Ou seja, se alguém diz crer, mas não muda o seu comportamento, não conforma a sua vida àquilo em que crê, de nada adianta. Quando os hábitos e opiniões das pessoas que vão à igreja não diferem muito dos hábitos e opiniões daqueles que vivem no mundo, é preciso começar a perguntar o que está acontecendo com a catequese e com a evangelização. O que tem sido feito daqueles que deveriam ser o sal da terra e a luz do mundo (cf. Mt 5, 13-14)?

A resposta é simples: caíram em tentação. Como os discípulos na noite da agonia, os nossos católicos estão "dormindo", envolvidos pela névoa do mundo e pelas trevas do erro e da ignorância (cf. Mt 26, 36ss).

Também hoje, o remédio que Cristo receitou a Pedro, Tiago e João é o mesmo que ele oferece à modernidade: "Vigiai e orai, para não cairdes em tentação; pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mt 26, 41). Quando um famoso santo e doutor da Igreja dizia que "quem reza certamente se salva e quem não reza certamente se condena" [3], ele não brincava nem pretendia falar por hipérboles. Quem deixa de rezar; quem não para sequer alguns minutos do dia para elevar a sua mente a Deus; quem deixa de considerar que está rodeado por seu anjo da guarda; que, dentro de seu coração, habita a própria Trindade; que as pessoas à sua volta têm alma e precisam ouvir a Palavra de Deus... Pouco a pouco, cai na descrença e no indiferentismo. Sem oração – sem lidar dia após dia com as verdades eternas –, a alma vai se "petrificando", tornando-se insensível às inspirações divinas e fechando-se apenas às coisas deste mundo.

Por isso, é possível parafrasear São Tiago e dizer que, também, a fé sem oração é morta. Quem não reza fatalmente deixa de acreditar e, ao fim, acaba cedendo ao ateísmo, essa grande tentação dos nossos tempos.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Cf., v.g., Discurso durante Vigília para a Beatificação de John Henry Newman (18 de setembro de 2010); Carta Apostólica Porta Fidei (11 de outubro de 2011), n. 2; Carta Apostólica Fides per Doctrinam (16 de janeiro de 2013).
  2. Papa Bento XVI, Carta Encíclica Deus Caritas Est (25 de dezembro de 2005), n. 2.
  3. Santo Afonso de Ligório, Del gran mezzo della preghiera, I, 32.