| Categorias: Pró-Vida, Política

Se o aborto não é crime, então o que será?

A Constituição brasileira diz que "todos são iguais perante a lei", mas, a deduzir de decisão da Primeira Turma do STF, que legalizou o aborto nos três primeiros meses de gestação, parece que uns são "mais iguais" que outros.

“Se nós aceitamos que uma mãe pode matar o seu próprio filho, como podemos dizer às outras pessoas para não se matarem?"
(Santa Teresa de Calcutá)

Todos já estão sabendo. A Suprema Corte de nosso país, cujos membros parecem situar-se há muito tempo "acima do bem e do mal", sentenciou há uma semana, no julgamento de um caso concreto, que não é crime o abortamento até o terceiro mês de gravidez.

O argumento do ministro Luís Roberto Barroso — a cujo voto subscreveram igualmente os ministros Rosa Weber e Edson Fachin — é de que "a criminalização, nessa hipótese, viola diversos direitos fundamentais da mulher, bem como o princípio da proporcionalidade". Qualquer um pode ler, na íntegra, a explicação do magistrado. No seu parecer, punir o aborto seria incompatível com "os direitos sexuais e reprodutivos da mulher, que não pode ser obrigada pelo Estado a manter uma gestação indesejada", e atentaria até mesmo contra "a igualdade da mulher, já que homens não engravidam (sic) e, portanto, a equiparação plena de gênero depende de se respeitar a vontade da mulher nessa matéria".

Com esses argumentos, na verdade, abrem-se as portas — ou melhor, escancaram-se — para a descriminação total do aborto em nossa nação. A decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal atinge um caso específico, de Duque de Caxias (RJ), mas o seu conteúdo não destoa em nada da velha cantilena do movimento feminista e das organizações internacionais para despenalizar a prática. O problema é que isso, agora, consta na jurisprudência da mais alta instância do Poder Judiciário e pode ser usado amplamente pelos juízes país afora. Não resta dúvidas: estamos diante da mais descarada tentativa de legalizar o aborto no Brasil.

Além de nossa mais profunda revolta não só como cristãos, mas como cidadãos brasileiros — afinal, não é necessário ter uma fé religiosa para ser contrário ao aborto —, os argumentos apresentados pelo ministro Barroso para liberar o aborto no primeiro trimestre de gravidez são terrivelmente graves e precisam de uma resposta. O seu parecer pisa nas leis de nosso país, zomba do povo brasileiro — que se sabe ser majoritariamente contrário à descriminalização do aborto — e procura legitimar uma injustiça que, mesmo se não fosse repelida por nossos diplomas legais, sempre mereceu e sempre merecerá a nossa veemente repulsa e oposição.

Comecemos pela mais elementar das lições, compreensível até pelos rábulas: cada esfera do poder político tem as suas competências. Dizer o que é crime e o que deixa de sê-lo é atribuição regular não de quem julga, mas de quem faz as leis; não é tarefa de um tribunal, mas do parlamento; não cabe ao STF, portanto, mas ao Congresso Nacional. A decisão da Primeira Turma do Supremo simplesmente exorbitou de suas funções, para dizer o mínimo. Imaginem só se "a moda pega" e os juízes agora desatinam a julgar arbitrariamente, de acordo com a sua posição política ou ideológica: de que servirão as leis, senão para serem calcadas e lançadas ao lixo?

Não que esperássemos uma opinião diferente vinda do ministro Barroso, já que foi ele o advogado da ADPF 54, ação que despenalizou no Brasil, em 2012, o aborto de anencéfalos. O que não se compreende é como as suas opiniões privadas podem valer mais que as leis de nosso país: leis que põem a salvo, "desde a concepção, os direitos do nascituro" (Código Civil, art. 2.º); leis que criminalizam o aborto, incluindo-o na seção de "crimes contra a vida" (cf. Código Penal, arts. 124-127); leis que manifestam, até os dias de hoje, a posição majoritária da população brasileira a respeito do assunto. Se não gostava da atual legislação e pretendia alterá-la, o lugar a que deveria aspirar o ministro era a cadeira não da Suprema Corte, mas da Casa de Leis. Se queria inovar em matéria legal, que mostrasse o rosto diante da nação e apresentasse honestamente e à luz do dia as suas propostas, ao invés de criar "à canetada" as normas que lhe aprazem, passando por cima das que já existem e vigoram.

Quanto ao instante em que começa a vida, o ministro diz, peremptoriamente, que "não há solução jurídica para esta controvérsia", e que "ela dependerá sempre de uma escolha religiosa ou filosófica de cada um a respeito da vida". Resta-nos perguntar, então, que valor têm a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, que tutela o direito à vida "desde o momento da concepção" (art. 4), e o Código Civil brasileiro, que "põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro" (art. 2.º). Trata-se de dois diplomas legais ou, novamente, o ministro só consegue enxergar os "direitos fundamentais" e as "soluções jurídicas" que lhe apetecem?

E as ciências, será que não têm nada a dizer sobre o assunto, ou só se recorre a elas quando respaldam as preferências dos magistrados? Já não está "amplamente reconhecido que, biologicamente, o único 'salto qualitativo' relacionado à transmissão da vida advém do ato da fecundação" [1]? O que falta acrescentar a um óvulo fecundado para que ele se torne um ser humano?

A deduzir das teses patrocinadas por Barroso, talvez o que lhe falte seja precisamente a chancela da mulher, a sua decisão livre e "autônoma" de levar adiante a gestação. E é desse modo que, sem nenhum pudor ou remorso, nossos ilustres magistrados reescrevem o art. 5.º da Carta Magna. "Todos são iguais perante a lei", sim, diz o texto constitucional, mas uns são "mais iguais" que outros, interpreta a Primeira Turma do Supremo; iguais "sem distinção de qualquer natureza", sim, continua a Lei, exceto se a vida for intrauterina, intervém o Supremo; garante-se "aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida", sim, é claro, mas só depois de completado o primeiro trimestre da gestação, dizem enfim aqueles a quem compete, "precipuamente, a guarda da Constituição" (CF, art. 102).

Mas para que serve a Constituição, se da simples leitura de suas linhas não conseguimos mais extrair nem mesmo o respeito à "dignidade da pessoa humana", que é um dos fundamentos de nosso Estado Democrático de Direito? Se assassinar um ser humano inocente no ventre de sua mãe não é crime, então o que será crime? Se não protegemos a vida nem de nossos membros mais frágeis e indefesos, do que seremos capazes de zelar? "Se nós aceitamos que uma mãe pode matar o seu próprio filho", em suma, "como podemos dizer às outras pessoas para não se matarem?" [2]

Ainda que uma "classe de intocáveis" lute por implantar o aborto no Brasil, custe o que custar, ao arrepio das leis e da autonomia dos poderes, o povo brasileiro não pode permitir que isso aconteça. Pressionemos o nosso Poder Legislativo, para preservar "sua competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros Poderes" (CF, art. 49, XI). Os ministros do Supremo Tribunal Federal não podem contrariar a decisão soberana da população, que por inúmeras vezes já rejeitou a descriminalização do aborto por via legislativa. Não permitamos que roubem a vida de nossos filhos!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Luciano Eusebi, La tutela penale della vita prenatale. Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale. Milão. fasc. 3, luglio-settembre 1988, p. 1064.
  2. Madre Teresa de Calcutá, Speech to the National Prayer Breakfast (Washington, February 3rd, 1994).

| Categoria: Pró-Vida

Fantástico - O Show da Morte

Depois de apresentar uma reportagem unilateral, forçada e tendenciosa, claramente direcionada a induzir à aprovação do aborto no Brasil, o programa Fantástico, mais do que “o show da vida”, merece outro epíteto.

Por Pe. José Eduardo | Fonte: Facebook

Ontem, o Fantástico - O Show da Vida, apresentou uma reportagem unilateral, forçada e tendenciosa, claramente direcionada a induzir à aprovação do aborto no Brasil.

Débora Diniz apresentou números de uma pesquisa, digamos…, minimamente intrigante.

Segundo ela, uma em cada cinco mulheres até os quarenta anos teria abortado e, no último ano, o Brasil teria assistido silenciosamente o discreto espetáculo de 500 mil abortos clandestinos.

Curiosamente, dizia-se que o número de abortos no Brasil há dois anos era de 1,5 milhões, por ano. Então, se esses dados fossem verdadeiros, no Brasil estariam se fazendo hoje 1 milhão a menos de abortos! UMA REDUÇÃO DE 200%, POR ANO!!! Se, realmente fosse assim, em 3 ou 4 anos não teríamos mais abortos no Brasil!!

Eles perceberam que a MENTIRA do 1,5 milhões não cola mais!

Porém, esses números atuais, também, não são verdadeiros, como vou mostrar abaixo, mas não conseguem disfarçar que o número de abortos está caindo vertiginosamente no Brasil. Então, para enganar, é preciso mentir menos.

Deixemos de lado as já conhecidas declarações da promotora do aborto Adrianne Germain, que confessou o financiamento ao aborto clandestino por parte daqueles que militam pelo aborto legal -- ela mesma confessa ter feito isso! (Cf. Population and Reproductive Health. Oral History Project, Adrienne Germain Interviewed by Rebecca Sharple) --, e vamos direto aos números.

Se 500 mil mulheres praticassem o aborto clandestino no Brasil, deveríamos ter, segundo as mais recentes pesquisas (para as quais apenas metade das mulheres que praticam o aborto clandestino fazem a curetagem), pelo menos 250 mil curetagens ao ano pelo SUS, apenas por motivos de aborto provocado. Ora, como segundo a maior parte dos médicos, apenas 1/4 das curetagens (no máximo) seriam de mulheres que praticaram o aborto provocado, logo, o número total de curetagens deveria chegar a 1 milhão por ano.

Acontece que, no SUS, há apenas cerca de 200 mil curetagens ao ano, número que está caindo cada vez mais (10% ao ano, segundo dados do próprio dataSUS).

Ora, se segundo os médicos, 1/4 das curetagens se deve ao aborto provocado, teríamos 50 mil internações por esse motivo; porém, se de cada duas mulheres que pratica o aborto uma deve se submeter à curetagem, chegamos ao resultado de 100 MIL ABORTOS AO ANO!

Em outras palavras, o quadro é exatamente o contrário daquele apresentado pela reportagem do Fantástico.

Ademais, é uma mentira que o número de abortos cai quando este é aprovado. A realidade é absolutamente inversa: nos países que legalizaram o aborto, se faz pelo menos cinco vezes mais abortos que no Brasil!

Por exemplo, nos EUA se fazem 800 mil abortos por ano, enquanto que, no Brasil, se fazem 100 mil. No Reino Unido, que tem 50 milhões de habitantes, se fazem 120 mil abortos; se tivessem 200 milhões de habitantes, como no Brasil, fariam 500 mil abortos, que é 5 vezes o número de abortos no Brasil. Na Espanha, a população é de 40 milhões de habitantes, e se praticam 120 mil abortos; ou seja, 5 vezes mais que no Brasil. Na Suécia, há 10 milhões de habitantes, e se praticam 40 mil abortos; ou seja, se tivessem 200 milhões de habitantes, fariam 800 mil abortos, 8 vezes mais que no Brasil.

Desde a legalização, na Suécia, o número de abortos cresceu 5.500%, e, na Espanha, subiu 600%, nos EUA subiu 700%, ENQUANTO NO BRASIL ESTÁ DIMINUINDO.

Mesmo nessa alegada pesquisa, a idade das mulheres é de até 40 anos, ou seja, inclui aquelas que teriam praticado o aborto há 20 anos atrás, quando a aprovação da prática era muito maior no Brasil. Não esqueçam que, em todas as pesquisas realizadas desde 1994, a aprovação à legalização do aborto, bem como a sua prática, está diminuindo vertiginosamente no Brasil (de acordo com os números do dataSUS, 10% ao ano).

Então, a pesquisa referida pela Débora Diniz não se refere só às mulheres que fizeram o aborto hoje, mas inclui aquelas que o fizeram há 20 anos atrás, quando os números eram bem outros.

Se nos restringirmos aos dados de hoje, os números são os seguintes: existem 2,8 milhões de partos ao ano e apenas 100 mil abortos. Isso significa que, para cada 28 mulheres que tem um bebê, apenas 1 pratica o aborto. E este número está diminuindo ano após ano!!! Esta é a realidade presente, não a de 20 anos atrás, justamente porque o aborto não foi legalizado e o grau de consciência das pessoas está cada vez maior!

Ora, daqui a 20 anos, o número de mulheres que terão praticado o aborto no Brasil até os 40 anos será muito menor -- e talvez, a julgar pelos números de agora, possa cair para 1/14 --, a não ser que, como a Débora Diniz propõe e o Fantástico insinua, se legalize o aborto no Brasil.

Querem saber por que esses números falsos estão sendo divulgados? Porque quem controla as estatísticas do aborto são os mesmos institutos ligados às redes de clínicas clandestinas de aborto. A maior parte dos estudos estatísticos de aborto procede dos dados e das metodologias propostas pelo Instituo Alan Guttmacher, que é de propriedade da Instituição que detém a maior rede de clínicas de aborto nos EUA; e pelo IPAS, que é internacionalmente conhecido na literatura especializada como um dos principais promotores tanto do aborto legal quanto do clandestino.

O que se pode esperar das estatísticas manipuladas por esses organismos??? Tragam gente séria para debater, e veremos quem está com a razão!!!

O que mais choca, no entanto, é a unilateralidade e enviezamento da redação do programa! Não poderiam ter chamado um pró-vida para o contraditório?… A Dra. Isabella Mantovani já desmontou essa retórica repetidamente, e de modo definitivo:

Manifeste-se! Escreva no site do programa, denuncie a falácia nas mídias sociais. De fato, o Fantástico, mais do que "o Show da vida", merece o epíteto de O SHOW DA MORTE!

Por Pe. José Eduardo

| Categoria: Pró-Vida

Aborto: chegou a hora de reagir!

Conheça a verdadeira luz no fim do túnel para bloquear o assalto abortista no Brasil.

1. Uma descarada tentativa

No último dia 29/11, o Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu cinco funcionários de uma clínica de abortos do Estado do Rio de Janeiro, incluindo o médico que praticava os abortos, alegando que o aborto não é crime desde que praticado até o terceiro mês de gestação, usurpando publicamente, como alegaram diversos deputados, as funções do Poder Legislativo.

No próximo dia 7/12, o STF julgará sobre a despenalização do aborto no caso de mulheres que contraíram o zika vírus. Note: não se trata somente do aborto de crianças com microcefalia. Nem todos os bebês de gestantes que contraíram zika vírus nascem com microcefalia. Bastará que a gestante que tenha contraído zika vírus não queira levar a gravidez adiante para obter o aborto. O argumento será o trauma da incerteza. Mas, com este argumento será possível, mais tarde, em outro julgamento, legitimar todos os abortos, se isto já não for feito neste mesmo.

Trata-se da mais descarada tentativa de legalizar o aborto no Brasil.

2. A quem pressionar?

Ora, os juízes do STF, não sendo eleitos pelo povo, não são suscetíveis a pressões. Quando do julgamento acerca da constitucionalidade do aborto por anencefalia, não obstante a uma gigantesca oposição popular, o STF julgou pela não penalização desse tipo de aborto.

Portanto, parece não ser eficaz nenhum tipo de manifestação, nota de repúdio, petição pública ou qualquer outra ação que se dirija diretamente ao STF.

Resta-nos, portanto, uma alternativa: pressionar mais uma vez o poder legislativo, para que ponha limites à intromissão do STF em suas competências.

3. Uma luz do fim do túnel: PL 4754/2016

A propósito, na Câmara dos Deputados, há um Projeto de Lei tramitando na Comissão de Constitucionalidade, Justiça e Cidadania (CCJC), pronto para ser pautado e votado: trata-se do PL 4754/2016, relatado pelo Dep. Marcos Rogério (DEM-RO), que define como crime de responsabilidade a usurpação de competências do legislativo por parte de juízes do STF. No caso, esses juízes seriam processados no Senado Federal, podendo sofrer um impeachment.

É notório o ativismo judiciário, que não se cansa de intrometer-se no poder legislativo. Atualmente, não há a quem recorrer. Temos uma classe de intocáveis no Brasil.

Se o PL 4754/2016 for aprovado, o povo poderá pressionar o Congresso Nacional toda vez que um abuso de poder como estes for cometido! Tal medida traria maior oxigenação em nossa democracia.

Trata-se de uma verdadeira luz no fim do túnel para bloquear o assalto abortista no Brasil.

Para ler a íntegra do Projeto de Lei 4754/2016, acesse: http://bit.ly/2gRUakA.

Para acompanhar a tramitação deste projeto, acesse: http://bit.ly/2gkWhKn.

4. O que fazer concretamente?

Abaixo, apresento o telefone e o e-mail do Presidente da CCJC e do Dep. Marcos Rogério, relator do projeto.

Precisamos incentivar e apoiar os parlamentares a se posicionarem firmemente neste caso. Telefone, escreva! Peça que seja pautado e aprovado o PL 4754/2016 já na próxima semana. Mostre o quanto isto é importante para o povo brasileiro.

Envie também um e-mail, com suas próprias palavras, à lista de todos os deputados que são membros da CCJC, manifestando o seu apoio para que eles pautem o quanto antes este projeto.

Os bebês brasileirinhos agradecem!!!


COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS FEDERAIS - CCJC

PRESIDÊNCIA DA CCJC

PRESIDENTE DEPUTADO OSMAR SERRAGLIO - PMDB / PR

Telefone: (61) 3215-5845
Fax: (61) 3215-2845
E-mail: dep.osmarserraglio@camara.leg.br

SECRETARIA da CCJC:

Telefone: (61) 3216-6494
FAX: (61) 3216-6499

RELATOR DO PROJETO DE LEI 4754/2016, DEPUTADO MARCOS ROGÉRIO - DEM / RO

Telefone: (61) 3215-5930
Fax: (61) 3215-2930
E-mail: dep.marcosrogerio@camara.leg.br

E-MAILS DOS DEPUTADOS TITULARES

dep.paeslandim@camara.leg.br; dep.paulomaluf@camara.leg.br; dep.paulopereiradasilva@camara.leg.br; dep.rodrigopacheco@camara.leg.br; dep.sorayasantos@camara.leg.br; dep.valtenirpereira@camara.leg.br; dep.venezianovitaldorego@camara.leg.br; dep.vitorvalim@camara.leg.br; dep.geneciasnoronha@camara.leg.br; dep.joaocampos@camara.leg.br; dep.josecarlosaleluia@camara.leg.br; dep.josefogaca@camara.leg.br; dep.joziaraujo@camara.leg.br; dep.lincolnportela@camara.leg.br; dep.maiafilho@camara.leg.br; dep.marcosrogerio@camara.leg.br; dep.osmarserraglio@camara.leg.br; dep.paeslandim@camara.leg.br; dep.paulomaluf@camara.leg.br; dep.paulopereiradasilva@camara.leg.br; dep.rodrigopacheco@camara.leg.br; dep.sorayasantos@camara.leg.br; dep.valtenirpereira@camara.leg.br; dep.alceumoreira@camara.leg.br; dep.andremoura@camara.leg.br; dep.antoniobulhoes@camara.leg.br; dep.arthurlira@camara.leg.br; dep.carlosbezerra@camara.leg.br;

dep.covattifilho@camara.leg.br; dep.cristianebrasil@camara.leg.br; dep.elmarnascimento@camara.leg.br; dep.esperidiaoamin@camara.leg.br; dep.fabioramalho@camara.leg.br; dep.faustopinato@camara.leg.br; dep.felipemaia@camara.leg.br; dep.capitaoaugusto@camara.leg.br; dep.delegadoedermauro@camara.leg.br; dep.delegadoedsonmoreira@camara.leg.br; dep.delegadowaldir@camara.leg.br; dep.domingosneto@camara.leg.br; dep.jorginhomello@camara.leg.br; dep.paulofreire@camara.leg.br; dep.paulomagalhaes@camara.leg.br; dep.rogeriorosso@camara.leg.br; dep.ronaldofonseca@camara.leg.br; dep.thiagopeixoto@camara.leg.br; dep.betinhogomes@camara.leg.br; dep.brunocovas@camara.leg.br; dep.daniloforte@camara.leg.br; dep.evandrogussi@camara.leg.br; dep.fabiosousa@camara.leg.br; dep.joaofernandocoutinho@camara.leg.br; dep.juliodelgado@camara.leg.br; dep.jutahyjunior@camara.leg.br; dep.maxfilho@camara.leg.br; dep.pauloabiackel@camara.leg.br; dep.rocha@camara.leg.br; dep.tadeualencar@camara.leg.br; dep.felixmendoncajunior@camara.leg.br; dep.vicentearruda@camara.leg.br;

E-MAILS DOS DEPUTADOS SUPLENTES

dep.aguinaldoribeiro@camara.leg.br; dep.altineucortes@camara.leg.br; dep.silascamara@camara.leg.br; dep.sostenescavalcante@camara.leg.br; dep.tiaeron@camara.leg.br; dep.aeltonfreitas@camara.leg.br; dep.cabosabino@camara.leg.br; dep.ediolopes@camara.leg.br; dep.expeditonetto@camara.leg.br; dep.fabiofaria@camara.leg.br; dep.goretepereira@camara.leg.br; dep.indiodacosta@camara.leg.br; dep.jeffersoncampos@camara.leg.br; dep.josecarlosaraujo@camara.leg.br; dep.laertebessa@camara.leg.br; dep.sandroalex@camara.leg.br; dep.wellingtonroberto@camara.leg.br; dep.bonifaciodeandrada@camara.leg.br; dep.danielcoelho@camara.leg.br; dep.elizeudionizio@camara.leg.br; dep.gonzagapatriota@camara.leg.br; dep.hugoleal@camara.leg.br; dep.janetecapiberibe@camara.leg.br; dep.jhc@camara.leg.br; dep.nelsonmarchezanjunior@camara.leg.br;

dep.ricardotripoli@camara.leg.br; dep.rodrigodecastro@camara.leg.br; dep.afonsomotta@camara.leg.br; dep.pompeodemattos@camara.leg.br; dep.sergiosouza@camara.leg.br; dep.renataabreu@camara.leg.br; dep.pr.marcofeliciano@camara.leg.br; dep.pauderneyavelino@camara.leg.br; dep.pastoreurico@camara.leg.br; dep.onyxlorenzoni@camara.leg.br; dep.odelmoleao@camara.leg.br; dep.moronitorgan@camara.leg.br; dep.marionegromontejr@camara.leg.br; dep.manoeljunior@camara.leg.br; dep.lucasvergilio@camara.leg.br; dep.laerciooliveira@camara.leg.br; dep.kaiomanicoba@camara.leg.br; dep.juscelinofilho@camara.leg.br; dep.jeronimogoergen@camara.leg.br; dep.hugomotta@camara.leg.br; dep.hirangoncalves@camara.leg.br; dep.hildorocha@camara.leg.br; dep.franciscofloriano@camara.leg.br; dep.efraimfilho@camara.leg.br; dep.carlosmarun@camara.leg.br; dep.arnaldofariadesa@camara.leg.br.

| Categorias: Notícias, Pró-Vida

Multados porque estavam rezando o Rosário

Eles só estavam rezando o Terço em frente a um edifício, no centro de Camberra, na Austrália, quando foram abordados por policiais federais.

Senhora é multada por policial em frente a clínica de aborto de Camberra, no dia 15 de abril (Matthew Biddle / Catholic Voice)

Ele foi multado pela polícia australiana, mas diz que não vai pagar e está disposto a levar o seu caso aos tribunais, se for preciso.

No dia 15 de abril, Kerry Mellor, de 75 anos, foi autuado no Território da Capital Australiana (uma das subdivisões do país, onde está a capital Camberra), por supostamente violar a "zona de segurança" (buffer zone) da clínica de aborto local. (Em países onde o aborto é legalizado, o governo cria zonas de proteção às clínicas e às pessoas que realizam o procedimento, para que grupos pró-vida não se aproximem e não dêem lugar a conflitos.)

Acontece que o senhor, bem como os outros 7 católicos que foram notificados pela polícia no centro de Camberra, não carregavam nem símbolos nem panfletos dirigidos a mulheres grávidas. O seu único "crime" foi rezar 15 dezenas do Rosário, contendo 150 Ave-Marias e 15 Pai-Nossos intercalados com meditações das vidas de Jesus e Maria.

De acordo com Catholic Voice, o jornal oficial da Arquidiocese de Camberra, os outros deixaram o lugar quando avisados pela polícia, mas Mellor decidiu ficar. "Nós não achamos que estamos protestando", disse Mellor ao jornal. "Nós estamos rezando, e nos dirigimos exclusivamente a Deus todo-poderoso e à Sua bem-aventurada mãe. Não se trata de um protesto, mas de uma petição, para que Deus aja para mudar os corações e as mentes dessas pessoas."

Uma nova lei na Austrália fala de multas entre $750 e $3750 dólares australianos por atividades passivas, como portar símbolos religiosos ou panfletos pró-vida, e entre $1500 e $7500 por atividades agressivas, como tirar fotos ou gravar vídeos seja dos clientes seja da equipe das clínicas.

Mas Mellor insiste que ele e seus companheiros não estavam nem protestando, nem obstruindo a passagem, nem dirigindo nenhum tipo de mensagem a ninguém, senão a Deus. " Também é uma antiga tradição rezar pelos mortos, incluindo os inocentes mortos aqui. Nós rezamos pelas suas almas e fazemos um pequeno ato de reparação por esse horror cometido em nosso meio, em nossa comunidade."

Mellor disse a Catholic Voice que ele "fez um pedido formal para que a cobrança fosse retirada, levando em conta que nossa oração silenciosa não pode sob nenhum aspecto ser interpretada como qualquer tipo de 'conduta proibida' na legislação. Estou aguardando o resultado."

Grupos favoráveis ao aborto reclamam que a presença pró-vida deixa os clientes da clínica se sentindo "envergonhados e culpados". Mas vigílias pró-vida já acontecem há 17 anos em Camberra, sem que sejam feitas quaisquer acusações de perturbação do sossego.

Fonte: LifeSiteNews.com | Tradução: Equipe CNP

| Categorias: Pró-Vida, Testemunhos

O que o aborto tem a ver com o ocultismo?

É o que você vai descobrir neste testemunho impressionante de Abigail Seidman, a mulher que migrou milagrosamente do mundo sinistro do paganismo para o movimento pró-vida.

Quando a mãe de Abigail Seidman fez um aborto, mais de 25 anos atrás, a sua família entrou em um dos mundos mais obscuros e sinistros com que as pessoas podem ter a infelicidade de entrar em contato. Foi a própria Abigail quem migrou do ateísmo para o movimento pró-vida e, agora, conta com exclusividade ao LifeSiteNews.com os bastidores da indústria do aborto nos Estados Unidos.

Ela revela que a descensão de sua mãe para a "cultura da morte", trabalhando ativamente em uma clínica de aborto, não foi motivada por causas sociais ou econômicas — como sói acontecer com algumas pessoas —, mas por uma religião, literalmente.

Abigail descreve a clínica de aborto de sua mãe "repleta de imagens e práticas ocultas". Os funcionários do local consideravam "o aborto como uma forma de sacrifício", que deveria ser realizado como um ritual para adorar divindades pagãs que personificam a morte. Infelizmente, em sua juventude, Abigail e seu filho não nascido acabaram vítimas dessa mentalidade, através de um aborto que a sua mãe a encorajou a praticar.

Esse não é o tipo de coisa que as pessoas gostem de imaginar, e muitas talvez até neguem que seja verdade. Seidman, porém, insiste que os pró-vidas precisam saber a ligação que existe entre o aborto e o mundo das trevas — e que isso pode ser uma peça chave para destruir a indústria do aborto pelas raízes.

Confira abaixo, na íntegra, a entrevista que ela concedeu em 2010 ao LifeSiteNews.com.


Uma questão preliminar. A qual religião você pertence agora, se é que pertence a alguma?

Estou no processo de ser admitida à Igreja Católica Romana. Participo da Iniciação Cristã de Adultos e entro formalmente na Igreja na Vigília Pascal de 2011. Depois de um período de estudo e meditação começando em torno de outubro e novembro de 2009, aceitei Jesus como meu salvador em junho de 2010 e participei de uma comunidade evangélica por alguns meses antes de decidir que o meu lugar era, na verdade, a Igreja Católica.

Antes de minha volta à fé cristã, fui meio ateia e meio agnóstica desde que meus pais saíram da Igreja Episcopal, quando eu tinha 6 anos. Nunca fui uma praticante séria da wicca pagã e da "nova era", mas me envolvi nesse meio por conta do ambiente em que estava. Só estacionei de vez no ateísmo para me sentir segura — porque assim os rituais pagãos que eu tinha presenciado não passariam de superstições idiotas sem nenhum poder espiritual verdadeiro, o que era muito mais confortável do que acreditar na verdade sobre eles.

Também sentia que o Cristianismo não me aceitaria de novo se eu retornasse (uma crença inculcada por minha mãe, que me proibia de associar-me proximamente com cristãos, e repetidamente me dizia que Jesus não iria me aceitar de volta uma vez que eu tivesse duvidado d'Ele, pelo que minha única alternativa era continuar afastada d'Ele). Era uma tática comum de amedrontamento entre os pagãos: "Os cristãos não vão aceitar você depois do que você fez, melhor ficar conosco e trabalhar pelo triunfo da deusa contra o deus cristão".

Quais aspectos do interior de uma clínica de aborto você percebeu serem naturalmente ocultistas? De que forma e até que ponto o ocultismo participava do processo de aborto?

A clínica onde minha mãe trabalhava estava repleta de imagens e práticas ocultas. Havia artes e estátuas de divindades femininas pagãs no escritório, na sala de espera, na de aconselhamento e na de recuperação, além de uma música "nova era" (ocasionalmente incluindo canções de deusas) sendo tocada em toda parte. As conselheiras eram primeiramente escolhidas por suas qualificações "espirituais", e algumas sequer possuíam diploma em alguma área relevante (como psicologia, aconselhamento ou serviço social). Uma delas era cozinheira profissional e se tinha transformado em prostituta (ou "prostituta sagrada", como elas preferiam pensar).

Depois que a clínica fechava à noite, a equipe toda se juntava para fumar maconha e às vezes tomar alucinógenos, se houvesse disponíveis. Isso era visto como uma atividade espiritual, e não como uma prática recreacional. Na verdade, elas zombavam de quem usava drogas simplesmente para curtir, ao invés de usá-las para "abrir as suas mentes" a "realidades espirituais e planos superiores de existência".

Também havia cerimônias especiais envolvidas, em que membros da equipe clínica engravidavam intencionalmente para fazer abortos, os quais eram conduzidos depois de horas com um grupo maior. Eu não participava dessas cerimônias, já que, na ocasião, ainda não tinha tido um aborto eu mesma, então não posso dar detalhes; mas, certa vez, eu cuidei da filha de uma funcionária da clínica durante uma dessas sessões, no andar de cima da clínica, e lembro-me de ouvir algumas canções e algo como "o médico não estar presente" (ele era homem e a cerimônia era apenas para mulheres), então o aborto obviamente seria realizado por uma pessoa não qualificada. As mulheres na clínica eram treinadas com técnicas de aborto clandestino no caso de que Roe v. Wade fosse revertida [1].

Minha mãe hospedou uma "festa de extração menstrual" em nossa casa uma vez, em 1992, quando havia muito medo circulando sobre a possibilidade de Bush ser reeleito e nomear muitos juízes pró-vida ou conseguir um Congresso Republicano para governar e assim restringir o aborto legal. (Extração menstrual é um procedimento de baixa complexidade que consiste em sugar a matéria do útero imediatamente antes da vinda da menstruação, e pode ser usado como um método de aborto precoce.)

Como era mais ou menos o clima nesse ambiente?

Lembro-me que o clima era negro e aterrorizante — não manifestamente assustador, mas de um tipo de dar frio no estômago. Sempre tive uma "sensação" de haver algo "errado" ou "perigoso" lá — quase a sensação de uma presença, a qual agora eu reconheço como sendo exatamente o oposto da Presença que eu sinto dentro de uma igreja.

Agora também enxergo outras coisas que fazem sentido, como o fato de a bebê de que eu cuidava naquele dia, durante o ritual na clínica, nunca sorrir, nem brincar. Ela gritava a maior parte do tempo, exceto quando era cuidada pela mãe, depois disso ela caía em um sono espasmódico por um tempo. Por outro lado, os meus filhos autistas, que são difíceis de lidar, ficam bem calmos quando estão na igreja (qualquer igreja) e se comportam — alguém poderia dizer — "milagrosamente" bem! Acho que crianças são naturalmente mais sensíveis às coisas espirituais, não tendo aprendido ainda a filtrá-las ou a desligar a própria consciência. Eu me lembro de estar bem consciente e alegre com a presença de Deus na igreja quando eu era pequena, apesar de os meus pais sempre abaixarem os olhos e me dizerem para acalmar-me e parar de fingimento.


Vídeo de uma entrevista concedida por Abigail ao programa The Abortion Matrix. A sequência do material está no YouTube.


Quais divindades eram adoradas nesses rituais que você menciona?

A principal figura adorada era A Deusa. Figuras de divindades femininas de várias tradições (hindu, grega, romana, babilônica, egípcia etc.) eram vistas como 'arquétipos' ou 'rostos' dessa única deusa verdadeira, que estaria em oposição com (e, no fim, triunfaria sobre) o Deus judaico-cristão. Elas ensinavam que a deusa era mais antiga, que tinha criado o mundo e as pessoas para viverem pacificamente em uma "idade de ouro" pré-histórica de governo matriarcal, antes da ascensão do patriarcado e da civilização. Deus era pintado como uma figura diabólica, que invejava o poder da Deusa e que tinha inventado a ideia do estupro e ensinado os homens a praticá-lo, dando fim à convivência humana em um estado natural e livre de violência.

As mulheres eram encorajadas a escolherem figuras de deusas em particular como suas modelos ou padroeiras pessoais (quase como os católicos escolhem um santo de devoção). A cultura era lésbica e sexista (e, nesse sentido, diferente dos outros indivíduos ou grupos pagãos sobre os quais eu pesquisei e com que entrei em contato), onde deusas eram adoradas — nunca deuses —, e homens não eram chamados para participar das cerimônias e raramente eram admitidos como companheiros sexuais ou românticos das mulheres.

O único empregado masculino da clínica era o médico, e ele era estritamente profissional: aparecia, realizava os procedimentos e saía. Consegui conhecê-lo relativamente bem ao longo dos anos e ele só estava no negócio pelo dinheiro, ele via a espiritualidade como algo ridículo. Ele preferia trabalhar em um ambiente médico e profissional (as outras clínicas em que ele trabalhou, incluindo aquela em que meu primeiro aborto foi realizado, não eram em nada diferentes de qualquer consultório médico, nem na aparência, nem no procedimento), mas os vícios dele e da esposa em compras faziam-no trabalhar sempre e onde quer que ele pudesse, pelo que ele tolerava a conversa da "deusa". Ele também era um tanto quanto viciado em sexo. Por isso, o desejo da equipe da clínica em ter sexo livremente e abortar quando fosse possível definitivamente agiu em seu favor, e a maior parte das funcionárias tinha sexo com ele em um determinado momento, com exceção das lésbicas convictas.

Curiosamente, a tal Deusa também era conhecida como o Grande Dragão (que elas diziam ser a sua "forma real") —, o qual eu me surpreendi em descobrir que existia na Bíblia também, ainda que definitivamente não como uma pessoa a ser adorada! Falo sério, eu não tinha ideia. Minha exposição à Bíblia e à teologia cristã era mínima, para dizer muito, até cerca de um ano atrás. Tanto que eu cheguei a cair de costas quando li o livro do Apocalipse.

Eu sempre tive um pouco de medo de Maria devido ao meu passado e à vontade de repudiar qualquer coisa parecida a um culto de deusa. O Apocalipse e a sua descrição do grande dragão em guerra com a verdadeira Rainha do Céu, a mãe de Cristo (cf. Ap 12, 1ss), foi verdadeiramente uma revelação para mim, que derrubou a última objeção que eu tinha a tornar-me católica e deixar de ser uma protestante não denominacional. Eu tinha ouvido Maria ser fortemente denunciada por minha mãe e suas amigas, mas o argumento era o de que ela era a mulher cristã oprimida ideal e tinha sido inventada por homens patriarcais sádicos como um modelo impossível para as mulheres seguirem, sendo ela ao mesmo tempo virgem e mãe. (O ideal delas era serem promíscuas e sem filhos, como Ártemis ou Diana.) Desde então, eu encontrei na maternidade espiritual de Maria um grande conforto para mim, na minha atual condição de mãe sem filha e filha sem mãe. Minha mãe parou de falar comigo quando eu me fortaleci na fé cristã e no movimento pró-vida, mas eu aceitei bem isso quando descobri que até a sua presença no telefone parecia ser uma espécie de "toxina espiritual".

Você já notou algum efeito da oração pró-vida nos trabalhos dentro da clínica?

O melhor exemplo de como a oração pró-vida é efetiva eu o conto em uma história que postei no blog do meu grupo pró-vida local. Nos dias de abortos, a minha mãe me mandava acompanhar as pacientes no estacionamento da clínica. Havia muitas pessoas pró-vida que vinham à clínica nesses dias. Algumas eram conselheiras de rua [2], outras vinham para protestar, e outras ainda eram guerreiras na oração. Havia uma mulher em particular que nunca disse uma palavra, nunca sequer interagiu com outros pró-vidas. Ela era uma senhorinha fraca, de idade bem avançada, que toda sexta andava até a clínica, se ajoelhava na esquina da calçada (um pouco distante da entrada) e rezava o Rosário. Às vezes ela ficava ali por horas, não importando o clima, com os seus joelhos magros queimando, congelando ou suando sobre o pavimento. Eu a via toda sexta em que estava lá, e ela sempre sorria para mim quando eu chegava e de novo quando eu saía, mas nunca dizia uma palavra.

Em um dia de inverno, ela veio e rezou por pelo menos três horas, sob uma chuva congelante. A dona da clínica saiu do lado de fora, viu-a e pediu às acompanhantes que a convidassem para tomar um chá quando ela terminasse. Quando ela se levantou, eu fui lá e convidei-a para entrar. Ela aceitou, e eu a ajudei a entrar, enquanto a proprietária trazia uma garrafa de chá. Nós três nos sentamos juntas em um dos sofás na área de aconselhamento. A velha senhora (de quem eu nunca descobri o nome) bebia o seu chá e sorria tranquilamente, acenando solenemente com a cabeça enquanto a proprietária explicava que os seus esforços de oração eram em vão; que ela estava sendo inconveniente de modo desnecessário e até fazendo mal a si mesma se ajoelhando na calçada; que ela faria muito melhor ficando no conforto de sua casa, já que nada ( nada, ela enfatizou) jamais dissuadiria a proprietária, o médico ou a equipe de parar de realizar abortos; e que, simplesmente ajoelhando e rezando sem interagir com ninguém, ela dificilmente iria convencer alguma mulher a mudar de opinião. Quando ela finalmente terminou de falar, a senhora pôs a sua xícara sobre a mesa e disse: "Deus sabe o que eu estou fazendo aqui, e é para Ele que importa, mesmo se não importa a você ou a qualquer outra pessoa. Minhas orações têm valor diante de Deus. E se eu conseguir mudar um coração, apenas um que seja — e ela olhava bem nos meus olhos enquanto dizia isso —, então tudo isso aqui terá valido a pena. Eu sei que Deus me recompensará no final." A dona da clínica abaixou os olhos, suspirou e balançou a cabeça. A senhora ficou de pé, agradeceu-nos pelo chá e foi embora.

Também me lembro de uma funcionária da clínica que tentou formar uma espécie de parceria com algumas clínicas locais pró-vida [3], porque a incomodava que as mulheres que rejeitassem fazer um aborto fossem simplesmente enxotadas porta afora sem receberem nenhuma outra assistência. Ela começou algumas amizades com essas equipes e agendou visitas recíprocas às instalações de uma e de outra clínica, chegando eventualmente a um acordo de que, se uma mulher mudasse de ideia sobre o aborto durante o processo de aconselhamento, ela seria imediatamente enviada para uma clínica pró-vida e assessorada pela própria equipe da clínica de aborto sobre como chegar lá. (O centro pró-vida naturalmente recusou um acordo recíproco de fazer agendamentos de aborto para mulheres que não fossem movidas por seus argumentos a favor da vida.) Eu não sei em que deu isso tudo a longo prazo, já que ela não está mais empregada lá; só sei que o novo lugar da clínica — que foi obrigada a mudar devido à compra e à demolição do prédio antigo para uma nova construção — está hoje localizada fundo a fundo com a mesma clínica pró-vida. Coincidência?

Também tive algumas interações positivas com uma conselheira de rua em particular, que agora está velha e não sai mais para as clínicas, mas que aparentemente ainda está ativa no trabalho de angariar fundos para o movimento pró-vida local. Ela tinha um filho adotado da minha idade e realmente sentia muito que eu, como adolescente, fosse enganada e abusada por minha mãe e suas amigas. Era como se ela pudesse ver, através da frente fria que cobria o meu coração, que eu queria ser livre do mundo pervertido em que eu estava sendo criada.

Você tem alguma ideia do nível de envolvimento que têm as clínicas de aborto com as realidades que você presenciou?

Eu realmente não sou capaz de dizer. Acredito que as clínicas independentes e de orientação feminista tendam a ser mas similares ao que eu presenciei. A dona da clínica que eu descrevi era uma grande amiga do recém-falecido Dr. George Tiller [4] e as descrições que eu li de sua clínica parecem indicar que, também lá, algo a mais acontecia além do simples negócio. Muitas das clínicas, se não a maioria delas, são estritamente empresariais (incluindo, em geral, as afiliadas da Planned Parenthood), o que não impede indivíduos ou grupos que trabalham nessas clínicas, ou defensores do aborto em geral, de estarem envolvidos, em algum grau, com o ocultismo. Acredito que muitos deles estejam, ainda que outros tantos sejam também ateus ou cristãos liberais.

Acredito que os ocultistas constituam o "núcleo" do movimento pró-aborto, assim como os cristãos renascidos formam o "núcleo" do movimento pró-vida, e eu não vejo problema algum em chegarmos ao coração da coisa e em informar as pessoas "pró-escolha" (particularmente os cristãos bem intencionados, mas desorientados) com quem e com o quê elas estão verdadeiramente se associando.

Conte-nos, por favor, mais alguma coisa que você considere surpreendente em sua experiência vis-à-vis com o ocultismo, ou algo que você considera insuspeitável para o pró-vida comum.

Acho que a coisa com que os pró-vidas mais se surpreendem, em minhas discussões com eles até agora, é que o paganismo, a wicca e o culto a divindades femininas são levados a sério por muitos liberais, defensores do aborto, feministas etc. Não se trata meramente de "bicho-papão". Se uma pessoa acredita ou não que essas crenças e práticas espíritas têm algum poder, o fato é que há uma porção significante de pessoas que acredita, e o faz tão intensamente quanto nós acreditamos no Cristianismo ou em outros credos.

Tenho sido encarada com um pouco de descrença por parte de cristãos pró-vida que parecem não ser capazes de compreender que alguém honestamente acredite em outra religião e simplesmente não se rebele contra o Cristianismo. Trata-se geralmente daqueles que foram cristãos a vida inteira e mantidos numa espécie de "bolha", sem a consciência de que há algumas pessoas — mesmo no mundo de hoje — que não receberam a mesma educação, pessoas que talvez sequer tenham sido expostas ao Cristianismo, exceto em um vago sentido cultural (celebrando o Natal como um feriado secular etc). É preciso fazer mais trabalho educacional sobre isso, porque eu sei que o "núcleo" do movimento pró-vida está formado geralmente por pessoas que sempre foram cristãs (especialmente os mais jovens), mas muitos deles são um pouco ingênuos ou mimados.

Com o que eu escrevo e com o que eu falo, tenho chegado a muitos ateus, e a informação tem sido em grande parte bem recebida. Estou planejando trabalhar em um guia para alcançar praticantes do paganismo também, já que há inúmeros argumentos seculares para defender a vida, sem falar que uma abordagem científica pode funcionar com quase todo mundo (e a ciência definitivamente está do nosso lado!).

Pelo menos para mim, a conversão religiosa é secundária à conversão pró-vida. Fui pró-vida por muitos, muitos anos antes de aceitar o Cristianismo e, ainda que não fosse uma ativista engajada à época, já fazia doações para grupos seculares pró-vida, como o Feminists for Life ("Feministas pela Vida"), e votava em candidatos pró-vida sempre que possível, além de privadamente expor e explicar a minha posição para os meus amigos. Eu preferiria ver mil ateístas pró-vida no mundo do que um só cristão que defende o aborto.

Fonte: LifeSiteNews.com | Tradução: Equipe CNP

Notas

  1. Roe v. Wade foi a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, dada em 1973, que legalizou a prática do aborto no país.
  2. "Conselheira de rua" é uma tradução imprecisa da expressão sidewalk counselor. Trata-se de um trabalho desenvolvido por ativistas pró-vida, que param pessoas em frente a clínicas de aborto para convencê-las a não fazer um aborto, caso tenham um em mente, ou a desaprovarem a prática, caso sejam favoráveis a ela.
  3. Em inglês, essas clínicas são chamadas de crisis pregnancy centers ("centros para crise na gravidez", lit.) e realizam um importante trabalho de ajudar gestantes em dificuldades a fazerem uma escolha sensata pela vida de seus filhos.
  4. O Dr. George Tiller, assassinado em 2009, era um dos poucos médicos norte-americanos conhecidos por realizar abortos tardios, isto é, nas últimas semanas de gestação.

| Categoria: Pró-Vida

Mãe que perdeu bebê com 13 semanas se impressiona com humanidade do nascituro

Jessica Smith sempre se considerou uma pró-vida convicta. Mas, com 29 anos e 4 filhos, essa mãe de família estava totalmente despreparada para o choque que seria ver o corpo do seu quinto filho, morto por aborto espontâneo.

Por Pete Baklinski | Tradução: Equipe CNP – Jessica Smith sempre se considerou uma pró-vida convicta. Mas, com 29 anos e 4 filhos, essa mãe de família estava totalmente despreparada para o choque que seria ver o corpo do seu quinto filho, morto por aborto espontâneo.

Perguntada pelo médico se queria ver o bebê, ela imaginava presenciar apenas alguns resíduos. "Àquela altura da gravidez, eu esperava que me fossem entregues apenas alguns amontoados de tecidos. Mas, ao contrário, deram-me um bebezinho perfeitamente formado", ela relata, em entrevista exclusiva ao LifeSiteNews.com. "Ele meio que nos deixou chocados. As enfermeiras só sabiam dizer: 'Ele é tão perfeito, ele é tão perfeito'."

Foi em abril que Jessica e o seu marido, Ray, descobriram que estavam esperando outro filho. Entusiasmado, o casal logo começou a fazer planos para acomodar o novo membro da família. Dessa vez, eles teriam que comprar aquela van grande que já estavam adiando o quanto podiam.

Mas, no meio de julho, Jessica sofreu uma hemorragia. "Acordei sentindo muita dor e havia uma piscina de sangue em minha volta, na cama. Sabia que, provavelmente, aquele não era um bom sinal", diz Jessica, que começou a temer por um segundo aborto espontâneo.

Como seu marido tinha passado a noite perto do trabalho, a cerca de uma hora de casa, a mãe de Jessica foi ao seu encontro, de carro, para levá-la ao hospital. O filho mais velho do casal foi deixado na casa de um amigo, enquanto as duas mais novas acompanharam a mãe e a avó ao hospital.

Na chegada, o médico confirmou o maior medo de Jessica:

"Levaram-me para uma sala de ultrassom para checarem a criança. Quando vi a tela preta vazia, sabia o que aquilo significava. Àquele ponto, eu tinha a impressão de que meu bebê provavelmente já tinha saído com a hemorragia. Imaginei que não tivesse notado, simplesmente, que ele tinha caído pelo ralo, algo do tipo. Só de pensar nisso o meu coração já se desfez."

Quando o médico disse a Jessica que ela precisava fazer o parto do seu filho, a princípio ela não entendeu o que aquilo significava. "O médico explicou que o bebê tinha ficado no meio do caminho e ainda não estava totalmente fora", ela conta.

Ainda dentro da seção de ultrassom, o médico ajudou Jessica a ter a criança. Era um menino, e a mãe ficou surpresa ao descobrir que era possível saber o sexo do bebê, mesmo com tão pouco tempo de vida.

Com o filho nas mãos, Jessica afirmou que, mesmo em meio ao seu sofrimento, era uma alegria poder contemplar de perto aquele bebezinho. Ele tinha os dedos das mãos e dos pés perfeitamente formados. Mesmo que muito pequenos, era possível distinguir bem os ouvidos, o nariz e a boca. Nessa fase, o seu fígado e rins estariam em pleno funcionamento, e os sistemas do seu corpo estariam completamente formados, precisando apenas da segurança do ventre materno para que se desenvolvessem até atingirem a própria independência.

"Eu não estava esperando ver um bebê assim. Sempre acompanho as minhas gestações com aqueles aplicativos de bebê no celular, mas nem eles conseguiram indicar quão perfeitamente humano meu filho parecia. Sempre fui pró-vida, mas nem eu imaginava como um feto de 13 semanas poderia ser", ela diz.

Depois, com a chegada do pai, a família deu ao bebê o nome de Noah Israel, os dois personagens do livro do Gênesis. ( Noah é "Noé" em inglês.)

As duas filhas mais novas do casal, então, foram chamadas para dentro da sala, para dizer 'olá' e se despedirem de seu irmãozinho:

"Quando minha menina de dois anos, Maycee, viu Noah deitado ali, ela não disse: 'Ó, mamãe, é um punhado de células'. Não, ela disse: 'Olha, mamãe, é um bebê'. E eu disse: 'Eu sei, meu anjo, eu sei.'"

A família viveu junta o luto pela perda de Noah. Se tivesse completado o tempo da gestação, ele teria nascido no mês passado, no dia 13 de janeiro. Mesmo com o pouco tempo de vida, porém, Jessica acredita que a vida de Noah não foi em vão – tinha um sentido e um propósito.

"Noah me mostrou quão 'humanos' esses pequeninos realmente são", ela conclui. "Quando você olha para ele e vê quão perfeitamente humano ele era, como alguém pode dizer que o aborto é uma boa decisão? Está na hora de remover o véu e abrir as cortinas, a fim de que as pessoas sejam capazes de enxergar a humanidade do nascituro e como o aborto realmente destrói uma vida humana."

Fonte: LifeSiteNews.com | Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categoria: Pró-Vida

O zika vírus e a reascensão da eugenia

Muito antes de juristas brasileiros virem em defesa do aborto de microcefálicos, Adolf Hitler já os tinha incluído em seus programas de extermínio.

Não é novidade o pedido que alguns juristas e acadêmicos de Direito farão à Suprema Corte brasileira, requerendo um suposto "direito ao aborto" de crianças com microcefalia. Na década de 1930, na Alemanha, o programa nazista de extermínio de crianças deficientes (a Kinder-Euthanasie) incluía, entre as doenças genéticas passíveis de execução, a síndrome de Down, a paralisia, a hidrocefalia e, também, a microcefalia [1]. A princípio, o objetivo era matar as crianças com até 3 anos de idade. Mais tarde, o plano de Adolf Hitler se estenderia também aos adultos.

Certamente, Ana Carolina Cáceres – a brasileira de 24 anos, portadora de microcefalia, que se graduou recentemente em jornalismo – não teria sobrevivido ao regime nazista. Como ela, tampouco teriam passado as irmãs Ana Victória (16) e Maria Luiza (14), também portadoras da síndrome. Fossem concebidas hoje, porém, a vida dessas mulheres estaria em risco muito mais cedo: elas poderiam ser descartadas antes mesmo de nascerem.

Fora ou dentro do útero, no entanto, meses ou anos depois da concepção, são realidades meramente circunstanciais. Nada disso muda a essência do que os promotores do aborto, aproveitando-se do pânico gerado em torno do zika vírus, pretendem advogar junto ao Supremo Tribunal Federal: a ideia de que alguns seres humanos são mais dignos de viver do que outros.

O nome disso é eugenia.

Dar um novo nome às coisas não altera a sua substância, pelo que "saúde reprodutiva", "direito de escolha" e "controle de natalidade" não passam de eufemismos construídos para disfarçar a realidade.

Nem pode mudá-la o fato de algumas pessoas aparentemente esclarecidas estarem do lado de lá. Na verdade, quando o eugenismo surgiu na Europa, ainda no final do século XIX, muitos nomes de peso também deram sua aprovação à ideia, chegando a defendê-la pública e notoriamente: Winston Churchill, H. G. Wells e Bernard Shaw são apenas alguns exemplos. Francis Galton, um homem inteligente, responsável por cunhar a expressão "eugenia", chegou a falar dela como uma espécie de "nova religião". O entusiasmo pela coisa só pareceu cessar após a Segunda Guerra Mundial, quando as pessoas viram a que tudo isso realmente levava: pilhas de cadáveres em campos de concentração.

A essência dessa forma de pensamento, todavia, não está por trás só do pedido do aborto de microcefálicos, mas de todo o movimento pela legalização do aborto.

Como se sabe, o problema de quem defende essa prática não é com esta ou aquela má formação específica. Seja sob um viés feminista – como o defendido pela antropóloga Débora Diniz –, seja sob uma ótica aparentemente social – como a colocada pelo dr. Drauzio Varella –, o que se pretende é o aborto total, sem exceções. Por isso, perderíamos muito de nosso tempo tentando defender apenas os fetos microcefálicos quando, na verdade, quem está ameaçado em seu direito à vida são todos os nascituros, portadores ou não de microcefalia, sem ou com deficiência.

São eles as verdadeiras vítimas da eugenia moderna. Tratados como "cidadãos de segunda categoria" simplesmente porque não podem ser vistos – ainda que a ciência confirme a sua humanidade, desde a concepção. Considerados "indignos de viver" porque submetidos a uma liberdade total e irrestrita por parte da mulher – que deixa de arbitrar sobre o seu corpo para ter poder de vida e de morte sobre o próprio filho. Ameaçados, enfim, pelos próprios juristas e acadêmicos de Direito, que, passando por cima da lei natural e das leis de nosso país [2], deixam sem proteção a vida dos membros mais indefesos da nossa sociedade.

Tudo isso, aliado ao silêncio cúmplice de todos, forma um cenário que a humanidade já conheceu antes: tragicamente, os nossos tempos não são diferentes dos que precederam a barbárie nazista.

Mas, assim como algumas vozes se levantaram corajosamente contra a eugenia, antes mesmo que ela fosse aplicada na prática, também nós precisamos dar o nosso "grito" de alerta, antes que seja muito tarde. Como escreve o escritor britânico G. K. Chesterton, em seu livro profético Eugenics and other evils ("Eugenia e outros males"),

"A coisa mais sábia do mundo é gritar antes de ser ferido. Não é bom gritar depois, especialmente depois que você foi ferido de morte. As pessoas falam sobre a impaciência das multidões, mas os bons historiadores sabem que maior parte das tiranias só foi possível porque os homens reagiram muito tarde. Geralmente, é essencial resistir a uma tirania antes que ela exista. E não é resposta alguma dizer, com um vago otimismo, que a conspiração apenas está no ar. Um golpe vindo de um machado só pode ser evitado enquanto ainda está no ar." [3]

Por enquanto, parece que a conspiração está apenas no ar. Mas, de notícia em notícia, já é possível antever o golpe de machado que se aproxima de nossas cabeças. O alvo, leitor, são homens e são mulheres, são pobres e são ricos, são brancos e são negros – em suma, são os nossos filhos. Se não lutarmos por eles, ninguém o fará por nós.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Assine a petição do CitizenGo! pedindo à OMS que não instrumentalize a epidemia do zika vírus para promover o aborto.

Referências

  1. LIFTON, Robert Jay. The Nazi Doctors: Medical Killing and the Psychology of Genocide. Basic Books, 2000, p. 52.
  2. Cf., v.g., Constituição Federal, art. 5.º, caput; Código Civil (Lei 10.406/02), art. 2.º etc.
  3. CHESTERTON, Gilbert K. Eugenics and Other Evils. London: Cassell and Company, 1922, p. 3.

| Categoria: Pró-Vida

Uma palavra sobre o aborto em casos de estupro

A impressionante história de Lianna mostra por que o aborto é injustificável, mesmo nas situações mais dramáticas e dolorosas.

A história de Lianna Rebolledo – a mãe que, com apenas 12 anos, engravidou por causa de um estupro – é realmente chocante. A violação de que foi vítima deixou-a "semimorta" e "com sua face e pescoço horrivelmente desfigurados". Ela mesmo confessa, mais de duas décadas depois do ocorrido, que pensou que seus agressores iam matá-la. Não há palavras que possam expressar suficientemente a dor e a indignação de qualquer pessoa moralmente sadia diante de um crime como este. Embora a "cultura pornográfica" vigente procure até mesmo justificar este tipo de abuso, sabemos que se trata de "um atentado contra a justiça e a caridade", que "ofende profundamente o direito de cada um ao respeito, à liberdade e à integridade física e moral" e "causa um prejuízo grave, que pode marcar a vítima para toda a vida" [1].

Disto, de fato, Lianna é testemunha viva: a violação realmente "marca a vítima para toda a vida". Mesmo depois de um tempo, ela conta que não conseguia livrar-se do sentimento de sujeira, chegando a cogitar a hipótese do suicídio.

Outro fato, porém, destinou a mudar a vida desta mulher para sempre: a notícia de que estava grávida, de que seria mãe. Já na época em que ficou sabendo de sua gravidez, um médico tentou pressioná-la a abortar. Ela, porém, consciente de que havia outro ser humano dentro de si, disse "não". O abuso que sofreu foi realmente terrível, mas punir um ser humano indefeso por isso não era, absolutamente, uma saída viável.

Alguns defensores do aborto podem sentir-se tentados a usar a história de Lianna para proveito próprio. Nesta ótica, ao invés de respaldar a defesa da vida, o caso de Lianna seria um exemplo da importância de dar à mulher o eufemístico "direito de escolha" – melhor definido como "direito de matar". A posição que estes assumem é a mesma do médico da história: não se poderia obrigar a mulher a viver "com as consequências do estupro". Para eliminar essas "consequências", então, valeria tudo, até mesmo matar o próprio filho.

Este é o argumento dos grupos que se intitulam "pró-escolha" (pro-choice, em inglês), exposto na sua crueza. Seu erro é bem evidente: coloca a liberdade humana – neste caso específico, a feminina – acima do próprio direito à vida. Mas, como bem afirma o Papa João Paulo II, "a tolerância legal do aborto (...) não pode, de modo algum, fazer apelo ao respeito pela consciência dos outros, precisamente porque a sociedade tem o direito e o dever de se defender contra os abusos que se possam verificar em nome da consciência e com o pretexto da liberdade" [2]. Só porque o homem é livre, não significa que tudo o que faz seja bom ou moralmente legítimo.

Outro problema do argumento abortista é supor que vítimas de abuso sexual que ficam grávidas queiram natural e necessariamente fazer um aborto. Um estudo conduzido por Sandra Mahkorn, especialista no assunto [3], mostra exatamente o contrário: de 75 a 85% dessas mulheres querem levar adiante a sua gestação. "Essa evidência, por si só, deveria fazer as pessoas pensarem e refletirem sobre o pressuposto de que o aborto é querido ou até mesmo melhor para vítimas de violação sexual", escreve David Reardon, PhD em Bioética [4].

Na verdade, o que faz o aborto – que a mídia e a "cultura da morte" supõem que elimine ou atenue a ferida do estupro – é apenas complicar ainda mais o drama que enfrentam essas mulheres. Muitas das que passaram pela experiência traumática de um aborto relatam-na como "uma degradante e brutal forma de estupro médico". Como entender essa expressão? Explica David Reardon:

"O aborto envolve um exame doloroso dos órgãos sexuais de uma mulher por um estranho mascarado que está invadindo o seu corpo. Uma vez na mesa de operação, ela perde o controle sobre seu corpo. Se protesta e pede ao aborteiro para parar, será possivelmente ignorada ou dirão a ela: 'É tarde demais para mudar de ideia. Isso é o que você quis. Temos que terminar agora.' E enquanto ela está deitada ali, tensa e desamparada, a vida oculta dentro de si é literalmente sugada de seu ventre. A diferença? Numa violação sexual, da mulher é roubada a sua pureza; nesse estupro médico, é roubada a sua maternidade." [5]

É verdade que, no Brasil, assim como em muitíssimos países do mundo, está espalhada a ideia de que o aborto provocado decorrente de estupro não só seria aceitável, como seria um "direito das mulheres". Isto, porém, não altera em nada a realidade das coisas. Como bem ensina Santo Tomás de Aquino, "toda lei constituída pelos homens tem força de lei só na medida em que deriva da lei natural. Se, ao contrário, em alguma coisa está em contraste com a lei natural, então não é lei mas sim corrupção da lei" [6]. Assim, uma norma que autorizasse às mães matarem os próprios filhos – sob quaisquer circunstâncias – não passaria de uma arbitrariedade.

Porque, afinal, "se nós aceitamos que uma mãe possa matar o seu próprio filho – dizia a bem-aventurada Madre Teresa de Calcutá –, como podemos dizer às outras pessoas para não se matarem?" [7]. O testemunho de Lianna Rebolledo deve servir de lição para a sociedade moderna: ele mostra por que, mesmo nas situações mais dramáticas e impensáveis, o aborto é intolerável. Nenhum crime, por mais assombroso e terrível que tenha sido, pode justificar o assassinato de um ser humano frágil e inocente no ventre materno.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Catecismo da Igreja Católica, 2356.
  2. Carta Encíclica Evangelium Vitae (25 de março de 1995), 71.
  3. Pregnancy and Sexual Assault, The Psychological Aspects of Abortion, eds. Mall & Watts (Washington, D.C., University Publications of America, 1979), pp. 55-69.
  4. REARDON, David C.. Rape, Incest, and Abortion: Searching Beyond the Myths. The Post-Abortion Review 2 (1) Winter 1994.
  5. Idem.
  6. Summa Theologiae, I-II, q. 95, a. 2.
  7. Mother Teresa of Calcutta, Speech to the National Prayer Breakfast (Washington, February 3rd, 1994).