CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

2. A Visita de Maria a Isabel

Após ser exaltada pelo anjo e ouvir o anúncio de que seria a mãe do Salvador, Maria não ficou se vangloriando ou se enaltecendo, mas colocou-se de pé para servir sua prima Isabel, cuja gravidez também foi obra da graça divina.

Texto do episódio
290

Com grande alegria, damos sequência às meditações sobre os mistérios gozosos neste tempo do Advento: o tempo de realmente prepararmos o nosso coração para viver esses mistérios de salvação.

É importante entendermos com clareza o que é meditar um mistério. O Concílio Vaticano II, na constituição Dei Verbum, recorda-nos algo importante: Deus revela-se para nos salvar e nos salva revelando-se. É uma via de mão dupla. Jesus não veio do Céu para nos contar alguns segredos como se estivesse apenas saciando a nossa curiosidade. A Revelação de Deus é eficaz: quando Deus vem nos trazer uma mensagem do Céu, essa verdade é salvífica.

Quando, meditando sobre a Revelação divina, enxergamos a verdade, estamos sendo salvos. Qual o processo de nossa salvação? O que Deus fez para nos salvar? Ele veio do Céu, encarnou-se no ventre da Virgem Maria e nasceu em Belém… Todas essas realidades salvadoras nos dizem como Deus é, revelam o coração divino e seus segredos. Portanto, o ato de salvar é revelador; e o ato de revelar é salvador, as duas coisas completam-se mutuamente.

Ao nos empenharmos em fazer Meditações para o Advento, podemos cair no erro de pensar que se trata apenas de uma espécie de exercício mental. Nada disso. A meditação cristã difere totalmente das meditações das religiões orientais. A meditação é um processo de encontro e união com Deus, numa dinâmica de transformação interior. É um processo similar ao do fogo aplicado ao ferro: o ferro, que era frio vai ficando quente; era opaco, e aos poucos começa a ficar incandescente; era enferrujado, e vai se purificando; era duro, e vai ficando maleável até que, finalmente, fica fluido. Assim como o ferro vai sendo transformado em contato com o fogo, adquirindo as propriedades deste, a nossa vida também vai mudando nesse contato íntimo com Deus.

Na meditação deste segundo mistério gozoso — A Visitação de Maria a Isabel —, todo esse processo ficará ainda mais claro para nós. Vimos anteriormente que a Virgem Maria recebe uma notícia salvadora do Arcanjo Gabriel: ela conceberia do Espírito Santo e daria à luz o Filho de Deus. Encerramos, então, a nossa reflexão passada já com Nossa Senhora grávida.

Agora, como é necessário em toda meditação, devemos primeiramente nos colocar na presença de Deus. Sem a consciência dessa presença divina, não estamos em oração mental, mas apenas fazendo um mero estudo ou exercício intelectual. Devemos nos recordar de que estamos num encontro, em que Deus e cada um de nós estão presentes, na companhia um do outro. É um encontro de amizade entre duas pessoas que se amam. É fundamental, nesta ocasião, também nos darmos conta da grandeza de Deus e de nossa pequenez. Aqui estamos, nós e Deus, olhando para este segundo mistério gozoso. Queremos ver esse momento da vida de Nossa Senhora com o olhar e a presença do Senhor.

Maria acabou de conceber, e Jesus está agora em seu ventre. O anjo já a deixou, como diz o Evangelho de Lucas no capítulo 1, versículo 38: “E o anjo saiu da sua presença” (Lc 1,38b). Nesse exato momento, o Evangelho de São Lucas apresenta um detalhe ao qual dificilmente damos importância. Ele diz: “Ἀναστᾶσα δὲ Μαριὰμ” (Anastasa de Mariam): “Naqueles dias, Maria levantou-se e foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá” (Lc 1,39). “Anastasis” quer dizer “levantar-se”, “ficar de pé”. Significa, então, que Maria estava ajoelhada, prostrada, e prontamente ficou de pé; levantou-se a fim de providenciar logo o que era necessário para partir em viagem, em direção à casa de sua parenta Isabel.

Precisamos ter consciência de que viajar, naquela época, era algo muito diferente do que fazemos hoje: juntar algumas coisas, entrar no carro e acessar uma rodovia. A viagem de Nazaré até a Judeia era difícil (cerca de 150 km); era necessário organizar o que fosse preciso para percorrer aquele trajeto. O Evangelho nos diz que Maria “foi apressadamente” — “μετὰ σπουδῆς” (meta spoudēs) — “em pressa”, “despachadamente”. Coloquemo-nos diante de Nossa Senhora: ela acabou de receber o anúncio do anjo e, assim que ele partiu, Maria fica de pé, em atitude de prontidão. Esse é o sinal mais claro daquilo que chamamos de devoção.

A devoção é a prontidão para servir, para amar! Maria Santíssima acabou de dizer ao anjo: “Eis aqui a escrava do Senhor!” E agora está demonstrando isso concretamente, com suas atitudes. Sua resposta a São Gabriel não é da “boca para fora”. Maria é realmente a fiel serva do Senhor, aquela que deseja acima de tudo fazer a vontade de Deus. Porque Deus é amor, Maria também quer amar. E então, imediatamente, ela quer partir para servir Isabel.

Podemos imaginar que a Virgem Maria fez essa viagem com São José, uma vez que já estavam casados. Recordemos que o casamento, naquela época, acontecia em duas etapas: desde a primeira — os esponsais, a assinatura — os noivos já se tornavam casados, mas ainda não coabitavam; isso só acontecia após uma segunda cerimônia, uma festa em que o noivo ia buscar a noiva na casa dela (como na Parábola das Dez Virgens, que, sendo amigas da noiva, estavam esperando a chegada do noivo). Conforme a cultura da época, antes mesmo dessa etapa da coabitação, o casal já tinha o direito de ter relações sexuais, uma vez que já estavam casados de fato.

Maria estava nessa primeira etapa: já casada, mas ainda não coabitando com José. Por isso, é muito provável que ela tenha feito a viagem para a Judeia com seu marido, já que se tratava de uma viagem longa e perigosa: era preciso atravessar a Samaria e o deserto da Judeia, para finalmente chegar à região montanhosa. 

Pois bem, vemos aqui a Virgem Maria como grande servidora, indo prontamente ajudar Isabel. Nossa Senhora é a perfeita imagem daquela passagem do Salmo 123 (122): “[...] como os olhos da escrava [estão atentos], às mãos de sua senhora” (v. 2b). Isso significa que, ao mínimo sinal da senhora, a escrava prontamente estava disponível, ficava pronta para servir.

Era a prontidão de quem, ao analisar os prós e contras de uma decisão, como todos fazemos, nunca calculava o seu próprio custo pessoal. Nos cálculos de Maria Santíssima, a única lógica que importava era o que poderia ou não dar maior glória a Deus; com que amor ela mais poderia amar a Deus e procurar o bem dos irmãos, servindo-lhes — num completo esquecimento de si.

No mistério da Visitação a Isabel, está o próprio Mistério do Coração de Maria. Aqui, podemos e devemos olhar de perto a alma de Nossa Senhora que, ao chegar na casa de sua parenta, entoa o cântico que mostra por dentro como é esse coração, o Magnificat: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador” (Lc 1,46s).

Vamos, então, imaginar os detalhes dessa cena. Maria acabou de receber a mais importante notícia de todas: tornou-se a Mãe de Deus. Mesmo ciente de que era a criatura mais digna de toda a história, ela não pensa em si mesma, mas em servir; essa é a sua preocupação. A atitude de ir até Isabel, mostra-nos um coração devoto, que não calcula o preço que precisa pagar para servir a Deus — ela sabe que nasceu para isso. A Mãe de Deus segue com prontidão para caridosamente servir a Isabel. Só isso já é algo espantoso!

Podemos agora imaginar Maria como a Arca da Aliança. A Arca original, no Antigo Testamento, era uma espécie de urna, ou baú, que continha: as Tábuas da Lei, um pouco do maná descido do céu e o bastão de Moisés. Em cima dela, havia uma tampa, que se chamava propiciatório, onde estava a imagem de dois querubins olhando um para o outro. Aquele espaço vazio entre os dois anjos era o “lugar onde Deus habitava” — era ali que o Senhor caminhava com o seu povo. Se, no Antigo Testamento, a Arca da Aliança “carregava” a presença de Deus, Maria agora é a verdadeira Arca da Aliança, que está carregando, em seu ventre, o próprio Deus encarnado.

Ainda no Antigo Testamento, há um episódio importantíssimo, que diz sobre esse título da Virgem Maria. No meio da procissão que levava a Arca para o palácio do Rei Davi, duas pessoas morreram fulminadas porque tocaram naquele objeto santo. E então, amedrontado, Davi disse: “De onde me vem que a Arca do meu Senhor venha me visitar?” (cf. 2Sm 6). Mil anos depois, naquelas mesmas montanhas da Judeia, o paralelo desse acontecimento está exatamente na cena em que Isabel, ao receber Maria, exclama: “De onde me vem que a mãe do meu Senhor venha me visitar?” (cf. Lc 1,43).

É interessante notarmos mais detalhes do trecho em que Maria chega à casa de Zacarias e Isabel: “Ela entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança saltou de alegria em seu ventre. Isabel ficou repleta do Espírito Santo e, com voz forte, exclamou: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!’” (Lc 1,40ss). Podemos perceber que não foi um encontro “simples”, foi uma exultação, um grande grito: “κραυγῇ μεγάλῃ” (kraugē megalē). Kraugē é uma palavra onomatopaica, que se parece com o som de um grito: “Kra!” Isabel realmente deu um grande grito, quando disse: “Bendita és tu entre as mulheres…” — eis aí um trecho da Ave Maria, um grito tão forte que ecoou ao longo dos séculos, bilhões e bilhões de vezes na boca de cada católico, em cada conta do Santo Rosário.

Maria é bendita entre as mulheres: escolhida, eleita, abençoada e querida por Deus. E quem diz isso é o Espírito Santo, por meio de Santa Isabel — “ἐπλήσθη Πνεύματος Ἁγίου” (eplēsthē Pneumatos Hagiou) “ficou cheia do Espírito Santo” —, bradando um grito santo que atravessou os séculos. Como há quem ainda ouse dizer que Maria não é bendita? Ela é a verdadeira e definitiva Arca da Aliança, aquela que foi preparada por Deus, transformada pela graça para ser a mãe bendita do Salvador, fruto de seu ventre.

Admirada com a honra daquela santa visita, Isabel exclamou: “Unde hoc mihi”: “De onde me vem que a mãe do meu Senhor venha me visitar?” Em cada texto que rezamos e meditamos, a Mãe do Senhor também vem nos visitar, e nós deveríamos ficar espantados como ficou Isabel! Nas aparições de Nossa Senhora, todos os videntes são unânimes ao relatar a beleza indescritível, a luz celestial, a vontade de morrer que eles tinham ao ver Maria Santíssima, a vontade de ir logo para junto de Deus. Aqueles que receberam alguma visão de Nossa Senhora, a partir daquele momento, passaram a viver arrebatados pelo desejo do Céu.

A pastorinha Lúcia, vidente de Fátima, foi tomada de tristeza quando Nossa Senhora disse que Jacinta e Francisco logo iriam para o Céu, enquanto ela ainda ficaria aqui por um bom tempo. Que desolação foi para Lúcia permanecer neste mundo depois de ter visto a Rainha do Céu. Após a visita da “Mãe do meu Senhor”, tudo se torna opaco e dispensável nesta vida terrena.

Ao meditarmos sobre o encontro de Maria com Isabel, fizemos uma visita à visita de Nossa Senhora. Nós dizemos com o anjo: “Ave Maria”, e a Virgem Santíssima nos saúda de volta: “Ave, Paulo!”, “Ave, Isabel!” E ao saudarmos a mãe de Nosso Senhor, o Espírito Santo também nos arrebata e nos conduz a exclamar, com forte grito: “Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre!” Precisamos assim bendizer, com a voz e sobretudo com o coração; e ainda que sejamos indignos dessa visita, o Espírito Santo nos toca e, com sua luz, nos revela a verdade que estamos meditando.

É importante notarmos isso: à medida que vamos meditando, algo se acende dentro de nós, alimentando-nos profundamente. Precisamos aceitar essa verdade: estamos sendo visitados pelo próprio Deus por meio da oração mental. Voltemos à cena da Visitação, testemunhando o que Santa Isabel narra que aconteceu nela interiormente: “Logo que ressoou aos meus ouvidos a tua saudação, a criança pulou de alegria no meu ventre.” (Lc 1,44) Aqui, há uma bem-aventurança que nem sempre notamos: “é feliz aquela que acreditou”, “καὶ μακαρία ἡ πιστεύσασα” (kai makaria hē pisteusasa). Vemos aqui Maria como “aquela que faz o ato de fé”. 

Quando fazemos isso, Deus realiza em nós as coisas que prometeu. Acontece a hipóstase das coisas prometidas, sua substância sedimenta-se dentro de nós. Ora, ninguém creu mais do que Maria! No Antigo Testamento, Abraão foi o grande exemplo de fé, ao subir o Monte Moriá para sacrificar seu filho Isaac. Maria subirá a mesma montanha, agora chamada de Gólgota. É o mesmo Monte Sião, sobre o qual foi construída Jerusalém; é o local onde Abraão ofereceu aquele sacrifício, e onde Maria subiu acompanhando seu filho Jesus para a crucificação.

Uma vez que Isabel revela seu coração, Maria também revela o segredo que carregava no seu interior. Ao sair de Nazaré, ninguém sabia que o Filho de Deus estava em seus ventre, aquilo era um segredo entre ela, o anjo e Deus. Porém, inspirada pelo Espírito Santo, Isabel “rasga o véu do Templo” e revela: “Eis aí a Arca da Aliança!”. Considerando que José acompanhou Maria nessa viagem, podemos imaginar que esse foi um momento dramático para ele.

Muitos pensam que o drama vivido por José no início do Evangelho seria o fato de que ele poderia ter desconfiado dela, por estar grávida. Não é isso que aconteceu! O fato é que, ao ouvir de Isabel: “De onde vem que a mãe do meu Senhor venha me visitar”, o pobre carpinteiro soube imediatamente que o Filho de Deus estava no ventre da sua esposa. E sendo José um homem justo, começou a pensar num jeito de deixar Maria por não se sentir digno de ter parte naquele divino mistério. Eis o dilema do patriarca: José sabia que não era digno, mas não queria abandonar Maria nem prejudicá-la, e ficou naquele drama até que, por meio de um sonho, o anjo apareceu-lhe e aplacou seus temores (cf. Mt 1,20s).

Seja como for, quando Isabel revelou o segredo, Maria então recebeu, de certo modo, “a liberação de Deus” para expressar o que estava em seu coração. É quando testemunhamos, nas palavras de São João Eudes, o “grande hino do coração de Maria”, o Magnificat.

Por “coração de Maria” devemos entender a “alma de Maria”. Nós somos corpo e alma, e também nos referimos ao espírito como o “topo da alma”, aquela parte que está em contato com Deus. Não devemos dizer que temos três partes distintas — espírito, alma e corpo — pois isso é uma noção gnóstica. Para nós, cristãos, há somente corpo e alma. Mas o espírito, sendo a parte mais elevada da alma, que está em contato com Deus, é aquele organismo sobrenatural em que o Senhor opera em nós a transformação.

Desse modo, ouvimos Maria dizer: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador...” (Lc 1,46s) — alma e espírito são a mesma coisa, mas sob aspectos diferentes —, “...porque olhou para a humildade de sua serva.” (v. 48a); aqui temos a palavra ταπείνωσιν (tapeinōsin): a “humildade”, o “nada”, e até mesmo o “tapete” da serva, “eu sou o capacho de Deus, mas Ele olhou para o chão, para a condição baixa de sua escrava” (tapeinōsin tēs doulēs autou).

Maria então reiterou o que Isabel acabou de exclamar com aquele forte grito: “Doravante todas as gerações, desde agora, me chamarão bem-aventurada” (v. 48b). E em sua admirável humildade — que consiste na verdade sobre aquilo que somos —, Maria não podia negar o que Deus lhe fez, e admirou-se com essa grande graça que ela, uma criatura humana, recebeu. Os pobres protestantes não acreditam nisso: não creem que Deus possa pegar o nada e fazer dele um tudo, dando-lhe verdadeira grandeza. Mas Deus não apenas pode, como Ele quer fazer e o faz. Basta dizermos o que Ele fez conosco: nos tirou do pecado, da miséria e da desgraça! “O Senhor fez em mim maravilhas” (v. 49) — “ἐποίησέν μοι μεγάλα ὁ δυνατός” (epoiēsen moi megala ho dynatos), “o Poderoso fez por mim grandes coisas”.

A saudação do anjo na Anunciação dizia que Maria Santíssima é “κεχαριτωμένη” (kecharitōmenē)”, “transformada pela graça”. Com isso, enxergamos essa grandeza do coração de Maria, repleto da graça e do amor de Deus.

Deixemo-nos conduzir por essa revelação maravilhosa do Imaculado Coração de Maria Santíssima, e por todas as coisas que pudemos enxergar nesta meditação: a disposição de Nossa Senhora, sua prontidão para servir; o grito de Isabel que atravessou os séculos; a fé de Nossa Senhora; o véu que se rasgou revelando o grande segredo da Encarnação; e o magnífico canto de uma alma totalmente dócil a Deus.

Qual dessas verdades brilhou para você com mais intensidade? De tudo o que testemunhamos hoje, o que mais acalentou seu coração? É exatamente esse espírito que somos convidados a trazer em nossa alma sempre que rezamos o segundo mistério gozoso do Santo Rosário. Lembremo-nos sempre da luz que se acendeu em nosso coração durante esta meditação, para que Deus verdadeiramente nos dê a graça de nos aprofundarmos nas sublimes verdades contidas nesse mistério, colhendo assim os frutos da devoção do santo Terço. 

Recordemos sempre: quando Deus se revela, Ele salva, e quando Deus salva, Ele se revela. A meditação é o que chamamos de oração mental, e as meditações que fazemos com a Palavra de Deus, versículo por versículo, vão criando em nós um valioso tesouro. Um tesouro que consiste nas verdades que guardamos em nossa alma, às quais podemos acessar quando rezamos o Terço com profundidade e devoção, sabendo que é assim que Deus vai nos transformando interiormente.

Material para Download

O que achou desse conteúdo?

29
0
Mais recentes
Mais antigos
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos