Objetivo

Este site gostaria de contribuir para esta necessária reforma da Igreja. Dizer que a Igreja está em crise é para alguns uma platitude e para outros um escândalo. Mas a crise faz parte do dia a dia da Igreja desde que Nosso Senhor advertiu o Apóstolo Pedro: “Simão, Simão, eis que Satanás pediu insistentemente para vos peneirar como trigo; eu, porém, orei por ti, a fim de que tua fé não desfaleça. Quando, porém, te converteres, confirma teus irmãos” (Lc 22,31-32).

Como formador em seminários há mais de dez anos, estou convencido de que os seminaristas e jovens sacerdotes têm, como Simão Pedro, uma missão importante no “confirmar os irmãos”. Mas Nosso Senhor advertia que isto só seria possível após a “conversão”. Infelizmente muitos de nossos seminários e institutos de filosofia e teologia não têm contribuído para esta conversão.

Somos uma geração que se vangloria do próprio pacifismo, mas trata-se, no mais das vezes, de um nome mais gentil para a velha covardia. O primeiro trabalho de um médico é conscientizar o doente de que está enfermo. Nesta hora, palavras gentis em nada irão ajudar o paciente. A doença precisa ser chamada pelo seu nome, o mais realista e sincero. Mas para a geração do politicamente correto isto parece um crime. A Igreja Católica no Brasil sofre de AIDS espiritual.

Assim também a AIDS espiritual. Já não temos coragem de chamar a heresia, a apostasia, a perversão, a covardia e tantas outras doenças espirituais com os seus nomes horrendos. Com isto, vamos cortejando o inimigo e matando aos poucos a fé que herdamos dos Apóstolos.

Este site gostaria de ajudar o paciente a se dar conta de sua doença. Mas não apenas isto. Gostaria também de indicar um caminho de possível terapia. As palestras aqui apresentadas parecerão, para alguns, excessivamente críticas. Estes prefeririam um prudente silêncio. Mas estou convencido de que o silêncio não irá nos ajudar.

O conhecido filósofo alemão Eugen Rosenstock-Huessy costumava dizer que uma crise é uma doença da linguagem humana. Esta doença seria o exato antípoda da guerra. Enquanto a guerra se caracteriza por não querer ouvir o inimigo, a crise seria o não querer falar ao amigo. A atual geração de jovens da Igreja católica dirige-se à geração que a precedeu em busca de uma orientação, de uma palavra amiga. Em crise, o jovem necessita de um amigo que lhe diga o que fazer. Mas o que é que muitos lhe oferecem? Ou um silêncio covarde, ou a falta de fé.