| Categorias: Educação, Papa Francisco

Terrível que as crianças aprendam gênero nas escolas, diz o Papa

“Deus criou o homem e a mulher”, disse o Papa Francisco. “Ele criou o mundo de um jeito, e nós estamos a fazer o contrário.”

Em encontro com os bispos polacos, durante recente viagem apostólica à Polônia, o Papa Francisco voltou a condenar a teoria de gênero, chamando-a uma vez mais de "colonização ideológica". O Santo Padre expressou sua preocupação especial pelas crianças, que aprendem desde cedo nas escolas que "cada um pode escolher" o próprio sexo. "Questo è terribile", ele disse.

A reunião durante a qual veio a sua declaração se deu a portas fechadas na Catedral de Wawel, em Cracóvia, na quarta-feira da semana que marcou a celebração da Jornada Mundial da Juventude, no dia 27 de julho.

O Santo Padre respondia a uma questão relativa aos refugiados na Europa, quando fez uma valiosa digressão acerca do problema das ideologias:

"Aqui gostaria de concluir com um aspecto concreto, porque por detrás dele estão as ideologias. Na Europa, nos Estados Unidos, na América Latina, na África, nalguns países da Ásia, existem verdadeiras colonizações ideológicas. E uma delas – digo-a claramente por 'nome e apelido' – é o gender! Hoje às crianças – às crianças! –, na escola, ensina-se isto: o sexo, cada um pode escolhê-lo. E por que ensinam isto? Porque os livros são os das pessoas e instituições que te dão dinheiro. São as colonizações ideológicas, apoiadas mesmo por países muito influentes. E isto é terrível. Em conversa com o Papa Bento – que está bem e tem um pensamento claro – dizia-me ele: 'Santidade, esta é a época do pecado contra Deus Criador'. É inteligente! Deus criou o homem e a mulher; Deus criou o mundo assim, assim e assim; e nós estamos a fazer o contrário. Deus deu-nos um estado 'inculto' para que o fizéssemos tornar-se cultura; e depois, com esta cultura, fazemos as coisas que nos levam ao estado 'inculto'! Devemos pensar naquilo que disse o Papa Bento: 'É a época do pecado contra Deus Criador'!"

As palavras do Papa foram reportadas mundo afora e se somam à indignação de milhões de famílias, católicas ou não, que se opõem à inclusão desses assuntos nos currículos de educação nacionais.

No Brasil, embora uma importante batalha tenha sido vencida em 2015 para barrar a teoria de gênero das escolas, a vigilância dos pais continua necessária, especialmente em relação aos livros didáticos que vão parar nas mãos das crianças. Mais do que isso, porém, é importante que as famílias estejam atentas ao conteúdo que entra em suas próprias casas, através dos meios de comunicação, pois são os seus detentores os primeiros a comprarem a ideia do gênero. A "época do pecado contra Deus Criador", como bem disse o Papa Bento XVI e confirmou o Papa Francisco, só se fortalece graças à promoção aberta, explícita e quase onipresente do mal. E de nada adiantará vencê-lo lá fora, se continuarmos a ser envolvidos pelo "espírito dos tempos" dentro de nossas próprias casas.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categoria: Papa Francisco

Rezemos pelo Santo Padre

No aniversário natalício do Papa Francisco, rezemos por Sua Santidade, para que “o Senhor o conserve, lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos”.

Hoje, 17 de dezembro de 2015, o Papa Francisco celebra o seu 79.º aniversário natalício.

Aproveitemos esta data para fortalecer o nosso amor à Igreja, edificada na fé e na pessoa do Apóstolo São Pedro, de quem Francisco é sucessor. Agradeçamos a Deus pela pertença ao Corpo Místico de Cristo, a esse nobre edifício espiritual contra o qual "as portas do inferno não prevalecerão" (Mt 16, 18).

Como disse o próprio Santo Padre, durante a Solenidade de São Pedro e São Paulo deste ano, "passaram reinos, povos, culturas, nações, ideologias, potências, mas a Igreja, fundada sobre Cristo, não obstante as inúmeras tempestades e os nossos muitos pecados, permanece fiel ao depósito da fé no serviço, porque a Igreja não é dos Papas, dos Bispos, dos padres e nem mesmo dos fiéis; é só e unicamente de Cristo".

Cresça sempre mais em nós a consciência do primado de Jesus na vida da Igreja e na nossa própria vida, até o ponto de podermos repetir, com São Paulo: "Eu vivo, mas não eu, é Cristo que vive em mim" (Gl 2, 20).

O Papa Francisco sempre termina os seus discursos pedindo às pessoas que rezem por ele. Atendamos ao seu apelo e ofereçamos a Deus as nossas orações por ele e por seu ministério. Que a Virgem Santíssima o abençoe com a saúde da alma e do corpo!

V. Oremos pelo nosso Beatíssimo Papa Francisco.

R. O Senhor o conserve, lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos.

Ó Deus, que na vossa Providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos Apóstolos, fazei que o nosso Papa Francisco, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

| Categoria: Papa Francisco

Papa Francisco convoca Ano Santo da Misericórdia

“Somos chamados a viver de misericórdia, porque, primeiro, foi usada misericórdia para conosco”, diz o Papa

Durante a celebração das Primeiras Vésperas do Domingo da Misericórdia, no último sábado (11), o Papa Francisco convocou oficialmente o Jubileu extraordinário da Misericórdia, a iniciar-se no próximo dia 8 de dezembro, festa da Imaculada Conceição. Na bula Misericordiae Vultus ("O rosto da misericórdia"), o Santo Padre explica por que decidiu proclamar este Ano Santo e indica os passos para vivê-lo com fruto.

A data escolhida por Francisco para iniciar o Jubileu é significativa. Em primeiro lugar, aponta para a experiência de misericórdia vivida por Maria Santíssima. "Depois do pecado de Adão e Eva, Deus não quis deixar a humanidade sozinha e à mercê do mal. Por isso, pensou e quis Maria santa e imaculada no amor, para que Se tornasse a Mãe do Redentor do homem", disse o Papa. "Perante a gravidade do pecado, Deus responde com a plenitude do perdão. A misericórdia será sempre maior do que qualquer pecado, e ninguém pode colocar um limite ao amor de Deus que perdoa."

O dia 8 de dezembro de 2015 também marca os 50 anos de encerramento do Concílio Vaticano II. O Papa Francisco assinalou este evento como "uma nova etapa na evangelização de sempre" e, citando São João XXIII e o Beato Paulo VI, ressaltou o primado da misericórdia na vida da Igreja.

Francisco também citou a doutrina perene de Santo Tomás de Aquino, para quem "é próprio de Deus usar de misericórdia e, nisto, se manifesta de modo especial a sua onipotência" [1]. Em seguida, expôs o significado de seu lema episcopal: Miserando atque eligendo. De autoria de São Beda, o Venerável [2], a frase faz referência à vocação do apóstolo São Mateus. "Ao passar diante do posto de cobrança dos impostos, os olhos de Jesus fixaram-se nos de Mateus". Ao mesmo tempo em que penetrou o coração do discípulo com aquele "olhar cheio de misericórdia" (miserando), o Senhor "escolheu-o (eligendo), a ele pecador e publicano, para se tornar um dos Doze".

O Santo Padre estabeleceu como lema do Ano Santo a exortação de Jesus: "Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso" (Lc 6, 36), assinalando a virtude da misericórdia como um "critério para individuar quem são os seus verdadeiros filhos". "Somos chamados a viver de misericórdia, porque, primeiro, foi usada misericórdia para conosco", ensinou.

Ao indicar o caminho para praticar essa virtude, o Papa pediu aos fiéis que ficassem atentos à voz de Deus. "O imperativo de Jesus é dirigido a quantos ouvem a sua voz. Portanto, para ser capazes de misericórdia, devemos primeiro pôr-nos à escuta da Palavra de Deus. Isso significa recuperar o valor do silêncio, para meditar a Palavra que nos é dirigida".

Sua Santidade também pediu que se redescubram as obras de misericórdia. "É meu vivo desejo que o povo cristão reflita, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual". Comuns na catequese tradicional da Igreja, as obras de misericórdia corporal são: dar de comer aos famintos, dar de beber aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, dar assistência aos enfermos, visitar os presos e enterrar os mortos. As de misericórdia espiritual, por sua vez, são: aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as pessoas molestas e rezar a Deus pelos vivos e defuntos.

O Papa Francisco também pediu que, no Ano Santo, se dê atenção especial ao sacramento da Confissão. "Ponhamos novamente no centro o sacramento da Reconciliação, porque permite tocar sensivelmente a grandeza da misericórdia". Ele destacou a experiência daqueles que se aproximam do Sacramento da Penitência e "reencontram o caminho para voltar ao Senhor, viver um momento de intensa oração e redescobrir o sentido da sua vida".

Ao fim de sua carta apostólica, o Papa Francisco chamou à conversão todos os que se encontram afastados da Igreja. "O meu convite à conversão dirige-se, com insistência ainda maior, àquelas pessoas que estão longe da graça de Deus pela sua conduta de vida", disse. "A todos, crentes e afastados, possa chegar o bálsamo da misericórdia como sinal do Reino de Deus já presente no meio de nós".

A bula com a qual se convoca o Jubileu extraordinário da Misericórdia está disponível, na íntegra, no site do Vaticano.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Suma Teológica, II-II, q. 30, a. 4
  2. Cf. Homilia 21: CCL 122, 149-151

| Categorias: Papa Francisco, Santos & Mártires

Milagre de São Januário acontece nas mãos do Papa Francisco

O sangue do mártir, normalmente sólido, se dissolveu parcialmente à vista dos fiéis, depois que o Papa beijou o seu relicário

O sangue de São Januário se dissolveu em presença do Papa Francisco, no último dia 21 de março, durante visita de Sua Santidade à diocese de Nápoles, na Itália. Os restos sanguíneos do mártir padroeiro de Nápoles, geralmente sólidos, tornaram-se parcialmente líquidos depois que o Papa beijou o seu relicário.

O Cardeal e Arcebispo da cidade, Crescenzio Sepe, exibiu a ampola com o sangue do santo aos fiéis que lotaram a catedral napolitana, dizendo: "Sinal de que São Januário ama o Papa, que é napolitano como nós: o sangue já se dissolveu pela metade".

O Papa, então, comentou, com humor: "O Arcebispo disse que metade do sangue se dissolveu: vê-se que o santo nos ama pela metade. Devemos converter-nos mais para que nos ame mais."

São Januário, nascido em Nápoles, foi um bispo de Benevento, na Itália, martirizado durante a perseguição do imperador Diocleciano. Instado diante do tribunal romano a oferecer incenso aos deuses, Januário se negou, com as seguintes palavras: " Não posso imolar aos demônios, pois tenho a honra de sacrificar todos os dias ao verdadeiro Deus". Mandado à fogueira, as chamas nada fizeram ao servo de Deus. Mandado à arena, para ser devorado pelos leões, estes, ao contrário, se prostraram diante do bispo e começaram a lamber-lhe os pés. Por fim, no dia 19 de setembro de 305, Januário foi decapitado.

De acordo com alguns relatos, durante um dos vários traslados de seu corpo entre Benevento e a sua cidade natal, o seu sangue foi recolhido por uma piedosa mulher e colocado em duas ampolas. Venerado desde o século V, o milagre da liquefação de seu sangue é documentado desde os anos 1400, acontecendo, desde então, periodicamente. Três datas são especiais para o fenômeno: 19 de setembro, festa de São Januário, 16 de dezembro, dia em que Nápoles foi preservada de um desastre por intermédio do santo, e o sábado anterior ao primeiro domingo de maio, que é o aniversário da primeira transladação de seu corpo.

Desta vez, porém, de modo extraordinário, o milagre ocorreu nas mãos do sucessor de São Pedro. A última vez a acontecer isto com um Sumo Pontífice foi em 1848, com o Beato Pio IX, o Papa da Imaculada Conceição e do Concílio Vaticano I.

Antes de abençoar o povo com o relicário de São Januário, o Papa Francisco fez um discurso ressaltando a centralidade de Jesus na vida da Igreja e recomendando fortemente a devoção a Nossa Senhora: "Como posso estar certo de ir sempre com Jesus? É a sua Mãe que o acompanha. Um sacerdote, um religioso, uma religiosa que não ama Nossa Senhora, que não reza a Nossa Senhora, diria também que não recita o Terço... se não quiser a Mãe, a Mãe não lhe concederá o Filho."

É certo que, como todas as graças chegam aos homens pelas mãos de Maria Santíssima, também este impressionante milagre foi obra de sua mediação maternal. Que ela, pois, conserve o Santo Padre, lhe dê vida longa, o faça santo na Terra e não o entregue à vontade de seus inimigos.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categorias: Papa Francisco, Doutrina

O escândalo das escolhas definitivas

O verdadeiro amor pelas almas não pode nunca prescindir do anúncio da verdade, ainda que esta pareça dura ou difícil de ser seguida

"O matrimônio, por sua própria instituição, se deve dar somente entre dois, isto é, o homem e a mulher". "Dos dois forma-se uma só carne". "Por vontade de Deus, o vínculo nupcial é tão íntimo e fortemente unido, que ninguém entre os homens pode desfazê-lo ou rompê-lo" [1]. Eis a verdade sobre o matrimônio, exposta pelo próprio Cristo e resumida pelo Papa Leão XIII, ainda ao fim do século XIX. Na ocasião, o que rondava a Europa era a ameaça do divórcio; hoje, são tantos os males que cercam o mundo, que mesmo os conceitos de "Matrimônio" e "casamento" – e até de "homem" e "mulher", com a ideologia de gênero –, foram postos em xeque.

Não é, portanto, exclusividade de nossa época, que as pessoas se escandalizem com a pregação cristã sobre o casamento. Quando Jesus – explicando aos judeus que o divórcio só havia sido permitido pela lei mosaica por causa da dureza de seus corações e que "no começo não foi assim" – estabeleceu com firmeza que o homem não pode separar o que Deus uniu, os Seus próprios discípulos ficaram impressionados: " Se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor não se casar!" (Mt 19, 10). Como resposta a essa indagação, Jesus não só manteve integralmente o que disse, como afirmou, noutro lugar, que o adultério não se comete apenas com atos, mas também com o coração (cf. Mt 27, 28).

É claro que a reação dos discípulos não se compara à dos homens deste século: enquanto aqueles queriam evitar o casamento para servir melhor a Deus [2], estes fogem do altar... para servir melhor a si mesmos. – Se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor permanecer solteiro! Se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor viver sozinho! – De fato, as estatísticas mostram que o número de casamentos formais têm diminuído em várias partes do mundo. Ao contrário, as chamadas "uniões estáveis" (que de estáveis só têm o nome) são a nova onda do momento.

Trata-se da "cultura do provisório", tão denunciada pelo Papa Francisco em seus discursos. "Vivemos numa cultura (...) na qual cada vez mais pessoas renunciam ao matrimônio como compromisso público. Esta revolução nos costumes e na moral agitou com frequência a 'bandeira da liberdade', mas na realidade trouxe devastação espiritual e material" [3]. Aquilo que para alguns seguidores de Cristo era apenas um susto ou indagação é cada vez mais realidade no mundo moderno: as pessoas não querem mais se casar.

O Catecismo reconhece que "pode parecer difícil e até impossível ligar-se por toda a vida a um ser humano" [4]. No entanto, a Igreja deve manter-se fiel a seu Senhor e Fundador, sem a pretensão de mudar uma só letra da doutrina evangélica. Como Cristo, ela não deve temer figurar como "sinal de contradição" ( Lc 2, 34), pois o verdadeiro amor pelas almas não pode nunca prescindir do anúncio da verdade, ainda que esta pareça dura ou difícil de ser seguida. No ensinamento do Beato Papa Paulo VI, "não minimizar em nada a doutrina salutar de Cristo é forma de caridade eminente para com as almas" [5].

Alguém poderia até argumentar que, deste modo, com essa "intransigência moral", a Igreja Católica estaria a perder "fiéis". À parte a pouca fidelidade desses que saem da barca de Pedro por não aceitarem os preceitos firmados pelo próprio Jesus, essa é uma questão importante. Se ensinasse algo diferente em matéria de família, a Igreja, por certo, ganharia a simpatia de muitos, cairia nas graças da mídia e até poderia aumentar o seu número de "fiéis". Mas, a que preço? Qual deve ser a maior preocupação da Igreja? Aumentar o seu dízimo ou levar as almas a um encontro real com Cristo? Ter um grande número de pessoas nas igrejas ou aumentar a extensão do Corpo Místico de Cristo – a Igreja com "i" maiúsculo?

O anseio da Igreja (e, portanto, de Cristo) é que o homem "se defina", chegue à plenitude de seu ser, não que seja uma permanente "metamorfose ambulante", sem rumo e sem verdadeira meta.

"Na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é 'curtir' o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas, 'para sempre', uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã. Em vista disso eu peço que vocês sejam revolucionários, eu peço que vocês vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem: que se rebelem contra esta cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, crê que vocês não são capazes de amar de verdade." [6]

Com a sua pregação, a Igreja toma constantemente a voz de Cristo e chama as almas a considerarem o altíssimo preço pelo qual foram compradas e a grandíssima vocação para a qual foram chamadas. Para corresponder a esses apelos que parecem vir apenas da boca de homens, mas, na verdade, vêm da boca do próprio Deus, é preciso coragem e perseverança. Pelo pecado original, tendemos mais facilmente à dissolução que a perfeição, ao pecado que à virtude. Mas, pelo Batismo, somos chamados à magnanimidade [7]: com grandeza de alma, acolhamos o chamado de Cristo e da Igreja e não tenhamos medo de arriscar nossas vidas em decisões definitivas, almejando a verdadeira Vida, que nunca terá fim.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

    1. Papa Leão XIII, Carta encíclica Arcanum divinae sapientiae, 10 de fevereiro de 1880, n. 7
    2. São João Crisóstomo, por exemplo, em comentário a esta passagem, ensina: "Levius enim est contra concupiscentiam praeliari et contra seipsum, quam ad mulierem malam – Mais leve é combater contra a concupiscência e contra si mesmo, que por uma mulher má" (Tomás, Catena Aurea in Matthaeum, 19, 3)
    3. Papa Francisco, Discurso aos participantes no Encontro Internacional sobre a Complementaridade entre Homem e Mulher, 17 de novembro de 2014
    4. Catecismo da Igreja Católica, 1648
    5. Encíclica Humanae Vitae, 25 de julho de 1968, n. 29
    6. Papa Francisco, Encontro com os Voluntários da XXVIII Jornada Mundial da Juventude, 28 de julho de 2013
    7. Cf. Santo Tomás de Aquino, Summa Theologiae, II-II, q. 129

| Categoria: Papa Francisco

Oração pelo Sumo Pontífice

Oremos por Sua Santidade, o Papa Francisco, no seu 78º aniversário natalício.

Neste dia 17 de dezembro, em que o beatíssimo Papa Francisco celebra o seu aniversário natalício, queremos agradecer a Deus pelo amor ao Santo Padre que colocou em nosso coração [1]. Na Igreja – diferentemente das confissões protestantes, nas quais cada fiel tem o seu próprio magistério –, existe uma autoridade, um fundamento visível colocado pelo próprio Cristo e ao qual todos os cristãos devem amor e obediência. Este fundamento é a confissão que o Apóstolo Pedro fez há dois mil anos: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" ( Mt 16, 16), e que os seus sucessores são chamados a imitar.

De fato, em meio às tempestades que agitam o barco da Igreja, " aquilo que a salva não são as qualidades nem a coragem dos seus homens, mas a fé, que permite caminhar até no meio da escuridão, entre as dificuldades. A fé confere-nos a segurança da presença de Jesus sempre ao nosso lado, da sua mão que nos segura para nos proteger do perigo. Todos nós estamos neste barco, e aqui sentimo-nos seguros, não obstante os nossos limites e as nossas debilidades. Estamos seguros sobretudo quando sabemos ajoelhar-nos e adorar Jesus, o único Senhor da nossa vida" [2].

V. Oremos pelo nosso Beatíssimo Papa Francisco.
R. O Senhor o conserve, lhe dê vida e o torne feliz na terra, e não o entregue em poder dos seus inimigos.

Ó Deus, que na vossa Providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos Apóstolos, fazei que o nosso Papa Francisco, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Amém.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Cf. Caminho, 573
  2. Papa Francisco, Angelus, 10 de agosto de 2014

| Categoria: Papa Francisco

Oremus pro pontifice nostro Francisco

"Obrigado, meu Deus, pelo amor ao Papa que puseste no meu coração." São Josemaria Escrivá

Há um ano subia ao trono de Pedro o Cardeal Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco. Seu primeiro pedido foi: “Rezem por mim". Portanto, não só hoje, mas todos os dias, atendamos ao pedido do Doce Cristo na Terra, do Vigário de Cristo, e peçamos:

"Ó Deus, que na vossa Providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos Apóstolos, fazei com que nosso Papa Francisco, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém."
“Deus, qui providentiae consilio super beatum Petrum, ceteris Apostolis praepositum, Ecclesiam tuam aedificari voluisti, respice propitius ad Papam nostrum Francisco, et concede, ut, quem Petri constituisti successorem, populo tuo visibile sit unitatis fidei et communionis principium et fundamentum. Per Dominum Nostrum Iesum Christum, Filium tuum, in unitate Spiritus Sancti. Amem."

| Categorias: Igreja Católica, Papa Francisco

A Igreja não vai adiante "apenas com as forças humanas", diz o Papa

O Papa menciona os sacerdotes que dão verdadeiro testemunho de santidade no silêncio: “Faz mais barulho uma árvore que cai, do que uma floresta que cresce”.

Ontem, durante sua Missa matutina na Casa Santa Marta, o Papa Francisco recordou a constituição divina do sacerdócio. Ele explicou que a Igreja não pode ser entendida simplesmente como uma organização humana: os sacerdotes não são chefes de "uma empresa", mas pessoas ungidas por Deus para levar a cabo a Sua obra de salvação.

"Os bispos não são eleitos apenas para levar avante uma organização, que se chama Igreja particular; são ungidos, eles têm a unção e o Espírito do Senhor está com eles. (...) O que faz a Igreja realmente, e o que dá unidade à Igreja, é a pessoa do bispo, em nome de Jesus Cristo, porque ele é ungido, não porque ele foi eleito pela maioria. Porque é ungido. É nesta unção que uma Igreja particular tem a sua força. E por participação também os sacerdotes são ungidos."

Justamente por essa interferência do sobrenatural na vida da Igreja, não é possível entender nem explicar "como a Igreja vai avante somente com as forças humanas". "Esta diocese vai avante porque tem um povo santo, tantas coisas, e também um ungido que a conduz, que a ajuda a crescer. Esta paróquia vai para frente porque há muitas organizações, tantas coisas, mas também tem um sacerdote, um ungido que a leva para frente", afirmou o Pontífice.

O Santo Padre também ofereceu um tributo aos sacerdotes que vivem a santidade no anonimato de suas paróquias e comunidades, a todos "os párocos do interior ou da cidade, que com a sua unção deram força ao povo, transmitiram a doutrina, deram os sacramentos, isto é a santidade":

"Mas, padre, eu li em um jornal que um bispo fez tal coisa, ou que um padre fez tal coisa. Oh sim, também eu li, mas, me diga, os jornais dão também notícias daquilo que fazem tantos sacerdotes, tantos padres em muitas paróquias da cidade ou do interior, que fazem tanta caridade, tanto trabalho para levar avante o seu povo? Isso, não! Isso não é notícia. É sempre assim: faz mais barulho uma árvore que cai, do que uma floresta que cresce. Hoje, pensando na unção de Davi, nos faz bem pensar em nossos bispos e nos nossos sacerdotes corajosos, santos, bons, fiéis, e rezar por eles. Graças a eles hoje nós estamos aqui."

Na mesma homilia, Francisco sublinhou que é a unção que dá aos sacerdotes a força "para viver ao serviço de um povo".

Foi ressaltando esse mesmo espírito de serviço que Sua Santidade endereçou uma carta aos prelados escolhidos para serem feitos cardeais no próximo Consistório. Em breves linhas, o Papa destacou que "o Cardinalato não significa uma promoção, uma honra ou uma decoração", mas "um serviço" que "exige que se alargue o olhar e se amplie o coração".

Ao final da correspondência, ele fez um pedido especial: "É por isso que te peço, por favor, que recebas esta designação com um coração simples e humilde. E, não obstante tu devas fazê-lo com júbilo e alegria, faz com que este sentimento permaneça distante de qualquer expressão de mundanidade, de qualquer festa alheia ao espírito evangélico de austeridade, sobriedade e pobreza"1.

Entre os bispos escolhidos para receber o barrete cardinalício está o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta. O Consistório que criará outros 15 cardeais acontecerá no próximo dia 22 de fevereiro.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere | Informações: Rádio Vaticano

Referências

  1. Papa Francisco, Carta aos novos purpurados que serão criados no Consistório de 22 de fevereiro, 12 de janeiro de 2014