| Categorias: Comunismo, Virgem Maria

“Os comunistas têm medo de Nossa Senhora de Fátima”

Cardeal e bispo emérito de Hong Kong fala sobre a situação da Igreja na China: “os comunistas têm medo de Nossa Senhora de Fátima”, ao ponto de impedirem que imagens suas entrem em território chinês.

A convite de Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), o cardeal Joseph Zen Ze-kiu esteve presente ao Dia de Encontros promovido pela fundação no campo de peregrinos da cidade alemã de Kevelaer, no dia 13 de maio. O cardeal conversou com Berthold Pelter a respeito do papel da Igreja na reconstrução da sociedade chinesa e explicou por que os comunistas têm tanto medo de Nossa Senhora de Fátima.

ACN: Ao longo das últimas quatro décadas, a República Popular da China passou por uma profunda mudança social; reformas, sobretudo as econômicas, permitiram que o país se tornasse uma das maiores potências econômicas e tecnológicas do mundo. Que papel a ideologia comunista tem ainda hoje nesse processo?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: Na verdade, a liderança política na China nunca levou a ideologia comunista muito a sério; pelo contrário, o comunismo chinês é uma forma velada de imperialismo. Prova disso é a corrupção desenfreada, mesmo dentro do Partido. Tudo gira em torno do poder. A única coisa que importa é a total obediência à autoridade do Estado. E devido à abertura do setor econômico e ao crescente enriquecimento as coisas só têm piorado. A riqueza alimenta a corrupção e a eleva a níveis ainda mais críticos.

ACN: Analistas políticos afirmam que, durante o governo do atual presidente, Xi Jinping, a situação dos direitos humanos agravou-se de fato. O que o sr. disse a este respeito?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: No início, eu tinha grandes esperanças, porque o presidente tomara medidas contra a corrupção no governo e na sociedade; mas logo se tornou claro que ele estava apenas interessado no poder. Os que lutam pelos direitos humanos são reprimidos, perseguidos, humilhados e condenados em julgamentos favoráveis à imagem que se quer passar do governo dele.

ACN: O sr. poderia contar-nos alguma coisa sobre o atual estado das negociações entre o governo chinês e a Santa Sé?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: Infelizmente, pouco se sabe dessas conversas. Existem ainda muitos outros problemas. A minha expectativa é de que as negociações demorem ainda bastante tempo. Na minha opinião, as lideranças estatais não vão aceitar nenhum acordo que não seja a submissão da Igreja à autoridade do Partido Comunista. Bispos da "igreja subterrânea", por exemplo, foram obrigados a participar de cursos de preparação política durante a Semana Santa e não puderam, por isso, celebrar a Missa com os fiéis. O Papa Bento XVI falou em 2007 sobre reconciliação em sua carta aos católicos na China, e para ele isso significa, antes de tudo, reconciliação espiritual. Mas há muito ainda por ser feito!

ACN: Isso soa bastante pessimista. O que o sr. acha que acontecerá com o cristianismo na China?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: Tudo depende de que consigamos ou não viver a nossa fé de modo autêntico, sem fazer concessões. Há cristãos na China que corajosamente defendem uma sociedade melhor. Muitos deles, porém, estão presos! Se o comunismo cair um dia, então os católicos deverão estar entre os responsáveis por construir uma nova China. Em todo o caso, isso só vai funcionar se os católicos não mancharem hoje a própria credibilidade fazendo concessões medrosas aos comunistas.

ACN: Nos últimos dias, nós católicos estamos comemorando as aparições de Nossa Senhora de Fátima, ocorridas há exatos cem anos. As mensagens de Nossa Senhora de Fátima alertam-nos para a ideologia atéia do comunismo. Os católicos na China têm conhecimento delas?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: Claro que sim! Todos nós já ouvimos falar das mensagens de Fátima. Até mesmo os comunistas! Elas os deixam muito preocupados. Os comunistas, na verdade, têm medo de Nossa Senhora de Fátima. A coisa toda tem-se tornado ridícula; por exemplo, os comunistas não se opõem a que alguém vindo de outro país entre na China com estampas de "Maria Imaculada" ou representações da imagem milagrosa de "Maria Auxiliadora"; imagens de "Nossa Senhora de Fátima", no entanto, estão proibidas. Eles consideram os acontecimentos de Fátima "anticomunistas", o que, é claro, não é mais do que a verdade!

ACN: Então, o governo faz distinções. E, além disso, a veneração à Maria sob o título de "Auxílio dos cristãos" tem um significado especial para a China: no dia de sua festa, 24 de maio, a Igreja Católica promove em todo o mundo um dia de oração pela igreja chinesa; foi o Papa Bento XVI quem o introduziu em 2007. Qual a relevância deste dia de oração?

Cardeal Joseph Zen Ze-kiu: A veneração a Nossa Senhora sob o título de "Auxílio dos cristãos" está profundamente enraizada na China, e isso há muito tempo. Esse título refere-se não apenas ao socorro de cada fiel em particular, mas também ao da Igreja como um todo. O principal perigo na China, hoje em dia, é o ateísmo materialista. Infelizmente, esse dia de oração, o qual vale para a Igreja Católica ao redor de todo o mundo, é muito pouco conhecido; ele não é vivido com a devida seriedade.

Fonte: ACN International | Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere

| Categorias: Virgem Maria, Comunismo

Por que Nossa Senhora de Fátima se preocupava tanto com a Rússia?

Quando compreendemos o comunismo especialmente em sua dimensão cultural, a propagação dos erros da Rússia torna-se ainda mais evidente.

Por John-Henry Westen — Ao investigar as aparições de Fátima em razão de vários compromissos este ano, vi-me confrontado repetidamente pela insistência de Nossa Senhora com a consagração da Rússia. Depois que ela fosse feita, bem como a prática dos cinco primeiros sábados de reparação, Nossa Senhora prometeu que a Rússia se converteria e um período de paz seria dado à humanidade. Do contrário, advertiu a Rainha do Céu, a Rússia "espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja". E acrescentou: "Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas."

"Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará", ela disse. "O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz."

O Papa São João Paulo II, é claro, confiou o mundo ao Imaculado Coração em 1984, mas nós ainda estamos a esperar por esse período de paz. Nunca como no último meio século se viu tanta guerra, tantos massacres, tantos martírios e tantos abortos. Ominosamente, ainda não vimos a aniquilação de várias nações. Mas o que tudo isso tem a ver com a Rússia?

A Rússia representa, nas mentes de maior parte das pessoas, a origem do comunismo — pensado principalmente como um sistema econômico em competição com o capitalismo. No entanto, quando nós realmente compreendemos o comunismo, a propagação dos erros da Rússia torna-se evidente.

O livro The Naked Communist ("O Comunista Nu", lit., sem tradução para o português) é a fonte mais concisa e acessível que delineia as metas e a ideologia comunistas. Foi escrito por W. Cleon Skousen, um ex-agente do FBI que teve contato direto com várias fontes originais e a melhor inteligência da organização quando se investigou a infiltração comunista nos Estados Unidos. O livro está catalogado no Registro do Congresso e o presidente Ronald Reagan comentou sobre ele dizendo: "Ninguém está mais qualificado para discutir a ameaça do comunismo a esta nação."

Uma seleção dos objetivos do comunismo listados por Skousen servem para ilustrar a sua disseminação por todas as nações, especialmente no Ocidente:

  • Eliminar todas as leis que regulam a obscenidade, qualificando-as como "censura" e como uma violação da liberdade de expressão e de imprensa.
  • Romper os padrões culturais de moralidade, promovendo pornografia e obscenidade em livros, revistas, filmes, rádio e TV.
  • Apresentar a homossexualidade, a degeneração e a promiscuidade como sendo "normal, natural, saudável".
  • Infiltrar as igrejas e substituir a religião revelada pela religião "social".
  • Desacreditar a Bíblia e enfatizar a necessidade de uma maturidade intelectual que dispense "muleta religiosa".
  • Eliminar a oração ou qualquer tipo de expressão religiosa nas escolas, com o fundamento de que ela viola o princípio da "separação entre Igreja e Estado".
  • Desacreditar a família enquanto instituição. Incentivar a promiscuidade, a masturbação e o divórcio fácil.
  • Enfatizar a necessidade de afastar as crianças da influência negativa dos pais. Atribuir "preconceitos, bloqueios mentais e retardamento das crianças à influência supressiva dos pais".

Além do comunismo, no entanto, outro dos erros da Rússia que se espalhou com força por todo o mundo foi o aborto. A prática foi legalizada na Rússia pela primeira vez em 1920 e, até hoje, o país apresenta a maior taxa de aborto per capita do mundo: com uma população de 143 milhões, há 1,2 milhões de abortos por ano.

Não resta dúvida de que as predições e promessas de Maria se tornarão verdadeiras. Nossa Senhora de Fátima previu a Segunda Guerra Mundial e até mesmo um sinal de alerta que a precederia. Alertou sobre a epidemia de impureza que infestou o planeta. Deu aos fiéis tarefas a cumprir, a fim de que se realize o triunfo do seu Imaculado Coração — profecias estas às quais ela será igualmente fiel.

Então, assim como nós honramos nossas próprias mães neste mês de maio, vamos examinar novamente os pedidos de Nossa Senhora e colocá-los em prática. Ela pediu oração, particularmente a do Santo Rosário e a devoção do Escapulário do Carmo. Ela pediu reparação pelos pecados e ultrajes perpetrados contra a graça de Deus e pelas blasfêmias contra os Sagrados Corações de Jesus e Maria, especialmente com a prática dos cinco primeiros sábados. E, finalmente, ela pediu a consagração ao Imaculado Coração de Maria, tanto a título pessoal como, publicamente, a da Rússia pelo Papa e pelos bispos de todo o mundo.

Quase a totalidade dessas matérias está sob o nosso controle pessoal. Não há melhor oportunidade do que este ano, especialmente durante o período da Ressurreição, o Tempo Pascal, para implementar essas práticas em nossas vidas. Empunhemos, pois, a arma do Rosário, o cordão umbilical que nos liga à nossa Mãe Celestial. Façamos a devoção dos cinco primeiros sábados e ensinemo-la aos nossos filhos. Consagremo-nos, como ensinou São Luís de Montfort, ao Coração Imaculado de Maria, condição que São João Paulo considerava "indispensável a quem quer que deseje se entregar sem reservas a Cristo e à obra da redenção".

Fonte: LifeSiteNews.com | Tradução: Sensus Fidei | Adaptação: Equipe CNP

| Categorias: Notícias, Sociedade, Comunismo

Ele substituiu o Natal pelo aniversário da própria avó

Ele é ninguém menos que Kim Jong Un, o ditador comunista da Coreia do Norte que, vendo o seu poderio ameaçado pelo nascimento de Cristo, ordenou que todos os seus súditos O substituíssem pelo “deus” da revolução.

Por que nos referirmos a fatos do passado para mostrar o ódio dos poderosos deste mundo ao presépio de Belém? Não é necessário voltar até Herodes, nem falar dos puritanos proibindo o Natal nos Estados Unidos. Um jornal reporta que o ditador comunista da Coreia do Norte, Kim Jong Un, decidiu banir oficialmente a tradicionalíssima celebração cristã, substituindo-a por nada menos que… o aniversário de sua avó.

Eis a informação traduzida, tal como a recolhemos de New York Post:

Kim Jong Un é o novo "Grinch" que roubou o Natal. O atarracado tirano da Coreia do Norte quer que os poucos cristãos, que vivem como eremitas no país, espalhem alegria apenas para celebrar a sua avó, Kim Jong Suk — não o nascimento de Jesus. Jong Suk — que nasceu na Vigília de Natal, em 1919 — era uma guerrilheira antinipônica e ativista comunista, mulher do primeiro ditador da Coreia do Norte, Kim Il Sung, e mãe do último líder do país, Kim Jong Il. Muitos prestam tributo à "Sagrada Mãe da Revolução", que morreu sob condições misteriosas em 1949, visitando o seu túmulo.

O excêntrico ditador é tão obcecado em banir o Natal a ponto de se ter inquietado, em 2014, quando descobriu que a Coreia do Sul planejava erigir uma grande árvore de Natal ao longo da fronteira entre os dois países. Em meio a ameaças de uma guerra total, a árvore nunca foi colocada.

Apesar da aversão de Kim por árvores natalinas, elas podem ser encontradas na capital Pyongyang — especialmente em lojas de luxo e restaurantes —, sendo largamente despojadas, todavia, de símbolos religiosos. Pyongyang costumava ter mais cristãos que qualquer outra cidade na Coreia — chegando a ter inclusive um bispo católico. Tudo isso mudou no início dos anos 1950, quando as autoridades reprimiram todas as atividades cristãs no país.

Grupos ligados aos direitos humanos estimam que haja entre 50 e 70 mil cristãos aprisionados em campos de concentração simplesmente por causa de sua fé.

A notícia dispensa comentários mais elaborados. Trata-se de um exemplo concreto (mais um) de como, na prática, não existem "ateus", mas idólatras. O ser humano é, em essência, um adorador: se não se prostra diante do Deus verdadeiro, sempre cuida de ajustar para si um ou outro ídolo, mais ou menos sofisticado, para (tentar) satisfazer o seu anseio de transcendência. O mesmo se repete, em escala maior, com as coletividades e as sociedades civis como um todo. Na Coreia do Norte, a festa do Natal não foi substituída por nada, não foi simplesmente abolida por razões de "laicidade do Estado" ou coisa parecida; em seu lugar, foi instituída uma nova cerimônia "religiosa", criou-se o culto à "Sagrada Mãe da Revolução".

Verdadeiramente, "quando se deixa de acreditar em Deus", já dizia o escritor britânico G. K. Chesterton, "passa-se a acreditar em qualquer coisa". A isenção e a indiferença em matéria religiosa conduzem fatalmente à divinização das coisas deste mundo, à idolatria do prazer, das riquezas e das outras coisas criadas (dentre elas, o homem e o próprio Estado). Ninguém se iluda pensando que, ao "livrar-se" de uma confissão de fé e proclamar a sua "independência" de Deus, poderá erradicar ou diminuir a verdade religiosa de seu ser. Vai muito difundida em nossa época a ideia de que um governo ideal seria um absolutamente livre de qualquer ingerência religiosa, como se fosse possível abolir dos corações de quem governa a submissão a Deus e as suas convicções de fé. O Congresso brasileiro, por exemplo, é frequentemente criticado pelos paladinos do "Estado laico", por estar repleto de cristãos "fundamentalistas" que gostariam de submeter as leis de nosso país, eles dizem, à regra da Bíblia.

É preciso responder a esses ataques dizendo, em primeiro lugar, que o sistema religioso no qual poder civil e espiritual sempre se confundem não é o Cristianismo, mas o Islã. A religião fundada por Cristo foi orientada, desde o começo, pelo princípio basilar de que César não é um "deus", nem Deus, tendo vindo ao mundo, teve a pretensão de ser um César. O mesmo não se pode dizer das hordas árabes que, encabeçadas por Maomé, dominaram militarmente em questão de um século todo o norte da África e puseram os pés em território europeu. Quem quer que se detenha a estudar a história das duas religiões, perceberá que não, definitivamente, não é verdade que "todas as religiões são a mesma coisa". Saiam de uma vez do discurso corrente e procurem conhecer os fatos históricos.

Em segundo lugar, não é verdade que os cristãos querem ver o Brasil regido pelas Sagradas Escrituras, até porque não é essa a finalidade dos livros inspirados de nossa religião. Nas páginas da Bíblia está contida a história da revelação de Deus através dos tempos, não um manual legal para ser aplicado ipsis litteris na vida das nações. Os pecados de que falam o Antigo e o Novo Testamento, ao mesmo tempo, tampouco devem ser transformados todos em crimes pelos ordenamentos civis. Não é nada razoável que as coisas sejam deste modo porque, como já dito, a César se dá o que é de César, a Deus o que é de Deus (cf. Mt 22, 21): a submissão que devemos à autoridade divina supera em todos os sentidos aquela que devemos às legítimas autoridades humanas.

Em terceiro lugar, cumpre dizer que é essa mesmíssima lição, extraída dos ensinamentos de Nosso Senhor e repassada ao longo dos séculos pela Igreja, a responsável por impor verdadeiros limites aos poderes deste mundo. É porque, quando Deus "deixa de existir", por assim dizer, tudo se torna permitido, para usar uma famosa expressão de Dostoiévski. Sem uma voz soberana transcendente a reger os homens, as vozes dos monarcas deste mundo se tornam a última e definitiva palavra; são os seus caprichos e gostos pessoais que passam a valer, muitas vezes em detrimento da própria realidade das coisas. Os regimes totalitários que mandaram multidões a campos de concentração no século passado são prova contundente dessa verdade. Assim como o déspota que quer ver todo um povo substituindo o nascimento de Deus feito homem pela veneração da própria avó.

Ter pessoas de fé religiosa na vida pública não é o problema, portanto, mas a solução. São essas pessoas, zelosas pela lei natural e inspiradas pelos valores do Evangelho, que nos irão livrar da "ditadura laica" e ateísta que já acontece em muitos lugares do mundo, dentre os quais a Coreia do Norte. São os cristãos na vida pública que, tais como fermentos na massa, manterão o Natal em nossos calendários e a sanidade em nossas legislações, a despeito dos tiranetes vermelhos que ainda hoje desejam, seguindo os passos do sanguinário rei Herodes, tomar o lugar de Deus.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere