CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Ex-protestante: “Foi a Bíblia que me converteu à fé católica”
Testemunhos

Ex-protestante: “Foi a Bíblia
que me converteu à fé católica”

Ex-protestante: “Foi a Bíblia que me converteu à fé católica”

“A Escritura alimentava minha vida cristã, ajudava-me a crescer espiritualmente e a aproximar-me cada vez mais de Cristo. E, no final das contas, foi a própria Escritura que acabou me convencendo da verdade do catolicismo.”

Lois DayTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere16 de Setembro de 2020Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Quando, aos dezoito anos, aceitei Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador, comecei pela primeira vez na vida a ler a Bíblia com vontade e interesse. Eu acabara de entrar em um novo relacionamento de fé e amor com Cristo, e era nas páginas da Escritura que eu podia aprender o que era necessário saber sobre Ele. Passei um verão inteiro a ler o Novo Testamento de cabo a rabo. Era como se verdades me saltassem aos olhos; intuições e rios de sabedoria manavam daquelas páginas. Surpreendi-me de achar as Escrituras tão fascinantes. “Isso é por causa do Espírito Santo”, disse-me um amigo, que me tinha levado para o Senhor. “Ele está com você, revelando o que significa a Palavra de Deus”.

Durante os dez anos seguintes, tendo pertencido a uma grande variedade de igrejas, a Bíblia permaneceu a pedra-de-toque da minha fé em Cristo. Tudo em que eu tinha de acreditar como cristã poderia encontrar-se na Bíblia; era ela a minha única autoridade em matéria de fé, e eu a considerava totalmente fiável. Eu a li várias vezes ao longo daqueles anos e tornei-me familiar com muitas de suas passagens. Eu amava a Bíblia, porque era nela que podiam ser descobertas a vontade de Deus e a resposta a todas as perguntas vitais. A Escritura alimentava minha vida cristã, ajudava-me a crescer espiritualmente e a aproximar-me cada vez mais de Cristo. E, no final das contas, foi a própria Escritura que acabou me convencendo da verdade do catolicismo

Quando uma amiga próxima contou-me que estava se tornando católica, eu fiquei chocada. Para mim, a Igreja Católica era uma grande e misteriosa organização, de caráter duvidosamente cristão e cheia de ensinamentos errôneos e contrários à Bíblia. Eu não podia entender como alguém com verdadeira fé em Cristo, tendo com Ele um relacionamento pessoal, poderia virar católico. Por isso, decidi ir atrás da resposta. Mas onde encontrá-la? Ora, onde mais, senão na Bíblia mesmo?

A minha postura era como a dos judeus da Beréia, que, após ouvir a pregação de Paulo, receberam a palavra “com ansioso desejo, indagando todos os dias, nas Escrituras, se essas coisas eram de fato assim” (At 17, 11). A Igreja Católica propunha-me como verdade algumas doutrinas, e eu, como os bereanos, queria examinar a Escritura a respeito dessas doutrinas, para determinar se de fato elas eram ou não verdadeiras. Se a doutrina católica não estivesse de acordo com a Escritura, então ela podia ser rejeitada sem maiores problemas. E eu tinha certeza de que era isso que ia acontecer.

A Bíblia não diz quanto tempo levaram os bereanos para descobrir que o ensinamento de Paulo estava de acordo com a Escritura, ao fim do que “muitos deles creram” (At 17, 12). Para mim, foram precisos cinco anos. Eu estudei os ensinamentos da catolicismo à luz da Escritura, sempre me baseando na Bíblia como em minha única autoridade para encontrar a verdade. E, no final de tudo, descobri que a doutrina católica é, sem sombra de dúvida, escriturística. Tendo-o descoberto, eu devia me comportar como os bereanos. A Escritura tinha-me mostrado que o catolicismo é verdade, e eu então acreditei.

A Escritura convenceu-me de todo o ensinamento católico, mas em nenhum outro ponto ela era mais clara do que na Eucaristia, entendida como verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo. Enquanto protestante, eu acreditava que Cristo, ao falar em Jo 6 que nos daria de comer sua própria carne, estava se expressando em termos simbólicos, e não literais. “Comer a sua carne”, pensava eu, era o mesmo que dizer, em linguagem figurada, “acreditar nele”. No entanto, a própria Bíblia mostrou-me que essa crença não é escriturística. Toda a minha formação como protestante consistira em ler a Bíblia literalmente, em tomar as palavras da Escritura ao pé da letra, sem tentar “interpretá-las” de forma alguma. Ora, Cristo disse que nos daria de comer sua verdadeira carne e, na Última Ceia, Ele tomou pão e disse: “Isto é o meu Corpo”. Ao ler isso na Bíblia, perguntei a mim mesma: “Se a Bíblia há de entender-se literal, e não simbolicamente, por que não aqui?” Parecia-me claro que, se Cristo disse que a sua carne é verdadeira comida (cf. Jo 6, 55), nós poderíamos supor com segurança que Ele quis dizer exatamente o que disse.

Eu sou católica há seis anos. Como católica, qual é a minha postura diante da Bíblia? Eu amava a Bíblia quando era protestante; ela era a Palavra de Deus, e nela eu encontrava os tesouros de sua sabedoria. Eu me baseava nela como meu guia para a verdade. Agora que sou católica, eu amo a Bíblia ainda mais — se é que é possível —, porque, além de tudo o que ela representava para mim enquanto protestante, eu a reconheço agora como o que ela realmente é: um livro católico, que pertence essencialmente à Igreja Católica.

E foi a própria Escritura que me mostrou onde devo procurar, se desejo saber que doutrinas são verdadeiras: ela me levou até a “casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm 3, 15).

Notas

  • Lois Day, a autora deste breve testemunho, vive na Virgínia do Norte e é dona de casa. Ela também dá aulas de grego neotestamentário e é membro da Legião de Maria.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O lugar dos hipócritas no Inferno de Dante
Doutrina

O lugar
dos hipócritas
no Inferno de Dante

O lugar dos hipócritas no Inferno de Dante

“De todos os homens maus, os maus religiosos são os piores”, pois por meio da mentira eles zombam de tudo o que é bom e profanam o que é sagrado. Mas também não há nada mais belo do que ver almas justas que lutam com fervor para se unir a Deus.

Maria CintorinoTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere21 de Setembro de 2020Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

Certa vez, C. S. Lewis escreveu o seguinte: “De todos os homens maus, os maus religiosos são os piores”. Ao refletir sobre tantas coisas que têm sido reveladas na Igreja, relacionadas com liderança medíocre, hipocrisia e comportamento escandaloso (para dizer o mínimo), fica difícil não pensar nas palavras de Lewis e recordar o Inferno de Dante, na Divina Comédia.

Em sua obra, Dante é guiado por Virgílio no Inferno e no Purgatório e, depois, por Beatriz no Céu. Ao longo da jornada, Dante testemunha os diferentes castigos que os maus sofrem no Inferno e as diversas alegrias dos bem-aventurados no Céu. Essa recompensa se destaca mais no Inferno. A técnica genial que Dante utiliza no poema reflete sua percepção da gravidade do pecado, um conceito que tem sido negligenciado em nossa época. Dante manifesta a realidade do pecado e suas principais consequências por meio das engenhosas punições aos diversos grupos de almas no Inferno e no Purgatório, pois os castigos refletem os crimes cometidos por elas na terra.

No Inferno, Dante testemunha coisas perturbadoras e fica apavorado com elas. Viaja por cada círculo infernal e vê como cada punição reflete um crime específico que as almas cometeram na terra: aqueles que pecaram por luxúria são forçados a pairarem no vento, perseguindo uns aos outros, sem descanso nem paz. Os assassinos são condenados a afundar num fervilhante rio de sangue e fogo, enquanto os hereges queimam numa tumba ardente por toda a eternidade. De todos os castigos descritos por Dante, talvez os mais apropriados sejam os impostos aos hipócritas e líderes corruptos.

“Os hipócritas”, por Gustavo Doré.

Dante põe essas pessoas nos lugares mais distantes do Inferno, na sexta cova do oitavo círculo (c. XXIII). Aqui, Dante fala de diversas figuras históricas que procuraram benefícios pessoais quando ocuparam posições de autoridade e governo. O principal pecador nessa cova é Caifás, o sumo sacerdote que defendeu a morte de Cristo com a desculpa de estar preocupado com o bem-estar de Israel. 

Os hipócritas que estão nessa cova são forçados a vestir belos mantos por fora. No entanto, é possível perceber que, vistos mais de perto, os mantos estão cobertos de chumbo por dentro. Assim, eles refletem a vida dos hipócritas na terra: cheia de corrupção e sujeira, mas mascarada por indivíduos que passam a aparência de ser ordenados, bem-intencionados e preocupados com o bem comum.    

Esses indivíduos ocultaram habilmente aqui na terra sua busca superficial por poder, aplausos e prazer. Esses desejos, aliados à busca por ganhos materiais, os consumiram a ponto de fazê-los dominar a arte de ter uma vida dupla. Suas vidas se transformaram, portanto, em mentiras ambulantes. Como, para eles, o prazer e o interesse próprio foram mais importantes do que a salvação, perderam toda fé e crença no eterno, usadas como meio para seu próprio benefício. O mistério do sobrenatural lhes foi obscurecido por desejos mundanos, e suas paixões desordenadas puseram em risco aquilo que é mais importante: suas almas imortais.  

O Inferno de Dante serve como alerta para todos, particularmente para os que ocupam cargos de liderança. Esta, por sua vez, não deveria ser buscada, não deveria ser vista como uma oportunidade para obter poder, riqueza ou reconhecimento, pois o poder traz consigo grandes responsabilidades, e são graves as consequências de fracassar no cumprimento dos deveres de ofício e de orientar mal a outros. Cristo faz um alerta aos Apóstolos sobre essas punições: “Mas todo o que fizer cair no pecado a um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que uma pedra de moinho lhe fosse posta ao pescoço e o lançassem ao mar!” (Mc 9, 42). O mesmo princípio se aplica àqueles que, em virtude de seu cargo e exemplo, escandalizam os que estão à sua volta.

S. João Batista usa palavras duras para falar dos hipócritas e dos que provocam escândalo. Ele chama os fariseus de “raça de víboras”. Por quê? Porque são tão desonestos e ardilosos quanto a serpente no jardim do Éden. Escondem suas verdadeiras intenções, dando a aparência de bom ao que é vil e perverso. Do mesmo modo, Cristo usa palavras fortes contra aqueles que, por palavras ou ações, desorientam os outros. Jesus diz o seguinte sobre os hipócritas: 

Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Sois semelhantes aos sepulcros caiados: por fora parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos, de cadáveres e de toda espécie de podridão. Assim também vós: por fora pareceis justos aos olhos dos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniquidade (Mt 23, 27-28).

Portanto, aqueles que, secretamente, não conseguem pôr em prática os ensinamentos da Igreja que eles mesmos pregam, ou que realizam boas ações apenas para serem elogiados, são comparados aos mortos, pois essas ações matam a vida da graça na alma. Por conhecer os perigos desse tipo de hipocrisia, Jesus alerta os discípulos contra os falsos profetas que se parecem com ovelhas, “mas por dentro são lobos arrebatadores” (Mt 7, 15).

Se tudo o que está acima pode ser dito dos maus religiosos, o que dizer dos bons? Embora C. S. Lewis observe com acerto que “de todos os homens maus, os maus religiosos são os piores”, é possível argumentar que de todos os homens bons, os bons religiosos, os cristãos fiéis, são os melhores, pois são capazes de avaliar suas vidas colocando-as numa perspectiva adequada e orientando-as para o bem. Homens devotos compreendem o horror do pecado, suas ramificações e efeitos; portanto, estremecem só de pensar em realizar qualquer ato mau. Por reconhecerem a seriedade do pecado e o escândalo por ele causado, têm consciência de como devem viver suas vidas para que Deus seja glorificado em tudo. Por seu compromisso diário de servir a Deus em suas palavras e ações, a vida dos homens justos testemunha silenciosamente o fato de que a salvação da alma imortal vale muito mais do que qualquer coisa oferecida pelo mundo, e que a luta para preservá-la é indispensável para a verdadeira felicidade do mundo que há de vir.  

Como os homens religiosos compreendem a futilidade desta vida, não buscam prazeres fugazes. Esforçam-se para viver cada dia cientes de que são “pó e ao pó voltarão”. Embora tenham consciência de serem fracos e pecadores, confiam na graça de Deus em sua luta diária para cumprir o chamado à santidade. Isso lhes permite compreender o propósito mesmo de sua existência, que, como explica S. Inácio de Loyola, é “louvar, reverenciar e servir a Deus nosso Senhor e desta forma salvar suas almas”. Nesse sentido, Deus está no centro das vidas dos homens justos, pois eles reconhecem que o mundo ao seu redor serve apenas como meio para um fim. Seu propósito de vida, fundamentado na realização da união eterna com Deus, molda cada um de seus desejos e faz com que se coloquem à disposição de Deus para trabalhar sem descanso a serviço dos outros.

Esses fiéis cristãos, cujas vidas são fundamentadas em Deus e enraizadas na lei moral, irradiam o amor de Deus para todas as pessoas com que deparam, fazendo com que Ele seja conhecido por todos. Seu testemunho genuíno da beleza do Evangelho vivido e da alegria que daí nasce inspira seus companheiros a buscarem a virtude, pois os homens são atraídos pelo bem por natureza. O Papa Leão XIII escreve sobre a importância de viver uma vida virtuosa e, assim, servir de bom exemplo para os outros. Ele observa que “dar um bom exemplo é a melhor maneira de cultivar nos homens o amor à virtude”. A integridade desse testemunho só pode ter eficácia se for autêntica: deve surgir do relacionamento com Cristo, do desejo e do comprometimento dos cristãos com a busca da santidade. Assim, os fiéis cristãos inspiram as vidas daqueles com quem convivem, por causa do verdadeiro testemunho que dão do Evangelho, de sua fidelidade a Cristo, de suas virtudes e transparência consigo e com os outros. São estas as redes involuntárias que atraem outras pessoas para eles e, em última instância, para Cristo.

Portanto, o exemplo dos bons religiosos é poderoso. O testemunho dos santos ao longo dos séculos, independentemente de suas personalidades ou vocações, mostra-nos que isso sempre foi verdade. Por meio de suas vidas e do alegre abandono ao serviço de Deus, os santos refletiram o amor divino para todas as pessoas com quem conviveram, tornando-se faróis da luz da fé no mundo. 

Embora C. S. Lewis afirme que não há nada pior do que religiosos perversos, que pela mentira zombam de tudo o que é bom e profanam o que é sagrado, não há nada mais belo do que ver almas justas que lutam fervorosamente para se unirem a Deus. O exemplo dos justos não só dá esperança à humanidade, mas também faz com que as pessoas se lembrem de seu objetivo celeste. Este é o poder dos homens justos: em tudo o que fazem, refletem Deus para os outros; e, ao fermentar o mundo com a Palavra de Deus por meio de suas palavras e exemplos, os justos revelam o Céu aos homens e assim levam a humanidade a Deus.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Vida e martírio de São Mateus
Santos & Mártires

Vida e martírio de São Mateus

Vida e martírio de São Mateus

Quem foi o Apóstolo e evangelista São Mateus, antes e depois de conhecer Nosso Senhor? Onde Ele pregou após a Ressurreição e Ascensão de Jesus aos céus? E como foi o seu martírio? É o que nos contam estas piedosas páginas da tradicional “Legenda Áurea”.

Beato Tiago de VarazzeTradução: Hilário Franco Jr./Equipe CNP21 de Setembro de 2020Tempo de leitura: 11 minutos
imprimir

1. Nome. — Mateus teve dois nomes, Mateus e Levi. Mateus quer dizer “dom precoce” ou “conselheiro”. Ou Mateus vem de magnus, “grande”, e θεός, “Deus”, como se se dissesse “grande para Deus”, ou então vem de manus, “mão”, e de θεός, significando “mão de Deus” [1]. Com efeito, a) ele foi um dom precoce por sua rápida conversão, b) foi conselheiro por sua salutar pregação, c) foi grande diante de Deus pela perfeição de sua vida e d) foi a mão de que Deus se serviu para escrever o seu Evangelho. — Levi quer dizer “retirado”, “colocado”, “acrescentado”, “incorporado”. Ele foi a) retirado de seu posto de cobrança de impostos, b) colocado entre os Apóstolos, c) acrescentado à comunidade dos evangelistas e d) incorporados ao catálogo dos mártires.

2. Gestas. — O Apóstolo, ao pregar na Etiópia, em uma cidade chamada Nadaber, encontrou dois magos, Zaroés e Arfaxat, que entusiasmavam os homens com seus truques, parecendo ter o poder de os privar da saúde e do uso de seus membros. Cheios de soberba, faziam-se adorar como deuses pelos homens. Tendo chegado a essa cidade e sido hospedado pelo eunuco da rainha Candaces, batizado com o nome de Filipe, o Apóstolo Mateus notou como o prestígio daqueles magos era pernicioso aos homens e, por isso, os quis converter.

O evangelista S. Mateus, pintado por Francisco Bayeu y Subías.

Quando o eunuco perguntou a S. Mateus como era possível que ele falasse e compreendesse tantas línguas, o Apóstolo explicou que, depois da vinda do Espírito Santo, recebera o conhecimento de todos os idiomas. Porque, assim como, por soberba, alguns quiseram edificar uma torre que chegasse ao Céu, mas viram-se forçados a interromper a construção por causa da confusão das línguas, os Apóstolos construiriam, não com pedras, mas com virtudes, pelo conhecimento de todos os idiomas, uma Torre para todos os que crerem subirem até o Céu.

Então, alguém veio anunciar a chegada dos dois magos, acompanhados de dragões que vomitavam fogo sulfúrico pela boca e pelas narinas, matando a todos os homens [2]. O Apóstolo, munindo-se com o sinal da cruz, foi com segurança em direção a eles. Mal o viram, foram os dragões deitar-se aos seus pés. Mateus disse então aos magos: “Onde está vossa arte? Despertai-os, se puderdes. De minha parte, se eu não me houvera encomendado ao Senhor, ter-vos-ia feito a vós o que pensáveis fazer comigo”. Como o povo se reunisse, Mateus ordenou que os dragões fossem embora em nome de Jesus, e eles partiram no mesmo instante sem fazer mal a ninguém. Ele começou então a fazer um grande sermão ao povo sobre a glória do Paraíso terrestre, afirmando ser mais alto do que todas as montanhas, estar próximo do Céu; que lá não há espinhos, os lírios e as rosas não fenecem, a velhice não existe, os homens permanecem sempre jovens, os coros dos anjos cantam; quando se chamam as aves, elas obedecem imediatamente. Acrescentou ainda que o homem fora expulso do Paraíso terrestre, mas que, pelo nascimento de Cristo, fora chamado ao Paraíso celeste.

Enquanto falava ao povo, ouviu-se de repente um alarido: eram choros pela morte do filho do rei. Ora, como os mágicos não o pudessem ressuscitar, convenceram o rei de que o menino fora levado na companhia dos deuses; por isso, era necessário erguer-lhe uma estátua e um templo. O eunuco mandou vigiar os mágicos e convocou o Apóstolo, o qual, depois de ter rezado, ressuscitou no mesmo instante o jovem. Por causa disso, o rei, chamado Egipo, mandou que se divulgasse por todas as suas províncias: “Vinde ver um deus oculto sob a aparência de homem!”

Muitos vieram com coroas de ouro e diferentes tipos de sacrifícios a serem oferecidos ao Apóstolo; mas Mateus os impediu, dizendo: “Homens, que fazeis? Não sou um deus; apenas um escravo do Senhor Jesus Cristo”. Então, com a prata e ouro que tinham levado, as turbas construíram em trinta dias uma grande igreja, na qual o Apóstolo permaneceu por trinta e três anos e converteu o Egito inteiro. O rei, sua mulher e todo o povo fizeram-se batizar; Ifigênia, a filha do rei, consagrou-se a Deus e foi posta à frente de duzentas virgens.

Depois disso, Hírtaco sucedeu ao rei, enamorou-se de Ifigênia e prometeu ao Apóstolo metade do reino, se ele a fizesse aceitá-lo em casamento. O Apóstolo lhe disse que fosse no domingo à igreja, segundo costume de seu predecessor, e, na presença de Ifigênia e das outras virgens, ouvisse sobre os benefícios do casamento. O rei se apressou em ir, alegre por supor que o Apóstolo pretendesse aconselhar o casamento a Ifigênia.

Quando as virgens e todo povo estavam reunidos, Mateus falou longamente sobre as vantagens de se casar, sendo muito elogiado pelo rei, crente que o Apóstolo dissera tudo aquilo para animar Ifigênia e convencê-la a se casar. Depois de pedir que se fizesse silêncio, o Apóstolo retomou o sermão, dizendo: 

É coisa boa o matrimônio, quando nele se guarda a fidelidade. Sabei, pois, os presentes que, se um escravo se atrevesse a raptar a esposa do rei, não somente ofenderia o rei como também mereceria a morte, não por ter-se casado, mas porque convecera a esposa de seu senhor a violar o matrimônio. E o mesmo aconteceria contigo, ó rei: saibas que Ifigênia tornou-se esposa do Rei eterno e está a Ele consagrada por um véu sagrado. Assim, pois, como poderias tu tomar a esposa de outrem mais poderoso e unir-se a ela pelo casamento?

Quando o rei ouviu isso, retirou-se da igreja, louco de raiva. O intrépido e firme Apóstolo exortou todos à paciência e à constância; em seguida, abençoou Ifigênia, que, trêmula de medo, prostrara-se diante dele com as outras virgens. Terminada a Missa solene, o rei enviou um carrasco, que com a espada atingiu Mateus, que se encontrava de pé, orando diante do altar com os braços estendidos para o Céu. E assim fez dele um mártir. 

Ao saber disso, o povo acudiu ao palácio do rei para o incendiar, e só com muita dificuldade os padres e diáconos puderam contê-lo. Depois, celebrou-se com alegria o martírio do Apóstolo.

Como o rei não conseguisse por nenhum meio fazer Ifigênia mudar de resolução — apesar da insistência dos magos e das mulheres que para isso lhe enviava —, mandou atear fogo em volta da casa da jovem, a fim de queimá-la junto com as outras virgens. No entanto, o Apóstolo apareceu e afastou o fogo, que acabou atingindo e consumindo o palácio inteiro do rei. Só conseguiram escapar o rei e seu filho único, o qual, porém, foi imediatamente possuído pelo demônio e correu ao sepulcro do Apóstolo, confessando os crimes de seu pai. O rei foi atacado por uma lepra terrível, que não podia ser curada, e ele se matou com a própria espada. O povo pôs no trono o irmão de Ifigênia, que fora batizado pelo Apóstolo. Ele reinou por setenta anos e foi substituído por seu filho, que ampliou enormemente o culto cristão e encheu toda a Etiópia de igrejas em honra de Cristo. Quanto a Zaroés e Arfaxat, desde o dia em que o Apóstolo ressuscitou o filho do rei, fugiram para a Pérsia, mas foram ali vencidos por Simão e Judas [3].

3. As virtudes. — Sobre o bem-aventurado Mateus se devem notar quatro coisas.

a) Primeira: a prontidão de sua obediência, pois no mesmo instante em que Cristo o chamou, ele abandonou seu ofício de publicano e, sem temer seus senhores, deixou inacabadas as listas de impostos para juntar-se a Cristo. Essa prontidão na obediência induziu alguns ao erro, como relata Jerônimo em seu comentário a essa passagem do Evangelho: 

Porfírio e o imperador Juliano acusam-no, enquanto historiador, de mentira e inabilidade, e chamam de loucura a conduta dele e de outros que se puseram sem demora a seguir o Salvador, como teriam, sem motivo algum, seguido qualquer outro homem. Ora, Jesus dera antes tantos sinais de suas virtudes, que sem dúvida os Apóstolos já O tinham visto antes de crer. Com efeito, o brilho e a majestade divinos reluziam em sua face humana e podia, à primeira vista, atrair os que O viam. Se se atribui ao ímã a força de atrair anéis e varetas, com muito mais razão o Senhor de todas as criaturas podia atrair a si aqueles que queria.

Assim falou Jerônimo.

b) Segunda: sua generosidade ou liberalidade, pois logo serviu ao Salvador um grande banquete em sua casa, banquete que foi grande não apenas porque foi lauto, mas por quatro outras razões. Primeira, pela decisão de receber a Cristo com grande amor e afeto. Segunda, pelo mistério contido naquela acolhida e assim explicado pela Glosa sobre Lucas: “Aquele que recebe a Cristo em sua casa é tomado por uma torrente de delícias e prazeres”. Terceira, pelos grandes ensinamentos que Ele deu ali, como: “Quero misericórdia, e não sacrifício”, e: “Os sãos não precisam de médico”. Quarta, pela importância dos convidados que estavam à mesa, a saber: Cristo e seus discípulos.

“A inspiração de S. Mateus”, por Caravaggio.

c) Terceira: sua humildade, que se manifestou em duas ocasiões. Primeira, quando confessou ser um publicano. Os outros evangelistas — diz a Glosa —, por um sentimento de pudor e respeito, não lhe dão nome; mas como todo justo é seu próprio promotor, ele se chama a si mesmo de Mateus e publicano, para mostrar que ninguém deve desesperar da salvação, pois ele, de publicano, foi transformado em Apóstolo e evangelista. Segunda, quando suportou com paciência as injúrias de que era alvo. Com efeito, quando os fariseus murmuravam de Cristo por ter-se alojado na casa de um pecador, Mateus poderia com razão responder: “Sois vós os miseráveis e pecadores, pois recusais o socorro do médico pensando que sois justos, enquanto eu não posso mais ser chamado de pecador, porque recorro ao Médico da salvação e lhe mostro minhas feridas”.

d) Quarta: a honra que seu evangelho recebe na Igreja, lido com mais frequência do que o dos outros evangelistas e considerado, junto com os Salmos de Davi e as Epístolas de Paulo, entre os livros da Escritura que mais são lidos na Igreja. A razão disso é que, segundo Tiago, há três gêneros de pecado: a saber: o de orgulho, o de luxúria e o de avareza. Paulo, que antes se chamava Saulo (nome derivado do soberbíssimo rei Saul), cometeu o pecado de orgulho quando perseguiu desenfreadamente a Igreja. Davi entregou-se ao pecado de luxúria, cometendo adultério e, em consequência desse primeiro pecado e crime, mandando matar a Urias, o mais fiel de seus soldados. Mateus cometeu o pecado de avareza, pois era publicano e atraído por lucros desonestos. O posto de cobranças (o τελώνῐον, de τέλος, que, segundo Beda, quer dizer “imposto”), diz Isidoro, é um lugar em um porto marítimo onde são recebidas as mercadorias do navios e pagos os ordenados dos marinheiros.

Ainda que se possa dizer que os três foram pecadores, a penitência deles foi tão agradável ao Senhor, que Ele não apenas lhes perdoou as faltas como os cumulou de múltiplos benefícios. Do mais cruel perseguidor fez o mais fiel pregador; de um adúltero e homicida fez um profeta e salmista; de um homem ávido por riquezas e avarento fez um Apóstolo e evangelista. É por isso que as palavras desses três são tão frequentemente lidas: que ninguém que deseje converter-se perca a esperança, ao ver em que transformou a graça aqueles que tão grandes foram na culpa.

4. Sua conversão. — Note-se que, segundo o beato Ambrósio, na conversão do bem-aventurado Mateus há certas particularidades a considerar a) do lado do médico, b) do lado do enfermo curado e c) do lado da maneira de curar.

“A vocação de S. Mateus”, por Caravaggio.

a) No médico houve três qualidades: a sabedoria que conheceu o mal em sua raiz, a bondade que empregou e o poder dos remédios, que puderam transformar tão subitamente. Ambrósio fala dessas três qualidades como se falasse em nome do próprio Mateus. Quanto à primeira: “Aquele que conhece o que está oculto pode tirar a dor de meu coração e a palidez de minha alma”. Quanto à segunda: “Encontrei o Médico que habita nos Céus e semeia os remédios na Terra”. Quanto à terceira: “Só aquele que não as experimentou pode curar minhas feridas”.

b) No enfermo que é curado, isto é, em Mateus, há três ponderações a serem feitas, segundo Ambrósio. Ele se livrou perfeitamente da doença, permaneceu grato àquele que o curara e, depois que recuperou a saúde, conservou-se sempre limpo. Por isso disse: “Já não sou mais aquele publicano: não sou mais Levi. Despojei-me de Levi quando me revesti de Cristo”, que é a primeira ponderação; “Odeio minha raça, fujo de minha vida, sigo apenas a ti, Senhor Jesus, que curaste minhas feridas”, que é a segunda; “Quem me separará do amor de Deus, que reside em mim? Será a tribulação, a miséria, a fome?”, que é a terceira.

c) Segundo o bem-aventurado Ambrósio, o modo de cura foi tríplice. Primeiro, Cristo o acorrentou; depois, cauterizou-o; por fim, livrou-o de todas as podridões. Daí dizer Ambrósio, como se fora o próprio Mateus: “Fui atado com os cravos da fé e os laços da caridade. Enquanto estou preso pelos vínculos do amor, tira, Jesus, a podridão de meus pecados; corta tudo o que encontrares de vicioso”. É o primeiro modo. “Teu mandamento será para mim um cautério, e se o cautério do teu mandamento queima, queima apenas a carne podre, o vírus do contágio. De modo que, se o medicamento atordoa, é para extrair a úlcera do vício”. É o segundo modo. “Vem rápido, Senhor! Corta as paixões ocultas e profundas. Abre depressa a ferida, para o mal não se agravar. Purifica tudo o que é fétido em um banho salutar”. É o terceiro modo.

O evangelho de Mateus escrito por sua mão foi achado no ano do Senhor de 500, junto com os ossos do beato Barnabé. Este Apóstolo levava consigo o evangelho e o punha sobre os enfermos, que eram todos curados tanto pela fé de Barnabé quanto pelos méritos de Mateus.

Referências

  1. Trata-se de etimologias populares. Na verdade, Matthæus (gr. Μαθθαῖος ou Ματθαῖος) é, provavelmente, a transcrição da forma hebraica Mattai, que significa “presente” ou “dádiva” de Deus (= donatus a Deo), à semelhança de Theodorus, Adeodatus (cf. “Matanias”, em 1Cr 9, 15). Alguns autores, de posição minoritária, derivam o nome do termo hebraico emeth (= fé), sob a forma Amittai (= “Fiel”, cf. Jn 1, 1, vulg. Amathi), tendo a letra Aleph se perdido por influência do aramaico.
  2. Sobre os “dragões” e outras coisas fantásticas de que falam muitas histórias da Legenda Áurea, verificar as considerações que fizemos em um texto sobre São Jorge e em outro sobre São Cristóvão.
  3. Para saber mais sobre os fatos da vida de S. Mateus após Pentecostes, leia-se a breve exposição sobre o seu evangelho na aula n. 5 do nosso curso exclusivo Evangelhos Sinóticos.

Notas

  • Este texto foi publicado a partir da tradução brasileira da Legenda Áurea (trad. de Hilário Franco Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, pp. 778ss), mas não sem ser cotejado, antes, com o original latino e adaptado passim.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O que é hedonismo? Muito mais do que você pensa!
Sociedade

O que é hedonismo?
Muito mais do que você pensa!

O que é hedonismo? Muito mais do que você pensa!

O hedonismo infectou profundamente a mentalidade moderna. O conceito de cruz não é apenas absurdo, mas totalmente “imoral” para a mente hedonista, que vê o prazer como o único bem humano verdadeiro.

Mons. Charles PopeTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere18 de Setembro de 2020Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Alguns dias atrás, no Evangelho, Jesus expôs a necessidade de aceitar as cruzes da nossa vida e carregá-las (cf. Mt 16, 24). Ora, as cruzes não são apenas os grandes sofrimentos da vida, como doenças, a morte de um ente querido, a perda de um emprego e assim por diante. Existem também as cruzes diárias de autodisciplina, trabalho árduo, obediência, contratempos, consequências das nossas decisões, limites para o que podemos fazer e a cruz de resistir à tentação.

Em oposição a esse ensino do Senhor está o hedonismo. A maioria das pessoas hoje associa o hedonismo ao excesso sexual e talvez à bebida. Mas o hedonismo é uma noção muito mais ampla, e é por isso que S. Paulo disse: “Mas nós pregamos Cristo crucificado, escândalo (pedra de tropeço) para os judeus e loucura para os pagãos” (1Cor 1, 23). Para os judeus, Jesus crucificado era uma pedra de tropeço, pois eles acreditavam que qualquer pessoa pendurada em uma árvore era amaldiçoada por Deus (cf. Dt 21, 22s). Mas, para os gregos e romanos, a cruz era um absurdo, devido à filosofia hedonista difundida entre eles. Então, o que é hedonismo?

“Uma Festa Romana”, de Roberto Bompiani.

Hedonismo é a doutrina segundo a qual o prazer ou a felicidade são o único ou o principal bem da vida. Vem da palavra grega hēdonē, que significa “prazer”, e é semelhante à palavra grega hēdys, que significa “doce”.

É claro que o prazer pode ser desejado e, até certo ponto, procurado, mas não é o único bem da vida. Na verdade, alguns de nossos maiores bens e realizações exigem sacrifício: anos de estudo e preparação para uma carreira; sangue, suor e lágrimas para criar filhos.

O hedonismo busca evitar sacrifícios e sofrimentos a todo custo. É diretamente oposto à teologia da cruz. S. Paulo falou em seus dias dos inimigos da cruz de Cristo. Seu fim é a destruição; seu deus, o estômago; e eles se gloriam da própria desonra, com a mente voltada para os prazeres terrenos (cf. Fl 3, 18s). Como dissemos, ele também ensinou que a cruz era um absurdo para os gentios (cf. 1Cor 1, 23).

As coisas não mudaram, meus amigos. O mundo reage com grande indignação sempre que a cruz ou o sofrimento estão implícitos. Portanto, o mundo clamará, exasperado e perplexo, e perguntará, incrédulo, à Igreja: estais dizendo que uma mulher que foi estuprada deve levar a gestação até o fim, sem poder abortar? Sim, estamos. Estais dizendo que uma pessoa gay deve viver o celibato, sem nunca poder “casar” com seu amante do mesmo sexo? Sim, estamos. Estais dizendo que uma criança deficiente no útero deve ser “condenada” a viver no mundo, sem poder ser abortada e expulsa de sua (ou, mais precisamente, nossa) “miséria”? Sim, estamos. Estais dizendo que uma pessoa que sofre não pode ser sacrificada para evitar a dor? Sim, estamos.

A expressão de choque ante esse tipo de pergunta mostra o quão profundamente o hedonismo infectou a mentalidade moderna. O conceito de cruz não é apenas absurdo, é totalmente “imoral” para a mente hedonista, que vê o prazer como o único bem humano verdadeiro. Para o hedonista, uma vida sem prazer suficiente é uma vida que não vale a pena ser vivida, e qualquer um que busque estabelecer limites para os prazeres legítimos (e, às vezes, ilegais) dos outros é mesquinho, odioso, absurdo, obtuso, intolerante e simplesmente mau.

Quando o prazer é o único objetivo ou bem da vida, você, a Igreja ou qualquer pessoa não pode ousar estabelecer limites, muito menos sugerir que o caminho da cruz seja melhor ou obrigatório! Se você o fizer, será banido, silenciado, destruído.

Muitos católicos fiéis, nos bancos de nossas igrejas, estão profundamente infectados com a ilusão do hedonismo. Por isso, assumem uma postura de perplexidade, raiva e zombaria sempre que a Igreja aponta para a cruz e insiste na abnegação, no sacrifício e em fazer a coisa certa, mesmo quando o custo a ser pago é alto. Nas igrejas, em geral, o balançar negativo das cabeças é visível quando um padre ousa pregar que o aborto, a eutanásia, a fertilização in vitro e a contracepção são errados, independentemente do preço a pagar, ou quando se fala sobre a realidade da cruz. Os fiéis que nadam nas águas de uma cultura hedonista geralmente ficam chocados com qualquer coisa que possa limitar o prazer que desejam.

O hedonismo faz os mistérios cristãos centrais, da cruz e do sofrimento redentor, parecerem coisa de um planeta distante ou de um universo paralelo e estranho. A palavra que sai da boca de Jesus: “Arrependei-vos”, soa estranha ao mundo hedonista. Tanto, que este chegou até mesmo a “reconstruir” Jesus como alguém que quer que “sejamos felizes e contentes”. As vozes se elevam, mesmo entre os fiéis: “Deus não quer que eu seja feliz?” Ora, com base nisso, qualquer tipo de comportamento pecaminoso deveria ser tolerado, já que insistir no contrário é “difícil” e pode parecer “mau” falar da cruz ou de autodisciplina em uma cultura hedonista.

Trazer as pessoas de volta para o verdadeiro Jesus e a verdadeira mensagem do Evangelho, que apresenta a cruz como o caminho para a glória, exige muito trabalho e longas conversas. Devemos estar preparados para ter uma longa conversa com as pessoas.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

As quinze orações de Santa Brígida
Oração

As quinze orações de Santa Brígida

As quinze orações de Santa Brígida

Estas famosas orações em honra à Paixão de Cristo muito provavelmente não foram escritas por Santa Brígida. Mas a espiritualidade de sua Ordem está aqui, e o valor catequético e penitencial desta devoção permanece em nossos dias.

Preces LatinaeTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere18 de Setembro de 2020Tempo de leitura: 9 minutos
imprimir

As quinze orações a seguir, atribuídas a S. Brígida da Suécia (1303-1373), muito provavelmente foram escritas por místicos da sua Ordem, no século XV. Foram publicadas inúmeras vezes ao longo dos séculos, com variação considerável nos textos e até mesmo na ordem das invocações.

Constituem, em si mesmas, uma meditação piedosa sobre os mistérios da Paixão e Morte de Cristo. Eram bastante populares durante a Baixa Idade Média, sendo item frequente nos manuais de oração da época. Cumprem um duplo propósito: catequético, instruindo as pessoas nos episódios mais importantes da vida de Nosso Senhor, e penitencial, excitando-lhes o amor a Deus e o arrependimento dos próprios pecados.

Em muitos lugares estas preces estão associadas a uma lista de promessas supostamente reveladas a S. Brígida quando de sua visita à Basílica de São Paulo Fora dos Muros, em Roma. As tais promessas listam uma série de incríveis benefícios, que seriam concedidos a quem recitasse estas orações todos os dias ao longo de um ano, e incluem a libertação de 15 almas dos entes queridos do Purgatório e a conversão de 15 pecadores da própria família. A verdade, porém, é que essas promessas jamais foram feitas a S. Brígida e tampouco têm qualquer aprovação eclesiástica que seja.

É muito de se lamentar que essas promessas ainda constem em livros de oração nos nossos dias, pois a própria Congregação do Santo Ofício proibiu, em 1954, a sua publicação [1]. Mas, ainda que não houvesse uma censura a essas promessas vinda de Roma, o conteúdo delas é, de fato, arbitrário e fantástico demais para ser credível. Não temos dúvidas de que abundantes frutos espirituais podem ser colhidos da leitura e meditação das linhas abaixo, mas promessas como as que circulam, associadas a estas orações, terminam transformando em superstição o que deveria ser antes um convite ao fervor na oração, à conversão interior e ao apostolado com as pessoas mais próximas de nós.

A tradução abaixo foi feita por nossa Equipe a partir do texto em latim encontrado na edição de 1670 do livro Paradisus Animæ Christianæ, de Jacob Merlo Horst, e que também pode ser acessado no site Preces Latinæ.


“A Oração no Horto”, de Giandomenico Tiepolo.

Oração I. — Ó Jesus Cristo, eterna doçura dos que vos amam, júbilo que excede toda alegria e todo desejo, salvação e amante dos pecadores, que achais vossas delícias em estar com os filhos dos homens e pelo homem vos fizestes homem na plenitude dos tempos: lembrai-vos de tudo o que previstes e da íntima tristeza que, em vosso Corpo humano, suportastes ao aproximar-se o tempo de vossa salubérrima Paixão, preordenado em vosso divino Coração.

Lembrai-vos da tristeza e da amargura que, pelo vosso testemunho, tivestes em vossa Alma, quando, na Última Ceia, entregastes aos vossos discípulos o vosso Corpo e Sangue, lavastes-lhes os pés e, consolando-os docemente, predissestes vossa iminente Paixão. 

Lembrai-vos de todo o tremor, da angústia e da dor que em vosso delicado Corpo, antes da Paixão de vossa Cruz, suportastes quando, após vossa tríplice oração e o suor de Sangue, fostes traído por Judas, vosso discípulo; preso pela gente escolhida; acusado por falsas testemunhas; injustamente julgado por três juízes; condenado, embora inocente, na cidade eleita, no tempo pascal, na florida juventude de vosso Corpo; despido da vossa própria veste e coberto de vestes alheias; esbofeteado; tivestes vossos olhos e rosto cobertos e fostes espancado, preso à coluna, flagelado, coroado de espinhos, com uma cana ferido na cabeça e lacerado com inumeráveis outras calúnias.

Dai-me, Senhor Deus, eu vo-lo peço, pela memória dessas paixões antes de vossa Cruz, uma verdadeira contrição antes de minha morte, uma pura Confissão, uma digna satisfação e a remissão de todos os pecados. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração II. — Ó Jesus, criador do mundo, a quem nenhuma dimensão pode compreender, que abarcais a Terra com um palmo: recordai-vos de vossa amaríssima dor, que suportastes quando os judeus pregaram vossas santíssimas mãos à Cruz com pregos embotados e, a fim de perfurar vossos delicadíssimos pés, como não lhes fosse o bastante, acrescentaram dor sobre dor às vossas chagas, e assim cruelmente vos distenderam e estenderam pelos braços de vossa Cruz, para que se dissolvessem os vínculos dos vossos membros.

Eu vos imploro, pela memória desta sacratíssima e amaríssima dor na Cruz, que me deis o vosso temor e amor. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

“Cristo na Cruz”, de Eugène Delacroix.

Oração III. — Ó Jesus, médico celeste, recordai-vos do langor, do livor e da dor que, elevado no alto patíbulo da Cruz, padecestes em todos os vossos membros dilacerados, dos quais nenhum permaneceu em bom estado, de modo que não se achasse dor nenhuma semelhante à vossa, pois desde a planta dos pés até o alto da cabeça não havia em vós coisa sã, e no entanto, esquecido de todas as dores, rogastes piedosamente ao Pai pelos vossos inimigos, dizendo: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Por esta misericórdia e pela memória daquela dor, concedei-me que esta memória de vossa amaríssima Paixão me alcance a plena remissão de todos os meus pecados. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração IV. — Ó Jesus, verdadeira liberdade dos anjos, paraíso de delícias, lembrai-vos da tristeza e do horror que suportastes, quando todos os vossos inimigos, quais leões ferocíssimos, puseram-se ao vosso redor e, com bofetadas, cusparadas, lacerações e outras penas inauditas, vos maltrataram.

Por estas penas e por todas as palavras contumeliosas e os duríssimos tormentos com que vos afligiram, Senhor Jesus Cristo, todos os vossos inimigos, eu vos imploro que me livreis de todos os meus inimigos, visíveis e invisíveis, e me deis chegar, à sombra de vossas asas, à perfeição da salvação eterna. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração V. — Ó Jesus, espelho da claridade eterna, lembrai-vos daquela tristeza que tivestes quando, no espelho de vossa sereníssima majestade, vistes a predestinação dos eleitos, que se haviam de salvar pelos méritos de vossa Paixão, e a reprovação dos maus, que pelos seus deméritos se haviam de condenar, e pelo abismo de vossa piedade, com que vos compadecestes de nós, pecadores e desesperados, e que manifestastes ao ladrão na Cruz, dizendo: “Hoje estarás comigo no paraíso”, rogo-vos, piedoso Jesus, que tenhais misericórdia de mim na hora de minha morte. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração VI. — Ó Rei amável e amigo todo desejável, lembrai-vos daquela tristeza que tivestes quando, nu e miserável, pendestes na Cruz, e todos os vossos amigos e conhecidos se voltaram contra vós, e não encontrastes ninguém que vos consolasse, além de vossa dileta Mãe, de pé na amargura de sua alma fidelíssima a vós, que confiastes ao vosso discípulo, dizendo: “Mulher, eis aí o teu filho”.

Rogo-vos, piíssimo Jesus, pela espada de dor que transpassou a alma dela, que vos compadeçais de mim em todas as minhas tribulações e aflições, corporais e espirituais, e dai-me a consolação no tempo da tribulação e na hora de minha morte. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

“Queda no Caminho do Calvário”, de Rafael.

Oração VII. — Ó Jesus, fonte de inexaurível piedade, que por um íntimo afeto de amor dissestes na Cruz: “Tenho sede”, isto é, da salvação do gênero humano, acendei, vo-lo peço, em nossos corações o desejo de perfeição, e abrandai e extingui de todo em nós a sede da concupiscência e o ardor dos prazeres mundanos. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração VIII. — Ó Jesus, doçura dos corações e poderosa suavidade das mentes, pelo azedume do vinagre e do fel que por nós provastes, concedei-nos, na hora de nossa morte, receber dignamente o vosso Corpo e Sangue, como remédio e consolação para nossas almas. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração IX. — Ó Jesus, virtude régia, júbilo espiritual, lembrai-vos da angústia e da dor que padecestes quando, pelo amargor da morte e os insultos dos judeus, com alta voz clamastes, abandonado por Deus Pai: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?” Por esta angústia vos peço que nas nossas angústias não nos abandoneis, Senhor Deus nosso. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração X. — Ó Jesus, Alfa e Ômega, vida e poder em todo tempo, recordai-vos que desde o alto da cabeça até a planta do pé vos mergulhastes por nós na água da Paixão.

Pela largura e extensão de vossas chagas, ensinai-me a mim, afundado em muitos pecados, a guardar por verdadeira caridade a Lei que promulgastes. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração XI. — Ó Jesus, abismo profundíssimo de misericórdia, rogo-vos, pela profundidade de vossas chagas, que atravessaram a medula de vossos ossos e vísceras, que me tireis da água de pecado em que estou submerso e me escondais, no interior de vossas chagas, do rosto de vossa ira, até que passe o vosso furor, Senhor. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Detalhe de um quadro da Crucifixão, por Francesco Hayez.

Oração XII. — Ó Jesus, espelho da verdade, sinal de unidade e vínculo de caridade, lembrai-vos da multidão de vossas chagas, com que, da cabeça aos pés, fostes vulnerado e rubricado com vosso santíssimo Sangue, multidão de dores que suportastes em vossa carne virginal por nós! Piedoso Jesus, que mais deveríeis fazer e não fizestes?

Gravai, vo-lo peço, ó piedoso Jesus, todas as vossas chagas no meu coração com o vosso preciosíssimo Sangue, para que nelas eu leia sempre a vossa dor e morte e persevere constante até o fim em ação de graças. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração XIII. — Ó Jesus, leão fortíssimo, Rei imortal e invencível, lembrai-vos da dor que padecestes quando todas as forças do vosso Coração e Corpo de todo se acabaram e, reclinando a cabeça, dissestes: “Tudo está consumado”. 

Por esta angústia e dor, tende misericórdia de mim, quando minha alma, no momento do último suspiro, estiver vexada e conturbada. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração XIV. — Ó Jesus, unigênito do altíssimo Pai, esplendor e figura de sua substância, lembrai-vos da esforçada entrega com que entregastes o espírito ao Pai, dizendo: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” e, de Corpo lacerado, de Coração alquebrado, com grande clamor, abertas as vísceras de vossa misericórdia para nos redimir, expirastes.

Por esta preciosíssima morte vos imploro, Rei dos santos, que me fortaleçais para resistir ao diabo, ao mundo, à carne e ao sangue, a fim de que, morto(a) para o mundo, eu viva para vós, e na hora suprema de minha partida acolhei-me o espírito degredado e peregrino a retornar para vós. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Oração XV. — Ó Jesus, videira verdadeira e fecunda, lembrai-vos da abundante efusão do vosso Sangue, que vós, qual sumo arrancado ao cacho, copiosamente derramastes quando, na cruz, calcastes sozinho o lagar, e do vosso lado aberto pela lança do soldado nos propinastes Sangue e água, de modo que nem uma só gota permanecesse em vós; e quando, enfim, fostes suspenso no alto, qual um feixe de mirra, e vossa carne delicada se desfez, e o licor de vossas vísceras se secou, e a medula de vossos ossos murchou. 

Por esta vossa amaríssima Paixão e pela efusão do precioso Sangue, piedoso Jesus, imploro-vos que recebais minha alma na agonia de minha morte. Amém. — Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.

Conclusão. — Ó Senhor Jesus Cristo, Filho do Deus vivo, acolhei esta oração com aquele amor excelentíssimo com que suportastes todas as chagas do vosso santíssimo Corpo e tende misericórdia de mim, vosso servo, e dai a todos os pecadores e a todos os fiéis, tanto vivos quanto defuntos, misericórdia, graça, remissão e a vida eterna. Amém.

Notas

  1. A seguinte notitia foi publicada nas AAS 46 (1954) 64: “Em alguns lugares tem sido divulgado certo opúsculo intitulado ‘O segredo da felicidade. Quinze orações reveladas pelo Senhor a S. Brígida na igreja de São Paulo, em Roma’, Nice (e em outros lugares), publicado em várias línguas. Ora, como neste mesmo livro se afirma que a S. Brígida foram feitas por Deus certas promessas, de cuja origem sobrenatural não há evidência alguma, tenham os Ordinários de cada lugar o cuidado de não dar licença para que se vendam ou de novo se imprimam opúsculos ou escritos que contenham as mencionadas promessas. — Dado em Roma, nas dependências do Santo Ofício, no dia 28 jan. 1954. Mário Crovini, Notário da Suprema e Sacra Congregação do Santo Ofício.”

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.