| Categorias: Santos & Mártires, Como Ser Família

Famílias numerosas, viveiros de santidade

Dos nove filhos que tiveram São Luís e Santa Zélia Martin, quatro morreram e cinco mulheres entraram para a vida religiosa. Eis a recompensa que Deus concede às famílias numerosas, transformando os seus lares humildes em verdadeiros “viveiros de santos”.

" As famílias numerosas, longe de serem 'doença social', são a garantia da saúde física e moral de um povo."

Essas palavras foram proferidas por Pio XII durante uma audiência com dirigentes e membros de uma associação de famílias numerosas, no dia 20 de janeiro de 1958. O discurso chama atenção sobretudo pela ênfase com que o Sumo Pontífice sublinha a importância dos filhos não só para os pais, mas para o bem-estar de toda sociedade.

Não é novidade para ninguém a ojeriza com que a maternidade é pintada nos dias de hoje, principalmente se ela estiver relacionada a uma mentalidade aberta à vida. Os chamados "formadores" de opinião fazem campanha aberta pelo controle de natalidade, evocando, para isso, todo tipo de desculpas e argumentos pseudocientíficos: a pobreza, a política demográfica, os direitos reprodutivos e por aí vai. Todos aparentemente justos, mas, no fundo, motivados por aquele egoísmo que, como denunciou Pio XII, avilta a dignidade da família e da pessoa humana:

A superpopulação não é, pois, uma razão plausível para difundir os métodos ilícitos de controle de nascimentos, mas antes pretexto para legitimar a avareza e o egoísmo, seja das nações que temem a expansão de outras como perigo para a própria hegemonia política e um risco de rebaixamento do nível de vida, seja dos indivíduos — especialmente dos mais bem providos com os meios da fortuna — que preferem o gozo ilimitado dos bens da terra à honra e ao mérito de suscitar novas vidas.

A análise do Papa é de precisão cirúrgica. Com todos os avanços da ciência e da técnica, é certamente ridículo considerar o crescimento populacional uma ameaça apocalíptica. A razão da pobreza e de outros males sociais não se encontra nas pequenas crianças, cujas consciências são livres de qualquer culpa pessoal, mas na estreiteza ética com que os poderosos tratam os menos afortunados, roubando-lhes os direitos mais elementares. Se o Estado e as grandes fundações fossem guiadas pelos princípios morais da caridade e do amor ao próximo, não haveria grandes problemas de saúde, fome, emprego e moradia. Os pobres querem comida, não anticoncepcionais.

As famílias cujos filhos são numerosos aprendem desde muito cedo a importância da fraternidade e da consideração ao próximo, seja por meio dos irmãos que têm de dividir o mesmo quarto e tantas outras coisas, seja pelo empenho mútuo do casal na criação dos filhos. Essas famílias parecem viver uma juventude eterna, observa Pio XII, porque " dura no lar o perfume dos berços, enquanto nas paredes da casa ressoam as vozes meigas dos filhos e dos netos". Paternidade responsável está longe de ser a política dos "dois filhos e um cachorro", como se canta por aí. Trata-se, ao contrário, de uma entrega consciente e honesta à formação das futuras gerações, isto é, o desejo de tornar o gênero humano mais virtuoso e digno do Céu.

Pio XII aponta, ainda, para aquela que constitui a mais fulgurante glória das famílias numerosas: as vocações. Nesses casos, diz o Santo Padre, "aos dons comuns de providência, alegria e paz, Deus acrescenta muitas vezes, como a experiência o demonstra, os chamados de predileção", pelo que se salienta " a prerrogativa das famílias numerosas como verdadeiros viveiros de santos". Entre tantos casos que se poderia citar, sobressai neste dia 12 de julho o testemunho da família Martin, de cujo zelo cristão no cuidado dos filhos nasceu Santa Teresinha do Menino Jesus.

As belas linhas abaixo são da pena de Irmã Genoveva, também filha do casal Zélia e Luís Martin, que conta como sua mãe se dedicava piedosamente às crianças:

Fiel a seu princípio, nossa mãe não tinha mêdo da maternidade. Ao saber que uma senhora da região dera à luz a trigêmeos, disse ela: "Oh! feliz mãe! Se eu tivesse ao menos dois. Mas, não terei jamais essa felicidade!" — "Amo loucamente as crianças". — "É um trabalho tão doce ocupar-se das criancinhas!"

Sua correspondência está cheia dessas exclama­ções de alegria materna. Escrevia a seu irmão, o Sr. Guérin, no dia 23 de abril de 1865, após o nascimento de sua Helenazinha que deveria morrer em tenra idade:

"Há quinze dias fui ver aquela que está com a ama. Não me lembro de ter jamais experimentado um sentimento de tal felicidade como no momento em que a tomei nos braços e ela me sorriu tão graciosamente que acreditava ver um anjo. Numa palavra, é inexprimível para mim. Acho que nunca se viu nem se verá jamais uma criança tão encantadora. Minha Helenazinha! Quando enfim terei a felicidade de possuí-la inteiramente? Não posso pensar que tenho a honra de ser mãe de criatura tão deliciosa..."

Longe de medir fadigas, sua confiança sobrenatural levava-a a confessar mais tarde à sua cunhada, a Sra. Guérin, de saúde delicada e que esperava um filho:

"Nosso Senhor não pede nada acima da nossas forças. Vi muitas vezes meu marido preocupar-se comigo sobre esse ponto. E eu permanecia absolutamente tranquila. Dizia-lhe: "Não receies, Nosso Senhor está conosco". No entanto, eu estava acabrunhada de trabalhos e preocupações de toda sorte, mas tinha a firme confiança de ser sustentada pelo Alto".

O que não a impedia de fazer esta confidência a seus parentes de Lisieux:

"Se tiveres tantos filhos quanto eu, isso exigirá muita abnegação e o desejo de enriquecer o Céu com novos eleitos".

Após cada nascimento, fazia logo esta prece:

"Senhor, concedei-me a graça de vos ser consagrado este filho e que nada venha manchar a pureza de sua alma. Prefiro que o leveis imediatamente caso venha a perder-se para sempre".

Sua união com Deus e o fervor de suas orações quando esperava um filho eram tão grandes que se admirava de não ver disposições para a piedade desde o despertar da inteligência desses pequeninos. Maria, sua filha mais velha tinha apenas quatro anos e Paulinazinha contava somente dois quando ela confiava sua decepção à querida, Visitandina. Esta por sua vez escrevia a seu irmão, no dia 2 de fevereiro de 1864:

"Zélia já se atormenta por não ver sinais de piedade em suas filhas".

A criança devia ser batizada logo após o nascimento. Sempre se informava sobre esse ponto quando se tratava dos filhos de seus parentes.

Quanto ao batizado de Teresinha foi preciso ser adiado dois dias. Deixo aqui a palavra a Madre Inês de Jesus. Interrogada, nos Processos, sobre o motivo dessa demora, respondeu:

"Porque se esperava o padrinho. Durante esse intervalo nossa piedosa mãe estava em contínuos sobressaltos. Pelo temor de sobrevir algum mal à crian­ça imaginava constantemente que a pequena estava em perigo".

Mamãe teve nove filhos, dos quais quatro morreram ainda pequenos. De acordo com meu pai quis dar a todos o nome de "Maria" unido a outro nome, ao de José para os dois meninos.

No dia 8 de dezembro de 1860 pedira à Imaculada Conceição um segundo filho e nove meses depois chegava Paulina que se seguiu a Maria, a primogênita.

Escreverá mais tarde a Paulina este testemunho de seu amor e o de nosso pai pelos filhos:

" Vivíamos somente para eles. Eram nossa felicidade. Jamais a encontrávamos fora deles. Numa palavra, nada nos custava, o mundo não mais nos pesava. Era para mim a grande compensação, por isso eu desejava ter muitos filhos a fim de educá-los para o Céu" (4 de março de 1877).

Já mencionei a perfeita compreensão entre meus pais, ainda que, à primeira vista, suas opiniões divergissem um pouco sobre um ponto qualquer. Mamãe tinha por meu pai tanta admiração quanta afeição e deixava-o exercer plenamente uma autoridade deveras patriarcal. Minhas irmãs afirmaram diversas vezes que sua união foi sem nuvens e a correspondência de minha mãe prova-o. Mostra também que mamãe não podia viver longe dele, mesmo por alguns dias. As cartas que lhe escrevia terminam com frases como esta, eco fiel de seus sentimentos:

" Tua esposa que te ama mais do que a própria vida".

O Sr. Cônego Dumaine, Vigário Geral de Séez, que batizou Teresa quando vigário de Nossa Senhora de Alençon, e que conhecia bem nossa família, fez este elogio nos Processos:

"Era admirável a união nessa família, tanto entre os esposos como entre pais e filhos".

Eis aí. Santa Zélia é um exemplo contundente de como a maternidade, apesar de todas as suas inegáveis dificuldades, está arraigada na natureza da mulher. A sua dedicação aos filhos e ao esposo é, contra todas as sandices feministas, um verdadeiro testemunho de virtuosa feminilidade. De sua abnegação e amor à família, formou-se mesmo um "viveiro de santidade".

Leia-se que os Martin não eram nenhuma família abastada. Santa Zélia trabalhou muito para ajudar o marido na criação das filhas. Mas tudo, absolutamente tudo, era feito com generosidade sobrenatural. Os frutos estão hoje no Céu.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referência

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.