Quando os magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém perguntando por um tal "rei dos judeus", Herodes ficou alarmado (cf. Mt 2, 3). O nascimento de um outro rei era um claro sinal de ameaça à sua soberania. Ele, porém, não se limitando a preocupar-se, queria saber onde estava o menino que acabara de nascer (cf. Mt 2, 8): não porque quisesse adorá-lo, como queriam os magos, mas por desejo de matá-lo. (O cruel martírio dos Santos Inocentes que o diga.)

Ainda hoje, diante de Cristo que Se apresenta como Rei do Universo, os poderes deste mundo esboçam a mesma reação. Primeiro, sentem-se ameaçados: diante de uma autoridade que os sobrepuja, eles se incomodam, pois sabem que isso significa um limite ao seu poder. Se Deus existe, nem tudo é permitido. Depois, passado o primeiro choque, eles precisam tomar uma decisão: ou procuram a estrela de Belém para prostrar-se diante do menino Jesus, ou saem à caça de Deus para (tentar) usurpar o Seu trono. No fundo, o que lhes ressoa aos ouvidos é a velha tentação que seduziu os nossos primeiros pais: "Sereis como deuses" (Gn 3, 5).

Deste episódio do Evangelho, no entanto, uma leitura psicológica talvez indique com mais propriedade o porquê de vivermos em um mundo tão secularizado e afastado de Deus. Na verdade, Cristo não reina apenas sobre o cosmos, mas quer ser "rex et centrum omnium cordium – rei e centro de todos os corações". O rei Herodes ameaçado não são apenas os Stálines, os Hitleres e os Estados Islâmicos deste mundo; cada ser humano em particular pode se sentir incomodado pela soberania divina ou até sair em uma louca perseguição contra o menino Jesus – como fazem os chamados "ateus militantes", que, mesmo não acreditando em Deus, só sabem falar n'Ele o dia inteiro.

Sob essa perspectiva – a da alma –, todo o cenário muda e ninguém está isento de uma analogia com o sanguinário Herodes.

É que o grande mal deste mundo – que dá origem a todas as perseguições, ditaduras e massacres – chama-se "pecado". Não adianta fugir ou disfarçar, dizendo que o inimigo está fora ou que "o inferno são os outros". A verdade é que "todos pecaram e estão privados da glória de Deus" (Rm 3, 23). Sem a vida da graça, que nos é dada por Cristo, através do batismo e do perdão dos pecados, a humanidade está toda no mesmo nível.

É inútil recorrer a qualquer divisão humana – burgueses e proletários, direita e esquerda, ricos e pobres, liberais e socialistas – para explicar o problema da maldade. O mundo se divide verdadeiramente em "cidade de Deus" (civitas Dei) e "cidade dos homens" (civitas hominum): em quem está na graça de Deus e em quem está vivendo no pecado mortal. No fim das contas, os justos ganharão a vida eterna – o Céu; e os maus, o opróbrio eterno – o inferno. Tudo o mais não passa de ilusão, ideologia e engano. A quem se gaba de ser mais que os outros confiando em qualquer coisa que não seja a graça divina, Nosso Senhor dá o seu alerta: "Se não vos converterdes, perecereis todos do mesmo modo" (Lc 13, 3).

Quem olha para personagens bíblicas perversas, como o endurecido faraó, o rei Nabucodonosor ou os carrascos que crucificaram Jesus, é tentado a tomar a atitude daquele fariseu do Evangelho que, batendo no peito, agradecia por não ser tão pecador quanto o resto dos homens (cf. Lc 18, 9-14). O Catecismo da Igreja Católica, porém, é bem claro ao dizer que "todos os pecadores foram os autores da Paixão de Cristo" (§ 598).

Basta que nos examinemos atentamente, sem máscaras ou tentativas de desculpar-nos, e enxergaremos dentro de nós um Herodes totalitário, "preocupado" com os seus direitos, cioso de sua posição, sempre agitado interiormente por não querer "dar a Deus o que é de Deus". É como reagem também muitas pessoas que, tendo abandonado os pecados mais grosseiros, ainda teimam em adiar a sua "segunda conversão": não se dedicam à vida de oração, nem ao cumprimento dos próprios deveres de estado, e negligenciam a luta contra a maledicência e alguns "pecados de estimação", que vão – sem que se deem conta – entravando o caminho de seu progresso espiritual.

Alguém pode objetar que há muitas guerras e violências acontecendo no mundo para que fiquemos nos preocupando com os nossos próprios defeitos – aparentemente tão insignificantes. Veja-se, por exemplo, como alguns lugares do mundo estão deixando de celebrar o Natal. Países mais secularizados, principalmente na Europa, já vivem uma "guerra aberta" à festa da natividade de Cristo. Presépios, árvores natalinas ou quaisquer referências ao menino Jesus são prontamente banidas pelas autoridades públicas; a típica saudação Merry Christmas vai se convertendo em Happy Holidays – assim como, no Brasil, o bom e velho Feliz Natal vai facilmente degenerando em um vago e laico Boas Festas. Até aquilo que era essencialmente religioso vai, pouco a pouco, sendo profanado e destruído por um "fato inteiramente novo e desconcertante": a existência de um "ateísmo militante, operando em plano mundial" [3].

O que acontece publicamente, porém, é apenas o sinal externo de uma tragédia que já acontece dia após dia nos corações humanos. Antes de Herodes ordenar a morte de "todos os meninos de Belém", "de dois anos para baixo" (Mt 2, 16), ele já havia matado Deus em seu coração. "Não poderá haver paz no mundo se não houver paz na alma", pregava o venerável servo de Deus, Fulton Sheen. "As guerras mundiais não passam de projeções dos conflitos travados dentro das almas dos homens modernos, pois nada acontece no mundo exterior que não tenha primeiro acontecido dentro de uma alma" [2].

Por isso, para resgatar a beleza do Natal – e trazer a fé de volta ao mundo –, não bastam os presépios; não basta que o menino Jesus seja simplesmente disposto em uma manjedoura. É preciso que Ele encontre abrigo em nossas almas. Caso contrário, ano após ano, o Natal continuará sendo uma simples "festa de fim de ano", o "feriado" pagão de quem exteriormente está feliz, mas interiormente está a viver o prelúdio do inferno, porque afastado da amizade de Deus.

"Se as almas não forem salvas, nada se salvará", dizia Fulton Sheen [2]. "Dai-me almas e ficai com o resto", repetia São João Bosco. Caia o mundo, venham abaixo os céus, entre tudo em extinção, mas que se salvem as almas! Porque é delas que tem sede Nosso Senhor; e são elas que povoarão, por toda a eternidade, o Reino dos céus!