Este texto é um breve relato de exorcismo acompanhado pelo Monsenhor Stephen Rossetti, que exerce a função de exorcista na Arquidiocese de Washington, capital dos Estados Unidos, há mais de 12 anos. Ele mantém um sítio na internet Catholic Exorcism — onde conta muitos de seus casos (uma das quais, inclusive, já tivemos a oportunidade de comentar aqui).

Algumas pessoas podem achar o registro abaixo perturbador, e outras tantas talvez até reajam com ceticismo ao que é contado por este sacerdote. Pensamos, porém, que a experiência pessoal de um padre idôneo, que lida no dia a dia com os demônios, não deve ser simplesmente “descartada” como se nada fosse

Evidentemente, ninguém é obrigado a acreditar no que ele relata. Sua história não é um “artigo de fé católica”. Na verdade, porém, de que os demônios existem, e na ilicitude do aborto provocado, todos os católicos devemos crer: é o que ensina a Igreja de dois mil anos e é o que nos dita a própria lei natural, inscrita no coração de todo ser humano.


“Lúcia” está possuída e sendo torturada todas as noites pelos demônios. Eles a insultam, ferem-lhe o corpo com arranhões e queimaduras, afirmam que são seus donos e frequentemente torcem sua perna machucada, causando-lhe imensa dor. Os demônios são impiedosos e implacáveis.

Depois de várias sessões intensas de exorcismo, os demônios estavam enfraquecendo. Pareceu-me que eles poderiam estar vulneráveis o suficiente para serem compelidos, pelo poder de Jesus, a revelarem seus nomes. Saber os nomes dos demônios garante um poder adicional para expulsá-los e sugere que o tempo de sua saída está se aproximando.

Por isso, repeti várias vezes: Dicas mihi nomen tuum, “Dize-me o teu nome”. Essa frase é uma citação direta do Ritual de Exorcismo tradicional. O demônio resistiu fortemente. Finalmente, com grande relutância, ele entregou seu nome: Abizu.

A Virgem de Guadalupe.

Eu procurei saber sobre ele. Várias fontes concordam: Abizu (também soletrado Abizou, Obizu, Obizou ou Bizu) é o nome de um demônio “feminino” [1], no Oriente Próximo, acusado de causar abortos espontâneos e a morte de crianças.

Fazia todo o sentido. Infelizmente, Lúcia tinha realizado um aborto. Ela se arrependeu sinceramente, confessou-se e permaneceu em profunda contrição. Embora todo e qualquer pecado seja perdoado na Confissão, isso não significa que os demônios associados a esses pecados sejam imediatamente expulsos. Não raro, um tempo de purgação é necessário. Devido à gravidade do pecado e à morte trágica da criança — que esse pecado provocou —, seria uma luta expulsar aquele demônio.

Abizu zombou de Lúcia por ter feito um aborto. O demônio disse que ela nunca seria perdoada. Ele explorou seu profundo sentimento de culpa e tentou arrastá-la para a escuridão do desânimo e do desespero.

Esse é um comportamento tipicamente demoníaco. Os demônios não apenas nos tentam a cometer um pecado; se o praticamos, eles também nos insultam e envergonham por isso. Assegurei a Lúcia que seu pecado foi verdadeiramente perdoado e fizemos uma oração por seu bebê. Por causa disso, ela talvez precise também de aconselhamento pós-aborto e/ou de trabalhar com grupos de cura pós-aborto.

Durante a sessão, um dos exorcistas teve a inspiração de segurar um ícone de Nossa Senhora de Guadalupe, o que fez o demônio ter uma grande convulsão. Então, invocamos várias vezes este título de Nossa Senhora, e o demônio convulsionou em todos os momentos que o ícone foi colocado diante dele.

A eficácia dessa imagem sagrada não é por acaso. O ícone de Nossa Senhora de Guadalupe apresenta Maria grávida, e ela é frequentemente invocada com esse título para a proteção dos nascituros. Além disso, sob seus pés está um símbolo da lua e das trevas, uma referência ao diabo. Juan Diego, em cuja tilma apareceu a imagem, referiu-se a ela em sua língua nativa como: Te Coatlazopeuh, isto é, “aquela que esmaga a serpente”.

O aborto é um pecado grave. Mas Lúcia e todas as pessoas deveriam saber que existe uma fonte divina de cura e de paz. Além disso, temos em Nossa Senhora de Guadalupe uma grande defensora, que esmagou Abizu e trouxe-nos a cura de Deus. 

Nossa Senhora de Guadalupe, Rosa mística, rogai por nós!

Notas

  1. Os demônios não têm corpo físico nem sexo; portanto, tecnicamente, não podem ser classificados como “homem” ou “mulher” (N.A.).