CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
O último desejo de São João Paulo II
LiturgiaIgreja Católica

O último desejo de São João Paulo II

O último desejo de São João Paulo II

Em um dos últimos documentos de seu pontificado, João Paulo II exortou a Igreja a celebrar corretamente o sacrifício eucarístico.

Equipe Christo Nihil Praeponere1 de Abril de 2014
imprimir

Há exatos 10 anos, a Congregação para o Culto Divino, seguindo as disposições do então papa João Paulo II, publicava a Instrução Redemptionis Sacramentum[1]. O documento tinha por objetivo esclarecer alguns aspectos sobre a correta celebração da Eucaristia, e pôr termo à maré de abusos litúrgicos que se insurgia dentro da Igreja. Sendo a Santíssima Eucaristia o depósito "no qual está contido todo o bem espiritual da Igreja"[2], a preocupação do Santo Padre, exposta solenemente nessa instrução e na sua última encíclica, Ecclesia de Eucharistia, era nada mais que salvaguardar a fé dos fiéis, tornando a celebração dos sacramentos um ambiente livre de rixas e brigas fratricidas, advindas de falsas interpretações do Santo Sacrifício de Cristo.

O zelo pelo augusto sacramento eucarístico faz parte da história dos cristãos. Desde a sua origem, os católicos procuraram render glórias ao Criador por meio do culto à Eucaristia, chegando, em alguns casos, até mesmo às vias do martírio. " Sine dominico non possumus" – sem o domingo, não podemos viver. Era o que diziam os mártires de Abinitas, região do norte da África, ao desafiarem a lei do império, que os proibia de prestar culto a Deus. Desse eloquente testemunho do início do século IV, podemos haurir a íntima relação que existe entre a vida ordinária dos cristãos e a sua fé eucarística. O homem só consegue viver de acordo com sua reta natureza quando põe em primeiro plano o seu dever para com Deus. É que sem a verdadeira religião, todo ser humano acaba abeirando-se de outros altares; queimando incensos para novidades muitas vezes desumanas. A lei moral depende diretamente do reconhecimento de Deus. Trata-se de um dever natural dos homens; e, por isso, dizia o Papa Pio XII, "Deus os elevou à ordem sobrenatural"[3].

A liturgia cristã, por sua vez, não é uma invenção humana. Não se trata de uma busca de Deus às apalpadelas, como se se estivesse a construir outra Torre de Babel. Deus é quem nos ensina a forma correta de adorá-Lo. É Ele, e somente Ele, o verdadeiro protagonista de toda ação litúrgica. Com efeito, dada a missão da Igreja de guardar e ensinar a fé apostólica, cabe a ela, por direito divino, o dever de esclarecer e coibir os equívocos contra a doutrina de Deus, sobretudo no que tange à matéria sagrada do Santíssimo Sacramento – uma vez que não são poucos os que inserem princípios errôneos na celebração eucarística que, "em teoria ou na prática, comprometem esta santíssima causa, e frequentemente até a contaminam de erros que atingem a fé católica e a doutrina ascética"[4].

Quando pensamos em exemplos como o de Madre Teresa de Calcutá – que passava horas diante do altar, rogando a Deus pelo bom êxito de seus trabalhos –, ou na imagem de São Padre Pio de Pietrelcina – que muitas vezes ardia em febre pela Santíssima Eucaristia –, conseguimos compreender o que significa viver eucaristicamente. A comunhão do Corpo de Cristo provoca uma mudança em todo nosso ser. " Não é o alimento eucarístico que se transforma em nós, mas somos nós que acabamos misteriosamente mudados por Ele"[4], até o momento em que cada um possa repetir as palavras do Apóstolo das gentes: "já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim" (Cfr. Gl 2, 22). No altar, mediante a oferta do sacerdote, unimo-nos ao sacrifício de Cristo na cruz. Dessa íntima comunhão, nasce a necessidade de uma presença iluminadora no meio da sociedade, a fim de que Deus possa ser tudo em todos. Dizia o Papa Pio XII:

Assistindo, pois, ao altar, devemos transformar a nossa alma de modo que se apague radicalmente todo o pecado que está nela, e com toda diligência se restaure e reforce tudo aquilo que, mediante Cristo, dá a vida sobrenatural: e assim nos tornemos, junto com a hóstia imaculada, uma vítima agradável a Deus Pai. [5]

Nesse sentido, o respeito às normas litúrgicas não deve ser encarado como uma prisão, mas como autêntica liberdade. As extremidades de um quadro não cerceiam a criatividade de um pintor; pelo contrário, são elas que garantem a existência e aplicabilidade de sua arte. Mutatis mutandis, as rubricas do missal nada mais são do que as extremidades do quadro litúrgico de Deus, a fim de que o homem possa adorá-Lo "em espírito e em verdade" (Cfr. Jo 4, 23). A missa não consiste "em criar um pequeno mundo alternativo por conta própria"[6]. Isso significaria "o abandono do Deus verdadeiro, disfarçado debaixo de um tampo sacro"[7]. A Missa é o memorial da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. "E, a fim de que esta memória não tivesse nenhuma narrativa confusa por parte dos homens" – recorda-nos o venerável Fulton Sheen –, "Ele mesmo instituiu a maneira correta de recordá-la"[8].

Resumidamente, como disserta a instrução do Papa João Paulo II, trata-se do sacramento de nossa redenção.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O verdadeiro nome do Brasil
Espiritualidade

O verdadeiro nome do Brasil

O verdadeiro nome do Brasil

Por que vai mal o Brasil? Porque nos esquecemos de nosso primeiro nome e, consequentemente, de nossa vocação. Somos Terra de Santa Cruz.

Equipe Christo Nihil Praeponere23 de Outubro de 2018
imprimir

Por que vai mal o Brasil? Poderíamos responder essa pergunta de várias formas e a partir de vários pontos de vista. Mas, nesta breve matéria — com a qual queremos que você, brasileiro, tome consciência da altíssima vocação a que fomos chamados — procuraremos olhar para simplesmente para a história de nosso descobrimento, a partir de um breve relato, do Frei Vicente do Salvador, em sua obra “História do Brasil”, de 1627:

O dia em que o capitão-mor Pedro Álvares Cabral levantou a cruz […] era 3 de maio, quando se celebra a invenção da Santa Cruz, em que Cristo Nosso Redentor morreu por nós, e por esta causa pôs nome à terra que havia descoberto de Santa Cruz, e por este nome foi conhecida muitos anos. Porém, como o demônio com o sinal da cruz perdeu todo o domínio que tinha sobre os homens, receando perder também o muito que tinha sobre os desta terra, trabalhou para que se esquecesse o primeiro nome e lhe ficasse o de Brasil, por causa de um pau assim chamado, de cor abrasada e vermelha e com que se tingem panos, ao invés do daquele divino pau, que deu tinta e virtude a todos os sacramentos da Igreja, e sobre o qual ela foi edificada e ficou tão firme e bem fundada, como sabemos.

Talvez por isso, ainda que ao nome de Brasil tenham ajuntado o de estado, e lhe chamaram estado do Brasil, ficou ele tão pouco estável que, não havendo ainda hoje, quando isto escrevo, 100 anos que se começou a povoar, alguns lugares já vão se despovoando e, mesmo sendo a terra tão grande e fértil, […] nem por isso vai em aumento, antes em diminuição.

Disto dão alguns a culpa aos reis de Portugal, outros aos povoadores. Aos reis, pelo pouco caso que haviam feito deste tão grande estado, que nem o título quiseram dele, pois, intitulando-se senhores da Guiné, por uma caravelinha que lá vai, e vem — como disse o Rei do Congo —, do Brasil não se quiseram intitular; nem depois da morte do rei D. João III, que o mandou povoar e soube estimá-lo, houve outro que dele curasse, senão para colher suas rendas e direitos. Deste mesmo modo se portaram os povoadores, os quais, por mais arraigados que na terra estivessem, e mais ricos que fossem, tudo pretendiam levar a Portugal […]. Porque tudo querem para lá, e isso não têm só os que de lá vieram, mas ainda os que aqui nasceram: uns e outros usam da terra, não como senhores, mas como usufrutuários, só para a desfrutarem e a deixarem destruída.

Donde nasce também que nenhum homem nesta terra é repúblico, nem zela, ou trata do bem comum, senão cada um do bem particular […]. Nesta terra andam as coisas trocadas, porque toda ela não é república, sendo-o cada casa; e assim é, que estando as casas dos ricos — ainda que seja a custa alheia, pois muitos devem quanto têm — providas de todo o necessário, porque têm escravos, pescadores, caçadores, que lhes trazem a carne e o peixe, pipas de vinho e de azeite […], nas vilas muitas vezes não se acha isto à venda. Pois o que é fontes, pontes, caminhos e outras coisas públicas é uma piedade, porque, atendo-se uns aos outros, nenhum as faz, ainda que bebam água suja, e se molhem ao passar dos rios, ou se orvalhem pelos caminhos, e tudo isto vem de não tratarem do que há de ficar aqui, senão do que hão de levar para o reino.

Estas são as razões por que, como muitos dizem, não permanece o Brasil nem vai em crescimento; e a estas se pode ajuntar a que atrás tocamos de lhe haverem chamado estado do Brasil, tirando-lhe o de Santa Cruz, com que pudera ser estado, e ter estabilidade e firmeza.

Note-se que o relato acima, ao mesmo tempo em que destaca a vocação a que fomos chamados, não deixa de expor os problemas humanos que desde o princípio impedem o crescimento de nossa nação. O autor culpa portugueses e nativos de usarem a terra “só para a desfrutarem e a deixarem destruída”. Ela, “mesmo sendo tão grande e fértil”, dom natural de Deus, é assolada pela corrupção dos homens, dos quais nenhum “zela ou trata do bem comum, senão cada um do bem particular”. Examine cada brasileiro se não é exatamente o que se passa em nossos dias…

Mas o autor do texto em questão vai além. Sua análise tem como princípio e fim uma dimensão religiosa: a razão por que não temos “estabilidade e firmeza” é que trocamos o nome de Santa Cruz pelo de Brasil. Pode parecer ousada a afirmação do frade, especialmente em nosso tempo, em que os nomes parecem uma coisa meramente técnica, que em nada influencia a essência das coisas. Mas a verdade é que a opção de substituir um pau pelo outro — o madeiro da cruz de Cristo por um pau-brasil — indica a atitude equivocada que muitos de nós mantemos com relação a nosso país. Os brasileiros tendemos a nos orgulhar dos aspectos meramente naturais de nossa terra, mas nos esquecemos que o motivo de verdadeira glória de um povo reside na sua virtude.

Não foi irrelevante a troca do nome. Trata-se da identidade de nossa nação. E a mudança nos acusa: preferimos nos vangloriar a gloriar-nos no que realmente importa. Essa postura se reflete, infelizmente, em nossa cultura, no modo como lemos nossa própria história — desprezando muitas vezes Portugal e o Evangelho que com ele chegou ao Brasil —, e pode até degringolar em um patriotismo “baixo” e vulgar — que nos retrata como o “país do carnaval”, da sensualidade e de um malfadado “jeitinho”, que tudo aceita, acomoda e tolera.

Diante de tudo isso, seria preciso exclamar: oxalá tivéssemos abandonado a Santa Cruz só no nome! Infelizmente, nossa herança cristã em muitos lugares se perdeu e, onde ainda vive, encontra-se sob terrível ameaça. Hoje também, mais do que no início de nossa história, o demônio trabalha para que nos esqueçamos de quem somos, para que apaguemos de nossa memória a vocação que desde o início nos foi dada por Deus e, assim, à deriva, sejamos presas fáceis do pecado e das ideologias do mundo.

Lutemos contra esse “Alzheimer” cultural e finquemos a Santa Cruz bem forte em nossos corações, nos corações de nossos familiares e nos lares onde crescerão nossos filhos. De nada adiantará sermos dotados de uma “terra tão grande e fértil”, de nada adiantará nossos bosques terem mais flores, se não procurarmos honrar a Deus com nossa vida, se não for a nossa alma o primeiro jardim onde habita a Santíssima Trindade. Recordemos a finalidade sobrenatural de nossa colonização e correspondamos a ela. Disso depende a “estabilidade e firmeza” de nossa pátria.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Rezar de manhã, segredo para o sucesso
Espiritualidade

Rezar de manhã,
segredo para o sucesso

Rezar de manhã, segredo para o sucesso

Você já teve a experiência de um dia que parece simplesmente não dar certo? Quando um monte de coisas se acumulam e você não consegue fazer nada? Talvez esteja faltando alguma coisa…

Peter Kwasniewski,  LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere22 de Outubro de 2018
imprimir

Você já teve a experiência de um dia que parece simplesmente não dar certo? Quando um monte de coisas se acumulam e você não consegue fazer nada? Em que você percebe, lá no fundo, um sentimento de frustração, falta de foco e descontentamento com tudo e com todos?

Sim, todos nós já passamos por isso.

Não estou querendo dizer que seja esta a única explicação, ou a que melhor se encaixe na situação de todas as pessoas, mas, pelo menos falando por mim mesmo, tenho notado que todos os dias que não começam com um tempo de oração e recolhimento sempre “vão mal” dessa forma. Por outro lado, quando eu me levanto mais cedo e reservo um tempo para as Escrituras e alguma hora do Ofício Divino, o resto do dia pode até se mostrar difícil, mas as coisas nunca saem do controle, nem parecem “impossíveis” de resolver.

Santo Tomás de Aquino gostava de dizer que “o último na execução é o primeiro na intenção”. Ou, como os antigos colocavam de forma ainda mais sucinta: Respice finem, isto é, “Tenha diante dos olhos a finalidade das coisas”. O que esse axioma quer nos dizer é que, independentemente do que em última análise queiramos alcançar, essa coisa precisa ser a primeira que tencionamos e a primeira sobre a qual pensamos, a fim de que o poder dessa intenção nos conduza ao longo dos passos intermediários que tantas vezes separam onde estamos agora do lugar aonde esperamos chegar.

O fim da vida humana como um todo é a visão face a face de Deus no céu, na companhia de seus anjos e santos. Para alcançar esse fim, teremos de ordenar, harmonizar e integrar incontáveis passos intermediários desde este momento até nosso último suspiro. Nesse processo, nós precisamos não somente da graça de Deus (que é o primeiro requisito!), mas também de uma busca consciente desse fim, e de uma maneira constante, a fim de que nossas ações diárias sejam coerentes e tenham sentido. Dizendo de modo simples: nós só conseguiremos “dar sentido à bagunça” em que tantas vezes está metida nossa vida quando começarmos a ver as coisas sub specie aeternitatis — à luz da eternidade, de nosso destino final.

São estas as vantagens, portanto, de se começar o dia com oração: ela efetivamente predispõe o que quer que venha a acontecer naquele dia em ordem a uma finalidade; coloca-nos na presença de Deus, que está no comando de tudo; e faz com que peçamos a sua graça, para continuarmos associando a Ele — fonte imutável de vida — o fluxo interminável de acontecimentos do dia, inclusive os sofrimentos que virão.

Deus, nosso fim último, é alcançado por meio da oração. Por meio dela, através de sua graça, nós entramos mais profundamente no mistério do amor sacrificial que Ele derrama em nós no Batismo e em todos os outros sacramentos. Sem oração, nós até podemos (por um tempo e em algum grau) “ter” essa união com a Santíssima Trindade objetivamente, mas ela não seria o lugar onde nós vivemos, a atmosfera onde respiram nossos pensamentos e desejos. Quando entramos conscientemente nessa união, nós “arrancamos” de Deus, para quem nada é impossível, a força para levar a cabo todo trabalho que Ele nos pedir naquele dia.

Nem sempre é possível fazer muitas coisas, mas nós precisamos tentar fazer o “único necessário”, isto é, sentar-se aos pés de Nosso Senhor e mergulhar em suas palavras, em sua presença, ao despertar de todo e cada dia.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

A Revolução Sexual e suas mentiras
Sociedade

A Revolução Sexual e suas mentiras

A Revolução Sexual e suas mentiras

A história ensinada em praticamente todas nossas instituições públicas não passa, na verdade, de uma ideologia. Os adeptos da revolução não “jogaram o livro” fora; eles reescreveram-no, porque é isso o que eles sempre fazem.

Jonathon van Maren,  LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Outubro de 2018
imprimir

“O modo mais eficaz de destruir as pessoas”, notou certa vez George Orwell, “é negando e apagando-lhes da memória o próprio entendimento que elas têm da sua história”. Na cultura atual, o próprio conhecimento da história será em pouco tempo coisa do passado.

Apresentadores de programas noturnos às vezes fazem comédia desse crescente “Alzheimer” cultural perguntando a pessoas nas ruas questões banais como: “Quem foram os Aliados na Segunda Guerra Mundial?”, e recebendo respostas vergonhosas. Mas há um lado notadamente menos engraçado do nosso esquecimento. Nós estamos correndo o grande risco, como diz o velho ditado, não apenas de repetir a história por nos termos esquecido dela, mas de repeti-la sem sequer estarmos cientes disso.

Foi esse ponto que o experiente jornalista e autor canadense Ted Byfield fez questão de enfatizar mais de uma vez quando conversamos algum tempo atrás. “Nós estamos abandonando rápido muitos dos princípios sociais e morais fundamentais sobre os quais nossa civilização se encontra fundada”, disse ele. “Estamos cortando apaixonadamente o galho em que nos sentamos… Muito poucas pessoas, instruídas ou não, sabem de onde vieram esses princípios, e como viemos a abraçá-los. Ignoramos nossa herança e história, e isso é muito perigoso.”

Ted Byfiel está certo. Quando há vários anos eu comecei a pesquisar sobre a história da sociedade ocidental, fiquei muito surpreso com o simples fato de que muitas coisas que eu havia aprendido — ou pelo menos tinha sido levado a acreditar — não eram verdade. Se há muitos professores universitários generosos e eruditos, alguns dos quais tive o privilégio de conhecer, há também muitos hippies senis que trocaram suas comunas por uma forma mais fértil de disseminar a própria ideologia: a academia. Em auditórios diante de milhares de estudantes, eles vendem sua própria versão de como a história se desenrolou, deixando a maioria de nós completamente ignorante de como as coisas realmente aconteceram.

Desde que finalizei minha graduação em história, tenho percebido com frequência uma ironia: muitos pais cristãos lutam contra as influências da cultura a fim de inculcar em seus filhos os valores tradicionais e uma visão de mundo cristã, para depois bancar-lhes os estudos universitários e dar à faculdade quatro anos para convencer seus filhos a abandonarem essa visão de mundo.

Alfred Kinsey, uma fraude ainda celebrada nas universidades.

Eu aprendi, por exemplo, no primeiro ano de história, que não houve Revolução Sexual coisíssima nenhuma, porque os infames relatórios de Alfred Kinsey em 1950 haviam “revelado” que norte-americanos de todas as classes sociais já estavam praticando todo tipo imaginável de ato sexual. Praticamente ninguém era fiel a seu cônjuge, relações homossexuais eram comuns e até a bestialidade era supostamente frequente.

Essa ainda é a história que vem sendo ensinada sem questionamento — mesmo que os relatórios Kinsey tenham sido desbancados, e ele mesmo tenha sido desacreditado por inúmeras culpas, desde ter permitido atos horríveis de pedofilia para chegar a seus dados até tê-los distorcido de propósito para contestar a ética sexual cristã. Aqueles, porém, que ainda se dedicam de coração a celebrar a velha e doentia Revolução de 60 muito têm a perder com a divulgação desse conjunto perturbador de fatos históricos.

O mesmo se deu com a antropóloga Margaret Mead e seu famoso livro Coming of Age in Samoa (“Adolescência, sexo e cultura em Samoa”), de 1928 — uma obra que estourou na consciência ocidental “revelando” que outras culturas rejeitavam códigos tradicionais de comportamento sexual e estavam prosperando em consequência disso.

Depois de ter sido o livro de antropologia mais famoso já escrito (leitura obrigatória nas universidades de todo o mundo ocidental), mais tarde ficou provado que suas pesquisas foram mal conduzidas e eram até mesmo fraudulentas. De fato, as fontes de Margaret Mead revelaram a um professor que acompanhou suas teses anos depois que suas excitantes histórias haviam sido apenas uma piada. Ainda assim, você não verá a obra da antropóloga ser examinada criticamente na maior parte das universidades — ainda que seja ela a sustentar grande parte das atitudes de nossa sociedade em relação à chamada liberação sexual.

Dr. Bernard Nathanson, médico aborteiro que se converteu à causa pró-vida.

A rede de fraudes continuou com o aborto. O Dr. Bernard Nathanson — médico que ajudou a fundar (com líderes feministas eminentes, como Betty Friedan) a NARAL, uma associação para repelir leis contrárias ao aborto — foi uma voz fundamental para promover a maior clínica de abortos do mundo, no estado de Nova Iorque. Depois de se tornar pró-vida, como resultado de estudos avançados feitos na área da embriologia, ele revelou em uma série de memórias que o número de abortos clandestinos usado pela NARAL e o movimento abortista para defender a legalização da prática era inventado.

A informação é corroborada pelo fato de nenhuma fonte histórica confiável fornecer qualquer evidência dos números impressionantes de abortos ilegais que o establishment pró-aborto diz acontecerem nos Estados Unidos até hoje. Existem ainda dezenas de pessoas nos campi usando o argumento de que o aborto não diminui quando se torna ilegal. E por quê? Porque eles nunca aprenderam história alguma de fato, apenas a narrativa fictícia criada para o consumo público.

Esses são apenas três exemplos alarmantes de centenas que poderiam ser dadas. Nossas elites culturais — a mídia, o cinema, a academia e até muitos do establishment político — estão envolvidas demais no terrível experimento que foi a Revolução Sexual para examinar honestamente a sua história ou os seus trágicos resultados. Nossa história não é nossa. A história ensinada em praticamente todas as nossas instituições públicas não passa, na verdade, de uma ideologia.

Os revolucionários sexuais não “jogaram o livro” fora; eles reescreveram-no, porque é isso o que revolucionários sempre fazem. Isso chamou minha atenção em particular há alguns meses durante uma viagem à China. Nossa guia turística, Anna, levava a mim e a um amigo meu da Cidade Proibida, passando pela Praça de Tiananmen, até o Mausoléu de Mao Tsé-Tung, onde o falecido ditador ainda repousa em um caixão de vidro. Depois de escutá-la exaltando por horas o ditador, perguntei-lhe como era possível que ela acreditasse que Mao havia sido bom para a China quando, segundo algumas estimativas, ele foi responsável pela morte de quase 70 milhões de pessoas. Primeiro ela se irritou e depois ficou agitada. Informou-me que Mao havia sido um “grande líder” e concluiu nossa discussão anunciando que “negar Mao seria como negar o Partido Comunista”! E, com isso, a verdade histórica foi facilmente descartada por obrigação ideológica.

A fim de entender a insanidade sexual e a carnificina que tomaram conta de nossa cultura em praticamente todas as frentes, é preciso devolver à história o seu lugar de honra. Nós temos de analisar honestamente e entender como chegamos a esse ponto. Sem isso, sequer começaremos a tomar consciência do que nos cabe fazer. Precisamos armar nossos filhos e as futuras gerações com a verdade do que realmente aconteceu na história, e com o porquê de nós acreditarmos no que acreditamos.

É precisamente isso o que me disse Ted Byfield, agora em seus 80 anos, quando lhe perguntei o que os mais jovens poderiam fazer para começar um processo de renovação cultural. Ler história com urgência, disse-me. As pessoas ficarão impressionadas quando descobrirem o que realmente aconteceu — “elas ficarão surpresas com as coisas completamente sem sentido que fizemos no século passado; o que precisa ser enfatizado em nossa geração é a descoberta do que aconteceu; em outras palavras, é preciso entrar em contato com a história.”

À medida que as pessoas fizerem isso, finalmente as coisas começarão a fazer mais sentido.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Os filhos abortados do rock n’roll
Sociedade

Os filhos abortados do rock n’roll

Os filhos abortados do rock n’roll

Eles se devotaram a pregar e viver sob o lema “sexo, drogas e rock n’roll”. Mas quase ninguém fala do que acontecia na manhã seguinte, quando era hora de arcar com as consequências dos próprios atos.

Jonathon van Maren,  LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere18 de Outubro de 2018
imprimir

Há uma tragédia que acontece unicamente com o aborto. Trata-se de um procedimento que cruelmente dá fim à vida de um pequeno bebê, mas cuja feiúra quase nunca se dá a olhos vistos. A criança fica viva por apenas alguns instantes, mas frequentemente deixa um vazio enorme, que invade as profundezas dos que descartaram a vida daquele pequenino para o outro mundo. Sua ausência deixa perguntas impossíveis de ser respondidas: “Quem eu seria? Quanto você teria me amado? Quem eu poderia ter sido para você?”

Essas questões deixaram marcas na literatura norte-americana, permearam as canções de artistas angustiados, e a grande lacuna do que poderiam ter sido essas crianças tornou-se praticamente onipresente na arte dos cantores e escritores de nossos tempos rebeldes. Em poucos lugares isso é tão verdadeiro quanto nas biografias dos cantores responsáveis pela trilha sonora das assombrosas mudanças sociais do último século, aqueles que proclamaram sua fé na tríade “sexo, drogas e rock n’roll.

As estrelas do rock, que caíram nas graças de milhões de fãs apaixonados, tiveram de pagar um preço por suas tentativas de viver uma “eterna juventude” — ainda que, na maior parte das vezes, tenham sido suas mulheres e filhos as maiores vítimas de suas irresponsabilidades.

Elvis Presley.

Joyce Bova abortou um filho de Elvis Presley sem lhe contar nada — à época, ele ainda estava casado com Priscilla, a quem o astro abandonou depois de ela dar à luz sua única filha viva até hoje. Elvis tinha uma política pessoal hedionda de descartar mulheres se elas engravidassem.

O filho de Bob Dylan com Suze Rotolo foi abortado em 1963, e o evento trágico foi um catalisador para o fim do relacionamento dos dois, um ano depois.

Eric Clapton supostamente teria forçado sua namorada Lory Del Santo a abortar o único filho dos dois, Conor, e embora ela tenha se recusado a fazê-lo, o garotinho morreu com quatro anos, depois de despencar de um arranha-céus em Nova Iorque.

Não surpreende que os abortos estivessem em alta demanda entre os altaneiros canarinhos dos anos 60 que cruzavam continentes, cantando odes à liberdade pessoal pela qual alguém, em algum lugar, teria de pagar.

Janis Joplin passou por um aborto mal feito em Tijuana, no México, mas ainda assim decidiu tornar-se, depois, benfeitora da mesma clínica ilegal.

Suzi Quatro, uma das poucas artistas femininas de sucesso prolongado no rock, era constantemente torturada pelo aborto que fizera depois de engravidar de um executivo musical casado. Apesar de sua carreira, ela não conseguia escapar da consciência de suas raízes ítalo-católicas, e o bebê espreitava as arestas de seus pensamentos por décadas. “Aquilo nunca foi embora”, ela observava com tristeza. “Quando meus dois filhos nasceram, eu não conseguia tirar da minha cabeça quem aquele primeiro bebê poderia ter se tornado. Ele ou ela teria 46 anos agora. Qualquer mulher que tenha passado por um aborto e diga a você que não foi nada, está mentindo.”

A ética pró-vida de imigrantes católico-italianos nem sempre conseguiu segurar a todos, infelizmente. A mãe de Frank Sinatra, por exemplo, trabalhou como parteira e fornecia abortos clandestinos “seguros” para mulheres em Hoboken, Nova Jersey. Ela ganhou um registro criminal por seus esforços, tendo sido presa pelo menos duas vezes por cometer abortos ilícitos. Depois, pelo menos dois de seus netos também morreriam nas mãos de aborteiras — Ava Gardner provocou dois abortos ao longo de seu casamento com Frank Sinatra. O casamento dos dois era tumultuado, repleto de ciúmes e explosões de raiva, e Ava diria depois que não queria trazer filhos para a instabilidade do relacionamento que tinham os dois. O cantor teria ficado de coração partido ao descobrir os filhos que ele nunca chegou a conhecer.

Mesmo antes da era “sexo, drogas e rock n’roll”, o aborto era uma prática comum entre as estrelas musicais norte-americanas.

Ray Charles.

Uma amante da lenda dos R&B, o cego Ray Charles, revelou ter abortado um filho dos dois depois de um caso, quando ele ainda era casado com Della Robinson. Mas a amante nunca contou isso ao astro.

Inúmeros biógrafos apontam que a infertilidade da lenda do jazz Ella Fitzgerald era certamente devido a um aborto no passado.

A cantora do mesmo gênero Billie Holiday contou a um escritor de um aborto caseiro agonizante que ela foi obrigada por sua mãe a fazer ainda jovem.

A atriz Judy Garland foi forçada a realizar um aborto por um estúdio de cinema, pois, eles diziam, a maternidade arruinaria o aspecto doce e inocente que lhe tinha feito render tanto dinheiro.

Quando Tina Turner descobriu que seu abusivo marido Ike havia engravidado uma amante ao mesmo tempo que a ela… a cantora abortou o próprio filho.

Em meio aos jogos sujos de infidelidade que aconteciam nas elites musicais, eram seus filhos que “pagavam o pato”. Audrey Mae Sheppard, a primeira esposa da lenda do country Hank Williams, começou sua própria série de affairs para competir com as infidelidades do marido. Quando ficou grávida em 1950 — ninguém sabia se o filho era de Hank ou não —, ela teve um aborto ilegal em casa, e acabou parando em um hospital com uma infecção. Hank apareceu com presentes e tentou cobri-la de afeto, ao que ela respondeu com xingamentos, acusando-o de tê-la feito passar por aquela situação e rompendo com ele. Pouco tempo depois, Hank Williams escreveu uma música sobre tudo isso e intitulou-a Cold, cold heart (“Coração gelado”). O cantor morreu três anos depois com apenas 29 anos.

Patsy Cline, outra lenda country de curta duração, que morreu aos 30 em um trágico acidente de avião, também teve um aborto.

Steven Tyler e Julia Holcomb.

Como sempre, o aborto traz consigo o remorso e a dor pelos filhos ausentes e mudos, descartados antes que fosse possível descobrir quem eles realmente seriam.

Julia Holcomb, a jovem tiete que conheceu Steven Tyler, da banda “Aerosmith”, nos bastidores de um show de rock, embarcou em um vicioso relacionamento de três anos com o cantor. O caso dos dois quase virou casamento, mas terminou com o aborto do filho que eles conceberam juntos. Foi o amigo de Steven, Ray Tabano, que o convenceu em 1975 que um aborto era a única solução, e a experiência marcou-o permanentemente. “Foi uma grande crise”, escreveu o vocalista em sua autobiografia. “Convenceram-nos de que aquilo jamais daria certo, que iria arruinar nossas vidas.”

Mais tarde, seria do aborto, e não do filho, que o casal se arrependeria. Steven Tyler descreveu com horror o ato de ter visto o aborto acontecer. O bebê já estava com cinco meses. “Você vai ao médico, eles colocam a agulha na barriga dela, apertam aquele negócio (injeção salina) e você assiste. E a criança sai morta. Eu fiquei bem devastado. Na minha mente eu dizia: o que foi que eu fiz?” Julia depois escreveu que o bebê nasceu vivo e foi deixado para morrer.

Ray Tabano, o amigo que havia convencido Steven de que o aborto era a coisa certa a se fazer, admitiu que o impacto de tudo não foi como ele previra. “Eles tiveram um aborto e isso realmente deixou Steven perturbado”, contou o amigo. “Ele viu tudo acontecer e isso o perturbou por muito tempo.” Julia Holcomb se mudou com seus pais dois anos depois, e nunca mais falou com Steven. Ela agora é casada, tem seis filhos e é uma sólida defensora da causa pró-vida.

Testemunhar com os próprios olhos o que o aborto faz na realidade, como aconteceu com Steven Tyler, pode resultar, em muitos casos, numa incredulidade repulsiva. O grupo “Sex Pistols” chegou a gravar uma música aterrorizante sobre o aborto, baseada em uma fã que os acompanhava e havia realizado vários abortos. Diz uma das histórias que a mulher foi à porta da casa de John Lydon, vocalista da banda, segurando um bebê abortado dentro de um saco plástico transparente — em sua autobiografia, ele descreve a mulher, chamada Pauline, contando-lhe os abortos por que passou em todos os seus excruciantes detalhes.

O cantor satânico Marilyn Manson, por outro lado, que procurou transformar toda a sua vida em uma obra de arte que celebrasse a morte, descreveu o aborto de seu filho com tranquilidade e até com prazer em um de seus livros:

Os médicos introduziram na cérvix de Missi (Melissa Romero, namorada do cantor na década de 90) uma haste do tamanho de um palito de fósforo, com dois pequenos filamentos saindo para fora na parte de cima, dilatando o colo antes de arrancar o cérebro de nosso filho com um fórceps.

O perverso ato de Manson de celebrar a decapitação do próprio filho não é a norma. Ainda que as estrelas do mundo da música sejam em grande parte favoráveis ao aborto, suas biografias revelam com clareza o dano causado pela prática. Sharon, esposa de Ozzy Osbourne e que teve um aborto aos 17 anos, conta:

Foi a pior coisa que eu já fiz… Eu fui sozinha. Estava aterrorizada. O lugar estava cheio de outras jovens mulheres, e todas nós estávamos aterrorizadas, olhando umas para as outras, e ninguém era capaz de dizer uma palavra sequer. Eu gritava o tempo todo, e foi horrível. Eu não recomendaria isso jamais, a ninguém, porque é algo que volta para te assombrar. Quando tentei ter filhos, perdi três — acho que porque algo aconteceu com o colo do meu útero durante o aborto.

Até mesmo o rapper Eminem, conhecido por suas letras de música brutais e assassinas, compôs uma música que assumiu a forma de uma confissão detalhada de um aborto e do mal que havia sido feito a um “pequenino”.

Os exemplos são infindáveis. Anita Pallenberg foi forçada a fazer um aborto por seu namorado, Keith Richards, dos “Rolling Stones”, para que ela pudesse estrelar em um filme no qual eles estavam trabalhando. A cantora Sinitta Malone já falou de um aborto terrível que ela teve nos anos 80 depois de conceber um filho com o magnata da música Simon Cowell — aborto que, ela conta, deixou ambos “devastados”.

Mesmo Madonna, uma apoiadora clamorosa do aborto, admite ter se arrependido do aborto por que passou quando sua carreira estava começando. “Você sempre se arrepende quando toma esse tipo de decisão”, ela contou à revista “Time” em 1996, “mas você precisa olhar para o seu estilo de vida e se perguntar: ‘Será que eu estou numa posição da minha vida em que eu posso devotar tempo para ser realmente o bom pai e a boa mãe que eu gostaria de ser?’”

A declaração de Madonna resume com franqueza a situação. Ainda que muitos cantores e estrelas do rock se arrependam dos abortos que praticaram, causaram ou financiaram, seus estilos de vida normalmente eram (e ainda são) incompatíveis com filhos. A verdade nua e crua é que promiscuidade geralmente acaba em gravidez, e bebês são um fardo para os que se gabam das alegrias da Revolução Sexual em seus microfones, diante de multidões barulhentas, pulando, repletas de jovens com os hormônios à flor da pele e querendo se divertir.

“Sexo, drogas e rock n’roll” — mas ninguém fala do que acontece na manhã seguinte, quando é hora de pagar o preço do que se fez. A ressaca bate, o traficante quer seu dinheiro e o teste de gravidez dá positivo. O que acontece em seguida? Como os bebês esquartejados do cenário musical norte-americano nos falam sem dizer nada, o aborto vem depois — e as crianças são reduzidas a uma mera “sujeira de sangue”. As músicas então dão lugar ao silêncio, e o vazio da perda é avassalador o bastante para engolir vidas inteiras.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.