| Categorias: Igreja Católica, Espiritualidade

Qual a sua desculpa para não ir à Missa?

Quando uma pessoa falta à Missa para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extras ou para participar de um evento social, não é preciso muito para perceber o lugar que Deus ocupa na sua vida.

P.: Visitei os meus parentes na última Páscoa e, infelizmente, eles não foram à Missa. Quando saí para participar, lembrei a eles que faltar à Missa era pecado mortal, ao que eles responderam:

"Isso foi muito tempo atrás... Faltar à Missa não é mais pecado mortal."

O que devo dizer para eles? Preciso de munição.

R.: Mais do que abordar essa questão sob o ângulo do pecado, é preciso trazer à mente qual a importância da Missa. A cada domingo, nós nos reunimos como Igreja, com os corações repletos de alegria, para prestar a Deus o nosso culto de adoração. Mais uma vez, recordamos e professamos a nossa fé no mistério da salvação: Jesus Cristo, o Filho de Deus, sofreu, morreu e ressuscitou para a nossa redenção. As ações salvíficas da Quinta-feira, Sexta-feira e Sábado Santos estão todas reunidas no Santo Sacrifício da Missa. A Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium afirma que "a Liturgia, pela qual, especialmente no sacrifício eucarístico, se opera o fruto da nossa Redenção, contribui em sumo grau para que os fiéis exprimam na vida e manifestem aos outros o mistério de Cristo e a autêntica natureza da verdadeira Igreja" (n. 2).

Mais do que isso, na Missa, cada fiel católico é alimentado com abundantes graças: primeiro, somos nutridos com a Palavra de Deus – a verdade eterna de Deus que nos foi revelada e escrita sob a inspiração do Espírito Santo. Depois, damos a nossa resposta a Ele, professando a nossa santa fé católica, tal como apresentada no Credo, dizendo não simplesmente "Eu acredito", como uma pessoa só, mas "Nós acreditamos", como parte da Igreja.

Então, se estamos em estado de graça, temos a oportunidade de receber Nosso Senhor na Eucaristia. Nós firmemente acreditamos que Ele está verdadeiramente presente nesse sacramento, e que nós recebemos Seu corpo, sangue, alma e divindade na Sagrada Comunhão. A Eucaristia não só nos une intimamente ao Senhor, mas nos une em comunhão aos nossos irmãos e irmãs de toda a Igreja universal. A Santa Eucaristia é um dom muito precioso! Em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, o Papa São João Paulo II sublinha que "esta eficácia peculiar que tem a Eucaristia para promover a comunhão é um dos motivos da importância da Missa dominical". Ali "é o lugar privilegiado, onde a comunhão é constantemente anunciada e fomentada. Precisamente através da participação eucarística, o dia do Senhor torna-se também o dia da Igreja, a qual poderá assim desempenhar de modo eficaz a sua missão de sacramento de unidade" (n. 41).

Com isso em mente, ninguém deveria simplesmente pensar em assistir à Santa Missa para satisfazer uma obrigação. Participar na celebração eucarística é um privilégio e todo fiel católico deveria desejar ardentemente fazê-lo. Nossa atitude não deve ser, "Eu tenho que ir à Missa", mas sim, "Eu quero fazer isso".

Justamente porque nos oferece dons tão preciosos, nos alimenta com tão grandes graças e nos une como Igreja, nós também temos o dever sagrado de participar na Santa Missa. O terceiro mandamento do Decálogo manda "santificar o dia do sábado" (Ex 20, 8). Para o povo judeu, no Antigo Testamento, o sábado marcava o "dia de descanso" após a Criação. Nós, cristãos, sempre guardamos o domingo, dia da Ressurreição do Senhor. Assim como a Criação se inicia no primeiro dia da semana, com Deus dizendo, "Faça-se a luz" (Gn 1, 3), Nosso Senhor, a Luz que veio para destruir a escuridão do pecado e da morte, ressuscitou dos mortos naquele primeiro dia inaugurando a Nova Criação.

Considerando a grandeza da Missa, bem como o Antigo Testamento, que foi devidamente aperfeiçoado pela Igreja, o Código de Direito Canônico prescreve: "O domingo, em que se celebra o mistério pascal, por tradição apostólica, deve guardar-se como dia festivo de preceito em toda a Igreja" (n. 1246). Mais do que isso, "no domingo e nos outros dias festivos de preceito os fiéis têm obrigação de participar na Missa" (n. 1247). Também o Catecismo ensina que "os que deliberadamente faltam a esta obrigação cometem um pecado grave" (n. 2181) — e pecado grave é, de fato, pecado mortal. O Papa João Paulo II repetiu esse preceito em sua carta apostólica Dies Domini, n. 47, e de novo em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, n. 41: "Participar na Missa é uma obrigação dos fiéis, a não ser que tenham um impedimento grave".

Podem surgir certas circunstâncias, é claro, que escusem de assistir à Missa, como quando uma pessoa está doente, tem que lidar com uma emergência, ou não consegue encontrar uma Missa sem grande sobrecarga. Um pastor também pode dispensar uma pessoa da obrigação de assistir à Missa por uma razão grave. Ninguém, por exemplo, muito menos Nosso Senhor, espera que uma pessoa vá à Missa estando tão enferma a ponto de não poder participar fisicamente nela ou de pôr em risco a saúde dos outros; não há virtude alguma em arriscar a própria saúde e ainda por cima infectar a todos na igreja. Ou, no caso de uma tempestade muito forte, uma pessoa deve julgar com prudência se consegue viajar em segurança para assistir à Missa sem que arrisque seriamente a própria vida e a das outras pessoas. Quando surgem circunstâncias graves que impedem uma pessoa de assistir à Missa, ela deve reservar um tempo para rezar, fazer as orações, leituras da liturgia e, pelo menos, participar em espírito — mantendo em mente que, quando circunstâncias graves surgem, uma pessoa não comete pecado mortal por faltar à Missa.

Ao examinar essa questão, contudo, uma pessoa deve refletir realmente no valor e na grandeza da Missa e do sacramento da Eucaristia. Todos os dias, fiéis católicos na República Popular da China arriscam não só oportunidades educacionais e econômicas, mas também as suas próprias vidas, só para assistir à Santa Missa. Em territórios de missão, pessoas viajam vários quilômetros só para participar da Eucaristia. Um missionário africano contou-me que alguns dos seus fiéis caminham 16 quilômetros para vir à Missa aos domingos, e então têm que andar mais 10 milhas de volta. Eles se arriscam e se sacrificam porque realmente acreditam na Missa e na presença do Senhor na Eucaristia.

Quando uma pessoa negligentemente "falta à Missa" só para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extra, para participar de um evento social, ou para não interromper as suas férias, ela está permitindo que alguma coisa tome o lugar de Deus, que algo se torne mais importante que a Santa Eucaristia. Infelizmente, conheci famílias que poderiam ir tranquilamente à igreja, mas que escolhiam deliberadamente não participar da Missa. Ironicamente, eles mandavam os seus filhos para uma escola católica. Sim, um comportamento desse tipo indica que uma pessoa voltou as costas ao Senhor e que está cometendo um pecado grave.

Deus deve vir em primeiro lugar nas nossas vidas. No domingo, nosso primeiro dever como católicos é adorar a Deus na Missa e ser alimentado com a Sua graça. A Didascalia Apostolorum, um escrito do terceiro século, exorta: "Deixai tudo no Dia do Senhor e correi diligentemente à assembleia, porque é o vosso louvor a Deus. Caso contrário, que desculpa darão ao Senhor esses que não se reúnem no Seu dia para ouvir a palavra da vida e receber o divino alimento que dura para sempre?" De verdade, que desculpa eles darão?

Por Pe. William Sanders | Tradução: Equipe Christo Nihil Præponere

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.