| Categoria: Virgem Maria

A mensagem de Fátima nos impele

Se três crianças puderam salvar, com suas orações e pequenas penitências, milhares e milhares de almas, o que nós estamos esperando?

Foi em um dia 13 de fevereiro, como este, que faleceu a Irmã Lúcia, vidente de Fátima. Aproveitando esta oportunidade, Padre Paulo Ricardo recorda, nesta homilia especial, a mensagem urgente da bem-aventurada Virgem Maria aos nossos tempos.

O que os apelos de Nossa Senhora em Portugal têm a ver conosco? Se três pobres crianças puderam salvar, com suas orações e pequenas penitências, milhares e milhares de almas, o que nós estamos esperando?

Esta pregação foi proferida na manhã de hoje, na Paróquia Cristo Rei, em Várzea Grande (MT), onde Padre Paulo Ricardo é vigário.

Para fazer download deste áudio, clique aqui.


Hoje não só é dia 13 — o que, por si só, já faria desta uma data apropriada para falar sobre Fátima —, como também, estando em fevereiro, fazemos memória do falecimento da Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Imaculado Coração, uma das três videntes de Nossa Senhora de Fátima. Mesmo que Lúcia seja a única dos pastorinhos ainda não beatificada pela Igreja, se considerarmos a sorte que tiveram os outros dois — os beatos Francisco e Jacinta —, é bem possível que a sua alma também esteja gozando, neste momento, da bem-aventurança eterna, ao lado de Deus, em um lugar de muita honra e distinção.

Ao mesmo tempo, porém, em que elevamos os olhos para o Céu e contemplamos o brilho desses primeiros fiéis devotos da Virgem de Fátima, somos quase que instantaneamente levados a refletir, também, no gênero de vida que tiveram essas crianças; em como se santificaram esses pequeninos, desprezados pelo mundo mas eleitos por Deus e por sua santíssima Mãe. E, se tomamos em mão as famosas Memórias da Irmã Lúcia, descobrimos que uma das coisas que mais impressionaram aqueles servos de Deus, levando-os a uma radical mudança de vida, foi nada menos que a visão do inferno.

Sobre Jacinta se conta, por exemplo, que "a vista do inferno tinha-a horrorizado a tal ponto, que todas as penitências e mortificações lhe pareciam nada, para conseguir livrar de lá algumas almas". Perguntando-se "como é que a Jacinta, tão pequenina, se deixou possuir e compreendeu um tal espírito de mortificação e penitência", a mesma Irmã Lúcia não hesitava em responder: "Parece-me que foi: primeiro, por uma graça especial que Deus, por meio do Imaculado Coração de Maria, lhe quis conceder; segundo, olhando para o inferno e desgraça das almas que aí caem" [1].

Assim, o que para muitos santos adultos só aconteceria depois de anos e anos de muita purificação, sucedeu-se com os pastorinhos de Fátima como num estalo, por assim dizer: recebendo "uma graça especial" de Deus, Lúcia, Francisco e Jacinta ficaram aterrorizados com a danação eterna de tantas pessoas e saíram de seu encontro com a Virgem Maria fortalecidos para a missão. Afinal, Nossa Senhora lhes havia revelado que, rezando muito e fazendo sacrifícios pelos pecadores, seria realmente possível salvar muitas almas do inferno [2].

Movidas por um grande amor, então — aquele mesmo amor de Cristo que nos urge, como diz São Paulo (cf. 2Cor 5, 14) —, os três videntes de Fátima acolheram esperançosos o pedido dos céus: "Quereis oferecer-vos a Deus", perguntava-lhes Nossa Senhora, "para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?", ao que as três crianças lhe respondiam, em uníssono: "Sim, queremos" [3]. Com isso — grande providência divina! —, aquelas crianças não só salvaram numerosíssimas almas da condenação eterna, como elevaram as suas próprias almas a Deus; a mensagem de salvação que a Virgem trazia a Portugal destinava-se, na verdade, ao mundo inteiro, mas também e antes de tudo, àquelas três crianças pastoras.

E se elas, cooperando com a graça do alto, puderam livrar, com as suas orações e pequenas penitências, milhares e milhares de almas do inferno eterno, o que nós estamos esperando? Se três crianças, mal tendo chegado à idade da razão, se deixaram trespassar pela urgência da salvação das almas, o que nós estamos a fazer, lerda e tolamente, quietos e inoperantes? Se três pequenas almas sararam, com seus esforços, tantas almas feridas pelo pecado, o que nós, que fomos ungidos com o sacramento da Confirmação [4] e feitos portanto soldados de Cristo, estamos fazendo de nossa vocação?

Assim, pois, como a mensagem de Fátima impeliu aquelas crianças, assim como o amor de Cristo impulsionava os primeiros cristãos, também nós devemos deixar-nos comover, neste Ano Mariano, pelo apelo da bem-aventurada Virgem Maria. Também a nós ela pergunta, no dia de hoje: "Quereis oferecer-vos a Deus (...), em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?". A resposta a esse chamado a cada um, individualmente, compete. Levantemo-nos de nossa letargia e, revestidos da graça do Senhor, sejamos grandes como foram estes pequenos. Amém.

Referências

  1. Memórias da Irmã Lúcia. 13. ed. Fátima: Secretariado dos Pastorinhos, 2007, pp. 122-123.
  2. Cf. Ibid., p. 92: "Rezai, rezai muito, e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas."
  3. Ibid., p. 82.
  4. As considerações de Santo Tomás de Aquino sobre este sacramento e a oportunidade de ele ser conferido a todos, inclusive as crianças, constam da Suma Teológica, q. 72, a. 8.

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.