CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Afinal, Jesus fundou a Igreja para quê?
Doutrina

Afinal, Jesus fundou a Igreja para quê?

Afinal, Jesus fundou a Igreja para quê?

“Construir um mundo novo”, promovendo assistencialismo, ou salvar as almas, conduzindo-as à santidade? Para que foi instituída a Igreja, dois mil anos atrás, sobre o fundamento dos Apóstolos?

Ignacio Riudor, SJTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere (adaptado)9 de Julho de 2019Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

I. O problema. — A Igreja foi fundada por Cristo sobre os Apóstolos para continuarem a sua missão. E esta preposição para indica um fim, uma finalidade a ser cumprida. Ora, depois de termos estudado a Igreja como sociedade, podemos compreender melhor o fim que lhe assignou o seu divino Fundador. Agora, pois, é chegada a hora de tratarmos a fundo deste problema e dele deduzirmos todas as suas consequências.

II. Classes de fim.1. O fim último da Igreja: a glorificação de Deus. — Sendo a Igreja obra de Cristo, perguntar-se pelo fim da Igreja é o mesmo que perguntar-se para que Jesus Cristo instituiu a Igreja. No nosso modo habitual de agir, os homens costumamos ter uma série de fins subordinados aos quais nos dirigimos. Assim, o carpinteiro trabalha a madeira para construir uma porta ou uma janela; e, em última instância, para ganhar o dinheiro necessário ao seu sustento e ao de sua família. 

Também na Igreja, obra de Jesus Cristo, podemos distinguir um fim imediato e um fim último. O fim último da Igreja, como o de toda a Criação, é a glória de Deus, fim altíssimo que ela realiza ao refletir em si mesma os atributos divinos: o poder, a bondade e a misericórdia de Deus. Este reflexo de Deus na Igreja, que podemos chamar “glória objetiva” de Deus, se manifesta de mil maneiras e, sobretudo, nos sacramentos da Igreja, os quais produzem tanto a destruição do pecado (no Batismo e na Penitência) quanto o aumento da vida sobrenatural (nos chamados “sacramentos dos vivos”, sacramenta vivorum, quer dizer, destinados aos que já estão em estado de graça).

Em segundo lugar, a Igreja dá glória a Deus — glória que podemos chamar “subjetiva” — ao lhe oferecer um sacrifício de louvor e, antes de tudo, por meio do santo sacrifício da Missa, e também em todas as orações e sacrifícios com os quais louvam o nome de Deus os sacerdotes e fiéis da Igreja e lhe oferecem sacrifícios de expiação pelos pecados dos homens.

Evidentemente, não podemos aqui estudar mais a fundo esta primeira classe de fim da Igreja sem, com isso, invadir o campo da teologia dogmática, principalmente a sacramental, sem contar o da ascética e da litúrgica; no entanto, cremos ser necessário fazer ao menos uma rápida alusão a este respeito, porque sem isso a questão da finalidade da Igreja ficaria necessariamente incompleta.

2. Fim imediato da Igreja: a salvação dos homens. — De uma maneira breve e precisa nos diz qual é o fim imediato da Igreja o preâmbulo da constituição dogmática sobre a Igreja do Concílio Vaticano I: “O eterno Pastor e guardião das nossas almas (cf. 1Pd 2, 25), querendo perpetuar a salutar obra da redenção, resolveu fundar a Santa Igreja” (DH 3050). Perpetuar a obra da redenção, ou seja, tornar efetiva a salvação sobrenatural para todos os homens: eis aqui o fim imediato da Igreja. Esta afirmação não contém nada que já não saibamos: se a Igreja é a continuação de Cristo na terra e se, além disso, Cristo veio ao mundo para salvar todos os homens, a obra de Cristo não pode ter uma finalidade distinta do fim do próprio Cristo. Foi para isto que o divino Fundador constituiu na Igreja o tríplice poder de governar, ensinar e santificar, e prometeu sua assistência perene aos sucessores dos Apóstolos, para que até o fim do mundo pudessem eles ajudar as almas a encontrar o caminho da salvação.

III. Orientação histórica. 1. Doutrinas errôneas. — Os protestantes, que afirmam que a justificação do homem se deve somente à fé e à ação imediata do Espírito Santo, que atua na alma do fiel ao ler este a Palavra de Deus, rejeitam a mediação da Igreja na consecução da salvação. A Igreja tem, sim, o ministério de tornar mais fácil o contato do homem com a Palavra de Deus por meio da pregação; mas, uma vez realizada esta função, ela já não tem outra finalidade. Parece-lhes que a teoria católica “anula” o contato imediato entre Cristo e o homem e “diminui” o valor da ação redentora de Cristo.

2. Solução católica e doutrina da Igreja. — Mas nós, católicos, distinguimos dois aspectos essencialmente distintos na obra salvífica de Cristo: de um lado, a Redenção, que apenas Cristo realizou pelo sacrifício da cruz; e, de outro, a aplicação desta obra redentora a todos os homens. No primeiro sentido, como há um só Deus, “há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem que se entregou como resgate por todos” (1Tm 2, 5s). Mas, no segundo sentido, Jesus Cristo quis por libérrima vontade (Ele bem poderia, é claro, ter disposto as coisas de outra maneira) instituir a Igreja, a fim de que nela encontremos a santificação, ou seja, a vida da graça, que é neste mundo o penhor mais seguro de nossa felicidade perpétua no céu, vida sobrenatural que, no homem, radica no conhecimento e no amor de Deus pela fé e pela caridade.

Afirma-o claramente o proêmio do Concílio Vaticano I, que citamos mais acima (cf. DH 3050). E também o Papa Pio XII, na Encíclica “Mystici Corporis”, escreveu que Jesus Cristo quis fundar a Igreja “para perdurar na terra a obra salutífera da Redenção” (n. 63). E mais à frente: “O seu fim é altíssimo: a contínua santificação dos membros do mesmo Corpo para a glória de Deus e do Cordeiro” (n. 68), onde se expressa o duplo fim, imediato e último, da Igreja.

IV. Valoração teológica. — Já que esta verdade está contida claramente na Sagrada Escritura, como veremos mais adiante, e por ser objeto de ensinamento do Magistério ordinário como algo pertencente à fé, podemos dizer que é verdade de fé divina e católica a afirmação de que o fim da Igreja é a santificação dos homens. 

1. Ensinamento bíblico. — Os testemunhos da Sagrada Escritura que demonstram este ponto são muito numerosos. Em primeiro lugar, não há verdade mais frequentemente repetida no Novo Testamento do que esta: Cristo veio para salvar o mundo, para a santificação dos homens: 

  • “Ele salvará o seu povo de seus pecados” (Mt 1, 21);
  • “O Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido” (Lc 19, 10); 
  • “Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por Ele” (Jo 3, 17); 
  • “Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância” (Jo 10, 10); 
  • “Em nenhum outro há salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome foi dado aos homens, pelo qual devamos ser salvos” (At 4, 12); 
  • “Deus enviou seu Filho […], a fim de remir os que estavam sob a Lei, para que recebêssemos a sua adoção” (Gl 4, 4s); 
  • “Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em nos ter envia­do ao mundo o seu Filho único, para que vivamos por Ele […], para expiar os nossos pecados” (1Jo 4, 9s).

Pois bem, quando Cristo envia solenemente os Apóstolos mundo afora, Ele o faz para que tanto eles quanto os seus sucessores continuem a mesma missão de Cristo: “Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós” (Jo 20, 21); “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações” (Mt 28, 18s). Ao instituir o sacrifício do Novo Testamento na Última Ceia, Jesus manda os Apóstolos fazerem em memória sua o que Ele mesmo fez, ou seja, perpetuarem o sacrifício eucarístico até a segunda vinda do Senhor (cf. Lc 22, 19s; 1Cor 11, 23-36). E os Apóstolos, por sua vez, se consideram ministros de Cristo, dispensadores, administradores, embaixadores dos mistérios de Deus e de sua Palavra (cf. 1Cor 3, 5; 4, 1; 2Cor 4, 18.20).

Por conseguinte, se a finalidade da vinda de Cristo a este mundo foi a santificação de todos os homens, também o será a finalidade da Igreja, continuadora de sua missão na terra. Terão também o mesmo fim os que são embaixadores de Cristo e administradores dos seus mistérios.

2. Crítica da solução protestante. — A solução protestante que afirma ter a Igreja como finalidade única o ministério da Palavra e a pregação do Evangelho contradiz abertamente a Sagrada Escritura. São Paulo, por exemplo, insiste em suas cartas em falar de um verdadeiro poder de santificação conferido ao ministro da Igreja: não, obviamente, como causa principal ou por direito próprio, mas como causa instrumental e por direito recebido de Cristo, na medida em que o ministro da Igreja é vigário de Cristo na terra. É por isso que ele diz: “Que os homens nos conside­rem, pois, como simples ope­rários de Cristo e administradores dos mistérios de Deus” (1Cor 4,1), “operários com Deus” (1Cor 3, 9).

Notas

  • Este artigo é uma tradução levemente adaptada de F. de Vizmanos e I. Riudor, Teología fundamental para seglares. Madrid: BAC, 1963, pp. 797-800, nn. 603-613.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Os católicos acreditam em fantasmas?
Doutrina

Os católicos
acreditam em fantasmas?

Os católicos acreditam em fantasmas?

Embora muitos zombem da ideia como fantasiosa ou supersticiosa, a crença em fantasmas parece ser universal nas culturas humanas desde o início da história. Mas o que a Igreja tem a dizer a esse respeito em sua doutrina e na vida de seus santos?

Paul ThigpenTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere29 de Outubro de 2020Tempo de leitura: 6 minutos
imprimir

Quando eu era editor da revista The Catholic Answer, nesta época do ano, com a aproximação do Halloween, sempre recebíamos a mesma pergunta dos leitores: e os fantasmas? Eles têm lugar na fé católica?

Alguns podem zombar da ideia como fantasiosa ou supersticiosa. Mas a crença em fantasmas parece ser universal nas culturas humanas desde o início da história e é baseada, ao menos em parte, em inúmeros relatos de encontros reais com eles. Devido ao significado especial que “fenômenos fantasmagóricos” genuínos têm para a teologia, os católicos não deveriam ignorar tão facilmente a possibilidade.

Os fantasmas existem?

Nossa primeira tarefa é abordar a questão fundamental aqui: os fantasmas existem de fato? Para responder a essa pergunta, devemos definir “fantasma”.

De acordo com o dicionário Webster’s, a palavra significa “a alma de uma pessoa morta, um espírito desencarnado” [1]. Parece que isso se encaixa melhor no uso popular do termo, então vamos aceitá-lo como uma definição de trabalho. Por conseguinte, devemos ter em mente que, na presente discussão, “fantasma” não se refere a um anjo ou demônio, a um “poltergeist” ou mesmo a um extraterrestre. “Fantasma” é a parte de um ser humano que não é corporal (física) e foi separada do corpo pela morte.

Com essa definição, os católicos devem afirmar prontamente que os fantasmas de fato existem. Afinal, é uma parte fundamental da crença católica que o ser humano é um composto de alma e corpo; que, na morte, a alma se separa do corpo; e que, após a morte, embora o corpo de regra se corrompa, a alma sobrevive, aguardando o Juízo Final, quando o corpo, finalmente ressuscitado, se unirá a ela.

Da perspectiva católica, portanto, não apenas as almas do inferno e do purgatório, mas também as dos santos do céu podem ser chamadas de “fantasmas” (com exceção de Nossa Senhora, que não é um espírito desencarnado, porque seu corpo foi assunto ao céu). A questão para os católicos, então, não é se os fantasmas realmente existem. Eles existem. A questão mais premente é se as almas humanas separadas, no tempo presente antes do Juízo Final, são capazes de se manifestar aos que ainda estão vivos na Terra.

Evidência das Escrituras

Os mortos podem aparecer para os vivos? As Escrituras mostram que sim. O exemplo bíblico mais claro da aparição de um “fantasma” é o relato evangélico da Transfiguração de Nosso Senhor na montanha, quando Moisés (morto séculos antes) apareceu a conversar com Jesus a três de seus Apóstolos (cf. Mt 17, 1ss). Não incluímos Elias nesta passagem como um “fantasma”, porque as Escrituras parecem indicar que ele não morreu, mas que foi levado da Terra (cf. 2Rs 2, 11s).

“A sombra de Samuel invocada por Saul”, de Salvator Rosa.

No Antigo Testamento, um exemplo em debate de uma visita fantasmagórica é o do falecido profeta Samuel, que apareceu ao rei Saul (cf. 1Sm 28, 3-20). Alguns autores pensam que a aparição era, na verdade, uma falsificação diabólica, uma vez que ocorreu por ordem de um necromante (o que hoje seria chamado de médium), prática proibida por Deus. No entanto, já que o próprio texto das Escrituras se refere repetidamente ao “fantasma” como Samuel, S. Agostinho e outros intérpretes competentes insistem em que se tratava, realmente, de um “fantasma”, e não de um demônio.

Se considerarmos também visitas de fantasmas em sonhos ou visões, podemos citar a história bíblica de Judas Macabeu. Ele teve uma visão de Onias, um sumo sacerdote falecido, orando pelos judeus. (Este é, a propósito, também um exemplo bíblico da intercessão dos santos pelos vivos). A Onias seguiu-se o falecido profeta Jeremias, que falou com Judas e lhe deu uma espada de ouro (cf. 2Mc 15, 11-16).

Evidência da Tradição

Além dos exemplos nas Escrituras, há numerosos relatos de aparições de fantasmas que chegaram até nós pela Tradição católica desde os tempos bíblicos. O Papa S. Gregório Magno, do séc. VI, por exemplo, contou vários exemplos em seus famosos Diálogos. Para Gregório, assim como para S. Agostinho e outros Doutores da Igreja, as aparições de fantasmas certamente têm seu lugar em uma visão católica de mundo

Segundo esses relatos, às vezes a figura aparecida era um santo conhecido. Outras vezes, a aparição era de um santo, homem ou mulher, recentemente falecido que veio ajudar os vivos. Em outros relatos, uma alma perturbada, presumivelmente no purgatório, veio pedir ajuda aos que ainda estavam na Terra.

Sem dúvida, muitas dessas histórias podem ser vistas como “lendas” ou “superstições” piedosas, brincadeiras ou alucinações. Mas algumas delas são difíceis de descartar. Os relatos mais convincentes chegaram até nós através de várias testemunhas de bom juízo e caráter impecável, e geralmente datam de tempos bastante recentes. São relatos de primeira mão, sem possibilidade de acréscimos lendários. Entre essas, estariam algumas das aparições post mortem bem conhecidas de S. Pio de Pietrelcina (1887-1968).

Uma história bem conhecida vem de S. João Bosco (1815-1888). Como seminarista, recordou S. João que, certa vez, havia concordado com um colega chamado Comollo que, se algum deles morresse primeiro, daria ao outro alguma indicação sobre o estado de sua própria alma. Comollo morreu em 2 de abril de 1839 e, na noite seguinte ao funeral, veio a “indicação”.

Junto com outros vinte estudantes de teologia reunidos na mesma sala, João de repente ouviu um rugido poderoso e contínuo que sacudiu o prédio. Então, eles viram a porta se abrir violentamente por vontade própria. Uma luz fraca apareceu e se ouviu com clareza uma voz, dizendo: “Bosco, Bosco, eu estou salvo…”. 

“Por muito tempo”, concluiu São João, recordando o sucedido, “não se falou de outra coisa no seminário”.

Por que eles aparecem?

No final do séc. XIX e início do séc. XX, vários estudiosos católicos respeitados coletaram diversos relatos confiáveis de “fenômenos fantasmagóricos”, colhidos de testemunhas oculares contemporâneas, documentos oficiais da polícia e médicos.

Eles tentaram explicar esses relatos, juntamente com relatos de outros “fenômenos ocultos”, dentro de uma estrutura da teologia católica tradicional (geralmente tomista) e das descobertas da psicologia e parapsicologia modernas. Talvez os mais conhecidos desses pesquisadores teólogos tenham sido os padres jesuítas Herbert Thurston e F. X. Schouppe, além do abade trapista Alois Wiesinger [2].

Um padrão já observado se repete em muitos dos relatos reunidos por estudiosos: quando os falecidos aparecem, eles geralmente vêm para ajudar ou pedir ajuda aos vivos. Eles podem pedir, por exemplo, que orações e Missas lhes sejam oferecidas ou que certos papéis de natureza confidencial sejam destruídos. Às vezes, um parente falecido de uma pessoa necessitada dos sacramentos vem informar um padre da situação e mostrar-lhe onde encontrar o necessitado.

Histórias como essas sugerem uma resposta aos desafios comumente levantados pelos cristãos mais céticos quanto à possibilidade de “visitas fantasmagóricas” se encaixarem em uma perspectiva de fé. Como — costumam perguntar — os mortos conseguiriam o poder de visitar os vivos? S. Agostinho respondeu simplesmente: “Por uma disposição secreta de Deus”. Isso acontece com a permissão divina e graças ao poder divino.

E por que Deus permitiria a visita de “fantasmas”? Ao que tudo indica, para realizar alguma missão espiritual.

É por isso que, se você topar com algum tipo de “aparição”, a melhor coisa a fazer é orar pela alma e pedir que se rezem Missas pelo descanso eterno dela.

Um aviso final

Por fim, devemos enfatizar que a Igreja sempre proibiu qualquer tentativa de estabelecer comunicação com os mortos por meios “mediúnicos”, sessões espíritas ou tabuleiros de Ouija. A razão é clara: tais tentativas de “evocação dos mortos […] escondem uma vontade de poder […], ao mesmo tempo que um desejo de ganhar para si os poderes ocultos” (Catecismo da Igreja Católica, §2116).

Os perigos são abundantes: os demônios podem se apresentar como espíritos dos mortos e tirar proveito dessas práticas ocultas para manipular e oprimir as pessoas. Por isso, devemos tratar com muita cautela e discernimento quaisquer encontros que possamos ter com fenômenos inexplicáveis ou relatos ouvidos de outras pessoas. Aparições fantasmagóricas genuínas, não procuradas pelos vivos e permitidas pela graça de Deus, parecem ser extremamente raras.

Esse deveria ser um pensamento reconfortante da próxima vez que você estiver sozinho no escuro…

Notas

  1. Não se confunda um “espírito desencarnado”, em sentido católico, com a “desencarnação espírita”, noção estranha ao pensamento cristão e baseada numa concepção quase-material (“fluídica”, como diziam os espíritas franceses do séc. XIX) de alma e na tese de que a união entre ela e o corpo é extrínseca e acidental, além de ser mediada por um suposto “perispírito”. Embora fosse bom evitar a expressão, muito associada no Brasil ao espiritismo kardecista, um católico pode sem escrúpulos falar de “espírito desencarnado” no sentido de “alma separada” (de seu correspondente corpo).
  2. Do Pe. François Xavier Schouppe, a propósito, já publicamos aqui numerosos textos, extraídos todos de seu excelente livro Purgatory: Explained by the Lives and Legends of the Saints, Londres: Burns & Oates, 1893.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Gênero no STF: seu filho em perigo!
Educação

Gênero no STF:
seu filho em perigo!

Gênero no STF: seu filho em perigo!

Este texto é um esclarecimento e um alerta aos pais, para que reajam à ADI 5.668, impetrada pelo PSOL no STF, que pretende impor a obrigatoriedade do ensino da Teoria de Gênero em todas as escolas do Brasil.

Equipe Christo Nihil Praeponere29 de Outubro de 2020Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

Este texto, de autor anônimo, deve ser amplamente disseminado. Trata-se de um apelo aos pais, para que reajam à ADI 5.668, impetrada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) no Supremo Tribunal Federal, que pretende impor a obrigatoriedade do ensino da Teoria de Gênero em todas as escolas do Brasil.

1. O que está acontecendo?

O STF marcou para o dia 11 de novembro de 2020 o julgamento da ADI 5.668, impetrada pelo PSOL. Esta ação pretende impor a obrigatoriedade do ensino da Teoria de Gênero em todas as escolas do Brasil.

A Teoria de Gênero já foi amplamente rejeitada pela população brasileira, através dos legisladores dos quase 5.600 municípios, das 27 unidades federativas, do Congresso Nacional, e dos pais do Brasil inteiro que se mobilizaram para que essa ideologia não fosse aprovada no Plano Nacional de Educação (2014), nos Planos Estaduais de Educação (2015), nos Planos Municipais de Educação (2015) e na BNCC, Base Nacional Comum Curricular (2017). A rejeição democrática da Teoria de Gênero é massiva!

2. Histórico do Gênero no Brasil

Em 2014, quando foi votado o Plano Nacional de Educação (PNE), tentou-se incluir a Teoria de Gênero como tema transversal em todo o currículo escolar. Quando os pais perceberam o que estava acontecendo, eles se dirigiram ao Congresso Nacional e explicaram para senadores e deputados que não queriam isso para seus filhos. Então o Gênero foi removido do PNE.

Na sequência, tentou-se inserir o ensino do Gênero nos Planos Estaduais de Educação das 27 unidades federativas do Brasil, com o pretexto de que, embora não houvesse sido incluído no Plano Nacional de Educação, tratava-se de uma meta do Terceiro Plano Nacional de Direitos Humanos e das Conferências Nacionais de Educação, e por isso os estados deveriam incluí-la nos Planos Estaduais de Educação (PEE). Novamente os pais dirigiram-se às assembleias estaduais e o Gênero foi retirado de todos os currículos estaduais.

Mesmo assim o Ministério da Educação tentou orientar os municípios de todo o Brasil para que a Teoria de Gênero fosse incluída, desta vez, nos Planos Municipais de Educação. Deu-se então o fato extraordinário de que os pais dos cerca de 5.600 municípios brasileiros dirigiram-se aos vereadores de suas cidades e a Ideologia de Gênero foi rejeitada em praticamente todas as casas legislativas.

Ainda assim, ao ser apresentada em 2017 e 2018 a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), houve uma nova tentativa de incluir-se a Teoria de Gênero no currículo das escolas nacionais. Os pais intervieram novamente e o MEC viu-se obrigado a retirar o Gênero da BNCC. Nas audiências públicas abertas em todas as regiões do Brasil, quase a terça parte das intervenções consistia em oradores que se pronunciavam para manifestar a rejeição de pais e mestres à inclusão da Ideologia de Gênero na BNCC.

Foi então que o PSOL, incorformado com essa situação, impetrou em 2017 a ADI 5.668 no Supremo Tribunal Federal para exigir a obrigatoriedade do ensino da Teoria de Gênero no currículo de todas as escolas do Brasil, ignorando as decisões dos legisladores dos quase 5.600 municípios, das 27 assembleias estaduais, da Câmara e do Senado federais e dos pais de todo o país, que haviam democraticamente rejeitado a Teoria de Gênero para seus filhos.

3. O argumento do PSOL

A ação impetrada pelo PSOL afirma que todos esses pais e legisladores que se opuseram à inclusão da Teoria de Gênero no currículo escolar são ideólogos. Segundo afirma o texto da ADI 5668, ideologia é a negação de uma realidade manifesta. Negar um fato evidente com base em ideias configura uma ideologia. Ora, segundo os autores, são fatos evidentes a existência de gays, lésbicas, transgêneros e travestis, e também que esses cidadãos sofrem discriminação por causa de suas orientações sexuais. Essas pessoas, ademais, frequentam as escolas. Desconsiderar essas realidades e não fazer caso para a discriminação daí decorrente, portanto, configuraria ideologia. Reconhecer, em vez disso, a pluralidade de gêneros e com base nisso combater a discriminação por gênero seria uma realidade científica. Portanto, devido ao preceito constitucional que veda todo tipo de discriminação e à Lei de Diretrizes e Bases da Educação que, seguindo a Constituição, propõe o combate à discriminação como um dos objetivos da educação nacional, o PSOL pede que os Ministros do STF imponham a obrigatoriedade da inclusão da Teoria de Gênero no currículo escolar.

O argumento da ADI, porém, está equivocado porque este não é o conteúdo da Teoria de Gênero. A teoria pretende desconstruir a heterossexualidade, a qual é denominada por ela de heteronormatividade, afirmando que nenhuma orientação sexual tem base biológica, mas é apenas uma construção arbitrariamente imposta sobre as pessoas. Com isto pretende-se descontruir a identidade sexual das pessoas e, a partir daí, destruir as próprias bases em que se sustenta a instituição familiar.

4. O que é a Teoria de Gênero

A Teoria de Gênero afirma que ninguém nasce homem ou mulher, mas deve aprender a construir sua própria identidade de gênero, em vez de recebê-la como algo arbitrariamente imposto a partir de seus órgãos sexuais. O gênero deveria ser uma construção pessoal, não um papel imposto pela sociedade, e ninguém deveria ser identificado a priori, já desde o nascimento, como “homem” ou “mulher”, mas, em vez disso, deveria ser auxiliado pela escola a construir cada qual a sua própria identidade.

Homem e mulher seriam apenas papéis sociais inventados dos quais a maioria das pessoas deveriam ser libertados. Se há quem se sinta bem no papel de homem ou mulher, isso deve-se ao fato de terem sido assim ensinados desde a mais tenra infância. Em vez deste modelo educacional, cada criança deveria ser progressivamente levada à experiência das mais variadas formas de expressão sexual, até adaptar-se por si mesma a algum gênero já existente ou construir outro gênero novo que seja mais próprio para si mesmo. Em um horizonte mais distante, a finalidade última seria a completa desconstrução da heterossexualidade ou, como a teoria prefere nomeá-la, da heteronormatividade, até reconstruir a sociedade em uma nova estrutura não mais baseada na família natural ou, como preferem chamá-la, na família patriarcal.

Portanto, a Teoria de Gênero que pretendem impor aos nossos filhos não diz respeito ao combate ao preconceito, mas à desconstrução da identidade sexual. Se nós, pais e mães, não nos mobilizarmos, a partir de fevereiro do próximo ano de 2021 nossos filhos serão progressivamente educados na Teoria de Gênero, com resultados desastrosos.

Será que pais e mães conseguem imaginar o que se passa na cabeça de seus filhos quando no colégio lhe dizem que ele não nasceu homem nem mulher, mas que eles podem transformar sua identidade sexual segundo o seu desejo? Quando a escola ensina a suas filhas que elas podem namorar com a sua melhor amiga, que isso é normal e que todas as crianças devem experimentar todas as formas de sexualidade possíveis até encontrarem um gênero para si mesmas?

Pois isto é a Teoria de Gênero, e sua entrada no sistema educacional começa pela introdução dos conceitos de gênero, identidade de gênero e orientação sexual.

Hoje, em que o Gênero ainda não é lei, já há várias creches no Brasil onde as prefeituras exigem dos que têm a concessão de funcionamento que não mais possuam banheiros masculino e feminino separados, mas que as crianças usem todas um mesmo banheiro comum. Exigem também que os meninos tenham de brincar de boneca e as meninas tenham de jogar bola, e posteriormente serão incentivadas a experimentarem o namoro de meninos com meninos e um variado leque de diversas experiências sexuais, até obter uma gradativa desconstrução de sua identidade sexual. Isso sim é ideologia, pois inúmeros estudos científicos mostram haver diferença de comportamento nas crianças segundo suas diferenças sexuais logo após o nascimento, antes que elas possam ter entrado em contato com a cultura.

5. O que os pais devem fazer

A Constituição brasileira afirma que todo poder emana do povo, que é representado pelo Congresso eleito pelos cidadãos. Por este motivo, utilize as redes sociais para falar com os congressistas. Fale em nome do seu filho. O Congresso possui as prerrogativas constitucionais para defender-se da intromissão dos demais poderes nas prerrogativas exclusivas do Poder Legislativo.

Recomendamos gravar um vídeo dirigido aos deputados, curto mas objetivo, posicionando-nos contra a obrigatoriedade do ensino da Teoria de Gênero nas escolas e pedindo aos parlamentares que votem imediatamente o Projeto de Lei 4.754/2016, que caracteriza a usurpação de competência exclusiva do Poder Legislativo por parte dos Ministros do Supremo Tribunal Federal como crime de responsabilidade passível de impeachment. Nesta época de eleições em que o Congresso está parcialmente inativo, este vídeo poderia ser postado preferencialmente no Instagram.

Na sequência, conviria comentar o próprio vídeo e incluir o endereço do Instagram dos deputados federais (por exemplo, @FulanoDeTal). Aqui se encontra uma lista com as direções do Instagram dos deputados federais atualmente em exercício. Ao marcarmos um comentário no Instagram com os endereços de alguns deputados, o próprio Instagram irá encaminhar o vídeo e a mensagem ao Instagram do deputado marcado. Não deixe de incluir na postagem a hashtag: #aprovapl4754.

Devido à época de eleições e à proximidade do julgamento da ADI 5668, convém priorizar o contato com os parlamentares através de vídeo e mensagem de Instagram. Quem não possui uma conta de Instagram não terá dificuldade em abrir uma. Mas não deixe de manifestar-se também através do e-mail, telefone e das demais redes sociais!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Indulgências “pro defunctis” prorrogadas devido à COVID-19
Igreja Católica

Indulgências “pro defunctis”
prorrogadas devido à COVID-19

Indulgências “pro defunctis” prorrogadas devido à COVID-19

Neste ano, devido à pandemia do novo coronavírus, as indulgências plenárias pelos fiéis defuntos, que normalmente se ganham nos oito primeiros dias de novembro, poderão lucrar-se ao longo de todo o mês das almas.

Santa SéTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere26 de Outubro de 2020Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

DECRETO

Neste ano, por causa da pandemia da doença de COVID-19,
as indulgências plenárias pelos fiéis defuntos
prorrogam-se por todo o mês de novembro,
comutadas as condições e obras pias, em vista da segurança do povo cristão

Chegaram há pouco a esta Penitenciaria Apostólica muitas súplicas da parte de sagrados pastores, pelas quais se pedia que neste ano, por causa da pandemia da doença de COVID-19, se comutassem as obras para lucrar as indulgências plenárias aplicáveis somente às almas do Purgatório, segundo a norma do Manual de Indulgências (conc. 29, §1). Por isso, a mesma Penitenciaria Apostólica, por especial mandado do SS. Padre, o Papa Francisco, de bom grado determinou e deliberou, para evitar aglomerações, proibidas ou ao menos desaconselhadas em algumas nações e territórios, que neste ano: 

a) A indulgência plenária para os que piedosamente visitarem cemitérios e, ainda que apenas mentalmente, rezarem pelos defuntos — limitada, segundo a norma, apenas aos oito primeiros dias de novembro —, possa, para comodidade dos fiéis, ser transferida dentro do mês de novembro para outro período de até oito dias, ainda que descontínuos, de livre escolha de cada fiel;

b) A indulgência plenária do dia 2 de novembro, na Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, para os que piedosamente visitarem uma igreja ou oratório e ali recitarem um Pai-nosso e um Creio, possa ser transferida não somente para o domingo anterior ou posterior ou para o dia da solenidade de Todos os Santos, mas também para outro dia, dentro do mês de novembro, de livre escolha de cada fiel; 

Os idosos, os doentes e os que, por causa grave, não podem sair de casa (v.gr., por força de decretos que proíbam os fiéis de se reunirem nos lugares sagrados), poderão lucrar a indulgência plenária, desde que, unindo-se em ânimo e voto aos que fizerem as piedosas visitas de que se falou acima, tendo detestado os próprios pecados e feito a intenção de cumprir, assim que possível, as três condições de costume (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração pelas intenções do sumo Pontífice), recitem diante de qualquer imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo ou da Bem-aventurada Virgem Maria piedosas preces pelos defuntos (v.gr., as Laudes e as Vésperas do Ofício dos defuntos, o Rosário mariano, a coroa da Divina Misericórdia, e outras preces pelos defuntos mais caras aos fiéis), ou leiam, a título de leitura espiritual, o Evangelho da Liturgia dos defuntos, ou realizem uma obra de misericórdia, entregando a Deus clemente suas dores ou os incômodos da própria vida.

A fim, pois, de tornar mais fácil, por caridade pastoral, o acesso ao perdão divino, alcançável pelas chaves da Igreja, esta Penitenciaria roga insistentemente que os sacerdotes legitimamente facultados, de ânimo pronto e generoso, celebrem a Penitência e administrem a sagrada comunhão aos doentes.

No entanto, no que diz respeito às condições espirituais para lucrar plenamente a indulgência, está sempre em vigor a Nota desta Penitenciaria Apostólica sobre a celebração do sacramento da Reconciliação em tempos de pandemia da doença de COVID-19.

Por último, uma vez que as almas do Purgatório são ajudadas pelos sufrágios dos fiéis, sobretudo pelo santo sacrifício do Altar (cf. Concílio de Trento, sess. 25.ª, Decreto sobre o Purgatório), roga-se insistentemente a todos os sacerdotes que, no dia da Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, celebrem a Missa três vezes, segundo a norma da Constituição Apostólica “Incruentum Altaris”, do Papa Bento XV, de venerável memória, do dia 10 ago. 1915.

Valerá o presente Decreto por todo o mês de novembro, não obstante quaisquer disposições em contrário.

Dado em Roma, nas dependências da Penitenciaria Apostólica, no dia 22 de outubro de 2020, na memória de S. João Paulo II.

Maurus Card. Piacenza
Penitenciário-Mor

Christophorus Nykiel
Regente

Notas

  • Esta tradução foi feita por nossa equipe a partir do original latino do decreto da Penitenciaria Apostólica, tornado disponível pelo site do Boletim da Sala da Imprensa da Santa Sé. Não se trata, portanto, da tradução oficial do documento.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Teria Jesus permitido o divórcio?
Doutrina

Teria Jesus permitido o divórcio?

Teria Jesus permitido o divórcio?

O que quis dizer Nosso Senhor quando afirmou que “todo aquele que repudiar a sua mulher, a não ser por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério”? Seria essa difícil passagem do Evangelho uma exceção à regra de que o matrimônio é indissolúvel?

Equipe Christo Nihil Praeponere23 de Outubro de 2020Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

Recebemos no suporte do site a seguinte pergunta: “Em Mt 19, 9, existem traduções protestantes, e a Vulgata (se não me engano) diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação do cônjuge, mas as traduções católicas dizem que só em caso de casamento nulo. Os protestantes atuais se divorciam e casam-se novamente, já na Igreja Católica só se separa com casamento nulo ou morte. Qual a tradução correta? E por que essa suposta ‘brecha’ só aparece em Mateus?”

Resposta: Sua pergunta toca num ponto delicado e importante da doutrina cristã, razão por que merece uma resposta um pouco mais detalhada [1]. Esperamos que os pontos abaixo sejam suficientes para esclarecer a dúvida. A resposta traduz, quase literalmente, a lição de um biblista (cf. H. Simón, Prælectiones Biblicæ, vol. 1, n. 206) e a de um teólogo moral (D. Prümmer, Manuale Theologiæ Moralis, vol. 3, n. 662) a esse respeito.

1) No Antigo Testamento. — A antiga Lei (cf. Dt 24, 1) permitia aos judeus despedir a esposa por “qualquer coisa inconveniente” (em latim, na Vulgata: propter aliquam fœditatem; em hebraico: ‘erwah = “nudez”, quer dizer, “indecência”), entregando-lhe um libelo de repúdio. No tempo de Cristo, a escola rabínica Shammai ensinava que apenas em caso de adultério seria lícito o repúdio; a escola Hillel, contudo, pervertendo o sentido e as palavras da Lei, opinava que a mulher poderia ser despedida por qualquer motivo.

“Casamento em Caná”, de Murillo.

2) No Novo Testamento. — Na Nova Lei, Cristo proíbe três coisas: a) despedir a esposa sem justa causa, isto é, por outro motivo que não seja adultério [2]; b) atentar um novo matrimônio enquanto ainda vive a primeira (e legítima) esposa; c) e tomar em casamento a esposa de outro, despedida pelo primeiro (e legítimo) marido. Portanto, a palavra que lemos no Evangelho (em latim, dimittere; em português: “despedir”, “rejeitar” etc.) não significa a dissolução do vínculo matrimonial, mas apenas a chamada separação “de cama e mesa” (tori et mensæ), também chamada separação de corpos, como se explicará melhor a seguir. O próprio direito da Igreja prevê e regula essa possibilidade, ao admitir certas causas legítimas de separação com permanência do vínculo (cf. Código de Direito Canônico, Cân. 1151-1155).

3) Uma exceção à regra? — No entanto, essa doutrina parece incompatível com o trecho de Mt 19, 9, onde se lê a seguinte cláusula, aparentemente restritiva: em grego, μὴ ἐπὶ πορνείᾳ; em latim, nisi ob fornicationem; em português, literalmente, “exceto no caso de fornicação”. Daqui, com efeito, parece seguir-se a conclusão contrária, a saber: “Quem despedir sua esposa em caso de fornicação e casar-se com outra não comete adultério”, o que contradiz a doutrina constante da Igreja Católica sobre a indissolubilidade do matrimônio. Como entendê-lo? Tratar-se-ia de uma exceção à proibição do divórcio?

4) Solução. — Muitos protestantes e cismáticos orientais pensam que sim e, por esse motivo, permitem o divórcio, com dissolução do vínculo, quando algum dos cônjuges comete adultério. E alguns deles, como é sabido, permitem às vezes até mais de um divórcio. Mas essa passagem, se bem entendida, não admite nenhuma interpretação “permissiva”.

a) A interpretação tradicional. — De todas as explicações do texto, a melhor, mais antiga e comum é a que refere S. Tomás de Aquino: “Aquela exceção (‘exceto no caso de…’), que está nas palavras do Senhor, se refere à demissão (dimissio, ou seja, ao ato de despedir ou afastar do convívio doméstico) da esposa” (In IV Sent. dist. 35, q. 1, a. 5 ad 4). O sentido das palavras do Senhor, por conseguinte, é este: não é lícito despedir o cônjuge, exceto no caso de ele cometer adultério; mas, mesmo nesta hipótese, não é lícito contrair novas núpcias. Se, portanto, alguém contrair outro matrimônio enquanto ainda vive a parte adúltera, também comete adultério.

b) Confirmação bíblica. — Isto é confirmado pelas passagens paralelas de S. Marcos e S. Lucas, nas quais Jesus se expressa em sentido absoluto, sem fazer nenhuma limitação: “Quem repudia sua mulher e se casa com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher repudia o marido e se casa com outro, comete adultério” (Mc 10, 11s); “Todo o que abandonar sua mulher e casar com outra comete adultério; e quem se casar com a mulher rejeitada, comete adultério também” (Lc 16, 18). Ouça-se ainda o que S. Paulo, que com certeza entendia as palavras de Cristo, dizia aos casais cristãos: “Aos casados mando (não eu, mas o Senhor) que a mulher não se separe do marido. E, se ela estiver separada, que fique sem se casar, ou que se reconcilie com seu marido. Igualmente, o marido não repudie sua mulher” (1Cor 7, 10s) [3].

c) Conclusão. — Em suma, a cláusula μὴ ἐπὶ πορνείᾳ (“exceto no caso de fornicação”) se refere apenas ao primeiro membro da oração (isto é, ao ato de despedir ou rejeitar), mas não ao segundo (isto é, ao ato de desposar), de maneira que o sentido é: “Todo aquele que rejeita sua mulher (posto a salvo o vínculo matrimonial), o que porém não é lícito a menos que ela cometa adultério, e desposa uma outra, comete adultério. E aquele que desposa uma mulher rejeitada, comete também adultério”. Aqui, pouco importa que se interprete o termo πορνεία como “adultério” ou “fornicação”, já que a palavra significa, em sentido amplo, qualquer imoralidade sexual e, neste contexto, qualquer ato contra a fidelidade conjugal: de fato, não é possível a uma pessoa legitimamente casada cometer um pecado de fornicação que não seja, eo ipso, adultério.

5) Observações. a) Qualquer tradução católica (e, portanto, fiel à ortodoxia cristã) da Bíblia há de preservar esse sentido. É o que fazem, v.gr., as versões da Ave-Maria [4], que utilizamos ao longo desta resposta, e do Pe. Matos Soares, que a verte assim: “Eu, pois, digo-vos que todo aquele que repudiar sua mulher, a não ser por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que se casar com uma repudiada, comete adultério”.

b) Lembramos por fim que, segundo alguns autores, constitui verdade de fé divina e católica definida (portanto, um dogma em sentido estrito) a doutrina segundo a qual o vínculo matrimonial é intrinsecamente indissolúvel, mesmo em caso de adultério (cf. Pe. Antonio Royo Marín, Teología moral para seglares, vol. 2, n. 491). Daí a Igreja ter sempre ensinado que nenhum matrimônio válido, rato e consumado pode ser dissolvido quanto ao vínculo (que, fora dos casos em que cabe a aplicação do chamado “privilégio paulino”, só se desfaz com a morte de um dos cônjuges) por qualquer poder ou autoridade humana, nem mesmo pelo Sumo Pontífice.

Notas

  1. Recomendamos também a leitura da resposta de D. Estêvão Bettencourt, OSB, a pergunta semelhante. Está disponível em: Pergunte e Responderemos, Rio de Janeiro, nov. de 1957 (VII), p. 14ss.
  2. O que não exclui — como o demonstra a prática da Igreja — outras razões proporcionalmente graves que põem em sério risco a paz doméstica e a integridade (física, moral e espiritual) do cônjuge ou dos filhos (cf. CDC, Cân. 1153, §1).
  3. O Apóstolo S. Paulo referenda a indissolubilidade do matrimônio cristão não só com sua própria autoridade apostólica, mas também com o mandamento expresso de Cristo: “Mando, não eu, mas o Senhor” (cf. Mt 5, 32). Logo, essas palavras têm força de lei, e não de simples conselho, como poderia fazer crer a alguns a tradução em português, que não preserva de todo o caráter preceptivo da frase: “que fique sem se casar”, como se também fosse possível se casar. Na verdade, o Apóstolo estabelece somente duas alternativas ao cônjuge despedido: ou manere innuptus (isto é, não contrair mais núpcias), ou alteri reconciliari (isto é, fazer as pazes com o outro). — Tampouco se pode objetar que, nos vv. 12-13, S. Paulo abre a possibilidade do divórcio por simplesmente recomendar, pelo uso do subjuntivo exortativo (em latim: non dimittat; em grego: μὴ ἀφιέτω; em português: “não repudie”), que o marido não despeça a mulher, uma vez que, nos vv. 12-13, o Apóstolo se dirige aos “demais” (em latim: ceteris; em grego: τοῖς λοιποῖς), ou seja, aos casais em que uma parte ainda é infiel (não batizada), ao passo que, nos vv. 10-11, ele se havia dirigido aos casais cristãos. Ora, um matrimônio contraído na infidelidade torna-se rato quando ao menos uma das partes abraça a fé cristã, e a parte infiel aceita coabitar com a outra sem contumélia do Criador. Nestes casos, e é deles que fala o Apóstolo, já não é possível despedir licitamente a parte infiel.
  4. Mas com a seguinte ressalva: πορνεία, ao contrário do que se lê na Ave-Maria, não significa aqui “matrimônio falso”, isto é, ilegítimo, mas “fornicação” ou “imoralidade sexual”. É evidente, por outra parte, que, se um matrimônio é falso, não há propriamente vínculo nem, portanto, uma relação conjugal per si indissolúvel. Quando se constata a ilegitimidade de um matrimônio, constata-se com isto a inexistência de verdadeiro vínculo marital. É o que faz a Igreja nos processos de reconhecimento de nulidade (e não de “anulação”).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.