“Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5, 9).

Carlos I (1887-1922), imperador da Áustria e rei da Hungria, despediu-se da esposa, a imperatriz Zita. “Vou te amar para sempre”, declarou, assim como fizera onze anos antes, quando se casaram. Em seguida, chamou o primeiro filho, Otto, para “testemunhar como um católico e um imperador se comporta quando morre”. O imperador recebeu a Extrema Unção e pronunciou suas últimas palavras: “Faça-se a vossa santa vontade. Jesus, Jesus, vinde! Sim, sim. Meu Jesus, seja feita a vossa vontade. Jesus”.

Carlos morreu no exílio. Em 1919, a nova República da Áustria baniu o imperador de sua terra natal, por decreto das detestáveis Leis de Habsburgo. Após duas tentativas fracassadas de recuperar o trono da Hungria, ele foi exilado em Portugal pelas potências da Entente. A família residia numa casa de montanha na ilha da Madeira. Em março de 1922, o imperador contraiu um forte resfriado que logo evoluiu para pneumonia por causa da casa fria e úmida. Com o pensamento sempre voltado para o bem de seu povo, Carlos ofereceu sua doença e seu sofrimento em sacrifício pela paz e a unidade de suas terras: “Devo sofrer assim para que meu povo esteja unido”. Carlos I, imperador da Áustria e rei da Hungria, morreu no dia 1.º de abril de 1922, com trinta e cinco anos de idade.

Seis anos antes, o reinado de Carlos começara com o funeral de seu tio-avô, o imperador Francisco José (1830-1916). No nascimento de Carlos, poucos pensavam que um dia ele herdaria o trono. Um sobrinho-neto estava simplesmente muito distante na linha de sucessão.

Assim, o jovem príncipe recebeu pouca atenção pública. Ao crescer, tornou-se um rapaz encantador, dedicado a quaisquer que fossem as suas tarefas, caridoso sempre, reverente e piedoso. Ele adorava brincar de soldado, sua futura vocação. “Sua maior alegria”, porém, “foi poder ser coroinha”, relembrou seu tutor. Desde muito jovem, Carlos teve uma devoção especial e perpétua à Santa Eucaristia e ao Sagrado Coração.

Em 1900, Carlos repentinamente se viu em segundo lugar na linha de sucessão ao trono. Ele tinha apenas treze anos. Seu tio, o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro direto do trono, decidira casar-se com alguém abaixo de sua posição (sua esposa era uma mera condessa), e seus filhos, consequentemente, foram excluídos da sucessão imperial. Deu-se então prioridade ao casamento de Carlos com a princesa Zita de Bourbon-Parma, que compartilhava o mesmo amor à vida familiar e ao ar livre. Depois do casamento, Carlos disse-lhe: “Agora, devemos nos ajudar um ao outro a chegar ao céu”. O casal foi abençoado com oito filhos durante os dez anos de uma vida matrimonial feliz e exemplar.

Cinco anos depois, Carlos liderou a grande procissão fúnebre da Catedral de Santo Estêvão até a Cripta Imperial de Viena (ou Cripta dos Capuchinhos), onde os membros da Casa de Habsburgo eram colocados para o repouso. O arcebispo de Viena, juntamente com outros quatro cardeais, vinte bispos e quarenta e oito padres, celebrou a Missa de exéquias de Francisco José. Milhares se enfileiraram nas ruas de Viena, observando a procissão passar, prestando homenagens e demonstrando afeto pelo velho imperador. O reinado de Francisco José, que tinha sessenta e oito anos, fez dele um símbolo de estabilidade e continuidade. Com a morte dele, um novo período da história da Áustria-Hungria começou, e seu futuro agora estava nas mãos do inexperiente sobrinho-neto de 26 anos.

A época em que Carlos ascendeu ao trono não era feliz. A terrível Grande Guerra assolara a Europa por dois anos. Ele herdou um império internamente multiétnico, dilacerado pelo fanatismo nacionalista e em necessidade desesperada de reformas políticas e sociais, sofrendo com a miséria e a pobreza generalizadas, agravadas ainda com a guerra.

Desde o início, Carlos concebeu seu ofício “como um serviço sagrado ao seu povo”, e sua principal preocupação era “seguir a vocação cristã à santidade”. O arcebispo de Budapeste, que coroou Carlos como rei da Hungria, recordou que “não era a ornamentação nem a pompa que lhe interessava, era apenas o dever que cumpria perante Deus, perante a nação e perante a Igreja. Ele desejava ser digno daquilo para o qual fôra escolhido”. Diante do altar-mor da magnífica igreja de Matias Corvino, em Budapeste, Carlos comprometeu-se a trabalhar incansavelmente pela paz e justiça em seu reino.

Em sua primeira declaração, sublinhou seu compromisso com este dever sagrado, declarando que faria “tudo para banir, no menor tempo possível, os horrores e sacrifícios da guerra e para reconquistar para meu povo a bênção perdida da paz”.

Em seu compromisso com a paz, seguiu os esforços do Papa Bento XV. O Santo Padre pediu uma paz sem vencedores. Mas a proposta da Santa Sé encontrou ouvidos moucos em todos os lugares, exceto em Viena. Entre os estadistas europeus, Carlos ficou sozinho.

A guerra começou com a animada partida das tropas, certas de uma vitória rápida. Em 1916, um número incontável de filhos da Europa havia caído na implacável Guerra de Trincheiras. A tragédia que desencadeou a cadeia de eventos que levaram à eclosão da desastrosa guerra foi o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando e sua esposa, Sofia, em Sarajevo, por um terrorista sérvio. Por ironia, Francisco Ferdinando era particularmente simpático aos eslavos do sul e à busca por uma Iugoslávia unida. Além disso, seus planos inovadores para a reforma imperial prometiam às nações menores dentro do império um grau sem precedentes de independência e autonomia.

Carlos também reconheceu a necessidade de reorganização interna e previu sabiamente o futuro da monarquia de acordo com os princípios federalistas. Após sua ascensão, ele iniciou uma série de reformas sociais criticamente necessárias e preparou o caminho para uma federação de nações, unidas por sua lealdade à Casa de Habsburgo com base no reconhecimento de benefício e interesse mútuos. Essa constituição tradicional serviria tanto às nações menores quanto ao império e, assim, proporcionaria o equilíbrio de poder europeu. A identidade e cultura de cada nação seriam devidamente reconhecidas e respeitadas em uma verdadeira unidade na diversidade.

No entanto, a política genuinamente europeia da Casa de Habsburgo entrou em conflito com visões menos judiciosas e rivais de uma nova ordem europeia. O jovem e ambicioso Império Alemão e seu imperador, Guilherme II, marcharam por um lugar ao Sol à frente de uma Europa Central germânica. Embora as democracias ocidentais favorecessem a ideia de um Estado-nação organizado de acordo com a forma republicana de governo, elas não procuraram quebrar o Império Austro-Húngaro, ao menos de início. Quando os Estados Unidos entraram na guerra ao lado da Entente, seguindo a retórica poderosa de Woodrow Wilson, as potências ocidentais perseguiram rigorosamente a visão de uma Europa do pós-guerra sem monarquias nem impérios. A Guerra para acabar com todas as guerras chegaria ao clímax de uma paz permanente, com a realização de uma Europa de repúblicas democráticas baseada no princípio progressivo da autodeterminação nacional.

Nos primeiros meses de 1917, Carlos deu os primeiros passos concretos para a realização de uma paz sem vencedores. Ele ofereceu concessões de longo alcance. Infelizmente, para a Europa e para o mundo, os poderes da Entente não podiam ser influenciados. No final, a ideia mal concebida de autodeterminação nacional, juntamente com o desprezo por políticas antigas apresentadas na conferência de paz de Versalhes, apenas preparou o solo para a próxima catástrofe.

A política de paz de Carlos teria sido a escolha mais prudente. Na época, porém, seu desejo de paz não foi correspondido. A Alemanha embotou seus esforços. A Entente recusou suas ofertas. A paz, aquele “belo dom de Deus, cujo nome […] é a palavra mais doce aos nossos ouvidos e a melhor e mais desejável posse” (Bento XV, 1920), Carlos não a alcançou.

E no entanto, mesmo os seus inimigos republicanos, compatriotas, se lembram dele como o Friedenskaiser, o Imperador da Paz. Ao meditar sobre a vida do bem-aventurado imperador Carlos, temos um exemplo encorajador de fé. Lembramos que a justa medida está profundamente ancorada na fé. Lembramos que só podemos ordenar bem a nós mesmos e ao mundo à nossa volta quando unimos nossa vontade à do Pai do céu e, assim, abandonamos toda a inimizade entre Deus e nós. Somente quando nos reconciliarmos com Deus e lutarmos para permanecer em paz com Ele poderemos lutar genuinamente pela paz na terra. Como imperador e rei, Carlos sempre procurou imitar Jesus, o verdadeiro Salomão, o verdadeiro portador da paz, e por isso pode ser chamado um filho de Deus.