CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
1, 67-79)

Naquele tempo, Zacarias, seu pai, cheio do Espírito Santo, profetizou dizendo: "Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e libertou o seu povo. Ele fez surgir para nós um poderoso salvador na casa de Davi, seu servo, assim como tinha prometido desde os tempos antigos, pela boca dos seus santos profetas: de salvar-nos dos nossos inimigos e da mão de quantos nos odeiam. Ele foi misericordioso com nossos pais: recordou-se de sua santa aliança, e do juramento que fez a nosso pai Abraão, de nos conceder que, sem medo e livres dos inimigos, nós o sirvamos, com santidade e justiça, em sua presença, todos os dias de nossa vida. E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque irás à frente do Senhor, preparando os seus caminhos, dando a conhecer a seu povo a salvação, com o perdão dos pecados, graças ao coração misericordioso de nosso Deus, que envia o sol nascente do alto para nos visitar, para iluminar os que estão nas trevas, na sombra da morte, e dirigir nossos passos no caminho da paz".

Estando já às portas do Natal, a Igreja hoje proclama o Evangelho do Benedictus, o cântico que, diante do nascimento do filho, João Batista, entoa Zacarias. Rezado todos os dias no ofício de Laudes, este hino de louvor celebra a visita que Deus fez ao Seu povo: "Bendito seja o Senhor [...] de Israel, porque visitou e libertou o seu povo". Há aqui uma clara referência à grande libertação do cativeiro egípcio. Após voltar de Madiã, Moisés vai à presença do faraó para transmitir-lhe a ordem que recebera de Deus: "Deixa ir o Meu povo, para que me faça uma festa no deserto" (Ex 5, 1). Apesar da dureza do faraó, Moisés prossegue: "Deixa-nos ir ao deserto, a três dias de caminho, para oferecer sacrifícios ao Senhor" (Ex 5, 3). Deus deseja ver seu povo livre da escravidão da idolatria e, assim, disposto a prestar-lhe um culto digno: a libertação do Egito, nesse sentido, é antes de mais uma libertação dos falsos deuses e, deste modo, uma reorientação da religiosidade hebreia à única e verdadeira divindade.

O cântico de Zacarias reflete também este aspecto da visita libertadora do Senhor: "Assim exerce a sua misericórdia com nossos pais", diz, "e se recorda de sua santa aliança, segundo o juramento que fez ao nosso pai Abraão: de nos conceder que, sem temor, libertados de mãos inimigas, possamos servi-lo". Trata-se, portanto, não de uma simples visita, mas de uma visita que nos liberta, que nos leva a, adorando-o, viver para o verdadeiro Deus. Donde se vê com quanta perfeição e sabedoria divina Jesus Cristo, o Emanuel, cumpre as profecias: Ele, que é Filho de Deus, visita a humanidade a fim de libertá-la do jugo do demônio e do pecado, para que, livres de toda iniquidade, possamos servir ao Pai "em santidade e justiça". Essa a grande diferença entre a Antiga e a Nova Aliança: se na primeira, de um lado, Deus pedira do povo a obediência à Lei, na segunda, por outro, pede de todos nós a santidade, a obediência à única lei que nos pode fazer agradáveis a Seus olhos: à nova lei do amor.

Gravemos bem fundo em nossos corações essas palavras de Zacarias. Que o Senhor nos inspire, pois, a dizer ao Filho cujo Natal se aproxima: "Meus Deus, libertai-me de mim mesmo, do meu egoísmo, do meu gosto pelo pecado. Que eu possa, meu Jesus, amar-vos de todo coração e, amando-vos com o mesmo amor que vós manifestastes por mim, servir-vos como o Senhor que sois, escondido na fragilidade de um menino, humilhado nas dores da Cruz, poderoso na glória da Ressurreição!"

Material para Download

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.