CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1257. De que valem os nossos esforços?

Com o milagre da pesca milagrosa, Jesus nos quer ensinar que, na ordem espiritual, os esforços humanos pouco ou nada valem, porque é somente da graça divina que recebem eles toda a sua eficácia, todo o seu fruto.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 5, 1-11)

Naquele tempo, Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se a seu redor para ouvir a palavra de Deus. Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.

Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.

Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

O da pesca milagrosa, como todos os milagres de Nosso Senhor, é como uma “palavra encarnada” que, além de um acontecimento histórico, contém uma doutrina sempre rica e bem precisa. No Evangelho de hoje, particularmente, o que Jesus nos quer ensinar ao fazer rebentar de peixes as redes de Simão Pedro é que a eficácia do apostolado depende não tanto dos esforços humanos quanto da graça divina. Prova disso é a desproporção entre o cansaço inócuo dos Apóstolos, que trabalharam a noite toda sem nada conseguir, e o efeito espantoso produzido por Cristo com sua só palavra: “Lançai vossas redes para a pesca”. É de Deus que vem, pois, o fruto dos nossos trabalhos pastorais, que não passam, por assim dizer, de simples “ocasião” de que Ele quer se servir para fazer surtir os efeitos desejados: “Nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos, mas em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. Não significa isso que nós nada devamos fazer, cruzando braços à espera de que Deus faça tudo sozinho. Antes, pelo contrário, Ele quer contar com a nossa cooperação, mas sabe que somente a sua graça pode dar aos nossos empreendimentos resultados muito acima do que deles naturalmente podemos esperar: porque assim como, na vida eterna, Ele coroa como dons seus o que permitiu serem méritos nossos, assim também, nesta vida, Ele torna eficazes, por seu poder, os que permitiu sermos graças externas e veículos da sua palavra. Não somos, pois, mais do que servos inúteis, que nada podem por si mesmos e nada fazem além do devido: é de Deus, só, que vem a nossa suficiência, porque, se fomos enviados, Ele já está em missão, iluminando interiormente os que irão receber, por meio de nós, a verdade do Evangelho: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.