| Categorias: Igreja Católica, Espiritualidade

O Santíssimo Sacramento nas palavras de Jesus

Apesar do escândalo da transubstanciação, que atravessa os séculos, não é possível interpretar de outra maneira as palavras de Jesus: "A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida".

Dos sete Sacramentos da Igreja, o mais importante é a Eucaristia, diz Santo Tomás de Aquino, "porque contém realmente o Cristo em pessoa, enquanto os outros contêm uma virtude instrumental participada de Cristo" [1]. Quando se fala deste sacramento, as pessoas facilmente se escandalizam. Ficam intrigadas que os católicos possam acreditar que em um pedaço de pão e em um pouco de vinho esteja escondida a própria divindade. Apesar do escândalo desta doutrina, porém, escândalo que atravessa os séculos, não é possível interpretar de outra maneira as palavras de Jesus: "A minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida" (Jo 6, 55).

Com efeito, diante destas palavras do Senhor, narra o Evangelho de São João, "muitos dos seus discípulos se retiraram e já não andavam com ele" ( Jo 6, 66). O sacramento sequer tinha sido instituído, mas apenas os seus fundamentos já eram pedra de escândalo para os primeiros seguidores de Cristo.

Só a leitura desta passagem evangélica é suficiente para eliminar a hipótese de que Jesus estivesse "falando em parábolas", como insinuam os protestantes, para sustentarem sua heresia. Se Ele tivesse querido usar estas palavras somente em um sentido metafórico, falando do "pão da vida" apenas como um símbolo ou uma representação, Jesus, que conhece os corações humanos, teria se explicado. Vendo que muitos saíam e O abandonavam, Ele com certeza teria dado outro sentido à Sua pregação, explicando que as coisas não eram da forma como eles tinham entendido.

E, no entanto, o que faz Jesus? Não volta atrás. Não retira nada do que disse. Limita-se a perguntar aos Doze: "Quereis também retirar-vos?" ( Jo 6, 67). "Parece pesada também a vós esta doutrina? Ainda que não queirais dar o passo da fé, tampouco eu mudarei esta doutrina. Não desejais porventura também abandonar o barco?" — Assim procedia o Filho de Deus diante da inquietude dos Seus discípulos. Eis a chave para compreender aquilo que o Papa Paulo VI já prelecionava para a Igreja: "Não minimizar em nada a doutrina salutar de Cristo é forma de caridade eminente para com as almas" [2].

Está lançada a base do milagre que o Concílio de Trento chamou de "transubstanciação": "Pela consagração do pão e do vinho se efetua a conversão de toda a substância do pão na substância do corpo de Cristo Nosso Senhor, e de toda a substância do vinho na substância do seu sangue" [3]. Assim, em todos os altares do mundo nos quais se celebra a Santa Missa, está presente, debaixo das espécies do pão e do vinho, o próprio Senhor do céu e da terra, Jesus Cristo.

Como isto é possível? "Por efeito da onipotência de Deus, a quem nada é impossível", responde o Catecismo de São Pio X [4]. A fé em Jesus eucarístico provém da adesão íntima à Sua pessoa, da certeza de que, "para nós, Deus não é uma hipótese remota, não é um desconhecido que se retirou depois do big bang" [5], mas uma realidade concreta e viva também nestes dias. O Papa Leão XIII era levado a afirmar, a partir do testemunho dos santos Padres, que "a eucaristia (...) deve-se considerar como continuação e ampliação da encarnação" do Verbo [6].

Às mentes mais céticas Jesus não somente deixou Sua palavra, mas, operando milagres eucarísticos, chamou de maneira ainda mais incisiva à comunhão Consigo. Lanciano, Orvieto, Turim, Sena, Faverney são os nomes de apenas algumas localidades agraciadas com milagres portentosos, nos quais o mistério da Eucaristia brilhou com toda sua força e majestade.

Não se pode, porém, descuidar, com os belos relatos destes milagres, da fiabilidade das palavras de Jesus. Deve-se crer que Ele está presente na hóstia e no cálice sagrados não simplesmente por causa de uma ou outra relíquia na Itália ou na França – que merecem, claro, o respeito e a veneração dos fiéis. É preciso crer na Eucaristia com aquela fé de um filho que dá todo o crédito às palavras de seu pai e de sua mãe. "Eu acredito que no Sacramento da Eucaristia está verdadeiramente presente Jesus Cristo, porque Ele mesmo o disse, e assim no-lo ensina a Santa Igreja" [7].

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Suma Teológica, III, q. 65, a. 3.
  2. Papa Paulo VI, Carta Encíclica Humanae Vitae (25 de julho de 1968), n. 29.
  3. Concílio de Trento, Sessão XIII, cap. 4, n. 877.
  4. Catecismo de São Pio X, n. 614.
  5. Papa Bento XVI, Carta aos Seminaristas (18 de outubro de 2010).
  6. Papa Leão XIII, Carta Encíclica Mirae Caritatis (28 de maio de 1902), n. 7.
  7. Catecismo de São Pio X, n. 596.

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.