CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Hoje não só é dia 13 — o que por si só já faria desta uma data apropriada para falar sobre Fátima — como também, neste mês de fevereiro, fazemos memória do falecimento da Ir. Maria Lúcia de Jesus e do Imaculado Coração, uma das três videntes de Fátima. Mesmo que Lúcia seja a única dos pastorinhos ainda não beatificada pela Igreja, se considerarmos a sorte que tiveram os outros dois — os hoje santos Francisco e Jacinta Marto —, é bem possível que a sua alma também esteja gozando já da bem-aventurança eterna, ao lado de Deus, em um lugar de muita honra e distinção.

Ao mesmo tempo, porém, que elevamos os olhos para o céu e contemplamos o brilho desses primeiros fiéis devotos da Virgem de Fátima, somos quase levados espontaneamente a refletir também sobre o gênero de vida que tiveram essas crianças; sobre como se santificaram esses pequeninos, desprezados pelo mundo, mas eleitos por Deus e por sua santíssima Mãe. E se tomamos em mão as famosas Memórias da Irmã Lúcia, descobrimos que uma das coisas que mais impressionaram aqueles servos de Deus, levando-os a uma radical mudança de vida, foi nada menos que a visão do inferno.

Sobre Jacinta se conta, por exemplo, que "a vista do inferno tinha-a horrorizado a tal ponto, que todas as penitências e mortificações lhe pareciam nada, para conseguir livrar de lá algumas almas". Perguntando-se "como é que a Jacinta, tão pequenina, se deixou possuir e compreendeu um tal espírito de mortificação e penitência", a mesma Ir. Lúcia não hesitava em responder: "Parece-me que foi: primeiro, por uma graça especial que Deus, por meio do Imaculado Coração de Maria, lhe quis conceder; segundo, olhando para o inferno e desgraça das almas que aí caem" [1].

O que para muitos santos adultos só aconteceria depois de anos de muita purificação, deu-se com os pastorinhos de Fátima como num estalo, por assim dizer: recebendo "uma graça especial" de Deus, Lúcia, Francisco e Jacinta ficaram aterrorizados com a danação eterna de tantas pessoas e saíram de seu encontro com a Virgem Maria fortalecidos para a missão. Afinal, Nossa Senhora lhes revelara que, rezando muito e fazendo sacrifícios pelos pecadores, seria realmente possível salvar do inferno muitas almas [2].

Movidas por um grande amor, aquele mesmo amor de Cristo que nos urge, como diz São Paulo (cf. 2Cor 5, 14), os três videntes acolheram esperançosos o pedido dos céus: "Quereis oferecer-vos a Deus", perguntava-lhes Nossa Senhora, "para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?" Ao que as três crianças respondiam, uníssonas: "Sim, queremos" [3]. Com isso — grande providência divina! —, aquelas crianças não só salvaram numerosíssimas almas da condenação eterna como elevaram as suas próprias almas a Deus. A mensagem de salvação que a Virgem trazia a Portugal destinava-se, na verdade, ao mundo inteiro, mas também e antes de tudo àquelas três crianças pastoras.

Ora, se elas, cooperando com a graça do alto, puderam livrar com as suas orações e pequenas penitências milhares de almas do inferno eterno, o que nós estamos esperando? Se três crianças, mal tendo chegado à idade da razão, se deixaram trespassar pela urgência da salvação das almas, o que nós estamos a fazer, lerda e tolamente, quietos e inoperantes? Se três pequenas almas sararam, com seus esforços, tantas almas feridas pelo pecado, o que nós, que fomos ungidos com o sacramento da Confirmação [4] e feitos, portanto, soldados de Cristo, estamos fazendo de nossa vocação?

Assim pois como a mensagem de Fátima impeliu aquelas crianças, assim como o amor de Cristo impulsionava os primeiros cristãos, também nós devemos deixar-nos comover, neste Ano Mariano, pelo apelo da bem-aventurada Virgem Maria. Também a nós ela pergunta no dia de hoje: "Quereis oferecer-vos a Deus [...], em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?" A resposta a esse chamado compete a cada um, individualmente. Levantemo-nos de nossa letargia e, revestidos da graça do Senhor, sejamos grandes como foram estes pequenos.

Referências

  1. Memórias da Irmã Lúcia. 13.ª ed. Fátima: Secretariado dos Pastorinhos, 2007, pp. 122-123.
  2. Cf. Id., p. 92: "Rezai, rezai muito, e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas".
  3. Id., p. 82.
  4. As considerações de S. Tomás de Aquino sobre este sacramento e a oportunidade de ele ser conferido a todos, inclusive as crianças, constam em STh III 72, a. 8.
Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

63episódios