CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 16, 16-20)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Pouco tempo ainda, e já não me vereis. E outra vez pouco tempo, e me vereis de novo”. Alguns dos seus discípulos disseram então entre si: “O que significa o que ele nos está dizendo: ‘Pouco tempo, e não me vereis, e outra vez pouco tempo, e me vereis de novo’, e: ‘Eu vou para junto do Pai?’”.

Diziam, pois: “O que significa este pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer”. Jesus compreendeu que eles queriam interrogá-lo; então disse-lhes: ‘Estais discutindo entre vós porque eu disse: ‘Pouco tempo e já não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis?’

Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria”.

No Evangelho de hoje, diz Jesus a seus discípulos: “Pouco tempo ainda, e já não me vereis. E outra vez pouco tempo, e me vereis de novo”. Propõem os autores diversas interpretações para este versículo. a) Para alguns, mais atentos ao sentido literal e histórico do texto, significa: “Dentro em breve, isto é, quando eu morrer crucificado, já não me vereis; mas, pouco tempo depois, ou seja, depois de minha Ressurreição ao terceiro dia, tornareis a ver-me”. b) Para outros, significa: “Daqui a pouco tempo, isto é, após minha Ascensão aos céus, já não me vereis; mas, pouco tempo depois, isto é, quando tiverdes terminado o curto tempo desta vida, tornareis a ver-me no meu Reino”.

À interrogação tácita dos Apóstolos sobre o sentido destas palavras responde o Senhor explicando ou, antes, confirmando o que dissera no v. 16: “Em verdade, em verdade vos digo: vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará” etc. Estas últimas palavras admitem duas leituras, em função da interpretação que se adote para o versículo precedente: a) para alguns, as lágrimas e lamentações dos discípulos indicam a sua tristeza pela morte de Cristo, ao passo que a alegria do mundo significa o triunfo aparente dos judeus; b) para outros, Cristo se refere às tristezas e dificuldades que os seus discípulos terão de suportar durante o tempo em que estiverem nesta vida, lutando contra as vaidades do mundo pela edificação do Reino de Deus. Em todo caso, o Senhor garante que “a vossa tristeza se transformará em alegria” (‘εἰς χαρὰν γενήσεται’), ou seja, numa alegria que ninguém jamais vos arrebatará (cf. Jo 16, 22); a alegria do mundo, por sua vez, converter-se-á numa tristeza que jamais terá remédio. Assim, Deus enxugará toda lágrima dos que aqui choraram, padecendo por seu amor, e entregará à segunda morte os que nesta vida riram de seus Mandamentos e se mofaram de seu Filho (cf. Ap 21, 4.8).

Nesse sentido, existe um paralelo entre a “derrota” do Senhor crucificado e a vida dos que o seguem: nesta terra, os cristãos e todo o Corpo da Igreja aparecem aos olhos do mundo como algo digno de desprezo, fadado ao fracasso e a toda sorte de perseguições; no entanto, assim como a nossa Cabeça ressuscitou gloriosa, triunfando da morte e de seus inimigos, assim também os seus membros hemos de passar pela páscoa desta vida, a fim de entrarmos gloriosos na outra, onde as lágrimas da nossa tristeza passageira se converterão em uma alegria sem ocaso nem defeito. — Portanto, não tenhamos medo nem desanimemos por causa das tragédias que se abatem sobre nós e sobre a Santa Igreja, porque em pouco tempo a nossa “tristeza se transformará em alegria”!

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.