CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

463. O Menino Jesus e a Sagrada Face

Fazer-se pequeno diante de Deus implica, antes de tudo, estar disposto a aceitar por amor os sofrimentos com que Ele quiser nos provar.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc
9, 30-37)

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: "O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão, mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará".

Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar. Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: "Que discutíeis pelo caminho?" Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior.

Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: "Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!" Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles, e abraçando-a disse: "Quem acolher em meu nome uma dessas crianças, é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher, está acolhendo, não a mim, mas aquele que me enviou".

Ao predizer no Evangelho desta terça-feira a própria morte, Jesus insiste numa verdade essencial à vida cristã: o caminho que conduz à glória do Pai é um caminho "para baixo", quer dizer, que vai de encontro à humilhação, à aceitação do sofrimento e, como que em resumo, à negação de si mesmo. Isso tudo está belamente representado na figura daquela criança que o Senhor propõe hoje como modelo aos discípulos e na qual Santa Teresa de Lisieux tanto se inspirou; o Menino Jesus e a Sagrada Face, estas duas realidades que ela quis associar ao seu nome religioso, são na verdade dois aspectos da vida espiritual que se encontram intimamente unidos. O Menino Jesus, com efeito, aponta para o ser pequenino e entregue aos cuidados de Deus; isto, por sua vez, nos remete à expressão máxima de abnegação e abandono, a loucura da Cruz, cujas manifestações de amor ficaram gravadas no véu de Santa Verônica. Cristo fez-se pequeno e exemplo de humildade não somente ao assumir nossa natureza humana, mas também, e sobretudo, ao oferecer-se ao Pai como sacrifício expiatório que, começando já pelos sofrimentos e incômodos no interior do presépio, consumou-se de modo perfeitíssimo no cimo do monte Calvário. Roguemos, pois, a Cristo, Nosso Senhor, e Lhe imploremos a graça de, para crescermos no amor, nos associarmos à sua Paixão redentora e podermos bradar com Ele, como filhos de todos abandonados à providência paterna: "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!" (Lc 23, 46).

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.