64 anos atrás, no dia 22 de março de 1956, morria Dom Francisco de Aquino Corrêa, segundo arcebispo de Cuiabá. Como memória deste acontecimento e, ao mesmo tempo, piedosa lição de bem morrer, publicamos a seguir a crônica escrita pelo Padre Bruno Ricco, salesiano, que assistiu o bispo em sua partida para a eternidade [1]

Depois, publicamos também o poema In extremis, de autoria do próprio Dom Aquino [2]. Nesses versos, o bispo responde a uma poesia homônima de Olavo Bilac, mostrando como é superior o amor cristão aos efêmeros amores deste mundo passageiro.


Os últimos instantes do Arcebispo

Foi no dia 22 de março. Sabedor de que muito se agravara seu estado de saúde, corri imediatamente ao Sanatório de Santa Catarina, às 6h30min. Em lá chegando, preparava-se o enfermo para receber o Sagrado Viático, o que se efetuou às 18 horas. A hora misticamente sugestiva da “Ave Maria”. 

Antes, porém, lá pelas 16 horas, Dom Aquino perguntara à delicada Irmã Walburga: “Irmã, estou mal?” E a Irmã, com rude franqueza, necessária nessas horas, lhe respondeu: “Sim, Excelência. Quer receber a Extrema Unção?” Saiu-lhe espontânea a expressão que habitualmente tinha nos lábios “Que é isso?” e logo acrescentou: “Sim, quero…; é a terceira vez…”. 

Dom Aquino Corrêa.

Completamente senhor de todas as suas faculdades, acompanhou com profunda piedade as orações do Ritual. Dirigindo-se à Irmã enfermeira que o assistia, perguntou-lhe se o Viático podia ficar para as 20 horas. Respondeu-lhe a Irmã: “Já que tem que lutar, é melhor lutar com Nosso Senhor”. “— Então, que venha logo”. 

Achavam-se presentes os Reverendíssimos Padres José Fernandes Stringari, Diretor do Liceu Coração de Jesus, Pe. Teófilo Tworz, Vigário cooperador da Paróquia, o irmão leigo Carlos Godói e algumas Irmãs do Sanatório. 

Ajoelhamo-nos todos ao redor do leito do amado Arcebispo. 

Entra no quarto o Padre Capelão do Sanatório com o Sagrado Viático. 

Acompanhamos comovidos todo o desenrolar da cerimônia. 

O Senhor Arcebispo de Cuiabá recolhe-se, junta as mãos, concentra-se naquela piedade e fé eucarísticas que o caracterizavam. 

Notei que, nesse instante, Dom Aquino chorava. Pressentia a morte. Recebeu a Sagrada Comunhão com muito recolhimento, movendo continuamente os lábios em fervorosas preces

Depois de algum tempo, retiraram-se os Padres Diretor do Liceu e Teófilo. Permaneci o tempo todo ao lado do querido doente, fazendo o que é possível fazer nesse transe doloroso. Pedi-lhe uma bênção especial para a minha querida Paróquia. Fui prontamente atendido. Perguntando-lhe, alguma vez, como se sentia, dava como resposta: “Não estou bem”. 

A certa altura, sai-se com este verso de Bocage: “Saiba morrer, o que viver não soube!” Disse-lhe, então: “Mas V. Ex.ª soube viver; sempre viveu bem”. Ao que ele logo acrescentou: “Que os Anjos digam: Amém!

Pelas 19 horas, a fala começou a tornar-se dificultosa. Chamou diversas vezes pelo Bispo Auxiliar. Em dado momento me diz: “Que Dom Antônio comunique à Nunciatura…”. Certamente queria dizer: “o meu falecimento”. 

Telefono ao Liceu, chamando o Padre Diretor, porque o desenlace se precipitava. Do Palácio do Senhor Cardeal pedem informações, respondo que o Senhor Arcebispo tem poucos instantes de vida. 

Leio, então, a bela oração Anima Christi, sanctifica me, que ele acompanha com muita atenção. Para não cansá-lo, silencio. Pede-me, entretanto, que eu leia o hino Adoro te devote, composto por Santo Tomás de Aquino. Instantes depois, entra a Irmã Superiora do Sanatório. Com um sorriso franco, Dom Aquino agradece à Irmã e esta pede uma bênção para toda a comunidade. O Arcebispo traça a cruz por sobre a Superiora. 

Recordo-me que nos achávamos às vésperas da solenidade das Dores de Nossa Senhora (sexta-feira da Semana da Paixão) e juntos rezamos a Salve Rainha. Dom Aquino rezava continuamente. 

Leio as orações dos agonizantes por ele seguidas com plena lucidez de mente, e, às invocações, respondia Amém.

Chega Dom Paulo Rolim Loureiro, Bispo Auxiliar do Cardeal Mota, que o representa no momento. Dom Aquino já não fala. Faz gesto de beijar o Crucifixo que ele beija com unção.

Leio a oração: Proficiscere, anima christiana, de hoc mundo (Parte, alma cristã, deste mundo). Nisso, com suas próprias mãos, firmes, apesar do corpo quase frio, Dom Aquino arrumou melhor o travesseiro, e inclinando a cabeça para o lado do coração, suspirou profundamente, pela última vez

Pusemos-lhe a vela acesa na mão. 

Nenhum gemido. Morreu como viveu: placidamente, na Santa Paz do Senhor.


In extremis
1944

(Resposta a Bilac)

Quero morrer, meu Deus, quanto tu bem quiseres:
Esplenda a primavera em rosas, malmequeres,
Ninhos cantando no ar, aos perfumes do vento,
E “asas tontas de luz, cortando o firmamento”;
Ou ruja em temporal, a mais rija invernada,
Sem uma flor sequer, na terra desolada.
Refulja o sol no céu, no campo, na floresta,
E entre orgias de luz, vibre o universo em festa;
Ou paire a noite, noite imensa, muda e seva,
E raio algum de luz, rasgue a profunda treva.
Que me importa este mundo e toda esta vaidade,
Quando a morte me abrir o lar da eternidade?
Que me importa esse amor, que geme e desespera,
A tremer ante a morte implacável e fera,
Entre gélidas mãos e bocas retorcidas
E olhos a marejar em lágrimas doridas?
Triste, bem triste amor, que a morte assim tão cedo,
Converte nesse horror, que é frio, espanto e medo!
O meu amor é outro, eterno e onipotente.
Amor dum Deus, amor, que não morre, nem mente,
Amor, que não tem noite, ocaso, nem inverno,
Mas vive no esplendor do dia sempiterno.
E embora, ó meu Jesus, eu seja um miserável,
Que hei, tanta vez, traído o teu beijo adorável,
Espero o teu perdão, espero o teu sorriso,
Espero o teu amor, no azul do paraíso.
Espero que Maria, a Mãe, que tu me deste,
Imagem virginal da bondade celeste,
Seja comigo, e junto ao leito da agonia,
Mãe de misericórdia, ore, ajude e sorria.
Então a morte, a morte atroz para os mundanos,
Ela, que é o fim fatal dos amores profanos,
Longe de me roubar o teu amor sagrado,
Dar-me-á, por esse amor, no céu, meu Bem-Amado,
Pura, santa, imortal, verdadeira e querida,
“A delícia da vida! A delícia da vida!”

Referências

  1. Pe. Bruno Ricco. Os últimos instantes do Arcebispo. São Paulo, 11 de abril de 1956. In: Pe. Pedro Cometti. Dom Aquino Corrêa: vida e obra, pp. 410-411.
  2. Dom Aquino Corrêa. “In extremis”. In: Nova et Vetera, Poética, v. 1, t. III, Edição do Centenário, pp. 141-142.