CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Assista ao filme "O Grito Silencioso"
Pró-Vida

Assista ao filme "O Grito Silencioso"

Assista ao filme "O Grito Silencioso"

O filme que há anos tem alertado as mulheres para a crueldade do crime do aborto

Equipe Christo Nihil Praeponere9 de Abril de 2013
imprimir

Atualmente, quando se fala em aborto poucas pessoas têm em suas mentes a real dimensão de seu significado, não imaginam como ele acontece ou quais são as técnicas utilizadas. O filme "O Grito Silencioso" é uma importante ferramenta para acabar com a ignorância que cerca o assunto. É um meio eficaz de visualizar, sem interferências ideológicas ou intelectuais o que de fato acontece num aborto.

Nesse momento, em que os grupos extremistas pró-aborto formados - pasmem, por mulheres em sua maioria - discutem com tanta paixão se o aborto é ou não um direito reprodutivo, se o feto é ou não um ser humano, se o feto pertence ou não ao corpo da mulher para que dele possa dispor como bem entender, quando se inicia a vida, e tantas outras questões, que o filme "O Grito Silencioso" desempenha um papel fundamental e deveria ser visto por todos. Isso para que haja um debate sério com honestidade intelectual suficiente para se chegar a uma decisão que abarque todos os interessados: a sociedade, o Estado, a mãe, o pai e o próprio feto. Todos devem saber o que acontece num aborto antes de emitirem opinião ou de legislarem.

O filme "O Grito Silencioso" foi produzido em 1985 pelo Dr. Bernard N. Nathanson, médico americano que chegou a ser conhecido pela alcunha de "Rei do Aborto" por seu papel desempenhado na legalização do aborto nos Estados Unidos. Ele ajudou a criar a Liga Nacional de Ação pelo Direito ao Aborto (NARAL). E, na iminência da aprovação da lei, fundou o Centro de Saúde Reprodutiva e Sexual em Nova York, onde coordenava a equipe e ele mesmo realizava os abortos. Esta clínica era a maior de NY e a mais ativa. Em seguida, criou o departamento de Fetologia no Hospital São Lucas, onde foi nomeado diretor do serviço de obstetrícia.

O Dr. Nathanson chegou a afirmar ter feito pessoalmente mais de cinco mil abortos. Até que surgiu a ultrassonografia. O aparelho de ultrassom foi a peça decisiva na mudança de vida do médico que, de maior abortista americano, passou a ativista pró-vida.

O filme "O Grito Silencioso" retrata de maneira inequívoca o que o Dr. Bernard Nathanson enxergou no útero de sua paciente que o fez mudar radicalmente.

A mensagem que o filme "O Grito Silencioso" transmite é tão forte e profunda que houve muitos casos de ferrenhos abortistas que mudaram radicalmente de opinião após assisti-lo, o Dr. Nathanson foi apenas um deles. Ele também é uma importante ferramenta para impedir que novas vidas sejam ceifadas ainda no ventre materno.

Assista ao filme

Se você conhece alguém que esteja pensando ou que tenha resolvido abortar, mostre esse filme a ela.

Finalmente, lançamos uma pergunta a todos aqueles que são favoráveis ao aborto, mesmo em casos isolados: depois de assistir ao filme, você ainda continua a favor do aborto?

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Milhares de franceses protestam contra "casamento" gay
Notícias

Milhares de franceses
protestam contra "casamento" gay

Milhares de franceses protestam contra "casamento" gay

Em meio a um público de diferentes idades e credos, a ocasião foi uma oportunidade para unir católicos, protestantes e até muçulmanos em torno da defesa da família.

Equipe Christo Nihil Praeponere27 de Março de 2013
imprimir

As ruas de Paris voltaram a ser palco de uma mobilização contrária à política socialista do presidente François Hollande, que pretende legitimar o "casamento" gay na França até junho deste ano. Cerca de 1,4 milhão de pessoas (algumas informações defendem 300 mil) marcharam à frente da Torre Eiffel para dizer um forte "não" à equiparação dos relacionamentos homossexuais à família natural. Em meio a um público de diferentes idades e credos, a ocasião foi também uma oportunidade para unir católicos, protestantes e até muçulmanos em torno da defesa da família. E, para desespero dos militantes esquerdistas, a manifestação que aconteceu no último domingo, 24/03, contou com o apoio de vários homossexuais, sobretudo dos membros da Homovox, a maior associação homossexual do país.

Essa é a terceira vez em que os franceses saem às ruas para repudiar o projeto da Ministra da Justiça francesa, Christiane Taubira, que busca a regularização da união civil entre pessoas do mesmo sexo. Em janeiro de 2013, a marcha teve o apoio de centenas de associações e grupos de diferentes credos que marcaram presença durante o ato para exigir do presidente François Hollande um referendo sobre o assunto. Embora a maioria dos franceses apoiem a proposta, a porcentagem dos que são contrários vêm crescendo dia após dia, em grande parte, devido a esses protestos. Foram as maiores manifestações públicas do país desde que a população resolveu protestar contra a reforma educacional em 1984.

As lideranças gays, numa tentativa fracassada de fazer oposição às marchas em defesa da família, também se organizaram em manifestações. No entanto, apesar de todo o aparato da mídia progressista e do lobby de outras organizações, o número de participantes ficou muito aquém daquele presente nas manifestações rivais. Uma derrota vergonhosa para a ideologia de gênero e seus promotores. Quem achava que a família natural poderia ser subvertida mediante uma simples canetada do presidente percebeu que estava errado. Fator que só tende a reforçar o incisivo ensinamento da Igreja de que, nas palavras do Cardeal Joseph Ratzinger, "[n]enhuma ideologia pode cancelar do espírito humano a certeza de que só existe matrimônio entre duas pessoas de sexo diferente".

Se por um lado o governo já declarou que não tem a intenção de voltar atrás no projeto, por outro, a situação é uma ótima oportunidade para os franceses perceberem a farsa do discurso socialista e o pouco caso dessa ideologia em relação aos termos democráticos. Não importa que a lei natural diga que dois homens não são capazes de gerar um filho, não importa que a população se mostre contrária à proposta. A única coisa que importa para políticos dessa estirpe é fazer prevalecer seus ideais delirantes e imorais. Nem que para isso eles tenham que perseguir, condenar ou fazer uso das famosas guilhotinas de Robespierre e Napoleão. A criação de um "Observatório Nacional da Laicidade" para combater o que eles chamam de "patologia religiosa" já é um primeiro passo nesta direção.

Uma coisa é certa, a histórica manifestação dos franceses não deixará indiferente a consciência da população, muito menos a de seus governantes. Prova disso vê-se na preocupação dos socialistas em relação à crescente atuação da Igreja no espaço do debate público. Mesmo que a absurda lei do "casamento" gay venha a ser aprovada, o presidente François Hollande não ficará imune à reprovação do país, algo que poderá se refletir nas próximas eleições. Há um despertar da fé no povo francês, isso é notório. E esse despertar é o que ajudará os franceses a perceberem que, no debate acerca da união entre pessoas do mesmo sexo, o que se está em jogo não são apenas convicções religiosas, como alguns querem fazer crer, mas a própria natureza e identidade do ser humano.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

La Terapia delle malattie spirituale - Padre Paulo Ricardo em italiano
Espiritualidade

La Terapia delle malattie spirituale -
Padre Paulo Ricardo em italiano

La Terapia delle malattie spirituale - Padre Paulo Ricardo em italiano

A pedido da TV Canção Nova da Itália, o padre Paulo Ricardo gravou uma série de vídeos em italiano para a emissora, a respeito da "Terapia das doenças espirituais"

Padre Paulo Ricardo26 de Março de 2013
imprimir

A pedido da TV Canção Nova da Itália, o padre Paulo Ricardo gravou uma série de vídeos em italiano para a emissora, a respeito da "Terapia das doenças espirituais". O tema já foi abordado em um dos cursos do site e pode ser encontrado também na versão livro, sob o título de "Um olhar que cura". Assista aos vídeos e os compartilhem com seus amigos, sobretudo com os italianos.

La Terapia delle malattie spirituale - Introduzione

La Terapia delle malattie spirituali - La Philautìa

La Terapia delle malattie spirituali - La Philautìa

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Novo estudo confirma efeito abortivo da pílula do dia seguinte
Pró-VidaSociedade

Novo estudo confirma efeito
abortivo da pílula do dia seguinte

Novo estudo confirma efeito abortivo da pílula do dia seguinte

O cientista espanhol Emilio Jesús Alegre del Rey apresentou em Paris uma rigorosa investigação sobre a pílula do dia seguinte (PDS), confirmando seu caráter abortivo.

ACI Digital21 de Março de 2013
imprimir

O cientista espanhol Emilio Jesús Alegre del Rey apresentou em Paris, por ocasião do Congresso Europeu de Farmácia Hospitalar, realizado do 13 ao 15 de março, uma rigorosa investigação sobre a pílula do dia seguinte (PDS), confirmando seu caráter abortivo.

Em seu relatório sobre a pílula do dia seguinte, Alegre del Rey, farmacêutico especialista em Farmácia Hospitalar, concluiu que "a disponibilidade da PDS atenta contra a vida dos embriões ainda não implantados, supõe riscos para as usuárias, carece de benefícios em termos de redução da taxa de gravidez imprevista e aborto provocado, e ocasiona um gasto supérfluo".

O farmacêutico assinalou que "parece muito provável que a PDS atue parcialmente mediante mecanismos pós-fecundação que dariam conta, ao menos, de 30% -e possivelmente, de 50%- de seu efeito na diminuição das gravidez confirmadas".

"A negação do efeito pós-fecundação (abortivo) carece atualmente de base científica relevante e não é consistente com a melhor evidencia clínica disponível", assinalou.

Para o cientista, "o fato de que a PDS possa atuar parcialmente mediante mecanismos que causam a eliminação do embrião, supõe um dado de partida para a discussão ética e para as cláusulas de consciência, e deve ser comunicado aos profissionais".

"A eliminação do embrião ainda não implantado tem relevância ética e psicológica para as potenciais usuárias, muitas das quais manifestam que não tomariam um produto desse tipo", indicou.

Emilio Alegre advertiu que "resulta imprescindível" que as mulheres que poderiam recorrer à pílula do dia seguinte "sejam informadas, sem ambiguidades nem omissões, de que a PDS pode ter um efeito abortivo antes da implantação".

O farmacêutico acrescentou também que "existe evidência experimental de máximo nível que mostra que facilitar a disponibilidade da PDS não diminui a taxa de gravidez imprevista nem a de aborto provocado a nível populacional".

As afirmações de que a disponibilidade da pílula do dia seguinte, com ou sem controle médico, contribuiria para diminuir a gravidez imprevista ou abortos provocados "são contrárias à melhor evidencia científica disponível e supõem uma grave desinformação em matéria sanitária", assegurou.

Emilio advertiu também que a pílula do dia seguinte "supõe riscos para a saúde, e ainda mais quando se usa em populações escassamente representadas nos ensaios clínicos (como por exemplo, em adolescentes, mulheres com ciclos irregulares), em condições não provadas nos mesmos (administrações repetidas, mais ou menos frequentes), e/ou em pessoas com riscos específicos (alterações de coagulação, histórico de gravidez ectópica, salpingitis, interações etc.)".

"A expansão atual da disponibilidade deste produto hormonal, sabendo que esta aumenta sua utilização, mas não contribui com benefícios e sim com riscos, parece uma decisão contraditória do ponto de vista da saúde pública, além das considerações éticas", assegurou.

Ao comentar esta investigação, a Dra. María Alonso, coordenadora da Área de Medicina de Profissionais pela Ética, assinalou que "a investigação do Emilio J. Alegre implica consequências bioéticas evidentes já que ao ter a PDS um efeito abortivo, devemos afirmá-lo com claridade".

"Na Espanha a sua distribuição continua sem limite de idade nem prescrição médica, o qual resulta uma barbaridade do ponto de vista médico e bioético", denunciou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.