| Categoria: Santos & Mártires

Como São José pode ajudar a salvar o nosso século

Oxalá abríssemos os nossos olhos e compreendêssemos, como São José entendeu, que sempre o mais urgente a fazer é orar!

Há algum tempo traduzimos uma matéria mostrando como São Bento de Núrsia podia ajudar a salvar o nosso século. Desta vez, aproveitando a proximidade da festa de São José, o maior de todos os santos depois da Virgem Maria [1], é hora de mostrar o que ele, pai nutrício de Jesus, tem a ensinar especialmente a tempos difíceis como os nossos.

Antes de qualquer coisa, é preciso admitir a gravidade das circunstâncias por que estamos passando, se fizermos uma análise objetiva das coisas sub specie aeternitatis, ou seja, com olhar sobrenatural. Os homens não querem saber de Deus, vivem tranquilamente na lama do pecado mortal e vão se afundando cada vez mais em vícios terríveis. Tudo com o silêncio trágico dos pastores, cuja conivência obriga até as pedras a gritarem, e com a chancela das autoridades civis, que dia após dia sancionam leis e mais leis contrárias ao direito natural.

E antes que alguém nos acuse de sermos "profetas da desgraça" ou aves de mau agouro, examinemos um pouco como começa um dos mais importantes documentos da Igreja sobre a figura de São José, a encíclica Quamquam Pluries, do Papa Leão XIII, escrita ainda em 1889 (ou seja, mais de 125 anos atrás):

"Ora, veneráveis irmãos, vós conheceis as adversidades do nosso tempo, que é bem mais prejudicial para a religião cristã do que aqueles que passaram. Vemos como num grandíssimo número de fiéis desaba a fé, fundamento de todas as virtudes cristãs; resfria-se a caridade; a juventude cresce na depravação dos costumes e das idéias; a Igreja de Cristo é assaltada por todo lado com a violência e a fraude; faz-se uma guerra feroz ao pontificado; com ousadia crescente correm-se os próprios fundamentos da religião. Não é preciso demonstrar, por ser demasiado conhecido, até que ponto se chegou a esta descida, nos ultimíssimos tempos, e o que se quer fazer de pior ainda."

"Numa situação tão triste e difícil só podemos pedir o remédio ao poder divino, pois os remédios humanos são inadequados aos males." [2]

Repitamos a data destas linhas, para que fique bem claro: Papa Leão XIII as escreveu em 15 de agosto de 1889. A sua denúncia é muitíssimo séria, une-se a um coro inumerável de manifestações magisteriais do mesmo gênero [3] e não pode passar em branco, principalmente agora, mais de um século depois, quando esse quadro pintado por Sua Santidade só parece ter piorado ainda mais.

Mas por que dar atenção a palavras como essas, aparentemente tão sombrias e "pessimistas"?

Bem, por uma razão bem simples: só enxergando com clareza a nossa situação péssima de miséria (que não é "exagero retórico", mas simplesmente a realidade) podemos entender a "boa notícia" — ou melhor, a excelente notícia — que é o Evangelho. A profecia de Isaías, que se proclama todos os anos no Natal, diz que "o povo que andava nas trevas viu uma grande luz" (Is 9, 2): essa luz que brilha é Cristo, mas ela brilha na escuridão. E isso para quê, senão "para iluminar a quantos jazem entre as trevas e na sombra da morte estão sentados" (Lc 1, 79)? Não é verdade que Jesus veio para nós, os pecadores?

É justamente isso o que indica o Papa Leão XIII quando diz que "numa situação tão triste e difícil só podemos pedir o remédio ao poder divino". Entender a verdade de nossa condição é importante, portanto, para que desesperemos de uma vez de encontrar soluções humanas para os nossos problemas. É só Deus quem pode nos salvar: foi por isso mesmo que Ele "se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1, 14), e é também por isso que, ao longo da história, Ele vem em nosso auxílio enviando-nos a sua graça, para continuarmos a Encarnação do Verbo em cada geração humana.

Mas onde entra a missão de São José nessa história toda?

Em primeiro lugar, no fato de que devemos contar, para isso, com a sua poderosa intercessão. O Papa Leão XIII menciona em sua encíclica, por exemplo, o importante título que São José possui de padroeiro da Igreja, assim como foi guardião da família de Nazaré [4]. É da pena de Santa Teresa d'Ávila, no entanto, que vem um dos mais preciosos motivos para recorrermos sempre às orações do pai adotivo de Jesus:

"Não me lembro de até hoje lhe ter pedido alguma coisa que não ma tenha concedido, nem posso pensar sem admiração nas graças que Deus me tem concedido por sua intercessão e nos perigos de que me tem livrado, tanto para a alma como para o corpo. Parece-me que Deus concede aos outros santos a graça de nos auxiliar nesta ou naquela necessidade, mas sei por experiência que São José nos socorre em todas, como se Nosso Senhor quisesse fazer-nos compreender que, assim como Ele lhe era submisso na terra, porque estava no lugar de pai e como tal era chamado, também no céu não pode recusar-lhe nada." [5]

Em segundo lugar, a importância de São José está no fato de que devemos imitar as suas virtudes. Dentre as inúmeras de que poderíamos falar nesta matéria — desde a sua pureza, tão necessária para os nossos tempos, até a sua diligência no trabalho —, queremos destacar uma só, por agora: a virtude da religião.

São José era justo, como nos diz o Evangelho (cf. Mt 1, 19), não só no trato com os homens, mas principal e primeiramente no relacionamento com Deus, prestando-lhe o culto devido. Em meio à conturbação de seus contemporâneos, ante a expectativa de se cumprirem as profecias e finalmente vir a Israel o Messias esperado, a sua justiça brilhava com ainda mais força, como nos relata Michel Gasnier:

"Em José, sobretudo, essa expectativa era ardente e fazia o seu coração palpitar com imensa esperança. Enquanto muitos se agitavam e se entregavam a uma efervescência político-religiosa na expectativa dessa misteriosa revelação, ele considerava que o mais urgente era orar. Com a alma repleta de fervor, implorava ao Senhor e fazia subir aos céus a sua oração, pedindo a Deus que fizesse enfim soar a hora e enviasse Aquele que havia de trazer ao mundo a luz e a salvação." [6]

Também em nossa época, é grande a "efervescência político-religiosa" que inquieta os corações dos homens — e não só dos que estão no mundo, mas de muitos que fazem parte da Igreja. É grande a preocupação com qual será o destino de nossos políticos corruptos, com qual será o próximo chefe de Estado brasileiro, com o que o atual disse ou deixou de dizer, com quais são as últimas notícias do meio eclesiástico etc. Mas e quantas são as orações? Rezamos na mesma medida em que nos preocupamos? Somos Maria com a mesma intensidade com que somos Marta? Estamos dispostos a colocar-nos aos pés do Senhor com a mesma assiduidade com que visitamos os canais de notícias, as páginas de Facebook e as conversas intermináveis de WhatsApp?

Esse é um exame de consciência necessário a todos nós. Oxalá abríssemos os nossos olhos e compreendêssemos, como São José entendeu, que sempre o mais urgente a fazer é orar! Se as primeiras horas do nosso dia (ou as outras, que sejam) forem gastas na presença de Deus, então todo o nosso dia terá valido a pena.

Se aprendermos isso com o pai de Jesus, já teremos adquirido grande coisa. E com certeza estaremos contribuindo do melhor modo para remediar os males do nosso tempo — os quais só se consertarão, como dizia Leão XIII, se pedirmos a salvação ao poder divino. E é nisso que consiste a oração cristã.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Notas e Referências

  1. Cf. Michel Gasnier. José, o silencioso. São Paulo: Quadrante, 1995, p. 149.
  2. Papa Leão XIII, Carta Encíclica Quamquam Pluries, 15 de agosto de 1889, n. 3-4. In: Documentos de Leão XIII, São Paulo, Paulus, 2005, pp. 373-374.
  3. Basta consultar os textos papais que perpassam praticamente todo o século XX. Nem os mais otimistas, como São João XXIII e o Beato Paulo VI, deixaram de manifestar a sua preocupação com o estado lastimável a que chegou a humanidade em nossos dias (cf., v.g., Papa João XXIII, Humanae Salutis, n. 3; Papa Paulo VI, Homilia de 29 de junho de 1972).
  4. Cf. Quamquam Pluries, n. 14.
  5. Livro da Vida, VI, 6.
  6. Michel Gasnier. José, o silencioso. São Paulo: Quadrante, 1995, p. 34.

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.