CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
O que a OMS, o STF e outros desejam com a legalização do aborto
Sociedade

O que a OMS, o STF e outros
desejam com a legalização do aborto

O que a OMS, o STF e outros desejam com a legalização do aborto

Esqueça o mundo que você conhece. A julgar pelas ações da Organização Mundial da Saúde e de instituições como o STF, depois da pandemia, assistiremos ao início de uma nova era da humanidade. E ela não será nem um pouco cristã.

Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Abril de 2020Tempo de leitura: 9 minutos
imprimir

Entre as causas para o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna, a Peste Negra foi, sem dúvida, um fator decisivo. Por conta do pânico gerado, a pandemia não só dizimou “um terço da Europa”, mas gerou uma nova organização social, fundada no medo e no ceticismo. No livro Decameron, do escritor Boccaccio, podemos ler o que diz uma testemunha da época:

Esta tribulação encheu de terror o coração de todos, de modo que o irmão abandonava o irmão, o tio abandonava o sobrinho, freqüentemente a esposa abandonava o marido e, o que é ainda mais extraordinário e até mesmo inacreditável, alguns pais e mães se recusavam a visitar as suas próprias crianças como se não fossem suas.

Eis aí um terreno fértil para a proliferação de vícios e ideias bastante contrárias à religião. De fato, os historiadores relatam que, após a Peste Negra, houve uma “depravação geral dos costumes na Europa”, com o surgimento da literatura pornográfica e o renascimento de costumes pagãos em toda a sociedade [1]. Daí que esse período acabasse conhecido por Renascimento. A civilização foi tomada por uma “febre de viver” tão grande, que se lançou às paixões como se não houvesse Céu nem inferno. Era o início de uma nova ordem política, social e religiosa.

Mutatis mutandis, a atual pandemia de coronavírus pode ser para nós o que a Peste Negra foi para os medievais. Assustada por tantas más notícias, presa em casa e longe dos sacramentos, a população já dá sinais de uma depravação bem maior que a do tempo de Boccaccio [2]. Por isso, não é exagero algum acreditar que o mundo, após a Covid-19, deve assistir ao surgimento de uma nova era da humanidade, com novos valores e estruturas político-sociais, assim como aconteceu na Europa a partir do século XIV. Para Henry Kissinger, o responsável pela política de controle populacional dos Estados Unidos, na década de 1970, não há outra alternativa: ou aceitamos a nova ordem mundial, ou entraremos em guerra

E as decisões dos líderes mundiais, como de praxe, só reforçam a impressão, na medida em que confirmam a agenda anticristã e a moralidade revolucionária há décadas em curso. Eles já tomaram uma posição.

O dilema dos direitos humanos

Vamos logo aos fatos: com o início da pandemia, diversos países adotaram medidas preventivas, indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Até aqui, nada de novo sob o sol. Exageradas ou não, as medidas deveriam limitar o avanço da doença e o superlotamento dos hospitais, um dos principais atingidos pelo problema. Por conta do risco de contágio, cirurgias e consultas acabaram canceladas por tempo indeterminado, inclusive em clínicas de tratamento contra o câncer. Em tese, apenas serviços “essenciais” poderiam ser mantidos.

E aqui se esconde o “jabuti”. As aspas para “essenciais” são adequadas porque a OMS simplesmente resolveu incluir nesse grupo... as cirurgias para aborto. A decisão só veio à lume depois que grupos como a Planned Parenthood pressionaram a entidade a assegurar os chamados “direitos reprodutivos” das mulheres. Em nota à imprensa, a OMS explicou que “os serviços relacionados à saúde reprodutiva são essenciais”, conforme as suas orientações, e incluem “contracepção, cuidados de saúde de qualidade para durante a gravidez e após o parto, e aborto seguro em toda a extensão da lei”. Mais ainda: as mulheres devem ser liberadas para abortar em casa, e os abortos devem continuar mesmo se os antibióticos não estiverem disponíveis, sugeriu a dra. Antonella Lavalanet, membra da OMS.

Mas o que justificaria essa sanha? Ora, ao incluir o aborto entre os serviços “essenciais” para um tempo de pandemia que está desestabilizando o mundo, a Organização Mundial da Saúde justifica um paradigma moderno, isto é, o aborto como um direito humano fundamental que, portanto, não pode ser questionado. 

É a inversão de valores suprema. O mais virulento dos ataques aos inocentes é alçado à categoria de “direito”, incluído no rol de direitos humanos e tratado ainda como “fundamental”. Jogo de linguagem perverso, sim, mas adotado não só por entidades como a Organização Mundial da Saúde, senão também por figuras como o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, que tentou anos atrás descriminar o aborto no primeiro trimestre de gestação justamente com um argumento desse gênero. (No próximo dia 24 de abril, a propósito, o STF julgará uma nova hipótese de “aborto legal”. E as esperanças não são das melhores.)

Muito além do aborto

Em toda essa história, porém, o aborto, por mais cruel que seja, é apenas uma peça na engrenagem da revolução. O que se pretende é algo muito mais ambicioso, bem aos moldes do que denunciava Bento XVI: “Quando a lei natural e a responsabilidade que ela implica são negadas, abre-se dramaticamente o caminho ao relativismo ético no plano individual e ao totalitarismo do Estado a nível político” [3]. Se não há uma ordem natural a ser respeitada, então os poderosos é que decidem quais leis, políticas e práticas podem ou não valer dentro da sociedade. Eles são os novos reis absolutistas.

A Planned Parenthood, por exemplo, já não esconde a radicalidade e o totalitarismo das suas intenções. Para a organização, a crise do coronavírus é “um lembrete forte de que precisamos remover todas as leis, políticas e práticas que impedem o acesso à contracepção e ao aborto seguro”.

No livro The Sacred Project of American Sociology (ainda sem tradução para o português), o sociólogo Christian Smith descreve o modus operandi desses “iluminados” que exibem uma suposta “ciência” para seduzir a opinião pública. Smith explica, por exemplo, como “a sociologia hoje é, de fato, animada por um impulso sagrado, por mandamentos sagrados e serve a um projeto sagrado”. Esse projeto consiste em nada mais do que realizar o novo humanismo, ou seja, “a emancipação, a igualdade, e a afirmação moral de todo ser humano como autônomo, independente, e livre para viver como pessoalmente desejar, construindo sua própria identidade, entrando e saindo das relações que escolher”. Eis o fruto proibido apresentado outra vez à humanidade.

Para criar uma nova sociedade, porém, os engenheiros sociais sabem que precisam criar também uma nova religião, que ofereça uma proposta poderosa de liberdade. Essa nova religião é exatamente o cientificismo, cujos sacerdotes são médicos, sociólogos, pesquisadores entre outros. A título de exemplo, experimentem questionar a palavra de algum desses senhores para ver o que lhes acontece. Como uma casta intocável, “os sociólogos são reverenciados, venerados e defendidos como sacrossantos pelos grupos que os apoiam como sagrados”. Afinal de contas, coisas sagradas são dogmas e não podem ser contestadas. Eles devem, por isso, ser defendidos porque trazem, por meio de seus “sacramentos” (aborto, “casamento” gay, ideologia de gênero etc.), a desejada emancipação e a liberdade total para o homem viver como bem entender.

Vejam como a claque revolucionária saiu às pressas para defender o doutor Dráuzio Varella em relação ao episódio com o transexual Suzy. Dráuzio Varella é um ardente defensor do aborto e de outras bandeiras liberais. Em certos grupos, sua palavra é dogma. A Organização Mundial da Saúde, do mesmo modo, tem o poder de declarar o aborto um serviço “essencial” sem ser questionada. Eles trabalham a favor da revolução e do novo humanismo, ou seja, da livre vontade do homem para fazer o que lhe der na telha. Então, como ressalta Christian Smith, “eles nunca podem ser maculados, desafiados ou profanados por qualquer transgressão ou difamação”.

Uma das sacerdotisas do novo humanismo, a infame Margaret Sanger, dizia abertamente que o “controle da natalidade” era uma ferramenta para a evolução das mulheres — hoje ela talvez diria “empoderamento” — e uma “facilitação do processo para eliminar os impróprios ou prevenir o nascimento de deficientes” [4]. Para Sanger, o grande pecado seria precisamente “trazer crianças a este mundo, com doenças dos seus pais, com nenhuma chance de serem pessoas humanas”.

Quando olhamos para as tentativas de aprovação do aborto por causa do zika vírus ou da Covid-19, percebemos o quanto as ideias dela ainda são cultuadas. Foi na esteira dessas ideias, aliás, que o aborto se tornou legal nos Estados Unidos, em 1973, sob a justificativa absurda do “direito à privacidade” — uma forma mais “chique” de dizer: “Meu corpo, minhas regras”.

Fora da Igreja não há salvação

Margaret Sanger só conhecia um obstáculo no caminho da revolução: “Eu penso que a grande oposição é principalmente da hierarquia da Igreja Católica Romana”. Ela bem sabia que as demais denominações cristãs, como o anglicanismo, já haviam cedido à pressão da modernidade, aprovando os métodos contraceptivos. Na verdade, ela chegou a recrutar pastores protestantes para se infiltrarem na comunidade negra e disseminarem a mentalidade contraceptiva. “O trabalho dos ministros também é importante e talvez eles devessem ser treinados pela Federação, segundo os nossos ideais e objetivos que queremos atingir”, disse ela numa carta ao dr. Clarence Gamble.

A Igreja Católica, por outro lado, pronunciou-se definitivamente contra os anticoncepcionais, sobretudo, na encíclica Casti Connubii, de 1930, e mais tarde, na encíclica Humanae Vitae, de 1968. Também o aborto foi reiteradas vezes condenado pelo Magistério (vide a encíclica Evangelium Vitae), inclusive com a excomunhão para quem fizer ou colaborar diretamente na sua realização. Por isso, os bispos do Brasil não hesitaram em bradar contra o recente desatino do STF. Tal posicionamento se deve ao que o Magistério da Igreja chama “valores inegociáveis”, dentre os quais se encontra a “tutela da vida em todas as suas fases, desde o primeiro momento da concepção até à morte natural” [5].

É preocupante, porém, que a Igreja atual esteja invadida pelo relativismo, assim como a Igreja do século XIV padecia sob o nominalismo. Se em tempos anteriores não havia dúvida acerca dos “valores inegociáveis”, hoje não só há quem os considere “um acidente linguístico”, como, sobretudo, uma verdadeira afronta à liberdade de consciência. Nesse quadro, é inevitável questionar se os católicos poderemos resistir ao Golias modernista que avança com sanguinolência sobre a civilização ocidental. A Igreja Católica é necessária para a salvação tanto no plano teológico como no temporal. Foi ela, no fim das contas, que organizou o mundo dos bárbaros. Contudo, se ela mesma estiver barbarizada, de que modo poderá defender os fiéis contra o ataque do lobo?

Na fábula do Chicken Little, o lobo aproveita-se da ingenuidade do pobre franguinho para gerar pânico no galinheiro com a notícia de que o “céu está caindo”. É o Doutor Galo que põe ordem na casa, mostrando a falsidade da notícia. O lobo, contudo, procura minar a credibilidade do Doutor, disseminando fofocas contra ele entre os demais. Desse modo, o vilão consegue fazer com que todos acreditem no franguinho e na sua promessa de salvação... O fim da história todos já sabem.

A história nos mostra que o mundo se perde quando a Igreja não o ilumina. Ou recuperamos a credibilidade do Magistério católico, ou seremos todos vítimas de quem hoje afirma que o “céu está caindo”.

Referências

  1. Introdução Histórica à Página sobre o Cristianismo, III, 50-52.
  2. Por respeito aos nossos leitores, preferimos não citar diretamente as barbaridades que começaram a aparecer, quer na imprensa, quer nas redes sociais, tão logo a população se recolheu dentro de suas casas. De concursos inusitados, bebedeiras a sexo explícito, o tempo atual bem poderia ficar conhecido como “pandemia da luxúria”.
  3. Papa Bento XVI. Audiência Geral (16 de junho de 2010).
  4. Margaret Sanger. Woman and new races. New York: Eldritch Press, 1920 (versão eletrônica).
  5. Papa Bento XVI. Discurso aos participantes no Congresso promovido pelo Partido Popular Europeu (30 de março de 2006).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Católicos, sem essa de adivinhação!
Doutrina

Católicos, sem essa de adivinhação!

Católicos, sem essa de adivinhação!

As revelações de Deus não são para nos meter medo e encher a cabeça de preocupações e previsões de um futuro terreno. São, antes, para nos convidar ao amor e à meditação do único futuro que não passará jamais.

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Abril de 2020Tempo de leitura: 6 minutos
imprimir

A presente pandemia do novo coronavírus desenterrou os temores de muitas pessoas de fé com relação ao fim dos tempos. As igrejas católicas fechadas no mundo inteiro e o culto público a Deus suspenso por tempo indeterminado remetem-nos quase de imediato à supressão do holocausto perpétuo, tal como profetizada no livro do profeta Daniel (cf. 9, 27). Some-se a  este cenário praticamente inaudito na história da Igreja a apostasia geral que há da verdade, e é como se todas as peças do quebra-cabeça se encaixassem… 

A bem da verdade, embora não haja Missas públicas, nem por isso o santo sacrifício deixou de ser rezado pelos sacerdotes, com o que não seria exato falar de “cessação” ou até “abolição” do sacrifício em nossos tempos. Além disso, por mais terrível que esteja a situação da estrutura humana da Igreja, nossos templos continuam a guardar o Corpo e o Sangue do único e verdadeiro Deus. Por isso, a “abominação desoladora” de que fala o mesmo profeta Daniel (cf. 11, 31; 12, 11) — e que tantos já evocaram recentemente — tem suas aplicações à nossa época, sim, mas cum grano salis. Certamente há coisas muito piores por vir.

Comecemos lembrando que os sinais que precedem o fim do mundo foram dados pelo próprio Senhor. Ainda que Ele tenha alertado: ninguém sabe o dia nem a hora (cf. Mc 13, 32), mas nem por isso seus discípulos ficaram completamente “no escuro”. Precederiam a segunda vinda de Cristo a pregação do Evangelho por todo o mundo, a conversão dos judeus, a apostasia da fé, a aparição do Anticristo e, além disso, grandes calamidades (cf. Ott, T. Dogm., pp. 712-714) — de cuja lista não estão excluídas as pestes (cf. Mt 24, 7). 

Tudo isso está no Evangelho, para quem quiser ler, e em fidelidade às palavras de Jesus, também o atual Catecismo fala amplamente sobre o tema (cf. nn. 668-682). Tocar nesse assunto, portanto, não é alimentar “teorias da conspiração”, mas simplesmente falar de nossa fé católica. No Credo, todos os fiéis são chamados a confessar que Cristo, do Céu, “há de vir a julgar os vivos e os mortos” — e não de qualquer modo, sed cum gloria, como diz o Símbolo niceno. 

Mas uma coisa é crer nisso, outra bem diferente é transformar essas verdades em objeto de uma curiosidade malsã.

Pois é sentença certa em teologia que “os homens desconhecem o momento em que Jesus virá de novo” (Ott, T. Dogm., p. 714), e ponto final. A nós não cabe conhecer os tempos e momentos que o Pai fixou com sua própria autoridade (cf. At 1, 7). A curiosidade humana pode tornar-se pecaminosa por várias razões, e uma delas, segundo Santo Tomás de Aquino, é

quando alguém ambiciona conhecer uma verdade superior às suas possibilidades, pois assim cai, facilmente, em erros. Por isso, diz o livro do Eclesiástico (3, 22): “O que é muito difícil para ti, não o procures; o que está acima de tuas forças, não o investigues nem sejas curioso a respeito das muitas obras dele”. E depois acrescenta (v. 26): “Muitos se transviaram por suas especulações; sua imaginação perversa falseou seus pensamentos” (STh II-II 167 1 c.). 

Acontece muitas vezes, é verdade, de o Céu adiantar-se, por assim dizer, revelando de maneira privada os desígnios divinos para determinadas épocas. Foi o que aconteceu em La Salette, em Lourdes e em Fátima, e pode acontecer também agora, porque Deus é livre para comunicar-nos a sua vontade da forma que achar mais conveniente. O que não podemos é perder de vista a intenção e a essência do que Ele nos quer transmitir. Não é correto, diante dos apelos e mensagens autênticas do além, comportar-nos como “adivinhos católicos”, usando-os simplesmente para fazer conjecturas e roteiros apocalípticos, como se fosse menos verdade, agora, que o futuro de fato a Deus pertence, e que, “quanto àquele dia e àquela hora, ninguém o sabe, nem mesmo os anjos do céu, mas somente o Pai” (Mt 24, 36). 

Quando nos envia seus mensageiros (e Deus realmente no-los envia); quando Ele manda, por exemplo, que sua Mãe santíssima apareça (como em tantos lugares apareceu), predizendo castigos e anunciando desgraças, os avisos celestes vêm sempre acompanhados de condições: se não se fizer isto, dar-se-á aquilo. Os alertas das revelações privadas são sempre um eco da Palavra eterna que diz: “Se não vos converterdes, perecereis todos do mesmo modo” (Lc 13, 3). Porque, no fundo, o que importa é isto: a nossa conversão, o arrependimento dos nossos pecados, a reforma da nossa vida.

Assim como não interessava, naquela ocasião, se os galileus mortos por Pilatos e os homens sobre os quais caiu a torre de Siloé eram mais pecadores que o resto, também hoje tampouco nos interessam as minúcias dos próximos capítulos do presente flagelo ou os eventos finais de nossa salvação. O fato é que, se não nos convertermos; se não aproveitarmos o que Deus bondosamente tem permitido em nossas vidas para fazer penitência por nossas faltas, lembrar-nos que temos uma alma, meditar em que, com ou sem coronavírus, todos um dia morreremos e seremos julgados... nós pereceremos. E não de uma morte física, mas da morte eterna.

Concentremo-nos nesta verdade, meditemos sobre isto em oração: a vida eterna é o que ficará; por isso, é com ela que devemos nos preocupar, acima de tudo. Nesses dias em que só se tem notícia de infectados e mortos, complôs e desinformações, crises e colapsos, somos constantemente tentados à curiosidade e à angústia, à ansiedade e até ao desespero. Mas eis com que palavras Nosso Senhor quer consolar-nos nestes dias: 

Não vos aflijais, nem digais: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos? São os pagãos que se preocupam com tudo isso. Ora, vosso Pai celeste sabe que necessitais de tudo isso. Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão dadas em acréscimo. Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado (Mt 6, 31-34).

Isso é muito difícil, porque somos assaltados de todos os lados pelo mundo, e as vozes parecem gritar-nos na cabeça: “Preocupe-se! Preocupe-se! Preocupe-se!” Mas o que Jesus nos manda é possível, sim, se pedirmos cada vez mais no Deus providente, que cuida com muito mais desvelo de nós que dos pássaros do céu e das ervas do campo; se meditarmos em que o amanhã desta vida não nos está garantido (ou seja, eu posso morrer hoje), mas o amanhã da vida eterna virá e, se eu estiver na graça de Deus, viverei com Ele e serei feliz para sempre ao seu lado.

Quando o Céu nos visita, é para recordar-nos isso (e quando nos castiga, é para evitar que nos condenemos ao inferno). Não se trata de pôr-nos um medo mundano e encher-nos a cabeça de preocupações e previsões de um futuro terreno, mas de convidar-nos ao amor, e à meditação do único futuro que não passará jamais. Se entendermos isso, olharemos de outro modo tanto para as notícias de todos os dias, quanto para as profecias dos últimos dias (sejam elas ou não dignas de crédito).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

A Encarnação e a Ressurreição
Doutrina

A Encarnação e a Ressurreição

A Encarnação e a Ressurreição

Chesterton chama à ressurreição da carne “o mais surpreendente dos dogmas”. Mas sejamos francos: o mundo moderno rejeita completamente esse dogma. E a maioria dos católicos provavelmente nunca paramos para refletir sobre o seu significado.

Dale AhlquistTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere16 de Abril de 2020Tempo de leitura: 4 minutos
imprimir

Em seu incomparável livro sobre Santo Tomás de Aquino, G. K. Chesterton mostra que o Doutor Angélico não apenas defendeu a realidade da Encarnação como mostrou suas implicações. A Encarnação uniu o Céu e a terra, mas também uniu o corpo e a alma de uma nova maneira. A presença divina preencheu algo criado, tornando-o sagrado não por um momento, mas para todo o sempre. Mesmo sem a Encarnação podemos compreender que um homem não é um homem sem corpo, assim como tampouco o é sem alma. “Um cadáver não é um homem, mas um fantasma tampouco.” Tendemos a pensar na alma como algo eterno e no corpo como algo temporal. Afinal, corpos sem vida se decompõem. Mas um determinado corpo não se decompôs. Quando o próprio Deus assumiu a carne humana algo novo aconteceu, algo a que Chesterton chama “o mais surpreendente dos dogmas: a ressurreição do corpo”.

Jesus Cristo ressuscitou fisicamente dos mortos. Seu corpo reuniu-se à sua alma. Depois, ascendeu em corpo ao Céu. Cristo é o “primogênito dentre os mortos”, de acordo com São Paulo. Isso quer dizer que devemos segui-lo na ressurreição. Significa que nossos corpos também são sagrados e também ressuscitarão dos mortos para se reunir com nossas almas. Esse é o dogma da Igreja Católica desde sua fundação.

Sejamos francos: o mundo moderno rejeita completamente esse dogma. Sejamos ainda mais francos: a maioria dos católicos provavelmente não reflete sobre o sentido desse dogma. Sejamos francos uma última vez: nós também não. Como diz Chesterton: é um dogma demasiado surpreendente.

A rejeição da tradição, seja pelo mundo ou pelos membros da Igreja, pode ser completa e deliberada ou passiva e irrefletida. Geralmente, ocorre o segundo caso, já que somos levados a desenvolver uma letargia intelectual por influência da tonalidade monótona que dá a falsa noção de progresso. O velho é ruim, o novo é bom. Rejeitemos o que é velho, acolhamos o que é novo. As coisas vão sempre melhorar; então, sigamos o fluxo. Esse senso de “progresso” é uma combinação de otimismo negligente com um determinismo ainda mais negligente. Porém, se pusermos nosso cérebro para funcionar e realmente refletirmos sobre o que estamos rejeitando, compreenderemos as implicações da filosofia que aceitamos inconscientemente. A filosofia do progresso não é apenas um ódio à tradição; é também a ideia de que, inevitavelmente, tudo está melhorando por si só. Ela é usada como justificativa para a má conduta, para considerá-la inevitável e também como um sinal de progresso.

Mas a história não é um relato de progresso. É o relato da Queda e da Salvação, da tentativa de recuperar algo que perdemos. É por isso que Chesterton diz que todos os poemas já escritos poderiam ser compilados num único volume com o título de Paraíso Perdido.

Nós perdemos algo e temos de recuperá-lo. A filosofia da Salvação é completamente diferente da filosofia do Progresso. Queremos restaurar algo que foi perdido? Queremos preservar algo que é bom? Ou queremos persistir num estado de amnésia, vandalismo e cremação (isto é, esquecendo, destruindo e queimando o passado, em vez de enterrá-lo)?

É neste ponto que temos de encarar o surpreendente dogma da ressurreição do corpo. Chesterton previu que a insistência moderna na ideia de higiene (uma ideia “progressista”) traria de volta o hábito pagão da cremação. A cremação realmente está de volta [1]. É um ataque à tradição cristã. Significa queimar as coisas e assim esquecê-las. Não deixa de ser irônico o fato de uma geração que parece idolatrar a saúde e o físico não ter, em última análise, respeito algum pelo corpo. Queimamos o corpo porque não cremos na ressurreição dos mortos. Chesterton diz: “Nós traímos os mortos”.

A cremação moderna é pior que a pagã porque é clínica e fria, caso prefiram usar esses termos. É completamente utilitária e desprovida de cerimônia. Chesterton a sintetiza em seu poema The Song of the Strange Ascetic, “A Canção do Estranho Asceta”:

Se eu fosse um pagão,
minha pira no alto poria
e, em um vermelho turbilhão,
rugindo ao céu iria;
mas é Higgins o pagão
e homem mais rico que eu:
a ele meteram no fogão
como a torta que não comeu [2].

A Igreja Católica desestimula (mas não proíbe) a cremação, porque cremos não apenas no respeito pelo corpo, mas em sua ressurreição. Se a cremação for necessária (como exceção, não como regra), a Igreja ensina que os restos mortais não devem ser espalhados, mas enterrados juntos. Obviamente, um Deus todo-poderoso pode ressuscitar o corpo independentemente de seu estado; mas destruir de forma deliberada os restos mortais é tentar o Senhor, é insistir na ideia de que nossos caminhos são melhores que os dEle.

A moda atual de espalhar as cinzas é também uma tentativa de esquecer a morte. Um túmulo nos faz lembrar dela. Faz com que nos preparemos para nossa própria morte, o que nos ajuda a viver uma vida melhor. Mas nos faz pensar principalmente na ressurreição. O mais glorioso túmulo na terra é o que está vazio em Jerusalém.

Notas

  1. Original em inglês: “If I had been a Heathen/I’d have piled my pyre on high/And in a great red whirlwind/Gone roaring to the sky/But Higgins is a Heathen/And a richer man than I/And they put him in an oven/Just as if he were a pie”.
  2. Essa reflexão pascal foi escrita em 2016, muito antes da recente pandemia do novo coronavírus (2019-2020). As críticas aqui feitas à prática da cremação não pretendem abarcar, portanto, as circunstâncias específicas em que nos encontramos. Para um estudo mais profundo do que ensina a Igreja a esse respeito (e uma possível discussão sobre a oportunidade da cremação agora), v. Congregação para a Doutrina da Fé, Instrução Ad resurgendum cum Christo, 15 de agosto de 2016, n. 4: “Onde por razões de tipo higiênico, econômico ou social se escolhe a cremação [...], a Igreja não vê razões doutrinais para impedir tal práxis [...]. A Igreja continua a preferir a sepultura dos corpos uma vez que assim se evidencia uma estima maior pelos defuntos; todavia, a cremação não é proibida, ‘a não ser que tenha sido preferida por razões contrárias à doutrina cristã’” (Nota da Equipe CNP).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Santa Corona, rogai por nós!
Espiritualidade

Santa Corona, rogai por nós!

Santa Corona, rogai por nós!

Santa Corona pode não ter sido a padroeira das epidemias antes, mas agora é. E seu culto tornou-se, infelizmente, uma espécie de novidade na Igreja moderna: uma súplica espontânea dos fiéis por uma ajuda sobrenatural.

Michael Warren DavisTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere15 de Abril de 2020Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

Só dois tipos de pessoa parecem desfrutar de uma emergência nacional: intrometidos e estraga-prazeres. Ambos dedicam suas vidas a provar que sabem mais que o pobre caipira que mora ao lado.

Em meados de março, portais de notícias católicos começaram a relatar uma coincidência extraordinária: não somente existe uma santa chamada Corona como ela é também padroeira das epidemias. De repente, o culto a ela explodiu e a internet foi inundada com novas orações e ladainhas que suplicavam à obscura Santa Corona o fim da pandemia de COVID-19.

Santa Corona, do Mestre do Palácio de Veneza (séc. XIV).

Por volta do fim do mês, no entanto, os checadores de “fatos” do site Snopes (aqueles especialistas no martirológio romano) anunciaram que, na verdade, Santa Corona não era padroeira das epidemias. E, para provar isso, citaram Catherine M. Mooney, professora associada do Boston College — claramente uma pessoa muito mais inteligente do que você —, que afirmou o seguinte: “Junto com aqueles [santos] que realmente existiram, há muitos outros que simplesmente apareceram nas lendas ao longo dos séculos, muitas vezes inventados. Páginas de internet que falam sobre santos são famosas por repetir informações fictícias”.

A afirmação deve se estender à Legenda Áurea (daí o nome), que é nossa principal fonte para as vidas de santos populares como São Cristóvão e São Jorge. Felizmente, muitos departamentos de teologia de escolas dirigidas por jesuítas, como o Boston College, evoluíram e superaram a necessidade da Legenda, da Bíblia e de outros textos de historicidade duvidosa.

A professora Mooney prossegue e explica que “Santa Corona não era conhecida como padroeira das pandemias, pelo menos até alguém (quem?) lhe chamar assim. Ela deve ter recebido essa alcunha porque seu nome ‘Corona’, que significa coroa, poderia conectá-la ao coronavírus”.

A reportagem do portal Snopes desencadeou uma onda de sabichões que desde então têm trabalhado furiosamente para destruir o florescente culto a Santa Corona. 

Em princípio, eles estão certos. Não há realmente nenhum registro histórico de que Santa Corona tenha sido invocada contra pragas e pandemias. Tradicionalmente, ela é considerada a padroeira dos apostadores e dos caçadores de tesouros. E é provável que seu verdadeiro nome tenha sido Stéfane.

Mas, afinal, quem se importa com isso? Esses desmancha-prazeres realmente acham que Corona recusará nossas orações por não ser oficialmente designada como padroeira das epidemias?

O portal Snopes & Co. deve ter uma compreensão estranha sobre o funcionamento das orações por intercessão. Eles parecem imaginar que os santos são como o panteão grego, no qual as divindades têm uma função específica dentro da vasta burocracia celestial, e tomam muito cuidado para “permanecer cada um no seu galho”. Por isso, assim como um ateniense não faria uma prece a Héstia, deusa do lar, para pedir a vitória numa batalha, um americano não recorreria ao departamento de veículos motorizados para receber o seguro-desemprego. Um espartano que sacrificasse a Ares para obter uma colheita abundante seria como aquele que, dois mil anos depois, iria até uma agência de Seguro Social para solicitar a renovação da carteira de motorista.

Imagino o que os detratores de Santa Corona pensam (se é que realmente pensam) que ela faz quando recebe um pedido para acabar com o surto de COVID-19. Devem imaginá-la sentada à mesa no terceiro porão do Paraíso, onde todos os santos secundários possuem cubículos, com sua caixa de correio abarrotada de pedidos para acabar com a peste. Ela se volta para Santo Elígio, padroeiro dos trabalhadores de postos de gasolina, e lamenta: 

Procuraram o departamento errado! Durante a semana passada, encaminhei correios eletrônicos a Sebastião e Roque no Setor de Doenças Infecciosas. Eu disse a eles: ‘Não sou sua secretária!’ O Chefe precisa enviar um memorando ou algo parecido. Não posso simplesmente redirecionar chamadas. A Disney está enfrentando grande dificuldade com o roteiro de A Lenda do Tesouro Perdido 3, e um dos escritores me pediu ajuda. Poderia ser minha grande chance. Não tenho tempo para me preocupar com aquelas pessoas doentes.

Peço a devida licença aos nossos amigos protestantes, mas essa é uma das principais diferenças entre o culto aos santos e os antigos cultos pagãos. O pagão via seus deuses como mafiosos que exigiam subornos sob a forma de holocaustos em troca de “proteção”. Para nós, os santos são simplesmente amigos. Podemos nos dirigir a eles — a qualquer um deles — sempre que quisermos e em qualquer necessidade, e podemos ter a certeza de que tentarão fazer o melhor.

E, é claro, podemos atribuir a eles algumas especialidades. Meu amigo Tom me ajuda com os impostos por ser contador; Roger me dá frutos frescos por ser fazendeiro. Mas se eu tiver de mudar móveis de lugar ou organizar uma festa de aniversário para minha esposa, sei que poderia contar com a ajuda dos dois. Afinal, para que servem os amigos? 

É verdade que muitas vezes os patrocínios dos santos são designados pela Santa Sé. Por exemplo, Santa Clara de Assis é a padroeira celeste da televisão, porque ela teve visões do Santo Sacrifício da Missa quando esteve acamada. Isso é muito útil para aqueles que recentemente se viram obrigados a assistir à Missa dominical pelo YouTube. Podemos pedir que Santa Clara nos ajude a manter a concentração de nossos pensamentos e orações junto com o sacerdote no altar, apesar da distância física. Temos aqui um caso em que Roma (de forma muito útil) recomenda um determinado santo para uma tarefa específica. 

São Thomas More, ou Tomás Moro, mártir inglês do século XVI.

Historicamente, porém, tais especialidades costumavam ser designadas pelos próprios fiéis. Eram os “patrocínios por aclamação”, por assim dizer. Dessa forma, ao longo dos quatrocentos anos entre sua morte e canonização, São Tomás Moro angariou seguidores entre advogados e políticos. Eles não esperaram a permissão do Vaticano para venerar o grande mártir, porque ela não era necessária. Os católicos veem os santos não como burocratas, mas como amigos. Independentemente da situação ou da provação, os santos querem nos ajudar, seja lá como for.

Não há dúvida, portanto, de que a cena no céu se desenvolveu de modo muito distinto.

Podemos imaginar os padroeiros populares correndo de um lado para o outro, atendendo a pedidos de modo frenético. São Cristóvão se apressa entre pais que estão partindo para uma longa viagem de carro; Santo Antônio cuida de mães ocupadas que perderam as chaves do carro. E, em meio a essa “confusão”, a amável Corona está assentada em seu pequeno trono. De vez em quando ela escuta a súplica de uma avó italiana para que ajude seu neto a pagar a dívida da jogatina, mas em geral seus dias são um tanto rotineiros.

Então, de repente escuta-se um estrondoso bramido vindo da terra. Os céus se abalam; o livro de São Pedro quase cai do suporte. Santa Corona quase não presta atenção e espera que São Miguel entre na batalha com sua espada flamejante ou que São Brandão salte no mar com sua bóia salva-vidas. Então, ela percebe que Santo Antônio e São Cristóvão, São Miguel e São Brandão permanecem em suas mesas. Todos se voltam para ela de uma só vez.

Santa Corona pisca para eles. Então, ela finalmente escuta milhares de vozes chamando por seu nome. Desconcertada, ela olha na direção de Nosso Senhor, que sorri. “Estão chamando você, Corona.” Em seguida, ela se levanta, põe sua coroa da glória e começa a trabalhar.

Santa Corona pode não ter sido a padroeira das epidemias antes, mas agora é. E seu culto tornou-se, infelizmente, uma espécie de novidade na Igreja moderna: uma súplica espontânea dos fiéis por uma ajuda sobrenatural. Pedir a São Tomás Moro para fazer de você um advogado melhor ou a Santo Antônio para ajudá-lo a encontrar as chaves do carro são gestos muito bonitos. Mas há algo de deliciosamente medieval quando a Igreja, arrependida, de repente clama ao céu por uma intervenção direta no mundo — não apenas em nossas vidas, mas em todo o curso da história humana.

Muitas vezes só experimentamos esse tipo de fé em casos de extrema necessidade. Somos como os israelitas, que adoravam seus falsos ídolos na paz e na prosperidade, mas voltavam-se para o único Deus verdadeiro na fome e na guerra. E, como sabemos, Ele jamais deixou de atender às suas orações — sabendo perfeitamente bem que lhe dariam as costas novamente, tão logo conseguissem o que queriam.

O mesmo ocorre com Santa Corona. Há uma bela simplicidade da fé em ação nos corações daqueles que se voltam para ela agora em suas necessidades. Eles a honram, e ela atenderá suas orações. (Resta a esperança de que, após o término da pandemia, nós tenhamos um pouco mais de gratidão que os israelitas.)

Enquanto isso, aqueles que negam o poder dos santos de Deus — que fiscalizam as orações dos fiéis num momento de necessidade — deveriam prestar atenção ao alerta do salmista:

Apartai-vos de mim todos os que praticais a iniquidade,
Porque o Senhor ouviu a voz do meu pranto.
O Senhor ouviu a minha súplica,
o Senhor recebeu a minha oração.
Sejam confundidos, e em extremo conturbados todos os meus inimigos;
retirem-se, e sejam num momento cobertos de ignomínia (Sl 6, 9-11).

Santa Corona, rogai por nós!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.