CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Decapitados só porque eram cristãos
Testemunhos

Decapitados só porque eram cristãos

Decapitados só porque eram cristãos

Irmão de dois mártires cristãos assassinados pelo Estado Islâmico, Beshir não está de luto: “Eles são meu orgulho e me fazem andar de cabeça erguida”.

Equipe Christo Nihil Praeponere23 de Março de 2015Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Vinte e um. Foi o número de cristãos mortos pelo Estado Islâmico, em um vídeo divulgado pelo grupo terrorista, no dia 15 de fevereiro, há pouco mais de um mês.

A gravação – produzida com música de fundo e efeitos de edição – leva o título A message signed with blood to the nation of the cross ["Uma mensagem assinada com sangue para a nação da cruz"]. No vídeo, membros do Estado Islâmico, vestidos de preto, trazem consigo 21 cristãos coptas do Egito, com macacões alaranjados, e os conduzem ao longo da Costa de Wilayat Tarabulus, na Líbia, à beira do Mar Mediterrâneo. Eles enfileiram "os seguidores da hostil Igreja Egípcia", ajoelhados, e cortam as suas cabeças, deixando vermelhas de sangue as águas costeiras. É possível ver os lábios dos mártires se mexendo e invocando o nome de Jesus antes da morte.

No dia 17 de fevereiro, o Papa Francisco ofereceu a sua Missa matutina na Capela da Casa Santa Marta por esses "vinte e um irmãos coptas, decapitados só porque eram cristãos".

Muitas vezes, o Ocidente tende a olhar para os martírios do Império Romano – os cristãos crucificados, decapitados ou entregues aos leões nas arenas do Coliseu – como para um passado distante. As pessoas são quase tentadas a pensar que as atrocidades de outrora ficaram para trás, que as loucuras de um Nero ou de Diocleciano já não se repetem mais na era contemporânea, tão certas estão da civilidade e superioridade moral dos tempos modernos.

Ledo engano. Longe daqui, cabeças humanas são decepadas, apenas por crerem em Cristo; pelo simples fato de terem sido banhadas, um dia, pelas santas águas do Batismo. 15 de fevereiro – escolhido pelos terroristas muçulmanos para mandar a sua "mensagem de sangue" ao mundo – já era o dia dos mártires São Faustino e São Jovita. Os dois – um sacerdote e um diácono católicos, respectivamente – também foram decapitados, em Roma, no ano de 146. Agora, quase dois mil anos depois, no mesmo dia 15, a história recorda aos homens uma lição há muito esquecida: o Cristianismo ainda é, de fato, a religião mais perseguida do mundo.

A verdade é que as perseguições sempre estiveram presentes na história da Igreja. Foi o próprio Senhor quem alertou os Seus discípulos: "Sereis expulsos das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos matar, julgará estar prestando culto a Deus" ( Jo 16, 2). Ao lado dessa previsão aparentemente terrível, todavia, o mesmo Jesus ajuntou uma promessa extraordinária: "Felizes aqueles que sofrem perseguição pelo amor da justiça, porque deles é o Reino dos céus" (Mt 5, 10).

Ora, como podem ser felizes estes homens que perderam as próprias cabeças? Como podem ser chamados bem-aventurados estes rapazes que, tendo família, mulher e filhos e "uma vida inteira pela frente", perderam tudo de uma só vez?

Poder-se-ia responder, com Nosso Senhor, que "quem ama pai ou mãe, filho ou filha, mais do que a mim, não é digno de mim" ( Mt 10, 37). Ou recorrer a Santo Tomás de Aquino e explicar que as "realidades invísiveis" valem muito mais do que este mundo visível [1].

Todavia, é melhor que os leitores que acompanham estas parcas linhas ouçam, eles mesmos, o testemunho de Beshir, que perdeu seus dois irmãos, Bishoy (25) e Samuel (23), nas mãos dos terroristas islâmicos. Trata-se de uma pessoa real, afetada diretamente pelas crueldades do Estado Islâmico. Perguntado sobre como se sente em relação à perda dos dois, Beshir não hesita em dizer: "São meu orgulho (...). Eles me fazem andar de cabeça erguida".

Eis a razão da bem-aventurança destes 21 mártires coptas do Egito: eles morreram por amor a Cristo. E "não existe maior prova de amor do que dar a vida por seus amigos" (Jo 15, 13).

Referências

  1. Cf. Suma Teológica, II-II, q. 124, a. 4

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Católico e protestante debatem em avião
Igreja Católica

Católico e protestante debatem em avião

Católico e protestante debatem em avião

Em voo rumo ao Rio, um jovem católico se assenta ao lado de um senhor protestante. Não demora muito para que os dois, respeitosamente, entrem em choque.

Equipe Christo Nihil Praeponere19 de Março de 2015Tempo de leitura: 7 minutos
imprimir

Em um voo para o Rio de Janeiro, um jovem católico se assenta ao lado de um senhor protestante. Ambos estão vestidos simples e modestamente: camisa por dentro da calça social e sapatos pretos. Trocam breves cumprimentos, afivelam seus cintos, enquanto os demais passageiros se aconchegam em suas poltronas. O piloto inicia os procedimentos para decolagem, e as aeromoças dão as instruções para a segurança dos tripulantes. "Desliguem todos os seus equipamentos eletrônicos; coloquem suas poltronas na posição vertical", pede uma delas, falando ao microfone. Sentindo que a aeronave já estava no ar, o rapaz católico traça o sinal da cruz, sob o olhar surpreso do senhor protestante.

— Você é católico? — pergunta o senhor, dando início a um colóquio sobre imagens, santos, Maria, celibato etc.

— Sim, sou — responde o jovem.

— Como vocês, católicos, podem adorar imagens, se no livro de Êxodo, capítulo 20, Deus o proíbe?

— Deus não proíbe as imagens, mas a idolatria. Em Êxodo, 25, duas páginas à frente do capítulo que o senhor mencionou, Deus pede a Moisés que faça duas imagens de Querubins para a Arca da Aliança. — E o católico prossegue: — Ora, Deus não é esclerosado. Nós, católicos, temos imagens como um ícone, um sinal que nos remete para os céus. Num tempo de tanto ateísmo, as imagens são muito importantes para nos lembrar da existência de Deus.

— Não concordo com isso — rebate o protestante —, assim como não concordo com o celibato dos padres. Pedro se casou, você sabia?

— Sim, mas Pedro, como vocês, protestantes, costumam dizer, não é o caminho, a verdade e a vida. Esse caminho é Jesus. E Ele não se casou. Os padres seguem o exemplo de Cristo.

— Mas, quanto a Maria — insiste o senhor —, Jesus disse que todo aquele que faz a vontade do Pai é seu irmão e sua mãe.

Todos os anos, na festa da Apresentação de Nossa Senhora, a Igreja proclama justamente esse Evangelho, pois se trata de um elogio de Jesus a sua Mãe. Mais do que todos, Ela é a "bem-aventurada porque acreditou", a que realmente soube cumprir a vontade do Pai (cf. Lc 1, 45). Antes de ser Mãe de Jesus na carne, ela foi Mãe na fé. O Espírito Santo diz pela boca de Santa Isabel: "A que devo a honra de vir a mim a Mãe de meu Senhor?" (Lc 1, 43). Jesus não contradiz o Espírito Santo.

Ainda não satisfeito com as explicações do jovem, embora extremamente surpreendido com o conhecimento bíblico que ele demonstrara, o protestante acusa:

— Essa é a interpretação da sua Igreja. Infelizmente, a Bíblia pode ser interpretada de várias formas.

— Concordo com o senhor — torna a responder o católico, pronto para finalizar a disputatio —, mas a livre interpretação da Bíblia foi algo inventado por Martinho Lutero, o fundador da sua religião. Nós, católicos, seguimos a Tradição Apostólica. Cremos naquilo que os cristãos sempre acreditaram, não em fábulas de homens quaisquer.

A conversa estende-se por mais alguns minutos. Vendo a eloquência dos argumentos católicos, o protestante "baixa a guarda", por assim dizer, a fim de prestar atenção às palavras daquele jovem que demonstrava tanta convicção em sua fé, que falava com tanto amor da Virgem Maria, dos santos e, sobretudo, de Jesus Cristo. De repente, a Igreja Católica já não parecia o monstro pintado pelos pastores evangélicos. O debate agora era uma conversa entre aluno e catequista. O protestante queria conhecer aquela beleza escondida, o patrimônio cristão de séculos, amputado pela ruptura luterana.

De fato, no imaginário protestante comum, a Igreja Católica é, na melhor das hipóteses, uma Igreja como as demais, não a unica Christi Ecclesia, como reafirmou o Concílio Vaticano II [1]. Desde cedo, por causa de um proselitismo demasiado agressivo, muitos evangélicos são ensinados a considerar a religião católica uma seita, uma espécie de sincretismo pagão. Ademais, é-se criado um estereótipo. Por isso, certa feita, disse mui acertadamente o venerável Fulton Sheen: "Talvez não haja nos Estados Unidos uma centena de pessoas que odeiem a Igreja Católica; mas há milhões de pessoas que odeiam aquilo que erroneamente supõem ser a Igreja Católica." O senhor protestante odiava uma falsa Igreja Católica; odiava o espantalho, porque desconhecia o corpo verdadeiro. Posto, no entanto, diante da verdadeira fé cristã, não pôde senão exprimir sua perplexidade. O castelo de cartas havia ruído. Embaraçado com a descoberta, o senhor protestante questiona o jovem católico:

— Vejo que você é um rapaz que ama a Jesus Cristo, que dedica sua vida à Igreja. Você é diferente da maioria dos católicos que conheci. Gostaria de entender, então, por que grande parte dos católicos são relaxados. Digo, por que vão à missa mal vestidos, as mulheres com decotes e minissaias, os rapazes com bermudas ou as calças caídas, se lá está presente Jesus, como você me explicou? Nós, protestantes, sempre vamos ao culto com boas roupas, bem vestidos, pois queremos entregar nosso melhor para Deus. Por que essa diferença?

Silêncio na aeronave. Agora era a vez do jovem católico abaixar a cabeça em sinal de lamentação. Que poderia responder ele? Que poderia dizer em favor de seus irmãos católicos? Acaso não era verdade — para nossa vergonha — o que o senhor protestante observara?

— Os doze apóstolos — respondeu o jovem, depois de pensar um pouco — testemunharam por três anos a pregação, os milagres e, principalmente, o amor de Cristo pelo homem. Na cruz, no entanto, restaram umas poucas mulheres e apenas um apóstolo. Um discípulo o traiu, outro ainda o negou, e os nove demais se esconderam por medo… A Igreja de ontem se parece muito com a Igreja de hoje. É forçoso reconhecer, mas, mesmo nos maus exemplos, ela é apostólica.

O diálogo entre esses dois personagens elucida muito bem a situação em que muitos cristãos, sejam católicos, sejam protestantes, se encontram hoje. Já falamos, ao menos um pouco, das razões que levam os evangélicos a se afastarem do catolicismo. A propaganda hostil contra a Igreja, com base na famosa falácia do espantalho — isto é, a criação de uma caricatura para substituir o que é original —, é uma delas. Mas seria bastante desonesto culpar somente o proselitismo pela evasão de fiéis. Na história do cristianismo, o contra-testemunho sempre foi uma pedra de tropeço. É preciso, por isso, um mea culpa.

Existe uma tendência dentro da Igreja, hoje em dia, de se reduzir a espiritualidade a alguns chavões bonitos, mas vazios. Certa filosofia da calça jeans, por exemplo, tem feito muitos confundirem a Celebração da Santa Missa com a barraca de peixe da feira. Vai-se à Eucaristia como se se tratasse de algo qualquer, sem o devido decoro ou a mínima reverência. Jovens que rezam e zelam pela casa de Deus são achincalhados e segregados em suas comunidades. Performances de dança e peças de teatro encenadas na frente do Santíssimo, ao contrário, são consideradas expressões da universalidade. Um jovem de roupa social é "careta", outro, mostrando a roupa de baixo, é "descolado". A lista de contradições é comprida e cansativa. Sem mais delongas, recordemos o que São Paulo insistentemente ensinava: "Os que exercem bem o ministério, recebem uma posição de estima e muita liberdade para falar da fé em Cristo Jesus" (1 Tm 3, 13). Nada mais que o óbvio. Se os ateus, os agnósticos, os protestantes etc. não enxergarem a piedade e o zelo dos católicos pelo bem mais sublime da fé, como poderão crer?

Falta formação. Apascentar as ovelhas de Cristo com a ciência e a doutrina (cf. Jr 3, 15). Lembrar-se de que além de mãe, a Igreja é mestra. Mater et Magistra, como dizia São João XXIII. Os maus exemplos visíveis em tantas comunidades são, na sua maioria, decorrentes da falta de conhecimento. Seria simples farisaísmo responsabilizar o laicato por tais abusos, quando muitos deles são feitos com a reta intenção de agradar a Deus. Não, a responsabilidade é de outro departamento. É serviço do clero ensinar a fé e a moral, segundo a Tradição. É serviço dos padres abrir os tesouros da Igreja para todos. Quem tem acesso a esse conteúdo, por conseguinte, não só muda de vida, como também contribui para o crescimento espiritual dos demais. Cria-se um círculo virtuoso. E ainda que custe o descanso e o tempo, só assim se formam "pastores com o 'cheiro das ovelhas', pastores no meio do seu rebanho, e pescadores de homens" [2]. Vale recordar o que diz o Concílio Vaticano II, acerca da missão dos bispos:

"No exercício do seu múnus de ensinar, anunciem o Evangelho de Cristo aos homens, que é um dos principais deveres dos Bispos, chamando-os à fé com a fortaleza do Espírito ou confirmando-os na fé viva. Proponham-lhes na sua integridade o mistério de Cristo, isto é, aquelas verdades que não se podem ignorar sem ignorar o mesmo Cristo. E ensinem-lhes o caminho que Deus revelou para ser glorificado pelos homens e estes conseguirem a bem-aventurança eterna." [3]

Não se está exigindo — atentem-se — nem o uso de véus, nem de saias, nem a comunhão de joelhos, tampouco missas em latim. Essa não é a questão. Apenas se faz um chamado ao bom senso. Salta aos olhos a indiferença que dia sim, dia também, se faz presente em tantas paróquias. Em alguns casos, torna-se mesmo difícil distinguir entre uma matinée e uma Missa, dada a quantidade de pirotecnia, firulas e vestimentas, no mínimo, indecorosas presentes na celebração.

A Igreja Católica é a mais sublime de todas as instituições porque é a perpetuação da encarnação de Cristo na Terra. Mas, para um protestante acostumado a imaginar o espantalho construído por seu pregador, o mau exemplo de tantos católicos torna quase impossível o encontro dessa verdade. Para cada espantalho filosófico, há uma porção de espantalhos ambulantes.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Os seis eixos pastorais de João Paulo I
Igreja CatólicaDoutrina

Os seis eixos pastorais de João Paulo I

Os seis eixos pastorais de João Paulo I

Em apenas 33 dias de pontificado, João Paulo I foi capaz de levar a mensagem pacificadora de Cristo, sobretudo através de seu sorriso — o sorriso de Deus.

Equipe Christo Nihil Praeponere17 de Março de 2015Tempo de leitura: 5 minutos
imprimir

São João Paulo II reinou gloriosamente no Trono de São Pedro por quase 27 anos. Foi o terceiro maior pontificado da história da Igreja. Perde apenas para São Pedro e Pio IX. Considerado conservador demais para uns, inovador demais para outros, o Pontífice polonês soube, como nenhum outro até então, deixar a sua marca: O Papa das multidões, o Papa da Teologia do Corpo, o Papa da família, o Papa do segredo de Fátima, o Papa que derrubou o comunismo, o Papa das Jornadas Mundiais da Juventude… O Papa do Terceiro Milênio. João Paulo II teve a missão de levar o catolicismo adiante, em uma época de ideologias que pareciam já não deixar espaço para a fé cristã. Após sua morte, em abril de 2005, é possível dizer que seus esforços não foram em vão. 

Todos os Papas são chamados a uma missão especial: Confirmar seus irmãos na fé. É um dos deveres do Sucessor de Pedro vigiar e zelar para que o rebanho de Cristo não seja assaltado pelos lobos. João Paulo II fez de seu programa de governo uma autêntica cruzada. Na raiz disso, encontra-se outro programa de governo que, dadas as circunstâncias em que foi ceifado, não teve tempo de prosseguir. Ao menos não pelo seu idealizador. Falamos de João Paulo I. O imediato predecessor de Karol Wojtyla, por um desígnio divino, foi Papa por apenas 33 dias. "Ele que despertou na Igreja tão grande alegria e inspirou nos corações dos homens tanta esperança, em tão breve tempo consumou e levou a termo a sua missão", enfatizou João Paulo II, durante sua primeira Audiência Geral, na Sala Paulo VI. Recordando o Papa falecido, o Papa reinante esclareceu que era seu desejo "continuar os temas já iniciados por João Paulo I". Wojtyla falava das catequeses sobre as virtudes. Mas em seu coração, como havíamos de provar, vislumbrava-se o grande projeto de João Paulo I: Trazer a humanidade de volta para o seio da Igreja.

Albino Luciani, o Papa João Paulo I, possuía uma consciência muito clara do "caráter insubstituível da Igreja Católica". "Só nela se encontra a salvação: sem ela perece-se!", ensinava. Assim, logo na sua primeira mensagem apostólica, o Papa que se chamava "humilde e último 'servo dos Servos de Deus'" não hesitou em convocar uma nova evangelização. Para um mundo acostumado ao relativismo, tentado a substituir a Deus pela própria vontade, pensar em uma "nova evangelização" é flertar com o imperialismo. Não era assim que pensava João Paulo I. Sua humildade estava no devido lugar. Não sofria do mal do século, conforme explica G.K. Chesterton: "O mal de que sofremos hoje em dia é a humildade no lugar errado… O homem foi concebido para duvidar de si mesmo, mas não da verdade… O novo cético é tão humilde que duvida até de sua capacidade de aprender" [1]. 

Na contramão, enquanto o mundo todo duvidava da necessidade da Igreja, da necessidade de voltar-se uma vez mais para Cristo e seus ensinamentos, João Paulo I levantava-se sob esta mesma certeza: A Igreja Católica é garantia de paz e ordem. E essa certeza provinha não de teorias abstratas e sem fundamentos, mas do "encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo." [2]

Afamado já desde o tempo de Cardeal Patriarca de Veneza por sua simplicidade e pobreza, o único e urgente desejo de Albino Luciani era o de levar o patrimônio espiritual da fé a toda a humanidade. Por isso, recomendava ao Orbe Católico [3]:

"Superando as tensões internas, que aqui e além se puderam criar, vencendo as tentações de identificação com os gostos e costumes do mundo, e bem assim as atrações de um fácil aplauso, unidos no único vínculo do amor que deve informar a vida íntima da Igreja como também as formas externas da sua disciplina, os fiéis devem estar prontos a dar testemunho da própria fé diante do mundo: Sempre prontos a responder, para vossa defesa, a todo aquele que vos pergunte a razão da vossa esperança (1 Pd 3, 15)."

João Paulo I deteve-se sobre seis eixos principais na elaboração de seu projeto pastoral. O primeiro deles: "Queremos prosseguir, sem paragens, a herança do Concílio Vaticano II". Pode-se dizer que Luciani foi pioneiro na chamada hermenêutica da continuidade, muito antes que Ratzinger a comentasse naquele famoso discurso aos Cardeais, no natal de 2005. João Paulo I tinha olhos atentos para que certo ímpeto, "generoso talvez mas incauto", não deformasse o conteúdo do Concílio, como também para que "forças exageradamente moderadoras e tímidas" não atrasassem seu "magnífico impulso de renovação e de vida". Sobre a reforma litúrgica, exigia: "Desejaria também que Roma desse bom exemplo em matéria de Liturgia celebrada piedosamente e sem 'criatividades' destoantes… desejaria poder dar a certeza de que todas as irregularidades litúrgicas serão diligentemente evitadas." [4]

Dois outros desejos do Papa: "Queremos conservar intacta a grande disciplina da Igreja, na vida dos sacerdotes e dos fiéis" e "queremos recordar a toda a Igreja que o seu primeiro dever continua sendo o da evangelização". A relação entre esses dois "quereres" é evidente. Uma Igreja apostólica nasce precisamente de uma Igreja disciplinada, consciente de seu chamado à santidade. Quando se perde a dimensão espiritual, perde-se, ipso facto, o significado da missionariedade. A Igreja torna-se tão somente uma ONG piedosa, pois deixa de anunciar a Cristo. [5]

Quarta vontade de João Paulo I: "Queremos continuar o esforço ecumênico, que vemos como a última indicação dos nossos imediatos Predecessores, velando com fé intacta, com esperança invencível e com amor indeclinável pela realização do grande mandamento de Cristo: 'Que todos sejam um ( Jo 17, 21)'". Mas "sem cedências doutrinais", deixa claro. O esforço do Santo Padre vai na direção daquilo que Pio XI esclareceu na Mortalium Animos: "Não é lícito promover a união dos cristãos de outro modo senão promovendo o retorno dos dissidentes à única verdadeira Igreja de Cristo, dado que outrora, infelizmente, eles se apartaram dela." [6] Também no mesmo sentido segue o desejo de "prosseguir com paciência e firmeza naquele diálogo sereno e construtivo, que o nunca suficientemente chorado Paulo VI pôs como fundamento e programa de sua ação pastoral".

And last, but not least, a intenção de "favorecer todas as iniciativas louváveis e valiosas, que possam defender e incrementar a paz no mundo conturbado". O Papa, como vigário de Cristo, é também um baluarte da paz. Mesmo com apenas 33 dias de pontificado, João Paulo I foi capaz de levar essa mensagem pacificadora, ora por seus escritos e radiomensagens, ora por seu imenso carisma. Sobretudo, pelo seu sorriso. O sorriso de Deus, como ficou conhecido. Quis a providência divina que seu ímpeto evangélico fosse breve no Trono de São Pedro. Ainda se pode ouvir sua frágil porém decidida voz defender o direito dos mais pobres naquele fatídico 28 de setembro de 1978. Em seu lugar, veio um polonês: João Paulo II. Essa história já conhecemos. Ela nos revela como a firmeza de um Papa por 33 dias é capaz de fortalecer a fé de um Papa por 27 anos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

O carpinteiro de Nazaré
Espiritualidade

O carpinteiro de Nazaré

O carpinteiro de Nazaré

Muitos são os “ventos doutrinários” que balançam “o pequeno barco da humanidade”, impedindo-o de enxergar o Deus escondido no pobre carpinteiro

Equipe Christo Nihil Praeponere13 de Março de 2015Tempo de leitura: 3 minutos
imprimir

Deus feito carne. Esse é Jesus, o filho do carpinteiro, a quem alguns fariseus lançam olhares de dúvida e de suspeita, como se estivessem a tratar com algum charlatão ou sujeito de índole perigosa (cf. Mt 13, 54-58). De fato, há de repetir-se inúmeras vezes, Cristo é o messias "inesperado", aquele que entra na cidade santa, montado em um pequeno jumento, despido de qualquer pompa ou ornamento cintilante. E, no entanto, é rei. Ele não vem com o chicote, pronto a levantar guerra contra o Estado, também não vem matar a fome, tampouco instaurar uma nova ordem política. Ele vem para nos mostrar a face de Deus. Tudo o mais — a paz, o amor, a libertação — é fruto desta realidade: o Deus que, fazendo-se carne de nossa carne, sangue de nosso sangue, vem habitar no meio de nós, a fim de dar cumprimento ao "o ano da misericórdia do Senhor, um dia de vingança para o nosso Deus" (Lc 4, 19).

Essa misericórdia de Deus — que também é vingança — não consiste na banalização do mal, "não é uma graça barata" [1], por assim dizer, em que tudo encontra a sua justificação sem arrependimento. Consiste, ao contrário, no Deus que vem sofrer na pele as dores da humanidade, mormente as chagas provenientes do pecado, que arrastam o homem para o campo de concentração do demônio: o inferno. Trata-se da paixão de Cristo. A vingança de Deus é, portanto, a sua morte e ressurreição, a vitória sobre o plano diabólico, trazendo à luz a beleza da verdade e o rosto destrutivo do príncipe das trevas. Deus vinga-se com a luz. Ele desmascara a mentira do demônio com Seu próprio sangue, lavando nossos olhos e libertando-nos da cegueira espiritual, tal qual fez com o cego Bartimeu: "Vai, a tua fé te salvou" ( Mc 10, 52).

Salvos pela graça de Deus, tornamo-nos propriedade d'Ele, posto que deixamos de ser escravos do demônio para habitarmos na casa do Senhor. No batismo, somos introduzidos no Corpo de Cristo, de sorte que, a partir deste momento, devemos "viver, trabalhar e morrer para produzir frutos para o homem-Deus, glorificá-Lo em nosso corpo e fazê-Lo reinar em nossa alma" [2]. Existe uma vocação específica e, a um só tempo, universal para todos os cristãos, que culmina, de um modo ou de outro — dependendo de cada chamado — para a santificação dos homens. Diz-nos São Luís Maria Grignon de Montfort:

"Jesus Cristo que receber alguns frutos de nossas mesquinhas pessoas: quer receber nossas boas obras, porque as boas obras lhe pertencem exclusivamente: ' Creati in operibus bonis in Christo Iesu – Criados em Jesus Cristo para as boas ações' (Ef 2, 10)." [3]

Contudo, numa época em que a ameaça do mal parece se enraizar no coração do homem de tal maneira, que se põe em perigo até mesmo a sobrevivência da espécie, torna-se cada vez mais difícil encontrar um coração solícito à graça de Deus e às suas responsabilidades. Recorda-nos São Josemaria Escrivá, as crises mundiais que enfrentamos não são outra coisa, senão crise de santos [4]. Como nos dias em que Cristo pisou neste chão, ainda em nossa época existem os fariseus que O cobrem com olhares de suspeita e receio: "Não é o filho do carpinteiro?" Assim, diz-nos as Sagradas Escrituras, "o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça" (Mt 8, 20), porque o coração do velho Adão se encontra ocupado pelas seduções dos ídolos: a tentação de substituir Jesus por algum conceito próprio, uma ideia original, com a qual me sinto realizado e bem-sucedido.

As causas desta nova espiritualidade sem Deus são muitas: vêm desde um egocentrismo desmedido — em que somos reduzidos a meros objetos de consumo — a um projeto político, que nos torna massa de manobra para fins ideológicos — iguais aos que varreram o planeta nos dois últimos séculos. Jesus não tem onde repousar a cabeça, pois muitos são os "ventos doutrinários" que chacoalham "o pequeno barco do pensamento de muitos cristãos", jogando-o de um extremo ao outro [5].

Por outro lado, Jesus não deixa de estender-nos a sua mão: "Aí onde estão nossos irmãos, os homens, aí onde estão as nossas aspirações, nosso trabalho, nossos amores — aí está o lugar do nosso encontro cotidiano com Cristo" [6]. E é isto que nos torna Seus discípulos: a fé no Deus que é vivo e apresenta-se a nós com vestes de um pobre e humilde carpinteiro de Nazaré.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.