CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
“O Espírito Santo não toca em carne morta”
Espiritualidade

“O Espírito Santo
não toca em carne morta”

“O Espírito Santo não toca em carne morta”

“Desenganem-se os carnais, que a nenhum deles virá o Espírito Santo… O corvo come a carne morta, mas a pomba a detesta. A pomba é figura do Espírito, e o Espírito Santo não toca em carne morta.”

Equipe Christo Nihil Praeponere6 de Junho de 2019
imprimir

Sem sombra de dúvida, um grande desafio a ser encarado por todas as pessoas que já estão (teoricamente) caminhando com Deus é o de viver não segundo a carne, mas segundo o Espírito Santo. Às vésperas que estamos da grande solenidade de Pentecostes, poucas reflexões são tão necessárias quanto essa.

É trágico, de fato, que haja tanta gente “de igreja”, batizada, indo à Missa e até confessando e comungando com frequência, mas sem que suas vidas tomem impulso, sem que seus corações sejam mudados, sem que se note algo de real e substancialmente diferente em suas conversas e condutas. Sem o Espírito Santo, os católicos são como sal que não salga, luz que não ilumina, e em nada parecem diferir dos demais homens.

Consideremos nestas linhas, por exemplo, como nada pode haver de mais deplorável do que estarmos na Igreja apenas “de corpo presente”, mas com a alma em pecado mortal — sem dúvida, a ilustração mais crua do que é viver segundo a carne. Sim, porque as pessoas nesse estado não só não vivem segundo o Espírito, como aborrecem esse mesmo Espírito, não o têm em suas almas. Em suas vidas, o que sobressai é justamente o oposto: o espírito maligno, o espírito das trevas. Nas palavras do Apóstolo:

Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros… Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus!... Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito (Gl 5, 16-17.19-21.24-25).

São Paulo está dizendo com muita simplicidade: não é possível ser ao mesmo tempo de Deus e do demônio, e nesta matéria não há meio-termo. Ou se está com Cristo, ou se está longe dEle (cf. Mt 12, 30). Os pecados que ele enumera, de modo especial, têm uma característica em comum: são, em sua maioria, pecados externos, que realmente “separam” os cristãos, destroem a ilusão de que eles podem ser “como todo o mundo”, estabelecem uma espécie de “limite” que quem deseja ser de Cristo não deve ultrapassar. Trata-se de obras carnais as mais grosseiras, por assim dizer, e quem quer que as pratique não só não tem o Espírito Santo, adverte o Apóstolo, como não herdará o Reino de Deus

Como comentário a essa passagem tão contundente das Escrituras, atentemo-nos ao que diz São João d’Ávila em um de seus sermões:

Que quereis? O Espírito Santo? Pois sabei que Ele não é amigo da carne [...].

Desenganem-se os amancebados, desenganem-se os carnais, que a nenhum deles virá o Espírito Santo. A pomba que saiu da arca de Noé tomou um raminho de oliveira e não quis pôr o pé sobre corpo morto; voltou limpa à arca. O corvo come a carne morta; a pomba detesta-a. A pomba é figura do Espírito, e o Espírito Santo não toca em carne morta. Limpai, pois, vossos corações dos desejos carnais. Jejuai nesta semana os que tiverem forças para isso; pois, já que quer carne, seja a carne mortificada e com jejuns enfraquecida. E como alvíssara e favor vo-lo peço, varrei com muita devoção a vossa casa mediante a confissão, pois há de vir vosso Hóspede, e não convém que encontre suja a casa [1].

A mensagem deste Doutor da Igreja é muito clara, tão clara que dispensa maiores comentários. Se não fugirmos das obras da carne, será impossível receber o Espírito Santo. Sem isso, não haverá Pentecostes em nossas vidas.

Expliquemos, antes de mais nada, que é o próprio Espírito que inspira a alma a buscá-lo e a evitar o pecado, de modo que a inspiração mesma de procurar fazer a vontade divina só acontece por obra da graça. Deus busca a todos, não privando ninguém do auxílio necessário para a própria salvação. Mas na alma daquele que corresponde a esse chamado de Deus acontece uma união que não acontece na alma em que se extinguiu a chama da caridade. Nas palavras do Papa Leão XIII, explicando o mistério da inabitação trinitária: “Também no homem perverso podemos deparar reflexos do poder e sabedoria de Deus; mas só o justo participa do amor divino, característica do Espírito Santo” [2].

Concentremo-nos, porém, nestas palavras do santo: “Desenganem-se os carnais”. Se ele diz “desenganem-se”, é porque andam enganados os que vivem segundo a carne: estão como que com os olhos vendados, são incapazes de ver a realidade, encontram-se aprisionados longe da verdade. Talvez os seus pecados lhes tenham inclusive cegado a mente, como Santo Tomás de Aquino diz que sói acontecer com quem vive na carne, especialmente com quem se entrega aos pecados sexuais (cf. STh II-II, q. 15, a. 3).

Mas de que modo andam enganados os carnais? Com o que eles se enganam? Perguntando com mais propriedade: com o que tantos de nós mesmos nos enganamos?

Nossa falta de fé no que ensina a Igreja nos denuncia com muita facilidade: encontramo-nos iludidos com “novas” doutrinas que não a de Cristo, possuídos por um “espírito” que, ousaríamos dizer, de santo não tem nada.

Vejamos por exemplo como tantos hoje se dizem porta-vozes do Espírito Santo, ao mesmo tempo que se esquecem de uma verdade elementar: só se tem o Espírito de Cristo na medida em que se ama o Corpo de Cristo, que é a Igreja [3]; falam tanto do novo, mas se esquecem que “a novidade nunca foi por si mesma um critério de verdade, e só pode ser louvável quando confirma a verdade e leva à retidão e à virtude” [4]; falam tanto de “renovação” — pois, de fato, o Espírito vem renovar a face da terra (cf. Sl 103, 30) —, mas se esquecem do que disse Jesus antes de subir aos céus: “O Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome [...] vos recordará tudo o que vos tenho dito” (Jo 14, 26).

Ou seja, a terceira Pessoa da Santíssima Trindade não viria aos homens para lhes ensinar nada de diferente do que havia ensinado Nosso Senhor. (Era o que faltava, afinal, a Trindade contradizer a própria Trindade!) Se há um tal “espírito”, não é o Espírito Santo; está mais ou para um “espírito revolucionário”, que perverte a doutrina e mantém as pessoas no egoísmo de seus pecados, ou para um “espírito de confusão”, que obscurece a doutrina, mas cujo resultado prático é o mesmo.

Por que tantos se rendem a essas “novidades” não é difícil compreender: quem vive na carne e não quer deixar de viver segundo a carne, para justificar seus comportamentos, precisa recorrer a algum subterfúgio. “Quem não vive conforme aquilo em que acredita”, diz um velho adágio, “termina acreditando no modo como vive”.

O que aparece, então? A ilusão da “graça barata”, do Deus que tudo aceita, que com tudo condescende e que a todos salvará. O Espírito consolador do Evangelho é transformado, assim, em um ente abstrato que vem para afagar os nossos sentimentos, ao invés de nos chamar ao que realmente importa, e que constitui a essência da vida cristã: nossa conversão.

Nesse ponto pessoas até bem intencionadas terminam perdendo de vista o essencial. Até com o fim de não “causar problemas”, elas falam do Divino Espírito Santo exclusivamente como Doador de dons carismáticos extraordinários  — as graças chamadas gratis datae —, mas o mais importante, que é a vida de união com Deus, é solenemente ignorado.

Talvez lhes fosse necessário recordar que o Espírito Santo é o Espírito das profecias, é o Espírito das línguas, é o Espírito das curas, sim; mas é também — e principalmente — o Espírito da conversão e da mudança de vida. Porque, não nos esqueçamos, o máximo milagre de Deus é a justificação do pecador (muito mais do que falar línguas estranhas, operar curas físicas e profetizar). Como explica o Doutor Angélico (STh I-II, q. 111, a. 5):

O Apóstolo, depois de enumerar as graças gratis datas (cf. 1Cor 12, 4-11), acrescenta: “Vou mostrar-vos um caminho ainda mais perfeito”. E como fica claro pelo que segue, fala da caridade que se refere à graça que torna agradável a Deus. Portanto, a graça que torna agradável a Deus é superior à graça gratis data [...].

Uma virtude é tanto mais excelente na medida em que se ordena a um bem mais elevado. Pois sempre o fim está acima daquilo que é apenas um meio em vista do fim. Ora, a graça que torna agradável a Deus ordena o homem imediatamente à união com o fim último. As graças gratis datae, ao contrário, ordenam o homem ao que é uma preparação para o fim último. Assim, a profecia, o milagre e tudo o que é do mesmo gênero nos levam ao que une ao fim último. Eis por que a graça que torna agradável a Deus é bem superior à graça gratis data.

Dizendo bem claramente, nós, que temos pedido tanto a efusão do Espírito Santo com orações, canções e pedidos de carismas, em que medida temos procurado realmente viver segundo o Espírito, dando o primeiro passo de abandonar as obras da carne, que lhe são contrárias? Importa muito que o amor que certos grupos e movimentos dentro da Igreja mantêm ao Espírito Santo — ouçamos o conselho do Papa Leão XIII, muito próximo da Beata Elena Guerra — “não se limite a umas áridas noções teóricas e a uma homenagem puramente exterior, mas que se distinga pela pronta ação, principalmente pela fuga do pecado, o qual de modo muito particular ofende o Espírito Santo” [5].

Se acreditamos, pois, que o Espírito de Deus realmente intervém na história humana, que Ele realmente age na vida das pessoas, qual é o principal fim com que Ele atua, senão para nos levar à vida divina, à vida da graça, à vida sobrenatural? E como chegaremos aí se continuarmos afundados na lama do pecado mortal, sem fazer uma Confissão sincera, bem feita e com um propósito firme de emenda? Como o Espírito agirá em nós se continuarmos fingindo clamorosamente ser espirituais, enquanto, no fundo, vivemos na carne?

— Que quereis? O Espírito Santo? — pergunta-nos São João d’Ávila. — Pois sabei que Ele não é amigo da carne.

Nunca se insistirá o suficiente nisso. Nós, católicos, não somos protestantes, que nos acreditamos salvos por uma imputação jurídica, ainda que nosso coração esteja podre, apegado ao pecado e aferrado ao mal… Não, a graça realmente opera uma transformação em nossa alma e, a menos que procuremos com sinceridade conformar o nosso coração ao que Deus quer de nós (ao invés de tentarmos encaixar Deus em nossos esquemas humanos), não acontecerá em nós a salvação que o Espírito Santo quer operar em nossa alma.

Fujamos, pois, da tentação de um “espiritualismo” sem doutrina, autorreferencial, inventado por nós mesmos. Uma religião assim não salva verdadeiramente; só engana. Ser de fato guiado pelo Espírito Santo significa ser transformado profundamente por Ele, significa não se deixar arrastar pelo que enumera o Apóstolo: “fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias”. Se estivermos nessas coisas, ainda que clamemos mil vezes o Espírito Santo, ainda que cantemos, ainda que nos agitemos, não haverá Pentecostes em nossas almas.

Por isso, aproveitemos a solenidade que se aproxima e fujamos das obras da carne. Convertamo-nos. Desfaçamo-nos de nossa cegueira. “Se viverdes segundo a carne, haveis de morrer”, diz o Apóstolo, “mas, se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, pois todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Rm 8, 13-14).

“Todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus”. Mas quem não é conduzido pelo Espírito é simplesmente… carne morta. E à carne morta só o que resta é entregar aos corvos.

Não seja esse o nosso destino.

Referências

  1. Quem não tem o Espírito de Cristo não é de Cristo, Sermão no Domingo da infra-oitava da Ascensão, 29 de maio de 1552, in: Sermões do Espírito Santo, trad. Roberto Leal Ferreira, São Paulo: Molokai, 2018, pp. 57-58.
  2. Papa Leão XIII, Carta Encíclica Divinum Illud Munus (15 de maio de 1897), n. 16.
  3. Cf. Santo Agostinho, In Evangelium Ioannis, t. 26, 13 (PL 35): “Queres pois viver também tu do Espírito de Cristo? Faz-te, portanto, membro do Corpo de Cristo.”
  4. Papa Pio XII, Carta Encíclica Menti Nostrae (23 de setembro de 1950), n. 110.
  5. Papa Leão XIII, op. cit., n. 22.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Por que nada mais é sagrado hoje em dia?
Sociedade

Por que nada mais
é sagrado hoje em dia?

Por que nada mais é sagrado hoje em dia?

Não há mais nada sagrado, porque as coisas sagradas exigem respeito. E este é um sacrifício que muitas pessoas, hoje em dia, não estão dispostas a fazer. Para elas, as comodidades de ser comum são de longe preferíveis à nobreza do heroísmo.

John Horvat IITradução: Equipe Christo Nihil Praeponere3 de Junho de 2019
imprimir

Há cerca de dois anos, a palavra “sagrado” fez presença na mídia norte-americana, depois que o então Chefe de Gabinete da Casa Branca, John Kelly, lamentou o fato de nada mais ser sagrado hoje em dia, sobretudo à luz do “escândalo” provocado por uma ligação do presidente Trump à viúva de um soldado morto em combate.

“Quando eu era criança”, disse Kelly, “muitas coisas eram sagradas no nosso país. As mulheres eram sagradas e vistas com muito respeito. As coisas, obviamente, já não são mais assim, como se vê em casos recentes. A vida, a dignidade da vida, era sagrada. A religião também parece ter ido embora.”

O cinismo com que a mídia reagiu às palavras do general sobre a sacralidade da morte de um soldado simplesmente confirmaram a verdade que Kelly estava dizendo. De fato, nada mais é sagrado no ambiente político atual. Não há nada que não possa ser objeto de discussão para a agenda liberal.

As razões por que nada mais é sagrado

Existem muitas razões por que nada mais é sagrado hoje em dia. Uma delas é que o sagrado discrimina, exclui.

O sagrado teve sempre uma nota de “exclusividade”. Em seu sentido mais próprio, é sagrado tudo o que foi separado para o serviço ou o culto a Deus. Num sentido mais amplo, a palavra pode aplicar-se a tudo o que é digno de reverência e respeito. O sagrado evoca um sentido de mistério e admiração, na medida em que aponta para algo superior e acima da nossa compreensão.

Está implícita na rejeição do sagrado a ideia de que não deve haver restrições de nenhum tipo, de que é injusto haver algo além do alcance dos outros, de que é errado reconhecer alguém como superior a outra pessoa.

Assim, numa sociedade que perdeu a noção do sagrado, ninguém se destaca, ninguém é premiado, as paixões desordenadas não devem nunca manter-se sob controle. Todos têm de ser iguais, custe o que custar. Não pode haver santuário para privilégio algum. Nada pode ser negado aos outros; ao contrário, tudo deve estar à disposição de todos.

Despojando as coisas de seu mistério

Nada mais é sagrado, porque as coisas foram despojadas de seu mistério. Para os que odeiam o sagrado, a simples existência do mistério afirma a existência de uma verdade superior e inefável, que não é reconhecida pela ciência moderna.

Eis porque a modernidade teve sempre um problema com o sagrado. O Iluminismo introduziu a ideia de que o sagrado, com a sua aura de mistério, deveria ser substituído pela razão humana e pela observação empírica.

No século XIX, Karl Marx notou os efeitos dessa mentalidade iluminista, ao escrever sobre a tendência do capitalismo a destruir o sagrado. “Tudo o que é sagrado”, disse, “há-de ser profanado”. Num mundo em que nada é sagrado, Marx acreditava que a vida seria e deveria ser “dessantificada”. Fiel ao seu ateísmo militante, Marx não via isso como um fenômeno negativo, mas antes como algo que facilitaria a condição de igualdade entre os homens.

A supressão do sagrado deriva, pois, de uma negação de valores espirituais, de uma negação de ideias que elevam a humanidade e ensinam que há coisas mais valiosas do que a própria vida. Só este fato torna essas coisas sagradas.

O desejo de ser “normal”

Não há mais nada sagrado, porque as coisas sagradas exigem respeito. Espera-se que as pessoas vejam o sagrado como algo especial. As pessoas deveriam admirar, honrar e cuidar de tudo o que é sagrado.

Trata-se de um sacrifício que muitos, hoje em dia, não estão dispostos a fazer. Pelo contrário, o que querem é ser “normais”, e querem cercar-se de coisas “normais”. Para eles, as comodidades de ser comum são de longe preferíveis à nobreza do heroísmo. Um dever sagrado não ressoa positivamente no coração dos que optaram pela busca desenfreada de felicidade material. Prevalece hoje a mentalidade do “não quero ser um herói”.

Ironicamente, os que rejeitam o sagrado nenhum problema têm na hora de elevar sua própria “normalidade” à condição de algo sagrado. Estão todos ansiosos para transformar em direitos sagrados os prazeres mais profanos. Desta forma, o esporte, o entretenimento, as escolhas e o consumo passam a considerar-se algo sagrado. E, tragicamente, também alguns pecados se tornam “sagrados” e intocáveis.

No entanto, à medida que a sociedade se degrada, até mesmo as coisas normais que se tornaram sagradas começam a ser atacadas. Até mesmo a exclusividade relativa que proporcionam esses prazeres ordinários revela-se intolerável para os que odeiam o sagrado.

Negação do reinado de Cristo

É óbvio que a razão mais fundamental por que nada mais é sagrado é que a cultura atual não reconhece que deve haver, sim, coisas dedicadas ou separadas para o serviço ou o culto a Deus.

Essa negação tácita do reinado de Cristo sobre a humanidade conduz, logicamente, à supressão do sagrado na vida diária. Como disse o Papa Pio XI em sua Encíclica “Ubi arcano Dei consilio”, de 1922, as coisas tornarão a ser sagradas outra vez quando Jesus Cristo “reassumir o seu lugar por direito como Rei de todos os homens, de todos os Estados e de todas as nações”.

Até lá, porém, a queixa do general Kelly irá expressar os sentimentos daqueles que sofrem pela nação. Quando Deus não é amado e adorado, não é de admirar que nada mais seja sagrado; quando Deus e sua beatíssima Mãe são ofendidos com blasfêmias, como o são hoje em dia, não nos deveria espantar que as pessoas se tratem mal umas às outras; quando Deus e sua Lei são ridicularizados e desprezados, é completamente natural que a moralidade também seja escorraçada da esfera pública e que a sociedade se precipite em profundezas inimagináveis.

Nada estará a salvo; nada será estável; nada mais será sagrado.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

“A pornografia é a teoria, o estupro é a prática”
Sociedade

“A pornografia é a teoria,
o estupro é a prática”

“A pornografia é a teoria, o estupro é a prática”

Os homens não nascem estupradores, mas, por algum motivo, muitos deles tendem cada vez mais a justificar a violência sexual. Por quê? Porque a pornografia transformou o corpo de mulheres e meninas em mercadoria.

Jonathon van MarenTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere29 de Maio de 2019
imprimir

“A pornografia é a teoria”, escreveu certa vez a conhecida feminista Robin Morgan, “o estupro é a prática”.

De fato, as feministas em geral costumavam pensar que a pornografia, na melhor das hipóteses, era algo desumano e degradante, um produto criado por homens e para homens que retratava as mulheres como meros objetos de desejos masculinos; na pior das hipóteses, era a celebração violenta da destruição do feminino, em que as mulheres eram espancadas, estupradas, humilhadas e, em todo caso, agredidas para satisfazer os prazeres perversos de misóginos que afirmavam ser um “fetiche” o seu ódio às mulheres.

Hoje, porém, espera-se que as feministas sejam “pró-sexo”, o que significa que elas têm de apoiar a pornografia, pois seria inútil opor-se aos mais de 80% da população masculina que a consomem.

Lembro-me de um debate sobre pornografia durante uma de minhas primeiras aulas de ciência política na universidade: na classe inteira, apenas eu e um outro colega nos opomos à pornografia. A maioria dos rapazes permaneceu sentada, em silêncio, numa tentativa de não interferir na discussão, ao passo que eram algumas das alunas as mais ferozes defensoras desta imundície; era como se elas tivessem que provar alguma coisa.

A pornografia — diz o nosso novo dogma sexual — é inofensiva, senão benéfica. E quando comecei a afirmar em alguns artigos meus que a pornografia promove a “cultura do estupro”, a reação dos homens que não conseguem abandoná-la foi rápida e agressiva.

Por isso, comecei a entrar em contato com especialistas na área, com pessoas que estudaram o impacto da pornografia em homens e mulheres. A entrevista mais reveladora e chocante que já fiz foi com a dr.ª Mary Anne Layden, diretora do Programa de Trauma Sexual e Psicopatologia, do Departamento de Psiquiatria da Universidade da Pensilvânia. Já tive ocasião de citar o trabalho dela sobre pornografia e violência antes, e quis descobrir em primeira mão o que os seus estudos tinham revelado.

— Quando — perguntei à dr.ª Layden — começaram seus estudos sobre a relação entre violência e pornografia?

— Quando comecei a atuar como psicoterapeuta há cerca de 30 anos — respondeu —, comecei a tratar pacientes que tinham sido vítimas de violência sexual, e senti-me particularmente tocada pelos danos que a violência sexual nelas tinha causado. Depois de mais ou menos 10 anos atuando na área […], finalmente percebi que jamais tinha tratado um único caso de violência sexual que não envolvesse pornografia… Alguns casos eram de estupro, outros de incesto, outros de abuso infantil, outros de assédio sexual; mas, apesar da diversidade de casos, a pornografia estava presente em cada um deles. Assim, pareceu-me haver ali alguma relação. Com o passar do tempo, comecei a me interessar pelos aspectos comuns aos criminosos sexuais, porque me dei conta de que jamais resolveríamos o problema da violência sexual tratando, uma por uma, as vítimas que foram atingidas por ele. Não havia terapeutas suficientes no mundo; mas havia, isso, sim, demasiadas vítimas no mundo. Não podíamos resolver isto tratando cada vítima em particular; era necessário ver as coisas de cima e descobrir qual era a causa geral do problema.

E, como a dr.ª Layden descobriu, era a indústria pornográfica que estava por trás de tudo. “Os homens não nascem estupradores”, disse-me ela. Mas, por algum motivo, muitos deles tendem cada vez mais a justificar a violência sexual. Por quê? Porque a pornografia transformou o corpo de mulheres e meninas em mercadoria. A pornografia está moldando a forma como os homens vêem as mulheres.

— Trata-se de um produto — disse enfaticamente a dr.ª Layden. — É todo um negócio, e creio que muitos rufiões deixariam de o fazer se não houvesse dinheiro envolvido; mas se trata de um negócio, e a partir do momento que se diz que isso é um produto, que é algo que se pode comprar, então é algo que também se pode roubar. As duas coisas estão entrelaçadas: se você pode comprá-lo, pode também roubá-lo, e é até “melhor” que o roube, porque não será necessário pagar por ele. Assim, a indústria da exploração sexual, seja um clube de strip, seja a prostituição ou a pornografia, é onde você o compra; a violência sexual (o estupro, o abuso, o assédio) é onde você o rouba. Estas coisas estão indissoluvelmente ligadas. Não há maneira de traçar uma linha de demarcação clara entre o estupro e a prostituição, entre a pornografia e o abuso de menores. Não há linhas claras de separação. Os que praticam essas coisas possuem um conjunto comum de crenças, e quando analisamos os resultados da pesquisa podemos distinguir algumas delas. Desta forma, sabemos que os indivíduos que se expõem a conteúdos pornográficos costumam pensar, por exemplo, que as vítimas de estupro “gostam” de ser estupradas; que elas “não sofrem muito” quando são violentadas; que “elas receberam o que queriam”; que as mulheres inventam acusações falsas de estupro, porque o estupro, na verdade, não existe (o sexo é bom ou ótimo, e não há meio termo); que ninguém fica realmente traumatizado depois da experiência etc. Todas essas ideias fazem parte do “mito do estupro”, e quem consome pornografia aceita o “mito do estupro” em grau muito superior às outras pessoas. Por isso, temos a impressão de que a pornografia as está ensinando a pensarem como um estuprador e agirem como um.

A pornografia, como todo produto, fez do corpo feminino o que a economia sempre faz com qualquer produto: se algo se torna mercadoria, acaba perdendo valor. É simples assim. Mas quando a estratégia de mercado consiste em inflamar a luxúria e apelar para o poder de degradar as mulheres, os resultados são devastadores. Como a dr.ª Layden afirmou em nossa entrevista, nós deixamos inclusive de nos ver como seres humanos.

— Quando você deprecia o corpo das mulheres — continuou ela —, quando você trata as pessoas como coisas, há consequências, e uma delas é a violência sexual, e outra consequência é também a deterioração dos relacionamentos. Existe uma série interessante de estudos que joga um pouco de luz sobre como se dá esse fenômeno. Os pesquisadores mostraram aos voluntários algumas imagens de conteúdo levemente sexual, de homens e mulheres em trajes de banho ou apenas com a roupa de baixo. As imagens eram vistas de cabeça para baixo e de cabeça para cima, e depois os pesquisadores observavam os processos que tinham lugar no cérebro dos voluntários, porque isto permite determinar que parte do cérebro é utilizada para processar a visualização de determinadas imagens. O que vemos com os homens é que, quando as pessoas olham para um deles, e o veem em traje de banho ou só com a roupa de baixo, elas usam a parte do cérebro que processa rostos humanos; mas quando olhamos para mulheres em traje de banho ou só com a roupa de baixo, usamos a parte do nosso cérebro que processa instrumentos e objetos, e quando você processa uma mulher como um instrumento ou objeto, a tendência é utilizá-lo. As regras de que nos servimos quando lidamos com instrumentos ou objetos diz que, se eles não estão cumprindo a sua função, é melhor jogá-los fora e procurar outros. As feministas diziam anos atrás que os homens estavam tratando as mulheres como objetos sexuais, e pensávamos que isso não passava de uma metáfora. Mas não era uma metáfora. Era, sim, uma descrição da realidade: os homens estavam usando a mesma parte do cérebro que utilizam para processar objetos e coisas, e há uma consequência para a sociedade quando você começa a tratar o sexo como um produto e a mulher como uma coisa.

Obviamente, os que evidenciam estes fatos e os que se opõem à pornografia são condenados como “retrógrados”, “puritanos” e “antissexo”. Quando o lembrei à dr.ª Layden, ela não se mostrou nem um pouco impressionada.

— O desejo de amor — disse ela — está incrustado em nós. Um de meus colegas disse uma vez: “O verdadeiro perigo é que isto põe a perder o amor em um mundo em que somente o amor traz felicidade”. Isso resume o que estamos fazendo, que todos estamos “programados” para amar e ser amados. É isso que alimenta o nosso coração faminto, e nós temos agora uma geração que está esfomeada e tem o coração ávido; mas o que eles têm consumido é lixo sexual, eles estão se tornando “obesos sexuais” porque é tão grande a sua fome [de amor] que estão dispostos a comer até mesmo esse lixo, se não há outro alimento disponível. Por isso, o que precisamos, em parte, são pessoas que falem sobre a beleza do sexo, sobre a maravilha do sexo, sobre como o sexo une os casais comprometidos e os ajuda a manterem suas promessas de fidelidade mútua; precisamos de pessoas que falem que existe, sim, uma sexualidade boa, que enobrece, que anima e se baseia no amor, mas que todo esse lixo sexual que aí está não é nada disso.

Que pensar, no fim das contas? Que os que se opõem à pornografia não são “antissexo”. São apenas gente sábia o bastante para reconhecer que a pornografia é veneno. Quando usada como um sucedâneo do amor, ela equivale a dar um copo de água salgada para alguém morrendo de sede: ela irá provocar ainda mais desejo, mas sem proporcionar satisfação alguma. Para a dr.ª Mary Anne Layden, isso é autoevidente, e ela pretende que o maior número possível de pessoas seja capaz de o ver assim também.

— Se eu dissesse às pessoas: “Quero que tenham uma alimentação saudável e deixem de ir ao McDonald’s”, elas não me chamariam de “anticomida”. Elas apenas diriam que eu quero promover uma alimentação saudável […]. Ora, o mesmo acontece com a sexualidade: quero promover uma sexualidade saudável, amorosa, que enobreça e alimente a alma, e não uma “sexualidade fast food”.

E como consegui-lo? Com altíssimos índices de adicção à pronografia, isso sequer é possível? A dr.ª Layden tem tantas sugestões, que é difícil resumi-las:

— Acho que deveríamos nos educar a nós mesmos; precisamos contar a verdade aos outros; cada um tem de falar a verdade porque, uma vez que sabemos de tudo isso, calar-se é tornar-se cúmplice. Precisamos ir às nossas escolas e centros de ensino e dizer aos responsáveis: “Vocês precisam proteger nossas crianças”. Precisamos exigir dos nossos governantes que impeçam a difusão de ideias como “com consentimento, vale tudo”, o que significa impedir a legalização da prostituição. Ideias como aquela dizem aos homens que a prostituição não é um problema, e assim mais e mais homens irão atrás de prostitutas. Precisamos criar leis contra o que prejudica as pessoas; é preciso que a sociedade se indigne de verdade quando um caso de violência sexual é varrido para debaixo do tapete, por ter sido cometido por uma celebridade, por exemplo. Precisamos nos reunir e ter a jornalistas, advogados e pais de mãos dadas, como um time forte, para dizer que a nossa sociedade é digna de ser salva, que as nossas crianças são dignas de ser protegidas, que a sexualidade é algo sagrado. Mas precisamos fazê-lo em conjunto, e isso exige um esforço conjunto… Quando ouço alguém dizer que não, não é possível pôr o leite derramado de volta na embalagem, digo que há 50 anos 60% dos habitantes de Nova Iorque eram fumantes, e hoje somente 18% das pessoas fumam na cidade. É possível, sim, “pôr o leite de volta na embalagem”. Nós podemos fazê-lo e vale a pena fazê-lo.

Eu, assim como a dr.ª Mary Anne Layden, não sou “antissexo”, embora não me oponha a ser chamado de retrógrado. Eu sou, contudo, totalmente “antipornografia”, e isso porque a pornografia está transformando em “retrógrados” relacionamentos saudáveis, amorosos e fiéis. Ela está roubando da geração atual a sua capacidade de aproveitar relacionamentos duradouros e felizes. É por isso que temos a responsabilidade de dar voz ao chamado da dr.ª Layden e de muitos outros especialistas a lutarmos contra o mal da pornografia, onde quer que ele se encontre. Os que afirmam que a pornografia é inofensiva estão, ao fim e ao cabo, muitíssimo mal informados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Possessão? A tentação é pior, diz exorcista
Doutrina

Possessão?
A tentação é pior, diz exorcista

Possessão? A tentação é pior, diz exorcista

“Nós não devemos subestimar a gravidade da tentação. Ela não é tão espetacular quanto a possessão, mas é de longe muito mais perigosa para a alma.”

Catholic News AgencyTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere20 de Maio de 2019
imprimir

Ainda que representações dramáticas de possessões demoníacas, como as de Hollywood, dêem a entender que são elas a principal atividade do demônio, um padre e exorcista dominicano alerta: a ameaça maior e mais comum colocada pelo demônio para a salvação de uma pessoa é a tentação ao pecado.

“A manifestação demoníaca mais comum é a tentação, e ela é muito pior do que a possessão”, disse o Pe. François Dermine, O.P., em entrevista à Catholic News Agency, em 10 de maio.

O sacerdote, exorcista há mais de 25 anos, explica que a possessão não é uma ameaça espiritual da mesma forma que a tentação, e que é até possível, a um possesso, que ele faça um “progresso espiritual extraordinário”, chegando mesmo à santidade.

Isso se deve ao fato de que a possessão do corpo de uma pessoa ocorre sem o seu conhecimento ou consentimento. A possessão em si mesma não torna a sua vítima moralmente culpável.

“Nós não devemos subestimar a gravidade da tentação. Ela não é tão espetacular quanto a possessão, mas é de longe muito mais perigosa [para a alma]”, diz o sacerdote.

“Resistir à tentação é simples”, ele afirma, ainda que nem sempre seja fácil. “É preciso evitar as ocasiões de pecado, é claro, levar uma vida cristã e ter vida espiritual. Faz-se necessário rezar, comportar-se corretamente e amar as pessoas com que nos encontramos todos os dias e também aquelas com que convivemos.”

Segundo o Pe. Dermine, depois da tentação, outra forma muito comum de atividade demoníaca é a opressão. Às vezes as pessoas podem encontrar alguns problemas, geralmente de saúde, nos negócios ou na família, e que não podem ser explicados por causas naturais. Quando se julga que a causa desses problemas é uma opressão diabólica, dá-se-lhes o nome de “preternaturais” e eles podem demandar o auxílio de um exorcista.

“Das ações extraordinárias do demônio, essa é a mais comum”, diz o Pe. Dermine, explicando que a tentação é considerada como ação demoníaca “ordinária”.

O sacerdote adverte que as pessoas não deveriam concluir de imediato que problemas físicos ou sofrimentos sejam resultado de uma opressão demoníaca, porque na maioria das vezes eles podem ser explicados por causas naturais.

Se alguém visitou um médico (ou um psicólogo, se for o caso) e nenhuma explicação natural pôde ser encontrada, então é o caso de se procurar um exorcista. “Quando uma pessoa vem e pede uma bênção para um problema específico”, diz o padre, “a primeira coisa que um exorcista deve perguntar é: você já foi a um médico?”.

O Pe. François Dermine é nascido no Canadá, mas vive na Itália praticamente desde que foi ordenado sacerdote, em 1979. Exorcista desde 1994, ele exerce seu ministério na Arquidiocese de Ancona-Osimo e foi convidado a falar sobre como é a vida de um exorcista durante o 14.º curso sobre exorcismo e orações de libertação — evento organizado pelo Ateneo Pontificio Regina Apostolorum e pelo Gruppo di Ricerca e Informazione Socio-Religiosa.

O curso tem duração de uma semana, encerrou-se no dia 10 de maio e tem como finalidade não só formar novos exorcistas, mas também inteirar sacerdotes e leigos do exorcismo e de tópicos semelhantes. O Pe. Dermine disse que muitos dos leigos participando do curso compareceram a pedido de seus bispos, para que aprendessem a prestar auxílio aos sacerdotes durante os exorcismos.

O sacerdote conta ainda que, em sua palestra, apresentou alguns dos erros mais comuns cometidos por exorcistas, como o de confundir manifestações demoníacas preternaturais com carismas sobrenaturais, vindos de Deus. “Há uma diferença muito importante”, ele explica. “Nós temos uma natureza humana e não podemos conhecer as coisas sem antes as termos aprendido por meio de nossos sentidos.”

“Deus nos criou para agir de uma certa forma. Se você tem percepções extrassensoriais e coisas do tipo, e elas não servem para influenciar ou provocar um resultado espiritual, então elas não podem vir de Deus”, ele adverte. Pessoas com tais percepções são normalmente chamadas de “médiuns” na cultura secular.

Esses tipos de sentimentos ou manifestações preternaturais podem ser “causa de muitos problemas”, explica o sacerdote, e as pessoas envolvidas nisso podem precisar da ajuda de um exorcista.

O padre nota que existe um valor cultural em se ministrar um curso sobre exorcismos para padres e leigos, e isso acontece porque o tópico é no mais das vezes misterioso, suscitando o desejo de aprender. “A maior parte das pessoas que vêm aqui fazem-no não porque têm intenção de se tornarem exorcistas necessariamente, mas porque querem aprender”, ele diz.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.