CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
7 Mai 2015 - 25:28

Eu vos chamo amigos

Eis a grande novidade da religião cristã. Deus, que habita em luz inacessível, veio ao mundo para se fazer amigo do homem. “Já não vos chamo servos, mas amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai.” Em que consiste esse amor de amizade de que fala o Evangelho? Como querer e agir efetivamente pelo bem do próximo? Aprenda, nesta pregação, como pôr em prática o mandamento do amor.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 7 Mai 2015 - 25:28

Eu vos chamo amigos

Eis a grande novidade da religião cristã. Deus, que habita em luz inacessível, veio ao mundo para se fazer amigo do homem. “Já não vos chamo servos, mas amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai.” Em que consiste esse amor de amizade de que fala o Evangelho? Como querer e agir efetivamente pelo bem do próximo? Aprenda, nesta pregação, como pôr em prática o mandamento do amor.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

No Evangelho deste Domingo, Nosso Senhor deixa aos Seus discípulos o mandamento do amor: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei.” E como amou Cristo os Seus apóstolos? Dando por eles a Sua própria vida, como diz no versículo seguinte: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos.”

Santo Tomás de Aquino, comentando este trecho das Escrituras, esclarece que a caridade é uma amizade e trata de diferenciá-la do amor de concupiscência:

“Segundo Aristóteles, não é qualquer amor que realiza a noção de amizade, mas somente o amor de benevolência, pelo qual queremos bem a quem amamos. Se, porém, não queremos o bem daquilo que amamos e, antes, queremos para nós o bem que há neles, quando, por exemplo, dizemos amar o vinho, ou o cavalo etc., não há amor de amizade, mas um amor de concupiscência.” [1]

A primeira característica do amor de amizade é, portanto, a benevolência (do latim bene volere, “querer bem”). Quando pede aos discípulos que permaneçam no Seu amor, Nosso Senhor se explica: “Eu vos disse isso, para que minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena”. O grande bem que Deus quer para o ser humano é que ele participe da Sua alegria, no Céu. Deus mesmo não ganha absolutamente nada com essa amizade, mas, justamente porque quer o bem dos homens, manifesta-se como “um Deus ciumento” (Ex 20, 5), pedindo que eles O amem sobre todas as coisas e não tenham outros deuses diante d’Ele. O bem de que aqui se trata pode muito bem ser grafado em maiúsculas, já que, dos muitos bens que se pode desejar a uma pessoa, o maior de todos, o Bem por excelência, é a sua salvação eterna.

Quando Cristo diz, portanto: “Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei”, é em vistas à salvação da alma do próximo que se deve amá-lo. O verdadeiro bem é o Céu. O verdadeiro mal é o inferno. Diante da possibilidade de nunca contemplar a face de Deus no Céu, qualquer mal desta Terra é uma trivialidade. Diante do horror que é perder a Deus eternamente, a maior tragédia deste mundo é um nada. Assim, querer o bem das pessoas é querer que elas se salvem. Se alguém deseja aprender a amar o outro, deve começar rezando pela sua salvação eterna.

A segunda característica da amizade é a beneficência (do latim bene facere, “fazer o bem”). Não basta querer bem o outro; é preciso que isso se torne algo efetivo. Como o modelo supremo é Cristo, é preciso fazer o bem como Ele fez: “Ninguém tem maior amor que aquele que dá a vida pelos amigos”. Nosso Senhor não ficou somente em afetos e desejos, mas operou o bem, veio do Céu como filantropo (em grego, φιλάνθρωπος), como verdadeiro amigo dos homens, entregando a Sua própria carne e derramando o Seu próprio sangue por eles.

Na Santa Missa, este único sacrifício de Cristo é celebrado nos altares do mundo inteiro, operando eficazmente pela salvação da humanidade. Quando os comunistas tomaram o poder na Rússia e a Igreja Ortodoxa foi violentamente perseguida, os agentes soviéticos também levaram consigo o Patriarca de Moscou. Perguntando se tinha algum último desejo antes de ser preso, o religioso respondeu: “Deixem-me celebrar pela última vez a divina Liturgia, com a certeza de que, por este santo sacrifício, o mundo será salvo”.

Esta é a fé da Igreja: que a celebração dos Sacramentos são os sinais eficazes da graça de Deus na vida dos homens. Por isso, quando as pessoas se aproximam regularmente da Confissão e da mesa da Eucaristia, estão de fato fazendo o bem.

Mas, o começo da beneficência está na pregação da Palavra. “Deus quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Tm 2, 4). O primeiro modo de fazer o bem às pessoas é dar a elas a fé, de preferência mostrando-lhes a vida dos santos, “caminho seguro para efetuar uma hermenêutica viva e eficaz da Palavra de Deus” [2].

Assim, colocando em primeiro lugar a e os Sacramentos, tendo em vista a salvação das almas, todos os outros bens que se desejam aos homens serão devidamente ordenados. Saúde física, longa vida, prosperidade, tranquilidade: nada, absolutamente nada, deve ser anteposto a Cristo.

Referências

  1. Suma Teológica, II-II, q. 23, a. 1; cf. também Comentário ao Evangelho de São João, 15, 4.
  2. Papa Bento XVI,Exortação Apostólica Verbum Domini (30 de setembro de 2010), n. 49.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.