CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

204. Festa de São Marcos, Evangelista

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 16, 15-20)

Naquele tempo, Jesus se manifestou aos onze discípulos, e disse-lhes: "Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados".

Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus. Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e confirmava sua palavra por meio dos sinais que a acompanhavam.

Baseada em testemunhos antiquíssimos, a tradição cristã sempre atribuiu o segundo Evangelho a um singelo escritor que, embora não fizesse parte do Colégio Apostólico, deixou provas suficientes de haver conhecido Nosso Senhor diretamente: trata-se de São Marcos, cuja festa temos hoje a alegria de celebrar. Como de costume entre os judeus da época, o nome "Marcos" é por certo o sobrenome romano de João Marcos (Yohanan Markos), mencionado em várias passagens do Novo Testamento (cf. At 12, 12.25; 13, 5-13; 15, 37.39) como sendo companheiro de São Paulo em sua primeira missão evangelizadora (cf. At 13, 5) e discípulo de São Pedro (cf. 1Pd 5, 13), além de primo do levita São Barnabé (cf. Col 4, 10). Os Atos dos Apóstolos também nos fazem saber que Maria, uma viúva de posses e convertida à fé cristã, era sua mãe. A ela deve ter pertencido, ao que parece, o conhecido Horto das Oliveiras, aonde Jesus costumava ir para recolher-se em oração.

Algumas outras tradições, cuja veracidade não se pode garantir com segurança, identificam a casa de Marcos com o Cenáculo em que se celebrou a Santa Ceia (cf. Mc 14,15) e ocorreu a vinda do Espírito Santo sob a forma de línguas de fogo (cf. At 1, 13). Foi justamente para lá, "onde muitos se tinham reunido e faziam oração" (At 12, 12), que São Pedro se dirigiu após escapar da prisão em que Herodes Agripa I o havia metido. A darmos crédito a certos escritos antigos, parece algo provável que Marcos seja aquele "homem, carregando um cântaro de água" (Mc 14, 13s), que levara os Apóstolos até à sala em que Cristo havia de celebrar sua última Páscoa. Em todo caso, ainda que não tenha sido do grupo dos Doze nem tampouco acompanhado a pregação do Senhor pela Palestina, São Marcos decerto conheceu a Cristo e presenciou ao menos um importante episódio de sua vida: o aprisionamento. Com efeito, é apenas no seu Evangelho que ficamos sabendo do jovem coberto apenas de um pano de linho que, atemorizado diante dos soldados, fugiu às pressas no meio da noite, deixando para trás o lençol que o cobria (cf Mc 14, 51s).

Além do que nos contam os Atos do Apóstolos, são poucas as notícias que nos restam a seu respeito; depois do martírio de Pedro e Paulo, o seu itinerário de evangelizador e catequista se torna bastante incerto e de difícil recomposição. São Jerônimo e Eusébio, com base em tradições anteriores, dizem que Marcos fundou no Egito a igreja de Alexandria, cuja liturgia permanece, ainda hoje, intimamente ligada ao nome do seu santo patriarca. Martirizado por volta do ano 68 numa aldeola chamada Búcoli, São Marcos, com suas fraquezas e virtudes, deixou à cristandade um exemplo forte de humildade e confiança sempre crescente na graça de Deus. Embora sejamos fracos (ou precisamente por isso!), o Senhor quer servir-se de nós para realizar uma obra que é inteiramente sua: temos, pois, de colocar-nos à disposição da Vontade divina, que pode transformar nossas costumeiras faltas de fortaleza e constância em fontes preciosas de conversão e abnegação. Entreguemo-nos inteiramente às mãos de Deus! Sejamos pouco seguros de nós mesmos, tão falhos e fracos, e depositemos toda a nossa confiança no Único que nunca falha nem pode desfalecer!

Download do Material

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.