CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1176. Memória de São Carlos Lwanga e companheiros

O exemplo dos santos mártires Carlos Lwanga e seus 21 companheiros nos recorda que devemos obedecer antes a Deus que aos homens, e que nada nesta vida justifica entregar nossos corpos ao pecado, se com isso precipitamos nossa alma no inferno.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 16, 29-33)

Naquele tempo, os discípulos disseram a Jesus: “Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isto cremos que vieste da parte de Deus”. Jesus respondeu: “Credes agora? Eis que vem a hora – e já chegou – em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só; o Pai está comigo. Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!”

Hoje, a Igreja faz memória de S. Carlos Lwanga, que, com outros 21 companheiros, conclui a vida no fim do séc. XIX com a coroa de um duplo martírio: a do pudor e a da religião. Neles, com efeito, se cumpriu o que na Liturgia desta segunda-feira nos diz Jesus Cristo: “No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!” O beato Carlos e os que com ele foram martirizados pertenciam à corte de Mwanga II, rei de Buganda de 1884 a 1897 que empreendeu uma feroz perseguição contra os cristãos, vistos como uma ameaça para o reino ugandês. No entanto, não foi apenas o ódio à o que os levou à morte; foi também o ódio à santa pureza. Mwanga II, como é sabido, possuía um grande harém masculino, composto pelos pajens de sua corte, que, segundo as tradições do reino, estavam obrigados a satisfazer todos os desejos do monarca. Pagão de mente e coração, Mwanga II não podia compreender a doutrina cristã sobre a moral sexual, eterna pedra de tropeço para o mundo, nem aceitar a menor desobediência de seus súditos. Por isso, em 1886, o rei deu um ultimato a todos os que se professavam católicos: ou renegar a fé, submetendo-se a seus caprichos sexuais, ou a morte. Sem temer as ameaças do rei, e entregando seus corpos antes a Deus que ao pecado, S. Carlos e seus companheiros preferiram suportar quaisquer tribulações e, com enorme coragem, triunfar do mundo com Jesus Cristo. Assim, o beato Carlos, que se recusou a abrasar os vícios do rei, foi queimado vivo, merecendo ser morto primeiro que os outros. — Que a morte destes valorosos heróis da fé, que mereceram, por sua fidelidade a Cristo e pelo testemunho da mais perfeita castidade, as honras triunfais que reserva Deus a seus mártires, nos encha de coragem para fazermos frente, com santa intransigência, aos ataques do mundo à nossa fé e à moral sexual que a Igreja, como fiel guardiã da verdade revelada e mestra das nações, com tanto empenho e paciência busca transmitir às almas.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.