CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1282. Memória de São Francisco de Assis

A humildade perfeita não se contenta em reconhecer os seus limites ou a sua miséria. O que a inspira, mais do que a consciência de não ser nada, é o amor ardente àquele que, sendo o nosso tudo, se esvaziou a si mesmo, o mais pobre dos pobres, para nos enriquecer com a sua grandeza.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 10, 13-16)

Naquele tempo, disse Jesus: “Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que foram feitos no vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e sentando-se sobre cinzas. Pois bem: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia terão uma sentença menos dura do que vós. Ai de ti, Cafarnaum! Serás elevada até o céu? Não, tu serás atirada no inferno. Quem vos escuta a mim escuta; e quem vos rejeita a mim despreza; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou”.

No Evangelho de hoje, o Senhor dirige palavras duras a algumas cidades que não aceitaram a sua pregação, entre as quais se conta nada menos do que Cafarnaum, a cidade que Jesus mesmo escolheu como sua casa: “Ai de ti, Cafarnaum! Serás elevada até o céu? Não, tu serás atirada no inferno”. Não é difícil ver nestas palavras uma condenação daquele orgulho com que Satanás, fascinado diante de suas próprias perfeições, quis elevar-se até o céu, mas acabou precipitando-se no inferno. Em contraste com essa diabólica soberba, temos o exemplo de S. Francisco de Assis, recordado hoje na Liturgia, que recebeu o título de seráfico, em referência à mais elevada das hierarquias angélicas, a qual compõe como que a corte de Deus, justamente por sua humildade. S. Francisco, sendo homem, mereceu ser como que elevado até o céu, porque nesta vida se rebaixou mais do que todos, movido não apenas por saber-se mera criatura e miserável pecador, mas por amor a Cristo humilde e humilhado. Assim, pois, como os santos Anjos se sentem ainda mais atraídos por Deus e trespassados de maior assombro diante do grande mistério de humildade que é a Encarnação do Filho, assim também o seráfico Francisco, vendo a pobreza do Menino Deus, o amou tanto a ponto de querer humilhar-se como Ele, por gratidão a Ele e para O amar mais perfeitamente. — Que S. Francisco de Assis, por seus méritos e preces, nos alcance hoje de Deus a graça desta humildade mais profunda e radical, que não se limita a reconhecer os nossos limites, como criaturas, nem a nossa miséria, como pecadores, mas se rebaixa por amor àquele que por amor a nós se rebaixou à nossa condição.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.