64. O novo Código Penal e as ameaças à vida e à família

Versão áudio

O projeto de reforma do novo Código Penal, apresentado pelo senador Pedro Taques (PDT-MT) ao Congresso, está recebendo as emendas dos parlamentares. Conta como uma grande vitória para a frente em defesa da vida o fato de o senador ter-se declarado favorável à vida e considerar, como doutor em Direito Constitucional, que o aborto é inconstitucional.

No entanto, mesmo com as modificações recentemente realizadas pelo senador matogrossense, o Código Penal continua padecendo de graves problemas. De modo sumário, é possível perceber no texto do projeto de lei três ideologias predominantes: a cultura da morte – que pretende tornar legais práticas como o aborto e a eutanásia –, a ideologia de gênero – que procura, com um jogo de linguagem sorrateiro, transformar a própria natureza humana – e o ecologismo – que é a construção de uma nova ética universal de “vida sustentável”, que dá mais valor à natureza e aos animais que ao ser humano.

O art. 128, que trata das situações excludentes de crime de aborto, tem a seguinte redação:

Art. 128. Não há crime de aborto praticado por médico:

I – se houver risco à vida ou à saúde da gestante;

II – se a gravidez resulta de violação da dignidade sexual, ou do emprego não consentido de técnica de reprodução assistida; ou

III – se comprovada a anencefalia ou quando o feto padecer de graves e incuráveis anomalias que inviabilizem a vida extra-uterina, em ambos os casos atestado por dois médicos.[1]

A primeira questão é a mudança da linguagem técnica no caput do art. 128. Se o Código Penal vigente diz que, em determinados casos, o aborto praticado por médico “não se pune”, o projeto do novo Código traz a expressão “não há crime”. Ora, nos casos atuais em que não se pune o crime do aborto, “a ausência de punição não retira o caráter delituoso do fato, tanto que, se um particular vier a fazer um abortamento para salvar a vida da gestante ou porque ela foi estuprada, crime haverá e, ainda, a aplicação de uma pena. [Assim,] crime é uma coisa e pena, outra”[2]. A nova expressão que consta no PLS 236 representaria não só um retrocesso no ordenamento jurídico brasileiro, como entraria em contradição com a própria Constituição Federal, que defende a inviolabilidade do direito à vida.

Antes da última revisão do senador Pedro Taques, havia, neste artigo, o inciso IV, que descriminalizava o aborto quando “a mulher não apresenta condições psicológicas de arcar com a maternidade”. Felizmente, esta previsão foi retirada do projeto. No entanto, continua de pé o inciso I, que diz não haver crime de aborto “se houver risco à vida ou à saúde da gestante” – diferentemente do atual Código Penal, que não pune a prática “se não há outro meio de salvar a vida da gestante”. Ora, quem não enxerga que a gravidez – que não é uma doença – pode acarretar dificuldades para a saúde materna? Poderiam as crianças ter suas vidas ceifadas por qualquer risco à saúde da gestante? A expressão utilizada no texto do projeto é escorregadia, pois deixa uma porteira aberta para a realização do aborto de modo desenfreado. Sob a simples alegação de representar um risco à saúde da mulher, legitima-se o assassinato de uma criança inocente e indefesa no útero de sua mãe.

Não adianta retirar uma ameaça do projeto de lei se permanece outra ainda pior à vida do nascituro. Se há dez pistolas apontadas para a cabeça do feto e tiram-se nove, restará ainda uma e esta será suficiente para matar a criança. Na defesa da vida, não há espaço para uma luta “parcial” ou “até certo ponto”. Enquanto a integridade da vida humana estiver sendo vilipendiada, é preciso combater; enquanto estiverem sendo utilizadas expressões perigosas para manipulá-la, é preciso resistir. Foi com esta mesma linguagem perniciosa que a Inglaterra legalizou o aborto em seu território, com o Abortion Act (“Ato de Aborto”)[3], de 1967.

O texto proposto também acolhe aquela decisão desastrada do Supremo Tribunal Federal que, ao julgar a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n. 54, arbitrariamente “legalizou” o aborto de fetos anencefálicos no Brasil. É evidente que o órgão máximo do Poder Judiciário extrapolou de suas competências, como atesta o próprio voto do ministro Ricardo Lewandowski[4], durante o julgamento da questão. Então, é discutível a proposição do senador Mozarildo Cavalcanti que, com o PLS 50/2011, inclui “os casos de anencefalia fetal” no art. 128 do Código Penal.

Também é proposta, no relatório atual, a revogação da Lei das Contravenções Penais[5]. Esta lei pune, em seu art. 20, a conduta criminosa de “anunciar processo, substância ou objeto destinado a provocar aborto”. Percebe-se a conveniência em retirar esta lei do ordenamento jurídico: ela permite que as fundações internacionais, que já investem milhões de dólares na promoção da cultura da morte, contrabandeiem livremente substâncias abortivas, facilitando a disseminação da prática. Existe um forte lobby estrangeiro para que essas drogas sejam vendidas, embora, por outro lado, a população brasileira se manifeste cada vez mais contrária à prática do abortamento. Mas, afinal, urge que se questione de quem é a soberania neste país: os nossos parlamentares estão servindo ao povo brasileiro ou aos interesses das grandes organizações internacionais?

Outro problema que se vislumbra no texto apresentado ao exame do Parlamento está no art. 248, § 7º: “Não constitui crime de terrorismo a conduta individual ou coletiva de pessoas movidas por propósitos sociais ou reivindicatórios, desde que os objetivos e meios sejam compatíveis e adequados à sua finalidade”. Sob a capa de estar-se militando “por propósitos sociais ou reivindicatórios”, o terrorismo deixa de ser penalizado, como se os fins aparentemente lícitos pudessem justificar os métodos pouco humanos empregados para sua consecução.

Ainda não se deplorou suficientemente o fato de o ultraje público ao pudor, tipificado no Código vigente nos arts. 233 e 234, não estar presente nesta reforma “despudorada” do diploma penal. Quais sanções caberiam à prática de “ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público” ou à exposição pública de “escrito, desenho, pintura, estampa ou qualquer objeto obsceno”?

Mais uma questão – e essa perpassa todo o texto do PLS 236 – é a introdução da perigosa expressão “identidade de gênero” no ordenamento jurídico brasileiro. No vocabulário corrente, “gênero” tem o mesmo significado que a palavra “sexo”: diz respeito à diferença biológica entre os indivíduos. No entanto, o sentido desta palavra tem sido radicalmente alterado. Para um grupo restrito de psicólogos da década de 1960, “sexo” era o dado biológico das pessoas e “gênero” não passava de um constructo social, que poderia ser livremente modificado pela vontade humana. O que não passava de uma teoria radical, há quarenta anos, hoje consta em documentos da Organização das Nações Unidas e está pronto para ser introduzido nas legislações nacionais de todo o mundo.

Não é de impressionar que os grupos feministas e gayzistas, na luta por suas reivindicações, recorram à manipulação da própria linguagem, já que “mudar o significado e o conteúdo das palavras é uma artimanha para que a reengenharia social seja aceita por todos sem protestos”[6]. De fato, essa ideologia expressa a vontade férrea de uma elite revolucionária de destruir família, tal como ela é concebida pela civilização ocidental.

Quais as provas da “veracidade” desta teoria? Nenhuma. Em sentido contrário, há muitos fatos que a desabonam. O mais impressionante deles aconteceu justamente com um dos defensores da “ideologia de gênero” em 1960: o psicólogo neozelandês John Money. Ele advogava abertamente que um menino poderia ser criado como menina – e vice-versa. Foi-lhe apresentada, um dia, uma criança que acabou tendo o seu órgão sexual amputado por um terrível erro cirúrgico. O médico recomendou que o menino fosse criado pelos pais como menina: David, então, foi criado com o nome de Brenda. John Money apresentou este caso como um sucesso, uma prova de que a “identidade de gênero” não é inata, mas aprendida. Na verdade, a história ainda tinha muitos capítulos para terminar. David Reimer nunca se identificou como uma menina e, na sua adolescência, começou a viver como homem, depois de descobrir o que havia acontecido com ele. Contaminado pelos experimentos macabros do dr. Money e frustrado, após várias tentativas de reconstituição de sexo, David Reimer suicidou-se, não sem antes ver seu irmão morrer após uma overdose de antidepressivos[7].

Mesmo após esta experiência repugnante, o Gender Establishment nunca foi tão forte e atuante no mundo. Uma de suas representantes máximas, a ativista Judith Butler, autora de Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity [“O problema do gênero: feminismo e a subversão da identidade”], encarna muito bem a rebeldia da agenda de gênero contra a própria natureza humana. Quem olha para ela, não consegue distinguir se se trata de uma mulher ou de um homem.

E é este projeto que os ideólogos de gênero pretendem impor à população mundial: eles querem abolir os “papéis sociais” de homem e mulher porque – dizem – são estes os primeiros papéis responsáveis pela opressão presente na sociedade. Recuperando a tese de Friedrich Engels em A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, o Gender Establishment transpõe a categoria marxista de “luta de classes” para a célula-mãe da humanidade e, para chegar a uma sociedade igualitária, seria preciso não mais abolir as classes econômicas, mas também as diferenças sexuais entre homens e mulheres.

Na luta contra a ideologia de gênero está em jogo o futuro da própria família. Por isso, é preciso que os termos “identidade de gênero”, “orientação sexual” e “preconceito de gênero” (cf. arts. 75, 121, 125, 474, 479 e 482) sejam retirados do texto de reforma do Código Penal brasileiro. Trata-se de expressões ideológicas e desnecessárias, sem contar que oferecem um grande potencial de risco para o futuro da nação brasileira.

Referências

  1. Relatório parcial da reforma do Código Penal (Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012), 19 de agosto de 2013, p. 153
  2. DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. p. 55-56
  3. Esta previsão normativa inglesa dizia que um médico não seria responsabilizado pelo crime de aborto caso “the continuance of the pregnancy would involve risk to the life of the, pregnant woman, or of injury to the physical or mental health of the pregnant woman or any existing children of her family, greater than if the pregnancy were terminated” (in Abortion Act 1967)
  4. Acórdão da Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental 54, p. 238s. Cf. ADPF 54. Falta de Competência Jurisdicional do STF. Voto do Ministro Ricardo Lewandowski | YouTube
  5. Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941
  6. Juan Claudio Sanahuja. Poder Global e Religião Universal. 1. Ed. Katechesis/Ecclesiae: Campinas, 2012. p. 39
  7. A BBC produziu dois documentários sobre a história de David Reimer: Dr. Money and the Boy with No Penis (disponível no YouTube e transcrito no site da BBC) e The Boy Who Was Turned Into a Girl (também disponível no YouTube e no site da BBC).


Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.

EpisódioTítuloDuraçãoData
113A Vida Consagrada01:11:04Fevereiro 10, 2015
112Igreja paralela? Seita?48:44Janeiro 10, 2015
111Conversa com os alunos sobre as doenças espirituais01:06:28Dezembro 17, 2014
110O Fim está próximo?01:01:53Dezembro 06, 2014
109Música Litúrgica01:08:28Novembro 28, 2014
108E o capitalismo?58:15Novembro 20, 2014
107Guerra cultural: como vencer o projeto marxista de poder52:03Novembro 12, 2014
106O papel da Igreja no mundo político55:18Novembro 06, 2014
105Mais 4 anos de PT...52:43Outubro 30, 2014
104Igreja em crise?01:03:06Outubro 17, 2014
103Sínodo sobre as Famílias01:00:07Outubro 10, 2014
102Na presença dos anjos!52:31Outubro 03, 2014
101Por que não sou protestante?01:15:33Outubro 01, 2014
100Conversa com os alunos01:06:38Setembro 19, 2014
99A oração da “Ave Maria”58:25Setembro 12, 2014
98As Sagradas Escrituras e a nossa vida espiritual01:05:24Setembro 08, 2014
97Conversa com os alunos01:01:33Setembro 04, 2014
96Ordenar homens casados: solução ou problema?01:07:07Agosto 13, 2014
95O santo sacerdócio de João Maria Vianney 01:02:34Agosto 13, 2014
94Terapia das Doenças Espirituais01:07:29Agosto 03, 2014
93A vida extraordinário de São Charbel Makhluf01:03:04Julho 23, 2014
92Idolatria e sexo desordenado01:17:02Julho 16, 2014
91A Espiritualidade Carmelitana e a Virgem Maria59:03Julho 09, 2014
90Papista!01:04:35Julho 07, 2014
89Herodes e Pilatos ficaram amigos!53:46Junho 18, 2014
88Sou católico e estou na universidade! E agora? 01:04:17Junho 17, 2014
87A Docilidade ao Espírito Santo45:02Junho 10, 2014
86A Mãe do Salvador e a Nossa Vida Interior01:08:17Maio 09, 2014
85A Divina Misericórdia50:57Abril 29, 2014
84São José de Anchieta53:07Abril 10, 2014
83O drama dos casais em segunda união01:01:23Abril 04, 2014
82A respeito da recepção da Comunhão Eucarística por fiéis divorciados novamente casados01:02:11Março 27, 2014
81O Espiritismo é cristão?59:37Março 17, 2014
80A Penitência Quaresmal58:57Fevereiro 28, 2014
79Oração: a porta da santidade52:32Fevereiro 20, 2014
78A impressionante história de Nossa Senhora de Lourdes56:41Fevereiro 18, 2014
77Madre Mariana amiga e confidente de Nossa Senhora do Bom Sucesso59:15Fevereiro 11, 2014
76Dom Bosco e as três alvuras da fé católica 53:07Janeiro 27, 2014
75Educação sexual das crianças e adolescentes57:16Janeiro 21, 2014
74A história de uma alma56:09Janeiro 14, 2014
73A defesa da família no Congresso Nacional 50:43Dezembro 17, 2013
72Dies irae: uma meditação sobre o fim dos tempos59:11Dezembro 03, 2013
71PLC 122: o projeto de destruição da família54:53Novembro 22, 2013
70Maria e o Vaticano II55:18Novembro 14, 2013
69Como fazer uma boa confissão 54:52Novembro 08, 2013
68A Resposta Católica53:02Novembro 01, 2013
67As finalidades e os efeitos da Santa Missa 01:02:51Outubro 25, 2013
66Sexo ou gênero?53:41Outubro 07, 2013
65O Senhor dos Anéis01:06:04Setembro 26, 2013
64O novo Código Penal e as ameaças à vida e à família49:47Setembro 18, 2013
63O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota57:24Setembro 12, 2013
62Satanás e os seus demônios55:23Setembro 05, 2013
61O Missal de Paulo VI e a hermenêutica da continuidade 41:39Agosto 28, 2013
60O missal de Paulo VI e a reforma da reforma litúrgica de Bento XVI01:11:15Agosto 23, 2013
59A Quaresma de São Miguel e o auxílio dos anjos40:36Agosto 15, 2013
58Fora da Igreja existe salvação?56:48Agosto 07, 2013
57A Jornada Mundial da Juventude e as palavras de Francisco42:38Julho 31, 2013
56Papa Francisco no Brasil e a Jornada Mundial da Juventude57:29Julho 25, 2013
55Os perigos do veto parcial do PLC 03/2013 39:27Julho 19, 2013
54O perigo das falsas conversões30:51Julho 02, 2013
53O quadro político do Brasil59:31Julho 02, 2013
52As manifestações no Brasil55:54Junho 20, 2013
5145 anos da Humanae Vitae55:15Maio 31, 2013
50Modéstia, como as mulheres devem se portar - Parte 218:43Maio 21, 2013
49Modéstia, como as mulheres devem se portar - Parte 137:16Maio 21, 2013
48Virgindade e Espiritualidade34:04Maio 09, 2013
47Maternidade50:44Abril 25, 2013
46Feminilidade, o que está acontecendo com as mulheres?58:21Abril 17, 2013
45A dignidade da mulher58:39Abril 11, 2013
44A Santíssima Eucaristia59:14Abril 02, 2013
43Preparação para Páscoa "Victimae Paschali Laudes"55:37Março 27, 2013
42Papa Francisco e a Liturgia de Bento XVI - Parte II 30:54Março 21, 2013
41Papa Francisco e a liturgia de Bento XVI39:33Março 20, 2013
40O Conclave54:04Março 14, 2013
39Como ainda crer na santidade da Igreja?58:30Março 06, 2013
38Os últimos dias de Bento XVI 01:01:32Março 01, 2013
37A renúncia do Santo Padre e próximo conclave51:42Fevereiro 20, 2013
36A Infância de Jesus28:30Dezembro 19, 2012
35O ódio ao feminino49:15Novembro 28, 2012
34Masculinidade, o que está acontecendo com os homens de Deus?58:01Novembro 21, 2012
33Masculinidade, o que está acontecendo com os homens?59:44Novembro 14, 2012
32Doenças Espirituais: O que são e como combatê-las52:58Novembro 07, 2012
31O Ano da Fé59:18Outubro 25, 2012
30Os Mártires de Hoje47:44Outubro 09, 2012
29Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" - Sexta Aula38:59Outubro 02, 2012
28Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" - Quinta Aula46:55Setembro 25, 2012
27Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" - Quarta Aula43:23Setembro 18, 2012
26Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" - Terceira Aula55:59Setembro 11, 2012
25Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto"01:01:07Setembro 04, 2012
24A Nova Estratégia Mundial do Aborto48:14Agosto 28, 2012
23Nova Ordem Mundial: o maior perigo que ameaça o Cristianismo57:51Agosto 21, 2012
22Nova Ordem Mundial26:19Agosto 14, 2012
21Lançamento do DVD "Antropologia e Escatologia"58:11Agosto 06, 2012
20São Felipe Neri - "Prefiro o paraíso"41:07Julho 31, 2012
19A vida em risco49:09Julho 17, 2012
18Dom Eugênio Sales, uma escola de fidelidade47:56Julho 10, 2012
17O preço da fidelidade40:47Julho 03, 2012
16A presença de São Pedro em Roma36:10Junho 26, 2012
15O Gnosticismo em nosso meio01:03:27Junho 19, 2012
14Exame de consciência - 20 anos de sacerdócio49:47Junho 12, 2012
13Crise na Igreja01:08:16Junho 05, 2012
12Marxismo Cultural e o Comunismo01:13:28Fevereiro 08, 2012
11Ó admirável intercâmbio!26:03Dezembro 23, 2011
10Ó Emanuel!01:22:52Dezembro 17, 2011
9PL122 - A lei da mordaça gay01:20:04Dezembro 06, 2011
8Teologia e espiritualidade do Advento e do Natal38:50Novembro 29, 2011
7Conversão e a luta contra o pecado01:01:15Novembro 25, 2011
6Presença real de Jesus na Eucaristia01:06:48Novembro 18, 2011
5O Inferno01:07:31Novembro 11, 2011
4E agora, para onde vamos?01:06:20Novembro 03, 2011
3A vida de São Pio de Pietrelcina01:05:55Setembro 21, 2011
2O protestantismo01:05:55Setembro 13, 2011